Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Jujuba  Voltar

Jujuba

 

Nome botânico: Ziziphus jujuba

Jujuba
Jujuba

Jujuba é uma fruta muito interessante, com uma história ainda mais interessante.

Da família botânica Rhamnaceae ou Espinheiro, eles foram cultivados na China há mais de 4.000 anos.

Há pelo menos 400 variedades jujuba, desenvolvidos com sucesso para suas características distintivas - principalmente variedades melhores para comer fresco e outros para secagem para atingir uma consistência data-como borracha.

Enquanto as árvores jujuba são extremamente resistentes e podem prosperar mesmo em temperaturas extremas, com menos de oito centímetros de chuva por ano, eles preferem ensolarado em áreas sombreadas.

Às vezes chamado de datas vermelhas, datas chineses, coreanos, datas ou datas indianos, jujubas vêm de decídua e relativamente pequenas árvores. Árvores Jujuba crescer em torno de 40 pés com folhas brilhantes verdes, flores de aparência modesta, e uva-a-sized morango-frutas que contêm uma única semente grande no centro. Isso os torna drupas.

Jujuba são vermelhos dentro e por fora, com uma textura crocante, a pele comestível, e um doce-azedo, sabor maçã-like. Quando maduro, elas podem ser armazenadas à temperatura ambiente durante cerca de uma semana.

Jujuba quando introduzido nos Estados Unidos no final dos anos 1800, porque eles tentaram propagar uma variedade significava para a secagem. Não até a década de 1990 foi o primeiro verdadeiramente saborosa variedade jujuba importados para os EUA por um particular, e mais dois em 2007.

As melhores variedades jujuba frescas para procurar incluem Sugar Cane, Li, Sherwood, Chico, and Honey Jar (este último teria o menor e mais suculento). As melhores variedades de secagem são Lang e Li Shanxi.

Variedades jujuba secas podem ser utilizadas para substituir datas ou maçãs em receitas. Apenas descascar a fruta e retire a única semente dentro. Jujuba também pode ser em conserva todo ou usada para fazer chá.

Benefícios de saúde do Jujuba

Embora eles não podem ter uma grande quantidade de qualquer um nutriente, Jujuba conter uma grande variedade de outros diferentes, incluindo magnésio , potássio, cobre, niacina, cálcio, manganês, fósforo e ferro. Eles contêm 20 vezes mais vitamina C do que qualquer fruta cítrica, fortalecendo o sistema imunológico e combate as infecções, que podem ser por isso que elas foram utilizadas medicinalmente há milênios, em muitas culturas, como um chá para dor de garganta, por exemplo.

Estudos médicos descobriram que as frutas jujuba e extractos têm a capacidade de ajudar a baixar a pressão sanguínea, inverter a doença hepática, o tratamento da anemia, e inibir o crescimento de células tumorais que podem levar a leucemia. Extratos Jujuba também são usados em produtos de cuidados da pele usados para diminuir as rugas, aliviar a pele seca, e tratar a dor queimaduras solares.

Como uma fruta pode ter todos esses benefícios tem a ver não apenas com a combinação, mas também a complexidade de seus fitonutrientes. Os cientistas identificaram oito flavonóides em frutas jujuba, incluindo spinosin e swertish, que têm propriedades sedativas - sem dúvida, as sementes razão jujuba são usados para tratar ansiedade e insônia na medicina tradicional chinesa.

O radical-fenol limpeza puerarin livre em jujubas ajuda a manter os níveis de colesterol na faixa normal e diminuir o risco de doença cardiovascular. A apigenina flavonóide (também encontrada em camomila, tomilho, e vinho tinto) contém antioxidantes, bem como propriedades anti-inflamatória e anti-tumorais, ajudando a reduzir o risco de cancro e de impacto positivo sobre o fígado, a digestão, e alergias.

Valor nutricional da Jujuba

100 gramas (um pouco menos de ½ xícara) de jujuba fresco:

Calorias: 79
Os hidratos de carbono: 20 g
Proteína: 1 g

100 gramas de frutas secas jujuba:

Calorias: 287
Os hidratos de carbono: 74 g
Proteína: 4 g

Fonte: foodfacts.mercola.com

Jujuba

Nome científico: Ziziphus jujuba Mill e Z. mauritiana Lam.

Família: Rhamnaceae

Origem: São conhecidas e cultivadas em alguns países da China e da Índia.

Descrição

Planta da família das Rhamnaceae. Também conhecida como jujuba-selvagem, jujubeira, macieira-de-anáfega. Jujube (inglês), jinjolero (espanhol), jujuber du brésil (francês).

Princípios Ativos

Ácido betulínico, betulina, ebelinlactona, flavonóides, jujubogenina, jujubosídeo, saponinas, vitaminas C, P.
Frutas: glúcidos, vitamina C, mucilagens;
Casca: taninos;
Folhas: glúcidos, taninos, ácido zizífico.

Propriedades medicinais

Analgésica, antialérgica, antioxidante, aperiente, calmante, demulcente, emoliente, sedativa.
Casca: adstringente, antidiarréico;
Folhas: adstringente, hipoglicêmica;
Frutas: antidiarréico, tônico, demulcente, expectorante, laxante leve, depurativo, emoliente, aperiente, vitamínico.

Indicações

Falta de apetite, distúrbios do fígado, alergia de pele, dores gerais, hidratar a pele, prevenir envelhecimento precoce, suavizar linhas de expressão e rugas.
Frutas: taquicardia, insônia, transpirações noturnas, ansiedade, ataques de histeria, constipação, convalescênçia, inapetência;
Casca: diarréias, ferimentos, eczema, faringite, estomatite, vulvovaginite, escoriações;
Folhas: diarréia, diabete, ferimentos, eczema, faringite, estomatite, vulvovaginite, escoriações.

Parte utilizada: Folhas, frutos.

Clima e solo: A jujuba chinesa é subtropical, adapta-se a regiões mais frias quando no estado dormente, tolerando até -5oC. A indiana é subtropical.

Utilização: Deve ser consumida quando ainda firme, aparentemente verde. A utilização do fruto, além de ao natural, pode ser processado, em suco ou na forma de doce.

Modo de usar

Cremes hidratantes e máscaras: prevenir envelhecimento precoce da pele, suavizar linhas de expressão e rugas.

Uso interno: decocção de uma colher de sobremesa de folhas e casca para cada xícara de água. Ferver 5 minutos. Tomar quatro a seis xícaras um dia.
Uso externo: um colher de sopa de casca e/ou folhas em uma xícara d´água, ferver 10 minutos e aplicar em forma de compressas, lavagem de roupas, colutórios, gargarejos ou irrigações vaginais, ferimentos, eczema, faringite, estomatite, parodontopatias, vulvovaginite, escoriações.

 

Jujuba
Ziziphus jujuba

Fonte: www.plantasquecuram.com.br

Jujuba

Propriedades medicinais das frutas jujuba

Jujuba
Jujuba

A jujuba (ziziphus jujuba), planta originária da china, onde tem sido cultivada há mais de 4.000 anos. também conhecida como a data chinesa tsao e, a jujuba é hoje cultivado no norte da áfrica, sul da europa, rússia, oriente médio e partes do sudoeste dos estados unidos. Quando madura, a fruta é vermelha e doce.

Tem um teor de vitamina c muito elevado. as propriedades medicinais da fruta jujuba foram conhecidas e usadas há milênios por diversas culturas, de acordo com a rare fruit califórnia site growers. um uso popular medicinal das frutas jujuba é para um chá para tratar dor de garganta.

Etapa 1

A utilização do fruto jujuba tem sido demonstrado que têm atividade citotóxica - que impede a divisão celular - em células de linhagem diferente do tumor, de acordo com o national center for biotechnology information website. um estudo mostrou que o número de células viáveis foi diminuída após o tratamento. o efeito benéfico das frutas tais como o jujuba têm sido atribuídas a um elevado teor de compostos bioativos. estudos realizados nos últimos 20 anos têm demonstrado a capacidade de compostos bioativos para desempenhar um papel benéfico na prevenção de doenças crônicas.

Etapa 2

O fruto jujuba tem sido usado na medicina chinesa para reduzir o stress devido à sua capacidade levemente sedativo. usado na forma de pó, jujuba pode acalmar os nervos e reduzir a ansiedade.

Etapa 3

As frutas secas do jujuba contêm alcalóides, triterpenos e saponinas. estes compostos são benéficos em purificar o sangue e agir como um auxílio para a digestão. consumir a fruta do jujuba vai ajudar a tratar a diarréia, fadiga crônica, bronquite e anemia.

Etapa 4

Frutas jujuba também é usada na medicina tradicional iraniana. a fruta é benéfica como um purificador do sangue e como laxante. na china, o fruto jujuba é usado para tratar a diarreia, fadiga e perda de apetite. no japão, a pesquisa mostrou a fruta para aumentar a imunidade. além disso, como um remédio eficaz de ervas, frutas jujuba é usado para melhorar a força muscular, aumentar a resistência, como uma ajuda para ganhar peso e como um tônico para fortalecer a função do fígado.

Jujuba
Jujuba

Fonte: pt.howticle.com

Jujuba

Jujuba
Jujuba

A planta medicinal Amla (Phyllanthus emblica) é também conhecida como Emblica, Amalaki e Groselha-da-Índia. Pertence a família Euphorbiaceae. Na fruta da Amla se encontram as propriedades curativas da planta.

Usos Tradicionais: anemia, colesterol alto, constipação, convalescença, debilidade física, diabetes, gastrite, gengivite, gota, hemorróidas, hepatite, osteoporose, perda da visão, taquicardia.

Propriedades Medicinais: O fruto é afrodisíaco, adstringente, hemostático, laxante, nutritivo, refrigerante, rejuvenescedor, tônico estomacal, tônico reconstituinte, tônico sanguíneo.

A Amla, planta nativa do Sudoeste Asiático, é muito comum em países como a Índia. Age inicialmente como um adstringente. Uma fruta da Amla possui um teor de vitamina C cerca de 20 vezes maior que uma laranja.

Possui efeitos antiviróticos e antifúngicos. Aumenta a regeneração do tecido celular e estimula a produção de corticóides.

O consumo da fruta da Amla retarda o aparecimento de fios de cabelo grisalhos. É usada na medicina popular em forma de cataplasma para aliviar dores de cabeça.

Na culinária, a fruta pode ser consumida fresca ou seca, em forma de guisado ou até mesmo geléia. É contra-indicada em casos de diarréia e disenteria.

Na crença popular acredita-se que o consumo da fruta estimula o amor, a longevidade e atrai fortuna.

Fonte: www.plantasmedicinaisefitoterapia.com

Jujuba

A JUJUBEIRA

Jujuba
Jujuba

A jujuba (Zyzyphus jujuba, Lam.), da família das Rammáceas, chegou-nos da China e da Índia.

Aclimatou-se no Brasil, principalmente em Cabo Frio (Rio de Janeiro) e municípios vizinhos.

É uma árvore pouco exigente, rústica, que se adapta a quase todos os solos, desde que sejam frecos. Exige clima quente.

O fruto, a jujuba, globoso ou óvoide, assemelha-se no gosto e na forma à maça.

A casca é lisa, fina, dura, vermelha ou amarela.

A polpa, doce e farinácea, envolve um caroço grande.

É pouco apreciada em natureza.

Com ela se fazem doces e compotas.

O suco fermentado dá aguardente.

As árvores são plantadas com o compasso de 6 x 6 metros.

Colhem-se até 100 a 150 Kg de frutas numa jujubeira.

Fonte: books.google.com.br

Jujuba

Jujuba
Jujuba

Nome popular: JUJUBA

Nome científico: Zizyphus jujuba Mill

Família: Rhamnaceae

Sinonímia científica: Z. sativa Gaertner; Z. vulgaris Lam

Parte usada: Sementes, fruto, raiz, casca

Propriedades terapêuticas: Analéptica, paliativa, béquica, analgésica, tranqüilizante, anticonvulsionante

Princípios ativos: Flavonóides, alcalóides, triterpenos, polissacarídeos

Indicações terapêuticas: Insônia, ansiedade, tônico do cabelo, diabetes, melhora a memória e a cognição em pessoas com idade mais avançada, problemas digestivos e do fígado, fraqueza, obesidade, problemas urinários, doenças de pele, febre, diarréia.

Jujuba
Jujuba

Origem

Ziziphus jujuba é uma planta nativa da China pertence ao genero Ziziphus (Rhamnaceae) e é muito comum na China e Coréia do Sul (Zhao et al. 2006).

Distribuição

É distribuída principalmente nas regiões tropicais e subtropicais da Ásia e América, utilizada na medicina popular para curar vários tipos de doenças.

A jujuba chinesa tem uma história de mais ou menos 4000 anos (Yan & Gao, 2002), usada como alimento, aditivo, flavorizante e medicinal (Li et al., 2007).

Planta nativa e naturalizada em vários paises da Ásia e África, as sementes são comestíveis e recomendadas para casos de insônia (Tripathi et al., 2001).

Cinco cultivares de jujuba são plantados na China:

Zizyphus jujuba cv. Jinsixiaozao Hort.
Zizyphus jujuba cv. Jianzao
Zizyphus jujuba cv. Yazao
Zizyphus jujuba cv. Junzao
Zizyphus jujuba cv. Sanbianhong (Li et al., 2007)

Outras variedades foram citadas nos trabalhos:

Zizyphus jujuba Mill. cv. Dongzao (Zhu ey al., 2009)
Zizyphus jujuba Mill. var. inermis Rehd (Kima et al., 2006)
Zizyphus jujuba var. spinosa (Bunge) Hu.et H.f. Chou (Liu et al., 2007)

Uso medicinal

O fruto da jujuba é saboroso e muito utilizada pelo seu valor nutricional.

Tem sido comumente usada com fins medicinais como analéptica, paliativa e béquica (Yan & Gao, 2002).

A semente seca de Zizyphus jujuba Mill var. spinosa, é conhecida por conter uma grande quantidade de ingredientes ativos de importância farmacológica.

Esta semente tem sido utilizada como analgésica, tranqüilizante e anticonvulsionante em paises do oriente como Coréia e China por pelo menos 2500 anos, e também tem sido prescrita para o tratamento da insônia e da ansiedade (Peng & Zhu, 2001).

Dentre os seus efeitos aumenta a duração do pentobarbital usado para induzir ao sono (Adzu et al., 2002), inibe a excitação causada por cafeína e prolonga a ação do hexobarbital também usado para induzir ao sono (Chung & Lee, 2002).

Outro trabalho indicou que o extrato aquoso teve efeitos ansiolíticos em ratos (Ahn et al., 2004). O extrato das folhas de jujuba junto com folhas de Azadirachta indica Juss (Neem) reforçam e tonificam os cabelos (Parveen et al., 2007).

A decocção dos frutos é utilizada para tratar diabetes (Ugurlu & Secmen, 2008). Os frutos são utilizados para melhorar a memória e a cognição em pessoas com idade mais avançada (Adams et al., 2007).

Possui atividade de estabilização dos neurônios (Heo et al., 2003). O fruto seco é utilizado como mitigativo, tônico e diurético (Ahn et al., 2004). É usado na medicina popular no tratamento de problemas digestivos e do fígado, fraqueza, obesidade, problemas urinários, diabetes, doenças de pele, febre, diarréia e insônia (Han et al., 2007).

Os frutos possuem a propriedade de purificar o sangue e melhorar a digestão. As raízes são utilizadas contra febre e para curar ferida e úlceras. A casca é usada para tratar a diarréia (Tripathi et al., 2001). As diferentes partes da planta possuem múltiplas propriedades como anti-fertilidade, analgésica e antidiabetes (Erenmemisoglu et al., 1995).

Um trabalho recente reportou que os flavonóides e alcalóides da semente possuem atividade inibitória sobre o sistema nervoso central (Park et al., 2004). Também foi demonstrado que extratos etanólicos e metanólicos possuem efeito ansiolítico (Han et al., 2007).

Esta planta é rica em metabólitos secundários como flavonóides, alcalóides e triterpenos (Cheng et al., 2000), avonóides glicosídeos, alcalóides, ésteres triterpênicos e coumarinas (Souleles and Shammas, 1998).

Alcalóides ciclopeptídeos tem sido reportados desta planta (Schmidt et al., 1985). Entre os princípios bioativos, os polissacarídeos se destacam como os mais importantes constituintes dos frutos (Yamada et al., 1985).

Foram isolados vários compostos de diferentes espécies do gênero Zizyphus tais como, peptídeos, esteróides, taninos, acido betulínico e glicosídeos saponinas triterpenoidais (Shahat et al., 2001; Tripathi et al., 2001).

Os frutos contem espiosina e o jujubosideo que possui a propriedade de inibir a hiperatividade hipocampal (Shou et al., 2002), o jujubosideo é uma saponina que possui forte atividade hemolitica (Sparg et al., 2004).

Marcelo Rigotti

Referências

ADAMS, M.; GMUNDER, F.; HAMBURGER, M. 2007. Plants traditionally used in age related brain disorders—A survey of ethnobotanical literature. Journal of Ethnopharmacology 113, 363–381.
ADZU, B.; AMOS, S.; DZARMA, S.; WAMBEBE, C.; GAMANIEL, K. 2002. Effect of Zizyphus spina-christi wild aqueous extract on the central nervous system in mice. J Ethnopharmacol 79:13–6
AHN, N. Y.; JUNG, J. W.; OH, H. R.; SHIN, J. S.; HYEON, S. Y. 2004. Anxiolytic-like effects of Sanjoin-Tang extracts and its ingredients in the elevated plus-maze in mice. J Appl Pharmacol 12:151–6.
CHENG, G.; BAI, Y. J.; ZHAO, Y. Y.; YAO, J.; LIU, Y. ; TU, G. Z. et al. 2000. Flavonoids from Zizyphus jujube Mill var. spinosa. Tetrahedron 56:8915–20.
CHUNG, K. F.; LEE, C. K. 2002. Over-the-counter sleeping pills: a survey of use in Hong Kong and a review of their constituents. Gen Hosp Psych 24:430–5.
HAN, H. S.; MA, Y.; EUN, J. S.; HONG, J. T.; OH, K. W. 2007. Anxiolytic-like effect of methanol extract of Zizyphi Spinosi Semen in mice. J Appl Pharmacol 15:175–81.
HEO, H. J.; PARK, Y. J. ; SUH, Y. M.; CHOI, S. J.; et al. 2003. Effects of Oleamide on cholineacetyl transferase and cognitive activities. Biosci Biotechnol Biochem 67(6):1284–91.
KIMA, H.; SONG, M. J.; POTTER, D. 2006. Medicinal efcacy of plants utilized as temple food in traditional Korean Buddhism. Journal of Ethnopharmacology 104, 32–46.
LI, J. W.; DING, S. D.; DING, X. L. 2007. Optimization of the ultrasonically assisted extraction of polysaccharides from Zizyphus jujuba cv. Jinsixiaozao. Journal of Food Engineering 80, 176–183.
LI, J. W.; FAN, L. P.; DING, S. D.; DING, X. L. 2007. Nutritional composition of ve cultivars of chinese jujube. Food Chemistry 103, 454–46.
LIU, J.; CHEN, B.; YAO, S. 2007. Simultaneous analysis and identication of main bioactive constituents in extract of Zizyphus jujuba var. sapinosa (Zizyphi spinosi semen) by high-performance liquid chromatography–photodiode array detection–electrospray mass spectrometry. Talanta 71, 668–675. PARVEEN, B. U.; ROY, S.; KUMAR, A. 2007. Traditional uses of medicinal plants among the rural communities of Churu district in the Thar Desert, India. Journal of Ethnopharmacology 113, 387–399. PENG, Z. C.; ZHU, J. J. 2001. Research advances in chemical constituents and pharmacological effects of semen Ziziphi Spinosae. Lishizhen Med Medica Res 12:86–7.
SCHMIDT, U.; LIEBERKNECHT, A.; HASLINGER, E. 1985. Peptide alkaloids. In:
SHAHAT, A. A.; PIETERS, L.; APERS, S.; NAZEIF, N. M.; ABDEL-AZIM, N. S.; BERGH, D. V.; VLIENK, A. J. 2001. Chemical and biological investigations on Zizyphus spina-christi L. Phytotherapy Research 15, 593–597.
TRIPATHI, M.; PANDEY, M. B.; JHA, R. N.; PANDEY, V. B.; TRIPATHI, P. N.; SINGH, J. P. 2001. Cyclopeptide alkaloids from Zizyphus jujuba. Fitoterapia 72, 507–510.
UGURLU, E.; SECMEN, O. 2008. Medicinal plants popularly used in the villages of Yunt Mountain (Manisa-Turkey). Fitoterapia 79, 126–131. YAMADA, H.; NAGAI, T.; CYONG, J. C.; OTSUKA, Y.; TOMODA, M.; SHIMIZU, N.; et al. 1985. Relationship between chemical structure and anti-complementary activity of plant polysaccharides. Carbohydrate Research, 144, 101–111.
YAN, Y. H., & GAO, Z. P. 2002. Industrialization of Chinese jujube. Journal of Northwest Science and Technology University of Agriculture and Forestry, 30(12), 95–98 (in Chinese).
ZHAO, Z.; LI, J.; WU, X.; DAI, H.; GAO, X.; LIU, M.; TU, P. 2006. Structures and immunological activities of two pectic polysaccharides from the fruits of Ziziphus jujuba Mill. cv. jinsixiaozao Hort. Food Research International 39, 917–923.
ZHU, S.; SUN, L.; ZHOU, J. 2009. Effects of nitric oxide fumigation on phenolic metabolism of postharvest Chinese winter jujube (Zizyphus jujuba Mill. cv. dongzao) in relation to fruit quality. Food Science and Technology xxx, 1–6. SHOU, C.; FENG, Z.; WANG, J.; ZHENG, X. 2002. The inhibitory effects of jujuboside A on rat hippocampus in vivo and in vitro. Planta Medica 68, 799–803.
SPARG, S.G.; LIGHT, M.E.; VAN STADEN, J. 2004. Biological activities and distribution of plant saponins. Journal of Ethnopharmacology 94, 219–243.

Fonte: ci-67.ciagri.usp.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal