Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Automóveis / DeLorean DMC-12

DeLorean DMC-12

PUBLICIDADE

O co-produtor Bob Gale e o diretor Robert Zemeckis pensaram muito como seria a máquina do tempo. “Nos primeiros esboços do roteiro, nós fizemos uma máquina do tempo que não era móvel, apenas uma grande quantidade de equipamento num laboratório que ocupava uma sala inteira”, disse Gale. Mais tarde, pensaram na possibilidade da máquina ser uma geladeira, mas essa idéia também foi descartada.

“As portas asa-de-gaivota do DeLorean foram uma idéia muito boa. Ele parecia um espaçonave. Há uma cena onde o DeLorean entra num celeiro e um fazendeiro dos anos 50 pensa que é uma espaçonave”, disse Gale. “Era importante criar a ilusão de que o carro se movia rápido e era perigoso”, mas tinha que haver algo de excêntrico nele”, disse Zemeckis. O artista Ron Cobb, cujos trabalhos incluem “Alien – O oitavo passageiro”, fez o primeiro desenho da máquina do tempo, incorporando um reator nuclear portátil na parte traseira.

A máquina, claro, precisa de uma grande quantidade de energia e um “capacitor de fluxo temporal”, para receber a energia do reator(em De Volta Para o Futuro II o reator é trocado pelo Mr. Fusion) e impulsionar o carro através do tempo. Havia também mostradores digitais no cockpit, além de fios, espirais e tubos por toda parte. Andy Probert, mais tarde, refinou o design da máquina. Probert rearranjou alguns elementos na parte traseira do carro, incluindo os exaustores, que servem para ventilar o reator. Inicialmente, havia um exaustor(cano de escapamento), mas Zemeckis, Gale e o designer acharam que quatro exaustores davam um visual mais dramático, além de fazer o reator parecer mais poderoso.

Gale e o produtor Neil Canton mandaram sua equipe procurar nos anúncios classificados por três DeLoreans em boas condições. Comprados por um total de mais ou menos US$ 50.000, os três carros foram transformados pelo especialista em efeitos especiais Kevin Pike(que também ajudou nos efeitos especiais dos filmes de Spielberg, incluindo “Os Caçadores da Arca Perdida”), da Kevin Pike’s Filmtric Inc., em Hollywood.

Nesse momento, os produtores resolveram, para manter os custos baixos(o preço final da compra e transformação dos carros era de US$ 150.000) e para garantir o visual “feito-em-casa” da máquina, não mandar fazer peças especialmente para o DeLorean.

O designer de produção Larry Paull, que trabalhou em Blade Runner e o coordenador de modificação do DeLorean Michael Scheffe, vasculharam depósitos de sobras de materiais militares e de indústrias em geral, procurando por tubos, medidores, espirais e quaisquer estruturas que refletissem o que estava nos desenhos de produção.

Dois carros funcionavam, o terceiro era mantido parado para tomadas em close, inserções e para fornecer peças caso os outros dois tivessem problemas.

O primeiro passo da equipe de efeitos especiais foi remover a janela traseira do carro para construir o reator nuclear sobre a pesada cobertura de plástico que foi colocada sobre o motor de cada carro.

Duas estruturas tinham que ser construidas: o sistema do reator e central de energia imaginários e os sistemas reais dos efeitos especiais. Três mostradores digitais foram construidos, juntamente com válvulas, medidores, botões e mecanismos, incluindo os “circuitos do tempo”, acionados por uma chave localizada ao lado do assento do motorista.

Apesar do velocímetro original ser mantido, foi adicionado um digital para enfatizar um ponto importante da história: o DeLorean tem que atingir 88milhas/h (+ou- 130km/h) para que o capacitor se ative e haja a remoção temporal. Como foram adicionados, por trás do reator nuclear, os exaustores ao carro, a equipe de Pike redirecionou o sistema de escapamento original do carro para ficar acima das rodas traseiras.

Dois extintores com CO2 foram instalados no lado do passageiro e o gás era levado até os exaustores, onde um mecanismo especial expelia o gás, simulando a exaustão de um reator nuclear.

Lança-chamas foram presos ao lado de cada roda, sendo acionados por um ignidor de alta-voltagem controlado por alguém da equipe de efeitos especiais que ficava escondido sob o banco do passageiro. Contudo o carro tinha que estar andando a 40milhas/h (+ou- 60 km/h) para que os lança-chamas fossem ativados, ou o perigo do fogo atingir o carro seria muito grande.

O motor do carro, perfeitamente capaz de alcançar 88 milhas/h, não foi modificado.

Fonte: br.geocities.com

DeLorean DMC-12

Um carro com carroceria feita em aço inoxidável foi fabricado na Irlanda do Norte, em Dunmurray, a 10 quilômetros do centro de Belfast, a capital.

Lá, de 1981 ao final de 1982, funcionou a DeLorean Motor Company (DMC).

Foi fundada em 1973, em plena crise mundial do petróleo, mas seus automóveis só ganharam as ruas no começo da década de 80.

Seu fundador John Zachary DeLorean, bem-sucedido executivo da General Motors, fez uma carreira brilhante na Packard, no início dos anos 50, e depois no grupo GM, onde ingressou com apenas 24 anos de idade.

Na divisão Pontiac, chegou a engenheiro-chefe, e na Chevrolet, diretor-geral.

Na Pontiac criou e desenvolveu o projeto dos famosos GTO e, mais tarde, a linha Grand Prix. Chegou à vice-presidência da GM.

As linhas do DMC-12 não inovavam, mas reuniam soluções ousadas de esportivos do passado, como o vigia traseiro em persianas.

O futuro está de volta, mas dessa vez, ecologicamente correto.

Mas John DeLorean não estava contente, apesar do gordo salário anual de 650 mil dólares.

Ele queria mais, tinha um sonho: ter sua fábrica de automóveis e até ensinar a GM como se faz um carro.

A idéia do novo carro-esporte, com carroceria em aço escovado, foi brilhante. Chamava-se DMC-12. O desenho era inovador, mas empregava soluções de carros do passado. As portas em asa-de-gaivota eram baseadas nas do Mercedes-Benz 300 SL. O vigia traseiro em persianas já tinha sido adotado no Lamborghini Miura e no Lancia Stratos, só para citar os mais famosos.

O responsável pelo projeto foi o famoso Giorgio Giugiaro, que já tinha realizado obras de arte como o Miura, o De Tomaso Mangusta, o Maserati Ghibli, o Fiat Dino e o Lotus Esprit.

Reunia soluções como a carroceria em aço escovado, chassi Lotus em Y e motor PRV (Peugeot-Renault-Volvo) com seis cilindros em V e 2,8 litros, que em princípio seria adotado na posição central mas depois, por problemas técnicos, ficou alojado atrás do eixo traseiro, com câmbio do Renault Alpine A 310.

Além de muito bom, o carro era relativamente fácil de manter, graças a peças comuns a vários modelos do mercado europeu, encontradas sem problemas até hoje.

John DeLorean queria um carro para durar de 20 a 25 anos e que não ficasse obsoleto em pouco tempo.

No primeiro protótipo foi utilizado um motor do Citroën CX, de dois litros e 102 cv. Mostrou-se antiquado e fraco para as características do esportivo.

O carro deveria ser leve, mas a realidade era outra.

Você se lembra do filme De Volta para o Futuro?

O primeiro da trilogia, lançado em 1985, foi um dos maiores sucessos da década e conta a história do adolescente Marty McFly (Michael J. Fox), que viaja no tempo por meio de um carro projetado pelo cientista Dr. Emmett Brown (Christopher Lloyd).

O carro em questão é o DMC-12 EV, DeLorean, para os íntimos.

O DMC-12 EV é um modelo de carro esportivo fabricado pela montadora irlandesa DeLorean Motor Company (DMC).

A empresa apresentou o novo protótipo em dia 14 de outubro no DMC Texas Open House. A fabricante pretende recolocar o modelo em circulação daqui a dois anos!

A versão ecológica do carro terá velocidade máxima de 200 km/h e o motor elétrico com capacidade de até 260 cavalos de potência.

No filme, o carro atinge a velocidade de 88 milhas por hora (aproximadamente 140 km/h) e transporta o adolescente Marty McFly do ano de 1985 para o ano 1955.

O protótipo do DMC-12 EV apresentado agora pela DeLorean mantém o design futurista que fez sucesso no cinema, o que não deixa de ser uma boa viagem no tempo.

 

DeLorean DMC-12
As linhas do DMC-12 não inovavam, mas reuniam soluções ousadas de esportivos do passado, como o vigia traseiro em persianas

DeLorean DMC-12
As portas ao estilo “asa-de-gaivota”, que se abriam para cima, conferiam ar futurista ao carro de aço inoxidável criado por John DeLorean

Nas telas

O DeLorean DMC-12 era a máquina do tempo na trilogia De volta para o futuro (Back to the future), filmes que fizeram enorme sucesso. Esta sem dúvida foi sua maior propaganda. Ficou conhecido nos quatro cantos do mundo e por pessoas de todas as idades que gostam de ficção científica.

O carro fez a platéia vibrar no primeiro filme e nas duas continuações, estrelados por Michael J. Fox e Christopher Lloyd. Tinha acessórios pouco ortodoxos que faziam dele um laboratório ambulante. Incontáveis fios e canos na parte externa e, na traseira, algo como dois propulsores a jato davam o toque futurista.

O motor PRV se mostrou mais adequado. Era um ótimo propulsor, equilibrado, robusto e moderno, mas não chegava a entusiasmar no DMC-12. Tinha um desempenho modesto se comparado a seus concorrentes. John DeLorean visava aos compradores de Corvette nos EUA, seu mercado de ataque, mas seu carro não andava muito mais que um Mustang V8, de desempenho inferior ao esportivo da Chevrolet. O carro de aço fazia de 0 a 100 km/h em 9,5 segundos e chegava a quase 200 km/h.

DeLorean DMC-12
Depois da fracassada tentativa com um motor de Citroën CX, o PRV V6 de 2,8 litros mostrou eficiência, mas desempenho apenas razoável no DeLorean

Com 65% do peso na traseira, o comportamento do carro era bom e não era difícil de ser dirigido. Mas o motor traseiro, apesar do sucesso dos Porsche 911 nos EUA, não agradava muito aos americanos pela má fama deixada pelo Chevrolet Corvair.

Quando o carro começou a ser vendido, a publicidade dizia “DeLorean – Viva o sonho”. A nova atração na indústria automobilística chamava a atenção. Era um carro bonito, com quatro faróis retangulares na dianteira, grade com frisos pretos horizontais e logotipo DMC ao centro. Visto de lado era notável seu perfil baixo, com dois vidros laterais separados por uma pequena grade preta vertical. As rodas raiadas tinham um desenho simples e discreto.

Na traseira, grandes lanternas em segmentos quadriculados. Ao centro, um painel preto e, acima na tampa traseira, um discreto aerofólio e a vigia em forma de persianas. Quando abertas as portas, capô e porta-malas, impressionava muito.

DeLorean DMC-12
John DeLorean e seu sonho, o DMC-12

O revestimento dos bancos, forrações e volante era todo em couro. Trazia toca-fitas, ar-condicionado, vidros verdes, painel com boa instrumentação — enfim, tudo que um carro de luxo da época podia oferecer. Mas era um carro caro face à concorrência, por ter características exclusivas.

Alguns donos cansaram-se da única cor oferecida e pintaram por conta própria seus carros. Foram fabricados 7.400 modelos em 1981 e, até o fechamento da fábrica no final de 1982, outras 1.800 unidades. Os estudos de mercado não foram bem feitos e os carros encalharam nas concessionárias.

Mas marcou por ter um estilo próprio, soluções de estilo interessantes, mesmo que não fossem originais, e causou certo furor. Hoje são bem procurados por colecionadores e valem cerca de 30.000 dólares se bem conservados. Não têm problemas de ferrugem…

DeLorean DMC-12
Seu comportamento dinâmico era bom, mas os americanos ainda guardavam na memória o insucesso do motor traseiro no Chevrolet Corvair

Há muita controvérsia sobre o fechamento da fábrica fundada por John DeLorean. Ele fez vários acordos com o governo britânico, prometendo inclusive reduzir os problemas sociais da Irlanda. Envolvimento com drogas para saldar dividas, pressão de grandes fábricas e outros fatores, que nunca ficaram claros e muito menos provados, causaram o fim deste automóvel único.

Seu idealizador, hoje com pouco mais de 70 anos, foi considerado um dos maiores aventureiros da história do automóvel.

Fonte: www2.uol.com.br

DeLorean DMC-12

Quem não conhece o nome conhece pelo menos o carro. O DeLorean virou um clássico mesmo com pouco tempo de fabricação (81 e 82) sendo produzidos 9200 unidades.

O DeLorean é um carro esportivo, mas sem grandes pretensões pros padrões atuais. Tem um motor V6 de 2,8 l, fazendo 141 cavalos, fazendo de 0 a 100 km/h em 9,5 s e alcançando mais de 200 km/h.

Sua carroceria fabricada em aço inox, junto com seu chassi em fibra de carbono elimina a possibilidade de ferrugem. No interior acabamento em couro, nos assentos, portas e painéis.

O mercado avalia um DeLorean em bom estado em aproximadamente US$ 30 mil (+- R$ 70 mil)

De Volta para o Futuro

O protagonista de hoje é o astro de “De Volta para o Futuro“, filme de ficção científica de 1985, em que o cientista Dr. Emmett L. Brown monta uma máquina do tempo sobre um De Lorean. Ele convida seu jovem amigo Marty McFly para ver sua nova experiência e, acidentalmente, acaba viajando no tempo com a máquina.

Um ponto interessante do filme é a expressão de surpresa quando o jovem McFly diz: “Você montou uma máquina do tempo em um De Lorean!”. E o cientista responde que uma experiência destas tinha que ser feita “em alto estilo”.

DeLorean DMC-12

O DMC-12 foi o único modelo produzido pela De Lorean, a fábrica fundada pelo talentoso John De Lorean, depois de deixar uma ascensão meteórica nas divisões Pontiac e Chevrolet da GM.

Desde o início, De Lorean já havia decidido sobre dois aspectos que seriam as maiores marcas deste carro único: suas portas abririam no estilo “asas de gaivota” (para cima) e sua carroceria seria toda em aço inoxidável. Note na foto que o carro não tem pintura, ficando exposto o aço inox escovado.

Para o design, De Lorean acertou na escolha do mestre Giorgetto Giugiaro, que já desenhou mitos como De Tomaso Mangusta, Maserati Ghibli e Lotus Esprit.

DeLorean DMC-12

O chassi era fornecido pela Lotus, que auxiliou De Lorean na fabricação do carro em série. O motor era um V6 de 2.8 litros produzido em conjunto pela Peugeot-Renault-Volvo, que não conferia um desempenho brilhante para o DMC-12.

Fonte: historiasobrerodas.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Cadillac Self-Starter

Cadillac Self-Starter, Construção, Sistema, Motor, Arranque, Partida, Elétrica, Dispositivo, Inovação, História, Cadillac Self-Starter

História da Cadillac

História da Cadillac, Carro, Marca, Modelos, Fabricação, Motor, Empresa, Construção, Logo, Veículos, Automóveis, História da Cadillac

Aero Willys

Aero Willys, Carros, Brasil, Versão, Veículos, Velocidade, Modelo, Características, Linha, História, Fotos, Aero Willys

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+