Breaking News
Home / Obras Literárias / D’Amor e seus danos (1595)

D’Amor e seus danos (1595)

Redondilhas de Luís Vaz de Camões

Cantiga

PUBLICIDADE

a este moto:
Quem ora soubesse
onde o Amor nasce,
que o semeasse!

VOLTAS

D’amor e seus danos

me fiz lavrador;

semeava amor

e colhia enganos;

não vi, em meus anos,

homem que apanhasse

o que semeasse.

Vi terra florida

de lindos abrolhos,

lindos para os olhos,

duros para a vida;

mas a rês perdida

que tal erva pace

em forte hora nace.

Com quanto perdi,

trabalhava em vão;

se semeei grão,

grande dor colhi.

Amor nunca vi

que muito durasse,

que não magoasse.

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.