Breaking News
Home / Obras Literárias / Num tão alto lugar, de tanto preço (1668)

Num tão alto lugar, de tanto preço (1668)

Sonetos de Luís Vaz de Camões

PUBLICIDADE

Num tão alto lugar, de tanto preço,

este meu pensamento posto vejo,

que desfalece nele inda o desejo,

vendo quanto por mim o desmereço.

Quando esta tal baixesa em mim conheço,

acho que cuidar nele é grão despejo,

e que morrer por ele me é sobejo

e mor bem para mim, do que mereço.

O mais que natural merecimento

de quem me causa um mal tão duro e forte,

o faz que vá crecendo de hora em hora.

Mas eu não deixarei meu pensamento,

porque inda que este mal me causa a morte,

Un bel morir tutta la vita onora

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.