Breaking News
Home / Bem-Estar / Assapeixe

Assapeixe

PUBLICIDADE

O Nome científico da planta assapeixe é Vernonia polyanthes.

O assapeixe é muito comum em regiões de mata atlântica.

Essa planta é muito utilizada no Brasil para problemas respiratórios, inflamatórios e analgésicos.

Na medicina doméstica é utilizado para problemas digestivos, diurética, pedra nos rins, reumatismo, bronquite, asma, gripe, resfriados.

A forma de chá é a mais utilizada.

Aplicado topicamente para atrite, reumatismo, dores musculares, feridas, eczemas, dermatite.

Ele é um protetor estomacal, evita as inflamações e a formação de úlceras gástricas.

Regula a hipertensão arterial.

Combate infecções bacterianas.

Por Portal São Francisco.

Assapeixe

AÇÃO E INDICAÇÃO

Indicado para gripes, bronquites e tosses. Diurética.

FORMAS UTILIZADAS

Cápsula (pó)
Tintura (líquido)
Extrato Fluido (líquido)
Xarope

Nome popular: Assa-peixe, assa-peixe-branco, cambará-branco, cambará-guaçú, chamarrita

Nome científico: Vernonia polyanthes Less.

Família: Asteraceae

Tipo: Nativa

Características botânicas

Arbusto com até 3 m de altura. Fruto tipo cipsela densamente pontuada de glândulas com alguns pêlos esparsos. Ocorre no Brasil nos Estados da Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Goiás, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul.

Usos e propriedades

Planta daninha mais frequente e temida nas pastagens, é também apícola por excelência. É uma das 71 plantas medicinais recomendadas pelo Ministério da Saúde para serem utilizadas e receitadas pelo SUS. As folhas e a raízes são utilizadas na medicina caseira, sendo recomendada como béquica, hemostática, balsâmica, expectorante, hemostática, antilítica, diurética, anti-hemorroidária, antiasmática e antigripal.

Também é indicada para bronquite, litíase, tosses rebeldes, gripes fortes, pneumonia, contusões, afecções do útero, cálculos renais e o uso externo é indicado para combater afecções cutâneas. O decocto da raiz é utilizado, em banhos, para hemorroidas, pontadas nas costas e no peito, contusões e infecções do útero. As folhas, fritadas à milanesa, são comestíveis. A casca da raiz, quando extraída na escuridão, é fosforescente.

Bibliografia

BOTREL, R. T. [et al]. Uso da Vegetação Nativa Pela População Local no Município de Ingaí, MG, Brasil. Acta bot. Bras. 20(1): 143-156. 2006.

LORENZI, H. Plantas Daninhas do Brasil: Terrestres, Aquáticas, Parasitas e Tóxicas. Instituto Plantarum. Nova Odessa, SP, 4ª ed. 2008. 672p. il.

MORAES, M. D.; MONTEIRO, R. A Família Asteraceae na Planície Litorânea de Picinguaba, Ubatuba, São Paulo; Hoehnea 33(1): 41-78, 59 fig., 2006.

PLANTAS MEDICINAIS; CD-ROM, versão 1.0; PROMED – Projeto de Plantas Medicinais; EPAGRI – Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina S.A.; Coordenação: Antônio Amaury Silva Junior; Itajaí, Santa Catarina. 2001.

RENISUS – Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS; DAF/SCTIE/MS – RENISUS; Ministério da Saúde. Brasília, DF, 2009.

Fonte: www.oficinadeervas.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Veganismo

Veganismo

PUBLICIDADE O veganismo é um sistema de crenças que considera que os animais não devem …

Ergonomia

Ergonomia

PUBLICIDADE Definição Ergonomia é o processo de projetar ou organizar locais de trabalho, produtos e sistemas …

eletroterapia

Eletroterapia

PUBLICIDADE A eletroterapia é o uso terapêutico da eletricidade para tratamento médico. Este tipo de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.