Breaking News
Home / Automóveis / Fissore

Fissore

História

PUBLICIDADE

Fissore
DKW-Vemag Fissore

Em 1961, a diretoria da Vemag pensou ser estratégica a participação no mercado de carros de luxo.

Com intuito de poder ter em sua linha tal veículo, contratou o Estúdio Fissore, dos irmãos Fissore, para o projeto da carroceria.

Um chassis DKW foi enviado à Itália para ter o protótipo montado sobre o mesmo.

Em 1962, chegava então ao Brasil o primeiro protótipo, feito à mão na Itália, com as linhas finais externas do carro. O interior ainda ia ser alterado. Durante a apresentação à diretoria, a mesma apreciou as linhas bonitas e modernas mas ficou muito decepcionada com os detalhes pobres e de pouco luxo do carro. Assim foi ordenado ao Depto. de produção e engenharia a alteração dos detalhes. Surgia assim, um dos pontos altos do Fissore que é o painel em acabamento cromado, frisos cromados internos sobre o revestimento das portas, bancos com novo desenho, botões do painel cromados (vejam só, alumínio cromado já naquela época!) e outros muitos detalhes de acabamento.

Feito isto, o grande problema era por o carro em produção, já que o protótipo feito à mão, utilizava a experiência e trabalho dos bate-lamieri italianos, que eram capazes de a partir de uma chapa plana, por exemplo, fazer um pára-lama de formato complexo em poucas horas.

No Brasil, isto não seria possível e uma maratona para fazer modificações em componentes nacionais e novos ferramentais começou. Para se produzir o Fissore, foram então montadas 2 linhas, uma no prédio novo da Vemag, onde se montavam as carrocerias e outra na parte velha, onde se fazia a montagem da tapeçaria.

A montagem final era feita na linha existente, intercalado com outros produtos. A pressa para a apresentação do carro no Brasil (que ocorreu no Salão do automóvel de 1962), fez com que o ferramental não saísse perfeito e o carro no início de produção, necessitava de muitos retoques de carroceria e/ou reforços em estanho (na parte externa) e massa plástica (na parte interna para evitar vibração e ondulação das chapas). Isto fazia com que o carro fosse muito pesado e de baixo desempenho.

Para melhorar o desempenho, foram sendo introduzidas diversas modificações como diferencial reduzido 5,14:1, vidros de espessura mais fina que o normal, melhoria dos estampos de carroceria e motor “S”, teoricamente de 60CV. No final, para melhorar a performance, se envenenavam os velocímetros!

Vale aqui dizer, que, ao contrário do que se informa por aí, nunca existiu o tal motor “S” de 60 CV. O que se fazia era separar, durante o teste de dinamômetro, os motores que davam mais que os 50 cv informados. Estes motores chegavam às vezes, a 54 ou 56 cv. Nunca aos 60 cv declarados. Devido ao fato da produção ser muito manual, o Fissore tem um tipo de construção onde se pode claramente observar o volume de trabalho em horas despendido para se fazer o carro, o que justificava o altíssimo preço na época. Se nota ainda, a evolução do acabamento dos cantos de porta, partes internas do capuz e outros detalhes quando se põe lado a lado os primeiros carros e os últimos. Quanta diferença!.

Foram produzidos 2.489 carros, de 1964 a 1967 sendo que a numeração de chassis começou de 1000 e não de 001.

Pelo baixo volume de produção, pela raridade de ter sido produzido só no Brasil e pelo número de carros que já desapareceram, o Fissore é um sério candidato a ter valorização internacional nos próximos anos. Pena que no Brasil, nem todos dão o devido valor a esta época apaixonante de muita luta da indústria brasileira.

A ficha técnica do Fissore é idêntica ao dos demais DKW, exceto pelo motor “S”, relação final mais curta e peso maior.

Fonte: www.fortunecity.com

Fissore

Carrozzeria Fissore era um fabricante de carrocerias italiano localizado em Savigliano, perto de Turim.

História

A empresa foi fundada em 1919 pelos irmãos Antonio, Bernardo, Giovanni, e Costanzo Fissore. Originalmente eles construíram horsecarts e só mais tarde expandiu-se para a reparação de automóveis e caminhões.

Em 1936, Bernardo tomou as rédeas e iniciou a construção de corpos especiais para automóveis, veículos funerários, mailcars e pequenos autocarros. Durante a Segunda Guerra Mundial Fissore veículos militares construídos.

Depois da guerra, os veículos particulares, mais uma vez tornou-se o foco. Em 1947, uma propriedade com base Fiat 1100 apareceu, o chamado “Giardinietta”.

Em 1953 Fissore apresentou o Fiat 1100 TV, um coupé desenhado exclusivamente desenhado por Mario Revelli.

Mais carros baseados Fiat apareceu, ajudando a crescer a empresa até o ponto onde cerca de 200 pessoas foram empregadas em meados dos anos sessenta.

Neste momento, Fissore também começou a desenhar corpos para outras empresas e também a construção de pequenas séries ou carros individuais.

DKW, TVR, e De Tomaso estavam entre os primeiros clientes. Eles podem não ter tido a reputação de Pininfarina ou Bertone, mas que têm uma presença mundial e uma boa reputação.

Em 1969 Fissore obteve um contrato de corpo a maioria dos carros de Monteverdi na série High Speed. Isso proporcionou um fluxo constante de trabalho, embora os pedidos esperados de 100 carros por ano não se concretizou até a introdução de 1976 do Safari off roader. Os volumes alcançados durante estes anos forçado Fissore a desistir de seus métodos artesanais em favor de um modo mais industrial de produção.

Monteverdi fornecido ajuda financeira em adquirir as máquinas necessárias, e em troca recebeu uma participação na empresa e acabou levando a propriedade plena no final dos anos setenta.

Quando Monteverdi portas fechadas em 1984, Fissore também desligar e foi liquidada logo em seguida.

Rayton Fissore

Em 1976 Rayton Fissore foi fundada por um dos do Bernardo Fissore filha Fernanda e seu marido, Giulio Malvino.

Eles escolheram para criar a sua própria empresa, em vez de colaborar com o pai.

Rayton Fissore é mais conhecido para a Magnum, um off roader em base Iveco, que foi apresentado em 1985 e vendido como o Laforza nos Estados Unidos.

Produtos Fiat

Nos anos cinquenta e sessenta Fissore construiu uma série de carros com carroçaria especiais sobre base Fiat, alguns em pequenas séries.

Estes incluem os seguintes:

Fiat 1100 TV Fissore Coupé. Um coupé fastback em 1100 Fiat base. Este foi o primeiro sucesso do Fissore de.
Sabrina, uma versão 5:56 passageiros baseado no Fiat Multipla com carroçaria especial. Havia também o “Marinella”, uma versão de estacionamento da praia totalmente aberta.
1500 Coupé, um coupé de duas portas em 1500 Fiat base, apresentado em Turim em 1959.
Mongho 650, um coupé petite baseado no Fiat Nuova 500 projetado por Alessandro Sessano. O motor de Fiat 500 foi sintonizado por Giannini para um melhor desempenho, embora o carro permaneceu um protótipo.
Fissore 127 Scout, um aberto cobriram o “carro divertido” semelhante ao Citroën Méhari com Fiat 127 bases. Foi estreou em 1971 Turin Motor Show. Originalmente chamado de Gypsy, este foi desenvolvido por uma pequena empresa chamada MAINA, mas como eles não tinham capacidade Fissore assumiu a produção e comercialização do veículo. Originalmente, ele foi construído inteiramente em fibra de vidro sobre uma estrutura metálica tubular, mas auto-sustentável pressionado carroceria de metal foi utilizado a partir de 1974. A versão em metal hardtop também estava disponível. Uma versão menor no mesmo molde, mas com base no Fiat 126, chamado o “poker”, também foi demonstrado. Produção na Grécia foi planejado.

Fissore também desenvolveu uma versão conversível do Fiat Ritmo, como fez o carrozeria Rayton Fissore relacionado ao mesmo tempo. No entanto, o projeto de Bertone para o conversível Ritmo Palinuro Cabriolet acabou sendo escolhido para a produção em série em homenagem a mundialmente famosa praia intocada “Palinuro” na costa Cilento sudoeste da Itália.

OSCA

Fissore
OSCA 1600 GT 2 von 1963

Em 1962 Fissore desenvolveu e construiu uma pequena série de corpos para OSCA empresa dos irmãos Maserati. O elegante carroçaria de três caixa foi baseado no OSCA 1600. 22 dos coupés foram construídos, e dois conversíveis.

Fissore e DKW

Fissore
Frente da Vemag Fissore (1965)

No início de 1960 Fissore teve um relacionamento com DKW e Auto Union, levando a três Fissore versões bodied sendo construída no Brasil pela subsidiária local da DKW Vemag.

Foram eles:

O DKW 3 = 6. Este foi construído no Brasil entre 1958 e 1967 como o DKW Vemag Belcar. A station wagon foi chamado de “Vemaguet”. A mecânica permaneceu inalterada. Em 1965, Fissore retrabalhada a aparência frontal e traseira, com faróis duplos, e uma nova Grile. As portas da frente eram frontal articulado, no total, cerca de 51.000 das variantes Belcar foram construídas no Brasil.
A Vemag Fissore foi uma forma limpa projetado dois sedan porta com um front-end que lembra o Fissore anterior bodied OSCA 1600. Ele também olhou superficialmente semelhante ao DKW F102 alemão. Foi simplesmente um Belcar rebodied, e distribuído a um preço cerca de 25% maior. Seu motor de dois tempos tornou difícil de vender na América Latina, e apenas cerca de 2.500 foram construídos entre 1964 e 1967.
Fissore / Vemag também construiu cupês e Spyders com base no Auto Union 1000 SP, com carroçaria mais ereta. Estes também foram licencie construído em Argentina e Espanha.

De Tomaso

Para De Tomaso Fissore projetado meados motor Vallelunga. Um protótipo Spyder também foi desenvolvido, mas não entrar em produção. Cerca de cinqüenta dos coupés foram construídas, embora a produção foi realizada pela Ghia, que em parte pertencia a Alejandro de Tomaso na época.

Monteverdi

Fissore
Monteverdi High Speed 375 / L com um corpo Fissore

A relação com Monteverdi foi de particular importância para a empresa. A relação garantiu a sobrevivência do Fissore nos anos setenta.

Monteverdi originalmente deixe projeto Pietro Frua e construir o coupé alta velocidade. Devido à capacidade limitada de Frua Peter Monteverdi rompeu o relacionamento em 1968, depois de apenas meio ano, em favor do Fissore. Projeto original de Frua foi construído por Fissore até um terno copyright forçado Monteverdi para mudar para um novo projeto, embora não se sabe se este foi desenhado por Peter Monteverdi ou por Fissore. Em qualquer caso, Fissore nunca reivindicou o projeto como seu próprio. Fissore também nunca afirmou ter projetado o futuro coupé, conversível, e derivados de sedan da alta velocidade.

O processo de produção foi complicado: o chassi foi construído em Basel e enviado para Savigliano para receber a carroçaria. O carro foi então voltou para a Suíça para receber o motor e outro componentry mecânica e para o acabamento. Devido a restrições de capacidade uma série de alta velocidade Monteverdis foram realmente construídos pelos carrozzerias Poccardi e Embo.

Fissore também forneceu a carroçaria para o mais bem sucedido Monteverdi Safari. Desconhece-se se o Monteverdi Sierra, uma reformulação do Dodge Aspen, foi construído por Fissore. Desde que o carro só recebeu modificações luz ao invés de carroçaria original, presume-se que o trabalho foi realizado inteiramente na Suíça. Fissore também projetou o natimorto Monteverdi 2.8 Turbo protótipo, um elegante se quadrado equipado três coupé de porta em base Ford Granada.

Outros produtos

Fissore designer de Trevor Fiore desenvolveu uma forma de cunha dois coupé lugares para TVR, exibido pela primeira vez no Salão de Genebra Show, em março de 1965. Antes que entrou em produção, TVR faliu e Fissore vendeu os direitos para um revendedor ex TVR que passou a comercializar o carro como o Trident. Cerca de 130 carros foram vendidos até 1976. Para Alpine o mesmo Trevor Fiore projetou uma proposta wedgy de um sucessor para o A110. O projeto acabou sendo adaptado como o Alpine A310. O Monteverdi Hai, embora ostensivamente projetado pelo próprio Peter Monteverdi, era muito similar na aparência ao A310.

Fissore construiu uma prototpye conversível de quatro portas da Opel Diplomat B, mas manteve-se um único protótipo. Um pequeno coupé desportivo baseado na Autobianchi A112 chamou os Otas foi projetado por Fissore. Ao 1986 Turin Auto Salon, uma propriedade protótipo Alfa Romeo 75 foi mostrado por Rayton Fissore. Este precursor atrativo da tarde 156 Sportwagon nunca foi listado para venda, sendo cancelada após Fiat assumiu o controle da Alfa Romeo.

Baseado em um Alfa 75 Turbo foi dublado a 75 Turbo Wagon. Duas versões imóveis podiam ser encontrados na tarde 1987 Geneva Motor Show; um era esse Turbo Wagon eo outro era uma versão 2,0 litros nomeado o Sportwagon. No total, sete ou oito vagões foram construídos para a Alfa Romeo.

Fissore
Logotipo (1966) – Carrozzeria Fissore

Fonte: multescatola.com

Fissore

Fissore
DKW-Vemag Fissore

Com um sedã, uma perua e um jipe no portfólio, o que mais a Vemag poderia querer naquele início dos anos 1960?

Resposta: um carro mais luxuoso, que sensibilizasse o público mais sofisticado – e que se encaixasse no chassi já existente. O desafio foi passado à Carrozzeria Fissore, estúdio fundado em 1920 em Savigliano, cidade próxima de Turim. A plataforma DKW foi enviada à Itália para que fosse “vestida” em estilo de alta-costura.

Em 1962, o carro já rodava nos arredores de São Paulo e de São Miguel Arcanjo (SP). Nessa localidade foi montada uma base secreta da Vemag. No fim daquele ano, o Fissore foi apresentado no Salão. Mas somente quase dois anos após a mostra ele seria lançado ao público. O DKW de luxo chegou às lojas em 28 de junho de 1964, ao preço de quase 7 milhões de cruzeiros, quase 25% a mais que um sedã Belcar.

Esse longo intervalo se deveu à complexidade no processo de fabricação do novo carro. Com ênfase no design, o projeto requeria horas de trabalho manual e uma boa quantidade de estanho na carroceria, com significativo aumento de peso. Aliás, esse fator comprometeu o desempenho dos Fissore.

Fissore
DKW-Vemag Fissore

Segundo o jornalista Bob Sharp, colunista de QUATRO RODAS que nos anos 60 era funcionário da área técnica da Vemag, “o velocímetro do Fissore era envenenado”. Seu motor dois tempos, adequado para os 940 quilos do Belcar, sofria de insuficiência cardíaca na hora de tracionar os 1035 quilos do Fissore. Por isso, a fábrica deu um jeito de “adiantar” o ponteiro em alguns km/h no mostrador. Bob também confirma o que é voz corrente no meio dos “decavemaníacos”. Os motores “S” – que teriam 10 cavalos a mais que os 50 do Belcar e que equipariam o Fissore – seriam obra do departamento de marketing e não da engenharia.

“O fato é que todos os motores Vemag passavam por dinamômetro antes de serem montados nos carros. Os que se saíam melhor eram destinados ao Fissore”, afirma Bob. Na briga contra a balança, até a espessura dos vidros foi diminuída.

Fissore
DKW-Vemag Fissore

Na edição de agosto de 1964 foi publicado o primeiro teste com o carro. Expedito Marazzi qualificou-o como “carro nervoso, com motor extraordinariamente elástico”. O senão ficava por conta da falta de torque nas rotações mais baixas. A estabilidade foi classificada como nada menos que “excepcional”, com vivas para a suspensão macia e segura. A velocidade máxima bateu em 124 km/h e a aceleração de 0 a 100 km/h foi de 23 segundos, marcas bem razoáveis para o motor de 1000 cm3. Em compensação, o Fissore freou como gente grande. De 80 km/h a 0 foram necessários apenas 27,1 metros. Nada mau para os freios a tambor nas quatro rodas. Como comparação, 30 anos depois, um Golf 1.6 gastou os mesmos 27,1 metros (comparativo entre Golf e Brava, publicado em agosto de 2001). O Brava precisou de meio metro a mais…

Bem que o jornalista Flavio Gomes, proprietário do carro, havia me adiantado. “O que esse Fissore freia é brincadeira.” Outra característica do carro é a leveza da direção. Embora motor e tração sejam dianteiros, as manobras são fáceis, mesmo sem assistência. A alavanca do câmbio na coluna exige alguma atenção na hora das trocas, devido à posição das marchas, com a primeira embaixo. O modelo que você vê é do ano 1967. Foi um dos últimos a sair da linha de montagem, dentre as 2489 unidades produzidas. E apresenta algumas diferenças em relação aos primeiros Fissore que deixaram a Vemag.

Fissore
DKW-Vemag Fissore

Fissore
DKW-Vemag Fissore motor

A partir de 1966 o modelo sofreu alterações. Entre elas, o aumento da área do painel traseiro sob a cobertura do porta-malas, que recebeu novas lanternas, para que o carro ganhasse mais rigidez, um dos pecados do projeto.

Em compensação, ele era iluminado: a visibilidade era praticamente total, com enorme área envidraçada.

Após o lançamento, um Fissore viveu uma aventura. Um exemplar foi enviado por QUATRO RODAS para realizar roteiros de turismo na Europa. O desembarque em Lisboa deu início a uma viagem através de dez países, ao longo de 45 dias. Numa situação insólita para os dias de hoje, o novo carro da Vemag desfilou 10000 quilômetros com placas brasileiras – que na época eram amarelas e apenas numéricas. Despertou curiosidade por onde passava, saudando a todos com seu ruído característico e deixando como lembrança o rastro de fumaça típico dos motores dois tempos.

Ficha técnica:

DKW Fissore

Motor: Dianteiro, 3 cilindros, dois tempos
Cilindrada: 981 cm3
Potência: 60 cv a 4500 rpm
Torque: 9 mkgf a 2500 rpm
Câmbio: Manual de 4 marchas, tração dianteira
Preço na época: 6 950 000 cruzeiros
Preço atualizado: 115 600 reais
Unidades produzidas: 2489

Fonte: quatrorodas.abril.com.br

Veja também

História da Tucker

História da Tucker, 48, Carro, Preston, Empresa, Torpedo, Automóveis, Sedan, Motor, Características, Fotos, História da Tucker

Tucker Torpedo

Tucker Torpedo, Carro, História, Preston, Motor, Automóvel, Sedan, Velocidade, Características, Fotos, Tucker Torpedo

Willys Interlagos

Willys Interlagos, Carros, Modelos, História, Brasil, Versão, Velocidade, Motor, Autódromo, Berlineta, Conversível, Willys Interlagos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.