Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Automóveis / História da Bugatti

História da Bugatti

PUBLICIDADE

Ettore era de uma família artística, nomeadamente com a sua origem, em Milão.

Ele era o filho mais velho de Carlo Bugatti (1856-1940), um importante mobiliário e designer de jóias Art Nouveau, e sua esposa Teresa Lorioli.

Seu irmão mais novo era um escultor de renome animais, Rembrandt Bugatti (1884-1916).

Sua tia, Luigia Bugatti, era a esposa do pintor Giovanni Segantini. Seu avô paterno, Giovanni Luigi Bugatti, foi um arquiteto e escultor.

Início da carreira

Antes de fundar seu automóvel de mesmo nome da empresa de fabricação de Veículos E. Bugatti, Ettore Bugatti projetou uma série de motores e veículos para os outros. Prinetti & Stucchi produziu seu 1898 Tipo 1.

A partir de 1902 através de 1904, Dietrich construiu sua Tipo Tipo 3/4 e 5/6/7 sob a marca Dietrich-Bugatti.

Em 1907, tornou-se um empregado Bugatti de Deutz Gasmotoren Fabrik, onde projetou o tipo 8/9.

Veículos E. Bugatti fundada 1909

Apesar de ter nascido na Itália, Bugatti estabeleceu sua empresa automobilística de mesmo nome, Automóveis E. Bugatti, na cidade alemã de então Molsheim na região da Alsácia, do que hoje é a França.

Automóveis E. Bugatti era conhecido pela engenharia avançada de seus carros de estrada premium e seu sucesso em corridas de início do motor Grand Prix.

A Bugatti foi conduzido para a vitória no primeiro Grande Prêmio de Mônaco.

O Bugatti

História da Bugatti
Ettore Bugatti taken em 1932

A personalidade de Ettore Bugatti é das mais fascinantes da história do automóvel, e, por sua versatilidade, relembra alguns caracteres bizarros e inteligentes da renascença, não domesticados pela dura rotina da técnica. Basta dizer que pelo menos durante 30 anos, o seu nome significou a personificação do espírito competitivo para os volantes desafiados por ele, um pilar de sabedoria técnica para todos os entusiastas europeus de corridas; uma portentosa habilidade mecânica como projetista, para os ricos consumidores de seus carros de prestígio firmado.

Tudo isso foi concebido por sua grande cabeça, sempre coberta por um chapéu de feltro, que era usado de acordo com seu humor. Inclinado, quando bem humorado; bem enterrado na cabeça quando estava agitado. De imaginação fértil permanente e incapaz de externar as irritações do cotidiano, sua falta de cuidado era famosa… Com. 16 anos, ele planejou, e construiu um triciclo revolucionário com dois motores; aos 46 anos, solicitou do governo italiano recursos necessários à construção do que poderia ser descrito como uma “espécie de submarino de ficção científica”, equipado com oito motores, e com o qual pretendia atravessar o Atlântico em 50 horas.

Era ele realmente um homem de visão ou apenas um excêntrico incurável, com numerosas teorias?

Só agora esta pergunta pode ser feita, quando o tempo parece ter apagado muitos ecos de sua personalidade.

Na verdade, esta questão não poderia ter sido levantada durante sua vida, porque todo o mundo automobilístico admirava seu conhecimento incomparável e sua confiança no planejamento de motores e carros dos mais eficientes, capazes de dominar qualquer corrida.

Em Milão, em 1882, filho de um conhecido ourives que soube transmitir aos filhos, Ettore e Rembrandt, suas tendências artísticas.

Rembrandt tornou-se um hábil escultor, famoso por suas figuras de animais – mas Ettore, apesar das origens, foi incapaz de superar a atração constante que sentia pelo som de um motor.

Com 16 anos ele deixou a Academia de Brera para se empregar na oficina de Stucchi e Prinetti, onde um membro do grupo resolveu dar-lhe carta branca, demonstrando com isso inteira confiança na capacidade do jovem.

História da Bugatti
1901 – Ettore Bugatti em casaco de pele

Por volta de 1898, ele já acabara, de construir seu extraordinário veículo com motor duplo, ao que parece durante suas horas de folga. No ano seguinte, fez para seus patrões um veículo compacto, que certamente poderia ser chamado um automóvel ortodoxo e que também obteve sucesso comercial.

História da Bugatti

No entanto, em segredo, ele dava vazão a suas idéias bizarras, que alcançariam o clímax com uma máquina de “quatro motores”. Durante este período, ele também teve condições para conseguir uma série de pequenas vitórias, na maioria das vezes, com um modelo original de 1899. Na época, já unira o completo domínio profissional a seu espírito jovem.

História da Bugatti

Em 1901, Bugatti fabricou seu primeiro carro de verdade, de quatro cilindros e 12 H.P., no qual podia-se ver a, marca de suas engenhosas idéias, em alguns detalhes: o cabeçote dos cilindros, por exemplo, foi produzido pela primeira vez em uma unidade.

História da Bugatti

O Barão De Dietrich, que possuía urna fábrica de carros na Alsácia, ouvira falar em Bugatti. Foi à Itália e, além de comprar suas patentes, ofereceu ao jovem milanês uma boa situação na empresa. Bugatti deixou a Itália, voltando alguns anos mais tarde, após tornar-se cidadão francês.

História da Bugatti

Três anos depois, Bugatti e Emile Mathis fundaram uma companhia, a Hermes Simplex, que, no entanto, teve pouca duração. Em 1907, surgiu a Deutz Motor Co., que teve o privilégio dos serviços do talentoso projetista. Sua primeira realização nesta firma foi um veículo de quatro cilindros, com eixo-comando de válvulas e válvulas na cabeça.

No ano seguinte, ele ganhou a subida de montanha de Gallion, com seu nôvo motor de 1,5 litro, derrotando os “monstros” de 15 litros. Em 1910, Bugatti alugou uma oficina em Molsheim, Alsácia, e começou a trabalhar por conta própria em um “1400”, que denominou Tipo 13, para corridas. Ao mesmo tempo, preparou um carro comercial tão bom que foi imediatamente comprado pela Peugeot e produzido em série sob o nome de Bébé.

Começou então um, período que teria seu clímax por ocasião do início da I Guerra Mundial. Da mente exuberante de Bugatti surgiram, aos poucos, grandes maravilhas mecânicas, nos astros de corridas emocionantes, com vitórias sucessivas e incomparavelmente numerosas (mais de cem). Do tipo 35 surgiram todos os outros modelos originários do primeiro carro de sucesso. A história destes veículos pode ser acompanhada com maiores detalhe em outras partes desta História do Automóvel.

Suficiente será dizer que as inúmeras vitórias dos Bugattis facilmente reconhecíveis pelos espectadores por causa de seu radiador em forma de “ferradura” – foram devidas a sua completa estabilidade e excepcional qualidade de seus motores muito bem projetados.

Frequentemente apresentavam soluções diferentes (válvulas de entrada menores do que as válvulas de saída, e velas de ignição no “lado frio” do cabeçote), incluindo detalhes pioneiros: Bugatti foi o primeiro a dar ênfase à utilidade de um compressor.

Entretanto, Bugatti impôs-se rapidamente como construtor de esplendidos carros de passeio. Basta lembrar o Royale – oito cilindros, 12.750 c.c., sete carros produzidos – e o famoso e popular Tipo 57.

Concluindo esta pequena descrição: Bugatti obteve todos os reconhecimentos oficiais possíveis. Foi convidado repetidas vezes para ir à Itália planejar motores de carros e aeroplanos para a Diatto e Isotta Fraschini.

Mas uma tragédia na família abalou sua vida, tomando o preço do sucesso bastante amargo: seu filho Jean morreu ao testar um dos Bolides. Bugatti faleceu em Paris, em 1947, após uma longa doença.

O Bugatti – Corridas

As corridas continuavam a primar pelo sensacionalismo. O Bugatti dominou a temporada de 1926, quando vigorava a fórmula de um litro e meio. Muitos outros fabricantes tinham preferido capitular em vez de enfrentar as grandes despesas necessárias a uma mudança de fórmula.

Os sucessos dos Bugattis culminaram com vitórias em Monza (Sabipa-Charavel) e no Grand Prix, em Miramas, com Jules Goux, e serviram para criar uma atmosfera de fanatismo partidário entre os seus muitos aficionados. Ser dono de um Bugatti naquela época, na Europa, era motivo de orgulho para poucos privilegiados.

O campeonato mundial, vencido em 1926 por um Bugatti, foi ganho desta vez, em 1927, por um Delage, que neste meio-tempo tinha desenvolvido a fórmula de um litro e meio para os limites de suas possibilidades, produzindo 170 b.h.p. com um veículo com compressão (em 1965, carros Fórmula I de um litro e meio, sem compressão, estavam produzindo acima de 220 b.h.p.). Esta marca venceu os Grandes Prêmios da França, Itália, Espanha e Grã-Bretanha.

Durante três anos, a partir de 1928, os Grands Prix foram corridos em fórmula livre com limites de peso de 550 e 750 quilos. Como já acontecera, sempre que a fórmula livre vigorava, declinou o interesse pelas corridas do Grand Prix. Apesar disso, participaram muitos volantes que se tornariam famosos, como Chiron, Nuvolari, Varzi e Etancelin. O positivo Bugatti tipo 35 continuou conquistando uma impressionante série de lauréis, e entre eles os de Williams, em Comminges, em 1928, e de Chiron, em Monza, no mesmo ano.

Em 1929; ano da grande crise econômica americana, que teve seus reflexos em todo o mundo, atingindo, inclusive, a indústria automobilística européia, a Inglaterra, pela primeira vez, liderou a produção de carros na Europa, com 255.000 veículos, ultrapassando os 250.000 produzidos na França, naquele ano.

E 1931, assistiu ao fim da existência, como empresas independentes, de dois nomes famosos, quando a Bentley foi absorvida pela Rolls-Royce, e a Lanchester, pela Daimler. Alguns anos antes a Vauxhall fôra comprada pela General Motors.

Fonte: www.noticiasautomotivas.com.br/História do Automóvel, Auto modelo

História da Bugatti

Ettore Bugatti foi o lendário engenheiro e designer dos mais famosos Bugatti carros esportivos, o fundador da fábrica de automóveis Bugatti, e um dos precursores da engenharia automóvel moderno.

Ettore Arco Isidoro Bugatti nasceu em Milão em 15 de setembro 1881, e com a idade de 17 anos ele entrou como aprendiz a fábrica de bicicletas e triciclo Prinetti & Stucchi, onde ele construiu seu primeiro triciclo acionada pelo motor com dois motores De Dion. Este foi seguido por seu primeiro automóvel em 1900, financiado pelo Conde Gulinelli; a construção foi tão notável que ganhou um prêmio em uma feira da indústria de renome internacional em Milão. Em 1901, mudou-se para Ettore Niederbron na Alsácia para assumir o cargo de diretor técnico do automóvel fábrica da De Dietrich; já que ele ainda era menor de idade, seu pai Carlo Bugatti assinou o contrato em seu nome em 2 de Julho de 1902. Trabalhando para De Dietrich, Ettore desenvolveu novos modelos de automóveis e entrou várias corridas. Depois que ele deixou a empresa em 1904 sua carreira, em seguida, continuou com uma série de posições no desenvolvimento do automóvel e da construção.

1907 foi um ano decisivo na vida de Ettore Bugatti. Ele se casou com Barbara Maria Giuseppina Mascherpa, com quem teve dois filhos e duas filhas, e, em seguida, no dia 1 de setembro, ele assinou com a planta-motor a gás Gasmotoren-Fabrik Deutz, em Colônia. Em seu porão em Colônia-Mülheim, Bugatti desenvolveu um carro extremamente leve, que logo depois ele começou a produzir em seu próprio nome. Em 1909, ele terminou prematuramente o contrato com a Deutz, coletou sua indenização, e alugou uma tinturaria em desuso em Molsheim, Alsace. Assim começou a produção do Bugatti T13, que continuou a se expandir ao longo dos anos. Para Peugeot, Ettore desenvolveu o Bébé Peugeot, e novas licenças para projetos Bugatti foram comprados por Rabag (Düsseldorf), Diatto (Turim), e Crossley (Manchester).

A eclosão da Primeira Guerra Mundial assinalou um ponto de viragem na vida de Bugatti. A família se mudou primeiro para Milão e depois para Paris, onde Ettore projetado um 8 cilindros e um motor de avião de 16 cilindros. Depois da guerra, ele se mudou de volta para Molsheim (território francês agora) e re-abriu a planta em sua posição original. Ele continuou a construir luz, carros esportivos elegantes que lhe valeu vitórias em Le Mans em 1920 e Brescia, no ano seguinte – e mais três vezes depois disso. Assim começou uma série de vitórias que durou até 1925 e recebeu diversos triunfos (412 de acordo com a contagem em vez de Ettore Bugatti idiossincrático). No início dos anos 1930, Ettore lançou a produção de vagões motorizados – “Autorails” – que contou com motores Royale, e em 1934 ele iniciou a produção do Bugatti Type 57, o primeiro carro com um chassi projetado pelo filho de Ettore Jean.

Produção

Dois anos depois, em Molsheim terreno a um impasse como o resultado de uma greve nacional. Decepcionado com seus empregados e oprimidos pela dívida crescente, Ettore Bugatti mudou-se para Paris, deixando a gestão da fábrica de Molsheim a seu filho Jean. Após a eclosão da II Guerra Mundial, as instalações de produção Bugatti foram temporariamente mudou-se para Bordeaux. Em 1939, Jean foi morto em um acidente de carro e Ettore foi forçado pelos ocupantes nazistas a vender a sua empresa. Após a morte de sua primeira esposa Barbara, ele se casou com Geneviéve Marguerite Delcuze, com quem teve um filho e uma filha. Ettore Bugatti morreu em Paris, em 21 agosto de 1947.

História da Bugatti
Ettore Bugatti durante seu tempo como designer na de Dietrich, cerca de 1902

História da Bugatti
Ettore Bugatti em final dos anos 30

História da Bugatti
AT 35, no Grande Prêmio da Espanha em São Sebastião, 1925.
Ettore Bugatti, com capacete de cortiça, supervisiona o motorista e mecânico.

Fonte: www.bugatti.com

História da Bugatti

“Seus carros são realmente ótimos, Monsieur Bugatti, mas para um verdadeiro gentleman, somente os Rolls-Royces são adequados.”

Quando ouviu essa afirmação em uma reunião social no início dos anos 20, Ettore Bugatti não ficou revoltado como se era de esperar.

Uma pessoa obviamente inteligente, Bugatti logo começou a pensar nos motivos que levaram aquela linda jovem bem nascida a dizer tal coisa.

História da Bugatti
Ettore Bugatti, o criador das lendas, abandonou o curso de artes e foi dedicar-se a sua paixão pelos automóveis

Os Rolls-Royces, apesar de tecnicamente inferiores aos Bugattis, tinham já àquela época qualidade e confiabilidade incríveis. Carros enormes, relativamente velozes e caríssimos, os Rolls eram a escolha preferida da nobreza européia, e portanto a jovem não deixava de ter razão. Bugatti resolveu então que não aceitaria passivamente essa situação.

Discussões inúteis não valeriam a pena: Ettore iria construir sua resposta.

O resultado disso foi o tipo 41 “La Royale” ou, como é mais conhecido, o Bugatti Royale.

Um dos carros mais lendários já criados, por seu glorioso exagero nas especificações, o Royale conseguiu duas coisas: colocar a Bugatti num patamar acima da Rolls-Royce, como pretendido, e apontar à empresa uma direção que a levaria, em última instância, à falência.

O nascimento da marca

Ettore Bugatti nasceu em 1881 na famosa cidade italiana de Milão. Sim, Bugatti era italiano, apesar de construir sua vida e sua famosa empresa na França.

Ettore Bugatti nasceu em um ambiente que seria decisivo para seu futuro: uma família de artistas. Embora tivesse nascido, também, com aquela indefinida característica genética que causa o entusiasmo pelo automóvel, o meio artístico em que nasceu e foi criado teria uma profunda influência em sua vida.

História da Bugatti
Ettore ao volante de um protótipo do Royale, até hoje o mais longo automóvel já produzido

O pai de Ettore, Carlo Bugatti, é até hoje famoso por sua mobília artística. Seu irmão mais novo, Rembrandt, ficou conhecido por suas esculturas de animais fundidas em bronze. A mais famosa delas é o elefante que adornou o enorme radiador do Royale.

Bugatti, desde garoto, apresentou aptidão para a mecânica (uma história repetitiva; qual pioneiro do automóvel não tinha?). Aos 18 anos abandonou a Escola de Belas Artes de Milão, para desgosto do pai, e foi contratado como aprendiz na empresa Prinetti & Stucci, em sua cidade natal. Lá participou de seu primeiro projeto automobilístico, um triciclo motorizado.

A partir daí Bugatti passou rapidamente por várias empresas, até que fixou residência na cidade de Molsheim, na Alsácia francesa, onde conseguiu financiamento para desenhar o primeiro Bugatti: o tipo 10 de 1908.

Dez milhões de dólares

Os Bugattis Royale raramente são postos à venda. Como são carros famosos, historicamente importantes e raríssimos (apenas seis existem), quando alguém resolve vender um, casas de leilão se entusiasmam, fortunas estremecem e todos esperam o momento em que uma quantidade exorbitante de dinheiro trocará de mãos.
Na última vez em que isso aconteceu, num leilão no Royal Albert Hall em 1987, o colecionador americano Miles Collier vendeu seu Royale para o sueco Hans Thulin por quase oito milhões de dólares, o valor mais alto pago por um carro até hoje.
Esse Royale foi um dos que Ettore Bugatti manteve consigo até o final de sua vida, e pertenceu também ao milionário americano Briggs Cunningham.
Agora, a casa de leilões Bonhams & Brooks (a terceira do mundo) foi contatada para revender o mesmo carro, agora em “venda privada”, ou seja, pessoas possivelmente interessadas serão contatadas pessoalmente pela casa de leilões e a venda se dará em sigilo. Espera-se que o Royale troque de mãos novamente por não menos que 10 milhões. De dólares… Nada mau para o que é, para todos os efeitos, um carro usado com 71 anos de idade.

Desde o começo, Bugatti mostrou um senso de estética e proporção até hoje impressionante. Todos os componentes de seus veículos deviam, antes de funcionar bem, ter uma aparência impecável. Os motores sempre foram construídos em perfeitas formas geométricas, sem que nenhuma parte visível ficasse sem acabamento. Até os fundidos eram usinados para um acabamento impecável, mesmo nas superfícies não-funcionais.

História da Bugatti
O tipo 35, primeira obra-prima de Bugatti: rodas de alumínio com freios integrados, motor de 8 cilindros em linha e 3 válvulas para cada um

Carros de competição se tornariam seu forte, visto que Ettore logo descobriu que os pilotos pagavam qualquer coisa por um veículo competitivo. E, dotados de pára-lamas e pára-choques, esses modelos de competição se tornavam excelentes carros de passeio para os mais abastados.

Os clássicos imortais

Um dos carros mais conhecidos de Ettore foi o imortal tipo 35, sua primeira obra-prima e um dos carros de proporções mais perfeitas já criados.

Suas magníficas rodas de alumínio ficavam fora da carroceria, uma delicada e minimalista criação que escondia completamente seus componentes mecânicos e culminava com o hoje famoso radiador em forma de ferradura.

E não era só belo: equipado com um motor de oito cilindros em linha — pela primeira vez na marca –, contava com comando no cabeçote e três válvulas por cilindro (uma de admissão, duas de escapamento) e girava extremamente alto para sua época. As rodas eram integradas com os tambores de freio e, por sua construção em alumínio, eram leves e dissipavam bem o calor. Foi o primeiro Bugatti com freios nas quatro rodas, sendo os dianteiros de acionamento hidráulico.

O câmbio permitia engates rápidos e precisos, a estabilidade era lendária.

O eixo dianteiro do tipo 35 se tornaria uma tradição Bugatti: uma peça de seção circular de diâmetro variável, forjada, era então usinada para que o feixe de molas passasse através dele.

Caríssima, mas também bela e excelente em sua função: uma criação de um engenheiro-artista, como o carro que equipava.

O tipo 35 teve longa carreira, de 1924 até 1931. Durante esses anos, 600 unidades foram construídas com versões do oito-em-linha que iam do 1,5-litro de aspiração natural até 2,3-litros com compressor mecânico. Venceu 1.800 corridas, tendo feito sua estréia no GP da França de 1924, quando a Bugatti se apresentou com sete veículos e 45 toneladas de peças de reposição.

Foi o transporte preferido dos playboys dos anos 20 (Isadora Duncan morreu em um deles, quando seu cachecol se prendeu a roda em movimento) e transformou a Bugatti numa marca respeitada e admirada.

História da Bugatti
Nos anos 20, um tipo 35, carro feito para as competições de GP (a F1 da época), com carroceria fechada para o uso nas ruas. Como fazer o mesmo com um F1 de hoje?

Retrovisores

Dizia-se que Ettore Bugatti não permitia que se projetassem espelhos retrovisores em seus carros, por acreditar que quem dirigia um Bugatti não se importaria com os carros que ficassem para trás. Ao contrário do que reza a lenda, porém, um dos dois exemplares Royale da coleção Schlumpf, uma limusine Park Ward encarroçada na Inglaterra, possui o equipamento.

E então houve o Royale.

Desenhado para ser usado pelas cabeças coroadas da Europa, carregava sua mascote paquidérmica no radiador por um bom motivo: era um carro gigantesco. Media 4,32 metros de entreeixos — o que um Astra Sedan tem de comprimento… O carro pesava mais de três toneladas e custava o equivalente a três Rolls-Royces Phantom II. Nenhuma de suas peças recebia banho de cromo. Ettore achava que tal metal era vulgar demais para os carros, substituindo-o por banhos de prata.

História da Bugatti
O Royale era o exagero sobre rodas: 12,7 litros de cilindrada, mais de 6 metros de comprimento e cerca de 3 toneladas

Seu motor, um oito-em-linha (desenvolvido a partir de um 16-cilindros aeronáutico), começou com 14.726 cm3 de cilindrada e 300 cv de potência a apenas 1.700 rpm. Isso mesmo, 14,7 litros! A partir do segundo chassi, os motores tiveram sua cilindrada reduzida para “discretos” 12.763 cm3 e a potência para 278 cv. O motor media 1,42 metro de comprimento, usava 23 litros de óleo lubrificante e 68 litros de água no radiador. O câmbio era de três marchas, com a segunda direta (1:1) e a terceira overdrive.

O Royale foi um divisor de águas na história da empresa. Até então, os Bugattis eram carros de competição modificados para uso nas ruas e criados conforme os desejos de Ettore. A partir dele, a influência de seu filho mais velho Jean começou a aflorar, até que se tornasse a principal voz na criação dos veículos, como no lendário tipo 57, um carro que Jean desenhou de cabo a rabo.

Em 1927, um ano após a apresentação do Royale, a Bugatti inaugurava seu departamento próprio de carrocerias, onde Jean criaria obras nunca antes vistas. O Royale provou ser dificílimo de vender, situação que piorou com a quebra da bolsa de Nova York em 1929. Apenas seis carros foram criados em seis anos, de 1926 a 1931, mas três ficariam por décadas com a família Bugatti.

O primeiro a ser vendido (chassi 41111) foi o lendário roadster encomendado pelo milionário francês Armand Esders. Com suntuosos 6,23 metros de comprimento, o Esders Roadster foi uma obra-prima de estilo e proporção. Inspirado no tipo 55, Jean criou um carro onde os pára-lamas se uniam em uma única linha, sem nenhuma parte reta em toda a lateral.

A pedido de Esders, o carro não tinha capota nem faróis: seria usado apenas em dias claros, em ocasiões especiais.

História da Bugatti
O primeiro Royale, feito para o milionário francês Esders, não tinha capota nem faróis: seria usado apenas em dias claros e ocasiões especiais

A carroceria original foi trocada pelo segundo proprietário. O hoje chamado Coupé de Ville Binder pertence à coleção Harrah, juntamente com o último Royale, o de chassi 41150, que permaneceu nas mãos da família Bugatti até 1951. Mas uma reprodução exata do original ainda pode ser vista no Museu Nacional do Automóvel de Mulhouse, França. Apreciá-lo ao vivo é uma experiência única e recomendável.

Em 1931, Ettore já havia deixado a operação da fábrica sob a responsabilidade de Jean, então com apenas 22 anos.

Quando uma greve estourou em 1936, Ettore, um homem que dirigia sua empresa como um senhor feudal, ficou extremamente abalado, a ponto de abandonar Molsheim e se exilar em Paris, onde passou a se concentrar no lucrativo negócio de trens.

Os trens Bugatti são uma história a parte: eram vagões integrados à locomotiva, altamente aerodinâmicos e propelidos por uma combinação de dois ou quatro motores de oito cilindros em linha do Royale. Bateram vários recordes de velocidade, mantiveram-se em operação até 1958 e garantiram a sobrevivência da empresa durante a crise dos anos 30.

História da Bugatti
O 57 Ventoux: motor com câmaras hemisféricas e duplo comando no Bugatti mais vendido entre os clássicos – 710 unidades no total do tipo 57

O elegante tipo 57 Enquanto isso, Jean ficou livre para inovar em “sua” fábrica. Seu tipo 57 é provavelmente o melhor dos Bugattis clássicos — e o mais vendido, 710 unidades. O motor continuava na clássica configuração oito-em-linha, mas agora contava com duplo comando de válvulas no cabeçote e câmaras de combustão hemisféricas. Com 3,3 litros de cilindrada, era muito mais eficiente que o tradicional três-válvulas.

A versão 57S era mais baixa e com chassi mais curto, e a 57SC contava com compressor mecânico para atingir potências de até 230 cv. Lubrificação por cárter seco, amortecedores telescópicos e, nos últimos modelos, freios hidráulicos eram novidades do carro.

História da Bugatti
Sobre o chassi 57SC Jean criaria obras de arte como o Atlantic, cujo destaque era a “espinha dorsal” por toda a extensão do teto

As maiores e mais influentes criações estilísticas de Jean seriam criadas sobre o chassi 57SC. A mais famosa foi o 57SC Atlantic, com sua inconfundível “espinha dorsal”, uma aba de junção rebitada em toda a extensão do teto. Jean inicialmente queria uma suspensão independente na dianteira, mas Ettore vetou-a pela aparência, em favor do tradicional eixo dianteiro usinado. A liberdade de Jean não era completa…

Outro fato curioso: o cabeçote do tipo 57 (bem como o do tipo 50, que veio antes) era na verdade uma cópia do que equipava o Miller 91. Jean comprou dois exemplares desse revolucionário carro de competição americano, com tração dianteira, para estudos. Harry A. Miller, o criador do carro, era por coincidência considerado o “Bugatti dos EUA”, por ser também um engenheiro-artista.

História da Bugatti
Um tipo 57SC Atalante, uma das carrocerias mais belas de Jean Bugatti. Acabamento interno e externo impecáveis

Os dois Millers 91 foram resgatados da fábrica falida na década de 50 pelo historiador americano Griffith Borgenson, que os restaurou e doou ao Instituto Smithsonian de Nova York, de cujo acervo fazem parte até hoje.

O fim

Quando Ettore começou a criar carros, em 1899, Enzo Ferrari era um menino. William Lyons, da Jaguar, só criaria seu primeiro carro-esporte no final dos anos 30, quando a Bugatti já era uma marca de tradição.

Mas em comum com esses dois pioneiros, uma infeliz história: todos criaram filhos com a intenção de torná-los seus sucessores. E, tragicamente, todos os três perderam esses filhos antes que pudessem fazê-lo de modo completo.

História da Bugatti
O motor de oito cilindros em linha, duplo comando e compressor do tipo 57SC. Note o acabamento e a beleza das peças. Uma verdadeira obra de arte, exposta como tal

Jean Bugatti morreu em 1939, com apenas 30 anos de idade, em um acidente ao testar uma versão de seu clássico tipo 57SC.

Ettore nunca se recuperou dessa dor. Em 1947, morreu com 66 anos.

Outro pioneiro, este contemporâneo de Ettore, também criou seu herdeiro e sucessor mas felizmente não o perdeu: Ferdinand Porsche.

Seu filho Ferry praticamente criou a marca Porsche e foi instrumental em sua sobrevivência como empresa independente.

A Ferrari é hoje da Fiat, e a Jaguar, após vários donos, da Ford.

No Brasil

História da Bugatti
Nos anos 70 e 80 foram produzidas, pela Tander Car, réplicas dos Bugattis tipo 35 e tipo 59, mas impropriamente impulsionadas por mecânica Volkswagen a “ar”.

A Bugatti fechou as portas em 1951, efetivamente sem direção. Os outros herdeiros de Ettore (Roland e as duas filhas, L’Ébé e Lidia) tentaram continuar a fábrica, criando o tipo 101 (um 57 modificado), de 1951, e o 251 de competição, de 1956, com motor central-traseiro, mas sem êxito. O 101, apesar de seguir as linhas dos cabriolets de sua época, possuía o desenho da dianteira nitidamente inspirado nos primeiros modelos de competição.

A trajetória da Bugatti e seu fundador forma um oposto exato da de outro pioneiro: Henry Ford. Enquanto Ford mostrou o caminho para as pessoas que realmente querem ganhar dinheiro fabricando automóveis, criando a produção seriada de carros idênticos, Bugatti mostrava o outro caminho, infelizmente de menor sucesso na maioria dos casos: a produção de obras de arte ambulantes, imagens vivas da imaginação de um criador obstinado a realizar seu sonho sobre rodas, não importando o preço que um dia viria a pagar por isso.

História da Bugatti
Os carros de Bugatti passaram à história como uma verdadeira coleção de obras-primas, cuja perfeição estética, para muitos, jamais será igualada

Ninguém deve menosprezar a importância histórica de Henry Ford. Contudo, se observarmos em retrospectiva, veremos que alguns Fords — assim como modelos de fabricantes com a mesma proposta — são muito interessantes, outros até memoráveis, mas a maioria é no máximo banal ou, em alguns casos, medíocre.

Já qualquer Bugatti, mesmo o pior deles, é como uma obra de arte: emocionante, inesquecível e com a marca inconfundível de seu criador.

De que forma você, leitor, preferiria ser lembrado?

Fonte: www2.uol.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Cadillac Self-Starter

Cadillac Self-Starter, Construção, Sistema, Motor, Arranque, Partida, Elétrica, Dispositivo, Inovação, História, Cadillac Self-Starter

História da Cadillac

História da Cadillac, Carro, Marca, Modelos, Fabricação, Motor, Empresa, Construção, Logo, Veículos, Automóveis, História da Cadillac

Aero Willys

Aero Willys, Carros, Brasil, Versão, Veículos, Velocidade, Modelo, Características, Linha, História, Fotos, Aero Willys

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+