Breaking News
Home / Automóveis / Lada Niva

Lada Niva

PUBLICIDADE

A VAZ-2121 ou Lada Niva, um veículo a motor fora de estrada introduzida a partir de AvtoVAZ, fabricante russo anteriormente conhecido como Soviética.

O nome originou-se de palavra russa e o significado desta palavra é do campo da colheita.

Também foi anunciada como a Bognor Diva no Uruguai, Lada Taiga na Áustria e Lada Desporto na Islândia e é oferecido como o Lada 4×4 na maioria dos mercados desde 2009.

Considerou-se como um dos veículos a motor de produção off road massa primárias que contou com uma suspensão de bobina independente e suspensão dianteira e uma arquitetura de uni-corpo (em 1995, a inicial foi GAZ-M-72).

Ele também é um antepassado de recente SUV crossover que quase todos seguem este acordo. Versões de emergência e de captação de van são fabricados por VAZInterService.

Não sendo o ultimo grito da tecnologia automóvel, o Lada Niva é desde o início dos anos 80 na panóplia europeia dos veículos destinados a circular em caminhos difíceis, aquele a quem cabe o maior número de qualificações tão díspares quanto justas ou injustas jamais atribuídas a um veículo deste tipo o que, por si só, revela ter atingido a maioridade como “duro”, igualando – sem pretensiosismo – veículos nossos conhecidos como os Land Rover 88, Defender 90, ou o Toyota BJ40.

Geralmente, pouco ou nada é dado a conhecer na imprensa escrita nacional.

Por vezes, a imprensa da “especialidade”, aquela que avalia os veículos TT pela qualidade dos tapetes que estes incorporam, designa o Niva como sendo:

O mais pequeno, o mais barulhento, o mais mal acabado, sem um digno controlo de qualidade, o menos fiável, o que consome mais combustível, o que tem o projeto mais antigo, etc.

Lada Niva

A imprensa estrangeira, que também critica, para além dos defeitos refere: Pelas suas dimensões, tipo de suspensão, equilíbrio peso/potência, pneus e fiabilidade do motor, é um dos melhores veículos para TT puro e duro (a par do Land Rover Defender 90 Tdi e Nissan Patrol GR (Curto).

Amado por aqueles que o experimentaram e viveram as experiências mais incríveis que este veículo pode proporcionar, os que conhecem de fato as suas características principais, é também alvo das mais duras críticas por parte daqueles que jamais souberam avaliar o comportamento de um veículo TT a não ser pelos escudos que importam, acessórios que incorporam o conforto que proporcionam e pelo estatuto social que poderão enaltecer.

O Niva foi, é, e concerteza continuará a ser durante mais alguns anos a musa inspiradora dos criadores de novos veículos com capacidades TT.

Senão vejamos: Chassis Monobloco – criticado á partida pelos defensores dos chassis com longarinas e travessas, o Niva parece ter inspirado a Toyota , a Honda (CRV) e até a conservadora Land Rover.

Molas Helicoidais – alvo da rejeição dos puristas do forte e feio, também aqui o Niva parece ter inspirado o fabricante rei quando concebeu o Defender 90 Tdi ou quando a Ford e a Nissan conceberam o Maverick ou o Terrano II.

O Niva é daqueles veículos que para quem o quiser adquirir, é condição necessária gostar muito, depois gostar, e por fim despender algum dinheiro (sempre muito menos do que para adquirir outro veículo TT).

Não são estas pequenas coisas que fazem do Niva grande!

A alma do Niva é o próprio Niva, tornando-o não apenas em mais um veículo TT, mas sim num autêntico modo de vida!

Especificações do Lada Niva

Na forma crítica, o Lada Niva tem um motor a gasolina de quatro cilindros e um overhead cam carburado de 1,6 litros, que produziu 72 HP (54 kW) e 93 lb.ft (126 Nm), a tempo inteiro com tração às 4 rodas e um 4 ou 5 velocidade transmissão manual.

O sistema de tração às 4 rodas faz uso de três diferenciais como traseira, frente e no centro.

Há indisponibilidade de bloqueio cubos neste carro. A caixa de transferência inclui uma alavanca bloqueio do diferencial central e uma alavanca seletora de baixa ou alta gama. A gama mais baixa pode ser escolhida com o diferencial médio desbloqueado ou bloqueado.

O original Lada Niva tem velocidade de aproximadamente 80 mph (130 km / h), que é considerado como um máximo e pode navegar a 56 mph (90 km / h) durante a utilização de gasolina em 34,2 mpg imp-, 28,5 mpg-US (8,25 L / 100 km).

A capacidade de reboque deste carro está classificado para até £ 1900 (860 kg).

O Lada Niva é um utilitário 4×4, que une a robustez de um Off-Road, com o conforto de um automóvel.

Espaçoso e econômico é ideal para o trânsito das grandes metrópoles e para realidade das estradas brasileiras.

Características Técnicas

Niva 4×4 1.7i

Capacidades
Velocidade Máxima 136 Km/h
Carga útil 400 Kg
Peso Vazio 1.210 Kg
Tamque Combustivel 42 Litros
Porta Malas 285 Litros
Comprimento 3.720 mm
Largura 1.682 mm
Altura 1.640 mm
Altura Máxima
de Travesia
na Água
600 mm
Vão Livre “Carro / Solo” 217 mm
Motor
Cilindradas 1.700
Combustível Gasolina
Taxa de Compressão 9,3 x 1
Potência 80,2 cv
Alimentação Injeção Eletrônica,
Monoponto Sincronizada
Ignição Eletrônica Transistorizada
Catalizador Kadron
Transmissão
Caixa Sincronizada 5 marchas / Re
Caixa de redução 5 marchas / Re
Bloqueio Caixa Central
Tração Contínua nas 4 rodas
Embreagem Comando Hidráulico
Suspenção
Dianteira Independente
Traseira Eixo Rígido
Molas Helicoidais
Barra Estabilizadora Panhard
Amortecedores Hidráulicos de Dupla Ação
Freio
Hidráulico Servo-assistido
Circuito Duplo
Dianteiro Disco
Traseiro Tambor com válvula reguladora de pressão
Pneus
Lameiros 6.95 – 16
Radiais 175/80 R 16
Carroceria
Construção Monobloco
Parabrisa Dianteiro Laminado
Parabrisa Traseiro Térmico e limpador
Faróis Com lavador, limpador e regulagem de altura no painel
Bancos Dianteiros Reclináveis, com ajuste fino, memória, pantogr.
Cintos de Segurança Três pontos inclusive no banco traseiro
Painel Completo com contagiros Indicadores tipo relógio,mais lâmpadas testemunhas. Redesenhado.
Ventilação Ar quente e frio
Luzes Luz de neblina a re
Limpador de Parabrisa Duas velocid. com temporizador
Porta Traseira Com abertura até assoalho

Fonte: ladaniva4x4.net/cloudlakes.com/www.datasesmt.com.br

Lada Niva

No início da década de 1990, antes mesmo que marcas como BMW, Mercedes e Audi se tornassem uma visão comum em nossas ruas, era a Lada que fazia sucesso entre aqueles que desejavam entrar num importado. E para quem quisesse encarar um fora-de-estrada com um pouco mais de conforto que um Jipe Willys, que saiu de linha em 1983, o Lada Niva 4×4 era a escolha natural. Feito na Rússia, o carro era importado oficialmente. E a Lada chegou a ter – pelo menos no papel – cerca de 80 revendas espalhadas pelo país, com o Niva sendo uma das grandes atrações.

Vinha com motor de quatro cilindros, 1,6 litro de cilindrada e potência de 70 cv, derivado da unidade usada no antigo Fiat 124. Aliás, uma curiosidade do Niva estava na semelhança que guardava com o antigo Fiat 147, perceptível em detalhes como maçanetas de porta, forração do teto, manivela de abertura dos vidros, janelas, quebra-ventos etc. Mas se o 147 marcou época pelo fato de ser o primeiro carro nacional a contar com motor transversal, no Niva o motor estava em posição longitudinal mesmo.

A primeira versão a ser oferecida era a Niva 4×4, disponível até 1995. A versão CD, lançada logo depois, contava com volante esportivo Formuling e caixa desmultiplicada Gemmer, bem mais confortável que a encontrada na versão normal, ambas de origem francesa. O Pantanal foi mais uma versão do Niva, oferecido até 1994. Era preparado no centro operacional da empresa no Brasil e vinha com volante esportivo Momo, caixa de direção Gemmer francesa (a mesma do CD), quebra-mato, bagageiro de teto com capacidade para 35 kg, frisos laterais, faixas decorativas nas cores grafite, ouro, prata ou verde, dependendo da cor do carro, espelhos na cor da carroceria e guincho Warn de 4.000 lbs de capacidade.

Há ainda a pouco conhecida RC (Road Cruiser), que existiu apenas em 1995 e é uma derivação do Niva 21217. Essa versão conta com as modificações realizadas no modelo justamente em 1995, e que compreendem a tampa traseira de maiores dimensões, lanternas traseiras posicionadas verticalmente, novo painel de instrumentos, freios mais eficientes, juntas homocinéticas e radiador de alumínio com duas hélices.

Em 1997 não houve Niva, mas, em 1998 a empresa anunciou a chegada do Niva 1.7i. Como a nomenclatura indica, o motor agora tinha 1,7 litro de cilindrada e injeção eletrônica monoponto semelhante à encontrada nos Chevrolet Corsa fabricados até 1996. A potência subiu para 82 cv.

A logística para que esses carros chegassem ao Brasil era complexa: eram adquiridos pelo representante no Panamá, mas vinham de outro representante na França, que por sua vez os comprava na Rússia. Anos depois houve uma nova tentativa de trazer os carros do Uruguai, também sem sucesso.

O Niva é um modelo valente no fora-de-estrada, conseguindo encarar as piores trilhas com boa desenvoltura. Mas os problemas de acabamento e na mecânica são muito mais freqüentes que o desejável… Dessa forma os fãs desse carro desenvolveram uma série de adaptações eficientes, que além de funcionarem bem são viáveis financeiramente.

Os exemplos são muitos. Do Fiat 147 temos as maçanetas de portas, maçaneta de abertura dos vidros, bomba de gasolina, filtro de óleo, hidrovácuo, cilindro mestre de freio e válvula equalizadora do freio, fusíveis, máquina de vidro, borrachas do sistema de escapamento, guarnição da tampa traseira (também serve a da Brasília) e chave de seta.

Mas algumas peças podem vir de outros modelos: a guarnição do pára-brisa, por exemplo, é do Passat ou da Kombi, devidamente encurtada; a palheta do limpador é a mesma empregada na porta traseira do Uno; a malfadada mola a gás da tampa do porta-malas pode ser substituída pela do Ford Ka, Monza hatch, Palio ou Kombi; o descansa-braço vem do Passat; o quebra-sol, do Corcel II.

Na mecânica as opções também são muitas: correia do alternador vem do motor VW AP; cilindro de roda traseiro é Fiorino; alternador vem do Tempra, motor de arranque do Santana, retentores de válvula do motor AP, carburador pode ser o Weber 460 (do motor CHT e linha Fiat), amortecedores dianteiros são do Opala e os traseiros são da Pampa ou Kombi a partir de 1976, as molas dianteiras são do Opala ou Del Rey e as traseiras do Corcel II ou Del Rey 1,8-L, cabo do velocímetro é do Passat e o reservatório do fluido de freio é do Fusca.

Quebrou um farol? Não se preocupe. Use os mesmos do Chevette até 1980. E até mesmo os caminhões podem servir de “doadores”, pois vem do VW 11.130/13.130 ou 6.90 o cilindro superior de embreagem.

Com isso fica mais fácil manter o Niva sempre rodando. E sem ter de gastar muito ou deixar o carro encostado numa oficina.

Comprando um Niva usado

Modelos com extensas mudanças de carroceria, como recortes nos pára-lamas, pára-choques removidos, buracos realizados para a colocação de acessórios etc. devem ser evitados a todo custo. Como fora-de-estrada, o Niva acaba sofrendo esse tipo de modificação, que na verdade apenas torna mais difícil seu uso e eventual recuperação. Fuja também de unidades equipadas com sistema de roda-livre, pois estão mais sujeitas a problemas. O Niva é um 4×4 permanente e deve ser mantido dessa forma.

A Lada fabricava quase tudo em seus modelos e não adquiria peças de fornecedores, como todas as fábricas fazem ao redor do mundo. Dessa forma os problemas de qualidade com relação à montagem e às próprias peças se constituíam num dos pontos fracos desse modelo. Atente para rachaduras no painel e componentes do sistema de ventilação, plásticos quebrados, além das forrações.

Verifique se a tração 4×4 está operando perfeitamente e se o sistema de engate da reduzida está funcionando (quando engatada o carro transmite a sensação de força, além de ficar mais lento). Encoste o Niva em um meio-fio mais alto, engate a primeira mais a reduzida e veja se o carro “escala” o obstáculo sem trancos ou vibrações.

Mais uma fraqueza do modelo russo, devido à qualidade da chapa empregada e do tratamento que sofriam, é a corrosão. Um exame cuidadoso deve ser feito nas caixas de ar – sob as portas – extremidades dos pára-lamas dianteiros e traseiros, além do assoalho em geral, incluindo o porta-malas. Carros com marcas de solda, massa plástica e pintura em mau estado nessas regiões devem ser evitados.

Verifique se na saída de escape há uma espécie de borra: sua presença é sinal que anéis ou retentores de válvulas estão com problemas. Cuidado também com barulhos metálicos na parte superior ou na inferior do motor, sinal de problemas no cabeçote e mancais do virabrequim, respectivamente.

Com o veículo em movimento, engate uma marcha alta (quarta, por exemplo) com velocidade baixa e reacelere o veículo. O Niva deve retomar velocidade tem trancos e vibrações excessivas. Ou, com o carro parado e o motor ligado, coloque a alavanca de redução na posição neutra e engate todas as marchas sem usar a embreagem (com exceção da ré), que devem entrar sem nenhum esforço.

Fotos

Lada Niva

Lada Niva

Lada Niva

Lada Niva

Lada Niva

Lada Niva

Lada Niva
Lada Niva

Fonte: www.webmotors.com.br

Veja também

História da Tucker

História da Tucker, 48, Carro, Preston, Empresa, Torpedo, Automóveis, Sedan, Motor, Características, Fotos, História da Tucker

Tucker Torpedo

Tucker Torpedo, Carro, História, Preston, Motor, Automóvel, Sedan, Velocidade, Características, Fotos, Tucker Torpedo

Willys Interlagos

Willys Interlagos, Carros, Modelos, História, Brasil, Versão, Velocidade, Motor, Autódromo, Berlineta, Conversível, Willys Interlagos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.