Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Automóveis / Citroën 2CV

Citroën 2CV

PUBLICIDADE

1948-1990

Citroën 2CV

No ano de 1936, Pierre Boulanger, diretor geral da Citroën, estava de férias na região de Clermont Ferrand, um centro agrícola muito movimentado. O dia de mercado traz pequenos agricultores e camponeses para vender e comprar produtos frescos.

O cavalo e a carroça eram o meio de transporte mais comum na França rural e, à medida que contemplava o cenário, Boulanger começou a pensar que todas aquelas pessoas poderiam vir a tornar-se seus potenciais clientes. O que era necessário pensava ele, era uma forma simples de transporte, tão simples como 4 rodas e um chapéu-de-chuva!

De volta à sua fabrica em Paris, Boulanger explicou aos seus engenheiros que o novo veiculo deveria ser capaz de transportar uma cesta de ovos através de um campo de terra arada sem partir nenhum e que ele – um homem alto – deveria poder sentar-se confortavelmente usando um chapéu. Teria ainda que ser barato para estar ao alcance de todos.

E como iria substituir o cavalo e a carroça, as performances seriam tudo menos importantes.

A suspensão era um exemplo fantástico de simplicidade e habilidade. As quatro rodas estavam montadas sobre braços compridos, ligadas a mais simples forma de molas e barras de torção e, apesar do carro parecer que ia capotar a cada curva, passou com facilidade o “teste” da cesta de ovos.

O “Deux Chevaux“, baptizado assim pela sua potência fiscal, seria finalmente lançado no salão de Paris em 1939. Mas a guerra rebentou e a amostra não teve lugar. O 2CV foi então guardado e preparado para ser lançado no pós-guerra. Quando foi finalmente apresentado em 1948 o modelo tinha sofrido algumas alterações. Incluíram a refrigeração a ar, para tornar o motor mais fácil de manter e reparar, e uma carroçaria mais atraente.

Mas a simplicidade manteve-se: o teto era de lona, as janelas laterais fixas com portinholas para ventilação e para se poder sinalizar as manobras manualmente, os bancos podiam ser retirados para se poder aumentar o volume de carga.

O 2CV fez parte da gama da Citroën ate 1990 tendo ganho mais potência e cores mais brilhantes, e o mercado alvo passou dos agricultores franceses para todos os condutores urbanos a nível europeu. Ao ver as carroças em Clermont Ferrand, Boulanger estava longe de imaginar o mito que estava a criar.

Conforto

Quatro bancos e uma porta para cada um dos lugares tal como um acesso largo e confortável. O 2CV dá satisfação a todos os passageiros querem sejam grandes, pequenos, gordos ou magros. Cada um encontra bastante espaço e portanto a liberdade de movimento. À frente tal como atrás encontramos um grande espaço para os joelhos e as pernas.

O chão é rigorosamente plano. Um cuidado particular foi reservado aos bancos do 2CV, logo a gente constata que são o resultado de experiências minuciosas.

A sua construção é no entanto o mais simples possível. A suspensão única do 2CV merece uma menção especial. Pouco importa que a estrada seja má pois neste carro sente-se sempre confortável.

Seja qual for o percurso, sairá do 2CV tão bem disposto como ao entrar nele. É um verdadeiro Citroën. A visibilidade é boa de todos os lados. Os vidros dos lados podem levantar-se. A capota é de lona impermeável e, abre-se largamente para trás. Tal como os seus passageiros aproveitam o sol, tal como o ar fresco, diretamente, e isto sem suplemento de preço.

O dispositivo de climatização tem um funcionamento simples, mas muito eficaz. Na base do pára-brisas encontram-se entradas de ar que V.exa pode abrir no caso de estar calor. No Inverno o ar aquecido entra por duas aberturas independentes a fim de criar uma temperatura agradável dentro do carro. Este dispositivo serve ao mesmo tempo de aquecimento, e para desembaciar o vidro.

Prático

Todas as bagagens para férias da vossa família, caberão facilmente na mala traseira do carro e, no caso de V.exa: querer por mais coisas, poderá colocá-las debaixo dos bancos.

Cada um dos cantos do 2CV representa um espaço utilizável. V.exa. tem no quadro de bordo uma vasta prateleira na qual poderá depositar várias coisas.

Tudo o que seja pesado, tudo o que ocupa muito espaço, tudo o que daria, em realidade a V.exa. problemas insolúveis de transporte, não apresenta a mínima dificuldade para o 2CV. V.exa. quer levar os seus skis, pode introduzi-los simplesmente por trás debaixo dos bancos e deixa-los estendidos no chão.

Se um dia V.exa. precisar de transportar uns objetos frágeis, pode confiar na suspensão do 2CV.

Este carro foi submetido a varias provas aos quais, nos piores caminhos, transportou cestas de ovo, e nenhum se partiu. Esta suspensão está destinada em primeiro lugar ao vosso conforto na estrada, pois V:exa. Nem requer repara nas suas irregularidades.

Se V.exa. fizer campismo, ou se quiser organizar um piquenique, os bancos destacáveis ser-lhe-ão da maior utilidade. Assim V.exa. terá um assento confortável.

A capota, o forro das portas, as almofadas e os tapetes do chão, de borracha, são fáceis de limpar assim como a carroçaria. Este carro não tem muitas despesas de conservação.

Seguro

Como todos os carros citroen, o 2CV possui igualmente uma tração a frente. É a solução lógica, pois os bois não ficam aras da charrua. As rodas da frente são ao mesmo tempo motrizes, e diretrizes. Puxam o carro com segurança e com precisão para bem curvar.

Cada uma das 4 rodas é suspendida, portanto ficam independentes umas das outras. Esta vantagem é muito apreciável. Cada uma das rodas é equipada de um batedor de inércia. Deste modo o carro fica sempre o mais possível em contato com o solo, mesmo mas estradas com buracos e reguengos. V.exa. poderá passar onde quiser com o 2CV, quer seja na neve, no gelo, na areia ou na lama. A sua suspensão, que não tem par, oferece-lhe um excelente conforto tal como uma estabilidade de primeira ordem.

O 2CV possui travões eficazes, Mesmo no caso de utilizá-los por muito tempo, a seguir, os travões do 2CV não aquecem. Os tambores ficam diretamente ao pé da caixa de velocidades, a fim de segurar uma melhor ventilação. Permitem qualquer travagem de socorro, mesmo quando V.exa. anda muito depressa, e isto sem que o carro se despiste, Graças à magnifica estabilidade do 2CV, V.exa. poderá viajar a grande velocidade, mesmo nas estradas que tenham muitas curvas.

A velocidade média é igual à velocidade de ponta.

Suspensão

É muito simples e fácil de guiar, é um autentico jogo de criança. Todos os instrumentos ficam ao alcance da mão do condutor, e um carro cómodo. Claro que as 4 velocidades são sincronizadas. A embraiagem centrífuga facilita a manobra quando há engarrafamentos. Sem mexer na embraiagem, arranque devagar. Mesmo no caso de V.exa. fazer uma falsa manobra, o motor não vai abaixo.

Um carro indestrutivel!

Este carro é insensível a todas as intempéries, pode ficar na rua de dia como de noite, tanto no verão como no Inverno.

O motor arrefecido por ar não pode congelar. E se no verão ou nas grandes subidas, os outros carros tem de parar como o motor a ferver, V.exa. andará com toda a calma no seu 2CV.

Pelo fato que o 2CV é muitíssimo robusto, exige poucas despesas de conservação: quatro pontos so de lubrificação, pouco óleo, fácil de lavar, repara-se facilmente graças à boa disposição, e a acessibilidade de todas as peças. Estes fatores todos, ainda aumentam a economia do 2CV.

O 2CV é o carro das pessoas ativas que querem ficar dentro do seu tempo, que querem arrancar depressa e sempre chegar a hora. É um carro para pessoas alegres e optimistas. É mais que um carro, é um estilo de vida que milhares de pessoas optaram.

Fonte: www.motorclassico.pt

Citroën 2CV

Para os não tão familiarizados com o Citroën 2CV, Flaminio Bertoni foi o desenhador responsável pela criação do Citroën 2CV.

Os seus desenhos, por muitos dos seus contemporâneos considerados radicais ou demasiado avançados para o seu tempo, marcaram de forma decisiva o mundo automóvel no período pós-guerra.

Sendo um grande admirador de Leonardo Da Vince, Bertoni iniciou a sua carreira como escultor. O seu gosto pelos automóveis nasce mais tarde, fruto do seu ingresso como desenhador na empresa “Carrozzeria Macchi”.

1931 será uma ano que marcará Bertoni. É por essa altura que ele se apaixona por Giovanna Barcella. No entanto esse romance não é aprovado pela mãe de Bertoni.

Assim, em Outubro desse ano, Flaminio Bertoni e Giovanna Barcella fogem para Paris.

No ano seguinte 1932 Flaminio Bertoni é admitido na Citroën.

A sua primeira criação para a Citroën é a “Traction Avant”.

Este veículo foi concebido por Flaminio Bertoni em apenas uma noite. Pela primeira vez na história do automóvel é utilizado, para a concepção de um novo veículo, um modelo tridimensional – modelo em plasticina – em lugar de um desenho no papel.

Esta abordagem revolucionária para a altura é uma marca visível de um homem que nunca se deixou intimidar pelos “dogmas estilísticos da época” e partia para cada um dos seus novos projetos com uma “folha em branco”. Criando obras que se amam ou que se odeiam, não havendo meio-termo.

Em 1935, sob orientação de Boulanger, inicia o projeto T.P.V. que mais tarde irá dar origem ao Citroën 2CV. Trabalho que será interrompido pela a Segunda Guerra Mundial.

Terminada a Segunda Guerra Mundial, em 1945, regressa à Citroën e ficará encarregue dos projetos T.P.V. e V.D.G (sucessor da “Traction Avant”).

A 27 de Março de 1947 é apresentado no 7.º Salão Automóvel de Paris o Citroën 2CV, a sua segunda obra, o qual, como nós sabemos, tornar-se-á um fenómeno mundial.

Oito anos mais tarde, em 1955, é apresentada aquela que por muitos é considerada como a sua obra-prima de desenho automóvel – o Citroën DS 19. Este veículo, consideravelmente avançado para a época em que foi apresentado, é um dos marcos da história automóvel do último século.

Com a concepção do Citroën DS 19, Flaminio Bertoni ganha por direito próprio um lugar entre os Mestres do Desenho Automóvel.

A sua última criação na área do desenho automóvel foi o Citroën Ami 6.

Paralelamente ao seu trabalho de desenhador automóvel, Flaminio Bertoni continua a sua atividade de escultor e arquiteto. Tendo participado em diversas exposições e tendo recebido diversos prémios e condecorações ao longo da sua carreira.

Virá a falecer no dia 7 de Fevereiro de 1964.

Fonte: paixao2cv.blos.sapo.pt

Citroën 2CV

A história do modelo começa em 1929, quando o empresário André Citroën solicitou que o designer Flaminio Bertone idealizasse um carro pequeno e prático e que transportasse quatro passageiros mais 50 quilos de carga.

Citroën 2CV
Citroën 2CV

Com a morte de Citroën em 1936, coube ao vice-presidente da empresa, Pierre Boulanger, tocar o projeto do TPV (“Très Petite Voiture”, carro pequeno) adiante.

O primeiro protótipo ganhou vida em 1937 e era impulsionado por um motor de motocicleta com 500 cm3.

Em Maio de 1939 foram produzidos 250 protótipos para o Salão Automóvel, mas veio então a guerra e junto com ela a ocupação alemã na França, o que interrompeu de imediato o processo de desenvolvimento.

O relançamento aconteceria a 7 de outubro de 1948 quando foi apresentado no Salão de Paris.

Surgiu com um motor de 2 cilindros, refrigerado a ar de 375 cm3 e 9 cv de potência. Possuia pela primeira vez uma caixa de 4 velocidades de produção em série. Pesava 500 quilos, atingia uma velocidade máxima de 65 km/h e tinha um consumo médio de 4,5l/100Km.

O 2 CV foi construído de modo a que todas as suas partes pudessem ser removidas e montadas facilmente, o Citroën 2 CV estava preparado para poder “atravessar um campo arado com uma cesta de ovos colocada no banco, sem quebrar nenhum”.

A suspensão do 2 CV não poderia ser mais original. Era independente nas quatro rodas, por meio de braços “empurrados” na frente e arrastados atrás, com uma grande mola helicoidal unindo os braços de um mesmo lado. A mola funcionava por expansão e não por contração.

Citroën 2CV
Voiture ano 30

Os amortecedores era ainda mais singulares, consistindo de um cilindro contendo um peso na extremidade de cada braço. Esse peso, ou massa, “batia” dentro do cilindro em meio a um fluido, controlando as oscilações da suspensão. Era chamado, por isso mesmo, de batteur (batedor).

A simpatia pelo 2 CV nas gerações sucessivas nunca diminuiu. Com seu conceito econômico e simples aliando as últimas evoluções tecnológicas da época, o 2 CV revolucionou a indústria automobilística e a sociedade ao abrir o caminho para um carro econômico, popular e polivalente.

Séries Especiais 2 CV

Em 1958 foi lançado o 2 CV Sahara, em abril de 1976 a Citroën lançou o 2 CV Spot, em outubro de 1980 veio o famoso 2 CV Charleston com carroceria bicolor, em 1981 a série James Bond, em 1983 e 84 a série France 3, em março de 1985 e 86 o 2 CV Dolly e por fime 1986 a série especial Cocorico.

De Outubro de 1949 a 27 de julho de 1990 às 16h foram fabricados 3.872.583 exemplares de 2CV.

Fonte: www.citroen.pt

Citroën 2CV

Citroën 2CV
Citroën 2CV

“L’essentiel par essence!”… porque não só de esportivos vive o homem, os utilitários também tem seus encantos.

O Citroën 2 CV, este adorável avôzinho, completou em 2008 seus 60 anos de história.

Uma história que apaixona, emociona…mas eu sou suspeita para entrar em detalhes, pois sendo a “noiva da vez”…

“…Em 1934 André Citroën foi levado à falência pelos próprios acionistas, seis meses mais tarde … morreria de câncer.

…A idéia do novo automóvel veio de seu Administrador Chefe, Pierre-Jules Boulanger,…um dia, voltando à Paris … encontrou o trânsito caótico, formado unicamente por carroças, pedestres e ciclistas; não havia um automóvel sequer.

… se dá conta que para um agricultor possuir um automóvel era algo ainda muito complicado e que ainda os automóveis que estavam disponíveis no comércio, eram muito pesados e grandes demais para serem guiados pelas senhoras. Para o agricultor deveria ser um veículo simples, com o qual poderia ir ao estábulo ordenhar vacas e depois levar o leite ao mercado.

… no outono de 1935 Boulanger deu a seguinte ordem: ‘ Quero que me construam um automóvel que possa transportar duas pessoas e 50 kg. de batatas. Deve viajar a 60 km/h e não deve consumir mais de 3 litros por 100 km.’

… ‘O automóvel deve poder ser guiado em estradas estreitas do campo e também pelas senhoras que nunca colocaram as mãos sobre um volante. E não há nenhuma importância o aspecto que terá.’ O primeiro protótipo, finalizado em 1937, era realmente feio, mas era também muito leve, visto que toda a carroceria era em alumínio. A parte anterior tinha o aspecto de uma cascata de metal ondulado, com uma grande manivela para acioná-la, sendo que não havia motor de arranque. Havia um só farol , isto porque colocar o segundo haveria aumentado o peso em 6 kg e o objetivo era aquele de economizar peso. Além do mais, a lei não exigia dois faróis.

Na caixa de cambio faltava o marcha ré, mas o automóvel era tão leve que podia ser empurrado para trás com uma única mão (!). O teto era constituído em uma armação fixada em outra armação menor em alumínio e o tecido usado recobria também a estrutura tubular em aço dos bancos.

…, nos primeiros tempos o pequeno automóvel não arrancou nenhum aplauso… a mais simples manutenção resultava impossível sem a intervenção de um especialista. Precisava verificar o óleo do cambio? Primeiro deveria desparafusar cinco parafusos do pára-lama anterior direito, também remover a bateria ou desmontar o carburador! Alcançar o motor era muito difícil que para fazê-lo seria necessário ter mãos bastante articuláveis.

Em maio de 1939, depois de ter sofrido um grande numero de modificações, na fábrica estavam prontos mais de 200 protótipos para iniciarem os testes, de modo que, no mesmo ano, o automóvel foi apresentado ao Salão de Paris …. não entrou em produção: havia começado a 2ª. Guerra Mundial.

Os franceses, … procuraram se antecipar concentrando-se no desenvolvimento do 2CV. Quando a França foi ocupada, a direção da Citroën deu ordem para destruir todos os protótipos.

A ordem vem cumprida com uma exceção: o chefe de provas Henri Loridant desmontou um dos protótipos e o embalou em caixas e baús , enquanto a carroceria foi pendurada no teto da oficina com a desculpa que se queria observar em quanto tempo ela teria enferrujado. Atualmente o automóvel, único exemplar sobrevivente da série de protótipos pré-guerra, foi restaurado.

O modelo que entrou em produção depois da guerra diferenciava dos precedentes em muitos aspectos. Foi re-projetado em grande parte, sobretudo para facilitar a manutenção e, quando foi apresentado em 1948, deixou o público emudecido. Nunca tinha sido visto nada mais excêntrico.

Aos poucos …a simpatia do público aumentava. No momento do seu lançamento, as suspenções tinha um molejo bastante acentuado e por conseqüência , constatou-se que o automóvel era muito confortável e que podia comportar-se também como um automóvel ‘off-road’.

A carroceria foi construída em volta dos bancos e retirando o teto de lona e os bancos traseiros poderia se transformar em um pequeno veículo de carga. O motor refrigerado a ar não necessitava de água , mas fornecia escasso aquecimento no habitáculo. O motor tinha cilindrada de somente 375 cc, desenvolvia 9CV e garantia uma velocidade máxima de cerca 65km/h. No final, em torno da 2CV formaram-se duas ‘escolas de idéias’. Os seus adoradores, satisfeitos com os seus automóveis, elevavam a sua praticidade e não davam nenhuma importância ao status social e às elevadas prestações. Os difamadores ignoravam sobre a comodidade, o notável espaço par bagagens, para não falar sobre a economia de gestão. Mas, uma falha inegável, correlata às características primitivas do projeto, era a falta de sistemas de segurança. A carroceria frágil garantia tanta proteção quanto uma latinha de alumínio nas movimentadas estradas.

Em fevereiro de 1988 foi encerrada oficialmente a produção da 2CV na França. Mesmo assim, ainda continuou sendo produzida em Portugal até 1990.

No total, 5 milhões de exemplares deste pequeno notável foram produzidos.Este automóvel foi odiado, desprezado e adorado, falou-se muito. Poucos automóveis na história conquistaram uma fama tão ambivalente. Dois existiram certamente, o ‘Ford Modelo T’ e a ‘Toute Petit Voiture’, denominada Citroën 2CV. Feliz aniversário!”

Emocionante, nao é mesmo?

Depois de tudo isso e para deixar vocês com água na boca… somente resta comentar que para a satisfação de muitos e por motivo da comemoração do seu 60 º aniversário, O Citroën 2CV está em Exposição na Cidade das Ciências e da Indústria de París.

A Exposição poderá ser vista até o día 30 de novembro e receberá a todos aqueles que queiram dar uma volta pelo emocionante passado do 2CV e também rever seus encantos e enamorarse uma e outra vez.

O Citroën 2CV, a parte de ter sua história e representar a um dos carros mais longevos, sem apenas mudar a sua aparência, já faz parte da nossa família e vem nos acompanhando já a muito tempo, são vários os meios pelos quais chegou até nossos corações, publicidades, filmes…. entre todas, escolho uma forma que mostra sua grande agilidade e se encaixa perfeitamente ao que pedia Boulanger em 1935, quando deu a ordem para construi-lo: “… ‘ O automóvel deve poder ser guiado em estradas estreitas do campo e também pelas senhoras que nunca colocaram as mãos sobre um volante. E não há nenhuma importância o aspecto que terá.’. É esse ponto nostálgico que faz que o Citróen 2CV se pareça a mais um da familia.

Cronología

1948: Quinta-feira 7 de outubro se apresenta o 2CV no 35º Salão de París.
1949: Em julho comença a produção da versão 2CV A na fábrica de Levallois. Tem um motor bicilíndrico de 375 cm3 e 8 CV; todas as unidades estão pintadas de cinza.
1951: Comença a produção de uma furgoneta derivada do 2 CV, chamada AU.
1952: Mudam a cor da pintura por outro tipo de cinza. Um ano depois desaparece o óvalo que marca o escudo da Citroën.
1954: Um novo motor de 425 cm3 e 12 CV para as duas versões, a berlina AZ y a furgoneta AZU. Está unido a caixa de câmbio através de uma embreagem centrífuga.
1956: Aparece a versão AZL (de “luxo”), com um sistema de desembaçador no pára-brisas, a capota de cor e luz traseira. Dois anos depois ha uma versão com outro sistema de acesso ao maleiro chamada AZLP
1958: Versão 4×4 Sahara, com um motor na parte dianteira e outro na traseira.
1959: Uma nova cor para a carroceria: azul. Um ano depois muda a grade por uma menor, que permanecerá sem grandes mudanças até o final da produção.
1963: Novo motor, com 425 cm3 e 18 CV. A versão AZAM tem um acabamento mais vistoso.
1964: As portas dianteiras se abrem em sentido normal. Um ano depois, Citroën incorpora um terceiro vidro lateral.
1970: Aparecem o 2 CV 4 (435 cm3) e o 2 CV 6 (602 cm3). Raid Paris-Kabul-Paris, de 16.500 km. Um ano depois, Rallye de ida e volta a partir de Paris a Persépolis (13.500 km) e, em 1973, o Raid África desde Abidjan até Tunis atravessando o Sahara (8.000 km).
1974: Aparecem os faróis retângulares, uma grade de plástico no lugar da de alumínio. Os faróis redondos voltariam em versões como o 2 CV Special de 1975.
1979: Muda a gama com o 2CV Club e o Special. Um ano depois aparece o Charleston como série especial; o êxito de esta versão é tal, que faz parte da gama desde 1981.
1988: Se fabrica a última unidade na planta francesa de Levallois.
1990: Em julho se fabrica o último 2 CV, em Mangualde (Portugal). 29 meses antes se produz a última furgoneta, de um total de 3.868.634 berlinas e 1.246.335 furgonetas.

Fonte: www.antyqua.com.br

Citroën 2CV

Citroën 2CV
Citroën 2CV

Percebendo a necessidade da popularização do automóvel Michelin, proprietário de Citroën, em 1935 pede o estudo de um carro e uma camioneta tendo ambos a característica de serem pequenos e com custo baixo de produção. Pelo peso e dificuldade de soldagem o novo projeto foi concebido de forma totalmente diferente do Traction Avant. Feito em alumínio, o uso de carroceria em monobloco foi descartado. Chamado de TPV, era muito similar ao Traction.

Para suportar carrosseria, motor e câmbio foi criado um “chassis-plataforma”. Extremamente rígido em torção e flexão, pôde usar o alumínio como matéria prima.

A plataforma tinha tamanho igual ao veículo, e um compartimento “favo de mel” garantia a rigidez necessária.

Destinado a operários e agricultores, seu custo deveria ser acessível a quem não poderia comprar um meio de transporte individual. Era a popularização do automóvel possibilitada em um carro leve, de carroceria simples e barato.

Citroën 2CV

Em 1939, cerca de 200 veículos foram fabricados com as seguintes características:

Chassis e uma plataforma em liga de alumínio (com exceção dos pára-lamas, em metal);

Suspensão por barras de torção (oito) e um dispositivo hidráulico de anti-cambagem;

Braços de suspensão em magnésio;

Equipado com um motor bi-cilíndrico de 375 cm³ (8cv), arrefecido a água.

Infelizmente, com a declaração da Segunda Grande Guerra, com exceção de quatro que foram escondidos, todos foram destruídos. Os estudos do modelo prosseguiram mesmo durante este período.

Com o fim do conflito em 1945, o 2CV foi apresentado no Paris Motor Show, com o mesmo conceito, mas bem diferente do modelo pré-guerra. Com design do escultor e estilista Flaminio Bertoni, o metal substituiu o alumínio e o magnésio, e a suspensão passou a ter molas helicoidais e amortecedores de fricção. O motor, apesar de ter a mesma potência, passou a ser arrefecido a ar. Todas estas mudanças permitiram o barateamento da produção do veículo. O carro também ganhou um novo painel de instrumentos, dois limpadores de pára-brisas, novos bancos, mais um farol e manípulos exteriores nas portas.

Fabricado de 1948 até 1990 (edições especiais) teve uma produção de 5.114.940 veículos.

Seu motor era de 375cm3 e desenvolvia 9cv a 3.500rpm. Pela primeira vez uma caixa de câmbio de quatro velocidades era item de série. Alcançava uma velocidade de 65km/h e consumia 4,5 litros/100km.

Em 1950 uma versão van foi lançada. Com capacidade de carga de 250kg e com o mesmo motor. A demanda de 2CVs era tão grande que havia uma lista de espera de seis anos para entrega. No ano seguinte a van foi fabricada também nas versões 2CV AU, 2CV AK e 2CV AZU.

Um novo motor de 425cm3 que desenvolvia 12cv a 3.500rpm estava a disposição a partir de 1954. Ele também possuía uma embreagem centrifuga.

Em fevereiro de 1963 o modelo 2CV AZA ganha um motor mais potente que alcançava a velocidade de 95km/h. No ano seguinte as maçanetas da porta dianteira passam a ficar na parte traseira da porta.

A primeira edição limitada do veículo foi lançada em 1976. Batizada de 2CV Sport, teve uma produção de 1.800 carros. Outra edição especial foi lançada em 1980 com o nome de 2CV Charleston. Com listras laterais de duas cores e faróis redondos, originalmente foi programada para uma produção de 8.000 carros, mas em 1981 passou a ser um modelo em produção contínua.

Em 1983 a edição de apenas 2.000 veículos do 2CV France 3 também teve produção limitada.

A tradição de edições especiais do modelo continuou em 1985, com o lançamento de três modelos: Visa Challenger (3.500 exemplares), 2CV Dolly (3.000 exemplares) e BX Sport (2.500 exemplares).

Um fenômeno mecânico e social teve a produção totalmente encerrada apenas no dia 27 de julho de 1990 e tinha como slogan “Amor livre, amor eterno”.

Fonte: www.citroen.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Cadillac Self-Starter

Cadillac Self-Starter, Construção, Sistema, Motor, Arranque, Partida, Elétrica, Dispositivo, Inovação, História, Cadillac Self-Starter

História da Cadillac

História da Cadillac, Carro, Marca, Modelos, Fabricação, Motor, Empresa, Construção, Logo, Veículos, Automóveis, História da Cadillac

Aero Willys

Aero Willys, Carros, Brasil, Versão, Veículos, Velocidade, Modelo, Características, Linha, História, Fotos, Aero Willys

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+