Breaking News
Home / Obras Literárias / Quando vejo que meu destino ordena (1595)

Quando vejo que meu destino ordena (1595)

Sonetos de Luís Vaz de Camões

PUBLICIDADE

Quando vejo que meu destino ordena

que por me exprimentar de vós me aparte,

deixando de meu bem tão grande parte

que a mesma culpa fica grave pena;

o duro disfavor que me condena,

quando pela memória se reparte,

endurece os sentidos de tal arte

que a dor da ausência fica mais pequena.

Pois como pode ser que na mudança

daquilo que mais quero estê tão fora

de me não apartar também da vida?

Eu refrearei tão áspera esquivança;

porque mais sentirei partir, Senhora,

sem sentir muito a pena da partida

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.