Breaking News
Home / Obras Literárias / Cum real de amor (1598)

Cum real de amor (1598)

Redondilhas de Luís Vaz de Camões

Cantiga

PUBLICIDADE

a esta cantiga alheia:
Tende-me mão nele
qu’um real me deve I

VOLTAS

Cum real de amor,

dous de confiança

e três de esperança

me foge o tredor.

Falso desamor

se encerra naquele

qu’um real me deve.

Pediu-mo emprestado,

não lhe quis penhor;

é mau pagador,

tendo-mo aferrado.

Cum cordel atado,

ao Tronco se leve,

qu’um real me deve.

Por esta travessa

se vai acolhendo;

ei-lo vai correndo,

fugindo a grã pressa.

Nesta mão e nessa

o falso s’atreve,

qu’um real me deve.

Comprou-me amor

sem lhe fazer preço:

eu não lhe mereço

dar-me desfavor.

Dá-me tanta dor

que ando após ele

pelo que me deve.

Eu de cá bradando,

ele vai fugindo;

ele sempre rindo,

eu sempre chorando.

{El} de quando em quando

no amor s’atreve,

como que não deve.

A falar verdade,

ele já pagou;

mas inda ficou

devendo ametade.

Minha liberdade

é a que me deve:

só nela se atreve.

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.