Breaking News
Home / Obras Literárias / Sempre, cruel Senhora, receei (1668)

Sempre, cruel Senhora, receei (1668)

Sonetos de Luís Vaz de Camões

PUBLICIDADE

Sempre, cruel Senhora, receei,

medindo vossa grã desconfiança,

que desse em desamor vossa tardança,

e que me perdesse eu, pois vos amei.

Perca-se, enfim, já tudo o que esperei,

pois noutro amor já tendes esperança.

Tão patente será vossa mudança,

quanto eu encobri sempre o que vos dei.

Dei-vos a alma, a vida e o sentido;

de tudo o que em mim há vos fiz s

enhora. Prometeis e negais o mesmo Amor.

Agora tal estou que, de perdido,

não sei por onde vou, mas algü’hora

vos dará tal lembrança grande dor

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.