Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Automóveis / Chevrolet Monza

Chevrolet Monza

1987 CHEVROLET MONZA S/R

PUBLICIDADE

Na década de 1980, o Grupo GM implantou sua idéia de carro mundial com seu Projeto J: na Europa, deu origem ao Opel Ascona; nos EUA, Chevrolet Cavalier e Cadillac Cimarron.

E no Brasil, o Ascona virou o Monza, apresentado em 1982 na carroceria hatchback de três portas e motor transversal (o segundo carro nacional com essa configuração) 1.6 de 76 cv, que lhe dava um desempenho modesto.

Em 1983, era apresentado o motor 1.8 de 86 cv e pouco tempo depois, o elegante sedã de quatro (e depois duas) portas, que se tornou líder de vendas por três anos consecutivos (1984-1986).

Em 1985, foi apresentado a versão esportiva S/R, na carroceria hatchback, com faróis de neblina, aerofólio traseiro, pintura preta na parte inferior do carro, frisos e logotipos vermelhos, câmbio com relações mais curtas e motor 1.8 de 106 cv.

No ano seguinte, o Monza ganhava motor 2.0, e a GM encerrou a produção do hatchback, investindo apenas na versão sedã.

Chevrolet Monza
Monza hatch S/R

MOTORIZAÇÃO
Motor POWERTECH, 2.0, 4 cilindros em linha, 8 válvulas (2 por cilindro), carburador de corpo duplo, álcool
Cilindrada 1.998 cm³
Potência 110 cv a 5.600 rpm
Potência Específica 55 cv/litro
Torque 17,3 kgfm a 4.000 rpm
CARROCERIA
Comprimento 4.264 mm
Peso 1.140 kg
Largura 1.668 mm
Porta-Malas 448 litros
Altura 1.358 mm
Tração Dianteira
Freios Discos sólidos na dianteira e tambores na traseira
Câmbio Manual de 5 marchas
DESEMPENHO
Velocidade Máxima 172 km/h
Aceleração 11,0 segundos

1990 CHEVROLET MONZA CLASSIC 500EF

Chevrolet Monza
MONZA CLASSIC 500EF

MOTORIZAÇÃO
Motor POWERTECH, 2.0, 4 cilindros em linha, 8 válvulas (2 por cilindro), injeção multiponto, gasolina
Cilindrada 1.998 cm³
Potência 116 cv a 5.400 rpm
Potência Específica 58 cv/litro
Torque 17,8 kgfm a 3.000 rpm
CARROCERIA
Comprimento 4.366 mm
Peso 1.160 kg
Largura 1.668 mm
Porta-Malas 510 litros
Altura 1.358 mm
Tração Dianteira
Freios Discos ventilados na dianteira e tambores na traseira
Câmbio Manual de 5 marchas
DESEMPENHO
Velocidade Máxima 172 km/h
Aceleração 10,8 segundos

Lançado em 1982, como hatchback de três portas, o Monza só começou a fazer sucesso mesmo um ano depois, com lançamento do sedã.

Dotado de duas ou quatro portas, o três-volumes mantinha o estilo e lanternas traseiras do hatch de forma harmoniosa, com destaque para as delicadas entradas de ar nas colunas traseiras. Se tornou líder de vendas por três anos consecutivos (1984-86).

E o primeiro carro da GM brasileira com injeção eletrônica foi uma série especial do Monza em homenagem a vitória de Emerson Fittipaldi nas 500 Milhas de Indianapolis, EUA. O interior trazia revestimento em couro, vidros mais escuros, o primeiro rádio/toca-fitas removível do mercado.

Externamente, faixas decorativas e um discreto aerofólio traseiro o diferenciavam dos Monza “sem-injeção”. Durou apenas um ano, pois em 1991 era apresentado o Monza reestilizado, com injeção eletrônica.

1991 CHEVROLET MONZA CLASSIC

Chevrolet Monza
MONZA CLASSIC

MOTORIZAÇÃO
Motor POWERTECH, 2.0, 4 cilindros em linha, 8 válvulas (2 por cilindro), injeção multiponto, gasolina
Cilindrada 1.998 cm³
Potência 116 cv a 5.700 rpm
Potência Específica 58 cv/litro
Torque 17,8 kgfm a 3.200 rpm
CARROCERIA
Comprimento 4.493 mm
Peso 1.170 kg
Largura 1.668 mm
Porta-Malas 460 litros
Altura 1.358 mm
Tração Dianteira
Freios Discos ventilados na dianteira e tambores na traseira
Câmbio Manual de 5 marchas
DESEMPENHO
Velocidade Máxima 172 km/h
Aceleração 10,8 segundos

Lançado em 1983, o tricampeão de vendas sofreu uma reestilização em 1991.

A dianteira ficou mais longa e arredondada, com faróis de longo alcance incorporados ao grande conjunto óptico.

A traseira ficava mais reta e lisa (a placa foi para o pára-choque), com lanternas quase quadradas.

E a região central, permaneceu inalterada, com os quebra-ventos nas portas e calhas de chuva. Nenhuma mudança significativa no espaço interno e acabamento.

Na parte mecânica, injeção eletrônica, item já apresentado no Monza 500 EF. O Monza continuou vivo até 1996, quando foi substituído pelo Vectra de segunda geração.

Fonte: djjaragua.vilabol.uol.com.br

Chevrolet Monza

História

Em março de 1982 era lançado no Brasil o Chevrolet Monza, um hatch de 2 portas com motor 1.6 litro de 73 cv a gasolina, visual moderno e com poucos meses de defasagem em relação à versão alemã. A GM ganhava, enfim, um competidor à altura do VW Passat e do Ford Corcel II. O design era limpo com poucos vincos e frisos na carroceria além da grande área envidraçada.

O Monza não era só moderno por fora. Um dos seus atrativos internos era o painel de formato côncavo, contudo, o acabamento dos bancos estava abaixo do irmão europeu.

A parte mecânica do carro era uma verdadeira ONU. O câmbio vinha da Isuzu japonesa, o braço da suspensão dianteira da Holden australiana e o eixo traseiro da Opel alemã. O Monza era muito criticado pelo decepcionante desempenho. O único motor disponível, o 1.6 litro, era fraco para deslocar com agilidade os 1 035 kg do modelo. Ele levava 16 s para acelerar de 0 a 100 km/h e atingia a pífia velocidade máxima de 150 km/h. Esse problema foi resolvido em 1983 com o surgimento do propulsor 1.8 litro a gasolina que desenvolvia 86 cv de potência.

Com o novo motor, o Monza começava a agradar ao público brasileiro. No mesmo ano chegava ao mercado a versão sedã com 4 portas. Foi justamente esse modelo que levou o automóvel à liderança em vendas entre 1984 e 1986. Nunca, no Brasil, um carro médio, longe de ser popular, conquistou a liderança por três anos consecutivos. Usando o lema “time que está ganhando se mexe”, a Chevrolet apresentou em maio de 1985 o primeiro facelift do modelo.

Por fora, novo desenho nas calotas, e por dentro, painel de instrumentos com conta-giros, voltímetro e indicador de consumo do tipo vacuômetro. Para competir com o VW Gol GT, o Passat GTS, além do sonho de consumo dos jovens da época, o Ford Escort XR3, a Chevrolet lançou o Monza S/R com spoiler traseiro, rodas com pneus 195/60, pintura em duas cores e bancos esportivos Recaro.

Na onda do aumento de renda com a chegada do Plano Cruzado era lançado em meados de 1986 a nova versão de luxo do modelo, batizado de Classic. O carro vinha com faróis de neblina, rodas de alumínio raiadas e acabamento interno mais sofisticado. No mesmo ano surgia o propulsor 2.0 litros com 110 cv a álcool. Em 1989, era apresentado a série especial Monza Classic 500 EF, em homenagem a vitória de Emerson Fittipaldi nas 500 Milhas de Indianápolis. O modelo era o primeiro carro da marca a contar com injeção eletrônica de combustível, e competia com o VW Santana Executive, modelo de idêntica proposta da marca alemã.

Nos anos 90, o automóvel passou por grandes transformações com um design de frente longa e arredondada, traseira retilínea e parte central sem mudanças. Em 1994, o Vectra surgia para preencher o segmento médio de luxo e o Monza perdia espaço. Em 1996, com a chegada do Vectra nacional, o campeão Monza se retirava da guerra pelo sucesso.

O Monza

O Monza foi o resultado do projeto de carro mundial preparado pela GM, que teve início em meados da década de 70 na Europa e Estados Unidos.

Era o chamado Carro J, que teve várias versões ao redor do mundo, como os Pontiac Sunbird, nos Estados Unidos, Opel Ascona na Europa e Monza, por aqui.

Usando a mesma plataforma básica, havia diferenças estilísticas, de acabamento e motorização para cada mercado ao qual se destinava.

No Brasil foi lançado em maio de 1982, na versão hatch de duas portas e motor 1.6 a gasolina de 73 cv.

Na Europa havia outras versões, como hatch de quatro portas, sedan e até mesmo wagon, que nunca foi feita por aqui.

As versões inicialmente eram a básica e a SL/E, sendo que os destaques ficavam pela modernidade das linhas, da motorização, transversal – que apresentava cabeçote de alumínio, comando no cabeçote com distribuidor na ponta do comando, entre outras novidades para a época. Além disso, contava com amplo porta-malas, que ficava ainda maior com o banco traseiro rebatido. Eram muitos os opcionais, mesmo para a versão mais cara, entre ar condicionado, vidros verdes, rodas de liga-leve etc.

Logo no ano seguinte surge a versão sedan de quatro portas e motor 1.8 a gasolina, de 86 cv, que logo em seguida se estenderia para o hatch.

Em 1984 a GM lança o que seria um furor na época, o Monza duas portas com três volumes, que fez sucesso pela performance do motor 1.8 a álcool e pela boa penetração que a carroceria de duas portas e porta-malas “separado” apresentava na época. O carro era basicamente voltado para o mercado de carros mais luxuosos, mas deixava para trás, em termos de desempenho, carros esportivos como o Escort XR-3, da Ford, andando junto com Gol GT, Opala seis cilindros etc. Era realmente um bom carro. Ainda em 1984 surge o câmbio automático opcional.

Em 1985 a GM arma uma surpresa desagradável para o consumidor, dentro da condenável prática de lançar modelos renovados no mesmo ano-modelo. Ou seja, a empresa lança uma primeira “fornada” de veículos do ano-modelo seguinte, para depois criar uma fase II desse mesmo ano-modelo, desvalorizando sobremaneira os primeiros carros produzidos. Assim houve, nessa fase II, spoiler dianteiro modificado, calotas, bancos, painel de instrumentos e forrações redesenhados, entre outros detalhes.

Em fins de 1985, mais especificamente em setembro, a GM lança o esportivo S/R, com carroceria hatch, carburador de corpo duplo, bancos Recaro, rodas esportivas de aro 14, painel com fundo vermelho etc.

Em 1986 surge a versão top Classic, com vários detalhes diferenciados, como forrações mais nobres, opção de câmbio automático e pintura em dois tons, rodas de liga-leve, ar condicionado e direção hidráulica de série, entre muitos outros itens.

Em 1987 chega o motor 2.0, que passa a equipar o Classic e o S/R. No fim deste mesmo ano o Monza passaria pela sua segunda cirurgia plástica…

Chevrolet Monza
Monza

Segunda Cirurgia Plástica

Chevrolet Monza
Monza Classic 500EF, Homenagem a Emerson Fittipaldi

O Monza sofreu sua segunda cirurgia plástica para o modelo 1988 e, pelo menos dessa vez, a GM preservou seus consumidores e não lançou mão da malfadada estratégia da “Fase II”, que utilizara em 1985. O carro recebeu pequenos retoques, como lentes retas nos faróis, nova grade, novo spoiler, nova grafia do painel, novos revestimentos, entre outras mudanças, mas todas como versão 1988. O Classic, por exemplo, vinha com lanternas traseiras diferenciadas, separadas por um aplique que passava por trás da placa. As rodas eram de aro 14 e a versão vinha completa de fábrica. Nesse mesmo ano a GM decreta o fim definitivo do Monza Hatch, quando o S/R sai de linha.

Aqui cabe uma curiosidade interessante. Houve a suspensão de um lote de exportação, que seria destinado ao mercado venezuelano. Os carros, inclusive, contavam com muitas peças fabricadas naquele país, que entraram por aqui em regime de “draw-back” (ou seja, só são importadas para serem montadas em carros destinados à exportação), como vidros, detalhes e… sistema de injeção eletrônica de combustível! Isso mesmo. Antes mesmo do lançamento oficial do Monza com injeção, em 1990, com a versão 500 EF, havia Monza Classic com injeção rodando no Brasil na mão de particulares. Os carros destinados à exportação que não dera certo foram adquiridos pelas concessionárias GM e vendidos a terceiros. Havia ainda Monza S/R com câmbio automático e injeção, que nunca foi apresentado oficialmente no Brasil. Há alguns desses carros ainda em circulação no Brasil, mas são bem raros.

Em 1990, aí sim é apresentada a versão 500 EF, nas cores vinho e verde escuro, em homenagem ao piloto Emerson Fittipaldi. Além de couro no interior, das faixas laterais adesivas e da cor exclusiva (apenas o verde escuro, pois a outra era de série), esta foi a versão que lançou oficialmente o sistema de injeção eletrônica na linha Monza.

Este seria o último ano em que o Monza apresentaria o mesmo desenho básico da versão alemã. Para prorrogar sua permanência no mercado nacional por mais alguns anos, a GM resolveu aplicar um face-lift na linha, que foi exclusivo para o mercado brasileiro. Na verdade na Europa o Monza (cuja denominação por lá era Ascona) estava ultrapassado e a Opel já estava em vias de apresentar outro modelo para substituí-lo, o Vectra.

Monza “Tubarão”

Apenas para relembrar a saga do carro mundial da GM, vale a pena saber que o Carro J, que daria origem ao Monza, foi lançado em 1981, como projeto de carro mundial da GM. Nesse mesmo ano, mas em outro segmento, a Ford estava fazendo a mesma coisa, por meio da linha Escort. Nos EUA, o “J” recebe o nome de Chevrolet Cavalier, mas seria também o Pontiac Sunbird, Pontiac J-2000, Oldsmobile Firenza, Cadillac Cimarron e Buick Skyhawk. Um carro para cada divisão da GM. Na Alemanha, chamava-se Opel Ascona e, no Brasil, Monza.

O Monza continuaria sua saga no Brasil após 1991 por meio de um grande face-lift, que abrangeu toda a parte dianteira e até mesmo a traseira. O carro posteriormente viria a ser conhecido como “tubarão” por alguns, devido ao desenho dos faróis e grade. Para muitos o Monza perdeu sua identidade quando recebeu essas mudanças, uma vez que – de uma certa forma – fugiam do propósito original do carro e das linhas desenhadas na Europa pela Opel. Os pára-choques agora eram envolventes, ainda plásticos, com os faróis de neblina embutidos na versão Classic. Por sinal, por causa disso e das rodas de aro 14, nas versões de quatro portas a versão top de linha era visualmente a mais feliz de todas.

Por dentro as novas forrações eram destaque, assim como mudanças no painel de instrumentos. A injeção eletrônica de combustível teria continuidade, sendo o Monza o primeiro carro do mundo a contar com o sistema combinado com o álcool. A versão SL/E apresentava a injeção do tipo monoponto (TBI), conhecida como EFI, como opcional. A versão top Classic teria o sistema MPFI (multiponto, ou seja, um bico injetor para cada cilindro) como opcional.

Em 1992 os encostos dos bancos passam a ser vazados e surge a série especial Barcelona; em 1993 ele ganha um friso na tampa do porta-malas das versões mais caras e surge a série especial Hi-Tech, com freios a disco traseiros e sistema anti-bloqueio de freios ABS, além do painel digital. Foram feitas apenas 500 unidades do Hi-Tech. Nesse mesmo ano é criada ainda outra série especial, desta vez denominada 650, apenas na cor vinho, em alusão às 650 mil unidades produzidas do Monza, marca que fora atingida naquela época. Ainda em 1993 o Classic chega ao fim.

Em 1994 é a vez da Club, em homenagem a Copa do Mundo, realizada nos Estados Unidos, que vinha nas cores vinho, cinza ou azul escuro. Nesse mesmo ano o Monza, assim como os demais carros da linha GM no Brasil, apresentam mudanças na nomenclatura das versões e surgem as versões GL e GLS.

Em 1995 chega a Class. Pouco antes do fim, em 1996, o GLS sai de linha e o GL vira uma “mistura” das duas.

Fonte: www.autodiario.com.br/www.webmotors.com.br

Chevrolet Monza

A Época

A década de 80 foi palco de muitas revoluções no Brasil e no mundo. Em todos os aspectos e vertentes possíveis. Focalizando em nossa nação, não houve a “década perdida” como os economistas costumam dizer. Apesar da crise econômica, foi um período surpreendente e marcante. No campo da música, houve a explosão do rock brasileiro e de bandas que são reconhecidas até hoje.

Na televisão, tivemos grandes novelas, picos de audiências, além de filmes que marcaram a geração 80, ou como diria um dos mestres da época, geração Coca-cola. Na política, regimes fechados foram abertos, guerras foram travadas e barreiras culturais, ultrapassadas. Como já era de se esperar, essa revolução também migrou para outros mares, como o importante ramo automotivo brasileiro.

E um dos principais nomes dessa reviravolta no mercado de automóveis “brazucas”, se chama Monza. Com uma história de sucesso e glórias no mundo inteiro, e que será contada a seguir, o carro mundial da General Motors, marcou uma época, sendo homenageado com clubes, sites e encontros de fãs até hoje, mundo afora.

Origem

O começo da trajetória deste herói motorizado começa na Europa, no começo da década de 70. A marca alemã Opel, conhecida por oferecer veículos robustos, de bom acabamento e não necessariamente caros, tinha que preencher um espaço vazio em sua gama de modelos. Nascia assim o Ascona, modelo médio posicionado entre o Kadett – modelo que originou o nosso Chevette em 1973 – e o Rekord – modelo que inspirou o nosso Opala, lançado aqui em 1968.

Lançado em sua primeira versão no ano de 1970, o Ascona tinha 3 opções de carroceria: sedã 2 portas, sedã 4 portas e “Station Wagon” chamada ou de Caravan ou de Voyage, dependendo do mercado. Seu principal concorrente era o Ford Taunus, sucesso na Europa e principalmente na Inglaterra e na Alemanha. Esses eram uns dos principais mercados do Ascona, que era vendido no Reino Unido como Vauxhall Cavalier. Com motores variando de 60 a 90 cavalos posicionados longitudinalmente, o carro fez sucesso.

Chevrolet Monza
Monza SL/E 1.6 1982 – o primeiro nacional

Após 5 anos e quase 700 mil unidades vendidas em todos os mercados, chega a segunda geração do médio, o Ascona B. Com algumas mudanças mecânicas e visuais, o modelo teve o mesmo sucesso de seu antecessor. Apenas a perua saiu das linhas de produção, além de um coupé ter sido lançado ao mesmo tempo.

Vendido até 1981, teve versões com injeção eletrônica de combustível e preparada para rali, a Bi400 ou Ascona 400. 1 milhão e 200 mil unidades do Ascona B foram produzidas mundialmente.

No mesmo ano, chega a terceira geração do carro. Com reformas visuais mais fortes que as da primeira reestilização, o modelo fica bem mais atraente, com versões hatch de 5 portas (que nunca tivemos) e cabriolé. Nos EUA, era vendido como Cavalier e, em 1991, estava já a uma geração à frente do nosso Monza. O americano saiu de cena em 2002 e o europeu em 1988 com o lançamento de outro sucesso, o Vectra.

O primeiro tempo

Chegando ao Brasil, o projeto de fabricar e vender o Ascona na América do Sul, antes engavetado, finalmente é posto em prática. Chamado de Projeto J, o carro era sem dúvidas a maior novidade do começo da década de 80. E com uma agilidade nunca antes vista, o Monza, carro mundial, é lançado aqui em 1982.

Baseado na geração C do Opel, o novo carro esbanjava modernidade por dentro e por fora, segurança e status.

Porém, nem tudo era perfeito: o Monza, primeiramente oferecido somente na versão hatchback de duas portas, com motor de 1600 cilindradas e 73 cavalos na versão à gasolina e 72 cavalos na versão à álcool, e em duas configurações, básica e SL/E. Apesar disso, não agradava em desempenho. Com apelo dado à economia, uma das exigências da época, o carro se equiparava ou até perdia para o Corcel II 1.6 e para o Passat 1.6, seus dois maiores concorrentes da época.

Dotado de câmbio japonês Isuzu de 4 marchas, o modelo era gostoso de guiar. O problema da anemia ao rodar seria resolvido meses mais tarde, com o lançamento do motor 1.8.

Moderno, ele contava com o propulsor disposto transversalmente, suspensão dianteira McPherson independente, com molas helicoidiais e amortecedores telescópios de dupla ação e barra estabilizadoras que junto com a traseira, dotada de eixo rígido oscilante, davam ao Chevrolet, um bom comportamento dinâmico. Freava bem, com discos de freio ventiláveis dianteiros e tambores auto-ajustáveis traseiros, sem contar no entre-eixos de 2.57m, que dava um bom nível de espaço e conforto ao rodar.

Internamente, vinha com boas soluções, tais como janela traseira basculante com comando giratório, podendo abrir em vários ângulos, banco traseiro bi-partido, abertura interna do porta-malas pela tampa que era presa com alças elásticas, evitando ruídos e o bom painel côncavo que facilitava o acesso aos comandos e dava um ar esportivo.

Entretanto, o nível de acabamento e estofamento estava abaixo do padrão europeu e o quadro de instrumentos era básico demais, sem ao menos um tacômetro.

Com inovações estéticas e mecânicas, como embreagem de remoção fácil, distribuidor acionado diretamente pela árvore de comando de válvulas, eliminando assim engrenagens, entre outras boas soluções, o Monza era um carro avançado e seguro. Em relação ao desenho, mesmo elegante, o design do Monza hatchback não empolgava.

Chevrolet Monza
Monza SLE 1.8 1983

Todavia, em 1983 a marca finalmente põe no mercado a versão sedã, dotado com os mesmos dois propulsores, 1.6 e 1.8 litro, duas (esta pouco tempo depois) e quatro portas. O carro, com pequenas mudanças mecânicas em relação ao modelo menor, foi um estrondoso sucesso, sendo considerado “Carro do Ano 1983” pela revista Auto Esporte. E finalmente, os carros 4 portas começam a ter seu valor em nosso mercado. E o nome dessa reviravolta chama-se Monza.

O meio

No ano seguinte, ele revoluciona mais uma vez. Foi o carro mais vendido do país, tirando do posto grandes “best-sellers” como Fusca, Brasília e o “irmão” Chevette. Era algo inédito em nosso mercado, pois o carro não era popular.

Era médio e potente, isto é, discordando das preferências brasileiras da época: populares econômicos.

Em agosto, mais novidade: surge o câmbio automático de três marchas, disponível para a motorização 1.8 litro. Em maio de 1985, na meia-estação, chega o polêmico “Fase II” ou “Monza Geração 85 e meio“, com modificações estéticas e de acabamento, semelhantes às aplicadas ao Ascona alemão. Grade, spoiler, lanternas e calotas da versão SL/E foram modificadas. Isso externamente, pois internamente era onde estavam as maiores mudanças. O esperado quadro de seis instrumentos chega junto com travas nas portas, abolindo os velhos pinos, encostos de cabeça separados nos bancos dianteiros e melhor revestimento também eram oferecidos, além de encostos traseiros de cabeça, apóia-braço central, luzes de leitura, entre outros mimos opcionais. Finalmente, o acabamento se igualou ao sucesso.

Meses depois, em setembro, chega a versão esportiva S/R 1.8 S.

Baseada na versão hatchback, o carro vinha com mudanças em relação à versão normal: aerofólio, pintura diferenciada, bancos “Recaro”, rodas aro 14 com pneus 195/60 e faixas vermelhas sobre a carroceria.

Isso na parte estética, pois na parte mecânica havia outras modificações, tais como: dupla carburação, escapamento de menor restrição e câmbio com relações mais próximas entre si, chamado de close-ratio. Com bom desempenho e 106 cavalos, o S/R partia da imobilidade e chegava aos 100 km/h em apenas 11 segundos e máxima de 180km/h, números de respeito para a época. E surpreendendo todos, novamente, foi o carro mais vendido do país com mais de 70 mil unidades.

Um ano depois, em 1986, chega o refinado Monza Classic. Com itens exclusivos, o Classic era um dos mais luxuosos modelos nacionais, competindo com os renovados Santana CG e Del Rey Ghia. Seu irmão Opala já sentia as dores da idade. Com motor 1.8 litro de dupla carburação, gerando 99 cavalos, o sedã andava bem. E, pela terceira vez, é o nacional mais vendido.

Logo mais em 1987, chegava o novo motor 2.0 litro, dando muita agilidade ao médio. Não com os 130 cavalos da versão européia com injeção eletrônica, mas com bons 110 que o botavam na frente da maioria dos concorrentes. E novamente é eleito o “Carro do Ano” pela revista Auto Esporte.

O ano de 1988 entra com alterações na gama, com a saída da linha de produção da carroceria hatchback com o ótimo S/R 2.0 S, além de ganhar pela terceira vez o título de “Carro do Ano”. Grade redesenhada, faróis maiores, spoiler encorpado ao pára-choque, molduras laterais e extensão das lanternas traseira na S/R e na Classic, que agora era chamada de Classic SE, com opção de pintura em dois tons também. Tudo isso para não ficar para trás em modernidade.

Em 1989, somente alterações no acabamento e opção de computador de bordo para a Classic SE(linha 1990). Em 1990, mais revolução. Chega ao mercado, o Monza Classic 500 E.F, luxuoso e moderno, contava com injeção eletrônica de combustível, sendo assim o primeiro Chevrolet a ser vendido aqui com essa especificação. Ele vinha com injeção monoponto JE-Letronic da Bosch gerando bons 116 cavalos. Bancos de couro e computador de bordo também estavam disponíveis no Chevrolet, além do primeiro toca-fitas removível do mercado. Tudo isso com a assinatura do mestre Emerson Fittipaldi, que divulgava o modelo, que só era oferecido em preto e vinho, em comerciais de TV e revistas.

O segundo tempo

Chega o ano de 1991, a URSS acaba e o Monza é reestilizado. A geração apelidada carinhosamente de “tubarão” tinha frente maior e mais caída, semelhante à do Vectra A europeu e ficando parecida com modelos japoneses da época. A traseira também cresceu, com lanternas quase quadradas e porta-malas com 50 l a mais. O modelo ficou 13 centímetros maior e o resultado foi um mix de várias linhas e ângulos, não muito harmoniosos entre si. O entre-eixos continuou intacto e o bom espaço também.

A injeção eletrônica só chegaria no modelo 1992, em setembro, junto com o lançamento do clássico Monza Classic SE 2.0, que vinha com itens modernos como painel digital, volante regulável, amortecedores com batentes hidráulicos e encosto de cabeça vazado. Dotado de injeção multiponto, agora mapeada e com sistema EZ-K como no novo Kadett GSi, o SE gerava 121 cavalos, sendo assim o mais potente Monza até hoje. Ao mesmo tempo, toda a linha era injetada, inclusive as versões 1.8 e a álcool, se tornando assim, o primeiro modelo movido a combustível vegetal com injeção eletrônica no mundo. A multiponto (MPFI) ficava com a versão de topo e a mono (EFI) com as demais.

Junto com essas novidades, era oferecida uma pequena luz no quadro de instrumentos que se acendia para trocar a marcha e assim obter maior economia, com base no seu modo de dirigir. A mesma era abolida em 1996 com o pretexto de que os motoristas não gostavam de levar ordem.

Com essas inúmeras mudanças, o carro conseguiu se atualizar e parecer moderno perante a concorrência renovada, como o recém-reestilizado VW Santana e o novíssimo Fiat Tempra. As versões agora eram SL 1.8, 2.0, SL/E 1.8, 2.0 e Classic SE 2.0 MPFI ou EFI, todos com duas opções de combustível.

No ano seguinte, o Monza homenageou as olimpíadas de 1992 em Barcelona e foi lançado na versão especial com o nome da cidade espanhola. Baseada na SL e com rodas novas, que seriam utilizadas mais tarde, o carro vinha somente na cor prata e com faixas decorativas na carroceria.

Outra série especial lançada em 1992 é a 650, em alusão às 650 mil unidades fabricadas do carro. Ela era baseada também na SL e vinha somente na cor vinho.

Chevrolet Monza
Monza 650 2.0 1993, série especial

Em 1993, chega ao fim a sofisticada versão Classic SE.

Além de novas denominações de versões: iam embora a SL, SL/E e entravam GL e GLS, esta a última versão de série lançada do carro. As novas versões seguiam um novo padrão da marca na época. Outra novidade foi o lançamento da raridade Monza Hi-tech com freios ABS, painel digital e computador de bordo. Hoje esse modelo é considerado uma “mosca-branca”, tamanha a raridade.

No ano seguinte, veio outra versão especial, a Club, especial graças à copa do mundo de 1994, nos Estados Unidos. Era baseada na GL, porém com itens exclusivos, como rodas do falecido Classic SE.

Veio em duas cores: fase I vinho e fase II azul cezanee.

O fim

Em 1995, o Monza já sofria com seus 13 anos de carreira, era considerado ultrapassado e visto como uma compra mais racional e menos passional. Mesmo assim, ainda cativava o seu público graças a seu rodar macio e confortável, sua mecânica robusta e seu preço muito atraente.

Em meados do mesmo ano, a versão GLS passa a ter, rodas novas aro 14, pneus 185/65, novo estofado e faróis de neblina também. E de ser a única versão da linha, junto com alguns aperfeiçoamentos mecânicos como câmbio de relações mais longas entre si e escapamento “verde” para controlar as emissões de gases.

No ano seguinte, já com especulações sobre a sua saída do mercado, com a chegada do Vectra B em março, ele ainda recebe pequenas, mas simbólicas mudanças, como a volta da versão GL, nova grafia do emblema e novo volante.

E, no final de 1996, o modelo acaba saindo da linha de montagem em São Caetano do Sul depois de 857.010 unidades fabricadas e vendidas, fechadas com uma versão GL 2.0 prata. Era o fim de um estrondoso sucesso que revolucionou nosso mercado. Atraente em vários aspectos, ele era o retrato da classe média brasileira em ascensão nos anos 80 e consagrada nos 90.

Modelo de muitas qualidades e pouquíssimos defeitos, como ruído em altas velocidades e consumo alto, até hoje é cultuado entre apreciadores de carros nacionais, pais ou vovôs de família. Com três anos consecutivos de liderança em seu currículo, quebrando tabus, ele sempre será lembrado pelo seu conforto, sua maciez, seu desempenho, sua robustez. Atualmente, vários fãs clubes do modelo fazem encontros, fóruns, tudo para demonstrar amor a esse carismático carro.

Toda revolução acaba, a do Monza também.

Ficha Técnica:

Motores

1.6 a gasolina 8v – 1598cm³ – transversal e 4 cilindros em linha – 73 cv a 5400rpms – 12.3 m.kgf a 3000rpms – carburação simples – câmbio de 4 marchas, tração dianteira, freios a disco dianteiros e tambor traseiro.
1.8 a álcool 8v (SL/E 1984) –
1796cm³ – transversal e 4 cilindros em linha – 96 cv a 5600rpms – 15.1 m.kgf a 3500rpms – carburação simples – câmbio de 5 marchas ou automático de 3; tração dianteira; freios a disco dianteiros e tambor traseiro.
1.8 a álcool 8v (S/R 1.8 S 1985) –
1796cm³ – transversal e 4 cilindros em linha – 106 cv a 5600 rpms – 15.6 m.kgf a 4000rpms – carburação dupla – câmbio de 5 marchas; tração dianteira; freios a disco dianteiros e tambor traseiro.
2.0 a álcool 8v (Classic 2.0 1987) –
1998cm³ – transversal e 4 cilindros em linha – 110 cv a 5600rpms – 17.3 m.kgf a 3000rpms – carburação dupla – câmbio de 5 marchas ou automático de 3; tração dianteira; freios a disco dianteiros e tambor traseiro.
2.0 a gasolina 8v (SL/E 2.0 1993) –
1998cm³ – transversal e 4 cilindros em linha – 110 cv a 5600rpms – 16.4 m.kgf a 3000rpms – injeção monoponto(EFI) – câmbio de 5 marchas ou automático de 3; tração dianteira; freios a disco ventilados dianteiros e a disco traseiro.

Dimensões:

Monza Hatchback 1.6 1983

Comprimento > 4.264m
Entre-eixos > 2.574m
Peso > 1035 kg
Porta-malas > 433 l

Monza Sedã SL/E 1.8 1984

Comprimento > 4.366m
Entre-eixos > 2.574m
Peso > 1048 kg
Porta-malas > 510 l

Monza GLS 2.0 EFI 1995

Comprimento > 4.495m
Entre-eixos > 2.574m
Peso > 1125 kg
Porta-malas > 565 l

Desempenho:

Monza Hatch SL/E 1.6 1983

0-100 km/h > 16 segundos
Vel. Máxima > 150km/h

Monza Sedã SL/E 1.8 1984

0-100 km/h > 13 segundos
Vel. Máxima > 170km/h

Monza S/R 1.8 S 1985

0-100 km/h > 11 segundos
Vel. Máxima > 180km/h

Monza Classic SE 2.0 MPFI 1993

0-100 km/h > 11.2 segundos
Vel. Máxima > 182km/h

Monza GLS 2.0 EFI 1995

0-100 km/h > 12.5 segundos
Vel. Máxima > 175km/h

Fonte: www.autodiario.com.br

Chevrolet Monza

Origem

Um carro mundial da General Motors, baseado no Opel Ascona, foi apresentado no Brasil em 1982. Foi lançado inicialmente na versão hatchback com três portas e motor 1.6 litro que gerava modestos 73 cv com motor a gasolina e 72 cv na versão a álcool. Era um carro moderno e com inovações tecnológicas. Foi o primeiro carro nacional Chevrolet com motor transversal e tração dianteira.

No ano seguinte surgiu a versão três volumes com duas e quatro portas e motor 1.8 litro que aumentava a potência para 85 cv. A combinação de desenho elegante e tecnologia fez com que o Monza desbancasse o Fusca e o Chevette e se tornasse o carro mais vendido no Brasil de 1984 a 1986. Nos anos seguintes o carro ganhou injeção eletrônica, motor 2.0 e várias séries especiais. O modelo saiu de linha em 1996 com a chegada do Chevrolet Vectra.

O Chevrolet Monza

O Chevrolet Monza foi um veículo fabricado pela GM (General Motors do Brasil) entre os anos 1982 e 1996. Era derivado do Opel Ascona alemão.

Eleito pela Revista Autoesporte o Carro do Ano de 1983, 1987 e 1988.

Não deve ser confundido com o Chevrolet Monza produzido nos Estados Unidos na década de 1970, um carro maior. Durante três anos consecutivos (1984, 1985 e 1986) foi o carro mais vendido no país.

Surgiu em 1982 primeiramente nas configurações Hatchback 3 portas (até 1987) e Sedan 4 portas; no ano seguinte ganhou a versão mais difundida, a Sedan de 2 portas, retirada de produção em 1995. Foi fabricado com motores de 1,6 (origem canadense), 1,8 e 2,0 litros, incluindo versão esportiva (S/R) com carroceria hatchback, produzida até meados de 1988. Em 1987, a versão Classic inaugura o uso do motor 2.0.

Em 1990 inaugura-se a era da injeção eletronica com o modelo 500 EF em homenagem a Emerson Fitipaldi, apesar deste sistema le-Jetronic da bosh ser ainda analógico, elevando sua potencia para 116 CV.

Em 1991 recebeu uma reestilização externa, mantendo porém basicamente o mesmo painel desde o lançamento até o final da produção ao mesmo tempo que se iniciava a era da injeção eletronica digital com o sistema multec – 700, com o porem deste contar somente com um eletroinjetor para os 4 cilindros(Monoponto).

E em 1993/1994 foi lançada a versão Hi-Tech, de apenas 500 unidades, que incluía ítens como painel digital e freios ABS de série. A produção total foi de 857.810 unidades. Um carro que marcou revolução na arte do conforto e desempenho.

Conviveu pacificamente com o Chevrolet Vectra de primeira geração, desde o lançamento deste, até 1996, quando o Vectra chegou à segunda geração no Brasil, obrigando a aposentadoria definitva do Monza.

Fonte: www.cruzeirodosul.inf.br/carros.hlera.com.br

Chevrolet Monza

Quem tem mais de 25 anos de idade com certeza sabe a imponência que era ter um Chevrolet Monza em sua garagem durante os anos 80. Era mais ou menos como ter hoje um New Civic, só que acho que com mais glamouor do que hoje.

Naquela época carros importados eram vistos apenas em filmes, (geralmente dos Trapalhões ou da Xuxa) e tudo que podíamos dirigir se restringia aos modelos nacionais.

O mercado havia recebido na Europa no início da década de 80 modelos como Ford Escort MKIII, Fiat Uno, Volkswagem Santana, Chevrolet Monza (Opel Ascona). Cada fábrica trabalhava focada no mercado que queria dominar.

A Chevrolet sempre foi querida pelos carros fabricados com bom acabamento e mecânica confiável e com o lançamento do Chevrolet Monza, fruto de um projeto mundial encabeçado pela Opel e seu modelo Opel Ascona, a GM tinha o melhor produto nacional em sua categoria.

Chevrolet Monza
Monza GL

Dirigir e possuir um Monza era motivo de orgulho! Em um momento em que a econômia do Brasil parecia estar engrenando, o Monza virou o sonho da classe média e vendia mais do que pão quente em padaria. Vejam amigos, que diferença, o Brasil tinha como líder de vendas um carro médio grande durante 3 anos! 1984, 1985 e 1986 foram anos de sonhos para o brasileiro comum.

Ver nas ruas mais Chevrolet Monzas novos do que Chevrolet Chevettes era no mínimo intrigante. Já pensaram se a Honda vendesse 20 mil Honda Civics por mês? Com certeza a paisagem ia ser muito mais bonita do que a legião de Celtas, Unos e Gols prata, cinza e preto que povoam nossas avenidas.

Fruto do projeto J, o Chevrolet Monza nasceu em em 1982 em uma versão hatch 2 portas que era inédita no mundo. Ele tinha motor de 1.6 litros transversal familia II que foi considerado fraco para seu porte. Seu desenho controverso não caiu muito no gosto da população e esta versão nunca foi muito vendida. Ainda em 1982 o Monza ganharia o famoso motor C18le que equipou este carro por muitos anos e que formou raizes tão fortes que até pouco tempo atrás era utilizado no Astra.

Em 1983 a GM finalmente lança o Monza Sedan, que ficou conhecido mais apenas como Monza. Engraçado ver isso acontecer pois hoje em dia ocorre esta divisão mais claramente, mas naquela época o que vendia mais sempre tomava para si o nome principal. Neste ano a GM criou bases para começar a se tornar lider de vendas no seu segmento. Em 1984 o Monza foi campeão de vendas absoluto.

Em 1985 o Monza deixou de ser um “Chevetão” e passou a contar com acabamento bem melhor na chamada “Fase II”. Eram modificações lançadas para o modelo SL/E e que deram um aspecto mais moderno ao carro que mais uma vez seria lider de vendas. Ainda foi lançado o Monza S/R, primeiro esportivo de verdade da GM em muitos anos depois que parou de fazer o Opala SS. Este Monza Hatch tinha acabamento diferenciado e motor 1.8 com comando mais bravo.

Em 1986 o Monza foi mais uma vez lider de vendas. Neste ano apareceu o modelo que mais gosto do Monza, o Classic com pintura “saia e blusa”. Eles podiam vir nas cores Marrom Metálico Escuro – Claro, Azul Escuro – Claro, Prata e Cinza Escuro, Verde claro e verde Escuro. Meu preferido era o Verde com interior marrom.

O modelo continuou a evoluir com a chegada do motor 2.0, a restilização em 1988 onde ganhou mais equipamentos, novos frisos, grade dianteira e spoiler dianteiro. Em 1990 a GM lançou seu primeiro carro com injeção eletrônica de combustível, o Monza 500 E.F, em homenagem ao bicampeão mundial de Fórmula 1, Emerson Fittipaldi.

Em 1991 o Chevrolet Monza passou por sua segunda restilização. Muitas pessoas acham quem é uma nova geração, porém é apenas uma restilização frontal e traseira, mantendo a seção lateral intacta. A operação plástica tinha como objetivo deter o avanço dos concorrentes que estavam se modernizando naquele ano. A Volksvagem estava fazendo trabalho semelhante com o Santana, e a Ford estava aposentando seu senil modelo Del Rey.

O trabalho não foi muito feliz, abreviando a vida do Monza em nosso mercado. Em 1991 a versão Classic contava com injeção eletrônica EFI, enquanto as versões SL/E e SL vinham carburadas. Em 1992 passou a contar com Injeção EFI em todos os modelos exceto a Classic que passou a vir com uma moderna injeção multipoint.

Antes de sair de linha o Monza viu seu posto de carro médio ser roubado pelo Vectra A que era montado em regime de CKD (Método onde o carro é exportado completamente desmontado e montado no país) e foi perdendo versões e itens de conforto até sua retirada completa de linha em 1996.

Fonte: www.motorpasion.com.br

Chevrolet Monza

O Chevrolet Monza foi um carro de muito sucesso produzido no Brasil pela General Motors entre os anos de 1982 e 1996. Existiu também um Monza que foi produzido nos EUA na década de 70. Nesse artigo iremos nos focar apenas no Monza brasileiro. O sucesso do Monza foi comprovado principalmente de 1984 a 1986 onde foi o carro mais vendido do Brasil.

O Monza foi derivado de outro carro, o Ascona, que era produzido na Europa pela Opel Alemã e também foi um carro de muito sucesso e bastante vendido na Europa.

Durante os 15 anos de produção o Monza teve muitas versões lançadas e várias reestilizações. Muitas dessas versões foram comemorativas. A seguir vamos destacar as principais reestilizações do Monza.

Monza Hatch 1982

O Monza foi apresentado em meados de Março/Abril de 1982 inicialmente na versão hatchback com duas portas, tração dianteira e motor transversal de 4 cilindros,1600 cc a gasolina ou a álcool com 73 cv (72 na versão álcool).

No mesmo ano foi lançado o Monza com o motor 1.8 com a finalidade de melhorar seu desempenho. Com exceçao ao motor, o Monza Hatch 1.8 não tinha grandes diferenças para o Monza Hacth 1.6.

Monza Sedã 1983 com duas e quatro portas

No ano de 1983, foi lançado o Monza Sedã nas versões 2 e 4 portas e motores 1.6 e 1.8. Mecanicamente, pequenas modificações foram feitas em relação à versão hatch como a re-calibração dos amortecedores dianteiros e o aumento na altura das molas traseiras.

Nesse mesmo ano, o Monza foi eleito pela primeira vez o carro do ano pela revista Autoesporte. No ano seguinte o Monza foi o carro mais vendido no Brasil.

Monza Hatch S/R 1985 – Surge o primeiro modelo esportivo

Em 1985 surge o primeiro modelo esportivo da linha Monza, o S/R 1.8 S. Esse modelo recebeu bancos novos, painel mais moderno e completo e faróis de neblina traseiros. Esse modelo também possuía carburador de corpo duplo e sistema de escapamento otimizado.

Em 1985 o Monza foi novamente o carro mais vendido do Brasil.

Monza Classic 1986 – Um Carro de luxo

Em 1986 surgia a versão de luxo do Monza, o Classic. Esse modelo vinha de série com rodas raiadas de alumínio, faróis de milha, estofamento ‘navalhado’, vidros e travas elétricos, direção hidráulica, relógio digital, toca-fitas estéreo e descansa braço no banco traseiro. Esse carro ainda possuía largos frisos laterais.

Na versão SL/E seus opcionais eram o ar-condicionado e direção assistida. Esse carro era equipado com um motor de carburador duplo de 99 cv. Mais uma vez o Monza foi líder de vendas no mercado nacional.

Monza 1987 com Motor 2.0

Em 1987 e Chevrolet trouxe algumas boas novidades para o Monza, principalmente no motor que passou a ter versões de 2,0 litros e que apesar de ainda não possuir injeção eletrônica como o europeu Ascona, chegava a 110 cv de potência na versão a álcool.

O modelo esportivo S/R também passou a ser equipado com o motor 2.0, possuindo ainda o câmbio mais curto. Ainda nesse ano, o Monza é eleito novamente o carro do ano pela revista Autoesporte.

Em 1988 O Monza Hatch Saiu de Linha

O ano de 1988 não foi muito feliz para os admiradores do Monza Hatch pois este deixou de ser produzido pela General Motors, tendo como sua última versão o Monza Hatch S/R 2.0 S.

Apesar do encerramento da produção do Monza Hatch, ainda nesse mesmo ano e pela terceira vez o Monza foi eleito o carro do ano pela revista autoesporte.

1990 – Lançamento do Monza Classic 500 EF

O ano de 1989 não trouxe grandes novidades para a linha Monza. Em 1990, quando foi realizado a Copa do Mundo da Itália, a grande novidade para a linha Monza foi o surgimento do Monza 500 EF, que foi o primeiro Monza com injeção eletrônica a ser produzido no Brasil. Na época de seu lançamento, foi um carro inovador, bastante moderno e luxuoso. Era equipado ainda com bancos de couro, computador de bordo, toca-fitas digital, ar-condicionado e vidros mais escurecidos.

O nome 500 EF era bastante diferente dos que vinham sendo adotados até o momento pela linha Monza. Esse nome foi concebido em homenagem ao grande piloto brasileiro, Emerson Fittipaldi. O número 500 era relacionado a prova das 500 Milhas de Indianápolis vencida pelo piloto e a sigla EF se referia as iniciais do nome do piloto. Esse foi o Monza que atingiu o melhor desempenho (116 cavalos) entre todos e não poderia ser diferente já que foi recomendado por um piloto profissional de corridas.

1991 – A maior re-estilização do Monza

Em 1991 o Monza sofreu a sua maior resstilização a dianteira e a traseira do veículo foram modificadas. A dianteira foi rebaixada e alongada em 8,5 cm e a traseira foi alongada em 4,5 cm. Ainda foram feitas diversas modificações como nos faróis, grade, pára-choque, pára-lamas, lanternas, capô, porta-malas com maior capacidade, lanternas traseiras entre outras modificações. A versão Classic recebeu ainda faróis de neblina.

Na parte mecânica, o Monza recebeu melhoras no radiador, amortecedores, suspensão dianteira e traseira, molas e direção hidráulica.

1992 – Monza Barcelona e Monza 650

Em 1992 foram lançados duas versões comemorativas do Monza, a primeira referente as Olimpíadas de Barcelona e a segunda para comemorar as 650 mil unidades vendidas até o momento. Este modelos ganharam diferenças de acabamento e acessórios.

1993 e 1994 – Monzas Hi-Tech, GLS, Class e Club

O Monza Hi-tech foi mais uma série limitada lançada desse carro de grande sucesso. Essa versão possuía painel digital de cristal líquido, computador de bordo, freios ABS nas 4 rodas de liga leve, direção hidráulica e ar-condicionado frio e quente. Esse carro foi comercializado na linda cor Azul Strauss perolizada.

O Monza Class recebeu melhoras apenas no acabamento interno e era baseado no Monza SL.

1993 também marcou o fim da produção do Monza Classic SE que foi substituído pelo Monza GLS, a última versão lançada do Monza com exceção das versões comemorativas, como o Monza Club que foi produzido nas cores vinho e azul cezane. As maiores diferenças do Monza Club, em suas duas versões estão relacionadas ao acabamento interior e exterior, acessórios e cores diferenciadas.

Em 1996 o Monza Saiu de Linha deixando saudades

Após um ano sem grandes mudanças, em 1996 foi produzido o último Monza, dando fim a uma saga de 15 anos de sucesso desse incrível carro fabricado pela Chevrolet. Podemos afirmar que foi um carro que saiu de linha, mas marcou história, cativou muitos fãs e deixa saudades até os dias atuais.

O último Monza foi vendido na versão GLS de 4 portas com motor 2.0 e deixou de ser produzido abrindo espaço para o Vectra, que foi lançado em meados de março de 1996.

Curiosidades: Na totalidade foram produzidos e vendidos no Brasil 857.810 Monzas.

Fonte: saiudelinha.com.br

Chevrolet Monza

O Monza foi lançado no Brasil em 1982, com motor de 1.600 cc e carroceria hatch de duas portas.

Era equipado com motor transversal de quatro cilindros, câmbio lsuzu japonês de quatro ou cinco marchas, boa aerodinâmica e ampla área envidraçada. Ainda em 1982, surgiu o motor de 1.800 cc.

No ano seguinte, o Monza ganhou carroceria tipo três volumes e quatro portas, modelo elegante que mudou o conceito brasileiro de que “carro quatro portas é táxi”.

No final de 1983, a GM lançou o Monza duas portas (três volumes) e, até 1985, o carro não teve alterações.

No meio do ano de 1985, a montadora cometeu um deslize que desagradou os consumidores: promoveu alterações estéticas no carro (painel, espelhos, bancos, lanternas etc.), o que acabou desvalorizando os carros do primeiro semestre de 85, que não tinham as novidades.

Ainda em 1985 surgiu o esportivo da “família”, S/R 1.8, com carroceria hatch e detalhes exclusivos, com carburador de corpo duplo e sistema de escapamento otimizado. Com isso, o Monza era disponível nas versões SL, SL/E e S/R, com carrocerias dois volumes ou três, de duas portas; ou carroceria três volumes e quatro portas.

Em 1986 surgiu a versão Classic, bastante luxuosa: câmbio automático (importado, Pontiac) e o motor de 2.000 cc, que também equipava outras versões do Monza.

Dois anos depois, em 1988, o Monza hatch saiu totalmente de linha (vinha sendo produzido apenas na versão esportiva S/R). Os demais modelos continuaram em produção sem grandes alterações. Em 1990, surgiu o Monza com injeção de combustível, o que consolidou ainda mais a posição de mercado deste carro.

Afinal, nos seus nove anos de mercado, o Monza sempre esteve entre os modelos nacionais mais vendidos.

Em 1991, a GM finalizou o “J 91”, ou seja, o Monza com alterações na carroceria (frente e traseira, principalmente), para ficar mais parecido com o Chevrolet Cavalier americano. O “J91” também foi fabricado nos EUA, Japão, Inglaterra, Austrália e Alemanha, com poucas mudanças estruturais ou mecânicas. A partir daí, o carro não sofreu mais mudanças estéticas até 1996, quando, infelizmente, parou de ser fabricado.

Depois disso, não poderia ser diferente: o Monza foi, durante três anos consecutivos (1984, 1985 e 1986), o carro mais vendido no país e, também, eleito o “Carro do Ano” da revista Autoesporte em 1983, 1987 e 1988.

Versões: Monza Hatch Monza SL Monza SL/E Monza SR Monza Classic Monza Classic 500 E.F. Monza Classic SE Monza Barcelona Monza Hi-Tech Monza Club Monza 650 Monza Class Monza GL Monza GLS

Cronologia:

1979: No mês de dezembro a revista “Quatro Rodas” conseguiu ter acesso a uma pesquisa secreta da General Motors (uma exposição realizada no Clube Pinheiros, em São Paulo) e verificou os dois protótipos do “Projeto J”, ou seja, os veículos que, futuramente, se tornariam o Monza a ser lançado apenas em 1982.
1980:
No mês de agosto, um dos carros, que vinha sendo utilizado nos testes do “Projeto J”, foi fotogrado pela revista “Quatro Rodas” na pista de testes da General Motors, localizada em Indaiatuba, interior do Estado de São Paulo.
1981:
Sem novidades, ou “segredos revelados”, neste ano.
1982:
Finalmente, no mês de abril, o Monza é lançado no país. O “Monza Hatch” foi o primeiro: 2 portas, motor 1.6 (dianteiro, transversal) e com tração dianteira. Ainda neste ano, a versão com motor 1.8 já estava disponível. Cogitou-se, ainda, que a GM estaria em fase final de testes da “perua Monza”, projeto este que acabou não se concretizando.
1983:
Lançamento da versão “sedan”, duas e quatro portas (motorização 1.6 e 1.8), sendo que as molas traseiras são 8 mm mais altas e os amortecedores dianteiros foram recalibrados em relação a versão “hatch”. Ambas versões se assemelham em desempenho e estabilidade. Aos poucos, OS carros quatro portas começam a ter boa aceitação no mercado brasileiro. O Monza é eleito o carro do ano pela revista “Autoesporte”.
1984:
O Monza consegue ser, pela primeira vez, o carro mais vendido no país.
1985: Surge o primeiro modelo esportivo:
o “Monza S/R 1.8 S“. Neste ano ocorreu a “Fase 2”, ou seja, em um espaço curto de tempo a General Motors fez algumas mudanças no acabamento do “Monza SL/E” como, por exemplo, um painel de instrumentos bem mais completo, inclusive com conta-giros, e novos bancos. Isso acabou gerando uma certa controvérsia por quem havia adquirido o carro pouco antes. Novamente, é o carro mais vendido no país.
1986:
Lançamento do modelo “Monza Classic“, difereciando-se dos demais pelo fato de possuir duas tonalidades de cores na carroceria. Pelo terceiro ano consecutivo é o carro mais vendido no país.
1987:
O “Monza SL/E”, passa a ser equipado com o novo motor 2.0. Já o “Monza S/R” também passa a utilizar o novo propulsor. A revista “Autoesporte” elege o Monza, pela segunda vez, o carro do ano.
1988:
A versão “hatch” deixa de ser fabricada, sendo o último modelo produzido o “Monza S/R 2.0 S“. Novamente, a revista “Autoesporte” elege o Monza como o carro do ano.
1989:
Neste ano não ocorreram maiores novidades, além de alterações no acabamento.
1990:
A grande novidade é o lançamento do modelo “Monza 500 EF“, primeiro Monza a ser fabricado no país com injeção eletrônica de combustível, além de contar com computador de bordo e bancos de couro. Tudo isso com aval de Emerson Fittipaldi.
1991:
O Monza sofre sua maior reestilização, tanto na dianteira como na traseira do veículo, mas ainda não dispunha de injeção eletrônica, que se tornou disponivel somente a partir de setembro (modelo 1992). Lançamento do modelo “Monza Classic SE“. Este modelo esteve disponível tanto com injeção multipoint (MPFI) ou singlepoint (EFI), além de possuir painel digital e computador de bordo como itens de série, e freio a disco nas quatro rodas como opcional.
1992:
Em comemoração às Olimpíadas, a GM lança o “Monza Barcelona“, diferenciando-se do “Monza SL” em itens de acabamento e acessórios como, por exemplo, as rodas (que viriam a equipar o “Monza SL/E” a partir do ano seguinte). O modelo “Monza 650” foi outra série limitada lançada, nome este que marcou as 650.000 unidades produzidas do veículo. Diferenciava-se do modelo “Monza SL” somente em seu acabamento.
1993:
Último ano em que o modelo “Monza Classic SE” foi fabricado. Outra série limitada é lançada: desta vez é o modelo “Monza Hi-Tech“. Este foi o primeiro e único Monza a ter como item de série freio a disco nas quatro rodas com ABS, além de contar com computador de bordo e painel digital, sendo o último modelo a ser fabricado com o respectivo painel. Mais uma versão especial é lançada:Monza Class“, também baseada na versão “Monza SL” e com melhorias no acabamento interno. Para preencher a lacuna deixada pelo “Monza Classic SE” é lançado o modelo “Monza GLS“, último modelo de série a ser lançado.
1994:
Lançamento da versão limitada “Monza Club“, em comemoração a Copa do Mundo.
1995:
Neste ano não ocorreram maiores novidades, além de alterações no acabamento no Monza GLS como, por exemplo, rodas e pneus aro 14.
1996:
O último “Monza GLS” sai da linha de montagem para ser o último Monza produzido, perfazendo um total de 857.810 veículos durante todos esses anos.

Estatísticas

Os números a seguir indicam, ano a ano, a produção do Monza:

  JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Total
1982       1419 3947 4123 4256 4242 4078 3862 3833 3985 33745
1983 3639 3308 4278 4321 4369 3678 3329 4177 6924 6227 5014 5826 55090
1984 4438 6013 6748 6194 5553 7770 5363 4934 6009 6320 6035 5200 70577
1985 6842 6051 5817 942 6407 5826 7362 7259 7379 8590 7166 5599 75240
1986 5925 6857 8138 7607 7442 7591 7889 6043 7815 7595 3540 5518 81960
1987 4134 5265 3687 4978 4976 3964 2912 3725 2689 5850 6335 4945 53460
1988 5652 5351 6024 4932 5101 5547 5338 6307 6024 5878 6689 7732 70575
1989 6372 5273 4942 6385 5672 7850 6481 7930 7563 3488 5178 8615 75749
1990 5763 6762 2679 3654 3685 1946 4306 6899 7274 6369 3831 2244 55412
1991 3750 4430 4471 2074 4639 4859 7364 6099 5852 5861 5447 4184 59030
1992 4053 2770 2306 3444 4754 6220 5877 4895 4929 5496 4569 4992 54305
1993 4151 4967 6832 5146 6037 5918 6886 7123 6180 4941 4973 3510 66664
1994 5613 4739 6098 5230 5817 5204 4551 5925 7059 4955 4513 3290 62994
1995 3237 3478 4174 2610 4405 3435 692 1689 1778 2604 1649 2173 31924
1996 2003 2500 2638 1314 1692 415 78 285 13 16 10 9 10973
Total 65.581 67.778 68.852 60.247 74.511 74.354 72.695 77.540 81.573 78.065 68.787 67.827 857.810

Fonte: www.monzaclube.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Cadillac Self-Starter

Cadillac Self-Starter, Construção, Sistema, Motor, Arranque, Partida, Elétrica, Dispositivo, Inovação, História, Cadillac Self-Starter

História da Cadillac

História da Cadillac, Carro, Marca, Modelos, Fabricação, Motor, Empresa, Construção, Logo, Veículos, Automóveis, História da Cadillac

Aero Willys

Aero Willys, Carros, Brasil, Versão, Veículos, Velocidade, Modelo, Características, Linha, História, Fotos, Aero Willys

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+