Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Bem-Estar / Guaçatonga – Produto Natural

Guaçatonga – Produto Natural

PUBLICIDADE

Família: Flacourtiaceae
Gênero: Casearia
Espécie: sylvestris
Sinônimos: Samyda parviflora , Casearia parviflora , Anavinga samyda

Nomes comuns

Guaçatonga, guassatonga, café selvagem, café-bravo, cafeiillo, café silvestre, congonhas-de-bugre, corta- lengua, dondequiera, erva-de-bugre, erva de pontada, guayabillo, mahajo, papelite, pau de lagarto, piraquina, raton, sarnilla.

Partes usadas

Casca, folhas

PROPRIEDADES DE PLANTAS E AÇÕES

Principais Ações

protetora do estômago
bloqueia os sinais de dor
previne úlceras
neutraliza veneno
mata células cancerosas
mata vírus
retarda o crescimento do tumor
purifica o sangue
alivia a dor
pá cura feridas

Guaçatonga cresce como um arbusto ou árvore pequena geralmente 2 ou 3 metros de altura.

Nos solos argilosos da Amazônia, a planta adaptou para a absorção de nutrientes, formando amplas raízes laterais rígidas.

Após a floração produz pequenos frutos, de 3-4 mm de diâmetro.

Guaçatonga se adapta em florestas e planícies. É nativo de Cuba, Jamaica, Porto Rico, no Caribe, América Central e América do Sul (incluindo o Brasil, Peru, Argentina, Uruguai e Bolívia).

MEDICINA E USOS

Os índios Karajá no Brasil fazem uma maceração da casca para tratar a diarréia, os índios Shipibo-Conibo do Peru usam uma decocção da casca para resfriados, diarréia e gripe. Outras tribos brasileiras amassam as raízes ou sementes de guaçatonga para curar feridas e hanseníase topicamente. Os povos indígenas da Floresta Amazônica usam durante anos, como um remédio para picada de cobra. A decocção de folhas pode ser aplicada topicamente e também internamente.

Guaçatonga tem uma vasta história de utilidades na medicina herbal brasileira, documentada em livros como anti-séptico e curador de feridas para doenças de pele (em 1939), como um analgésico tópico (em 1941), e como uma droga anti-úlcera (em 1958). Hoje em dia é empregado em sistemas de medicina de ervas brasileiras como um purificador do sangue, anti-inflamatório e antiviral para tratar reumatismo, sífilis, herpes, estômago e úlceras de pele, edema, febre de todos os tipos, diarréia e como um tópico analgésico.

É empregado de forma tópica para queimaduras, feridas, erupções cutâneas, e doenças de pele como eczema.

A planta é um medicamento fitoterápico popular empregado em fitoterapia, para suavizar a dor, diminuir a inflamação, diminuir o ácido do estômago e prevenir úlceras, parar o sangramento e cicatrização de feridas.

Usado para tratar doenças da pele, câncer, úlceras estomacais, picadas de abelha e cobras, herpes, e em produtos dentários, anti-sépticos.

Propriedades

analgésico
antiácido
anti-inflamatório
anti-bacteriano
anticancerígena
antifúngica
antitumoral
soro antiofídico
gastroprotetor (protege o trato gástrico)

Nome popular: GUAÇATONGA
Nome científico: Casearia sylvestris Sw.
Família: Flacourtiaceae

Sinonímia popular

Chá-de-bugre, cafeeiro-do-mato, erva-de-bugre, guassatonga, guassatunga, café-de-frade, apiá-acanoçu, bugre-branco, café-bravo, cambroé, erva-lagarto, erva-pontada, língua-de-teju, língua-de-tiú, para-tudo, varre-forno, fruta-de-saíra, café-do-diabo

Sinonímia científica

Casearia parviflora Willd, Samyda sylvestris (Sw) Poir., Casearia puctata Spreng.,Casearia samyda (Gaert) DC.

Parte usada

Cascas, folhas e raiz

Propriedades terapêuticas

Diurética, diaforética, depurativa

Princípios ativos

Flavonóides, saponinas, alcalóides, óleo essencial, terpenos, limoneno, ácido hexanóico, triterpenos, diterpenos clerodano (casearinas A-S), taninos, lapachol

Indicações terapêuticas

Febre, picada de cobra, envenenamento de gado, úlceras, herpes, diarréia, hematomas, sífilis, queimaduras, ferimentos, erupções cutâneas, eczema, vitiligo

Informações complementares

Outros nomes populares

Marmelinho-do-campo, saritã.

Nomes em outros idiomas

wild-coffee
cortalenga
crack-open
dondequiera
guayabillo
mahajo
raton
sarnilla
ucho caspi.

Características gerais

A guaçatonga é um arbusto ou árvore que mede geralmente entre 4m e 6m de altura podendo chegar a 10m em áreas isoladas da Amazônia. Dotada de copa densa e arredondada, com tronco de 20-30cm de diâmetro. É nativa de quase todo o Brasil, Cuba, Jamaica, Porto Rico, Espanha, Ilhas do Caribe, Peru, Argentina, Uruguai e Bolívia.

Ocorre desde o Amazonas até o Rio Grande do Sul. As estruturas vegetativas e reprodutivas são caracterizadas pela presença de inclusões cristalinas e células glandulares contendo óleo essencial. Os estômatos são paracíticos. Os pêlos epidérmicos são unicelulares, não glandulares.

Características da planta

Suas folhas são simples, alternas e pecioladas, tem a forma de ponta de lança com bordas serrilhadas e medem de 6-12 cm de comprimento. Produz flores de cores brancas, creme ou esverdeada reunida em glomérulos axilares.

O fruto cápsula ovóide-globoso é pequeno, vermelho quando maduro e possui 2-3 sementes envoltas em arilo carnoso avermelhado (semelhante a sementes de maracujá e romã), amarelo e comestível.

Uso popular

Diurética e diaforética. Externamente é vulnerária, com utilização em estados febris. Tem uso também como antiofídica e o fruto é utilizado contra o envenenamento do gado. Suas folhas e raízes são usadas como depurativo, anestesiante e úlceras.

Para febres perniciosas e inflamatórias são utilizadas as cascas. O suco e o decocto das folhas têm as mesmas propriedades da casca e ainda antidiarreica e combate a herpes. As folhas cozidas são usadas para lavar feridas e lesões provocadas por picadas de cobras. Se misturar as folhas com álcool (alcoolatura) são colocadas sobre hematomas. Há relatos populares do uso das folhas e raízes contra a sífilis.

A guaçatonga é citada como auxiliar dos criadores de gado na expulsão da placenta após o parto.

É também utilizada externamente em queimaduras, ferimentos, erupções cutâneas, eczema e vitiligo.

Princípios ativos

Nas folhas da Casearia sylvestris consta a presença de flavonóides (quercetina, 4´-O-metiléter do canferol e isoramnetina), saponinas, alcalóides e óleo essencial constituído em grande parte por derivados de sesquiterpenos. As folhas frescas contém 0,6% de óleo essencial e chega a 2,5% quando estão secas.

Tem uma grande porcentagem de terpenos (77,78%), o limoneno e o ácido hexanóico, triterpenos e diterpenos clerodano (casearinas A-S), taninos e lapachol.

Atividades farmacológicas

Scavone et al. (1979) comprovou a ação cicatrizante na pele de camundongos e em comparação com o grupo controle, concluiu que o processo de cicatrização ocorreu mais rápido nos animais tratados com a tintura das folhas da Casearia sylvestris.

Camargo et al. (1993) aplicou o extrato fluido das folhas em lesões de estomatite herpética provocadas por herpes simples na região bucal de crianças e adolescentes e verificou redução no tempo desde o surgimento até desaparecimento das manifestações clínicas.

Sertié et al. (2000) fez estudos e verificou que extratos preparados de folhas frescas e secas de C. sylvestris administrados em ratos protegem a mucosa gástrica sem modificar o pH fisiológico do estômago. Testes foram realizados com úlcera induzida, e tanto o extrato de folhas frescas como secas agiram de forma a reduzir a área ulcerada. Acredita-se que esse efeito é devido a presença de óleos voláteis, taninos e triterpenos.

Itocawa et al. (1988,1990) e Morita et al. (1991) ao isolarem os diterpenos clerodanos (casearinas A-F e G-R) das folhas em extrato hidroalcoólico identificaram com sendo responsáveis pela ação antitumoral e citotóxica.

Outros estudos foram realizados com o óleo essencial das folhas secas e mostraram a ação inibitória de edema agudo induzido por veneno de urutu (Bothrops alternatus) e carragenina. Em outro trabalho com veneno de cobras e abelhas injetadas em camundongo em doses letais, o extrato aquoso de folhas mostrou-se capaz de inibir a atividade anticoagulante de enzimas e neutralizar o efeito letal destas, prolongando a sobrevivência dos animais.

Confusão dos nomes populares

Não foram encontradas confusões com o nome popular guaçatonga.

O nome marmelinho-do-campo é o nome também da Austroplinckia populnea Reiss, também conhecida como mangabeira-brava.

O café-do-diabo é também o nome dado a Euphorbia heterophylla L. conhecida também por amendoim-bravo.

O café-bravo possui 4 plantas conhecidas com esse nome: Croton lobatus L., Guarea macrophylla Vahl, Palicourea marc gravii (considerada venenosa) e Margaritaria nobilis L

Toxicidade

A C. sylvestris apresentou baixa toxicidade e excelente índice terapêutico.

As folhas são utilizadas com sucesso em casos de úlceras pépticas e também em gastrites, úlceras varicosas, feridas, picadas de insetos, herpes, aftas e todo tipo de ulcerações. Tem saponina, uma substância química antiinflamatória e tanino, um princípio adstringente. Segundo alguns ajuda a eliminar a batéria Helicobacter pylorae.

Ana Lúcia T. L. Mota 

Arbusto ou árvore encontrada em quase todo o Brasil, que mede até 10 metros de altura. Sua casca é cinéreo-pardacenta, rugosa e com pequenas fendas quase superficiais.

Suas folhas são alternas, pecioladas, lanceoladas até ovadas ou elíticas, agudas até longo-acuminadas no ápice, estreitas ou arredondadas na base, chegando a medir 14 centímetros de comprimento e 3 centímetros de largura, serreado-dentadas ou sub-inteiras, densa e minusculamente pelúcido-glanduloso-puntuadas e com linhas também pelúcidas, nervuras laterais 5-8, glabras. Vistas contra a luz, mostram minúsculos pontos translúcidos, que correspondem às glândulas de óleo essencial.

As flores são numerosas e pequenas, de cor branco-esverdeada ou amarelada, com anteras brancas, estigma trilobado, dispostos em cimeiras axilares de 20-50 flores. Elas exalam um forte aroma.

O fruto é uma cápsula ovóide-globosa, pequena, vermelha quando madura, contendo em seu interior 2-6 sementes em volta em arilo lanoso, amarelo e comestível.

É conhecida principalmente por Guaçatonga, palavra de origem na língua tupi-guarani, indicando o conhecimento desta espécie pelos nossos índios.

Nome Científico

Casearia sylvestris Swartz. Sinonímia: Casearia parviflora Willd.; Anavinga samyda Gaertn.; Casearia punctata Spreng; Samyda parviflora L.

Nome Popular

Guaçatonga,Apiá-açonoçú, Baga-de-pomba, Bugre-branco, Café-bravo, Café-de-fraile, Café-do-diabo, Cafezeiro-bravo, Cafezeiro-do-mato, caimbim, Caroba, Carvalinho, Chá-de-bugre, Chá-de-frade, Chá-de-são-gonçalinho, Erva-de-pontada, Erva-de-bugre, Erva-de-largarto, Estralador, Fruta-de-saíra, Gaibim, Gaimbim, Guaçatunga, Guaçatunga-branca, Guaçutonga, Guaçutunga, Guassatonga, Língua-de-lagarto, Língua de tiú, Marmelada-vermelha, Marmelinho-do-campo, Pau-de-bugre, Petumba, Pioia, Pióia, Pombeiro, Quacitunga, Vacatunga, Vassitonga e Vassatunga, no Brasil; Avanti-timbatí, Guatiguá-blanca, Catiguá-obí e Guazatumba, na Argentina.

Observação

Segundo M. Pio Côrrea (Dicionário de Plantas Úteis do Brasil), tanto a espécie Casearia sylvestris Swartz, quanto a espécie Cordia salicifolia Cham. (sinonímia: Cordia eucalyculata Vell.), são conhecidas no Brasil por Chá de Bugre. Desta forma, surgiram confusões, principalmente com o aparecimento de produtos feitos de Porangaba, outra sinonímia popular da espécie Cordia eucalyculata Vell.

Assim, para evitar esta confusão, optou-se por chamar de “Guaçatonga” a espécie Casearia sylvestris Swartz e a espécie Cordia eucalyculata Vell. de “Chá-de-bugre” (também conhecida por Porangaba).

Família Botânica

Flacourtiaceae.

Parte Utilizada

Folha.

Princípios Ativos

Óleo Essencial

Apresenta aroma agradável e com alto teor de terpenos e ácido capróico; Saponinas; Alcalóides; Flavonóides; Taninos; Antocianosídeos.

Indicações e Ação Farmacológica

É usada no tratamento de úlceras estomacais, febre, inflamações, diarréias, dores no peito e no corpo. Externamente é indicada para a cura de feridas, eczemas, pruridos, picadas de insetos e cobras e outros distúrbios da pele, além dos distúrbios da orofaringe, tais como aftas, herpes e mau hálito.

Apresenta propriedades depurativa, anti-reumática, vulnerária, cardiotônica, antiobésica, diurética, antiartrítica, hemostática, anestésica tópica em lesões da pele, anticolesterolêmica, afrodisíaca, antipirética, cicatrizante, anti-séptica, eupéptica, anti-herpética, antiulcerogênica, antiofídica, antidiarréica, antimicrobiana, fungicida e calmante.

O extrato etanólico das folhas apresentaram uma ação antitumoral em ratos na dose de 100 mg/kg i.p.contra o sarcoma 180. O extrato etanólico a 70% das folhas secas demonstraram atividade cicatrizante em ratas. O extrato aquoso da planta apresentou ação antiofídica ao veneno de Bothrops jararaca e o óleo essencial teve um efeito inibidor dos processos induzidos pelo veneno de Bothrops alternatus.

Além disso, reduz o volume de ácido clorídrico produzido no estômago e desta forma promove uma ação anti-gástrica pronunciada. Não interfere também no processo de digestão e nem na absorção das proteínas. Promove a prevenção da irritação da mucosa gástrica induzida pelo stress.

A presença de óleo essencial nesta espécie é responsável pela atividade anti-séptica, antimicrobiana e fungicida.

Toxicidade/Contra-indicações

Os extratos aquosos das folhas demonstraram atividade sobre a musculatura lisa uterina em ratas, podendo portanto explicar a sua ação abortiva. A DL50 em ratos foi estimada em 1792g do extrato seco/kg.

É contra-indicado o uso durante a gravidez e como há falta de referências quanto a utilização durante a lactação, recomenda-se não usar.

Dosagem e Modo de Usar

Uso Interno

Infusão ou Decocção: a 5%, 50 a 200 ml/dia;

Colocar 10 gramas de folhas frescas ou secas em 200 ml de água quente. Tomar 2 xícaras por dia da infusão para úlceras e problemas digestivos

Extrato Seco: 57,5 mg/kg;
Extrato Fluido: 2 a 10 ml/dia;
Tintura: 10 a 50 ml/dia

Uso Externo

Compressa

Ferver durante 10 minutos 30 gramas de folhas de Guaçatonga com 10 folhas de Confrey em 1 litro de água. Coar e aplicar compressas sobre eczemas;

Alcolatura

Macerar por 5 dias 20 gramas de folhas em meio copo de álcool neutro. Coar e aplicar topicamente nas picadas de inseto. O preprado deve ser mantido em locais frescos e em frascos frescos e escuros.

Maceração

Num pilão, coloque 2 colheres de sopa de folhas frescas, 1 colher de sopa de glicerina e 2 colheres de sopa de álcool. Amasse bem e coe. Aplique com um chumaço de algodão a parte afetada, de 2 a 3 vezes ao dia. É válido para gengivite, estomatite, aftas e feridas.

Referências Bibliográficas

CORRÊA, M. P. Dicionário das Plantas Úteis do Brasil. IBDF. 1984.
TESKE, M.; TRENTINI, A. M. Herbarium Compêndio de Fitoterapia. Herbarium. Curitiba. 1994.
PANIZZA, S. Plantas que Curam (Cheiro de Mato). 7ª edição. 1997.
Internet www.unesc.rct-sc.br/plantas_medicinais;

Fonte: ci-67.ciagri.usp.br/ geocities.com/ervaseinsumos.blogspot.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Veganismo

Veganismo

PUBLICIDADE O veganismo é um sistema de crenças que considera que os animais não devem …

Ergonomia

Ergonomia

PUBLICIDADE Definição Ergonomia é o processo de projetar ou organizar locais de trabalho, produtos e sistemas …

eletroterapia

Eletroterapia

PUBLICIDADE A eletroterapia é o uso terapêutico da eletricidade para tratamento médico. Este tipo de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+