Breaking News
Home / Obras Literárias / Todo o animal da calma repousava (1595)

Todo o animal da calma repousava (1595)

Sonetos de Luís Vaz de Camões

PUBLICIDADE

Todo o animal da calma repousava,

só Liso o ardor dela não sentia;

que o repouso do fogo em que ardia

consistia na Ninfa que buscava.

Os montes parecia que abalava

o triste som das mágoas que dezia;

mas nada o duro peito comovia,

que na vontade d’outrem posto estava.

Cansado já de andar pela espessura,

no tronco d’üa faia, por lembrança,

escreveu estas palavras de tristeza:

«Nunca ponha ninguém sua esperança

em peito feminil, que, de natura,

somente em ser mudável tem firmeza».

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.