Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  A morte, que da vida o no desata (1616)  Voltar

A morte, que da vida o no desata (1616)

Sonetos de Luís Vaz de Camões

A Morte, que da vida o nó desata,

os nós, que dá o Amor, cortar quisera

na Ausência, que é contr' ele espada fera,

e co Tempo, que tudo desbarata.

Duas contrárias, que üa a outra mata,

a Morte contra o Amor ajunta e altera:

üa é Razão contra a Fortuna austera,

outra, contra a Razão, Fortuna ingrata.

Mas mostre a sua imperial potência

a Morte em apartar dum corpo a alma,

duas num corpo o Amor ajunte e una;

porque assi leve triunfante a palma,

Amor da Morte, apesar da Ausência,

do Tempo, da Razão e da Fortuna

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal