Breaking News
Home / Obras Literárias / Que poderei do mundo já querer (1598)

Que poderei do mundo já querer (1598)

Sonetos de Luís Vaz de Camões

PUBLICIDADE

Que poderei do mundo já querer,

que naquilo em que pus tamanho amor,

não vi senão `desgosto e desamor,

e morte, enfim, que mais não pode ser!

Pois vida me não farta de viver,

pois já sei que não mata grande dor,

se cousa há que mágoa dê maior,

eu a verei; que tudo posso ver.

A morte, a meu pesar, me assegurou

de quanto mal me vinha; já perdi

o que perder o medo me ensinou.

Na vida desamor somente vi,

na morte a grande dor que me ficou:

parece que para isto só nasci!

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.