Breaking News
Home / Obras Literárias / Bem sei, Amor, que é certo o quereceio (1598)

Bem sei, Amor, que é certo o quereceio (1598)

Sonetos de Luís Vaz de Camões

PUBLICIDADE

Bem sei, Amor, que é certo o que receio;

mas tu, porque com isso mais te apuras,

de manhoso mo negas, e mo juras

no teu dourado arco; e eu to creio.

A mão tenho metida no teu seio,

e não vejo meus danos às escuras;

e tu contudo tanto me asseguras,

que me digo que minto, e que me enleio.

Não somente consinto neste engano,

mas inda to agradeço, e a mim me nego

tudo o que vejo e sinto de meu dano.

Oh! poderoso mal a que me entrego!

Que, no meio do justo desengano,

me possa inda cegar um Moço cego!

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.