Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Automóveis / História da DeLorean

História da DeLorean

PUBLICIDADE

História da DeLorean
De Lorean e o carro: mitos!

Filho de imigrantes, John Zachary De Lorean ainda trabalhava como operário na Ford quando se formou engenheiro mecânico. Assim, se credenciou para assumir a chefia do departamento de pesquisas e desenvolvimentos da Packard, onde permaneceu por 27 anos.

Depois, procurou novos horizontes profissionais na GM, onde assumiu a diretoria de engenharia da Pontiac, uma divisão considerada deficitária. Entretanto, com ambição e criatividade, retira a empresa do buraco. Uma de suas criações, o legendário GTO, lançado em 1963, vende mais de 30.000 unidades em apenas 11 meses.

Levado pelo sucesso, em 1969, assume a gerência geral da Chevrolet, que não passava por um bom momento. Com um trabalho desenvolvido junto aos revendedores e projetistas, criou o Vega, para combater o Ford Pinto e o Gremlin, da American Motors.

O carro não fez o sucesso esperado, mas abriu as portas de um novo segmento para a GM.

Com a incrível marca de 3 milhões de unidades vendidas, em 1971, foi indicado para o cargo de diretor de operações da GM nos Estados Unidos. Segundo prognósticos da mídia especializada, chegaria a presidente da companhia em dois anos, com a aposentadoria de Edmund Cole.

Nesse período, apresenta o DMC-12 para a diretoria da GM, que recusa a ideia. Vaidoso, renuncia ao cargo, deixando para trás um salário de 650.000 dólares anuais, para investir no próprio projeto.

Em 1975, consegue todo o dinheiro necessário para colocar a ideia em prática. Centenas de revendedores se comprometeram em vender o carro, pagando antecipadamente por eles. Inclusive, três sheiks árabes encomendam uma série especial do carro, com a parte externa banhada a ouro.

Depois de um acordo com o governo britânico, instalou sua fábrica na Irlanda do Norte.

O primeiro De Lorean deixou a linha de produção em 1981, desenhado por Giorgeto Giugiaro e desenvolvido por Colin Chapman, o mago da Lotus.

História da DeLorean
Na vanguarda, com design criado pelo italiano Giorgeto Giugiaro

O chassi, construído em fibra de vidro e espuma de uretano saturado de resina, era envolvido por uma carroceria de aço inoxidável. As portas, no formato “asas de gaivota”, davam um ar futurista ao carro.

Internamente, o De Lorean contava com bancos de couro, instrumentação completa e amplo espaço para duas pessoas.

Debaixo do capô, um V6 híbrido de 145 cv, construído com diversos componentes de Renault, Peugeot e Volvo, dotado de injeção eletrônica desenvolvida pela Lotus na F1.

História da DeLorean
A parte técnica foi desenvolvida por Colin Chapman e Lotus

Com tantos predicados, o preço do carro extrapolou, tornando-se mais caro que seus concorrentes diretos. O governo britânico havia gastado 156 milhões de dólares no projeto, e o executivo pedia mais dinheiro.

Londres recusou e, no começo de 1982, a empresa entrou em processo de concordata. O empresário, desesperado, tenta reverter a situação, dispondo-se a financiar um carregamento de quase 200 quilos de cocaína, que lhe renderiam pelo menos 50 milhões de dólares.

O sonho de John De Lorean foi enterrado quando o FBI encontrou a droga dentro de seus carros no porto de Miami. O governo britânico fecha a fábrica, ao mesmo tempo que agentes federais liam a De Lorean os seus direitos constitucionais. De um apartamento do Sheraton Plaza, levavam-no para a Casa de Vidro, uma prisão de Los Angeles.

História da DeLorean
Uma das estrelas da sequência “De Volta Para o Futuro”

Foi liberado horas depois, por falta de provas. Infelizmente, De Lorean acabou por sujar o nome dos seus sócios, entre eles Colin Chapman. O famoso construtor inglês torna-se alvo de investigações da policia inglesa, suspeito de apropriar-se de parte do dinheiro. Ainda naquele ano, morre subitamente, vítima de um ataque cardíaco.

Sua morte é cercada de grande mistério, já que não houve velório. Muitos suspeitam de que tudo foi armado para que Chapman fugisse para o Brasil. Tempos depois, a prisão de seus sucessores na Lotus é decretada pela justica inglesa.

O carro participou do filme “De Volta Para o Futuro”, de Steven Spielberg, ganhando definitivamente o “status” de mito. Seu criador morre em 2005, em razão de complicações decorridas de um ataque cardíaco.

Fonte: www.motorpasion.com.br

História da DeLorean

John DeLorean – Biografia

John DeLorean nasceu em Detroit, Michigan, em 6 de janeiro de 1925. Depois de frequentar escolas públicas de Detroit para a maior parte de sua infância, ele foi aceito na Cass Technical High School, onde se matriculou no programa elétrica. No Cass Tecnologia ele se destacou e ganhou uma bolsa de estudos para Lawrence Institute of Technology (agora conhecida como Universidade Técnica Lawrence). Na faculdade, estudou engenharia industrial e foi aceito para a sociedade honra da escola, devido às suas excelentes notas. Durante a Segunda Guerra Mundial, seus estudos foram interrompidos quando ele foi convocado e teve que servir três anos no exército. Após seu retorno, ele voltou à escola para concluir o curso. Formou-se em 1948 com um Bachelor of Science em engenharia industrial.

Após a formatura, por recomendação de seu tio, ele aplicou a Chrysler e começou a trabalhar no Instituto de Engenharia Chrysler, que era uma instituição de ensino de pós-graduação que lhe permitiu trabalhar na área de engenharia automotiva sem deixar de promover a sua educação. Em 1952, graduou-se no Instituto Chrysler com um mestrado em engenharia automotiva, e ele, em seguida, se juntou a equipe de engenharia da Chrysler.

John DeLorean rapidamente fez-se indispensável para as empresas em que trabalhou para, como ele marcou o início de uma inovação atrás da outra. Depois de apenas um ano na Chrysler, que deixou de aceitar uma oferta de emprego a partir da Packard Motor Company, e depois de apenas quatro anos lá ele se tornou o chefe de pesquisa e desenvolvimento. Na década de 1960, DeLorean foi oferecido um emprego com GM e foi encarregado de reinventar a divisão Pontiac, que corria o risco de crescer obsoleto. Enquanto em Pontiac teve grande sucesso e produziu dezenas de inovações patenteadas, incluindo rodas de via larga, recesso e limpa pára-brisas articulados, e o sinal de turno. DeLorean também viu o desejo no mercado para um novo tipo de veículo com estilo e potência.

Em 1964, Pontiac introduziu o GTO, que foi projetado por DeLorean e para o qual ele é creditado como sendo o criador do “carro do músculo.” John DeLorean seguiu-se com o Firebird e Grand Prix descontroladamente popular, ambos introduzidos mais tarde que a década preencher nichos abertos que DeLorean percebidos no mercado.

Depois de inventar o carro do músculo, John DeLorean tornou-se a maior celebridade do mundo automotivo. Cada outro grande fabricante de automóveis americana seguiu o exemplo de DeLorean e saiu com suas próprias versões do musculares e pônei carros, a maioria dos quais foram muito bem-sucedida. Em 1973, ele renunciou GM e criou sua própria empresa automobilística, a DeLorean Motor Company. Em meados dos anos 1970, sua empresa projetou um carro esportivo de dois lugares chamado o DMC-12, conhecido simplesmente como o DeLorean, que é o que ele é mais conhecido por hoje. O carro não teve sucesso no mercado, no entanto, e o DeLorean Motor Company dobrado. Apesar desta falta de sucesso no mercado automotivo, o DeLorean se tornou famoso e imortalizado quando foi apresentado no filme de 1985 Back to the Future. John DeLorean morreu em Summit, New Jersey, em 2005, com a idade de 80.

Enquanto sua própria empresa teve sucesso limitado, muitas de suas idéias ainda pode ser visto na estrada hoje.

O DeLorean DMC-12

O DeLorean DMC-12 carro esporte 1981-83 é mais lembrado por suas portas flip-up e papel de destaque como o carro modificado para a viagem no tempo no popular filme “Volta para o Futuro”.

Não era um carro ruim, mas foi bastante lento, muito caro e chegou tarde demais para fazer muita mossa no mercado de carros esportivos.

Poucos americanos sabiam muito sobre o carro, que foi construído na Irlanda do Norte por uma empresa liderada pelo ex-alto executivo da General Motors chamativo John Z. DeLorean.

Somente 8.583 DeLoreans foram construídos antes de a empresa sair do negócio.

A história do DeLorean DMC-12 é quase tanto sobre John DeLorean, pois é sobre seu carro. Ele era um engenheiro de auto brilhante e o vice-presidente mais jovem da história da GM.

Alto, bonito DeLorean era um dos favoritos dos meios de comunicação.

DeLorean usava o cabelo longo, casou-se com várias mulheres belas e jovens e, muitas vezes dirigia carros esportivos estrangeiros exóticos em vez de Chevy Corvettes, quando os principais executivos da GM deveriam ser vistos em carros da GM apenas.

O Carro

O automóvel DeLorean é um carro esportivo que foi fabricado pela DeLorean Motor Company para o mercado americano em 1981 e 1982 na Irlanda do Norte. É mais comumente conhecido simplesmente como o DeLorean, já que foi o único modelo já produzido pela empresa.

A DMC-12 contou com portas asa de gaivota com um “arcos” de fibra de vidro, para que os painéis de aço não-estruturais escovado inoxidável foram afixados.

A DeLorean foi caracterizado como uma máquina do tempo de fabricação caseira na Voltar para a trilogia Futuro.

O primeiro protótipo surgiu em março de 1976, ea produção começou oficialmente em 1981 (com a primeira DeLorean saindo da linha de produção em 21 de janeiro) na fábrica DMC em Dunmurry, Irlanda do Norte.

Durante sua produção, várias características do carro foram alterados, como a Cobertura (Bonnet) estilo, rodas e interior.

Aproximadamente 9.200 DeLorean foram montados antes da produção parar no final de 1982.

Hoje, estima-se cerca de 6.500 ainda existem do DeLorean em todo o mundo.

História

Em outubro de 1976, o primeiro protótipo DeLorean (então denominado DMC-12) foi completada por William T. Collins, engenheiro-chefe da DeLorean Motor Company (tendo anteriormente trabalhado com John DeLorean em Pontiac e Chevrolet).

Originalmente, usina de energia montado na parte traseira do carro era para ser um motor Citroën, como visto neste primeiro protótipo, apesar de um motor rotativo Wankel também foi considerada.

Para a produção, foi utilizado um combustível franco-concebido e produzido PRV (Peugeot-Renault-Volvo) injetou V6. Collins e DeLorean imaginou um chassis produzidos a partir de uma tecnologia de fabricação de novo e não testado conhecido como Elastic Reservoir Moulding (ERM), que iluminaria o carro enquanto presumivelmente diminuindo seus custos de produção.

Esta nova tecnologia, para que DeLorean tinha comprado os direitos de patente, acabou por ser considerada inadequada no período de tempo disponível.

Estas e outras alterações ao conceito original levou a pressões consideráveis do cronograma.

O carro inteiro foi que obrigue a quase completa re-engenharia, que foi entregue ao engenheiro Colin Chapman, fundador e proprietário da Lotus.

Chapman substituiu a maioria dos materiais e técnicas de fabricação não comprovadas com os que estão sendo empregados por Lotus.

O chassis Backbone é muito parecido com o Lotus Esprit, e parte inferior da carroçaria foi fabricado usando vácuo assistida resina de injeção (VARI), um processo licenciado da Lotus ..

O design original corpo Giorgetto Giugiaro foi deixado praticamente intacta, assim como o distintivo exterior de aço inoxidável painéis de pele e portas de asa de gaivota.

O DeLorean Motor Company entrou com pedido de falência no final de 1982 depois da prisão de John DeLorean em outubro do mesmo ano sob a acusação de tráfico de drogas.

Mais tarde ele foi considerado inocente, mas já era tarde demais para o DeLorean para permanecer na produção.

As restantes partes do estoque da fábrica, as peças da garantia EUA Parts Centro, bem como partes dos fornecedores originais que ainda não tinham sido entregues à fábrica foram todos enviados para Columbus, Ohio, em 1983.

Uma empresa chamada Kapac vendido estes peças para os clientes de varejo e atacado por meio de ordem de correio.

Em 1997, a DeLorean Motor Company do Texas adquiriu este inventário. O corpo morre usado para carimbar os painéis de aço inoxidável únicas ou foram demolidos ou despejados no oceano, a ser usados como pesos para uma pescaria. Felizmente, milhares de novos painéis da carroçaria não utilizados permanecem, ea oferta de mais de todos eles é assegurado por muitos mais anos.

História da DeLorean
Primeiro DeLorean

História da DeLorean

História da DeLorean

História da DeLorean

Fonte: detroithistorical.org/www.deloreanmuseum.org

História da DeLorean

DeLorean – o homem, a companhia, o carro

História da DeLorean
John Zachary DeLorean

Em 1975, John Zachary DeLorean fundou a DeLorean Motor Company Ltd. com um objetivo em mente: “Desenhar e construir um carro que deve ser tão seguro quanto possível, confiável, confortável, prático e bem construído, que tenha um grande prazer ao dirigi-lo e com uma inconfundível elegância em sua aparência.”

DeLorean nasceu e foi criado em Detroit, Michigan, em 6 de Janeiro de 1925 e é formado em engenharia mecânica. Por toda a sua vida se envolveu com a indústria automobilística. Filho de uma famíla de baixa classe média dos Estados Unidos, cujo pai era operário de fundição da Ford, cedo em sua carreira foi chamado para ser o engenheiro chefe da Pontiac. Ficou conhecido por ter trazido a vida o Pontiac GTO em 1964.

DeLorean teve uma brilhante carreira na Pontiac, e em 1969 foi promovido para Gerente Geral da Chevrolet. Nos poucos anos seguintes, ele fez evidentes melhorias para a área de design e qualidade da Chevrolet. Então em 1973, DeLorean foi promovido para vice-presidente das divisões de automóveis e caminhões da General Motors americana. Ele foi indicado para ser o próximo presidente da GM, mas devido a constantes desavenças com a administração da GM, ele saiu da empresa.

História da DeLorean
John Z. DeLorean na Pontiac, em 1964

Livre da GM, DeLorean foi tentar realizar seu sonho de tornar o DeLorean DMC-12 uma realidade, encabeçando um império de negócios financiado por US$ 500 milhões de outras pessoas. Começou contratando os melhores engenheiros, designers, e a construir sua fábrica em Dunmurry, perto de Belfast, Irlanda do Norte (a fábrica ia ser em Porto Rico, mas a Grã Bretanha ofereceu mais dinheiro). Contou com a ajuda de Colin Chapman, da Lotus, no desenvolvimento do carro, e de Giorgio Giugiaro (o mesmo que desenhou o BMW Nazca,Lotus Esprit, VW Golf, Fiat Uno e o novo Fiat Palio), da ItalDesign , no design do carro. DeLorean planejou estrear o carro em 1978, mas ele fez sua estréia em 1981. Veja a planta da fábrica .

História da DeLorean
Fábrica da DeLorean Motor Company em Dunmurry, Irlanda do Norte

O primeiro protótipo saiu em 1975, tinha o motor 2.0 do Citroën CX de quatro cilindros e 102 cv de potência. DeLorean o achou muito fraco para o carro e decidiu trocá-lo pelo Peugeot-Renault V6 de 2850 cc, com comando de válvulas e cabeçote Volvo e 145 cv (SAE) de potência.

A seguir a lista dos carros em que o PRV foi usado (além do DeLorean):

Alpine A310/A610/GT
Citroën XM * Dodge Monaco
Eagle Premier
Lancia Thema
Peugeot 504 Coupé/504 Cabriolet/505/604/605
Renault 25/30/Espace/Laguna/Safrane
Talbot Tagora
Volvo 260/760 GLE/780
Venturi Atlantique

Uma curiosidade: o PRV iria ter uma versão V8, mas foi cancelada por causa da crise energética de 1973. O motor PRV foi fabricado de 1974 a 1998 e foram produzidos 970315 motores.

O DMC-12 tinha um preço por volta de US$ 28.000 e tinha como característica as portas asa-de-gaivota, motor traseiro, vigia traseira em persianas (copiada do Lamborghini Miura e do Lancia Stratos), e a carroceria de aço inoxidável. O interior era disponível em preto ou cinza, com bancos de couro, vidros verdes e espelhos elétricos, ar condicionado, painel completo e coluna de direção ajustável.

No conceito de John DeLorean o DMC-12 era o “carro ético”, produzido para ter vida longa e dar muita segurança aos seus passageiros. Tudo começava com um chassi construído por meio de um processo de moldagem em fibra de vidro e espuma de uretano saturado de resina, o ERM (Elastic Reservoir Molding). O resultado foi um chassi leve mas forte, encimado pela carroceria de aço inoxidável. Os painéis exteriores de aço inoxidável (oito vezes mais caro que o aço estampado comum) são fixados com parafusos, preferidos em lugar de solda, para facilitar reparos. As portas asa-de-gaivota foram escolhidas por motivo de segurança (têm menor tendência a se obstruir em uma colisão) e por motivo de estética, pois dava um toque diferente ao carro.

Além de muito bom, o carro era relativamente fácil de manter, graças a peças comuns a vários modelos do mercado europeu, encontradas sem problemas até hoje. O aço inoxidável de sua carroceria não precisa de pintura ou cera, a única preocupação eram os arranhões, elimináveis com a ajuda de uma escova de palha de aço especial. O espaço interno é amplo, reflexo direto do tamanho de seu criador, um homem de 1,90 m de altura.

O aço inoxidável fazia de John DeLorean um pouco parecido com Henry Ford, que não admitia outra cor para seus carros que não o preto: o DMC-12 pode ser escolhido na cor que o proprietário quiser – desde que seja o aço levemente amarelado, cujos tons variam suavemente com a luz do céu.

As vendas iniciais do DMC-12 foram excepcionais. Mas em 1982 as vendas caíram drasticamente e forçou De Lorean a procurar apoio financeiro. Não sendo capaz de fazer mais nada, a De Lorean Motor Company Ltd foi à falência em 1983. A DeLorean Motor Company Ltd produziu aproximadamente 8600 DMC-12 entre 1981 e 1983.

Há muitas contradições sobre a falência da DeLorean Motor Company Ltd (na verdade ela entrou em concordata). John Z. DeLorean aplicou suas economias numa pesada importação de cocaína com o valor de US$ 25 milhões na última tentativa de salvar seu sonho. Como não podia deixar de ser, infelizmente deu tudo errado. DeLorean foi preso na cela 2 B4 da Casa de Vidro, uma prisão de Los Angeles e solto dez dias depois por falta de provas. Na véspera do Natal de 1982, o DeLorean DMC-12 saiu de linha para entrar na História do automóvel, se tornando um mito – e entrando também para a glória de Hollywood na trilogia De Volta para o Futuro.

História da DeLorean
John DeLorean em 2002

John Zachary DeLorean é considerado um dos maiores aventureiros que já teve na indústria automobilística mundial, assim como Preston Tucker.

Foi casado com Cristina Ferrare e teve dois filhos: Zachary e Kathryn e morava em New Jersey.

Uma curiosidade: seu carro era um Acura NSX (ou Honda NSX) amarelo.

Morreu na noite de 19 de março de 2005, em razão de complicações decorridas de um recente ataque cardíaco. Sua morte foi um choque aos donos e fãs de sua mais famosa criação, o seu sonho, o DMC-12.

O mito se foi, mas o continuamos vivendo o sonho, sempre!

História da DeLorean
John Z. DeLorean e sua esposa Cristina Ferrare. Atrás deles, o primeiro protótipo do DMC-12

Em 1997 um inglês chamado Steve Wynne comprou os direitos da DeLorean Motor Company e um armazém da mesma em Houston, Texas e vende DMC-12 restaurados. Agora ele vem com o motor PRV V6 agora com 197 cv de potência (opcional), faróis de xenônio e CD changer com sistema de navegação como opcionais e custa aproximadamente US$ 35.000,00 (com motor de 145 cv,ar condionado, coluna telescópica ajustável em distância e altura, trio elétrico,rodas de liga leve, 6 meses de garantia, tudo de série) o modelo básico e até US$ 48.895,40 o modelo completo.

Fonte: www.deloreaneskoda.hpg.ig.com.br

História da DeLorean

História da DeLorean
O projeto DSV, de um carro muito seguro, evoluiu para o DMC-12, cupê com carroceria de aço inoxidável, portas “asas de gaivota” e motor V6

O mundo do automóvel está cercado de cidades-símbolo muito importantes. Na Itália falamos de Milão e nos vem à cabeça a Alfa Romeo; Turim nos traz a Fiat, a Abarth e a Lancia; a Ferrari está na mítica Modena. Na Inglaterra temos em Coventry a sede da Jaguar e Crewe até hoje abriga a Bentley. Na França, Sochaux é sinônimo de Peugeot e, na Alemanha, Stuttgart remete a Mercedes-Benz e Porsche, enquanto Munique é sede da BMW. Nos Estados Unidos, Detroit — no estado de Michigan, no norte do país — foi a “capital do automóvel” em termos mundiais por muito tempo.

Estão lá a Ford (em Dearborn, na região metropolitana) e a General Motors, que reunia as divisões Chevrolet, Oldsmobile, Buick, Pontiac e GMC. E foi lá também que nasceu John Zachary DeLorean, em 6 de janeiro de 1925. Era filho de Zachary Delorean, de descendência romena, e Kathryn Pribak, de origem húngara, e viviam numa pequena casa de classe média baixa. John, o mais velho de três irmãos, desde cedo se mostrou um aplicado aluno, com destaque para as ciências exatas. O pai, operário das fundições da Ford, de uma forma ou outra influenciou a carreira do filho.

Seu ensino médio foi na Cass Technical High School, em Detroit, que teve outro prestigiado aluno que amava automóveis: Preston Tucker.

História da DeLorean
O projeto DSV, de um carro muito seguro, evoluiu para DMC-12

Entre 1942 e 1945 DeLorean prestou serviço militar e serviu na guerra. Teve que interromper seus estudos de engenharia mecânica no Instituto de Tecnologia de Lawrence, que conseguiu concluir em 1948. Dois anos depois, aos 25 de idade, estava sedento por mais conhecimento e ingressava no MS Automotive Engineering ou Chrysler Institute. Trabalhou na empresa sem muito entusiasmo e, em 1952, foi trabalhar na Packard com o amigo e chefe de engenharia Forest McFarland, criador da caixa automática Ultramatic. Em 1954 terminava seu MBA na Universidade de Michigan e casava-se com Elizabeth Higgins.

Em 1956 já sabia dos problemas da companhia, que partilhava as linhas e plataformas com a Studebaker, e recebeu um convite para trabalhar na maior empresa dos EUA e maior produtora de automóveis do mundo. Era a grande chance de uma bela carreira na General Motors. O convite veio de Semon E. “Bunkie” Knudsen, graduado em engenharia no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e filho de um ex-presidente da GM, William S. Knudsen. Bunkie era o responsável pela divisão Pontiac e havia muito seguia os trabalhos de jovens engenheiros. Treze anos mais velho que John Zachary, sabia muito bem “caçar” talentos para o grupo.

A Pontiac na época era tida como uma marca de carros para senhores sisudos e sérios. Quem gostava da marca eram os tradicionais, não havia gente nova. Essa fleuma tinha de ser mudada. A Chevrolet era a mais popular, a Buick e a Oldsmobile tinham seu público cativo na classe média e a Cadillac era para os sofisticados. Faltava uma divisão com esportividade e jovialidade, aliadas à discrição, sem ter que ousar demais e aproveitando o uso de componentes de outras marcas. Em 1957 a Pontiac tinha os modelos Bonneville, Catalina, Skychief, StarChief e a perua Safari.

Os primeiros anos de DeLorean na divisão foram bons. Aperfeiçoou os automóveis nas partes de transmissão e de freios e em 1961 já era o chefe de engenharia.

Um novo projeto estava em andamento e DeLorean estava engajado nele: o compacto Tempest, com a nova imagem da marca que se prolongaria por anos – a grade dianteira separada. Em 1964 um carro lançado sob a tutela desse engenheiro audaz mudaria o cenário norte-americano.

O Tempest recebia um motor V8 de 389 pol³, ou 6,4 litros, e assumia a denominação GTO. Nascia o primeiro muscle car, ou carro musculoso, do país. Fez surgir toda uma tendência de carros compactos — para os padrões de lá — com motores grandes e muita potência. Dentro do próprio grupo, Buick, Oldsmobile e Chevrolet seguiram a receita à risca, assim como as concorrentes Chrysler, Ford e American Motors. A febre durou uma década até sucumbir à crise do petróleo e às normas de emissões.

Em 1965 DeLorean colhia frutos desse pioneirismo, pois era nomeado diretor geral da divisão. Estava com 40 anos, tinha muito prestigio no meio empresarial e também na alta sociedade norte-americana. Seu nome e seu rosto eram vistos em revistas e semanários famosos da época como Time, People e até na Rolling Stone. Fazia muito sucesso em Nova York e em Los Angeles, na jovem e próspera Califórnia. A linha Pontiac era então composta por Tempest, Le Mans, GTO, Catalina, Star Chief, Bonneville e Grand Prix. Todos tinham vários tipos de carroceria e motores para atender a uma vasta clientela. Dois anos mais tarde estreava o Firebird, derivado do Chevrolet Camaro e outro passo decisivo da Pontiac rumo ao público jovem.

Em 1969 a dupla GTO/Firebird fazia enorme sucesso. O Le Mans, também de responsabilidade de DeLorean, era muito bem vendido. No mesmo ano o engenheiro ia para o segundo casamento, com a bela atriz Kelly Harmon, irmã do ator hollywoodiano Mark Harmon. Também seria colocado no posto de diretor da Chevrolet, a principal divisão do grupo GM. O prestígio era grande, assim como a responsabilidade, pois estava incumbido de renovar o esportivo Camaro e lançar o compacto Vega, que tinha como responsabilidade enfrentar os japoneses.

Bunkie não estava mais com as rédeas da GM — comandava bem a concorrente Ford. Em seu lugar estava Edward Nicholas Cole, o pai do Corvair.

Sério e centralizador: gostava de ter o poder nas mãos e controlava seus subordinados com muita vigilância, o que não agradava a DeLorean. Este se entediava muito numa função de pouca criação e muita administração.

Mesmo assim as vendas iam bem para a Chevy e, mais uma vez, DeLorean subia de posto: tornava-se vice-presidente da divisão de automóveis e de veículos industriais em 1972.

Insatisfeito, até com a vida particular, divorciava-se da segunda esposa e da GM em 1973. No caso da empresa, especulou-se na época que um relatório de sua autoria sobre a qualidade dos carros do grupo, um documento muito secreto, caiu em mãos erradas e tornou-se público. O todo poderoso Cole teria se sentido forçado a demiti-lo em abril. No mesmo ano DeLorean casava-se com a bela modelo Christina Ferrare e pensava em um carro para dar inveja a europeus e japoneses. Algo novo, inédito em todos os sentidos. Publicamente estava muito bem e voltava a freqüentar as manchetes de importantes jornais e revistas.

Estava saudoso de antigos projetos próprios não aprovados pela GM, como o belo Pontiac Banshee do Salão de Detroit de 1966, em que parte das portas se abria para cima como as do Mercedes-Benz 300 SL. Começou a juntar uma boa equipe e dinheiro, pois ia precisar de muito, muito mais que sua fortuna. O carro teria, além de uma esportividade fora do comum, elevada segurança ativa e passiva. Para o desenho do novo carro, que levaria seu sobrenome, contou com a prestigiada ajuda de Giorgetto Giugiaro dos estúdios da Italdesign, em Turim. Na carroceria em aço inoxidável aparecia a sigla DSV (DeLorean Safety Vehicle, veículo de segurança).

Dois sócios importantes estavam na empreitada, que não seria fácil: o governo de Porto Rico e o milionário saudita Akram Ojjeh, principal fundador do grupo TAG (Techniques d’Avant Garde) e acionista de importantes empresas do mundo da mecânica nos EUA e na Europa. Feito um estudo de vendas, contudo, ficou comprovado que dificilmente o carro venderia bem e a empresa se faria lucrativa. Ambos se retiraram. O ex-homem da Pontiac, muito bem relacionado e determinado, chegou a ter entendimentos com o governo da República da Irlanda, em Dublin, mas foi na Irlanda do Norte, em Belfast, que conseguiu um local para a fábrica de automóveis. O governo ficou entusiasmado pela quantidade significativa de empregos. Cerca de US$ 100 milhões foram gastos na época. O projeto do engenheiro Bill Collins avançava e recebia preciosa ajuda do mago inglês Colin Chapman.

No fim de 1980 foi apresentado no Salão de Birmingham, na Inglaterra, o DMC-12, evolução do projeto DSV.

Chegava ao mercado norte-americano no princípio de 1981 custando mais que o dobro do previsto: US$ 25 mil. Era um carro bonito, muito moderno e relativamente potente, com carroceria de aço inox e o motor V6 PRV, de uma parceria entre Peugeot, Renault e Volvo. O próprio DeLorean e a esposa Christina faziam a publicidade na imprensa. Vinha para concorrer com Corvette, os japoneses Datsun 280Z e Mazda RX-7 e os alemães Mercedes-Benz 380 SL e Porsches 911, 924 Turbo e 928.

As vendas começaram bem, mas no fim do ano já estavam muito abaixo do esperado.

As coisas iam de mal a pior: funcionários de cargos mais altos saíam da sociedade e o governo britânico, enxergando com clareza o fracasso, resolveu fechar as portas, apesar da insistência de DeLorean ao apresentar projetos revolucionários de um sedã e até de um pequeno ônibus.

Ao todo 7.409 carros foram produzidos. Do outro lado do Atlântico, num episódio que nunca ficou claro e mais pareceu uma cilada, John foi preso acusado de tráfico de cocaína em Los Angeles. Nada foi provado e o engenheiro sonhador foi solto.

História da DeLorean
John Zachary DeLorean

Em 19 de março de 2005, aos 80 anos, John Zachary DeLorean falecia em Summit, em New Jersey, não muito longe de sua Detroit natal, vítima de um derrame cerebral e de complicações cardíacas. Estava trabalhando num projeto de um relógio de alto luxo. Como Preston Tucker, a história se repetiu e mais um sonho terminou sem sucesso. Seu legado está na trilogia De Volta para o Futuro, em que o carro aparece como máquina do tempo, e em cerca de 6.000 unidades que ainda rodam. Sua filha Kathryn Ann DeLorean, nascida em 1977 da união com Christina, sempre posa orgulhosa na obra eterna do pai.

Fonte: www2.uol.com.br

História da DeLorean

O sonho de aço

História da DeLorean
DeLorean construiu um carro inovador em aço inoxidável. Deveria durar muito, mas só viveu dois anos

Um carro com carroceria feita em aço inoxidável foi fabricado na Irlanda do Norte, em Dunmurray, a 10 quilômetros do centro de Belfast, a capital. Lá, de 1981 ao final de 1982, funcionou a DeLorean Motor Company (DMC).

Foi fundada em 1973, em plena crise mundial do petróleo, mas seus automóveis só ganharam as ruas no começo da década de 80. Seu fundador John Zachary DeLorean, bem-sucedido executivo da General Motors, fez uma carreira brilhante na Packard, no início dos anos 50, e depois no grupo GM, onde ingressou com apenas 24 anos de idade. Na divisão Pontiac, chegou a engenheiro-chefe, e na Chevrolet, diretor-geral. Na Pontiac criou e desenvolveu o projeto dos famosos GTO e, mais tarde, a linha Grand Prix. Chegou à vice-presidência da GM.

Mas John DeLorean não estava contente, apesar do gordo salário anual de 650 mil dólares.

Ele queria mais, tinha um sonho: ter sua fábrica de automóveis e até ensinar a GM como se faz um carro.

A idéia do novo carro-esporte, com carroceria em aço escovado, foi brilhante. Chamava-se DMC-12. O desenho era inovador, mas empregava soluções de carros do passado. As portas em asa-de-gaivota eram baseadas nas do Mercedes-Benz 300 SL. O vigia traseiro em persianas já tinha sido adotado no Lamborghini Miura e no Lancia Stratos, só para citar os mais famosos.

O responsável pelo projeto foi o famoso Giorgio Giugiaro, que já tinha realizado obras de arte como o Miura, o De Tomaso Mangusta, o Maserati Ghibli, o Fiat Dino e o Lotus Esprit. Reunia soluções como a carroceria em aço escovado, chassi Lotus em Y e motor PRV (Peugeot-Renault-Volvo) com seis cilindros em V e 2,8 litros, que em princípio seria adotado na posição central mas depois, por problemas técnicos, ficou alojado atrás do eixo traseiro, com câmbio do Renault Alpine A 310. Além de muito bom, o carro era relativamente fácil de manter, graças a peças comuns a vários modelos do mercado europeu, encontradas sem problemas até hoje.

John DeLorean queria um carro para durar de 20 a 25 anos e que não ficasse obsoleto em pouco tempo. No primeiro protótipo foi utilizado um motor do Citroën CX, de dois litros e 102 cv. Mostrou-se antiquado e fraco para as características do esportivo. O carro deveria ser leve, mas a realidade era outra.

O motor PRV se mostrou mais adequado. Era um ótimo propulsor, equilibrado, robusto e moderno, mas não chegava a entusiasmar no DMC-12. Tinha um desempenho modesto se comparado a seus concorrentes. John DeLorean visava aos compradores de Corvette nos EUA, seu mercado de ataque, mas seu carro não andava muito mais que um Mustang V8, de desempenho inferior ao esportivo da Chevrolet. O carro de aço fazia de 0 a 100 km/h em 9,5 segundos e chegava a quase 200 km/h.

Com 65% do peso na traseira, o comportamento do carro era bom e não era difícil de ser dirigido. Mas o motor traseiro, apesar do sucesso dos Porsche 911 nos EUA, não agradava muito aos americanos pela má fama deixada pelo Chevrolet Corvair.

Quando o carro começou a ser vendido, a publicidade dizia “DeLorean – Viva o sonho”. A nova atração na indústria automobilística chamava a atenção. Era um carro bonito, com quatro faróis retangulares na dianteira, grade com frisos pretos horizontais e logotipo DMC ao centro. Visto de lado era notável seu perfil baixo, com dois vidros laterais separados por uma pequena grade preta vertical. As rodas raiadas tinham um desenho simples e discreto.

Na traseira, grandes lanternas em segmentos quadriculados. Ao centro, um painel preto e, acima na tampa traseira, um discreto aerofólio e a vigia em forma de persianas. Quando abertas as portas, capô e porta-malas, impressionava muito.

O revestimento dos bancos, forrações e volante era todo em couro. Trazia toca-fitas, ar-condicionado, vidros verdes, painel com boa instrumentação — enfim, tudo que um carro de luxo da época podia oferecer. Mas era um carro caro face à concorrência, por ter características exclusivas.

Alguns donos cansaram-se da única cor oferecida e pintaram por conta própria seus carros. Foram fabricados 7.400 modelos em 1981 e, até o fechamento da fábrica no final de 1982, outras 1.800 unidades. Os estudos de mercado não foram bem feitos e os carros encalharam nas concessionárias.

Mas marcou por ter um estilo próprio, soluções de estilo interessantes, mesmo que não fossem originais, e causou certo furor. Hoje são bem procurados por colecionadores e valem cerca de 30.000 dólares se bem conservados. Não têm problemas de ferrugem…

Há muita controvérsia sobre o fechamento da fábrica fundada por John DeLorean. Ele fez vários acordos com o governo britânico, prometendo inclusive reduzir os problemas sociais da Irlanda. Envolvimento com drogas para saldar dividas, pressão de grandes fábricas e outros fatores, que nunca ficaram claros e muito menos provados, causaram o fim deste automóvel único.

Seu idealizador foi considerado um dos maiores aventureiros da história do automóvel.

Ficha técnica básica:

MOTOR – longitudinal traseiro; 6 cilindros em V; 2 válvulas por cilindro.
Cilindrada:
2.850 cm3.
Taxa de compressão:
8,8:1. Injeção de combustível Bosch K-Jetronic.
Potência máxima:
141 cv.
CÂMBIO
– manual, 5 marchas, ou automático, 3 marchas; tração traseira.
RODAS
– dianteiras, 14 x 6 pol; traseiras, 15 x 8 pol.
DIMENSÕES
– comprimento, 4,267 m; altura, 1,140 m; peso, 1.233 kg; porta-malas, 400 l.
DESEMPENHO
– velocidade máxima, cerca de 200 km/h; aceleração de 0 a 100 km/h, 9,5 s.

Fonte: www.geocities.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Cadillac Self-Starter

Cadillac Self-Starter, Construção, Sistema, Motor, Arranque, Partida, Elétrica, Dispositivo, Inovação, História, Cadillac Self-Starter

História da Cadillac

História da Cadillac, Carro, Marca, Modelos, Fabricação, Motor, Empresa, Construção, Logo, Veículos, Automóveis, História da Cadillac

Aero Willys

Aero Willys, Carros, Brasil, Versão, Veículos, Velocidade, Modelo, Características, Linha, História, Fotos, Aero Willys

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+