Breaking News
Home / Automóveis / Chevrolet Chevette

Chevrolet Chevette

PUBLICIDADE

Chevrolet Chevette foi, após a sua introdução em 1976 , o menor Chevy já oferecido.

Chevrolet Chevette substituiu o Chevrolet Vega como o nível de entrada Chevy.

Foi baseado em um modelo Opel de marca europeia da General Motors.

Ele foi introduzido pela primeira vez na primavera de 1973, no Brasil, como o Chevrolet Chevette (2 portas Sedan), seguido em outubro de 1978 pelo Sedan 4 portas, e em 1980 por um Hatchback 3 portas.

Chevrolet Chevette
Chevette 1976

Chevrolet Chevette
Chevette 1982

O Chevrolet Chevette

Foi com uma provocação que a General Motors apresentou, em maio de 1973, seu primeiro carro pequeno feito no Brasil. “A GM não faria mais um carrinho” era o mote da campanha de lançamento do Chevette.

Ele era a quarta geração do Opel Kadett, que começou a ser fabricado na Alemanha em meados da década de 30.

A montadora apostava nas linhas atualizadas, que embalavam um motor moderno, com comando de válvulas no cabeçote, e uma suspensão firme, que garantia boa estabilidade. Mas como era despojado o bichinho.

Nem chave no tanque de gasolina ele tinha.

E isso em plena crise do petróleo, um tempo em que não eram raros os roubos de combustível.

Em compensação, é possível imaginar a boa surpresa de quem assumia pela primeira vez o volante do Chevette. A posição de dirigir encantava quem estava acostumado ao padrão dos carros nacionais da época.

Ainda hoje, o carrinho – ops! – passa a sensação de um pequeno esportivo, com os comandos bem à mão e a direção levemente inclinada para a esquerda, com a alavanca de câmbio bem próxima.

Para os passageiros que viajam atrás, entrar é fácil, já que o assento levanta, facilitando o acesso.

Mas que ninguém os inveje: além de dividirem o exíguo espaço com o túnel sobre o eixo cardã, são embalados pelo som do combustível que chacoalha no tanque, instalado atrás do encosto.

No teste feito por QUATRO RODAS (maio de 1973), sua aceleração impressionou bem, graças à primeira marcha e ao diferencial, curtos, que faziam o carro “pular” na frente de outros carros com motores maiores.

Fez de 0 a 100 em 19 segundos.

Também as manobras foram elogiadas: a direção, rápida, com 3,5 voltas de batente a batente, permitia virar o carro em menos de 11 metros. As restrições ficaram para a velocidade máxima de 140 km/h na melhor passagem e para o painel de instrumentos, considerado confuso pelo jornalista Expedito Marazzi.

Ainda hoje, o Chevette transmite um certo “espírito esportivo”. Mas isso não significa nenhum compromisso do pequeno motor de 1400 cc e 69 cavalos de responder aos chamados do pé direito.

As curvas são feitas com precisão e a tração traseira deixa saudades. Ah, se ele tivesse um motor mais forte…

O médico ortopedista Sérgio Minervini, 41 anos, é o dono do Chevette 76 apresentado nesta reportagem. São companheiros desde 1978. Freqüentaram juntos o curso de medicina no interior de São Paulo e, ao contrário do Dr. Sérgio, na ativa desde a formatura, o Chevette se aposentou em 1989, aos 16000 quilômetros. De lá para cá, não rodou mais do que 700 quilômetros. Sérgio é tão meticuloso que, ao receber o carro, retirou cuidadosamente os selos dos vidros e os guarda até hoje. Os adesivos que aparecem nas fotos são reproduções dos originais.

Produzido ao longo de vinte anos, o Chevette três volumes de duas portas deu origem a uma versão quatro portas, ao modelo hatch, à perua Marajó e à picape Chevy 500. Nesse tempo, foram várias versões de motor, do 1.0 ao 1.6.

No lançamento, um Chevette custava 21290 cruzeiros, bem mais que um Fuscão, com motor 1500, que saía por 17800 cruzeiros, e um pouco menos que os 22668 cruzeiros necessários para tirar um Corcel cupê standart da loja. Em valores de hoje, daria para comprar um Palio ELX Fire 1.3 16V.

Chevrolet Chevette – História

Chevrolet Chevette foi introduzido em setembro de 1975 e fabricado para os anos de modelo 1976-1987 com base na plataforma T mundial da GM e substituindo o Vega como subcompacto de nível básico da Chevrolet.

Chevette foi o carro pequeno mais vendido na América em 1979 e 1980.

Também era popular na América do Sul, onde a produção durou até 1998.

O T-car foi lançado no Brasil com o nome Chevette em 1973, como um sedã de duas portas; a linha Chevette brasileira acabou incluindo um sedã de quatro portas, um hatchback de duas portas e uma perua de duas portas (chamada Marajó), além de uma picape (chamada Chevy 500), e foi produzida até 1994.

Os Chevettes são também um carro usado em corridas em Dirt Track Racing. Tem sua própria série. O Chevette foi provavelmente o último subcompacto FR de tração traseira construído no mundo (produzido até 1998 na Colômbia; o VW Beetle foi construído no México até 2003, mas tinha um layout diferente, ou seja, tração traseira, motor traseiro) até a BMW lançou sua Série 1 em 2004.

Inicialmente disponível apenas como um hatchback de duas portas com 1,4 OHV ou 1,6 L OHC a gasolina de quatro motores em linha, os motores Chevette produziam de 53 a 70 cavalos de potência (40 a 52 kW), acionando as rodas traseiras. Uma transmissão manual de quatro velocidades era padrão; uma transmissão automática de três velocidades era opcional. Os pacotes Rally e Woody eram opcionais, bem como uma Scooter líder de perdas, um de dois lugares (assento traseiro opcional) com pára-choques pintados em vez de cromados, um porta-luvas aberto, carpete preto e alças de puxar as portas em vez de apoios de braço. O mercado canadense também teve uma versão Pontiac do Chevette chamada Acadian.

Como o menor e mais econômico carro comercializado pela Chevrolet, era o carro americano mais leve na época sendo oferecido, pesando menos de uma tonelada. A EPA avaliou o motor básico de 1,4 litro a 28 milhas por galão americano (8,4 L/100 km; 34 mpg- imp ) cidade e 40 milhas por galão americano (5,9 L/100 km; 48 mpg- imp ) rodovia. A Chevrolet afirmou que o raio de giro de um Chevette (30,2 pés) era um dos menores do mundo e que era essencialmente um carro “métrico”, “internacional em design e herança”.

1976-1978 Chevettes podem ser identificados por faróis redondos e lanternas traseiras cromadas e tricolores.

Modelos e mudanças (1976–1987)

Chevette Rally 1.6, incluiu um motor de 1,6 litro (98 cu in) em vez do 1,4 litro (85 cu in) de quatro cilindros, avaliado em 60 hp (45 kW) em vez de 52 hp (39 kW) ).

O Rally também contou com suspensão com estabilizador traseiro, além de grafismos especiais na carroceria. Até o ano modelo 1976, o Chevette Woodie carregava madeira simulando acabamento em folha de vinil e acabamento interno/externo atualizado. O modelo Woody tornou-se bastante escasso, especialmente em graus de condição mais elevados. A Chevrolet comercializou o modelo Chevette Scooter com um preço sugerido de US $ 2.899, sem banco traseiro ou porta do porta-luvas. 9.810 Scooters foram construídos, contra 178.007 hatchbacks regulares. Os compradores podem escolher uma transmissão manual de quatro velocidades totalmente sincronizada ou Turbo-Hydramatic opcional.

Os Chevettes tinham direção de pinhão e cremalheira, freios a disco dianteiros, barra estabilizadora dianteira, Pneus de 13 polegadas, lanternas traseiras tricolores, bancos dianteiros e um sistema de diagnóstico a bordo.

As janelas laterais traseiras basculantes eram opcionais.

Os motores do Chevrolet Chevette de 1977 ofereciam 57 cv (43 kW) ou 63 cv (47 kW). O hatchback Scooter incluiu um banco traseiro. O pacote de acabamento Sandpiper incluía interior com padrão “reef”, acabamento de porta de luxo, cores externas em ouro creme ou branco antigo e um logotipo Sandpiper externo logo atrás de cada porta.

Os modelos de 1978 tinham uma grade revisada com um design de grade, grade e molduras dos faróis cromadas para os modelos padrão, um hatchback de quatro portas com distância entre eixos de 2.470 mm foi adicionado – 5 centímetros a mais que o de duas portas – e esta versão contava por mais da metade das quase 300.000 vendas da Chevette. O motor de 1,4 L e Woody foram descartados.

Adicionada porta de combustível. Transmissão automática TH-180 adicionada para substituir a série THM-200 automática.

Versão “HO” High Output disponível além do 1,6 L padrão com cabeçote modificado e válvulas/perfil de cames maiores. O pacote “HO” também inclui coletor de escape de saída dupla.

Os preços caíram e mais equipamentos padrão foram adicionados para 1978.

Em 1979, o carburador de dois cilindros Holley era agora padrão em todos os modelos. A frente foi levantada com um capô plano, não envolvendo mais o para-choque. A novidade para 1979 era uma grande grade cromada com o emblema Chevrolet “Bow-Tie” e faróis quadrados. O sistema de injeção de ar PAIR foi introduzido para melhorar a função do conversor catalítico em marcha lenta.

O sistema de retenção ativa do passageiro foi introduzido em pequenos números como uma opção que apresentava painel suspenso mais baixo, cintos de segurança automáticos e um console central.

As vendas do Chevette totalizaram mais de 451.000 unidades – um número que o colocaria em segundo lugar apenas para o novo Citation da Chevy, que tinha um modelo muito mais longo (as vendas começaram em abril de 1979). Os testadores do Guia do Consumidor conseguiram “um honesto 29 mpg na cidade e 39 mpg na estrada.”

Em 1981, uma opção de motor Diesel era nova com disponibilidade no final de 1981 – (unidade Isuzu de 1,8 L).

Novas rodas de aço de estilo com calotas centrais foram oferecidas e o design anterior de roda/calota foi descontinuado.

Os modelos dos EUA receberam um novo sistema de feedback de controle de comando por computador em motores a gasolina. A opção HO foi descontinuada. EST (Electronic Spark Timing) foi usado em modelos de 1981 apenas no lugar do avanço de temporização manual. Um novo design da cabeça do cilindro do motor (swirl-port) é introduzido para melhorar o torque e a economia de combustível.

O Pontiac T1000 foi introduzido, compartilhando todas as estampas da carroceria com o Chevette, apresentando um centro cromado com grade e faróis pretos, bem como acabamento de janela cromado padrão com preenchimento de área preta. A direção assistida era uma nova opção (somente transmissão automática e ar-condicionado), bem como uma relação de eixo de 3,36 (padrão nos modelos T-1000). O sistema Active Passive Restraint foi descontinuado.

Novos assentos de balde mais leves foram introduzidos que careciam muito do suporte inferior dos assentos “pane” mais pesados. Um novo selo de pára-brisa mais fino, baseado em adesivo, substituiu o tipo de anel de trava.

Chevrolet vendeu 433.000 Chevettes em 1981 e 233.000 em 1982. Os modelos de 1982 apresentavam uma opção de transmissão manual de cinco marchas em carros de duas portas movidos a gasolina (padrão com diesel). A Scooter foi recentemente disponível em hatchback de quatro portas. Novas transmissões automáticas GM THM-180C (THM200C para o modelo diesel), que incluem um conversor de torque com trava para maior consumo de combustível.

A introdução do sistema AIR acionado por bomba no final do ano modelo substituiu o PAIR para ajudar na eficiência do conversor catalítico.

Um novo conversor catalítico introduzido com uma entrada de ar para injeção forçada de ar da bomba de ar. Um novo forro de papelão de peça única, com luz de teto atualizada, substituiu o forro de vinil.

O Pontiac T-1000 recebeu grade exclusiva, moldura da carroceria e lanternas traseiras verticais alinhadas, além de uma opção de roda esportiva de liga leve. GM do Pontiac Acadian do Canadá,

1983 Chevettes teve uma reforma para as fáscias dianteiras e traseiras, Chevette CS introduzido. A grade acabada em preto e as molduras de acabamento substituem a maioria das peças cromadas.

Scooter e Chevettes básicos apresentavam pára-choques e tampas pretas, enquanto os modelos Chevette CS de gama alta incluíam para-choques e tampas com cores chaveadas com inserções de pára-choques cromadas como opção.

Os modelos de scooter e base apresentavam grade e baldes de farol somente em preto, enquanto os modelos CS apresentam acabamento em cor arge.

O modelo Chevette S foi introduzido como um pacote cosmético que inclui rodas de aço pintadas de preto e grade e molduras com detalhes em vermelho, além de emblemas de decalque de grandes dimensões em vermelho. Os bancos dianteiros contavam com novos botões ajustáveis nas laterais, mas perderam as alavancas reclináveis dos anos anteriores.

A guarnição interior também foi escurecida com novas maçanetas pretas e reguladores de janela de plástico preto. Deck de cassetes integrado opcional com pacote estéreo.

Faixa cromada no painel disponível apenas nos modelos CS & S até o final da produção. Os painéis de porta de luxo foram descontinuados, todos os modelos apresentavam painéis de porta de plástico, no entanto, os modelos de base e Scooter ainda apresentavam painéis de área de carga de papelão laminado. O “Conector de Diagnóstico” foi removido do chicote elétrico.

Para 1984, o Scooter foi descontinuado. O T1000 foi renomeado “1000”. 1985 trouxe poucas atualizações dos modelos de 1984. Em 1986, o modelo básico do Chevette foi descontinuado, deixando apenas o CS e o S, que apresentavam uma terceira luz de freio e um painel de instrumentos “Service Engine Soon”, substituindo a luz anterior “Check Engine”.

Em 1987, a Chevrolet abandonou o modelo Chevette S e a opção de motor diesel (324 vendidos em 1986) e baixou o preço do Chevette para US$ 4.995. As vendas caíram para pouco mais de 46.000 unidades e a produção terminou em 23 de dezembro de 1986.

Sucessores

Chevette efetivamente se tornou o último subcompacto doméstico da GM até 2011, quando a GM introduzirá o Sonic nos Estados Unidos e Canadá.

A GM não fabricaria um subcompacto Chevrolet na América do Norte até 1994, quando a GM começou a construir subcompactos Chevrolet no México, embora não sejam vendidos nos Estados Unidos e Canadá.

A CAMI Automotive (na época uma joint venture entre a General Motors & Suzuki) começou a construir o Chevrolet Sprint exclusivo do Canadá em 1989. Spectrum em 1984 (um Isuzu I-Mark rebatizado), ressuscitando a placa de identificação Nova para um hatchback Toyota Sprinter rebatizado) (1984), e comercializando o Sprint (1985), ele próprio um Suzuki Cultus rebatizado.

Em 1989, a GM reorganizou sua importação cativa e reformulou as ofertas sob a agora extinta marca Geo. O Nova tornou-se o Geo Prizm, o Sprint tornou-se o Geo Metro, o Chevrolet Spectrum tornou-se o Geo Spectrum e a marca começou a oferecer o Geo Storm baseado no Isuzu Impulse, bem como o Geo Tracker, também fabricado pela Suzuki.

A GM Canada continuou a vender o Chevrolet Sprint até 1991, quando a GM Canada anunciou que introduziria o Geo no Canadá.

Carros conceito

Na década de 1970, a General Motors Advanced Engineering desenvolveu um carro conceito, o Electrovette, baseado no Chevette, mas usando um motor elétrico alimentado por baterias de chumbo-ácido.

O carro tinha um alcance de cerca de 50 milhas (80 km) a 30 mph (48 km/h) e uma velocidade máxima de 53 mph (85 km/h).

América latina

Chevrolet Chevette foi lançado pela General Motors (Brasil) em 1973 como um sedã de duas portas. Seguiu-se um sedã de quatro portas em abril de 1978 e, em novembro de 1979, um hatchback de três portas.

Escolta. Uma versão station wagon de três portas, chamada de “Marajó” no Brasil, foi adicionada em setembro de 1980, assim como uma versão esportiva do hatchback chamada 1.6 SR (com apenas quatro cavalos de potência a mais, alcançada por uma taxa de compressão um pouco maior).

Em 1983, o Chevette recebeu um facelift completo com faróis retangulares, com os indicadores de direção localizados embaixo dos faróis, capô mais plano e grade de peça única. O painel também era novo, assim como as janelas de ventilação nas portas da frente, mecanicamente,

Os Chevettes latino-americanos passaram por uma série de facelifts, em 1978, 1983, e um grande em 1987, o que significou novos faróis e uma grade de plástico preta. Onde disponível, a perua usava o nome Chevette fora do Brasil.

O hatchback permaneceu em produção até 1988, enquanto o Marajó continuou disponível até 1989. Marajó é uma ilha localizada na foz do rio Amazonas no Brasil. A versão sedã de quatro portas foi construída até 1989, principalmente para exportação para outros países da América Latina. O cupê de duas portas permaneceu em produção até 1993, apenas superado pela versão picape ( Chevy 500 ) que continuou até 1994 depois de ter sido lançado pela primeira vez em 1983. O sedã de quatro portas continuou a ser construído por mais alguns anos no Equador e Colômbia.

Na Argentina, o Kadett C foi originalmente comercializado como Opel K-180, mas entre 1980 e 1995 o equivalente ao Chevette brasileiro foi vendido lá como o GMC Chevette.

Uma versão com carroceria de fibra de vidro chamada Grumett foi construída no Uruguai, com carroceria de station wagon ou como uma picape de cabine dupla.

Isso substituiu uma versão anterior que usava carroceria baseada na do Vauxhall Chevette. O Grumett usou a versão original de 1,4 litro do motor Chevette. O Chevette regular também foi montado no Uruguai, pela General Motors Uruguaya. Foi vendido lá como um sedã de duas ou quatro portas, com o 1.4 a gasolina ou o 1.8 diesel. A produção na Colômbia, onde também foi construída uma versão especial para uso de táxi, continuou até 1998.

Chevette apareceu originalmente com um motor de quatro cilindros em linha de 1,4 litro de origem Isuzu, embora com uma única câmera no cabeçote em vez do modelo pushrod originalmente usado nos Estados Unidos. Isso foi posteriormente aumentado por uma versão de 1,6 litro desenvolvida localmente, também com um único carburador. O 1.6 brasileiro era um pouco maior que o motor G161Z desenvolvido pela Isuzu usado na América do Norte. Depois de 1988, houve também uma versão com dois carboidratos do 1.6. O 1.4 de menor potência acabou sendo substituído, mas como um corte de impostos para carros de menos de 1 litro surgiu no final de 1990, a General Motors do Brasilrespondeu com um “Chevette Junior” de 1 litro e 50 PS (37 kW) para 1992. O Junior teve uma curta vida útil, permanecendo disponível apenas até 1993. Uma versão com motor diesel Isuzu de 1,8 litro também foi construída, exclusivamente para os mercados de exportação vizinhos já que carros de passeio a diesel não eram permitidos no Brasil. No mercado brasileiro, tanto o 1.4 quanto o 1.6 estavam disponíveis nas versões gasolina e álcool. Cerca de 1,6 milhão de unidades foram construídas no Brasil, com o Corsa substituindo o Junior e o Chevrolet Kadett/Ipanema substituindo as versões com motorização maior.

Chevy 500

O “Chevrolet Chevy 500” foi a versão picape do Chevette brasileiro. Lançado em 1983, foi o precursor da linha Classic/Corsa/Montana de hoje. Concorreu com ofertas de vários outros fabricantes, incluindo Fiat Fiorino, Ford Pampa e Volkswagen Saveiro. Sua carga útil era de 500 kg. utilizando o 1,6 litro OHC de 70 cv, continuou em produção até 1994, sendo a última versão do Chevette construída no Brasil.

Chevrolet Chevette – Carro

Chevrolet Chevette

O Chevrolet Chevette foi um carro da General Motors lançado no Brasil em 1973, tendo como número do projeto “909”, sendo batizado pela GM como projeto do desenvolvimento de seu primeiro veículo de passageiros de pequeno porte.

A idéia surgiu ainda em 1962 e ganhou força com a pesquisa de mercado realizada em 1965, que detectou a existência de dois segmentos viáveis no mercado brasileiro: os automóveis de médio-pequeno e médio-grande portes.

Em 1970 a decisão é tomada e 1.600 homens são designados para dedicar-se exclusivamente ao Projeto 909 surgindo os modelos sedã de duas portas.

Chevrolet ChevetteChevette sedan 73 (lançamento GM)

Pouco tempo depois lança-se uma nova versão, o chevette quatro portas, uma versão feita para exportação nos anos de 1977 a 1981 e 1987, da qual poucos exemplares foram vendidos no mercado interno.

Chevrolet ChevetteChevette sedan 4 portas (versão para exportação)

Chevette também teve a versão hatchback que foi fabricado de 1980 a 1987.

Chevrolet ChevetteChevette hatchback

Obteve-se também a versão station wagon, esta chamada de Marajó, ambas com duas portas.

Chevrolet ChevetteMarajó ou station wagon

Também teve uma picape, a Chevy 500 (de 1983 a 1995).

Chevrolet Chevette
Chevy 500

Em 1983 foi feita um verdadeira reforma no design, pois além da frente e traseira redesenhadas, trazia câmbio de cinco marchas e motor 1.6 para toda linha, com carburação simples ou dupla (´´S´´) por litro, e motores a gasolina e álcool. Foi equipado com motores de 1,0 o Chevette Júnior (1993) e 1,4 para exportação.

A última unidade do Chevette no Brasil saiu da fábrica em 12 de novembro de 1993, já como modelo 1994. Entretanto, é comum encontrá-los rodando pelas ruas, uma vez que foi um modelo que alcançou um expressivo número de vendas (cerca de 1,6 milhões de unidades) e demonstrou ser bastante robusto, arrebatando uma legião de fãs.

O Corsa de segunda geração tornou-se seu sucessor no Brasil, repetindo o mesmo sucesso.

Chevette nasceu e cresceu na estrada. Desde a produção dos quatros primeiros protótipos da frota de teste até o lançamento, esses veículos percorreram cerca de 1.400 km por dia, atingindo um total de 750.000 km.

O Lançamento do Chevette

O avanço tecnológico e o consumo marcaram os anos 70 no Brasil.

Foi nesse clima de efervescência industrial que a GMB realizou seu segundo grande lançamento: o primeiro carro pequeno da família Chevrolet, com motor de 1.400 cm3 e 68 HP de potência bruta a 5.800 rpm, especialmente desenvolvido para esse modelo.

Apresentado oficialmente à imprensa no dia 24 de abril, o Chevette se consagrou por alguns itens que obtiveram a unanimidade dos jornalistas especializados que o tiveram nas mãos para testá-los na época, com as pistas do CPCA em início de construção, os testes eram realizados nas pistas internas da Fábrica de São José dos Campos – design internacional, conforto interno, dirigibilidade, manobrabilidade, estabilidade e acima de tudo, segurança. Acompanhe abaixo uma das primeiras reportagens apresentando o Chevette ao público brasileiro.

À frente de seu tempo, o Chevette incorporava itens de segurança como sistema de direção não-penetrante e pisca-alerta superiores aos exigidos pelo Contran em sua resolução mais recente.

Outro item de destaque: o sistema hidráulico de freio com duplo circuito, independente nas rodas da frente e nas de trás.

No dia seguinte ao lançamento, Joelmir Betting escrevia em sua coluna da Folha de São Paulo: O Chevette leva a chancela da GM e a GM não brinca em serviço. Um investimento superior a US$ 100 milhões permitiu à GMB não apenas desenvolver o novo carro, mas dotar a fábrica de condições para dar resposta imediata a qualquer tipo de solicitação do mercado.

A verdade é que o Chevette constitui um novo divisor de águas dentro do mercado brasileiro de carros novos. Simplesmente porque toca fogo no grande paiol da concorrência, a do primeiro degrau da escalada do brasileiro na direção do carro próprio: a faixa do mais barato, a do primeiro carro do indivíduo e, já agora, a do segundo carro da família?.

O ÚLTIMO CHEVETTE PERCORREU OS 2.813 METROS da linha de produção de São José dos Campos no dia 12 de novembro de 1993. Da funilaria à linha final, cada encaixe, cada aperto, cada teste teve um agradável sabor de despedida, de missão cumprida. Sai de cena um produto vitorioso, que manteve sua participação no mercado sempre em evidência 73 mil veículos vendidos por ano na média do primeiro decênio e que encerra sua produção com o mesmo volume do ano do lançamento mais de 30.000 unidades.

No porta-malas da última unidade, uma bagagem de confiança: atrás de si já aponta outro vencedor.

Chevrolet Chevette – Cronologia

Unidades produzidas: 1.630.000

1973 – A imprensa especializada confere ao Chevette o título de carro do ano. Os jornalistas rodaram 11 mil quilômetros com o Chevette durante o ano de 1973 para elegê-lo o melhor carro nacional existente no mercado.

1974 – Neste ano a fábrica comemora, além do título, duas marcas importantes: a produção do 50.000 Chevette em 26 de março e a do 100.000 em 13 de novembro. No total, foram vendidos 31.324 unidades em 1973 e 74.963 em 1974 no mercado interno.

1975 – Continuando a trajetória de sucesso iniciada no lançamento, as vendas atingem a marca de 62.519 unidades comercializadas no País. Em 17 de setembro, pela primeira vez a GMB utiliza o Campo de Provas da Cruz Alta para fazer a apresentação de sua nova linha, aos jornalistas. Em abril, o primeiro Chevette especial desfila pelas ruas.

1976 – A linha Chevette cresce com o lançamento da sua Pick-up 4 cilindros, a Chevy-4. Em 20 de fevereiro a GMB comemora a produção de seu 1.000.000 veículo Chevrolet: um Chevette GP amarelo. Em 24 de maio o MVA comemora a produção do 200.000 Chevette. As vendas internas deste ano totalizam 70.733 unidades. A vedete da linha Chevrolet 76 é o SL (Super Luxo), com requintes de acabamento.

1977 – O Chevette GP II chega ao mercado em 23 de janeiro com mudanças no motor que o tornam ainda mais econômico. Em 18 de fevereiro a fábrica celebra a produção do 250.000 Chevette. A empresa estuda modificações no design para o próximo ano. As vendas internas registram 65.964 veículos comercializados. A GMV lança o esportivo modelo Chevette GP II em São Paulo durante o Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1.

1978 – Em 19 de janeiro o novo Chevette GP II é lançado no Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1 do Rio de Janeiro. A Novidade da linha Chevette é a modificação da frente (facelift), que passa a ter formato de cunha, com duas grades ovaladas. As vendas no mercado interno chegam a 86.384 unidades.

1979 – Para aumentar as opções do já fiel proprietário de Chevette, a empresa coloca no mercado o modelo 4 portas, motor 1.4 L A gasolina e promete novidades para a linha 80. O volume de vendas internas chega aos 90.084.

1980 – A fábrica de São José dos Campos produz seu 500.000 Chevette em 8 de fevereiro. Em 2 de julho a empresa lança o motor 1.4 L a álcool para o Chevette. Totalmente redesenhado a partir da coluna central, o novo Chevette Hatch chegou ao mercado como promessa de recorde. E a cumpriu: 94.816 veículos comercializados no mercado interno. O novo Chevette Hatch com 3 portas vem aumentar a linha e as vendas.

1981 – O já moderno modelo Hatch ganha uma versão especial, muito esportiva e mais potente: o Chevette SR vem equipado com motor 1.6 L a gasolina. Em 31 de março o Chevette Hatch recebe o título de Carro do Ano 1980 da revista Autoesporte. As vendas internas ficam na casa dos 69.941 veículos. A família cresce com o lançamento da STATION WAGON MARAJÓ.

1982 – Um pequeno facelift na linha Chevette prepara o consumidor para novas e maiores mudanças. As vendas crescem em relação ao ano interior: 75.163 veículos consumidos no mercado ibnterno. Chega com mudanças nos faróis, grades e lanternas.

1983 – O segundo grande facelift da linha provoca mudanças na frente mais rebaixada, com faróis trapezóides e na traseira do veículo mais alta. Em 17 de fevereiro o MVA orgulha-se de produzir o 750.000 Chevette, que assume a liderança de vendas no País, com suas 85.984 unidades comercializadas no mercado interno. A linha Chevette passa por total reestilização e ganha motor 1.6 L a álcool.

1984 – um ano de comemorações para a GMB. A fábrica de São José dos Campos completa 25 anos e o Campo de PROVAS DA Cruz Alta 15. Para marcar a data, a linha 85 é novamente apresentada ao público no CPCA. As vendas internas somam 57.876 unidades. Chega a Pick-up Chevy-500 com motores 1.6 L álcool e gasolina.

1985 – A fábrica de Motores produz o 1.000.000 motor de Chevette em 10 de junho. No mês de outubro, a produção do veículo chega ao número 850 mil. O total de vendas internas soma 61.526 unidades. A exportação do Chevette atinge o total de 100.000 veículos.

1986 – A dupla Marcelo Aiquel e Ronaldo Nique lideram 80 voltas dos 500 quilômetros de Guaporé, no Rio Grande do Sul. Neste ano, as vendas internas ficam na casa dos 67.182 veículos comercializados.

1987 – Com o perfil mais aerodinâmico, a linha 87, composta pelos Chevette SE, SL e Sedan, ganhou capô rebaixado e painel em forma de cunha, com nova grade, espoiler mais baixo e tomadas de ar mais espaçadas. Vendas internas 45.727 unidades. Em março o MVA chega ao 1.000.000 Chevette produzido.

1988 – A introdução de um novo carburador de corpo duplo estagiado resulta um aumento considerável de potência, mais 10 c.v., no motor a álcool. Obtem-se também uma otimização dimensional, com redução das massas oscilantes. As vendas internas ficam na faixa dos 56.301 veículos. Os motores álcool e gasolina do Chevette recebem melhorias.

1989 – A station-wagon derivada do Chevette sai de linha neste ano. Durante os anos em que esteve em produção, acompanhou todas as inovações tecnológicas apresentadas pelo Chevette. Foram comercializados 40.701 veículos no mercado interno. Último ano de fabricação da Marajó.

1990 – Ele chega para dar mais brilho à linha Chevette. O modelo DL traz todo o conforto e economia de seus antecessores, aliado a um acabamento externo e interno de luxo. Neste ano, as vendas no mercado brasileiro foram de 26.786 unidades.

1991 – Gostoso de dirigir, confortável e com amplo porta-malas (323 litros). O Chevette DL oferece a economia e agilidade que o trânsito urbano exige e a garantia da mecânica Chevrolet. Foram vendidas 20.554 unidades no mercado interno.

1992 – O Chevette DL mostra a sua faceta ecológica. A emissão de gases poluidores passa a ser controlada com a instalação do conversor catalítico, nas versões a álcool e a gasolina. As vendas internas chegam à casa das 29.629 unidades.

1993 – Atendendo à solicitação do presidente da República, Itamar Franco, em apenas um ano a Empresa passa a produzir o Chevette L, a chamada versão popular, com motor 1.6 a álcool e gasolina. Nenhum outro carro dessa faixa de mercado possui motor tão potente, nem porta-malas tão grande: 323 litros. Os outros modelos da linha deixam de ser produzidos. As vendas internas perfazem um total de 31.865 veículos.

Junior – Para atender à crescente demanda de veículos de pequeno porte com motores de baixo consumo, a GMB desenvolve e lança o Chevette Júnior, com motor 1.0 este modelo percorria, em média, 11,15 km/litro na cidade e 15,5 km/litro na estrada. Foi o precursor do carro popular, lançado no ano seguinte. E as vendas Internas, 20.554 veículos.

Fonte: www.chevettesonice.ca/quatrorodas.abril.com.br/www.chevettemania.net/classiccars.fandom.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

História da Cadillac

História da Cadillac, Carro, Marca, Modelos, Fabricação, Motor, Empresa, Construção, Logo, Veículos, Automóveis, História da Cadillac

Cadillac Self-Starter

Cadillac Self-Starter, Construção, Sistema, Motor, Arranque, Partida, Elétrica, Dispositivo, Inovação, História, Cadillac Self-Starter

Aero Willys

Aero Willys, Carros, Brasil, Versão, Veículos, Velocidade, Modelo, Características, Linha, História, Fotos, Aero Willys

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.