Breaking News
Home / Obras Literárias / Amor cuja providência (1595)

Amor cuja providência (1595)

Redondilhas de Luís Vaz de Camões

Glosa

PUBLICIDADE

a este moto alheio
Sem vós e com meu cuidado
olhai com quem, e sem quem

Amor, cuja providência

foi sempre que não errasse,

porque n’alma vos levasse,

respeitando o mal de ausência

quis que em vós me transformasse.

E vendo-me ir maltratado,

eu e meu cuidado sós,

proveio nisso, de atentado,

por não me ausentar de vós,

sem vós e com meu cuidado.

Mas est’alma que eu trazia

porque vós nela morais,

deixa-me cego, e sem guia;

que há por milhor companhia

ficar onde vós ficais.

Assi me vou de meu bem

onde quer a forte estrela,

sem alma, que em si vos tem,

co mal de viver sem ela:

olhai com quem, e sem que

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.