Breaking News
Home / Obras Literárias / Ondados fios d’ouro reluzente (1598)

Ondados fios d’ouro reluzente (1598)

Sonetos de Luís Vaz de Camões

PUBLICIDADE

Ondados fios d’ouro reluzente,

que, agora da mão bela recolhidos,

agora sobre as rosas estendidos,

fazeis que sua beleza se acrecente;

Olhos, que vos moveis tão docemente,

em mil divinos raios entendidos,

se de cá me levais alma e sentidos,

que fora, se de vós não fora ausente?

Honesto riso, que entre a mor fineza

de perlas e corais nasce e parece,

se n’alma em doces ecos não o ouvisse!

Se imaginando só tanta beleza

de si, em nova glória, a alma se esquece,

que fará quando a vir? Ah! quem a visse!

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.