Breaking News
Home / Bem-Estar / Picão Preto

Picão Preto

PUBLICIDADE

É uma planta medicinal utilizada para tratamentos de dor muscular, artrite devido suas propriedades anti-inflamatórias.

Ajuda a manter os níveis de açúcar controlados no organismo.

Dor de garganta, cólica menstrual, ulceras gástricas, infecções urinárias, hepatite, tosses, dores de estomago também são problemas que podem ser beneficiados com a ingestão da erva.

A planta tem ação anti-inflamatória, diurética antioxidante e antidiabética.

Gargarejos com a planta auxiliam em problemas na garganta.

( Por Portal São Francisco)

Sabe-se que as raízes, folhas e sementes de Bidens pilosa possuem propriedades anti-inflamatórias, antibacterianas, antissépticas, antimicrobianas e antidisentéricas. Também serve como diurético e contém propriedades antimaláricas, fazendo com que os extratos da planta sejam um tratamento para a malária em certas comunidades. Devido às propriedades anti-sépticas da planta, o extrato vegetal também pode ser usado como um enxaguante bucal natural para combater germes causadores de odor, juntamente com gengivas e boca doloridas.

A erva também é benéfica no tratamento de desconforto articular, inchaços, cólicas e doenças estomacais, juntamente com o resfriado e a gripe. A seiva de folhas esmagadas de Bidens pilosa usa-se para acelerar a coagulação do sangue em feridas frescas; uma decocção de folha é usada para tratar a dor de ouvido; seiva da planta é colocada no ouvido para tratar a infecção do ouvido. A planta também é usada em muitas partes do mundo para fazer chá de ervas que é tomado como uma bebida geral ou como um tratamento para vermes e flatulência.

Bidens pilosa ou picão preto é uma espécie da planta da família Asteraceae. É uma planta anual que cresce até cerca de 1 metro de altura, de acordo com as condições locais.

Picão Preto

Esta planta é considerada uma erva daninha em alguns habitats tropicais. No entanto, em algumas partes do mundo, é uma fonte de alimento ou medicamento. Por exemplo, na África sub-saariana, os brotos tenros e folhas jovens são usadas frescas ou secas como um vegetal de folhas, particularmente em tempos de escassez.

Os usos tradicionais

Na medicina tradicional chinesa, esta planta é considerada uma erva medicinal , chamado Xian Feng Cao.

Pesquisa

Os extratos de B. pilosa são capazes de suprimir o crescimento de células adultas isoladas de células T da leucemia in vitro.
Fitoquímicos
Quase 200 (198) produtos naturais têm sido isolados até a data de B. pilosa . poliacetilenos e flavonóides predominam na fitoquímica de B. pilosa.
Okanin é uma chalcona encontrado em Bidens pilosa (Picão preto) , bem como cafeato de etilo, um ácido hidroxicinâmico.

Picão Preto
Bidens pilosa.

Descrição : Da família das Compostas. Erva anual que floresce em todo o Brasil e tem caule ereto, quadrangular, até l,5cm de altura, ramosa, glabra, às vezes pouco pubescente, ramos opostos; suas folhas pecioladas, opostas, superiores às alternas, deltóides, até 10 cm de comprimento, membranosas, simples ou decompostas, 3-5 pinadas, segmentos ovais até lanceolados, agudos ou acuminados, serrados, capítulos poucos, pedunculados, reunidos em corimbos frouxos de 30 e até 40 flores, amareladas ou brancacentas e perfumadas. Invólucro campanulado, escamas exteriores em geral foliáceas, quase sempre as interiores mais curtas, membranosas, brancacentas e ciliadas nas margens, A planta inteira oferece duas resinas e tanino.

As resinas são aromáticas, sendo uma ácida e outra neutra, amarga, raucilginosa, estimulante, desobstruente, antis-corbútica, odontálgica (principalmente a raiz), sialagoga, anti-disentérica, antileucorrétca, vermífuga e vulnerária; recomendada também contra a icterícia e a diabete, útil também nas inflamações da garganta, das feridas que apresentem mau caráter, e nos engurgitamentos das glândulas mamarias.

Comestível, usada como “legume” no Congo Belga e no Transwaal, pelos indígenas e até mesmo por alguns europeus. Considerada “erva-má”, porque devasta as plantações, porém, apreciada pelos animais que dela fazem grande uso.

Contém matéria azotada, matéria graxa, matéria não-azotada, matéria fibrosa, matéria mineral, cálcio, ácido silícico, ácido fosfórico, óxido de potássio e areia. Vegeta nos terrenos baldios ou expostos assim como nos campos de preferência silicosos.

Conhecida também como macela-do-campo, erva-picão, picão-do-campo, picão-preto, piolho-de-padre, carrapicho, seco de amor, aceitilla, cadillo, chilca. pacunga,cuambu, erva picão, alfiler, clavelito de monte.

Habitat: É nativo das áreas tropicais da América do Sul, África, Caribe, e Filipinas.

História: O picão tem uma história longa de uso entre as pessoas nativas do Amazonas, e regiões amazônicas e em outros ssistemas etno-botânicos da América do Sul.

Partes Utilizadas: Toda a planta.

Propriedades: Vulnerária, antidesentérica e hepática.

Indicações: Muito usado na forma de chá para combater icterícia e hepatite. Tanto para uso interno como para banhos, o picão é muito conhecido pelos que procuram nas plantas o remédio. Distúrbios menstruais; Bactericida, antiviral, anti-fermentativo; Diabetes; Diurético; Anti-oxidante; Hipoglicemiante; Seca as secreções; Hepatoprotetor; Leucemias; Anti-inflamatório, anti-espasmódico; Inibe a atividade tumoral; Vermífugo; Anti-ulceroso, controla a acidez estomacal e estimula a digestão.

Uso pediátrico: As mesmas indicações possíveis.

Uso na gestação e na amamentação: O picão apresentou atividade estimulante uterina fraca em cobaias. Por esta razão não deve ser usado durante gravidez.

Princípios Ativos: carotenóides, fitosteróides, poliacetilenos e ácido nicotínico, Flavonoides; Terpenos; Fenilpropanoides; Lipídios; benzenoides; Principais compostos: esculetina, ácido behenico, beta-sitosterol, ácido butanedioico, butoxilinolatos, cadinoiss, cafeína, ácido caffeolico, ácido caprico, daucosterol, ácido elaidico, ácidos eritronico, friedelanos, friedelinas, D-germacreno, glucopiranoses, glucopiranosideos, inositol, isoquercitrina, ácido laurico, limoneno, ácido linoleico, lupeol, luteolina, muuroloi, ácido miristico, ocanin-glucosideo-palmitico, ácido palmitoleico, ácido paracoumarico, phenilheptatrieno, ácido fitenoico, fitol, pilosola UM, poliacetilenos, precoceno , piranosos, quercetina, sandaracopimaradiol, O- tridecatetraendieno e ácido de vanilico.

Modo de usar:

– Infusão de uma colher das de sopa (5g) da erva em ½ litro de água fervente. Tomar 2 a 3 xícaras ao dia: hepatite, icterícia, diabete, verminose;
– infusão de uma xícara das de cafezinho da planta picada em ½ litro de água. Tomar 1 xícara das de chá a cada 4 horas; gargarejo: amigdalite e faringite;
– compressas (pode-se usar o suco da planta, ao invés da infusão): feridas, úlceras, hemorróidas, assaduras e picadas de insetos;
– decocção (para uso externo) de 10 colheres das de chá de folhas em 1 litro de água: abluções, compressas tópicas ou gargarejos;
– suco de folhas frescas, contusas. Compressas em feridas e úlceras;
– banho: utilizar a decocção acima, 2 vezes ao dia: vulnerário e anti-séptico.

Contra-indicações/Cuidados: O picão contém uma pequena quantia de cafeína e não deve ser usado por pessoas que sejam alérgicas ou sensíveis à cafeína.

Posologia: 10g de planta inteira fresca ou 5g de planta inteira seca (1 colher de sopa para cada xícara de água) em infuso ou decocto, 1 -3 vezes diariamente dependendo da condição que está sendo tratada. Tintura: 2 a 3 ml duas vezes por dia ou 2-3 g de erva em pó em tabletes, cápsulas, ou mexido em água (ou suco) duas vezes por dia. Interação medicamentosa: A presença das cumarinas, diminuem a eficácia de medicamentos tal como Warfarin; Hipoglicêmicos ou diabéticos só devem usar o picão sob a supervisão de um profissional qualificado e ter seus níveis de açúcar controlados.

Efeitos Colaterais: O picão é hipotensor; pacientes cardíacos em uso de medicamento podem ter reações bruscas até a regulagem das doses. Consulte o médico.

Farmacologia: Já em 1979 e 1980, cientistas demonstraram que os princípios químicos encontrados na erva eram tóxicas a bactéria e fungos; Muitos do flavonoides apresentaram atividade antimalárica; Em 1991, cientistas suíços isolaram vários fitoquímicos com propriedades antimicrobianas e antiinflamatórias e concluíram que “pode-se racionalizar o uso desta planta em medicina tradicional no tratamento de feridas, contra inflamações e contra infecção bacteriana da área de gastrointestinal”; Um novo fitoquímico bioativo, descoberto em 1996, mostrou atividade contra linhas de célula humanas transformadas.

O picão foi o assunto de pesquisa clínica recente que apoiou muitos de seus usos em medicina herbácea. Um grupo de pesquisa em Taiwan informou o extrato de picão era capaz de proteger o fígado de ratos de várias toxinas.

Este grupo havia demonstrado anteriormente ações antiinflamatórios do picão preto em animais; Em 1999, um grupo brasileiro de pesquisa confirmou as atividades antiinflamatórios em camundongos e os atribuiu a um efeito modulador imunitário.

(O extrato reduziu a quantia de células imunes em sangue humano num estudo prévio síntese); Além do mais, outra pesquisa demonstrou que o extrato inibia a síntese de prostaglandina e atividade da ciclooxygenase (COX). Ambos são processos químicos ao ligados doenças inflamatórias.

Outras áreas de pesquisa validaram uso tradicional do picão para úlceras e diabetes. Outro estudo in vivo com ratos e camundongos demonstrou que o picão tem atividade hypoglicemica e pode melhorar sensibilidade à insulina que valida sua longa história em medicina herbácea para diabetes. Os pesquisadores atribuíram as propriedades hipoglicemiantes da planta a um grupo de glucosideos encontrados nas partes aéreas da planta; O Picão também preveniu hipertensão em ratos e abaixou os níveis de triglicérido.

Em ratos de hipertensos (incluindo hipertensão alta salinduzido dietética), extratos da planta baixaram significativamente a pressão arterial sem ter um efeito no débito cardíaco e volume de urina. Também foi mostrada atividade relaxante na musculatiura lisa do coração; Em 1991, cientistas do Egito documentaram atividade antimicrobiana contra vários patogenos.

Outro estudo in vitro demonstrou sua atividade de antibacteriana contra um vasto leque de bactéria incluindo Klebsiella, Bacilo, gonorrhea de Neisseria, Pseudomonas, Estafilococo, e Salmonela.

Extratos da folha também tem atividade antimicobacteriana contra Mycobacterium e M. smegmatis, Cândida albicans. Pesquisas confirmaram o usos nos trópicos para mordedura de serpente e malária; ( um grupo de pesquisa confirmou que um extrato de picão podia proteger camundongos de injeções letais de veneno neurotoxico de cobra); A última área de pesquisa focalizou as possibilidades anticancerosas.

Em vários sistemas de ensaio in vitro mostrou atividade antitumoral. Pesquisadores de Taiwan informaram em 2001 que um simples extrato quente de picão podia inibir o crescimento de cinco tensões de seres humanos e leucemia de camundongos, em menos que 200 mcg por ml em vitro. Resumiram sua pesquisa dizendo que “o picão provou ser uma planta medicinal útil para tratar leucemia”.

Picão Preto

Fonte: www.combonimissionaries.co.uk/www.plantasquecuram.com.br

Veja também

triptofano

Triptofano

PUBLICIDADE O triptofano é um aminoácido, uma proteína sem a qual os seres humanos não …

melatonina

Melatonina

PUBLICIDADE A melatonina é um hormônio produzido pelo nosso cérebro, e esse hormônio interfere em …

Kefir

Kefir

PUBLICIDADE Alimentos probióticos são microrganismos vivos que ajudam a equilibrar a flora intestinal. A flora …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.