Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Rúcula  Voltar

Rúcula

 

Rúcula
Rúcula

A rúcula é uma hortaliça procedente de áreas do Mediterrâneo e da Ásia Ocidental. Integra a família das Crucíferas, em conjunto com o nabo, o repolho, os brócolis, o agrião, o rabanete e as couves, entre outros.

A rúcula cresce entre 10 e 15 centímetros de altura, com folhas alongadas e recortadas. O crescimento é rápido e forma pequenas touceiras.

Seu sabor forte não passa despercebido; possui uma legião de apreciadores e está presente em saladas deliciosas, outros não suportam seu sabor picante.

USOS E PROPRIEDADES

A rúcula tem grande quantidade de vitaminas A e C, potássio, enxofre e ferro. Exerce uma função especial sobre o funcionamento dos intestinos, atuando como antiinflamatório nas colites. É usada em saladas cruas.

O suco da rúcula, combinado com o de agrião, provoca uma verdadeira limpeza e desintoxicação do organismo. Mas como o sabor delas é muito forte, e aconselhável misturá-los ao de laranja ou cenoura.

Também é indicada no tratamento de gengivites; basta ingerir algumas folhas frescas junto com os talos, pela manhã, mastigando bem, após a higiene da boca e dos dentes.

ÉPOCA

Produz melhor no outono e inverno, quando o clima é mais ameno. Na época quente do ano, solta flores amarelas ou brancas, seu crescimento diminui e a qualidade das folhas é prejudicada. Nas áreas de verão mais suave, pode ser semeada o ano inteiro. Em regiões mais quentes, os melhores meses vão de março a agosto.

No Sitio, produzimos rúcula o ano todo. Isso tem sido possível, porque nosso cultivo é feito em estufas, que as protege do calor e das chuvas de verão. Em anos anteriores, as folhas ficavam muito furadas e a produção caia bastante. Com o cultivo em estufas, colhemos também a Rúcula Baby, isto é, folhas colhidas muito jovens, quando estão com apenas 6 cm de altura. A textura é muito macia, e o sabor mais delicado.

Colhemos nossa rúcula diariamente; com isso nossos clientes recebem o produto sempre fresco.

AO COMPRAR

As folhas devem estar firmes e brilhantes. Ao adquirir um molho, observe se os talos das folhas não estão quebrados; com são muito finos, as folhas ficam caídas e murcham com mais facilidade. Nesse caso, terá que consumi-las o mais rápido possível.

As folhas mais novas tem sabor mais delicado, quanto maior a folha, mas picante ela se torna.

ARMAZENAMENTO

Guarde-a em saco plástico na geladeira, e utilize o mais rápido possível, pois a rúcula mela com facilidade.

PREPARAÇÃO

Lave bem as folhas, uma a uma, sob água corrente. Você pode descartar os talos mais longos, mas eles são tão saborosos quanto as folhas.

Retire algum pedacinho de raiz que possa estar preso ao talo, e deixe escorrer. Se você usar uma centrifuga de folhas para escorrê-las, não ponha muitas ao mesmo tempo, pois quebram com facilidade.

A rúcula pode ser usada em saladas, sozinha ou misturada com alfaces diversas. É também usada em risotos, massas, tortas, e é deliciosa em sanduíches, principalmente se combinada com tomate, tomate seco, e mussarelas de búfala.

RECEITAS

SALADA DE RUCULA, TOMATE E RICOTA

Ingredientes:

6 xícaras de folhas de rúcula, já lavadas e escorridas
½ xícara de tomates cereja
200 gramas de ricota, cortada em cubos pequenos
2 colheres das de sopa de alcaprras escorridas

Ingredientes para o Molho Vinagrete:

1 colher das de sopa de vinagre balsâmico
3 colheres das de sopa de azeite extra virgem

Modo de fazer:

Coloque as folhas de rúcula em uma vasilha grande.
Em uma vasilha menor, misture bem o vinagre e o azeite. Com metade do molho, tempere as folhas de rúcula.
Arrume as folhas em uma travessa ou em pratinhos individuais.
Coloque os tomates cereja e a ricota sobre as folhas e tempere com o restante do molho. Salpique a salada com as alcaparras e sirva imediatamente.
Serve 6 pessoas.

Fonte: www.sitiodomoinho.com

Rúcula

Descrição e característica da planta

A rúcula é uma hortaliça herbácea, folhosa, anual, porte baixo, com 15 a 20 centímetros de altura.

A folha é a parte comestível e comercial da planta. A sua cor é verde-clara a verde-escura, forma alongada, profundamente recortada, tenra, sabor picante e, em condições de alta temperatura, ficam rijas, menores, picantes e amargas. Nestas condições, as plantas florescem precocemente.

Elas se desenvolvem bem em condições de clima ameno, solos férteis, ricos em matéria orgânica e com boa disponibilidade de água durante todo o desenvolvimento vegetativo. Como a planta não tolera solos encharcados, recomenda-se preparar canteiros no local de plantio. Em regiões de clima ameno, consegue-se produzir o ano todo. A propagação é feita por sementes.

A semeadura pode ser feita diretamente nos canteiros ou em bandejas próprias para produção de mudas e depois elas são transplantadas nos canteiros. A colheita é feita 30 a 50 dias após a semeadura, através da retirada de folhas mais velhas ou pelo corte das plantas, em torno de 2 centímetros acima do solo para permitir a rebrota.

A rúcula pode ser cultivada nos canteiros em campo aberto ou em ambiente protegido (estufas), ou em hidroponia. A hidroponia é um sistema que não utiliza o solo como substrato, mas a água, onde são colocados todos os nutrientes necessários para o seu desenvolvimento. Neste caso, o início da colheita é mais precoce do que as conduzidas em condições de campo. É importante informar que a produção hidropônica e a produção orgânica são dois sistemas de produção bem diferentes.

Produção e produtividade

A rúcula é uma hortaliça muito consumida e importante, principalmente no sul da Europa, no Egito e no Sudão. Nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, é uma hortaliça bem conhecida e consumida. A produtividade normal é de 1.700 a 2.000 maços por hectare. Cada maço é constituído por um feixe de folhas e talos com cerca de meio a um quilo de peso. Os estados das regiões Sul e Sudeste do Brasil são os maiores produtores dessa hortaliça.

Utilidade

As folhas e talos jovens podem ser consumidos ao natural, crua ou cozida, em saladas, massas, pizzas e outras receitas. São ricas em vitamina C, minerais como ferro, potássio e enxofre. A planta é considerada medicinal, com propriedades antiinflamatória, digestiva, estimulante e diurética.

Fonte: globoruraltv.globo.com

Rúcula

A rúcula é membro da mesma família do brócolis e do repolho e assemelha-se ao dente-de-leão.

Tem saber picante e apimentado quando cultivado durante os meses frios da primavera e outono, e um sabor mais forte, parecido com o da mostarda, se colhido durante o verão.

A rúcula é uma das verduras mais nutritivas dentre todas as usadas nas saladas, além disso tem baixa quantidade de calorias.

Uma xícara contém apenas 12 calorias.

A verdura pode ser preparada crua, em saladas, ou até mesmo refogada. Ao comprá-la certifique-se de que as folhas estejam bem verdes, firmes e viçosas. Se as folhas estiverem amareladas, murchas ou com pequenos pontos pretos, não servem para o consumo.

Rúcula
Rúcula

Propriedades Nutricionais

Apresenta grandes quantidades de cálcio e de outros minerais como ferro, fósforo, potássio, sódio, manganês e magnésio. Além disso, possui vitamina C e betacaroteno (próvitamina A).

Valor Calórico

100 gramas de rúcula crua fornecem 19 calorias

Propriedades Medicinais

Ajuda no funcionamento do intestino, atuando como antiinflamatório nas colites.

Fonte: www.geocities.com

Rúcula

Rúcula
Rúcula

Excelente fonte de vitamina K para mulheres e boa fonte para os homens, a rúcula também é fonte de folato (vitamina B9). A rúcula provém, ainda, substâncias antioxidantes e fibras alimentares.

Benefícios

Rica em proteínas e vitaminas A e C
Contém cálcio e ferro
Pobre em calorias

A rúcula, também conhecida como mostarda persa, é uma planta da família da mostarda e, assim como esta, a rúcula também tem sabor picante, embora seja mais forte e mais amargo.

Na culinária, o uso da rúcula é um pouco restrito devido a seu sabor, tão forte que elimina o dos outros alimentos. No entanto, é um excelente complemento de refeições mais pesadas, como carne de porco. Pode ser preparada crua, em saladas, ou refogada, preparo excelente para recheio de pizzas.

Os nutrientes da rúcula são semelhantes aos da mostarda. é rica em proteínas, vitaminas A e C, e sais minerais, principalmente cálcio e ferro. Também é um excelente estimulante de apetite.

A rúcula é vendida em maços. Quando fresca, as folhas são bem verdes, firmes e viçosas. Se amareladas, murchas ou com pequenos pontos pretos, já não servem para o consumo. Para saber quanto comprar, calcule 1 maço para 4 pessoas (se for preparar salada) e 2 maços se for refogar.

Para conservar a rúcula por 2 ou 3 dias, coloque em saco plástico e guarde na gaveta da geladeira.

Uma porção de 35gs de rúcula fornece apenas 7 calorias.

A rúcula

Nativa do mediterrâneo, de onde se disseminou para o Oriente Médio e a Ásia, a rúcula, assim com os brócolis ou a couve, faz parte da família das crucíferas, grupo de plantas considerado especialmente benéfico na promoção da saúde e prevenção de doenças. 

Na região do Mediterrâneo, é consumida desde a época do Império Romano, mas, até o início dos anos 1990, não era cultivada em grande escala nem objeto de pesquisas científicas sobre suas qualidades nutricionais.

Mesmo assim, virtudes medicinais já eram atribuídas à rúcula desde a Antiguidade. Os romanos a consideravam uma planta afrodisíaca e a consagraram a Príapo, deus da fertilidade e da potência sexual. O consumo de folhas cruas e grãos de rúcula era indicado para estimular o desejo sexual masculino.

Provavelmente por causa dessa fama, o plantio da rúcula foi proibido nos jardins dos mosteiros durante a Idade Média. O consumo de rúcula pela população leiga também não era visto com bons olhos, embora se acredite que, de maneira mais ou menos dissimulada, ela era usada na alimentação da população.

No Brasil e nos Estados Unidos, a rúcula chegou por meio dos imigrantes italianos que se estabeleceram no Novo Mundo.

Apesar de não haver nenhuma evidência científica sobre seu poder afrodisíaco, a idéia continua sendo relativamente difundida. Mas o boom da rúcula, nos anos 1990, deve-se mais ao apelo gourmet que ganhou, sendo adotada por chefs famosos na onda de valorização da cozinha mediterrânea. O sabor marcante e a divulgação de suas qualidades nutricionais também contribuíram para sua propagação.

A fama da rúcula cresceu tanto que ela chegou até ser um tema na campanha presidencial norte-americana, que culminou com a eleição de Barack Obama. Ainda nas prévias, o então candidato Obama fez um comentário sobre o preço da rúcula para agricultores do estado de Iowa. A escolha da verdura foi tomada como “elitista”. O porta-voz de John McCain, candidato da oposição, chegou a declarar que “McCain não é um comedor de rúcula, um tipo de sabichão professoral”. No final das contas, o “sabichão” ganhou as eleições e a rúcula continua tendo um número crescente de apreciadores.

Fonte: www.herbario.com.br/www.nestle.com.br

Rúcula

Rúcula
Rúcula

A rúcula, também conhecida como mostarda persa, possui sabor picante, embora seja mais forte e mais amarga. Quando fresca, as folhas são bem verdes, firmes e viçosas.

Pode ser utilizada refogada ou crua em saladas e também em pizzas.

Características

A rúcula é uma verdura de folhagem abundante e verde-escura, seu sabor é um pouco mais amargo do que as folhas de alface e podem ser consumidas cruas ou cozidas.

Rica em vitaminas A, C, proteínas, ferro, fibras e potássio, elas são de baixa caloria (1 xícara tem em média 10 calorias) e podem ser incluídas em dietas para emagrecimento.

Suas propriedades antianêmicas, antiasmáticas, antiescorbúticas, depurativas, digestivas, diuréticas e aperientes tornam as folhas ainda mais atraentes.

Propriedades da Rúcula

A rúcula, também conhecida como mostarda persa, é uma planta da família da mostarda. Com o seu sabor picante, embora mais forte e mais amargo, ela tem conquistado o paladar dos brasileiros.

A melhor combinação para a rúcula são as massas de um modo geral mas também é um excelente complemento para refeições mais pesadas, como carne de porco. Sua versatilidade é uma característica muito marcante porque ela pode ser preparada crua, em saladas, refogada, com carnes ou em recheios de pizzas e massas.

E o mais importante disso tudo é que a rúcula é muito rica em proteína, vitaminas A e C e sais minerais, como cálcio e ferro.

Informação Nutricional

A rúcula é uma boa fonte de vitaminas A, C e sais minerais, principalmente cálcio e ferro.

Auxilia na prevenção da anemia e é um excelente estimulante de apetite.

Porção: 100 g
Kcal: 17,22
Carboidrato: 2,03
Proteína: 1,60
Gordura: 0,30
Fibras: 1,47
Colesterol: 0

Conhecida também como mostarda persa, é uma planta da família da mostarda.

A rúcula tem sabor picante, porém mais forte e amarga do que a mostarda.

Informação Nutricional: Rica em vitamina A e C, e sais minerais principalmente cálcio e ferro. Auxilia na prevenção da anemia e excelente estimulante de apetite.

Rúcula crua

Tabela de valor Nutricional

TACO - Tabela Brasileira de Composição de Alimentos

  % VD*
Valor energético 13.1kcal = 55kj 1%
Carboidratos 2,2g 1%
Proteínas 1,8g 2%
Fibra alimentar 1,7g 7%
Cálcio 116,6mg 12%
Vitamina C 46,3mg 103%
Fósforo 25,2mg 4%
Manganês 0,2mg 9%
Magnésio 17,8mg 7%
Lipídios 0,1g -
Ferro 0,9mg 6%
Potássio 233,4mg -
Cobre 0,0ug 0%
Zinco 0,2mg 3%
Niacina 0,4mg 2%
Tiamina B1 0,0mg 0%
Sódio 9,4mg 0%

* % Valores diários com base em uma dieta de 2.000 Kcal ou 8.400kj. Seus valores diários podem ser maiores ou menores dependendo de suas necessidades.

Fonte: batuquenacozinha.oi.com.br/www.aboaterra.com.br

Rúcula

Rúcula
Rúcula

A rúcula é uma hortaliça, cujas folhas tenras são consumidas como salada.

O nome rúcula, mais disseminado em São Paulo para essa verdura, uma corruptela de “ruccola”, denominação italiana para esta espécie hortícola.

O pinchão é planta anual, baixa, com folhas relativamente espessas e divididas. O limbo é verde-claro e as nervuras, verde-arroxeado-claras.

Em boas condições culturais e, quando no máximo desenvolvimento antes de iniciar a formação da haste floral, a planta tem, em média 12cm de altura e 25cm de diâmetro da projeção horizontal. O número médio de folhas por planta é 28.

Plantio

Uma grama contém, em média 525 sementes. Estas devem ser desinfetadas com fungicidas secos e depois, semeadas no local definitivo, em fileiras espaçadas de 0,20 a 0,25cm e a 0,5cm de profundidade, cobrindo-as com terrapeneirada. A germinação ocorre de três a cinco dias após a semeadura, dependendo de a temperatura ser mais ou menos elevada.

A semeadura deve ser feita em canteiros de 1,20m de largura, por dois a dez metros de comprimento.

Quando estiverem com 10cm de altura faz-se a raleação, deixando plantas vigorosas a cada 5cm

Como produzir sementes

O pinchão I.A.C. nº 561 produz sementes com facilidade. Para isso, semear em abril ou maio, em covas distanciadas de 40 por 25 centímetros.

Desbastar, deixando-se duas plantas por cova.

A colheita das sementes inicia-se 125 dias mais tarde, durante cerca de 25 dias. As plantas podem ser colhidas de uma só vez, quando as síliquas (frutos) estiverem 50% secas. As demais síliquas são secas ao sol da manhã por dois a três dias. Retiram-se as sementes por meio de peneiras e coloca-se na sombra para terminar a secagem.

A produção média de sementes por cova com duas plantas, em boas condições naturais, é de oito gramas.

Clima e Solo

Prefere os climas amenos, pois nos quente soltas flôres, o crescimento é insatisfatório e com má qualidade de folhas. Nas regiõs quentes plante entre março e agosto e ainda proteja os canteiros com filmes plásticos ou palhas.

Prefere solos equilibrados entre argilosos e arenosos, com muita matéria orgânica e com acidez baixa.

Tratos Culturais

Para terras de média fertilidade, incorporar, de oito a dez dias antes da semeadura, os seguintes adubos:

Esterco curtido de curral: 10kg/m2
Adubo químico10-10-10: 100gr/m2

Em cobertura, dez, vinte e trinta dias após a germinação, aplicar, de cada vez, 25 gramas de salitre do Chile, por metro quadrado, tomando-se o cuidado de não deixá-lo cair sobre as folhas da planta. Deve-se colocá-lo ao lado das fileiras afastado cinco a seis centímetros da planta. O salitre do Chile pode ser diluído em água à razão de 15 gramas para 15 litros de água.

Após a semeadura, cobrir o canteiro com capim seco sem sementes.

O esterco de curral pode ser substituído pela torta de mamona ou de algodão previamente fermentada ou aplicada, com um mês de antecedência da plantação.

Assim haverá tempo de se decompor. A quantidade das tortas será equivalente a um décimo do peso recomendado para o esterco. Pode, ainda ser substituído pelo esterco de galinha fermentado, em dose correspondente a um quarto ou um quinto da recomendada, dependendo da sua pureza.

Regas diárias são necessárias, bem como a limpeza dos canteiros, o que estimula novas brotações.

Colheita

Em geral, trinta e cinco a quarenta dias mais tarde as plantas já estão em condições de ser consumidas. Cortando-se as folhas, formam-se outras para novas colheitas até que se inicie o florescimento.

Pragas e Moléstias

Os insetos que mais atacam as rúculas são: lagarta-da-couve (o adulto é uma mariposa de asas brancas com pontas pretas)

Lagarta-rosca, esta que ataca as mudas, somente à noite

Lagarta-mede-palmo, é de cor verde-claro e faz buracos casulos nas folhas

Traça-das-folhas, pequena lagarta que fura as folhas e as deixa rendadas e os Pulgões, estes de cor branca, sugam as folhas e transmitem doenças

As moléstias mais comuns são: Mosaico, que deixa as folhas crespas; a podridão Mole, mais frequente nos períodos chuvosos, causando lesões úmidas; Podridão Negra, ataca as folhas, dixando uma mancha na forma de “V”; a Fusariose, que amarela parte da folha ou do pé e o Mildio, que são filamentos brancos na parte inferior das folhas.

Fonte: www.criareplantar.com.br

Rúcula

Rúcula
Rúcula

É uma hortaliça herbácea da família Cruciferae, anual, de porte baixo, originária do sul da Europa e da parte ocidental da Ásia. Suas folhas tenras são muito apreciadas na forma de salada, em São Paulo e no Sul do Brasil.

É importante, também, no sul da Europa, no Egito e no Sudão. Na Índia, é cultivada em função da pungência e do conteúdo de óleo das sementes; rica em vitamina A e C, potássio, enxofre e ferro, tem efeitos anti-inflamatório nos intestinos e desintoxicante para o organismo humano.

Em São Paulo, as principais microrregiões produtoras são Paranapiacaba, Grande São Paulo, Sorocaba e Campinas, cabendo as duas primeiras quase 90% da produção.

Cultivares

Cultivada, Dinamarquesa.

Zoneamento agrícola

A rúcula necessita de temperaturas amenas (15 a 18oC) para bom desenvolvimento e qualidade. Temperaturas elevadas induzem ao florescimento precoce, prejudicando a produção; as folhas ficam menores e rijas, pungentes e amargas. Quanto aos solos, prefere os de textura média.

Época de plantio

a) no planalto paulista: março a julho
b) em regiões altas e de clima ameno: o ano todo
c) em baixas altitudes: abril a junho

Espaçamento: 20 a 25 cm x 5 cm.

Densidade: 560.000 a 1.400.000 plantas/hectare.

Propagação

Por sementes: Cada grama de semente contém 550 a 580 sementes.
Sementes necessárias:
1,2 a 2,5 kg/ha.

Técnica de plantio

Semeadura direta, manual ou mecanizada, em sulcos, a 0,5cm de profundidade, estabelecidos em canteiros de 1,0m de largura e 20 a 40cm de altura.

Controle da erosão

Canteiros em nível.

Calagem e adubação

Aplicar calcário para elevar a saturação por bases a 80%, 2 meses antes do plantio. A adubação de pré-plantio (20 dias antes da semeadura) consta da aplicação, por hectare, de 60 a 80t de esterco curtido de curral, ou um quarto dessa quantidade de esterco de galinha, 40kg de N, 200 a 400kg de P2O5, 50 a 150kg de K2O, conforme a análise de solo e 1kg de B. Em cobertura, aplicar 120kg/ha de N, parcelados aos 7, 14 e 21 dias após a emergência das plântulas.

Controle de pragas e doenças

a) pragas: pulgão, lagarta mede-palmo e lagarta-rosca, principalmente nos plantios feitos sob temperaturas elevadas
b) doenças:
ferrugem branca das folhas, mancha de Alternaria, mancha de Cercospora, mancha de Septoria, damping-off. Não há produtos registrados para a cultura (até janeiro/95).

Outros tratos culturais: controle do mato (não há herbicidas registrados à cultura)

Desbaste do excesso de plantas.

Irrigação

Exigente em água - 10 a 20 litros de água por metro quadrado de canteiro - desde que não haja encharcamento, que é o fator predisponente ao tombamento das mudas, amarelecimento e menor desenvolvimento das folhas.

Colheita

Cerca de 30 a 40 dias após a semeadura. Em culturas comerciais, a rúcula colhida de uma só vez, arrancando-se as plantas inteiras (folhas e raízes).

Em cultivos para consumo próprio ou local, cortam-se as folhas próximas ao solo, porém sempre acima da gema apical, para permitir novas colheitas.

Produtividade normal: 1.700 a 2.000 maços/ha.

Rotação de culturas: Com hortaliças de outras famílias, leguminosas de adubação verde e cereais.

Armazenamento e comercialização:

a) armazenamento: em saco plástico em câmara fria (4 a 10oC) e úmida (90 a 95%)
b) comercialização:
em maços de 0,5kg.

Fonte: www.agrov.com

Rúcula

Rúcula
Rúcula

Rúcula
Rúcula

Sabor picante

A rúcula é uma hortaliça originária da Região Mediterrânea, muito popular nas regiões de colonização italiana no Brasil. Rica em sais minerais e vitaminas A e C, é apreciada pelo sabor picante e cheiro agradável e acentuado.

Pertence à família Brassicácea, a mesma da couve, couve-flor, repolho e brócoli. As hortaliças desta família possuem substâncias importantes para a manutenção da saúde, por isso inclua várias vezes por semana pelo menos uma hortaliça desta família no seu cardápio.

COMO COMPRAR

As maiores ofertas e os melhores preços ocorrem de maio a outubro.

A rúcula também é vendida na forma minimamente processada, ou seja, já higienizada e embalada, acompanhada ou não de outras hortaliças folhosas. Verifique o prazo de validade, e não compre se houver líquido amarelado no fundo da embalagem e se as folhas estiverem sem brilho, com pontos escuros nas bordas, ou se o produto não estiver refrigerado.

COMO CONSERVAR

A rúcula tem pequena durabilidade após a colheita, por isso compre somente o necessário para consumo imediato. Em condição ambiente, o produto pode ser mantido no máximo por um dia, desde que colocado em local bem fresco, com a parte de baixo em uma vasilha com água.

Em geladeira o produto deve ser acondicionado em saco de plástico ou vasilha tampada, e mantido por até 4 dias. Se lavar o produto antes de armazená-lo, escorra bem a água de levagem antes de embalá-lo.

COMO CONSUMIR

A rúcula é tradicionalmente usada crua em saladas, temperada com azeite, sal e limão. Pode substituir ou ser misturada ao agrião, alface e chicória.

A mistura com folhas de sabor mais suave, como o alface, é especialmente indicada para as pessoas que consideram o sabor da rúcula muito acentuado.

Também pode ser usada como ingrediente de tortas, quiche, lasanhas, sanduíches e bolinhos. Sempre que possível, acrescente a rúcula ao final do preparo do prato, de modo a reduzir o tempo de cozimento das folhas.

Quando consumida crua, a rúcula deve ser previamente lavada em água corrente e em seguida higienizada. Para isso, deixe as folhas de molho em solução de água sanitária (1 colher de sopa de água sanitária para 1 litro de água filtrada) por 30 minutos. Após, enxagüe-se com água filtrada. Este procedimento é importante para eliminar as bactérias, os vermes e outros organismos presentes nas folhas.

DICAS

A rúcula é um excelente acompanhamento de carnes de churrasco.
Temperos que combinam: sal, alho, cebola, cheiro-verde, limão, azeite e vinagre.
O suco de rúcula, combinado com agrião, é usado na medicina popular para a desitoxicação do organismo. Misture-o com suco de laranja ou cenoura para disfarçar o gosto forte da rúcula.

Fonte: www.cnph.embrapa.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal