Breaking News
Home / Obras Literárias / Eu vivia de lágrimas isento (1668)

Eu vivia de lágrimas isento (1668)

Sonetos de Luís Vaz de Camões

PUBLICIDADE

Eu vivia de lágrimas isento,

num engano tão doce e deleitoso

que em que outro amante fosse mais ditoso,

não valiam mil glórias um tormento.

Vendo-me possuir tal pensamento,

de nenhüa riqueza era envejoso;

vivia bem, de nada receoso,

com doce amor e doce sentimento.

Cobiçosa, a Fortuna me tirou

deste meu tão contente e alegre estado,

e passou-me este bem, que nunca fora:

em troco do qual bem só me deixou

lembranças, que me matam cada hora,

trazendo-me à memória o bem passado

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.