Breaking News
Home / Obras Literárias / Quantas vezes do fuso s’esquecia (1595)

Quantas vezes do fuso s’esquecia (1595)

Sonetos de Luís Vaz de Camões

PUBLICIDADE

Quantas vezes do fuso s’esquecia

Daliana, banhando o lindo seio,

tantas vezes de um áspero receio

salteado, Laurénio a cor perdia.

Ela, que a Sílvio mais que a si queria,

para podê lo ver não tinha meio:

ora, como curara o mal alheio

quem o seu mal tão mal curar sabia?

Ele, que viu tão clara esta verdade,

com soluços, dezia (que a espessura

comovia, de mágoa, a piedade):

—Como pode a desordem da Natura

fazer tão diferentes na vontade

a quem fez tão conformes na ventura?

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.