Breaking News
Home / Obras Literárias / Foi já; num tempo doce cousa amar (1598)

Foi já; num tempo doce cousa amar (1598)

Sonetos de Luís Vaz de Camões

PUBLICIDADE

Foi já num tempo doce cousa amar,

enquanto m’enganava a esperança;

O coração, com esta confiança,

todo se desfazia em desejar.

Ó vão, caduco e débil esperar!

Como se desengana üa mudança!

Que, quanto é mor a bem aventurança,

tanto menos se crê que há de durar!

Quem já se viu contente e prosperado,

vendo se em breve tempo em pena tanta,

razão tem de viver bem magoado.

Porém quem tem o mundo exprimentado,

não o magoa a pena nem o espanta,

que mal se estranhará o costumado.

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.