Breaking News
Home / Automóveis / Bugatti Type 57 Atlantic

Bugatti Type 57 Atlantic

PUBLICIDADE

O Bugatti Type 57 e as variantes posteriores (incluindo o famoso Atlântico e Atalante) foi um design totalmente novo por Jean Bugatti , filho do fundador Ettore.

Bugatti Type 57 Atlantic

Bugatti Type 57 Atlantic

Bugatti Type 57 Atlantic

Bugatti Type 57 Atlantic
Bugatti Type 57 Atlantic

Um dos mais bizarros, evasivo e caros dos carros é o Bugatti Type 57SC Atlantic.

Com a sua baixa posição, motor potente, construção leve, 123 mph (200 kph) velocidade máxima e corpo teardrop influente, muitos acreditam que este é o último Bugatti eo primeiro supercarro já feito.

O filho de Ettore, Jean Bugatti, que desempenhou um grande papel no desenvolvimento da série Type 57, pessoalmente estilo do Atlântico. Linhas de Jean desenhar uma interessante mistura de estilo aeronave, juntamente com a forma de gota, avant-garde. Projeto destaques incluem um pára-brisas fortemente arrecadou, barbatanas rebitadas e portas em forma de rim com correspondência janelas laterais.

Momentum por trás do estilo foi estruturado por um conceito de design de incorporar Electron, uma liga de magnésio e alumínio de IG Farben da Alemanha, no design. Embora seja forte, e até um terço do peso de alumínio, também é altamente inflamável assim soldadura não era possível. Isto significava que cada painel teve que ser rebitada no lugar que colocam um problema particular para o design tradicional. Portanto, Jean incorporada estética do rebite para as asas do carro e criou uma combinação narração de função e forma.

Como o primeiro carro a ter barbatanas, a prata Electron Aerolithe Prototype estreou-se como um possível modelo esporte da série Type 57 em 1935 Paris Motor Show. Por mais de uma sensação de que o carro deve ter sido, ele só tirou três ordens. No momento em que a produção começou em 1936, de alumínio padrão foi escolhido em detrimento do elétron inflamável e especialmente o reduzido Type 57S chassis, com a sua menor, radiador em forma de V foi utilizado.

A engenharia nesses Atlantics foi semelhante aos outros 57s Tipo que formaram a base para a concorrência Bugatti e grand touring. Arranjos de chassis incluídos rodas Rudge Witworth fio, complexos De Rams choques absorventes, quinze polegadas freios de tambor e um chassis forte e organizada. O chassis Tipo 57SC foi a combinação do motor 57C supercharged com o baixo e curto 57S chassis usado para corridas.

Fonte: www.supercars.net

Bugatti Type 57 Atlantic

O Bugatti Type 57 SC Atlantic de Ralph Lauren foi apontado para concorrer, por se tratar de um carro clássico, ao anual Concorso d’Eleganza de Villa d’ de 24 a 26 de abril na Itália.

Este raro coupé, mais raro do que o Type 57 Atalante recentemente encontrado em uma garagem na Inglaterra, é apenas um dos três veículos que foram produzidos e voltará para a Europa após 18 anos.

A aparência especial dada a este Bugatti ajudará a marca a comemorar seu 100º aniversário em 2009, bem como a mostrar os 80 anos de existência da linha Type.

O Bugatti Type 57 Atlantic

Um assombro. Assim pode ser descrita a experiência de dirigir um automóvel de um milhão de euros com 1.001 cv de potência, 127,4 m.kgf de torque, 0 a 100 km/h em menos de três segundos e 406 km/h de máxima — recordes mundiais de desempenho para um carro de série.

Estamos falando do EB 16/4 Veyron, que resgata uma das mais célebres marcas de carros sofisticados que já existiu: a francesa Bugatti, hoje sob comando da Volkswagen. O Veyron estabelece novos patamares de desempenho, enquanto resgata a aura de carros de sonho que tiveram no Bugatti Atlantic o ápice em esportividade, estilo e exclusividade.

O Atlantic, que levava dois ocupantes, era uma série limitada do Type 57.

Na verdade, seu nome completo era Bugatti Type 57SC Atlantic, uma idéia tão fascinante que ganhou luz própria e status de mito.

Ele é encarado como um modelo à parte da família criada pelo italiano Ettore Bugatti de 1898 em diante, por seus atributos técnicos de ponta e, em especial, por seu desenho singular.

Tanto que ficou conhecido apenas como Atlantic, nome que é atribuído a uma homenagem a Roland Garros. Este ás da aviação francesa na Primeira Guerra Mundial morreu num acidente no Oceano Atlântico.

A gama da família Type 57, ao se encerrar em 1940, contabilizava 710 unidades produzidas.

Ela nascera em 1934 das pranchetas de Jean Bugatti, o filho de Ettore.

A série de modelos sobre essa plataforma foi das mais variadas e criativas da marca e rendeu frutos como o também aclamado Atalante.

Com enormes 3,3 metros de distância entre eixos, o carro usava um motor de oito cilindros em linha com duplo comando de válvulas, câmaras de combustão hemisféricas e 3.257 cm³ (diâmetro e curso de 72 x 100 mm), que também equipava a maior parte dos modelos 57.

A potência era de 135 cv e a velocidade máxima de 153 km/h, marcas vibrantes para a época.

Bugatti Type 57 Atlantic

Bugatti Type 57 Atlantic
Do primeiro Atlantic não se tem notícia, mas o segundo (na foto), depois de mudar de cor várias vezes, foi restaurado conforme o padrão original de 1936

O propulsor do Type 57 era o mesmo do Type 59 de corrida, derivado do que equipava o Type 49, com profundas modificações no projeto original feitas por Jean Bugatti. Diferente dos motores de duplo comando acionado a corrente do Type 50 e do 51, o do Type 57 usava engrenagens para transmitir o movimento do virabrequim ao trem de válvulas. Inicialmente operados por cabos, os freios passavam para sistema hidráulico em 1938. As versões de rua pesavam em torno de 950 kg. Essa configuração básica do modelo estaria em 630 unidades das 710 de toda a série.

A versão 57S trazia em 1936 um chassi mais baixo e curto das pistas de corrida. O mesmo chassi seria usado no Type 57SC, que ainda saía de fábrica com compressor do tipo Roots, como no 57C de corrida, item que justificava a sigla SC (de supercharger, nome inglês desse equipamento). O desempenho sadio vinha por 160 cv. Apenas dois sairiam de fábrica com compressor, o que não impediria que a maior parte dos donos de 57S mandassem seus carros de volta a Molsheim, onde os Bugatti eram construídos artesanalmente, para a instalação do superalimentador. Os resultados iam de 175 a 200 cv.

O Atlantic foi apresentado em 1935, numa unidade ainda derivada de um chassi Type 57 convencional. O motor oito-cilindros já apimentado recebia uma injeção extra de ânimo, com carburador Stromberg UUR-2 e taxa de compressão de 8.5:1. A potência, colossal para os padrões dos anos 30, passava a 210 cv a 5.500 rpm. A tração era traseira e a caixa manual tinha quatro marchas.

A carroceria de alumínio vinha montada sobre suportes de madeira e uma estrutura de aço. Para a suspensão dianteira foi escolhido um sistema semi-independente, com feixe de molas, e na traseira o Atlantic tinha eixo rígido e molas semi-elípticas. Mais curto, tinha 2,97 metros entre eixos. Os freios, como se pode prever, eram a tambor, enquanto pneus de aro 18 pol serviam de pés no chão para esse sonho sobre rodas. Tudo isso pesava apenas 953 kg, chegava a 177 km/h e acelerava de 0 a 100 km/h em 10 segundos. Tão pouco perto do Veyron, mas tão expressivo 70 anos atrás…

Além do portento técnico dessa jóia, o Atlantic trajava uma roupagem de tirar o fôlego por sua criatividade e ousadia. Seu desenho misturava inspirações aeronáuticas com a tendência streamline daqueles anos. Um paralelo comumente associado ao Atlantic é o Talbot-Lago “Teardrop”, outro dos mais reverenciados clássicos da história do automóvel. O próprio Jean Bugatti resolveu ir além de seus talentos na engenharia e desenhou o Atlantic. Ele morreria em 1939, antes do Type 57 que ajudou a criar, enquanto testava um carro para a 24 Horas de Le Mans.

Bugatti Type 57 Atlantic
O carro preto, a terceira e última unidade construída, pertence hoje a Ralph Lauren e impressiona pelas linhas fluidas, com a “espinha dorsal” que vai do pára-brisa até a traseira

A frente trazia a já tradicional grade em formato oval e faróis bem baixos, próximos ao pára-choque — na verdade uma barra da cor do carro ligando os dois pára-lamas, que começavam bem à frente da própria grade, postada sobre o eixo dianteiro. Dessa maneira, a frente pronunciada por um longo capô permitia o formato de asa dos pára-lamas dianteiros nas laterais, além de um ar imponente de nobreza. Rebites visíveis, e incorporados ao desenho, justificavam-se pelo uso de peças em magnésio, material bem mais leve que o alumínio, mas tão inflamável que não permitia soldas.

Portas de abertura “suicida” continham janelas laterais na forma de um grão de feijão, mais baixas na parte posterior, e com quebra-ventos. Os pára-lamas traseiros vinham acompanhados de saias que escondiam as rodas até a base do carro. O caimento da traseira era ao estilo fastback, suave e ovalado como uma ave com suas asas recolhidas. Pequenas lanternas ladeavam o espaço reservado à placa do veículo. O maior charme do Atlantic era uma espécie de espinha dorsal que dividia ao meio a capota, do pára-brisa bem inclinado ao porta-malas.

O que ajuda a tornar esse Bugatti um clássico perene da mais alta estirpe é sua ínfima produção: apenas três foram feitos. E, para inflar ainda mais sua aura de obra de arte, cada um deles tem características próprias e o paradeiro sempre rastreado pelos colecionadores. Confeccionado sobre um chassi do Type 57 normal, o primeiro era mais alto, como denunciava seu capô. A carroceria era toda feita em magnésio (chamado comercialmente de electron na época), razão pela qual muitos o tratam por Aerolithe Electron Coupe. Tinha rodas raiadas e pneus com faixa branca. Sua história é desconhecida, mas reza a lenda que ele foi destruído por um trem.

Bugatti Type 57 Atlantic
A grade oval estava à frente do motor de oito cilindros e 3,3 litros, que fornecia 210 cv; os faróis da terceira unidade eram mais altos

O segundo exemplar foi fabricado com carroceria de alumínio em 1936. Por já ser um 57S, seu capô tem a mesma altura dos pára-lamas que o ladeiam. Várias partes têm rebites à vista. Ele pertenceu a um lorde de Londres, que em 1939 mandaria instalar o compressor em Molsheim. Sua cor azul claro metálico teria sido encomendada para combinar com um anel. Seu segundo dono, de Los Angeles, modificou a janela traseira do carro e trocou sua cor várias vezes. O proprietário atual, também dos Estados Unidos, o restaurou conforme as especificações de 1936 e ganhou o prêmio máximo do Concurso de Elegância de Pebble Beach em 2003.

O terceiro Atlantic é preto, mas há quem diga que sua cor original era azul marinho. Ele pertence a Ralph Lauren, da grife de vestuário, e venceu Pebble Beach em 2000. Em seu restauro foi descoberta a cobertura original dos assentos, de pele de cabra. O estofamento era de pêlo de cavalo embrulhado em musselina.

São detalhes de uma lenda que já havia inspirado o conceito Atlantic da Chrysler, em 1995, e agora reflete seu brilho no recordista Veyron, outro Bugatti nascido clássico. O Atlantic prova que uma obra-prima inacessível pode ser querida por muitos e por décadas a fio. Afinal, sonhar alto não custa nada.

Bugatti Type 57 Atlantic 3.3 S

Tipo do combustível: Gasolina
Tipo de corpo:
Coupé
Tração:
Parte traseira
Modelo feito desde:
1936
Deslocamento:
3257 cm³
Cilindros:
8
Poder:
170 CV @ 5500 RPM
Válvulas:
16
Furo:
72.00 mm
Curso:
100.00 mm
Comprimento:
4600 mm
Largura:
1760 mm
Altura:
1380 mm
Distância entre eixos:
2980 mm
Peso:
1250 kg
Tanque de combustível:
100 l
Velocidade máxima:
200 km/h
Acceleração 0-100 km/h:
11.10 s

BUGATTI Type 57 Atlantic 3.3 SC

Tipo do combustível: Gasolina
Tipo de corpo:
Coupé
Tração:
Parte traseira
Modelo feito desde:
1936
Deslocamento:
3257 cm³
Cilindros:
8
Poder:
200 CV
Válvulas:
16
Furo:
72.00 mm
Curso:
100.00 mm
Comprimento:
4600 mm
Largura:
1760 mm
Altura:
1380 mm
Distância entre eixos:
3300 mm
Peso:
1250 kg
Tanque de combustível:
100 l
Velocidade máxima:
210 km/h
Aceleração 0-100 km/h:
11.00 s

Fonte: www.estilors.com.br/www2.uol.com.br

Veja também

História da Tucker

História da Tucker, 48, Carro, Preston, Empresa, Torpedo, Automóveis, Sedan, Motor, Características, Fotos, História da Tucker

Tucker Torpedo

Tucker Torpedo, Carro, História, Preston, Motor, Automóvel, Sedan, Velocidade, Características, Fotos, Tucker Torpedo

Willys Interlagos

Willys Interlagos, Carros, Modelos, História, Brasil, Versão, Velocidade, Motor, Autódromo, Berlineta, Conversível, Willys Interlagos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.