Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Automóveis / BMW M5

BMW M5

PUBLICIDADE

O BMW M5 é um alto desempenho versão do Série 5 executivo carro construído pela divisão Motorsport da BMW.

Em 1985, a BMW criou o M5, nada menos do que um supercarro em disfarçar.

Esse primeiro modelo foi alimentado pela escandalosamente muscular, de 24 válvulas, 3.5-litro inline-seis tomadas (embora ligeiramente modificada) da M1.

O resultado foi uma performance extrema na camuflagem perfeita.

Só mais tarde BMW adicionar revestimento e spoilers ou até mesmo alterar o corpo do 5-série para criar sua versão top-de-linha.

A partir de então BMW criou uma versão M5 de todos os seus modelos da série 5, totalizando quatro gerações até agora. Uma versão de propriedade do E34 foi o primeiro M5-arrastar carga a ser introduzido.

O M5 tinha motores de seis cilindros até a introdução de um V8 nos modelos E39, mas o mais recente E60 foi um passo adiante e introduziu um V10 de 5 litros com 507 cv.

Começando produção em 1986, a primeira encarnação do M5 foi construído à mão utilizando o chassis 535i e um motor modificado BMW M1, sendo o mais rápido da produção sedan no mundo, no momento da sua introdução.

Iterações subseqüentes do M5 foi construído a partir de cada geração da plataforma 5-Series, incluindo o E34, E39, E60 / E61, e, mais recentemente, F10, com as primeiras encomendas entregues no final de 2011.

BMW M5
BMW M5

Com um soberbo V10 de 5,0 litros e 507 cv, e tudo o que de melhor existe para incrementar a eficácia, o novo M5 não é só o mais dotado BMW de sempre – é um dos melhores automóveis do planeta. Conduzi-lo foi uma experiência mágica.

A sigla M não é indiferente para nenhum amante dos automóveis. Nos dias que correm, quando conjugada com o número 5, é sinônimo de magia.

De fato, serão poucos os que acompanham o fenômeno que não tenham retido já que o novo M5 é algo de muito especial.

Por isso, da experiência de conduzi-lo, o mais relavante será tentar traduzi-la em palavras (assim o engenho não falte…), e resumir ao máximo os pormenores “acessórios”.

Como os que distinguem o novo M5: algumas cores exclusivas, spoilers de maiores dimensões, novas entradas de ar laterais dianteiras, guarda-lamas alargados, jantes de 19” de desenho exclusivo. Também não falta, como é da tradição em todos os M5, es-pelhos retrovisores exclusivos e quatro ponteiras de escape, assim como a sigla colocada na tampa da mala e, pela primeira vez, grelhas embutidas nos guarda-lamas dianteiros, junto às portas. Tudo compondo uma “embalagem” discreta, mas com os sinais suficientes para que os verdadeiros apreciadores percebam que este não é um Série 5 qualquer.

Anunciado como um modelo que tão bem se adapta a uma utilização quotidiana como a uma condução desportiva, o novo M5 dispõe de um interior que o confirma. Habitáculo e mala oferecem o mesmo espaço que no Série 5 “normal”, mas o ambiente é um pouco mais desportivo. As diferenças são ditadas pelo Head-up Display com funções específicas (ver caixa); pela nova instrumentação (com mostradores permanentemente iluminados na sua orla); pelo conta-rotações cuja zona colorida adapta a sua posição à temperatura do óleo do motor, logo ao regime máximo que este pode atingir a cada momento; pelos botões que permitem configurar a suspensão, o desempenho da caixa e o rendimento do motor, colocados junto à alavanca de comando da caixa (cujo punho é, agora, iluminado).

Luxo e requinte fazem parte dos atributos deste desportivo. A qualidade geral é soberba, o equipamento de série completo, a dotação de dispositivos de segurança inclui tudo o que se espera de um topo-de-gama. Um toque extra de exclusividade pretende ser dado pelas aplicações a imitar madeira incluídas no M5 que me coube em sorte, mas o gosto discutível desta solução leva a crer que não será a melhor opção em mercados como os do sul da Europa.

3,2,1… Go!

Apesar da chuva que caíu em Munique durante os dois dias em que lá estive para conduzir o mais potente BMW de sempre, nem por isso a minha ânsia e entusiasmo esmoreceram. Apenas tive que refrear ímpetos e adoptar as cautelas que utilizar um modelo com 507 cv nestas condições, na via pública, sempre implica. Ainda antes disso, a BMW colocou à disposição dos jornalistas uma pista de aviação onde era possível ficar a conhecer melhor o modelo e testar em absoluta segurança algumas das suas capacidades.

Já sentado, as enormes patilhas situadas atrás do volante, destinadas a controlar o modo sequencial da caixa de velocidades, atuam sobre mim como um iman, cativando a minha atenção. Explicados os modos de funcionamento da caixa SMG III, do controlo de estabilidade, do amortecimento pilotado e da resposta do motor (ver caixa), e como efetuar a respectiva configuração, o passo se-guinte era realizar uma prova de aceleração numa reta com mais de 2,5 quilómetros.

Informado de que a função Launch Control de arranque “a fundo” (ou partida à la F1…) só poderia ser utilizada uma vez, pelo esforço que implica para a mecânica (mormente para a embraiagem), não me fiz rogado, e utilizei tal prerrogativa logo na primeira vez.

Primeira engrenada, acelerador a fundo, punho da caixa libertado, e cá vou eu: com uma força incrível, fico colado às costas do banco, ao mesmo tempo que a agulha do velocímetro progride de forma inacreditável. Uma experiência única.

Num apíce se atingem os 100 km/h (4,7 segundos), os 200 km/h (15 segundos) e os 250 km/h que este M5 tem como velocidade máxima eletronicamente limitada (267 km/h no velocímetro, atingida em 6ª por volta das 5000 rpm!). A cada passagem de caixa, apesar da intervenção do condutor ser nula, sente-se toda a mecânica a funcionar, a embraiagem a escorregar para garantir a máxima motricidade, parecendo não existirem quebras de potência entre elas.

Passo seguinte: um slalom, a realizar por três vezes – com o controlo de estabilidade DSC ligado; com este no modo menos interventivo M Dynamic Mode (ver caixa); e totalmente desligado. Como seria de prever, o primeiro é o mais seguro e menos emocionante. O segundo, surpreendentemente, permite desfrutar de bastante emoção, só atuando nos limites (nalguns casos, parece até que para além destes…).

Desligado o DSC, as coisas assumem outras proporções: ao mínimo abuso sobre acelerador e direção, a traseira do M5 ganha vida própria, e o seu controlo exige perícia e sabedoria. Decididamente, a não utilizar em piso molhado (fala a experiência…).

Letra Mágica

BMW M5

O departamento da BMW responsável pelos seus modelos mais desportivos (hoje M, criado como BMW Motorsport) lançou a primeira geração do M5 há 20 anos. Produzido entre 1984-87, o primeiro M5 montava um seis cilindros com 277 cv oriundo do M1 e vendeu 2200 unidades, totalmente produzidas à mão.

Entre 1988-95 foi fabricada a segunda geração do M5, a única disponível também em versão Touring (lançada em 1992). Era animada por um 6 cilindros com 315 cv, e que no final de vida oferecia 340 cv. Foram vendidas 12000 unidades desta geração.

Em 1998 o M5 recorreu pela primeira vez a um motor de cilindros em V, no caso um 5.0-V8 de 400 cv. Foram entregues mais de 20000 unidades deste modelo, capaz de cumprir os 0-100 km/h em 5,3 segundos.

BMW M5

No ano em que comemora o seu 20º aniversário, a saga M5 continua com a nova geração, da qual a BMW espera vender mais de 20000 unidades.

Só em 2005, a M prevê entregar 5000 M5, 20000 M3 e ainda 20000 veículos oriundos da Individual, o programa de personalização da BMW, onde é possível fazer quase tudo excepto… alterar a mecânica.

Fonte: www.automotor.xl.pt

BMW M5

A história do M5

Para ver como a história do M5 começou, nós temos que voltar a 1972, o ano BMW Motorsport GmbH nasceu.

A subsidiária inicialmente focada principalmente na turnê de corridas de carros e produziu o famoso CSL 3.0 “Batmobile”.

Mais tarde, em 1978, a BMW lançou o de 2 lugares com motor central M1 com uma twincam 3,5 litros straight-6 motor. O M1 servisse de base para outros carros de alta performance produzidos pela BMW Motorsport.

O primeiro M5 foi construído à mão na fábrica Preußenstraße em Munique, Alemanha.

Foi com base na série E28 5, usando o chassis do 535i e uma versão melhorada do motor BMW M1. O carro fez a sua estreia no Amsterdam Motor Show em 1984 e entrou em produção no próximo ano.

A fábrica Preußenstraße encerrada em 1986 ea produção foi transferida para uma fábrica em Garching, onde a fabricação continuou até 1988.

Devido a vários regulamentos em diferentes países, o M5 foi produzido em quatro diferentes variantes.

A movimentação da mão esquerda Euro-spec (LHD), a unidade UK-spec do lado direito (RHD) e a variante especificação LHD da América do Norte (NA) para os Estados Unidos e Canadá.

Na hora de o seu lançamento, o E28 M5 foi o sedan produção mundos mais rápido.

Modelo esportivo BMW M5

BMW M5 é um modelo esportivo da marca BMW.

Ele é um derivado da série 5, modificado pela motorsport, a divisão de esportivos da marca.

O modelo atual possui um motor V10 de 506 CV, atingindo uma velocidade de 330km/h (sem limitador, sendo que com ele a velocidade máxima fica em 250 km/h) e chegando do repouso aos 100km/h em somente 4,7s, sendo um dos sedãs mais rápidos do mundo produzidos atualmente.

É um dos sedans mais rápidos do mundo, segundo avaliações das principais publicações automobilísticas européias e sendo de maior carisma dentro do mundo automobilístico, tendo comprovação pela pesquisa “Top of mind” na categoria carro mais completo do mundo, realizada na Europa, em 2006, pelo instituto Research Auto inc., demonstrando assim o mérito deste veículo em alcançar o intuito da BMW em produzir um automóvel, capaz de ser utilizando tanto como um sedan familiar, quanto um super-desportivo, justificando o seu apelido, planeta afora, de “lobo em pele de cordeiro”.

O M5 recorreu a algumas inovações da Fórmula 1, incluindo os modos de transmissão (manual, automática) e eletrônica como o launch control (controlo eletrônico de arranque para as rodas traseiras não entrarem em derrapagem) ou o dynamic stability control (controlo dinâmico de estabilidade). Inclui um sistema chamado “Drivelogic” que permite ao condutor experimentar os 11 modos de passagem de caixa.

A passagem de caixa manual pode ser feita ou pelos comandos que estão no volante (inspiraram-se nos F1) ou pela manete da caixa, dependendo da maneira que o condutor achar melhor para si.

A da caixa de velocidades do BMW é diferente: A passagem de relações da caixa é feita empurrando a manete para baixo para subir de relação ou com a manete para cima para baixar de relação. A manete pode ser deslocada para a esquerda para ficar em neutro ou para pôr a marcha atrás.

Outra novidade no M5 E60 é o botão Power (com a marca do logotipo “M”) que permite ao condutor experimentar os 3 modos de potência: P400, P500 e P500 S. O P400 limita o motor a debitar os 400 cavalos e serve para o uso diário. O modo P500 permite ao condutor sentir os 507 cavalos de potencia máxima. E o P500 S é o mesmo que o anterior mas com uma melhor resposta do motor.

O M5 fica definido no modo P400 quando o motor é posto a trabalhar. Os modos P500 só são possíveis de serem usados usando o modo i-Drive e de seguida pressionar o botão com o logotipo “M”.

A velocidade máxima do M5 de fábrica está limitada eletronicamente aos 250 km/h. Sem limitador, o M5 consegue atingir os 330km/h e é considerado um dos sedans mais rápidos do mundo.

 

BMW M5
BMW M5

A sigla M não é indiferente para nenhum amante dos automóveis. Nos dias de hoje, quando conjugada com o número 5, é sinônimo de magia. Serão poucos os que acompanham o fenômeno que não tenham retido já que o M5 é algo de muito especial.

Anunciado como um modelo que tão bem se adapta a uma utilização quotidiana como a uma condução desportiva, o M5 dispõe de um interior que o confirma.

Habitáculo e mala oferecem o mesmo espaço que no Série 5 “normal”, mas o ambiente é um pouco mais desportivo.

As diferenças são ditadas pelo Head-up Display com funções específicas; pela instrumentação (com mostradores permanentemente iluminados na sua orla); pelo conta-giros cuja zona colorida adapta a sua posição à temperatura do óleo do motor, logo ao regime máximo que este pode atingir a cada momento; pelos botões que permitem configurar a suspensão, o desempenho da caixa e o rendimento do motor, colocados junto à alavanca de comando da caixa (cujo punho é, agora, iluminado).

BMW M5
BMW M5

Luxo e requinte fazem parte dos atributos deste desportivo.

A qualidade geral é soberba, o equipamento de série completo, a dotação de dispositivos de segurança inclui tudo o que se espera de um topo-de-gama. Um toque extra de exclusividade pretende ser dado pelas aplicações a imitar madeira (em opção), mas o gosto discutível desta solução leva a crer que não será a melhor opção em mercados como os do sul da Europa.

O toque no botão M no volante selecciona de uma só vez as preferências pessoais entre as dezenas de combinações possíveis com a afinação da rapidez da caixa de velocidades (11 níveis), da suspensão (3), do controlo de estabilidade (3) e da disponibilidade do motor (3). A partir daí, o desempenho do M5 é tão progressivo como a vontade do condutor.

Pode-se optar pela suavidade, gerindo apenas com a direção hiper-precisa e a potência colossal a trajetória correta, de curva para curva, de serra ou de auto-estrada; ou guiar com movimentos bruscos, tentando roçar o limite do condutor em domar 500 cv nas rodas traseiras.

O M5 dá-se bem com qualquer tipo de trajeto, porque tanto o acelerador como a direção estão na continuação das «ondas cerebrais» do condutor. Ainda assim, o que mais facilmente impressiona o mais comum dos mortais é a capacidade avassaladora de aceleração que, de tão forte e contínua, faz com que nenhuma reta pareça suficientemente longa.

De vez em quando, o M5 até deixa experimentar o «launch-mode», o 11º nível da caixa de velocidades; o mais arrepiante e avassalador «truque» do M5, com o qual o motor V10 é levado ao limite, e as passagens de caixa «caem» no diferencial traseiro como se fossem golpes de guilhotina.

Mesmo neste tipo de utilização, os consumos raramente passam os 25 litros por cada 100 km, o que não é exagerado, face à adrenalina gerada. O pior é que o M5 não consegue ser poupado, mesmo a ritmos de Mini One, numa utilização convencional, especialmente se circularmos em cidade, sendo quase impossível descer dos 20 litros/100 km.

Mas não é só por isso que a cidade é o seu ponto fraco. A caixa de velocidades SMG passa de fantástica e exuberante quando tratada freneticamente, para pouco suave e indecisa quando é levada com «meiguice». Chega a ser embaraçoso em alguns cruzamentos. Escolher um nível intermédio ajuda.

Na última reestilização do Série 5, o M5 recebeu o «hill holder», que dá uma ajuda crucial nos arranques em subida, enquanto o sistema de embreagem não «engrena» a primeira.

Somando a isto o fato de não se conseguir fazer 300 km com um tanque de 70 litros, o M5 assume-se como o eleito, o mais desejado, excitante e completo mas não pode ser o único na família.

Ficha Técnica:

Marca: BMW
Modelo: M5
Versão: (E60)
Potência: 507 cv (373 kw – 500 hp)
Motor: 10 cilindros (motor em V)
Cilindrada: 4999 cm3
Velocidade máxima:
254 km/h
Distribuição: 40 válvulas
Binário: 520 Nm (6100 tr/min)
Transmissão: Tração traseira, caixa de velocidades automática-sequencial 7 velocidades
Peso médio: 1934 kg
Pneus: 255/40/19 Frente – 285/35/19 Atrás (Pneus a preços baixos)
Relação potência / peso: 3.8 kg/cv
Relação consumo / potência: 34.5 cv/L
Coeficiente aerodinâmico: 0.310 cx

Consumo:

Consumo mixto: 14.7 l/100km
Consumo urbano: 30.0 l/100km
Emissão CO2: 359 g/km

Dimensões:

Altura (mm): 1456
Largura (mm): 1891
Comprimento (mm): 4916
Entre-eixos (mm): 2964
Peso (kg): 1870
Tanque (L): 80.0
Porta-malas (L): 520
Ocupantes: 5

Fonte: m5e39.net/www.4rodaspt.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Cadillac Self-Starter

Cadillac Self-Starter, Construção, Sistema, Motor, Arranque, Partida, Elétrica, Dispositivo, Inovação, História, Cadillac Self-Starter

História da Cadillac

História da Cadillac, Carro, Marca, Modelos, Fabricação, Motor, Empresa, Construção, Logo, Veículos, Automóveis, História da Cadillac

Aero Willys

Aero Willys, Carros, Brasil, Versão, Veículos, Velocidade, Modelo, Características, Linha, História, Fotos, Aero Willys

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+