Breaking News
Home / Automóveis / Puma GTS

Puma GTS

PUBLICIDADE

Para 1971 a fábrica lançou o 1600 GTS, conversível, fazendo a produção atingir 323 unidades, com 484 em 1972 e 769 em 1973, ano em que a PUMA vendeu know-how direitos de construção de seu veículo à Bromer Motor Assemblies, que passou a construir os esportivos sob licença no mercado da África do Sul.

Em 1971, é inciada a produção da linha GTS/GTE (o GTS um roadster e o GTE um cupê). Era o “Puminha”, sem dúvida, dentre todos os carros criados por brasileiros com capital nacional, este foi o de maior sucesso.

Puma GTS

Além da capota de lona, era oferecida uma rígida, sem sucesso.

Durante os 14 anos de importações fechadas, de 1976 a 1990, os chamados “fora-de-série” foram uma válida opção para os brasileiros que queriam algo diferente, especial, como um pequeno conversível. E o Puma foi o mais expressivo deles em termos de volume de vendas.

O Puma GTS 1980 do leitor Maurício Koch, de Curitiba, PR, foi adquirido por ele em março de 2004 e está hoje com cerca de 100.000 km. “Conta com diversos itens originais, como volante, painel, bancos, lanternas traseiras com pisca vermelho e borda pintada de preto, todos os emblemas e frisos pintados de preto (característica exclusiva dos carros de 1980), repetidor de pisca lateral (também  exclusivo do 1980), instrumentos (velocímetro, conta-giros, marcadores de combustível, de temperatura e pressão do óleo) e maçanetas”, conta o leitor.

O motor é o conhecido 1.600 da Volkswagen, arrefecido a ar, com carburação dupla neste caso. O carro de Maurício tem rodas originais “Gaúchas” de 14 pol e até o rádio/toca-fitas Roadstar da época.

De acordo com o leitor, os únicos itens não originais são o pomo de câmbio (de Passat TS) e o console central, que foi colocado para dar sustentação ao painel.

“O Puma é bastante divertido de dirigir, pois é relativamente baixo e tem ótima estabilidade, além do fato de ter tração traseira, que dá aquela ótima sensação de o motorista ser empurrado pelo carro”, conta o leitor.

O GTS, que na verdade não está licenciado com as placas pretas das fotos (colocadas apenas para sua exibição no BCWS e em eventos), foi totalmente restaurado pelo antigo dono há cerca de três anos.

“Ainda está bastante inteiro, sem trincas na fibra ou pintura queimada”, observa Maurício, que acrescenta: “Vale lembrar que foi em 1980 que a linha Puma GTE/GTS mudou para GTI/GTC, portanto este GTS é dos últimos fabricados”.

História

Em 1973, com pequenas alterações na carroceria, a Puma adota a denominação GTS para seu conversível, deixando o nome GTE Spyder.

Por algum tempo ainda foi chamado pelo público de GTS Spyder, para por fim, consolidar o nome GTS para o modelo conversível.

Em meados de 1976, com adoção do chassis de Brasília no GTE, a Puma muda também no GTS. Agora com novo chassis mais largo o desenho da carroceria acentua a impressão da traseira caída. Logo é apelidado de “bunda caída”. As vendas desse modelo não subiram na mesma proporção do modelo GTE recém lançado.

Fotos

Puma GTS

Puma GTS

Puma GTS

Puma GTS

Puma GTS
Puma GTS

Fonte: www2.uol.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Cadillac Self-Starter

Cadillac Self-Starter, Construção, Sistema, Motor, Arranque, Partida, Elétrica, Dispositivo, Inovação, História, Cadillac Self-Starter

História da Cadillac

História da Cadillac, Carro, Marca, Modelos, Fabricação, Motor, Empresa, Construção, Logo, Veículos, Automóveis, História da Cadillac

Aero Willys

Aero Willys, Carros, Brasil, Versão, Veículos, Velocidade, Modelo, Características, Linha, História, Fotos, Aero Willys

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.