Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Automóveis / Chevrolet Kadett

Chevrolet Kadett

PUBLICIDADE

Chevrolet Kadett

O Kadett GSi foi desenvolvido e projetado pela OPEL em 1987, com um potente motor 2.0 16 (Opel Kadett Gsi 16v) válvulas que, infelizmente, foi descartado pela GM do Brasil. Ele veio para o Brasil em 1992.

Em 1995 foi o seu último ano de gestão, dando espaço para seu sucessor, o Kadett Sport.

Em sua época, o Kadett GSi vinha equipado com computador de bordo, o famoso painel digital, volante escamoteável, suspensão traseira a ar, teto solar (ou Conversivel) e freio a disco nas quatro rodas, Bancos Recaro, sendo que o seu concorrente só tinha ar-condicianado e olhe lá…

Nos dias de hoje, o KADETT GSi ainda tem sua legião fiel de fãs, e é o sonho de muita gente.

O Kadett Sport não ficou muito no mercado, apenas de 1995 a 1997, ele foi muito criticado como o sucessor do GSi, começando pelo motor.

Este foi reduzida a potencia e a tecnologia, de 121HP e sistema de Injeção Multipoint, passou a 110HP com Injeção SinglePoint, a justificativa da GM do Brasil foi de redução do custo do carro, mas foi pouco vendido pois o preço continuava alto, ainda mais pelo que ele oferecia de conforto.

Atualmente os Kadetts GSi são encontrados em grande número nas periferias das metrópoles brasileiras, visto que é um carro com grande número de opcionais (bancos Recaros ou esportivos, freio a disco, ar condicionado, direção hidráulica, cd player, teto solar ou conversível) e de baixo custo (algo em torno de USD 7,000.00)

O Kadett GL e GLS retornaram ao mercado muito rapidamente, mostrando que o carro apesar de 2 decadas no mercado, tinha potencial de fazer muita gente comprar e ficar satisfeito com o produto. Eles eram equipados com um motor de 2.0 e 1.8 com Injeção Multipoint, não tão potente com a do GSi, que tinha a taxa de compresão alterada para uma maior desempenho, por motivos tambem de legislação, emissão de gases poluentes.

Com quase 17 anos do seu lançamento, O Kadett já começa a aparecer como um alvo de aficcionados e colecionadores. Modelos do início da década de 90 são raros em boas condições de conservação. Destaque especial a este caso pode ser dado ao “Kadett Turim“.

Lançado em 1990 na onda da Copa da Itália, o veículo conta com os opcionais existentes no “Kadett GS” (fabricado entre 1989 e 1991)com o diferencial de ser um “série limitada”.

Relativamente raro de ser encontrado pelas ruas, pode ser reconhecido por sua faixa cinza escuro na parte de baixo das portas e para-lama traseiro, friso com as cores da Itália e a cor prata, única disponível.

Unidades produzidas:

459.068 incluindo a Ipanema (65.000).

1989 – Inicio produção
1990 – Série Turim (prata) – Referência à Copa da Itália
1991 – Injeção eletrônica EFi.
1992 – Injeção eletrônica MPFi.
1993 – Conversível, Ipanema Sol
1994 – Versões Lite, GL e GLS.
1995 – Versão Sport 2.0 e discreto “face-lift”.

Término produção: 16/Setembro/1998.

Veja os principais fatos que marcaram a história do Kadett no Brasil.

1989 – Em abril, apresentação do Chevrolet Kadett à imprensa, no Rio de Janeiro; em 19 de outubro, lançamento do Chevrolet Kadett Ipanema.
1990 – Em março, escolha do Chevrolet Kadett como “Carro Oficial da Fórmula 1”, em 14 de maio foi apresentado à imprensa o Chevrolet Kadett Turim, série especial alusiva à Copa do Mundo de Futebol de 1990, na Itália.
1991 – Em março, o Chevrolet Kadett é eleito “Carro do Ano” pela revista Autoesporte.
1992 – Tem início em janeiro a comercialização do Chevrolet Kadett GSi 2.0 conversível.
1993 – Nos dias 1º e 2 de abril, a GM apresenta à imprensa especializada o Chevrolet Kadett Ipanema de quatro portas; em 1º de junho, a linha de montagem da fábrica de São José dos Campos (SP) atinge a marca de 30.000 Kadett Ipanema produzidas.
1994 – Em novembro, a linha de montagem do Chevrolet Kadett e do Chevrolet Ipanema é transferida de São José dos Campos (SP) para São Caetano do Sul (SP).
1996 – Em agosto, deixa de ser produzido o Chevrolet Kadett GSi.
1998 – Em 16 de setembro, o último Chevrolet Kadett deixa a linha de montagem em São Caetano do Sul (SP). Chevrolet Kadett O
1998, o Chevrolet Astra é lançado e substitui a linha Kadett.

Fonte: kadettweb.multiply.com

Chevrolet Kadett

Um revolucionário.

Foi assim que, em março de 1989, um “militar” foi recebido pelo Brasil em ano de eleições para presidente.

O país, que saía de um jejum de 25 anos de democracia, recebia um cadete disposto a apresentar a vanguarda ao país mergulhado em hiperinflação e retração econômica.

O nome do “salvador da pátria”? Chevrolet Kadett.

Há exatos vinte anos, o hatch futurista encerrava o longo intervalo de quase cinco anos sem um carro totalmente novo (a última novidade no mercado brasileiro havia sido o Fiat Uno, lançado em plena campanha das Diretas Já, em agosto de 1984.

Na edição de abril de 1989, Autoesporte exibia em sua capa o primeiro teste completo da novidade da Chevrolet.

Se para os brasileiros o Kadett se apresentava como novo candidato para a garagem, para os europeus ele era um velho conhecido.

O nome Kadett, aliás, é mais antigo do que muitos imaginam.

Surgiu em 1936 na alemã Opel, braço europeu da General Motors, que escolheu o nome militar para batizar seu modelo de médio porte.

Assim nascia o Kadett 11234.

A estranha equação númerica tinha um sentido.

O 11 indicava a cilindrada e o 234 a distância entre-eixos.

Com 3,8 metros de comprimento, o primeiro Kadett vinha equipado com motor 1.1, de 23 cavalos.

Em 1962, a Opel escolheu novamente o nome Kadett para seu regresso ao segmento de compactos.

O modelo conhecido como série A contava com motor 1.0, de 40 cv.

A geração B surgiu após três anos e a potência chegou aos 55 cv.

O modelo posterior, o C, lançado em 1973, é um velho conhecido dos brasileiros: aqui, foi batizado como Chevette e seu lançamento, em março daquele ano, ocorreu seis meses antes ao do modelo europeu.

Na Europa o Kadett passou por mais duas gerações antes de chegar ao Brasil.

Chevrolet Kadett
O Último Chevrolet Kadett

Chevrolet Kadett
Chevrolet Kadett GSi Conversível

Chevrolet Kadett
Chevrolet Kadett 1991

Em nosso mercado, o hatch “revolucionário de 89” foi lançado em três versões de acabamento: SL, SL/E e GS. Este último vinha com rodas de liga leve aro 14, saídas de ar no capô e aerofólio traseiro. Tinha motor 2.0, de 110 cv. As demais versões utilizavam o 1.8 (95 cv). O GS era a resposta da Chevrolet ao VW Gol GTI e ao Ford Escort XR3. Ainda em 1989 nascia a versão perua, batizada de Ipanema. Ela aposentava a Marajó. O visual polêmico – que trazia a tampa do bagageiro horizontal – foi uma das responsáveis pelas vendas tímidas.

Em setembro de 1991, a GM aposentava o Kadett na Europa, onde foi substituído pelo Astra, o mesmo que viria ao país importado da Bélgica, em 1995.

No Brasil, o GS virava GSi com a adoção de injeção eletrônica de combustível em toda a linha.

Chevrolet Kadett
Chevrolet Kadett Ipanema Wave

Uma nova variante do modelo – também uma das mais encantadoras da década de 90 – surgiu logo depois, o Kadett GSi conversível. Assinado pelo estúdio de design italiano Bartone, o assoalho e parte dianteira nacionais iam à Itália para receber a carroceria e retornavam ao Brasil onde o motor era adicionado.

Em 1995, a importação do Astra tirou de linha a versão mais completa do Kadett. No ano seguinte surgia a opção Sport, equipada com motor 2.0 e saída dupla de escapamento. Na mesma época o Kadett passava por sua primeira e única mudança estética no Brasil. Ganhou para-choques mais arredondados, nova grade e lanternas fumês.

Chevrolet Kadett
Opel Kadett

No final de 1997, os europeus eram apresentados à segunda geração do Astra e a GM anunciava a intenção de produzi-lo no país. Um ano depois, em setembro de 1998, o último Kadett saía da linha de produção de São Caetano do Sul (SP), chegando a hora do militar revolucionário se reformar.

Teste do Chevrolet Kadett GS

Pelo que pudemos sentir em duas semanas de rodagem pelas ruas e estradas de São Paulo, o pequeno Kadett causou sensação. Ninguém ficava indiferente à sua passagem. Mesmo sem a campanha publicitária no ar ou na televisão, o Kadett era reconhecido por todos e muitas pessoas já falavam com desenvoltura do novo projeto da GM.

Para a empresa, a introdução do novo carro se reveste da maior importância mercadológica e completa seu leque de opções ao mercado, com veículos em todos os segmentos.

Basta, agora, em alguns anos, substituir o velho Opala por uma linha moderna – como a do Senator, por exemplo -, e a GM terá no Brasil todas as condições para brigar de uma vez por todas por um velho sonho: a liderança nas vendas.

Outro aspecto que merece destaque no lançamento do Kadett é que ele permite uma variada gama de versões – uma família completa. O GS, por exemplo, não é nenhuma adaptação, não é uma evolução de motorização enfeitada com aerofólio e faróis de milha. Ele já nasce um esportivo. Já nasce brabo com seu motor dois litros e recursos tecnológicos dos mais avançados. Agora é só esperar pelo próximo ano quando ganhará a injeção eletrônica de combustível e teremos entre nós um verdadeiro puro-sangue. Além disso, ele também terá sua versão conversível no futuro com o que a GM pretende desbancar a posição privilegiada ocupada pelo XR-3, da Ford.

Mas agora o assunto é o Kadett. Nos nossos contatos com pessoas comuns pudemos avaliar a polêmica e o impacto que causam suas linhas extremamente aerodinâmicas. Os mais jovens, acham o carro um tesão – revolucionário.

Os mais afoitos e não muito chegados ao automóvel o classificam de forma diferente: “olha que barato de Chevette” ; “esse é o novo Monza?” “Legal esse Monza pequeno”, e assim por diante. Alguns mais velhos são radicais. Um japonês velhinho se aproximou e começou a examinar rapidamente o Kadett, numa parada para reabastecimento. Ele conhecia o projeto e ficou entusiasmado de poder vê-lo de perto.

Mas foi logo dizendo: “não gostei; não gostei. Essa traseira é que atrapalha. Esse estilo já era. E outra – esse afunilamento da traseira deixa o carro muito feio”. Ele sacou, sem saber, a forma de “gota” do Kadett e a achou estranha. Mal sabia ele que ali estava todo o segredo da incrível aerodinâmica do carro, resultado de muito estudo, de muita pesquisa, na busca da forma ideal para se vencer o ar com o menor atrito possível e assim permitir maior conforto, velocidade e economia de combustível.

No primeiro contato o impacto visual é grande.

Além do “design” em forma de cunha, da plataforma em formato de gota e da inexistência de saliências, o Kadett incorpora outros avanços tecnológicos bem visíveis: spoiler dianteiro integrado ao pára-choque, entrada de ar de refrigeração no pára-choque, maior vedação das junções, colunas arredondadas, espelhos retrovisores externos integrados, vidros nivelados com as colunas etc.

Outros importantes detalhes aerodinâmicos aparecem no modelo GS, o “top de linha”, a versão esportiva do Kadett, equipado com o motor 2.0 do Monza. No capô duas saídas de ar dão um toque todo especial à dianteira. Nas laterais do teto há quatro locais apropriados para a colocação das garras de um bagageiro, fechadas por uma tampa plástica corrediça. Como o carro não dispõe de canaletas sobre as portas, essa foi a solução encontrada para a fixação daquele equipamento, sem comprometer a passagem do ar sobre o teto. Vamos falar mais do GS, pois esse foi o modelo avaliado por Autoesporte, nesse nosso primeiro contato com a linha Kadett.

Vidros fechados, cintos apertados. Ele começa a rodar. A primeira sensação é que todos os ruídos comuns ficaram para o lado de fora. Dentro, o conforto dos bancos Recaro e o suave som do ronco do motor 2.0 a álcool, único combustível disponível para a versão esportiva do Kadett. Logo se nota o esforço da GM em torno da aerodinâmica do automóvel. A leveza como desenvolve sua velocidade, a manobrabilidade perfeita, o pouco efeito de ventos laterais sobre o seu comportamento e o mais importante – o fácil e completo domínio do carro a altas velocidades. Aqueles efeitos que se notam em outros veículos, principalmente uma certa desestabilização acima dos 150 km/h, com tendências a trepidações inconvenientes e indesejáveis, não acontecem com o Kadett.

A velocidade máxima atingida de 184 km/h de velocímetro, cujo erro de 6% registra uma máxima real de 173 km/h, foi obtida com toda a segurança, em 5ª marcha. Ele se mantém firme em todas as passagens de aceleração no escalonamento das marchas, que aumentam o prazer de dirigir por permitirem a sensação de motor cheio em todas elas. A máxima do Kadett GS só perde para a do Gol GTi e iguala a do Opala Diplomata 4.100 (6 cilindros).

Quanto à aceleração de O a 100 km/h, ele também faz bonito: 10,6 segundos. Só perde, entre os carros nacionais, para o GTi, da Volkswagen. Com injeção eletrônica, com certeza, será o carro mais rápido do Brasil.

As retomadas de velocidade em quinta marcha também registram marcas muitos boas: de 40 a 80 km/h em 9s; de 60 a 100 km/h ele consome 10,13s e dos 60 a 120 km/h gasta 16 segundos.

Na hora da segurança, no entanto, quando surge a necessidade de uma ultrapassagem mais rápida, é que se descobre a força da terceira marcha. No trânsito urbano ela é suficiente até para se ultrapassar as constantes lombadas das ruas, quando o carro quase chega a parar e cresce em aceleração até os 120 km/h.

Uma delícia que economiza movimentos do motorista e dá a certeza da correspondência do motor à aceleração.

Fonte: revistaautoesporte.globo.com

Chevrolet Kadett

Chevrolet Kadett
Kadett GSi Conversível

Era o auge da euforia da abertura do mercado aos importados quando surgiu o Kadett GSi, no fim de 1991, acrescentando uma importante vogal ao nome da versão GS, lançada em 1989.

O fim da era do carburador, que abriu espaço para a injeção eletrônica no país, ofereceu um presente a mais para o consumidor brasileiro, o GSi conversível.

O carro nasceu com um único concorrente nacional na mesma versão, o Ford Escort 1.8 XR3. Mesmo com os primeiros BMW, Mercedes e Alfa roubando atenções nas ruas, o GSi conversível conseguiu se tornar um dos carros mais exclusivos do mercado, embarcando o que havia de mais atual em tecnologia entre nossos fabricantes – e envolvendo uma complexidade de produção inédita em nossa indústria.

Enquanto o Ford era todo produzido localmente em parceria com a Karmann Ghia, as estruturas metálicas do GSi eram fabricadas aqui para então serem enviadas ao estúdio Bertone na Itália. Era lá que as chapas ganhavam as formas do conversível.

Feito isso, a carroceria voltava ao Brasil, onde a mecânica era instalada e o carro recebia pintura, acabamento e capota. Claro que essa cara logística somava status a um carro que, por si só, já se destacava pelos recursos e conveniências. Por outro lado, na Europa, a linha Kadett estava sendo substituída pelo primeiro Astra.

Mas que vantagens o GSi oferecia para enfrentar o cobiçado XR3? Quando foi lançado, muitas. Partindo-se do princípio de que o Escort esportivo usava um motor 1.8 de 97 cv, contra o 2.0 de 121 cv do GSi, eram previstos os resultados do comparativo entre os dois, que QUATRO RODAS realizou em dezembro de 1991. Nele, o Chevrolet alcançou 175,4 km/h de máxima, contra 168,4 km/h do Ford, e acelerou de 0 a 100 km/h em 10,7 segundos, ante 12,18. Em contrapartida, a avaliação destacava a maior economia do XR3 – mesmo 10% pior que na versão fechada, enquanto o GSi só piorou 2% em relação ao hatch.

Em março de 1993, haveria uma inversão desse comportamento em outro comparativo da revista. Aproveitando as vantagens da Autolatina, o XR3 acabara de ser promovido ao motor AP-2000i da Volkswagen, além de um estilo todo novo. Agora os dois modelos poderiam se enfrentar de igual para igual, ou quase. Se o novo motor dava ao XR3 116 cv, ainda menos que os 121 cv do GSi, eles foram suficientes para levá-lo a 186,4 km/h, contra 183,3 km/h do Chevrolet. E ainda manteve uma pequena vantagem na aceleração e no consumo.

De qualquer forma, seria impróprio reduzir os atrativos do Kadett GSi conversível aos números de desempenho. E ninguém mais isento para destacar as qualidades do GSi que um apaixonado por Ford, o ortopedista paulista Sérgio Minervini, dono deste exemplar 1995 branco e de outros carros que já ilustraram esta seção. “Ele tem suspensão traseira regulável, trio elétrico, painel digital, volante escamoteável, bancos Recaro, freios a disco nas quatro rodas, vidros PPG e lanternas alemãs. É difícil acreditar que é nacional”, diz ele. Minervini conta que o sistema de capota elétrica italiano custava 4 000 dólares e que, quando era danificado, as seguradoras avaliavam como perda total. Segundo o colecionador, elas preferiam pagar o valor do carro todo.

Chevrolet Kadett
Kadett GSi, Toque europeu: lanterna para neblina

A abertura elétrica do teto era um equipamento que ainda faltava ao GSi nos dois comparativos de QUATRO RODAS. Isso contou a favor do XR3, que já possuía esse recurso, mas Minervini se lembra que ainda no decorrer de 1993 a capota elétrica passou a constar na lista de equipamentos do Chevrolet. Tanta tecnologia e comodidade deste e de outros modelos de luxo ou esportivos nacionais não evitaram que o consumidor desse segmento pendesse progressivamente para modelos importados equipados com o que havia de mais moderno e uma dose extra de status. O GSi não completaria cinco anos de mercado. Já o Kadett duraria um pouco mais, até a GM conseguir nacionalizar a nova geração do Astra em 1998. Desde que o GSi e o XR3 saíram de linha, nossa indústria nunca mais produziu conversíveis de série.

Ficha técnica:

Kadett GSI Conversível

Motor: dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, refrigeração a água, 1 998 cm³, comando de válvulas no cabeçote, injeção eletrônica Bosch LE Jetronic
Diâmetro x curso: 86 X 86 mm
Potência: 121 cv a 5 400 rpm
Torque: 17,6 mkgf a 3 000 rpm
Câmbio: manual de 5 velocidades
Carroceria: hatch de 2 portas e conversível
Dimensões: comprimento, 407 cm; largura, 181 cm; altura, 135 cm; entreeixos, 252 cm
Peso estimado: 1 140 kg

Suspensão:

Dianteira: independente, McPherson, braço triangular, molas helicoidais e amortecedores pressurizados.
Traseira: semi-independente, braços longitudinais e eixo de torção, molas helicoidais e amortecedores pressurizados
Freios: disco ventilado nas rodas dianteiras, disco rígido na traseira
Direção: hidráulica, pinhão e cremalheira
Rodas e pneus: liga leve, aro 14 e tala de 5,5J pol.; pneus 185/65 HR 14

Fonte: quatrorodas.abril.com.br

Chevrolet Kadett

Chevrolet Kadett
Opel Kadett

Você queira ou não acreditar mas esta foto acima é um Kadett, é lógico que estamos falando dos primeiros Kadett que a OPEL fabricou, isto foi em 1936, equipada com motor de 1,1 litro.

O sucesso da série se firmou com a segunda geração, lançada apenas em 1962: um compacto de linhas retas, nas versões de duas e quatro portas.

Chevrolet Kadett
Opel Kadett Caravan, conhecida aqui como Marajó e fabricada durante a década de 80

Na terceira, lançada em 1965, tinha motores de 1,1 até 1,9 litro, nas versões sedã de duas e quatro portas, fastback e perua, que se chamava Kadett Caravan, conhecida aqui como Marajó e fabricada durante a década de 80.

A quarta geração foi lançada no Salão de Frankfurt de 1973, na Alemanha. Como na geração anterior, o Kadett IV tinha versões de duas e quatro portas, fastback (a de maior sucesso) e a perua Caravan.

Também foi feita uma versão interessante, baseada na carroceria sedã duas-portas, entre 1976 e 1978: o Aero, com teto tipo targa, em que apenas a parte traseira abria-se como num conversível, com motor 1,2 S, era o inicio do Kadett Cabriolet (Conversivel).

A quarta geração foi lançada no Salão de Frankfurt de 1973, na Alemanha. Como na geração anterior, o Kadett IV tinha versões de duas e quatro portas, fastback (a de maior sucesso) e a perua Caravan.

Também foi feita uma versão interessante, baseada na carroceria sedã duas-portas, entre 1976 e 1978: o Aero, com teto tipo targa, em que apenas a parte traseira abria-se como num conversível, com motor 1,2 S, era o inicio do Kadett Cabriolet(Conversivel).

Chevrolet Kadett
Versão interessante e desconhecida entre nós era o cupê fastback, que serviu de base para o esportivo GT/E

O Kadett, a partir da segunda geração, sempre foi o carro de maior sucesso da Opel.

Seus concorrentes diretos na Europa eram o VW Golf, o Ford Escort, o Peugeot 304, o Triumph Dolomite e o Fiat 124.

Para concorrer com modelos menores, como VW Polo e Renault 5, foi lançada em 1975 a versão City, igual à nossa Hatch.

O esportivo fastback GT/E tinha concorrentes de peso como o Triumph Dolomite Sprint, o Golf GTI da primeira geração (1976) e o Renault 5 Alpine.

Seu desempenho era muito bom e fazia sucesso também nas competições. Foi produzido de 1973 a 1981 na Europa.

O Kadett fazia parte da linha mundial T-Car. Também foram lançados e produzidos no Japão (Isuzu), Inglaterra (Vauxhall Chevette), Austrália (Holden Gemini), no Brasil (Chevrolet Chevette e Chevrolet Marajo) e EUA (Chevrolet Chevette e Pontiac T-1000). Havia diferenças regionais de carroceria e motorização (como ocorre hoje com diversos modelos). No Vauxhall o capô era fechado, sem grade — a entrada de ar ficava abaixo do pará-choque. No Japão o Isuzu tinha retrovisores sobre o capô, coisas de lá. No americano as linhas eram mais retas, com versão hatch de três e cinco portas, e algumas versões tinham pneus de faixa branca.

A sexta e última geração do Kadett, de 1984 (houve também uma intermediária, a quinta, já com motor transversal e tração dianteira), deu origem ao Chevrolet brasileiro de mesmo nome cinco anos depois. Em 1991 ele daria lugar ao Opel Astra, nome já utilizado no Kadett inglês, passando este à segunda geração em 1997 — bem conhecida no Brasil.

Chevrolet Kadett
O por não ficar de fora, a versão esportiva desta seria … o Kadett GT/E

O Kadett GSi foi desenvolvido e projetado pela OPEL em 1987, com um potente motor 2.0 16 válvulas que, infelizmente, foi descartado pela GM do Brasil. Ele veio para o Brasil em 1992.

Em 1995 foi o seu último ano de gestão, dando espaço para seu sucessor, o Kadett Sport .

Em sua época, o Kadett GSi vinha equipado com computador de bordo, o famoso painel digital, volante escamoteável, suspensão traseira a ar, teto solar (ou Conversivel) e freio a disco nas quatro rodas, Bancos Recaro, sendo que o seu concorrente só tinha ar-condicianado e olhe lá…

Nos dias de hoje, o KADETT GSi ainda tem sua legião fiel de fãs, e é o sonho de muita gente.

Chevrolet Kadett
Kadett GSi Conversivel

O Kadett Sport não ficou muito no mercado, apenas de 1995 a 1997, ele foi muito criticado como o sucessor do GSi, começando pelo motor. Este foi reduzida a potencia e a tecnologia, de 121HP e sistema de Injeção Multipoint, passou a 110HP com Injeção SinglePoint, a justificativa da GM do Brasil foi de redução do custo do carro, mas foi pouco vendido pois o preço continuava alto, ainda mais pelo que ele oferecia de conforto.

O Kadett GL e GLS retornaram ao mercado muito rapidamente, mostrando que o carro apesar de 2 decadas no mercado, tinha potencial de fazer muita gente comprar e ficar satisfeito com o produto. Eles eram equipados com um motor de 2.0 e 1.8 com Injeção Multipoint, não tão potente com a do GSi, que tinha a taxa de compresão alterada para uma maior desempenho, por motivos tambem de legislação, emissão de gases poluentes. O Kadett foi substituido pelo Astra em 2000, mas para todos os famas, vão ficar a saudade deste carro.

História

Em 1898 uma pequena fabrica de máquinas de costura e bicicletas resolve fabricar um carro. Essa fábrica era a Opel, e seu carro era um monocilindrico refrigerado a água. Mas em 1929 a Opel foi comprada pela General Motors, que em 1935 lançou o primeiro carro com carroceria monobloco na Alemanha.

Chevrolet Kadett
Este foi o primeiro Kadett produzido, que surgiu em 1936

No ano seguinte foi lançada a primeira geração do Kadett, equipada com um motor de 1100cc. Mas foi fabricado apenas até 1939, por causa da segunda guerra mundial. Os russos levaram suas linhas de produção e o produziram sob o nome de Moskvitch.

Somente em 1962 a Opel voltou a fabricar um Kadett. Seria a segunda geração, tambem conhecida como Kadett A, nas versões duas e quatro portas. Tres anos depois, em 1965 era lancada mais uma geração, o Kadett B, que tinha motorização que variava entre 1100cc e 1900cc e que alem das versões da geração anterior, tambem ganhou um fastback e uma station wagon.

Chevrolet Kadett
O Kadett A de 1962 e o Kadett B de 1965 – segunda e terceira gerações do Kadett

No famoso Salão de Frankfurt em 1973, foi lancada a quarta geração (Kadett C), que seis meses antes era lançada no Brasil com o nome de Chevette. Até a chegada do Corsa em 1982 o Kadett C era o compacto da Opel. O nome Kadett significa cadete em alemão, e outros carros da Opel tambem já se utilizaram de patentes da marinha como nome. Além das mesmas versões da geração anterior, o Kadett teve uma versão interessante, o Aero, que tinha a parte de trás aberta, como um conversível e possuia motor de 1200cc.

Chevrolet Kadett
A quarta geração, já se parecia com o nosso Chevette

O Kadett, sempre foi o carro de maior sucesso da Opel, sendo concorrente do VW Golf, Ford Escort, Peugeot 304, e do Fiat 124. Uma versão chamada Kadett City, igual ao nosso Chevette hatch foi lançada para concorrer com modelos menores, como VW Polo. O esportivo fastback GT/E foi lançado para fazer frente ao Golf GTI e o Renault 5 Alpine. Fabricado de 1973 até 1981, o GT/E fez muito sucesso em competições.

Chevrolet Kadett
O pequeno kadett City, concorrente dos modelos menores e o esportivo GT/E

O Kadett era um carro mundial, sendo tambem produzido no Japão (Isuzu), Inglaterra (Vauxhall Chevette), Austrália (Holden Gemini) e EUA (Chevrolet Chevette e Pontiac T-1000). Havia diferenças na carroceria e motorização. No Vauxhall o capô era fechado, sem grade e a entrada de ar ficava abaixo do pára-choque. No Japão o Isuzu tinha retrovisores sobre o capô, gosto no minimo estranho em outros lugares do mundo. No americano as linhas eram mais retas, com versão hatch de três e cinco portas.

A quinta geração, conhecida como “Kadett D”, de 1979 ja possuia motor transversal e tração dianteira, e até foi testado no Brasil, inclusive com motor a álcool, mas na verdade eram testes e estudos para a mecânica do Monza. Como este só saiu na Europa em 81 (Ascona), a GM aproveitou para rodar com um carro “disfarçado”.

Chevrolet Kadett
A quinta e sexta gerações do Kadett. Esta última foi o primeiro Kadett brasileiro, fabricado pela Chevrolet

A sexta e última geração do Kadett, surgiu em 1984, e saiu de linha em 1991 dando lugar ao Opel Astra, nome já utilizado no Kadett inglês pela Vauxhall. Esta sexta geração, foi a que deu origem ao Kadett brasileiro, fabricado pela Chevrolet em 1989, permanecendo em linha ate setembro de 1998 quando tambem deu lugar ao Astra, mas este ja da segunda geração europeia.

O Kadett foi um carro que inovou em varios aspectos da produção de veiculos no Brasil, sendo o primeiro carro produzido em serie a utilizar vidros colados (pára-brisas e traseiro), a possuir suspensão regulavel a ar, a contar com um motor a alcool injetado (junto com o Monza em 1991) e pneus serie 65 (Kadett GS 1991).

Foi o primeiro carro da Chevrolet a utilizar computador de bordo e check-control, alem de possuir o melhor coeficiente aerodinamico da época: Cx 0,30 no Kadett GS e Cx 0,32 nos demais modelos.

Cronologia do Kadett durante o seu periodo em linha no Brasil:

ABR 89 – Lançamento do Kadett no Brasil nas versões SL e SL/E 1,8 e GS 2,0 álcool
OUT 89 – Lançamento da Ipanema SL e SL/E 1,8 (3p)
MAR 90 – Série Turim (faixa lateral escura, aerofólio parecido com o do GS, bancos Recaro). Esta serie acabou ficando bem mais tempo em linha do que se esperava. (+/- um ano)
JUL 90 – GS gasolina, diferencial + longo e pneus 185/65 (tambem para versão álcool)
SET 91- Injeção monoponto para os 1,8 e multiponto para o GS, agora GSi. Chega o GSi conversível
SET 92 – Ipanema Wave, com bagageiro no teto, rodas de liga leve polidas, molduras laterais inferiores e espelhos pintados na cor do carro.

Chevrolet Kadett
Serie especial Ipanema Wave e o Kadett GSi conversível – Novidades no fim de 92 SET 92 – Logotipo Chevrolet no capô em vez da grade

MAR 93 – Ipanema 2,0 e 5 portas (a 3p já sai de linha)
SET 93 – Linha 94: agora GL e GLS
ABR 94 – Painel mais cheio, novas portas, temporizador do limpador regulável, alarme acionado na fechadura, GLS recebe freio a disco traseiro e soleira entreeixos.
NOV 94 – Chega o Astra importado: GLS hatch e perua, ambos 5p e 2,0 multiponto
JAN 95 – GLS e Gsi e GSi conversível saem de linha (uma heresia para os kadetteiros!!!)
ABR 95 – Lançada série Sport, com pára-choques pintados em parte, aerofólio
DEZ 95 – Novos pára-choques, Sport vira versão de linha com motor 2,0
ABR 97 – Volta o GLS no lugar do Sport, com câmbio mais curto e sem o aerofólio. No fim de 96, o motor 2,0 vira de série e ganha multiponto – o mesmo do novo Vectra, com 110 cv. O GSi tinha 121 cv porque na época o Proconve (norma de emissões poluentes) era menos rigoroso.
DEZ 97 – GLS ganha aerofólio
ABR 97 – GL sai de linha, fica só o GLS
FINAL DE 97 – Sai de linha a Ipanema.
SET 98 – Chega o Astra nacional, fim do Kadett.

Curiosidades sobre o Kadett

O nacional tinha pára-choques mais salientes, porque uma pesquisa da GM apontou a sensação de fragilidade do europeu.

Em 1988 a Daewoo, da Coréia do Sul, passou a produzir uma versão local do Kadett, vendida nos EUA como Pontiac Le Mans. Foi o único “Kadett” vendido nos EUA.

Nos anos 90 a Daewoo continuou produzindo o carro, para o mercado interno, com o nome de Daewoo Racer (exportado para a Europa como Daewoo Nexia).

O nome Astra já era usado há tempos pela Vauxhall no Kadett inglês

Foi pensado para o Brasil, mas havia uma marca de itens sanitários com o nome. Mas resolveram isso depois, usando o nome a partir de 94.

A Ipanema 3 portas foi exclusiva do Brasil, mas não tivemos o hatch 5 portas e o volumes.

Chevrolet Kadett
Kadett 3 volumes e hatch 5 portas – modelos que não vieram para o Brasil

A Ipanema 5 portas não usava a ótima trava de porta junto à maçaneta, e sim os velhos pinos. As portas eram importadas, pelo menos no início, e na Alemanha não se importavam com as travas, pelo menos no sentido de evitar roubos.

As primeiras Ipanemas 2,0 vinham com os estranhos pneus 165/80 R 13.

A ótima luz que indica troca de marcha, adaptativa e ligada à injeção, entrou no modelo 92 e sumiu em 96, pois as pessoas se ofendiam em ser “ensinadas por uma luzinha”.

O Kadett conversível era fabricado no Brasil e ia para a Alemanha para ser recortado, retornando logo em seguida ao Brasil para ser vendido ao consumidor.

Fonte: kedeteiros.vilabol.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Cadillac Self-Starter

Cadillac Self-Starter, Construção, Sistema, Motor, Arranque, Partida, Elétrica, Dispositivo, Inovação, História, Cadillac Self-Starter

História da Cadillac

História da Cadillac, Carro, Marca, Modelos, Fabricação, Motor, Empresa, Construção, Logo, Veículos, Automóveis, História da Cadillac

Aero Willys

Aero Willys, Carros, Brasil, Versão, Veículos, Velocidade, Modelo, Características, Linha, História, Fotos, Aero Willys

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+