Breaking News
Home / Automóveis / BMW Z4

BMW Z4

PUBLICIDADE

O BMW Z4 está te esperando. Um conversível de dois lugares que une a sensualidade com o luxo. Um roadster que foi criado para ser dirigido com o puro prazer.

O BMW Z4 integra um estilo completamente unificado.

O interior, o desenho da carroceria, cada linha acentua a pura identidade de um roadster. Deixe-se levar pelo vento, capture a chuva.

Experimente o poder do motor seis cilindros do BMW Z4, com o seu som encantador, o desempenho suave e a surpreendente confiabilidade.

BMW Z4
O BMW Z4 A soma de todos os sentidos

BMW Z4
A liberdade do Puro Prazer de Dirigir O desenho do BMW Z4

A mistura de superfícies côncavas proporciona ao BMW Z4 o seu caráter inconfundível. As curvas suaves e os ângulos pronunciados o acentuam.

O efeito é surpreendente: O BMW Z4 transforma-se em um jogo de cores, de luz e sombra. De qualquer ângulo , o roadster revela um elemento diferente do seu caráter.

Detalhes finamente esculpidos – as luzes traseiras, os indicadores laterais, os faróis – enfatizam a integridade de um veículo desenhado para desfrutar o prazer de dirigir.

O BMW Z4

 

 

BMW Z4

BMW Z4

BMW Z4

BMW Z4

BMW Z4
BMW Z4

Uma espécie de dois em um. Eis a melhor forma de definir o novo BMW Z4, que substitui os anteriores Z4 Roadster e Z4 Coupé, graças ao tejadilho retráctil em alumínio de comando eléctrico (porventura a sua mais relevante inovação, atendendo à tradição da marca), o qual lhe confere uma postura mais luxuosa e uma expressão mais valiosa.

O novo Z4 sucede aos 315/1 (1934-36), 319/1 (1934-36), 328 (1936-1940), 507 (1956-59), Z1 (1988-91), Z3 (1995-2002), Z8 (2000-2003) e Z4 (2002-2008). Ao contrário do anterior, não é produzido em Spar­tanburg, mas em Regensburg, juntamente com Série 1 e Série 3, ficando a fábrica de Spartanburg encarregue apenas da produção dos SUV.

Segundo os responsáveis da BMW, não estão previstas, pelo menos por enquanto, versões de quatro cilindros, de tração integral ou Diesel. Ao contrário de uma desportiva versão M.

É caso para dizer: esperar para ver…

Dedo feminino

As mulheres têm um papel cada vez mais ativo na indústria automóvel. E ainda bem. A segunda geração do Z4 é um dos melhores exemplos desta realidade.

Quer por foramereceu toda a dedicação de Nadya Arnaoutfeminino. Enquanto o design exterior teve a ., quer por dentro, neste roadster foi aplicado um dedo contribuição de Juliane Blasi, o estilo interior

Mas vamos por partes. Começando, como habitualmente, pelo exterior. Com um coeficiente de penetração aerodinâmica de 0,34 (0,35 na versão mais potente), o novo Z4 é cerca de 15 cm mais comprido do que o anterior e entre 90 a 100 kg mais pesado.

O estilo, esse, é bem mais apelativo: já não tem capota de lona (para muitos, um verdadeiro roadster deve manter esta característica), mas exibe um porte mais atlético e um visual mais atual.

Os grupos ópticos dianteiros bi-Xénon, os vincos da seção lateral (iniciam-se na frente), a grelha mais vertical, o capot de nova concepção, os pilares A pintados de escuro e os farolins dotados de tecnologia LED são os pormenores estilísticos que merecem destaque. A estes junta–se o novo tejadilho retráctil em alumínio, de comando eléctrico, na cor da carroçaria. Composto por duas partes, inclui óculo traseiro em vidro e demora 20 segundos para ser aberto ou fechado. O mecanismo (eletrohidráulico) só funciona se o veículo estiver parado.

Dotado de uns comandos inspirados nos do Z8, o habitáculo assinala, também, uma evolução face ao do anterior Z4. Os espaços de arrumação surgem em maior número. O design é mais agradável (a combinação de superfícies côncavas com convexas resulta bem). A tecnologia está presente um pouco por toda a parte. Prova disso é o sistema iDrive e o travão de estacionamento eléctrico. Quanto à mala, oferece 180 litros caso o tejadilho esteja para baixo, subindo para 310 litros caso ele esteja para cima.

O equipamento de série, embora melhorado, varia em função da motorização, sendo mais completo à medida que se vai subindo na gama. O posto de condução continua óptimo. A qualidade situa-se num patamar elevado. A aplicação do tejadilho retráctil em alumínio permitiu, também, ganhar espaço (ao nível da cabeça, dos ombros e dos cotovelos), facilitar o acesso ao habitáculo (até porque as portas dispõem de um ângulo de abertura 26 mm mais amplo) e melhorar a visibilidade (14% na área circundante do veículo e 52% na traseira, sendo os vidros laterais 40% maiores).

No que à segurança diz respeito, o novo Z4 dispõe de quatro airbags (frontais e laterais dianteiros, estando estes últimos integrados nos bancos e destinando-se a proteger a cabeça e o tórax), cintos dianteiros com pré-tensores e limitadores de esforço, arcos atrás dos encostos de cabeça cujo intuito é minimizar os riscos de ferimento em caso de capotamento, ABS, CBC, DSC (desligável em duas fases), DTC e ADB.

Carácter masculino

Os pneus largos, o châssis equilibrado, o baixo centro de gravidade, a correta distribuição de peso em ambos os eixos, as vias largas, os travões potentes e a direção precisa conferem ao novo Z4 um carácter masculino. Equipado com a opcional caixa automática de sete velocidades com dupla embraiagem e patilhas no volante (DKG), motor 3.0 biturbo de 306 cv, opcionais jantes de 19” (com pneus de medida 225/35 na frente; 255/30 na traseira) e suspensão adaptativa M com controlo eletrônico do amortecimento (o veículo fica 10 mm mais baixo e o condutor tem a possibilidade de, através do comando do Dynamic Drive Control, situado no prolongamento da consola central, escolher os modos Normal, Sport ou Sport+), é fácil prever o resultado… Esta foi, aliás, a única versão que esteve disponível para conduzir na apresentação internacional.

Mais eficaz e, sobretudo, mais fácil de controlar, o novo BMW Z4 aposta, agora, num tejadilho retráctil em alumínio

Com uma frente muito mais comprida do que a traseira, o que faz com que o condutor pareça eastar sentado quase em cima das rodas posteriores, o novo Z4 não só é mais eficaz como transmite, acima de tudo, mais confiança do que o seu antecessor. A direção, de assistência eléctrica (em opção, pode ser complementada pela Servotronic), comanda com extrema precisão o eixo dianteiro, a tração é sempre óptima em todas as condições (o controlo de estabilidade dispõe, também, da conhecida função ADB, que funciona como uma espécie de diferencial autoblocante, travando a roda interior da curva se necessário for) e a rapidez das passagens de caixa permite explorar de forma única os 306 cv do motor 3.0, que encanta, ainda, pela sonoridade.

As performances são uma delícia. A apetência para o eixo traseiro rodar sobre si próprio é pouca (mesmo quando muito provocado), fazendo com que as curvas sejam desenhadas com muita souplesse. Exagerando na entrada, o temperamento é subvirador.

Quando é necessário travar, contamos com a eficácia dos travões de discos ventilados nas quatro rodas (348 mm de diâmetro na frente; 324 mm na traseira), que ajudam a colocar este roadster nos eixos. Quem não der assim tanta importância às performances, pode sempre optar pelos mais acessíveis sDrive23i de 204 cv ou sDrive30i de 258 cv, disponíveis ambos com caixa manual ou automática Steptronic (qualquer delas de seis velocidades).

Refira-se que o conceito EfficientDynamics faz, também, parte do elenco técnico do novo Z4. Tal como o Start-Off Assistant, que impede que o veículo descaia, por instantes, nas subidas, sendo muito útil nas manobras de estacionamento.

Fonte: www.automotor.xl.pt

BMW Z4

BMW lançou o roadster Z4 em 22 de outubro 2002, para substituir o antigo Z3.

O Z4 foi desenhado por Chris Bangle & produzido em BMW Spartanburg, South Carolina.

Quando introduzido em 2003, o BMW Z4 roadster desportivo entrou no mercado.

O Z4 substituiu o popular BMW Z3 como uma interpretação mais refinada de dois passageiros equitação carro esportivo.

O veículo ano 2003 modelo foi oferecido com uma de 184 cavalos de potência do motor de 2.5 litros, bem como uma mais potente motor de 3.0 litros que gera 225 cavalos de potência.

Três opções de transmissão pode ser equipado no BMW Z4 2003 com um manual de cinco velocidades, automática de cinco velocidades e uma SMG de cinco velocidades (Sequential Gearbox Manual) estava disponível.

Sob medida para o desempenho, o interior de dois lugares também invocou uma sensação de luxo com espelhos de energia e um sistema de som de 10 alto-falante padrão.

Em 2006, um modelo cupê telhado permanente se juntou ao roadster BMW Z4. Também em 2006 para o, uma versão de alta performance M do Z4 foi introduzido.

Energizado por um 3.2-litro inline-seis máquina também utilizada para alimentar o BMW M3 , a 330 cavalos de potência Z4 M contou com algumas melhorias estilo sutil.

Aceleração de 0 a 60 milhas por hora foi realizada em menos de 4,8 segundo atrás do volante do BMW Z4 M.

O BMW Z4

O exterior do BMW Z4 Roadster

Um Roadster que só a BMW sabe fabricar: proporções clássicas, capo alongado, pára-choques compactos e uma posição de dirigir baixa, próxima do eixo traseiro, permite um contato perfeito com a estrada. Moderna linguagem estética, linhas marcantes, contornos suaves, desde a grade horizontal em duplo rim, até os poderosos vincos das rodas traseiras. As linhas curvas e retas que se conjugam, fazem do BMW Z4 um Roadster genuíno.

O interior do BMW Z4 Roadster

O interior do BMW Z4 Roadster foi concebido exatamente de acordo com as exigências do condutor, como um terno feito por medida, destacando-se o console central assimétrico e o painel de instrumentos, cujos elementos de comando de design arredondado fazem lembrar o cockpit do lendário BMW Z8. As superfícies lisas denunciam a qualidade nobre dos materiais ao toque. A sensação de absoluta liberdade transmitida pelo BMW Z4 mantém-se, mesmo com a capota fechada, bem como a perfeita união entre o veículo e o condutor.

A capota rígida retráctil do BMW Z4 Roadster

O primeiro Roadster BMW com capota rígida retrátil: a sofisticada mecânica viabiliza a construção de um conversível com uma traseira esguia e elegante, típica de um Roadster. Os dois componentes do teto em alumínio são alojados automaticamente na mala em escassos vinte segundos. Com a capota fechada o teto assume a forma de um Coupé. Os generosos vidros laterais e o óculo traseiro garantem uma visibilidade perfeita em redor do veículo. Aberto ou fechado, não é uma questão de estilo. É uma imposição do momento.

Os motores de seis cilindros a gasolina dos BMW Z4 sDrive23i, sDrive30i e sDrive35i

Porque motivo é que os Roadster têm um capo alongado? Para alojarem o motor de seis cilindros em linha. Só o motor de seis cilindros em linha oferece a combinação ideal entre peso e potência, aliada ao perfeito equilíbrio das massas e um funcionamento silencioso e suave. Os BMW Z4 sDrive23i (150 kW / 204 cv) e o sDrive30i (190 kW / 258 cv) combinam a elevada potência com um bloco ultra-leve construído em magnésio.

O BMW Z4 sDrive35i usa um motor twin turbo de 225 kW (306 cv) dotado de injeção de alta precisão, extremamente silencioso e suave.

A caixa automática desportiva de 7 velocidades com dupla embreagem do BMW Z4 Roadster

A caixa automática esportiva de 7 velocidades* garante uma excelente transmissão sem interrupção da força motriz. A caixa de velocidades com embreagem dupla transfere permanentemente a força do motor às rodas traseiras. Quando o condutor acelera em terceira velocidade, a relação seguinte é automaticamente pré-engrenada nos sincronizadores, possibilitando assim passagens de caixa muito rápidas e sem interrupção perceptível da força de tração. A engrenagem é feita através de patilhas localizadas no volante ou através do respectivo seletor. O modo automático oferece uma dinâmica bastante confortável. O condutor pode seleccionar os modos Normal, Sport ou Sport+, através do controlo dinâmico de condução.

*Disponível apenas no BMW Z4 sDrive35i.

A caixa de 6 velocidades do BMW Z4 Roadster

Basta mover o seletor 45 milímetros, para engrenar a próxima mudança com a maior precisão. É um prazer conduzir um BMW com caixa manual de 6 velocidades associada a um motor dotado de um elevado torque. A evoluída transmissão automática esportiva de 6 velocidades permite reduzir o consumo e engatar as mudanças muito mais rapidamente. Ambas as transmissões oferecem uma condução dinâmica em todos os regimes e a máxima eficência em curtas e longas distâncias.

O eixo dianteiro em alumínio do BMW Z4 Roadster

O eixo dianteiro com duplo triângulo e tirantes em alumínio é 30% mais leve do que a tradicional construção em aço. Permite reduzir a carga sobre o eixo dianteiro, contribuindo assim para um comportamento de condução mais preciso e ágil, que se faz sentir em todas as situações.

Controlo dinâmico de condução do BMW Z4 Roadster

Uma estrada sinuosa a subir, que se prolonga até ao topo da montanha. Basta apertar um botão para ligar o modo Sport+ do controle dinâmico de condução, que permite mudar o carácter do BMW Z4 Roadster. A capacidade de resposta do motor é mais direta, o volante e o chassis M adaptável mais rígido, enquanto a caixa automática esportiva faculta uma engrenagem mais rápida. As curvas tornam-se mais largas, circulamos à velocidade de cruzeiro e optamos pelo modo Normal. Em todas as três configurações o BMW Z4 Roadster apresenta a solução adequada, permitindo aumentar o prazer de condução.

O chassis M adaptável para o BMW Z4 Roadster

Abordar velozmente a curva e entrar logo na linha ideal: dotado do opcional chassis M adaptável, o BMW Z4 Roadster ascende a um patamar completamente novo, no que toca a dinâmica de condução, sem penalizar o conforto. A carroçaria foi rebaixada em dez milímetros, permitindo reduzir o centro de gravidade, podendo o condutor entrar nas curvas com maior velocidade. Os sensores medem todas as acelerações relevantes, permitindo alterar a taragem dos amortecedores, em centésimos de segundo. O ajuste entre os modos Normal, Sport e Sport+ é seleccionável através do controlo dinâmico de condução.

Controlo dinâmico de estabilidade (DSC) no BMW Z4 Roadster

A condução esportiva exige a máxima concentração e é preciso reagir em milisegundos. O DSC analisa e compara permanentemente a situação de condução, travando as rodas individualmente e estabilizando o veículo, quando há o perigo dele resvalar. Fica assim garantida a precisão direccional em todos os pavimentos, independentemente do estado do tempo. O DSC dispõe de funções alargadas, para além dos sistemas ABS e controlo dinâmico de travagam (DBC).

Distribuição do peso de 50:50 no BMW Z4 Roadster

Uma coerente redução do peso nos pontos cruciais e a tração traseira possibilitam uma equilibrada distribuição da carga entre os dois eixos. A posição de condução baixa e mais deslocada para trás permite sentir o benéfico resultado desta medida, sobretudo nos percursos sinuosos e na irresistível agilidade de condução a que a BMW nos habituou. O equilíbrio perfeito do BMW Z4 Roadster.

A carroçaria de alta rigidez do BMW Z4 Roadster

Os engenheiros da BMW priorizam sempre o uso de reforços triangulares na carroçaria, para obterem uma eficiente distribuição de forças, com um mínimo de material. O BMW Z4 Roadster possui uma carroçaria altamente resistente reforçada com tirantes que garantem a máxima regidez torcional, mesmo com a capota aberta. Uma condição essencial para garantir a elevada precisão de condução e um nível de segurança passiva comparável ao de uma Berlina BMW.

Fonte: www.bmwz4roadster.net/www.bmw.pt

BMW Z4

BMW Z4
BMW Z4

O novo BMW Z4 foi apresentado ao mercado norte-americano durante o Salão de Detroit, em janeiro deste ano, e à Europa no Salão de Genebra, em março.

O roadster (esportivo conversível de dois lugares) passou por uma reforma profunda de estilo, inspirada em outros modelos da marca alemã, como o crossover X6 e o sedã da Série 7, ficando com linhas mais modernas e agressivas.

O novo design tem recebido muitos elogios, principalmente nos Estados Unidos. A frente, que é mais comprida do que a traseira, tem a larga grade em forma de rim (característica da marca) e faróis mais espichados, parecidos com os da Série 5.

De perfil, pode-se perceber as linhas fluídas do Z4, que dão movimento ao carro, como se o vento estivesse passando pela carroceria. O novo roadster tem capota rígida, em alumínio, que é acionada por um sofisticado mecanismo, que fecha ou abre o teto em apenas 20 segundos, recolhendo-o para dentro do porta-malas.

A traseira continua bem curta e mudou pouco: as lanternas ganharam novo desenho, o para-choque foi renovado, assim como a tampa traseira, que continua arrdondada.

Interior

O habitáculo foi redesenhado e o painel tem comandos, centrais e arredondados e voltados para o motorista, facilitando o trabalho. Para aumentar o prazer de dirigir, ele pode trocar as marchas por meio de “borboletas” (pequenas alavancas), posicionadas atrás do volante. Outro destaque interior é o sistema iDrive, que possibilita controlar as principais funções do conputador de bordo.

O console central tem duas opções de acabamento: alumínio escovado ou madeira de lei.

O novo roadster terá, inicialmente, três opções de motor de seis cilindros em linha: sDrive23ib, de 204 cv; sDrive30i, de 258 cv, com comando de válvulas variável (Valvetronic), biturbo e sistema de injeção de alta precisão; e sDrive35i, de 306 cv. Para a opção topo de linha, está disponível, em alternativa ao câmbio manual de seis marchas, uma transmissão automática esportiva de sete velocidades e dupla embreagem. O BMW Z4 tem, de série, o sistema Driving Dynamic Control, que possibilita ao motorista regular motor, suspensão e freios em três níveis diferentes, de acordo com a preferência pessoal. Como opcional, há um sistema de regulagem eletrônica dos amortecedores. O novo esportivo deve chegar ao Brasil em junho.

Fonte: forum.vrum.com.br

BMW Z4

BMW Z4
Renovado, o roadster deixa a polêmica de lado, mas preserva o visual agressivo

Mais esportivo, agressivo e moderno. Esta é a nova geração do BMW Z4, que será apresentada oficialmente durante o Salão de Detroit, em janeiro de 2009.

Com linhas angulosas e cheias de vincos – mas em menor profusão do que o seu antecessor -, o carro segue as tendências de estilo adotadas nos últimos lançamentos da marca da Baviera, como o crossover X6 e o novo Série 7.

A dianteira exibe a larga grade em forma de rim e os faróis ganharam contornos que lembram o Série 5. Na lateral, mais vincos marcam a linha de cintura do Z4, enquanto que a traseira remete ao cupê Série 6. Faróis e lanternas possuem LEDs, que proporcionam melhor iluminação e um visual mais moderno.

Fotos

BMW Z4

BMW Z4

BMW Z4
BMW Z4

Internamente, como em um legítimo roadster, o carro possui espaço apenas para dois ocupantes.

A posição de dirigir é esportiva e as borboletas de troca de marcha situadas atrás do volante incitam uma tocada mais nervosa. O sistema iDrive, que controla as principais funções do computador de bordo, é o destaque no console central, cujo acabamento pode ser em alumínio escovado ou madeira de lei.

Mas, com a capota recolhida, a maior novidade do Z4 fica longe dos olhos mais curiosos. Ao contrário da geração anterior, a peça é rígida e feita de alumínio.

De acordo com a marca, o processo de abertura ou fechamento leva vinte segundos para ser completado.

A tecnologia também se faz presente na parte eletrônica do modelo. Recursos como o controle de estabilidade, o Dynamic Drive Control (que permite ao motorista escolher entre três configurações de motor, suspensão e freios) e o Brake Energy Regeneration, que acumula a energia gasta em cada frenagem e a reutiliza posteriormente.

A BMW oferecerá o conversível com seis opções de motorização. Entre os propulsores, destaque para o sDrive 3.0i (que desenvolve 255 cv) e o sDrive 3.5i, que adota dois turbocompressores e gera 300 cv. Nesta última versão, o câmbio é manual de seis velocidades, podendo ser equipado opcionalmente com uma transmissão de dupla embreagem e sete velocidades, que faz com que o Z4 acelere de 0 a 100 km/h em apenas cinco segundos.

O novo Z4 será fabricado na planta de Regensburg, na Alemanha, onde atualmente são produzidos os modelos Série 1 e Série 3.

Impressões ao dirigir

BMW Z4
BMW Z4 Coupé

Inerte na garagem da BMW, em Freimann, na periferia norte de Munique, o Z4 Coupé parece uma obra de arte. Com a inconfundível grade frontal da montadora bávara, longo capô, traseira truncada e formas esculpidas pelo genial Chris Bangle, o desenhista-chefe da marca alemã, o modelo já exalava esportividade antes mesmo que eu desse a partida em seu motor V6.

Depois de admirar o Z4 Coupé por alguns segundos, abri a porta e entrei. Regulei os bancos, eletricamente, e me preparei para acordar a fera.Assim que girei a chave, aticei o motor, que deu um urro surdo e rouco.O responsável pela melodia estava centímetros adiante, sob o capô. Compacto, com apenas 161 quilos e feito de alumínio e magnésio, este V6 3.0 de 265 cavalos teve de refrear seu caráter no início de nosso test-drive pelas ruas de Munique.

É claro que, com tanta potência, o Z4 não é um campeão de economia: alcança na cidade 7,9 km/l, segundo dados do fabricante.

Ainda dentro da cidade, continuo a descoberta do interior. Logo percebo que apesar do volante de couro preto de três raios e da baixa posição de dirigir, parecendo mais um carro de competição, o Z4 não tem a mesma vocação esportiva quando o assunto é acabamento.Nesse capítulo ele prefere a elegância, mais ao estilo de um sedã luxuoso, com portas forradas de couro bege, madeira nobre no painel e quadro de instrumentos com fundo preto, entre outros detalhes. Por dentro, está bem mais para confortável que para arrojado.Um lado bom dessa característica é que Bangle, um projetista obcecado pela funcionalidade, adora projetar modelos em que os comandos ficam ao alcance das mãos de quem os pilota. Com auxílio dos botões no volante, fica fácil sintonizar o rádio, acessar o sistema de navegação ou regular o ar-condicionado, entre outras funções. Assim, dá para saborear melhor os prazeres proporcionados pelo cupê no asfalto.

Tudo bem que o carro é ágil o suficiente para ziguezaguear pelo apertado trânsito urbano, mas é a partir do instante em que alcança o espaço livre das rodovias que ele se exprime em toda a plenitude, sem impaciência. Bastou uma pressão mais forte no acelerador para que rapidamente encontrasse seu devido lugar na faixa esquerda da AutobahnA8. É a pista reservada para que os carros rápidos, como ele, possam disparar a mais de 200 km/h. Em sexta marcha, a 120 km/h, o ponteiro do conta-giros esbarra na faixa dos 3 000 rpm. É pouco antes dessa marca que o Z4 chega ao torque máximo de 32,1 mkgf, que lhe garante um lugar no clube dos esportivos. Em 5,2 segundos, retoma de 80 para 120 km/h, segundo números da BMW.

Em sintonia com o engate curto e preciso do câmbio manual de seis marchas, o motor presenteia o motorista com uma sensação intensa ao guiar.

Leve (1 320 quilos), oferece relações peso/potência e peso/torque próximas das de um carro de competição: 4,9 kg/cv e 41,1kg/mkgf, respectivamente. O que esses números aparentemente abstratos significam? Um carro capaz de ir de 0 a 100 km/h em 5,9 segundos.

BMW Z4
BMW Z4 Conversível

À procura de sensações mais extremas, aperto o botão “Sport”, próximo do câmbio. Imediatamente o comportamento do motor se modifica, tornando seu rugido mais sonoro, mais grave.A direção endurece e torna- se mais firme. A potência também chega mais cedo, pois o mapeamento da injeção é alterado para responder diferentemente aos movimentos do acelerador. Modifica-se também o comportamento da suspensão, que se torna mais rígida. Como tudo conspira para acelerar, agradeço aos céus por haver rodovias alemãs sem limites de velocidade, para que eu leve o Z4 ao seu ápice.

Pouco antes da entrada de Andechs, eixo a rodovia principal e procuro estradas mais sinuosas para avaliar outra qualidade do Z4, sua estabilidade. E ele não faz feio. Bem apoiado na suspensão eficaz, vigiado pelos controles eletrônicos de tração e de auxílio à frenagem e com a contribuição da direção precisa, descubro que o Z4 é uma máquina que oferece segurança mesmo com o piso molhado pela chuva que começa a cair pesado no meio do test-drive.Apesar do aguaceiro, ele se manteve impassível na pista. Reduzo a marcha, giro o volante e o Z4 contorna as curvas sem titubear, preso a um trilho imaginário que vai cortando o asfalto encharcado.

Também fico impressionado com os freios eficientes – discos com 32,5 centímetros de diâmetro na frente e 29,4 centímetros atrás, reforçados por sistemas eletrônicos como DSC (controle dinâmico de estabilidade), DBC (Controle Dinâmico de Freios) e CBC (Sistema deFrenagem em Curva).Ponto também para o trabalho da direção com assistência elétrica.

A curiosidade: o Z4 é o primeiro BMW a ser equipado com uma direção com assistência elétrica e não mais hidráulica.

Com seus 2,49 metros de entreeixos, o Z4 é bastante espaçoso para carregar dois passageiros, porém nada mais que isso.

Tem uma diferença em relação à maioria dos carros esportivos: o espaço razoável para carregar bagagens, com os 340 litros de seu porta-malas. Como em nove entre dez cupês, a visibilidade deste BMW é restrita. Uma compensação são os sensores de estacionamento que auxiliam nas manobras. Fácil de guiar, dócil de ser manobrado, veloz e possante, o Z4 é mesmo um carro à altura de quem gosta de emoções. Pena que não existam estradas sem limite de velocidade como as Autobahnen também no Brasil.

Estepe

BMW Z4
BMW Z1

O roadster Z4 veio para tomar o lugar do Z3, que por sua vez substituiu o Z1 (foto), lançado em 1987 – e famoso pelas portas que abriam-se ao descerem, entrando na carroceria. A linha Z se completa com o Z8 (2000 a 2003). Todos eles são conversíveis esportivos de duas portas. O nome vem de Zukunft (futuro, em alemão).

BMW Z4
BMW Z4

Ficha técnica:

Motor: dianteiro, longitudinal, 6 cilindros 24 válvulas, injeção direta, a gasolina
Cilindrada: 2 996 cm3
Diâmetro x curso: 85 x 88 mm
Taxa de compressão: 10,7:1
Potência: 265 cv a 6 600 rpm
Potência específica: 100,8 cv/l
Torque: 32,1 mkgf a 2 750 rpm
Câmbio: manual, 6 marchas, tração traseira
Carroceria: cupê, 2 portas, 2 lugares
Dimensões: comprimento, 409 cm; largura, 178 cm; altura, 126 cm; entreeixos, 249 cm peso: 1 395 kg
Peso/potência: 5,26 kg/cv
Peso/torque: 43,4 kg/mkgf
Volumes: porta-malas, 300 litros; combustível, 55 litros
Suspensão
Dianteira: eixo de articulação única com coluna telescópica e triângulos inferiores.
Traseira: suspensão independente, com braços oscilantes, molas e amortecedores separados
Freios: discos ventilados na dianteira e na traseira
Direção: pinhão e cremalheira com assistência elétrica
Pneus: 225/45 ZR 17
Principais equipamentos de série: ar-condicionado, airbags frontais, laterais e de cortina, bancos elétricos, rádio/CD player/MP3, ABS, controle de tração e amplificadores

BMW Z4
BMW Z4

Veredicto

O Z4 é um cupê que é tão empolgante acelerando na estrada quanto irresistível parado na garagem

Fonte: quatrorodas.abril.com.br

Veja também

História da Tucker

História da Tucker, 48, Carro, Preston, Empresa, Torpedo, Automóveis, Sedan, Motor, Características, Fotos, História da Tucker

Tucker Torpedo

Tucker Torpedo, Carro, História, Preston, Motor, Automóvel, Sedan, Velocidade, Características, Fotos, Tucker Torpedo

Willys Interlagos

Willys Interlagos, Carros, Modelos, História, Brasil, Versão, Velocidade, Motor, Autódromo, Berlineta, Conversível, Willys Interlagos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.