Breaking News
Home / Obras Literárias / Na desesperação já repousava (1616)

Na desesperação já repousava (1616)

Sonetos de Luís Vaz de Camões

PUBLICIDADE

Na desesperação já repousava

o peito longamente magoado,

e, com seu dano eterno concertado,

já não temia, já não desejava;

quando üa sombra vã me assegurava

que algum bem me podia estar guardado

em tão fermosa imagem que o treslado

n’alma ficou, que nela se enlevava.

Que crédito que dá tão facilmente

o coração áquilo que deseja,

quando lhe esquece o fero seu destino!

Oh! deixem-me enganar, que eu sou

contente; que, posto que maior meu dano seja,

fica-me a glória já do que imagino

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.