Breaking News
Home / Obras Literárias / Como quando do mar tempestuoso (1598)

Como quando do mar tempestuoso (1598)

Sonetos de Luís Vaz de Camões

PUBLICIDADE

Como quando do mar tempestuoso

o marinheiro, lasso e trabalhado,

d’um naufrágio cruel já salvo a nado,

só ouvir falar nele o faz medroso;

e jura que em que veja bonançoso

o violento mar, e sossegado

não entre nele mais, mas vai, forçado

pelo muito interesse cobiçoso;

Assi, Senhora eu, que da tormenta,

de vossa vista fujo, por salvar me,

jurando de não mais em outra ver me;

minh’alma que de vós nunca se ausenta,

dá me por preço ver vos, faz tornar me

donde fugi tão perto de perder me.

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.