Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Automóveis / Lotus Elise

Lotus Elise

PUBLICIDADE

O Elise é um roadster compacto da Lotus.

O Lotus Elise mantém sua agilidade, confirmando sua fama de ser um carro de corrida para as ruas.

O modelo 2008 é dotado tem um motor 1.8 16v com 190cv de potência.

Para o mercado americano este motor é produzido pela japonesa Toyota em parceria com sua conterrânea Yamaha.

Já para outros mercados, o propulsor de 156 cv é feito pela inglesa Rover.

Outra característica que contribui para a agilidade do esportivo é o peso de apenas 903 kg. O Elise faz de 0-100 km/h em 4,6 segundos e sua aerodinâmica gera 42 kg de downforce a 160 km/h.

O modelo 2008 do esportivo traz novidades no painel de instrumentos – um tela de LCD de alta definição, com mais funcionalidades e novo desenho. E, a partir de agora, todas as versões do Elise vão contar com airbag tanto para motorista quanto para passageiro.

Fabricantes diferentes têm abordagens diferentes no que diz respeito a projetar um carro de alto desempenho. Para alguns, é uma eterna busca por mais potência, com motores maiores, mais cilindros e combustível de alta octanagem. Alguns partem para a tecnologia da era espacial e adicionam os turbocompressores mais recentes, aerodinâmica testada em túneis aerodinâmicos e componentes de suspensão computadorizados.

Para a fabricante britânica Lotus (em inglês), alto desempenho está na simplicidade. Um carro leve, sem acessórios, com um motor modesto é o ideal da Lotus – o carro esporte puro. O novo Lotus Elise se encaixa perfeitamente nesse perfil. Pesa menos de uma tonelada e tem um motor de quatro cilindros, mas é rápido o suficiente para a maioria das pessoas e tem características de condução que algumas revistas especializadas em automóveis chamaram de “telepáticas”.

O Elise já é vendido na Europa há alguns anos (como o Elise 111R), mas o Lotus Elise 2005 marca a volta da empresa ao mercado norte-americano. Neste artigo, descobriremos como fizeram o Elise ficar tão leve, e por que é tão gostoso dirigi-lo.

Desde 1996 a Lotus Cars Ltd. pertence à Proton, da Malásia. O motor do Elise é totalmente diferente de alguns dos potentes motores dos atuais supercarros europeus.

O motor fabricado pela Toyota substitui o Rover K-Series (em inglês) que equipou o Elise na Europa, de certa forma desatualizado. O motor de aspiração atmosférica de 1,8 litro, refrigerado a água, tem bloco de alumínio de quatro cilindros com duplo comando de válvulas, quatro válvulas por cilindro e uma taxa de compressão de 11,5:1.

O motor fica no meio do carro, bem atrás do motorista.Este motor é semelhante ao do Toyota Celica GT-S, mas com os sistemas de admissão e escape atualizados e uma unidade eletrônica de controle (ECU) mapeada especificamente para o Lotus (revista Road and Track, agosto de 2004). São 192 cv de potência a 7.800 rpm, produzindo torque de 19 kgfm a 6.800 rpm. Se você comparar com as Ferrari ou os Corvette, esses números parecerão muito baixos.

Construtor: Lotus
Produção: 1995-2007
Antecessor: Lotus Elan
Tipo de Carroçaria: roadster
Motor: 1.8 4L
Modelos relacionados: Lotus Exige

Mas tenha em mente que o Lotus não foi feito para ser veloz, mas para ser ágil. O Elise vem equipado com o variador de fase e levantamento de válvulas (VVTi) da Toyota. Isso permite ao motor mudar para um ressaldo de perfil diferente no comando de válvulas quando é detectada uma rotação alta. Para simplificar, isso faz o motor desenvolver potência extra quando ele atinge 6.200 rpm.

Tanto a revista Motor Trend (em inglês), quanto a Road & Track (em inglês) dizem que o sistema foi aperfeiçoado para proporcionar uma transição mais suave para o perfil de ressalto de alta rotação do que nos motores anteriores da Toyota. O motor é acoplado a um câmbio manual de seis marchas curta com relações próximas (também da Toyota), projetado para permitir trocas de marcha rápidas conforme a potência é transferida para as rodas traseiras.

Uma luz no painel mostra ao motorista quando a rotação está se aproximando da linha vermelha, que no Elise é de 8.000 rpm, momento de trocar de marcha. O baixo peso do Elise é conseguido por meio de vários métodos. Começa pelo chassi, de alumínio. Formado por chapas de alumínio coladas, formando uma “banheira”, o chassi do Elise pesa somente 68 kg.

O peso do Elise é reduzido ainda mais pelo uso do leve plástico reforçado com fibra de carbono em partes do assoalho Além disso, o Elise é um carro muito pequeno – um roadster de dois lugares e apenas um pequeno espaço para bagagem. A curta distância entre eixos (230 cm) também mantém o perfil do carro mais limpo e compacto, e o Elise básico tem capota de lona.

Por fim, a Lotus mantém o peso do Elise mais baixo ao cortar muitos dos itens de conforto considerados obrigatórios em um carro caro. Vamos discutir o interior do Elise mais adiante, mas por hora basta dizer que o interior deste carro é espartano. Muito da estrutura de alumínio é deixada à mostra, e os painéis interiores têm furos grandes, para diminuir ainda mais o peso. Rapidez Todo mundo que já teve o prazer de dirigir um Elise percebeu como ele é bom de dirigir. O carro é bem rápido nas curvas e tem ótima resposta de direção.

Como a Lotus conseguiu produzir um carro tão bom de curva? Na verdade, não existe nada de especial – apenas uma suspensão independente de braços triangulares duplos superpostos, com molas e amortecedores e barras estabilizadoras de boa especificação (exatamente qual tipo vai depender de você optar pelo kit de série ou Sport), tudo calibrado pelos experts da Lotus.

Os pneus Yokohama Advan Neova AD07 (em inglês) são montados em rodas de liga leve de oito raios na versão básica. O kit Sport vem com pneus Yokohama A048 LTS definidos para o Elise e montados em rodas leves. Discos de freio ventilados nas quatro rodas, com ABS, fazem o Elise passar de 97 km/h a zero em 32 metros, um recorde da revista Road & Track (Road & Track, agosto de 2004).

Como o Elise não foi feito para atingir velocidades muito altas, a Lotus não se preocupou muito com a aerodinâmica.

Com velocidade máxima de 240 km/h, o formato suave do Elise não é tão aerodinâmico quanto o de alguns dos supercarros europeus.

O assoalho foi projetado para reduzir a sustentação, ajudando a manter as rodas traseiras no chão em velocidades mais alta

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br

Lotus Elise

Concebido como um modelo de baixa produção, o Elise quebrou as expectativas de vendas e retornou Lotus para a vanguarda da produção de carros esportivos. Este carro também gerou algumas edições limitadas muito interessantes, incluindo a 340R, o cupê Exige, e vários derivados do desporto motorizado.

O motor padrão é um K-series 1796cc Rover com 4 cilindros em linha, e mid montado transversalmente.

Tem um bloco de motor de alumínio e cabeçote de alumínio com comando de válvulas duplo em cima, tuchos hidráulicos, e injeção de combustível.

A potência de pico é 118bhp (88Kw) a 5500rpm, torque máximo é de 122 lb.ft (165Nm) a 3000rpm.

O primeiro contacto com o Lotus Elise 111R intimida. A estética não deixa dúvidas quanto à sua vocação desportiva, e os farolins traseiros até são semelhantes aos de um Ferrari.

A altura reduzida (1,11 metros) e a cor amarela são elementos que ainda reforçam mais a agressividade das linhas.

Quando se toca na carroçaria, percebe-se que não há chapa e que todos os painéis são em fibra, o que, aliado à utilização de alumínio na estrutura, faz com que o Elise acuse um peso ligeiro, de apenas 860 kg.

Feito à mão, e pensado apenas para a condução desportiva pura, o 111R conta com um motor 1.8, montado atrás dos bancos, em posição transversal. Um bloco de origem Toyota com 192 cv às 7800 rpm, e um binário mais modesto de 181 Nm às 6800 rpm.

Se entrar no Elise já é uma aventura, sobretudo com a capota fechada, sair é ainda mais complicado. Mas, por agora, não temos intenção de abandonar o habitáculo… Que é de um autêntico automóvel de competição, com as travessas laterais a afunilar o espaço disponível e metal à vista por todo lado. À excepção da regulação longitudinal da do condutor, nada mais pode ser ajustado nestas bacquets 100% desportivas.

Sentado ao volante, o qual não mede mais que um palmo e meio de diâmetro, o condutor vai praticamente sentado no chão, o que faz com que qualquer utilitário que se cruze com o Elise pareça ter a altura de um camião.

Quando se acorda o motor, este não emite uma sonoridade que denuncie o seu potencial, o que nos obriga a procurar o traçado certo para lhe dar liberdade total… Por seu turno, a suspensão ultra firme sente-se logo nos primeiros metros, com a estrutura a acusar a mínima irregularidade que surge no alcatrão. A direcção é muito directa e a única assistência são os músculos dos braços de quem conduz, o que, aliado à precisão (e ao som mecânico) da caixa de seis velocidades, reforça o ADN de competição deste Elise.

Feito para as pistas

Quando se começa a andar depressa, o motor revela a primeira surpresa: logo que se supera as 6000 rpm, emana uma sonoridade infernal, que invade o habitáculo e eleva automaticamente o ritmo cardíaco do “piloto”… e do passageiro. Não há descrição possível para este autêntico “grito do Ipiranga”, que tem o condão de nos impelir a ir cada vez mais além, ao ponto de desactivar o controlo de tracção, para experimentar o Elise no seu estado mais puro (até este dispositivo tem influências da competição, pois, quando intervém, apenas a alimentação do motor é cortada, dando a ideia de que este est* engasgado…).

Quanto mais depressa se curva, maior é o prazer de condução. A aderência e a eficácia são enormes, e o Elise faz sempre aquilo que o condutor manda. Quando se ataca uma curva a velocidades proibitivas, e a traseira se solta, a direcção permite um controlo preciso das operações. É só apontar o volante na direcção desejada, acompanhar com a dose certa de acelerador, que o 111R encarrega-se do resto. É quase como conduzir um kart na estrada.

A frenagem é competente e o único senão, em condução esportiva, é o escalonamento da caixa, mais longo do que o desejável, o que obriga a usar sempre as rotações mais elevadas para manter o motor na zona infernal.

Face ao que foi descrito, é fácil perceber porque é que só precisa de 5,5 segundos para cumprir os 0-100 km/h, apesar de os 241 km/h de velocidade máxima parecerem algo optimistas, já que a agulha do velocímetro tem muita dificuldade em passar dos 220 km/h.

O Lotus Elise é um desportivo viciante, que deixa qualquer um exausto após momentos de condução intensa, para não falar no calor que o motor empresta ao habitáculo, atenuado pelo ar condicionado, que, nestas situações, tem de ser usado no máximo.

Defeitos?

Além do conforto, da dificuldade em entrar e sair, da capota que tem de ser retirada à mão e arrumada numa mala mínima, da autonomia reduzida e do preço final, nada mais há a acrescentar.

Se está curioso sobre quem está disposto a fazer estes sacríficios para possuir um autêntico carro de corridas para andar na estrada, podemos apenas citar um responsável pelo importador, que afirma: “há sempre alguém que gosta de ter um brinquedo destes”. Como diria Ayrton Senna, a diferença entre as crianças e os adultos está no preço dos seus brinquedos…

Fonte: www.automotor.xl.pt

Lotus Elise

A Lotus está colocando o Elise na mesma categoria do Porsche Boxter S, tornando-se pela primeira vez mais acessível ao público. Com preços mais baixos, a fábrica vem conquistando clientes que nunca sonhariam em adquirir um Lotus. No Brasil, o carro é vendido pela importadora Platinuss por R$ 300 mil. Talvez nenhum deles tenha pensado seriamente na possibilidade de comprar um Elise, mas agora não há como não pensar.

O SC é o modelo de produção mais veloz e potente da linha Elise até agora. Certamente antecessores, como o Exige, o 340R e o 2-11, o ultrapassaram em alguns ou em todos os requisitos, mas eles são apenas modelos de outra família de carros. “Estamos falando de Elises e deste carro aqui”, diz a Lotus, “que é o supra-sumo dos carros”. Entre os modelos principais destaca-se o brilhante 111R, com motor Toyota de 189 cv, mas neste caso ele é turbinado para oferecer 28 cv adicionais. Porém, esse não foi o caso de incluir um motor turbinado de um Exige S. Este carro tem intercooler montado em cima do motor, encaixando-se direitinho debaixo do capô, mas não daria certo no caso da tampa de motor baixa do Elise.

Lotus Elise
Lotus Elise

No mais, a visibilidade traseira também não funcionaria. A lei obriga ter espelhos retrovisores, mas tudo o que se vê no Exige S é um enorme intercooler. Talvez tolerável em um fora-de-estrada, mas donos de Elises são mais aficionados às estradas e querem enxergar por onde estão trafegando, sem precisar olhar para espelhos em forma de orelha de elefante que parecem ter sido adquiridos em alguma liquidação. Dessa forma, a engenharia da Lotus fez algumas alterações e optou por um tipo diferente de turbo, deixando de fora o intercooler, mas ainda assim capaz de atingir os mesmos 217 cv do Exige S.

Você pode achar que um resultado tão impressionante significaria que o Exige adotaria o mesmo sistema, mas o intercooler tem maiores chances de proporcionar ganhos extras de potência, bem perceptíveis no recém-lançado pacote opcional de potência de 126 cv para o modelo.

Impressionante como o truque usado, mesmo sem o intercooler, conseguiu ganhar 18 cv sobre o motor naturalmente aspirado de 189 cv do R. Isso pode até soar espetacularmente, até você se lembrar de duas coisas. Primeiro: o Elise SC pesa apenas 870 kg, o que significa que sua relação peso/potência salta de 220 cv para 250 cv por tonelada; e segundo: a curva de torque do motor turbo é muito mais eficiente, que é o que importa.

Isso significa que ele anda muito bem, mas não chega a ser nenhum monstro em torque que faça cantar os pneus como você gostaria e até esperava. O corte do motor ocorre aos 8.250 rpm. Os zero a 100 km/h em 4,4 segundos, comparados aos 4,9 segundos do R, fazem você sentir-se o rei. Compare: para atingir 160 km/h, o SC demonstra a sua liderança, precisando de 10,7 segundos contra 13,2 segundos, muito embora ambos possam passar dos 240 km/h. O Europa turbo de 260 cv fica bem atrás, e sua melhor marca é de 5,5 segundos/13,8 segundos. Entre os carros da Lotus, somente o turbinado Exige é mais veloz e mesmo assim, por frações de segundos.

A primeira série do Elise não tinha esse nível de desempenho. E essa é a versão 111S mais potente desde seu lançamento, em 1999, quando foi apresentado o motor VVCK da Rover com 134 cv e o 1.8 de 118 cv, com o comando de válvulas variável. O 111S alcança a dupla marca de aceleração em 5,3 segundos e 14,4 segundos, comparado aos 5,8 segundos e cerca de 17 segundos do Elise comum.

Poderia ficar extremamente feio, de gosto bem duvidoso, mas a cor dourada do carro confere uma aparência tão sensacional ao modelo como quando Colin Chapman fechou o patrocínio com uma empresa de cigarros e pintou seus carros de Fórmula 1 com a mesma cor. Por sinal, o Elise ficou até que chamoso e diferenciado. Só os faróis dianteiros ofuscam seu4 design que, para alguns, se assemelha a uma imitação da linha Ferrari.

Ambos, o 49 e o SC, são montados em cima do mesmo chassi tubular de alumínio e revestidos de fibra de vidro. Mas a lacuna de dez anos de desenvolvimento é sentida quando você entra nos dois carros. É mais fácil entrar no veículo mais novo por ter a soleira da porta mais baixa. Além disso, seus assentos Probax são engenhosos e confortáveis. No interior, surpreendentemente espaçoso, não existem comandos de painel, as luzes internas vão além de iluminar os cadarços dos seus sapatos e para engatar a última marcha não é preciso passar pelas três etapas de rotação, entre outros recursos exclusivos.

Eis então que você dá a partida e o volante começa a deslizar em suas mãos, como se tivesse sido confeccionada há apenas alguns dias. Dirigir carros modernos é como assistir a um episódio do personagem Poirot traduzido para o japonês. As piadas estão ali, mas demandam tempo e concentração para serem assimiladas e compreendidas, e às vezes você pode se distrair e levar alguns sustos e ainda não ter a menor idéia do que está acontecendo.

A suspensão do SC não teve alterações do 111R, com exceção das rodas, agora meia polegada mais larga. Em conjunto com o spoiler traseiro, um extrator de ar central e a pequena logomarca traseira são as únicas diferenças.

A Lotus realmente aproveitou-se da estrutura rígida do Elise quando produziu o modelo R, elevando a suspensão do carro em comparação ao original, dando a impressão de ser bem mais macio. Com os pneus dianteiros 10 mm mais largos que os do SC e traseiros 20 mm mais estreitos, o modelo anterior transmite sensação agradável, mesmo com um conjunto de potência modesta. O SC, como todos os carros de segunda geração, tem uma rede de segurança na coluna de direção que deve ser considerada antes que você entre em um deles. Além disso, tem tanta tração (grip) que o controle de tração opcional é absolutamente dispensável.

O SC não é apenas mais veloz, mas tem, paradoxalmente, melhor desempenho e deixa pra trás tanto o R como o 111S. Mesmo sendo empolgante, o SC perde a originalidade de um Elise. Quanto mais potência, peso e luxo são adicionados ao Elise, mais ele perde suas características.

A Lotus estima que 35% das vendas do Elise serão do modelo SC. Em nossa opinião, o melhor Elise é aquele que mais se aproxima do espírito do original, que seria o humilde Elise S. com motor de 134 cv e câmbio de cinco marchas. Você realmente não precisa mais do que isso.

Fonte: carmagazine.uol.com.br

Lotus Elise

Fundada por um dos mais bem sucedidos engenheiros do pós-guerra, Colin Chapman, a Lotus é uma das mais tradicionais fábricas de automóveis britânicas.

Desde que Chapman transformou seu carro de corrida e criou o Mk7, vários outros modelos de sucesso vieram a ser produzidos.

Mas Chapman se dedicava mais às corridas do que à produção de seus carros. A marca quase extinguiu-se em 1981. Três anos depois, 25% da Lotus foram vendidos à Toyota e em 1986 foi absorvida pela GM. A General Motors gastou milhões de dólares para desenvolver o Elan II, mas as vendas não atingiram o objetivo.

A Lotus foi vendida então, em 1996, à Proton, fabricante de automóveis da Malásia. Até há pouco tempo não se sabia por quanto tempo mais seria possível manter a Lotus. Hoje há esperanças, pois o Elise (foto) tornou-se um sucesso.

O Elise foi lançado no Salão de Frankfurt de 1995, juntando-se ao Esprit existente desde 1980.

No Salão de Genebra de 1998 o Esprit ganhou a motorização V8, mais condizente com a concorrência. No último ano surgiu o 340R. Todos seguem a filosofia de Chapman, que prega a redução do peso em busca do máximo desempenho.

Baixo peso é o segredo do Elise

Seguindo à risca os conceitos de Colin Chapman, o Elise traz o que há de melhor das teorias do engenheiro fundador da marca. O carro é um dos mais agraciados pela imprensa, principalmente a britânica. Um carro que seja puro prazer de dirigir deve ser bastante rápido, mesmo que não tenha um motor muito potente. É nesta filosofia que o Elise foi desenvolvido.

A estrutura do carro é construída em alumínio anodizado, ligada com adesivo epóxico. Segundo a Lotus, o Elise é o primeiro carro de produção a utilizar esta tecnologia, já utilizada em aviões há algum tempo. Somada às partes dianteiras e traseiras feitas em material composto, isso resulta em uma estrutura extremamente leve, sem que se perca rigidez. O Elise pesa apenas 699 kg (sem combustível).

Lotus Elise
Estrutura em alumínio e partes da carroceria em material composto garantem peso baixíssimo ao Elise: apenas 699 kg na versão básica

Com este peso, um pequeno motor é suficiente para dar conta do recado — e bem. Em sua versão básica, o Elise vem equipado com um Rover 1,8-litro de 16 válvulas e 118 cv, instalado transversalmente atrás dos bancos. A velocidade máxima (202 km/h) não chega a ser surpreendente, já que um Escort chega perto desta marca, mas é na aceleração que a relação peso-potência mostra seus avanços. Ele gasta apenas 5,9 segundos para atingir os 100 km/h e 18 segundos para chegar aos 160 km/h.

Outro conceito que os engenheiros da Lotus retiraram das pistas foram as posições dos banco. O do motorista é mais próximo da linha de centro do automóvel que o banco do passageiro, o que dá melhor visibilidade e distribuição de peso entre os lados.

A outra versão que o roadster possui chama-se 111S. Se o motor da versão básica já traz um desempenho bem interessante, no 111S o prazer aumenta ainda mais. Esta versão vem com o motor de comando de válvulas variável emprestado da renovada série K, com 143 cv. A velocidade máxima chega aos 212 km/h, com aceleração de 0 a 100 km/h em 5,4 segundos e de 0 a 160 km/h em apenas 14,4 segundos.

Para adaptar-se à maior potência, o carro recebeu pneus e rodas mais largos. Junto com estes estão caixa de câmbio com relações mais curtas, nova grade, bancos redesenhados e aerofólio traseiro. A diferença entre os motores não se resumem à adoção do comando variável: as válvulas, tanto de admissão quanto de escapamento, são maiores e o coletor de admissão permite melhor fluxo de ar. Com o comando variável o motor obtém 24 m.kgf de torque. A injeção do combustível passa a ser sequencial e a ignição é controlada individualmente em cada cilindro. Este motor é apenas 7 kg mais pesado que o menos potente, mas ocupa um espaço maior. O 111S pesa apenas 714 kg.

Lotus Elise
Capota rígida também é oferecida. A versão 111S diferencia-se pelo comando de válvulas variável, aerofólio traseiro e pneus mais largos

Os pneus traseiros aumentaram de 205 para 225 mm de largura. Os dianteiros continuaram com a mesma medida. Feitos especialmente para o 111S, utilizam estrutura e composto de borracha diferentes. Os pneus ficaram tão bons que passaram a ser opcionais para o modelo básico. Junto vieram as rodas de 7,5 pol de tala, contra 7 pol do menos potente.

Carros leves, com motores não tão potentes, mas com ótimo desempenho e extremo prazer ao dirigir. Pode não ser a melhor fórmula, mas é a mais adequada para definir as duas versões do Lotus Elise.

Fotos

Lotus Elise

Lotus Elise

Lotus Elise

Lotus Elise

Lotus Elise

Lotus Elise

Lotus Elise

Lotus Elise
Lotus Elise

Fonte: www2.uol.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Cadillac Self-Starter

Cadillac Self-Starter, Construção, Sistema, Motor, Arranque, Partida, Elétrica, Dispositivo, Inovação, História, Cadillac Self-Starter

História da Cadillac

História da Cadillac, Carro, Marca, Modelos, Fabricação, Motor, Empresa, Construção, Logo, Veículos, Automóveis, História da Cadillac

Aero Willys

Aero Willys, Carros, Brasil, Versão, Veículos, Velocidade, Modelo, Características, Linha, História, Fotos, Aero Willys

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+