Breaking News
Home / Automóveis / Jaguar XJ-S

Jaguar XJ-S

PUBLICIDADE

O Jaguar XJ-S, um grande e luxoso carro de turismo, foi produzido pela britânica fabricante Jaguar de 1975 a 1996.

O XJ-S substituiu o E-Type (também conhecido como o XK-E) em Setembro de 1975, e foi baseado no sedã XJ.

Ele havia sido desenvolvido como o XK-F, porém, foi muito diferente em caráter de seu antecessor.

Embora nunca teve exatamente a mesma imagem desportiva, o XJ-S foi um carro de luxo competente e mais aerodinâmico do que o E-Type.

O último XJ-S foi produzido em 4 de abril de 1996. O modelo foi substituído pelo XK8.

Sucessor do E-Type, o XJ-S era um cupê de 2+2 lugares, capô longo, traseira baixa com as laterais simulando um fastback, faróis grandes e ovalados. S

Seu interior era sofisticado, mais próximo do luxuoso sedã XJ, com revestimento em couro, aplqiues de madeira e ar-condicionado.

Jaguar XJ-S – Carro

Os planos de design para o XJ-S começaram em 1965, com o primeiro carro de produção sendo vendido em 1975. O carro foi projetado principalmente por Malcolm Sayer, com entrada e controle de Sir William Lyons. Com a Jaguar lutando financeiramente na época, o XJ-S precisava ser um grande sucesso.

O altamente antecipado XJ-S foi visto por muitos como um substituto direto do muito popular E-Type. No entanto, quando o XJ-S foi apresentado no Salão Automóvel de Frankfurt em 1976, ficou claro que o carro pretendia estar em uma liga própria.

Externamente, o XJ-S é mais perceptível por seus ‘arbotões voadores’, varrendo do topo da linha do teto traseiro até a parte traseira das asas. Embora inicialmente amplamente criticado, esse design deu ao XJ-S um excelente coeficiente de arrasto – melhor que o E-Type e permitindo que o XJ-S alcançasse velocidades confortavelmente acima de 150 mph.

O XJ-S encontra seus críticos

As primeiras impressões não foram boas, já que o design do XJ-S chocou muitos espectadores e jornalistas, que expressaram sua insatisfação com a aparência “incomum” do carro.

Muitos acreditavam que o carro incorporava tudo o que havia de errado com o design de carros dos anos setenta. Acabaram-se as curvas do E-Type, substituídas por uma estrutura mais retangular.

A Motor Magazine resumiu críticas mistas do XJ-S em 1976, ponderando se o carro era “um tanque ou um supercarro”.

A revista passou a responder sua própria pergunta, afirmando: “Um pouco dos dois. É grande, pesado, sedento e apertado nas costas. Também é soberbamente projetado, sensacionalmente rápido, muito refinado e magnífico de dirigir – uma combinação de qualidades que nenhum outro carro que dirigimos pode igualar a esse preço”.

A Jaguar acreditava muito que os dias do carro esportivo de dois lugares haviam acabado e construiu o XJ-S para competir com veículos de luxo, como o Aston Martin DBS, o Jenson Interceptor e o Mercedes SL.

Essas montadoras rivais já haviam provado com sucesso que criar um Grand Tourer era uma maneira de entrar em um mercado global lucrativo – algo que a Jaguar desejava.

Problemas financeiros e o salvador da Jaguar

As vendas iniciais foram lentas, com apenas 1.245 unidades produzidas em 1975. Em 1974, as coisas pioraram, pois as vendas começaram a cair drasticamente e apenas 1.057 carros foram vendidos.

Os chefes da Jaguar realizaram uma cúpula de crise para revisar o futuro do carro e decidiram se retirariam o modelo de sua linha para sempre. Felizmente para o XJ-S, um salvador foi encontrado na forma de John Egan, o gerente recém-nomeado da Jaguar, que deu à empresa e ao carro uma suspensão da execução.

John Egan e Sir William Lyons

Egan liderou um grande esforço para melhorar a qualidade de construção, o desempenho e aumentar a percepção pública do carro. Essas melhorias foram um enorme sucesso e, em três anos, a produção aumentou 400%, enquanto a empresa transformou uma perda de £ 47,3 milhões em um lucro de £ 50 milhões.

O XJ-S enviou uma mensagem forte aos seus concorrentes: a Jaguar levava a sério a expansão da sua gama, a modernização e a produção de automóveis.

A montadora continuou desenvolvendo seu GT e um pacote de manuseio esportivo para o motor de 3,6 litros foi colocado à venda em 1987, seguido por um conversível completo em 1988.

XJ-S ajudou a Jaguar a dar a volta por cima.

Jaguar XJ-S – História

Certos automóveis nascem com a difícil tarefa de suceder a um clássico.

Foi o que ocorreu com o Jaguar XJ-S: 14 anos depois que o E-type surpreendeu o mundo com a elegância de suas linhas, a marca britânica apresentava seu substituto, em setembro de 1975.

Jaguar XJ-S
Suceder ao clássico E-type foi um desafio para o Jaguar XJ-S, mas ele fez seu nome em 21 anos de mercado

Era um cupê de 2+2 lugares, capô longo, traseira baixa com as laterais simulando um fastback, faróis grandes e ovalados. Estava longe de apresentar a pureza de seu antecessor, mas reunia sofisticação e conforto, com revestimento em couro, apliques em madeira e ar-condicionado de série.

Seu padrão de refinamento estava mais próximo dos sedãs XJ, lançados em 1968, que do esportivo E-type. Prova disso é que a transmissão automática, de início opcional, passava mais tarde a ser a única opção.

Jaguar XJ-S

Jaguar XJ-S
Capô longo, grandes faróis, traseira baixa com ar de fastback: um estilo que nunca agradou em cheio, mas vinha aliado a conforto e bom desempenho

De início foi adotado o mesmo motor V12 de 5.343 cm3 de cilindrada que equipava desde 1971 o E-type.

Todo de alumínio, com comando de válvulas nos cabeçotes e injeção de combustível, fornecia respeitáveis 285 cv de potência, levando o pesado cupê de 0 a 96 km/h (60 milhas por hora) em 6,9 s e alcançando 240 km/h.

Um tratamento para redução de consumo era implantado em 1981, na chamada versão HE (High Efficiency, alta eficiência) do V12.

Os novos cabeçotes, que haviam exigido cinco anos de desenvolvimento, o levavam a 248 km/h: era o carro mais veloz do mundo com transmissão automática.

Jaguar XJ-S
Depois do motor V12 de 285 cv foi lançado um seis-em-linha de até 225 cv, com vistas à redução do consumo. No mercado americano o XJ-S (na foto o modelo 1984) tinha faróis duplos e estilo mais agressivo

Jaguar procurava também um motor menor para atender às novas metas de economia de combustível.

Depois de cogitar um V8 ou um “meio-V12”, optou por um novo seis-cilindros em linha, de 3.580 cm3, oferecido em versões de duas e quatro válvulas por cilindro.

Inclinado a 158 graus da vertical, o “seis” desenvolvia 225 cv na versão 24-válvulas e, graças ao bloco de alumínio, era 30% mais leve que o antigo motor XK de 3,4 litros e 162 cv.

Oferecido no XJ-S a partir de setembro de 1983, marcou o retorno da opção de câmbio manual, um Getrag de cinco marchas.

Bastavam 7,6 s para acelerar até 96 km/h e a máxima era de 232 km/h.

Na mesma época surgia o XJ-SC, primeiro Jaguar a céu aberto desde o fim do E-type – era na verdade um targa, com barras estruturais e a opção de vidro traseiro fixo, além de apenas dois lugares por questão de segurança.

A TWR, empresa do piloto Tom Walkinshaw, preparou alguns XJ-S para o Campeonato Europeu de Turismo, que ele faturou em 1984.

Um conversível de verdade, com toda a capota removível por controle elétrico, chegava em maio de 1988. A operação levava apenas 12 s e o vigia traseiro era de vidro.

Em setembro de 1989 o motor de 3,6 litros passava a 4,0 litros, chegando a 235 cv de potência e ganhando 14% em torque.

Os 96 km/h surgiam agora em 7,1 s e a velocidade máxima atingia 224 km/h.

Juntos dele, uma transmissão automática de quatro marchas com controle eletrônico, freios com sistema antitravamento (ABS) e uma renovação do interior.

Em novembro seguinte a Ford assumia a Jaguar e, em maio de 1991, o XJ-S era amplamente reestilizado.

Bolsa inflável para o motorista, um conversível com motor de 4,0 litros e o conjunto Insignia de opcionais e itens decorativos foram as novidades seguintes.

Mais tarde, o V12 passou a 6,0 litros, ganhando transmissão automática de quatro marchas, e os pára-choques foram modernizados.

A produção do XJ-S foi encerrada em 1996, após um total de 71 mil unidades produzidas durante 21 anos.

Mesmo com a progressiva melhoria na qualidade de fabricação, um mal que quase exterminou a Jaguar nos anos 70, o carro estava envelhecido e pedia substituição – o que a marca do felino fez com o belíssimo cupê XK8, enfim digno da tradição do lendário E-type.

Jaguar XJ-S – Resumo


Jaguar XJ-S

Quando foi introduzido em meados dos anos 70 (e quase imediatamente escolhido como o transporte favorito de Simon Templar na série de TV The Saint), os críticos disseram maldosamente que ele havia sido projetado por “uma equipe de três e eles não estavam conversando entre si. ” Ame ou deteste, não há como negar que o XJ-S tem um design duradouro.

Tinha a tarefa nada invejável de substituir o E-type.

Para quem não se lembra, o E-type era o que muitos entusiastas britânicos chamavam carinhosamente de ‘um verdadeiro carro esportivo britânico’; barulhento, bruto e muito, muito rápido. Sendo bastante diferente, o XJ-S foi um sucessor inquieto, as suas perspectivas dificultadas ainda mais pela posição precária da Jaguar como um ‘departamento’ dentro da Leyland Cars.

Os homens de marketing mais acostumados a Marinas e Allegros do que Mercedes e Aston Martins sobrecarregaram o carro com pedaços pesados e feios da carroceria, como pára-choques pretos maciços e uma cabine toda preta claustrofóbica.

Naquela época, você também estava limitado a uma escolha de apenas três cores – vermelho, branco e amarelo, o raciocínio de Leyland era que, ao restringir as cores, haveria apenas três conjuntos de problemas em vez de dezesseis. Os alemães devem ter achado isso divertido.

Que as coisas começaram a melhorar a partir daí agora é coisa da história. John Egan foi enviado para a Jaguar em 1980 pelo presidente da BL, Sir Michael Edwardes, com instruções para “consertá-lo ou fechá-lo”.

O primeiro em sua lista de melhorias foi o XJ-S, que foi relançado na forma ‘HE’ em 1981 com um motor revisado de 5,3 litros usando 20% menos combustível.

O interior também foi revisado, pois a qualidade melhorou imensamente, tons mais claros misturados com grandes quantidades de madeira e couro. Em seguida, houve o lançamento da opção de motor de 3,6 litros em 1984, o cabriolet subsequente e o impressionante conversível que conquistou os Estados Unidos.

Em 1989, um modelo esportivo XJR-S de 6,0 litros foi introduzido, mas poucos foram vendidos. Os novos carros de segunda geração, ligeiramente redesenhados, foram lançados em 1991 com 4,0 litros de seis cilindros e 5,3 litros de potência V12. A princípio, o 4.0 litros era oferecido apenas como cupê, mas um ano depois veio um conversível. Em maio de 1993, um motor V12 de 6,0 litros substituiu o 5.3 anterior. No último ano de produção do XJ-S, as versões ‘Celebration’ dos modelos Coupé e Conversível de 4,0 litros foram oferecidas com acabamento ligeiramente atualizado.

Ficha Técnica:

Motor: 5.3, 12 cilindros em V, 24 válvulas (2 por cilindro), injeção multiponto, gasolina
Cilindrada: 
5.344 cm³
Potência: 
299 cv a 5.500 rpm
Potência Específica: 
56,4 cv/litro
Torque: 
43,9 kgfm a 3.000 rpm
Comprimento: 
4.872 mm
Peso: 
1.707 kg
Largura: 
1.791 mm
Altura: 
1.265 mm
Tração: 
Traseira
Freios: 
Discos ventilados na dianteira e discos sólidos na traseira
Câmbio: 
Automático de 3 marchas
Velocidade Máxima: 
245 km/h
Aceleração: 
7,9 segundos

Fonte: br.geocities.com/www.jagbits.com/www2.uol.com.br/www.kwecars.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

História da Cadillac

História da Cadillac, Carro, Marca, Modelos, Fabricação, Motor, Empresa, Construção, Logo, Veículos, Automóveis, História da Cadillac

Cadillac Self-Starter

Cadillac Self-Starter, Construção, Sistema, Motor, Arranque, Partida, Elétrica, Dispositivo, Inovação, História, Cadillac Self-Starter

Aero Willys

Aero Willys, Carros, Brasil, Versão, Veículos, Velocidade, Modelo, Características, Linha, História, Fotos, Aero Willys

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.