Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Automóveis / Chevrolet Amazonas

Chevrolet Amazonas

PUBLICIDADE

1959

É apresentado a Chevrolet Amazonas, a primeira perua de passageiros, destinada prioritariamente ao lazer, que pode ser considerada a introdutora, no Brasil, do conceito de utilitário esportivo, muito embora este termo não fosse adotado.

Embora derivada de modelos norte-americanos da marca, era um produto específico para o mercado brasileiro.

Da frente até a metade da cabine era o conhecido picape Chevrolet Brasil da série 3100. Daí para trás, uma ampla perua de três bancos e oito lugares, com a particularidade de uma terceira porta lateral apenas no lado direito. A tampa do porta-malas era pequena, não incluindo o vidro traseiro, e os bancos podiam ser removidos.

As suspensões usavam eixos rígidos e molas semi-elíticas e o câmbio tinha apenas três marchas com acionamento na coluna de direção.

Opcionalmente podia ter o diferencial bloqueante (“tração positiva ou positraction”). O motor, com bom torque em baixos regimes levava a pesada perua (1.850 kg) de 0 a 100 km/h em 21 s, com velocidade máxima de 138 km/h.

1962

Em dezembro, recebe leve reestilização, passando a vir com quatro faróis redondos.

A denominação para a carroceria da Chevrolet Veraneio é “camioneta”, sendo que “caminhonete” refere-se à pequeno caminhão (pick-up).

Fotos

 

Chevrolet Amazonas

Chevrolet Amazonas

Chevrolet Amazonas

Chevrolet Amazonas
Chevrolet Brasil Amazonas

Fonte: carros.hlera.com.br

Chevrolet Amazonas

Derivada diretamente do chassi da pick-up, a Amazona foi lançada no mercado brasileiro em fins de 1959.

Embora tenha muitos pontos de contato com os outros modelos da General Motors dos EUA, o produto fabricado no Brasil tem características exclusivas.

É um utilitário destinado ao serviço misto de cidade e campo, incorporando detalhes comuns a automóveis e a veículos para uso rural. Aliás, é assim que a fábrica a considera. Teve suas linhas mudadas em dezembro de 1962, ganhando formas mais atualizadas, inclusive quatro faróis dianteiros.

Até a presente data, já saíram das linhas de montagem de São Caetano do Sul cerca de 2.000 unidades, hoje quase que totalmente nacionalizadas

Estética

Não se pode analisar a Amazona como um carro de turismo. A verdade é que ela é uma adaptação do pick-up Chevrolet para veículo rural de passageiros. A presença do caminhão dessa marca, principalmente na parte dianteira, onde a Amazona ostenta o conjunto global de seus irmãos maiores, é acentuada. Vale assinalar, porém, que os estilistas, procurando suavizar as linhas do veículo, conseguiram detalhes agradáveis, como, por exemplo, nos pára-lamas traseiros. Em todo caso, predomina a sensação de robustez, que, de certa maneira, é a que se pode exigir deste tipo de veículo.

Acabamento

De modo geral, o acabamento é bom. Cabem no entanto, algumas ressalvas. A pintura, de qualidade razoável, não resiste bem, nas partes anteriores dos pára-lamas traseiros, ao bombardeamento de partículas lançadas pelas rodas da frente. A Amazona é encontrada em duas cores, com tonalidades variadas. O estofamento, forrado de plástico, é de boa qualidade e apresenta acabamento acurado.

A fixação de borrachas não é perfeita: registramos deslizamento, na parte traseira. Quanto aos pára-sóis, fixos na suas articulações, não podem ser deslocados para proteção lateral. A lâmpada interna, colocada no teto, tem fraca luminosidade.

Fechaduras: não têm a qualidade esperada, principalmente a do porta-luvas.

Espelho retrovisor externo, também de má qualidade: com pouco uso, apresenta defeito e embaçamento permanente à sua volta.

Acomodação

As acomodações para o motorista são confortáveis: o assento é alto (o que, no caso, é bom) e o encosto tem ligeira inclinação. O banco, inteiriço, pode ser regulado em 6 posições no sentido longitudinal, permitindo, inclusive, mais altura, se levado à frente, graças à inclinação do apoio. Os comandos, de emprego fácil, formam um conjunto em volta do velocímetro; o mais afastado é o interruptor da sinalização direcional.

Quanto ao acionamento do motor de partida, é do sistema antigo: um pequeno botão no assoalho, junto ao acelerador. O ponteiro do amperímetro apresenta trepidações e essa instabilidade confunde o motorista.

Não há indicações de reserva no marcador de combustível e o comando do freio de estacionamento fica muito afastado do motorista.

Por último: travar as portas é um problema (só a da direita tem fechadura) e alguns vidros exigem exagerado esforço para o seu acionamento. Os oito ocupantes acomodam-se muito bem, dispondo de espaço suficiente inclusive para os pés. Sente-se, porém, a ausência de cinzeiros. Umas certas restrições foram apresentadas, com relação às janelas de correr na parte traseira e à ventilação, em caso de mau tempo, quando elas têm que ser totalmente fechadas. Em longas viagens, comprovamos a satisfação que o conforto proporciona aos passageiros.

Poucas reclamações, não obstante, dos ocupantes do último banco, em estrada sem muita conservação: a suspensão independente nas quatro rodas melhoraria, sem dúvida, suas condições de conforto.

Capacidade de transporte

A Amazona dispõe de três bancos. O espaço é amplo e não há dificuldade de acesso. Oito passageiros acomodam-se perfeitamente. Quanto à carga, levando-se em conta que os bancos são removíveis, pode-se estimar a sua capacidade em 650 kg. O acesso à mala é feito através de uma meia porta, de grandes dimensões. Com os bancos colocados, o espaço ali existente é apenas razoável, pois a roda com o pneu sobressalente fica na mala. A plataforma que se obtém abrindo-se a tampa da mala é de grande utilidade. No porta-luvas, de dimensões avantajadas, podem ser colocados muitos objetos de pequeno porte.

Manutenção

Faz-se a verificação do nível do óleo do motor através de uma vareta, do tipo convencional, localizada à direita. A capacidade do carter é de 4,73 litros e o óleo recomendado, o SAE 20, com classificação API, para serviços DG, DM ou DS. Em serviço normal, a troca deve-se processar a cada 2.000 (até 3.000) km e a lubrificação, a cada 1.500 km. O elemento filtrante deve ser substituído a cada duas trocas de óleo. O bujão de enchimento de gasolina não tem chave, mas fica escamoteado numa pequena portinhola do lado esquerdo do carro. No filtro de ar é recomendado o uso do óleo SAE 50, de viscosidade maior, portanto, do que o empregado no motor. A bateria, facilmente localizável, fica colocada no cofre do motor, cujo acesso, no entanto, é dificultado pelo grande porte dos pára-lamas dianteiros.

Calibragem dos pneumáticos: recomenda-se 30 psi. Cuidado com a operação de reabastecimento de água, devido à pressão de vapor.

Impermeabilidade

Notam-se infiltrações de certa gravidade nos cantos inferiores do pára-brisa. Quanto às janelas, tanto as de correr, como as de elevação, não podem ser abertas no mau tempo, sequer em pequenas frestas, devido ao ângulo que formam com as portas. Os defletores de vento permitem pequenas aberturas, graças à proteção externa existente; mesmo assim, é possível que entre água. A vedação de pó não é perfeita; nota-se isto, principalmente usando a janela de ventilação para os pés.

Visibilidade

A amplitude dos vidros em geral e a curvatura e inclinação do pára-brisa permitem boa visibilidade, não obstante o capuz seja quase horizontal. Em parte, a boa visão é prejudicada, não obstante, pela coluna do lado do motorista e pelo ângulo morto da direita, na traseira.

A grande área varrida pelo limpador de pára-brisa fica bem localizada, com referência ao motorista, registrando-se, aí, uma só deficiência: as palhetas, acionadas por motor elétrico, um tanto ruidoso, ao ser desligadas não voltam à posição inicial. A falta de ventilação dirigida provoca, também, na parte interna do pára-brisa, a ocorrência de embaçamento. O espelho retrovisor interno é do tipo anti-reflexo e o externo complementa, com propriedade, a visão à retaguarda, pelo lado do motorista. A dificuldade nas “visadas” junto ao carro é demonstrada no gráfico. Observa-se que as manobras de estacionamento são prejudicadas por essa injunção.

Dirigibilidade

Não obstante as proporções da Amazona, a direção é leve: tem-se a impressão de que se conduz um veículo de passeio. A sensibilidade, acentuada, permite as manobras mais precisas. No acionamento da caixa de mudanças, notamos certa dificuldade na passagem da 1ª para a 2ª. De resto, a engrenagem é fácil de manobrar, através da alavanca, do tipo universal.

A 1ª e a marcha-à-ré não são sincronizadas e, por isso, não proporcionam satisfação completa: não raro, o embreamento duplo é necessário. O motor permite alta aceleração relativa. A suspensão, forte e resistente, apresenta certa dureza, no veículo sem carga. O tipo de eixos de que é dotada a Amazona permite grandes oscilações laterais em estradas mal pavimentadas. Uma regulagem, para a posição relativa da alavanca de mudanças de marcha, apresenta variações devido à falta de resistência na luva de ligação entre os eixos. O volante, de excelente desenho, apresenta boa pega e raios conificados, com meia circunferência livre.

Em trânsito urbano, a Amazona comporta-se bem, manobrando com facilidade; na estrada, desenvolve velocidades de cruzeiro altas, com boa estabilidade.

Possui, ainda, “Tração Positiva” (optativa), dispositivo que permite maior tração na roda de maior aderência no momento. Este dispositivo evita deslizamentos em terrenos escorregadios. Sem apresentar problemas, graças à sua simplicidade, esse dispositivo é também muito útil em subidas, descidas e curvas. Seu conjugado motor possibilita o emprego da terceira marcha (no máximo a 2ª) em trechos de aclive. O freio é de efetiva presença. Restrições, quanto à estabilidade do veículo, só podem ser feitas nas paradas bruscas.

O volante transmite vibrações que chegam a incomodar, em certas situações. O sistema de direção, porém apresenta-se sem folga.

Diâmetro de curva

A regulagem do carro testado era correta. Em conseqüência, os resultados pouca variaram para ambos os lados, garantindo a simetria das manobras. O diâmetro do volante (45 cm) é recomendado e o número de voltas (5, de batente a batente) lhe dá características de leveza. Os índices obtidos nesse setor revelaram um dos pontos altos da Amazona.

Velocidade

A velocidade máxima que obtivemos com a Amazona foi de 135 km/h, correspondentes, no caso, a 138 km/h reais.

Foram as seguintes as velocidade máximas obtidas em cada marcha (média): em primeira, 30 km/h; em segunda, 70 km/h, e em terceira, 130 km/h – todas indicadas, correspondendo, respectivamente a 31,1 km/h, 72,1 km/h e 133,2 km/h reais. O limite mínimo, em terceira, situa-se nos 30 km/h indicados. Em terreno plano, nas condições básicas do teste, foi possível dar partida em segunda, que também apresenta faixa razoável de emprego.

Em condições normais de uso, as faixas de utilização situam-se nos seguintes limites: primeira, até 25 km/h; segunda, até 60 km/h, e terceira, até 110 km/h.

Velocímetro e odômetro

O velocímetro marca ligeiramente menos do que a velocidade real: observa-se um erro efetivo crescente até atingir – 3,2 e um erro percentual descrescente cujo valor máximo se manteve em – 4%. Acreditamos que é o melhor, quanto à qualidade e regulagem, de todos os que já testamos. Do odômetro, podemos afirmar o mesmo. Seu erro máximo foi da ordem de 0,750 km/ cada 100 km – e o mínimo, de 0,300 cada 100 km. Resultados excelentes, obtidos com a viatura carregada e em longos percursos de estrada. A diferença é para mais.

Aceleração

O índice de aceleração da Amazona é bom, graças à excelência do motor e da transmissão: os tempos de 25,1 e 40 segundos para o meio quilômetro de arrancada são respeitáveis para viaturas desse tipo e peso. Para a ultrapassagem, foram despendidos 13,3 segundos sem carga e 16 segundos com carga, para, partindo dos 60 km/h, chegarmos a 100 km/h. Outra marca sugestiva é a de 38,2 segundos, para alcançar os 120 km/h indicados, desde a partida. A supremacia de rampas é feita com relativa facilidade. Com gasolina comum, no entanto, apresenta-se a chamada “batida de pinos”, eliminada pelo uso de gasolina azul. Um regulador de octanagem, no distribuidor, seria uma solução muito interessante.

 

Chevrolet Amazonas

Chevrolet Amazonas

Fonte: www.picapesgm.com.br

Chevrolet Amazonas

Chevrolet Amazonas
O primeiro modelo da Amazona, lançada em 1959: estilo frontal e mecânica dos caminhões Chevrolet, três bancos inteiriços e terceira porta só no lado direito

Os brasileiros ainda não conheciam em 1959 o termo utilitário-esporte, mas foi no final desse ano que a General Motors, que desde o ano anterior fabricava picapes e caminhões — seu primeiro automóvel, o Opala, só chegaria nove anos depois –, lançou sua primeira perua de passageiros, destinada mais ao lazer que ao transporte de carga. Se o termo agora tão usual já fosse aplicado, talvez se pudesse considerar a Chevrolet Amazona uma precursora do tipo de veículo que muitos hoje apreciam.

Embora derivada de modelos norte-americanos da marca, era um produto específico para nosso mercado. Da frente até a metade da cabine era o conhecido picape Chevrolet Brasil da série 3100; daí para trás, uma ampla perua de três bancos e oito lugares, com a particularidade de uma terceira porta lateral apenas no lado direito. A tampa do porta-malas era pequena, não incluindo o vidro traseiro, e os bancos podiam ser removidos.

Em dezembro de 1962 recebia leve reestilização, passando a vir com quatro faróis redondos, mas a mecânica permanecia: motor de seis cilindros em linha, 261 pol3 (4,3 litros) e 142 cv a 4.000 rpm de potência bruta, o mesmo dos picapes. Com bom torque em baixos regimes – 31,7 m.kgf brutos a 2.000 rpm –, levava a pesada perua (1.850 kg) de 0 a 100 km/h em 21 s, com velocidade máxima de 138 km/h. As suspensões usavam eixos rígidos e molas semi-elíticas; diferencial bloqueante (“tração positiva”) era opcional e o câmbio tinha apenas três marchas.

Chevrolet Amazonas
Em 1962 a perua ganhava uma reestilização frontal, com quatro faróis. A suspensão ainda utilizava eixo rígido e molas semi-elíticas na frente e atrás

No Salão do Automóvel de 1964, ainda realizado no pavilhão do Ibirapuera, em São Paulo, a Amazona cedia lugar a uma nova perua: a C-1416, baseada no picape lançado no mesmo evento. Mais baixa, com linhas atualizadas, suspensão dianteira independente e molas helicoidais nas duas suspensões, para maior conforto, trazia quatro portas, mais uma ampla traseira que se erguia junto do vidro.

Chevrolet Amazonas
Quatro portas laterais e uma traseira mais ampla, molas helicoidais, primeira marcha sincronizada: novidades da C-1416, logo rebatizada Veraneio

Todas as marchas eram sincronizadas, mas o motor permanecia o 4,3-litros, agora com 149 cv brutos e 32,1 m.kgf. Essa perua logo ganharia o nome Veraneio, em alusão ao uso em lazer, nas férias de verão — mas foi como “camburão” policial que se tornou mais famosa. Além do amplo espaço interno, para seis ou oito pessoas, tinha a imponência e a robustez adequadas à função.

Esse modelo foi produzido em São Caetano do Sul, SP, até o final da década de 80, com ligeiras alterações de estilo (no início e no fim dos anos 70) e mecânica – uma delas, por ironia, a troca dos quatro faróis por apenas dois, ao contrário do que ocorrera na Amazona. O motor de seis cilindros passou a ser o do Opala, de 4,1 litros, com versões a álcool e gasolina. Houve também o Veraneio a diesel, com o motor do D-10.

Chevrolet Amazonas
Ao contrário da antecessora, a Veraneio começou com quatro faróis e depois passou a dois, num estilo que se manteve até os anos 80, graças à demanda da polícia

Em 1989, quatro anos depois da reformulação dos picapes, em que a série A/C/D-10 era substituída pela A/C/D-20, a Veraneio era também refeita: linhas retas, painel modernizado e confortos como ar-condicionado e direção assistida. A GM enfim ingressava num segmento há anos explorado pelas transformadoras, que adaptavam cabines duplas ou carrocerias de peruas aos picapes Chevrolet e Ford.

Chevrolet Amazonas
O painel da C-1416 de 1967, à esquerda, e da Veraneio 1971: simples e bem-acabado

Em 1990 era lançada a Bonanza, uma versão de duas portas e entreeixos bem mais curto: 2,59 metros, contra 3,23 metros da Veraneio. Ambas tinham as carrocerias produzidas pela Brasinca, que até então oferecia essas opções no mercado de transformação com os nomes de Mangalarga, para a maior, e Passo Fino, para a mais compacta.

A nova Veraneio ficou no mercado até 1994. Além do motor seis-cilindros de 4,1 litros e 124 cv líquidos (140 cv a álcool) do Opala, foi oferecida com o Maxion diesel, de quatro cilindros e 4,0 litros, em versões turbo (120 cv) e aspirado (92 cv), e com uma terceira fila de bancos para acomodar até nove pessoas.

A versão Custom Deluxe podia vir com controle elétrico dos vidros e travas, rodas de alumínio e direção de assistência eletrônica Servotronic, requinte que só em 2001 foi aplicado ao Omega.

Chevrolet Amazonas
Em 1988 a perua era totalmente renovada, à semelhança dos picapes da série 20. Em 1993 (foto) oferecia terceiro banco, ar-condicionado e até direção eletrônica

Uma tentativa de sucessão foi feita em 1998 com a Grand Blazer, derivada do picape Silverado feita na Argentina. Mas a desvalorização do real no ano seguinte elevou seu preço e já não havia demanda no mercado para um veículo tão grande e pesado. Uma tradição de quatro décadas chegava ao final.

Fonte: www2.uol.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Cadillac Self-Starter

Cadillac Self-Starter, Construção, Sistema, Motor, Arranque, Partida, Elétrica, Dispositivo, Inovação, História, Cadillac Self-Starter

História da Cadillac

História da Cadillac, Carro, Marca, Modelos, Fabricação, Motor, Empresa, Construção, Logo, Veículos, Automóveis, História da Cadillac

Aero Willys

Aero Willys, Carros, Brasil, Versão, Veículos, Velocidade, Modelo, Características, Linha, História, Fotos, Aero Willys

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+