Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  A Fermosura Desta Fresca Serra (1668) - Sonetos De Luis De Camões  Voltar

A FERMOSURA DESTA FRESCA SERRA

Luís Vaz de Camões

A fermosura desta fresca serra
E a sombra dos verdes castanheiros,
O manso caminhar destes ribeiros,
Donde toda a tristeza se desterra;
O rouco som do mar, a estranha terra,
O esconder do sol pelos outeiros,
O recolher dos gados derradeiros,
Das nuvens pelo ar a branda guerra;

Enfim, tudo o que a rara Natureza
Com tanta variedade nos of'rece,
Me está, senão te vejo, magoando.

Sem ti, tudo me enjoa e me aborrece;
Sem ti, perpetuamente estou passando
Nas mores alegrias mor tristeza.

Fonte: Jornal da Poesia

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal