Breaking News
Home / Obras Literárias / O raio cristalino s’estendia (1598)

O raio cristalino s’estendia (1598)

Sonetos de Luís Vaz de Camões

PUBLICIDADE

O raio cristalino s’estendia

pelo mundo, da Aurora marchetada,

quando Nise, pastora delicada,

donde a vida deixava, se partia.

Dos olhos, com que o Sol escurecia,

levando a vista em lágrimas banhada,

de si, do Fado e Tempo magoada,

pondo os olhos no Céu, assi dezia:

—Nasce, sereno Sol, puro e luzente;

resplandece, fermosa e roxa Aurora,

qualquer alma alegrando descontente;

que a minha, sabe tu que, desd’agora,

jamais na vida a podes ver contente,

nem tão triste nenhüa outra pastora.

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.