Breaking News
Home / Obras Literárias / Cara minha inimiga, em cuja mão (1595)

Cara minha inimiga, em cuja mão (1595)

Sonetos de Luís Vaz de Camões

PUBLICIDADE

Cara minha inimiga, em cuja mão

pôs meus contentamentos a ventura,

faltou te a ti na terra sepultura,

porque me falte a mim consolação.

Eternamente as águas lograrão

a tua peregrina fermosura;

mas, enquanto me a mim a vida dura,

sempre viva em minh’alma te acharão.

E se meus rudos versos podem tanto

que possam prometer te longa história

daquele amor tão puro e verdadeiro,

celebrada serás sempre em meu canto;

porque enquanto no mundo houver memória,

será minha escritura teu letreiro.

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.