Breaking News
Home / Obras Literárias / Quando a suprema dor muito me aperta (1685-1668)

Quando a suprema dor muito me aperta (1685-1668)

Sonetos de Luís Vaz de Camões

PUBLICIDADE

Quando a suprema dor muito me aperta,

se digo que desejo esquecimento,

é força que se faz ao pensamento,

de que a vontade livre desconserta.

Assi, de erro tão grave me desperta

a luz do bem regido entendimento,

que mostra ser engano ou fingimento

dizer que em tal descanso mais se acerta.

Porque essa própria imagem, que na mente

me representa o bem de que careço,

faz-mo de um certo modo ser presente.

Ditosa é, logo, a pena que padeço,

pois que da causa dela em mim se sente

um bem que, inda sem ver-vos, reconheço

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.