Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Medidas de Tempo  Voltar

Medidas de Tempo

 

Desde que o homem notou pela primeira vez o movimento regular do sol e das estrelas, temos de saber sobre a passagem do tempo. Povos pré-históricos primeiro registrou as fases da Lua cerca de 30.000 anos atrás, e tempo de gravação tem sido um caminho pelo qual a humanidade tem observado os céus e representou o progresso da civilização.

Eventos naturais

Os eventos naturais primeiros a ser reconhecidos estavam nos céus, mas, durante o curso do ano, houve muitos outros eventos que indicaram alterações significativas no meio ambiente. Ventos sazonais e as chuvas, as enchentes dos rios, o florescimento das árvores e plantas, e os ciclos de reprodução ou migração de animais e pássaros, todos levaram a divisões naturais do ano, e mais de observação e dos costumes locais levou ao reconhecimento das estações do ano .

Medir o tempo pelo Sol, a Lua e as Estrelas

Como o sol se move no céu, as sombras mudar na direção e comprimento, de modo simples, um relógio de sol pode medir o comprimento de um dia. Foi rapidamente notado que a duração do dia varia em diferentes épocas do ano. As razões para esta diferença não foi descoberto até que os astrônomos aceitaram o fato de que a Terra viaja ao redor do Sol em uma órbita elíptica, e que o eixo da Terra é inclinado em cerca de 26 graus. Esta variação de uma órbita circular leva à Equação do Tempo, que nos permite trabalhar a diferença entre o tempo de 'relógio' e 'hora solar'.

Outra descoberta foi que relógios de sol teve que ser feito especialmente para diferentes latitudes, porque a altitude do Sol no céu diminui em latitudes mais altas, produzindo longas sombras do que em latitudes mais baixas. Hoje, artistas e astrônomos encontrar muitas maneiras de criar relógios de sol modernos.

A imagem mais antiga de um padrão de estrela, na constelação de Orion, foi reconhecido em um pedaço de mamute presa alguns 32500 anos de idade.

Medidas de Tempo
As três estrelas do cinturão de Orion e da estrela vermelha de seu braço direito pode ser facilmente reconhecido

A constelação de Orion é simbolizado por um homem de pé com o braço direito levantado e uma espada em seu cinto e pode ser visto em todo o mundo em diferentes épocas do ano. Orion era o deus do sol dos egípcios e Phonecians e chamou o 'forte' pelos árabes. Em partes da África, cinto e espada são conhecidos como "três cães perseguindo três porcos" e as pessoas Borana da África Oriental base um calendário sofisticado em observações de aglomerados de estrelas perto de cinturão de Órion. Orion contém algumas das estrelas mais brilhantes na parte sul do céu de inverno no hemisfério norte e pode ser visto mais tarde no hemisfério sul.

O primeiro Star Mapa Egípcio é cerca de 3.500 anos de idade e mostra o conjunto mais inusitado dos planetas (Vênus, Mercúrio, Saturno e Júpiter) na constelação de Orion e da ocorrência de um eclipse solar que aconteceu em 1534 aC.

Registros babilônicos de observações de eventos celestiais datam de 1600 aC. A razão para o sistema adopta aritmética é provavelmente porque tem muitas divisores 60, e tomar a decisão de 360 dias como a duração do exercício e 3600 num círculo foi baseada nas suas atuais matemática e da conveniência que o sol se move através do céu relativa às estrelas fixas em cerca de 1 grau a cada dia.

Medidas de Tempo
Touro Alado

A constelação de Taurus, o touro, símbolo da força e da fertilidade, figura proeminente na mitologia de quase todas as civilizações antigas, da Babilônia e da Índia para o norte da Europa. O touro alado assírio homem com cabeça tinha a força de um touro, a rapidez de um pássaro e inteligência humana.

De cerca de 700 aC, os babilônios começaram a desenvolver uma teoria matemática da astronomia, mas a igualmente divididos zodíaco 12 constelação aparece mais tarde cerca de 500 aC, para corresponder ao seu ano de 12 meses de 30 dias cada. Sua base 60 sistema fração que ainda usamos hoje (graus / hora, minutos e segundos) era muito mais fácil de calcular com que as frações utilizadas no Egito ou na Grécia, e continuou a ser a principal ferramenta de cálculo para os astrônomos até depois do século 16, quando decimal notação começou a assumir.

A mais antiga evidência arqueológica de calendários chineses aparece cerca de 2.000 aC. Eles mostram um ano 12 meses com a ocorrência ocasional de um 13 º mês. No entanto, os registros tradicionais chineses sugerem a origem de um calendário de 366 dias, dependendo dos movimentos do Sol e da Lua tão cedo quanto 3000 aC. Durante esse longo período de observação, os astrônomos chineses tornou-se ciente de que o calendário não era preciso, e pelo segundo século dC, foi reconhecido que o calendário se tornou incerto a cada 300 anos. Este problema é chamado de precessão e foi registrado pelos historiadores chineses no quarto e quinto séculos EC. No século V dC o Zu estudioso Chongzi criou o primeiro calendário, que teve precessão em conta, eo calendário mais abrangente foi o Calendar Dayan compilado na Dinastia Tang (616-907 dC), bem à frente de qualquer desenvolvimento na Europa.

Medidas de Tempo
Precessão

A precessão é devido ao movimento gradual do eixo de rotação da Terra em um círculo com relação às estrelas fixas. Este movimento produz um "balanço" lento, o que significa que as posições das estrelas de completar um ciclo de cerca de 26.000 anos.

O eixo da Terra completa um circuito uma vez a cada 26 mil anos.

No Mediterrâneo, Hiparco fez os primeiros cálculos de precessão em cerca de 160 aC. O problema foi levado pelos astrônomos no Oriente Médio e Índia, que reconheceram que a precessão gradualmente alterou a duração do ano. Calendários tiveram de ser alterados periodicamente. Em 325 dC a mola (vernal) equinócio havia se mudado para 21 de março. O Imperador Constantino estabeleceu datas para os feriados cristãos, mas a Páscoa é com base na data do equinócio vernal, que varia a cada ano, porque o equinócio é um evento astronômico. Por 1582 o equinócio vernal tinha movido mais dez dias, o Papa Gregório estabeleceu um novo calendário, e esta mudança é a razão para ter um dia extra em cada ano bissexto. No entanto, ainda existem pequenas mudanças que se acumulam, e um dia teremos que adotar um novo calendário!

Invenções para medição e regulação do tempo

As primeiras invenções foram feitas para dividir o dia ou a noite em períodos diferentes, a fim de regular o trabalho ou ritual, de modo que os comprimentos dos períodos variaram muito de lugar para lugar e de uma cultura para outra.

Lâmpadas de óleo

Medidas de Tempo
Lâmpada de óleo da argila

Há evidências arqueológicas de lâmpadas de óleo cerca de 4.000 aC, e os chineses estavam usando óleo para aquecimento e iluminação de 2.000 aC.

Lâmpadas de óleo ainda são significativas em práticas religiosas, simbólico da viagem da escuridão e da ignorância para a luz e conhecimento. A forma da lâmpada evoluiu gradualmente para o modelo de cerâmica típica mostrada. Foi possível encontrar uma maneira de medir o nível no reservatório de óleo para medir a passagem do tempo.

Temporizador de vela - relógios

Medidas de Tempo
Temporizador de vela

Velas marcadas foram utilizados para contar o tempo na China a partir do sexto século EC. Há uma história popular que o rei Alfred, o Grande inventou o relógio de vela, mas sabemos que eles estavam em uso na Inglaterra do século CE décimo. No entanto, a taxa de combustão é sujeito às correntes de ar e a qualidade variável da cera. Como lamparinas, velas foram usadas para marcar a passagem do tempo de um evento para outro, ao invés de dizer a hora do dia.

Relógios de água

O relógio de água ou clepsidra, parece ter sido inventado cerca de 1.500 aC e era um dispositivo que contou com o fluxo constante de água ou em um recipiente. Medidas podem ser marcadas na embalagem ou em um recipiente para a água. Em comparação com a vela ou lamparina, a clepsidra era mais confiável, mas o fluxo de água ainda dependia da variação da pressão da coluna de água no recipiente.

Astronômico e astrológico making relógio foi desenvolvido na China 200-1300 CE. Primeiras clepsidras chineses levou vários mecanismos que ilustram fenômenos astronômicos. O astrônomo Su Sung e seus colegas construíram uma clepsidra elaborado em 1088 CE. Este dispositivo incorporado um sistema de balde de água-driven originalmente inventado cerca de 725 CE. Entre os monitores foram um power-driven globo celeste bronze girando, e manequins que tocaram gongos, e indicou momentos especiais do dia.

Óculos hora ou sandglasses

Como a tecnologia do vidro soprado desenvolvido, desde algum tempo, no século 14, tornou-se possível fazer sandglasses. Originalmente, sandglasses foram usados como uma medida por períodos de tempo, como as lâmpadas ou velas, mas como os relógios se tornaram mais precisos foram usados para calibrar sandglasses para medir períodos de tempo específicos, e para determinar a duração de sermões, palestras universitárias, e mesmo períodos de tortura.

A divisão do dia ea duração do 'Hora'

Um relógio de sol egípcio de cerca de 1500 aC é a mais antiga evidência da divisão do dia em partes iguais, mas o relógio não adiantava à noite. A passagem do tempo é extremamente importante para os astrônomos e sacerdotes que eram responsáveis por determinar a hora exata para os rituais diários e para os festivais religiosos importantes, para um relógio de água foi inventado.

Medidas de Tempo
Relógio de água egípcio

O Merkhet

Os egípcios melhorado o relógio de sol com a 'merkhet', um dos mais antigos instrumentos astronômicos conhecidos. Ele foi desenvolvido por volta de 600 aC e usa uma corda com um peso, como um fio de prumo para obter uma linha vertical verdadeira, como na imagem. O outro objeto é a nervura de uma folha de palmeira, despojada de suas folhas e dividida numa extremidade, fazer uma fenda fina de vista.

Um par de merkhets foram utilizados para estabelecer uma direção norte-sul, alinhando-los um atrás do outro com a Estrela Polar. Visualizando os fios de prumo através da visão fez certeza de que os dois merkhets ea visão estavam na mesma linha reta com a Estrela Polar. Isto permitiu a medição de eventos noturnos com um relógio de água quando certas estrelas cruzaram a linha de prumo vertical (a 'linha de trânsito), e esses eventos poderiam ser registrados por "linhas noturnas' desenhados em um relógio de sol.

Medidas de Tempo
Um Merkhet egípcio. A madeira tem um entalhe vertical para usar como uma vista quando se utiliza dois prumos

Os egípcios melhorado o relógio de sol com a 'merkhet', um dos mais antigos instrumentos astronômicos conhecidos. Ele foi desenvolvido por volta de 600 aC e usa uma corda com um peso, como um fio de prumo para obter uma linha vertical verdadeira, como na imagem. O outro objeto é a nervura de uma folha de palmeira, despojada de suas folhas e dividida numa extremidade, fazer uma fenda fina de vista.

Um par de merkhets foram utilizados para estabelecer uma direção norte-sul, alinhando-los um atrás do outro com a Estrela Polar. Visualizando os fios de prumo através da visão fez certeza de que os dois merkhets ea visão estavam na mesma linha reta com a Estrela Polar. Isto permitiu a medição de eventos noturnos com um relógio de água quando certas estrelas cruzaram a linha de prumo vertical (a 'linha de trânsito), e esses eventos poderiam ser registrados por "linhas noturnas' desenhados em um relógio de sol.

Existem várias teorias sobre como o dia de 24 horas desenvolvidas. O fato de que o dia foi dividido em 12 horas pode ser porque 12 é um fator de 60, e tanto a Babilônia e civilizações egípcia reconheceu um ciclo do zodíaco de 12 constelações. Por outro lado, (desculpem o trocadilho) finger-contando com a base 12 era uma possibilidade. Os dedos, cada um tem 3 articulações, e assim contando com as articulações dá uma 'mão cheia' de 12.

Em tempos gregos e romanos clássicos usaram 12 horas de sol a sol, mas como os dias de verão e noites de inverno são mais do que os dias de inverno e noites de verão, os comprimentos das horas variou ao longo do ano.

Em cerca de 50 aC Andrónico de Kyrrhestes, construiu a Torre dos Ventos em Atenas. Este foi um relógio de água combinado com relógio de sol posicionados nas oito principais direções de vento. Até então, foi o dispositivo mais precisa construído para manter o tempo.

Horas não têm um comprimento fixo até os gregos decidiram que precisavam de um sistema deste tipo para os cálculos teóricos. Hiparco propôs dividir o dia igualmente em 24 horas, que veio a ser conhecido como equinócio horas. Eles são baseados em 12 horas de luz e 12 horas de escuridão nos dias dos equinócios. No entanto, as pessoas comuns continuaram a utilizar sazonalmente variando horas durante um longo tempo. Somente com o advento dos relógios mecânicos na Europa no século 14, fez o sistema que usamos hoje se comumente aceita.

Mais antigas relógio mecânico

Relógios mecânicos substituíram os antigos relógios de água, eo primeiro mecanismo de escape do relógio parece ter sido inventado em 1275. O primeiro desenho de um escapamento foi dada por Jacopo di Dondi em 1364. No início do século-to-mid-14th, grandes relógios mecânicos começaram a aparecer nas torres de várias cidades. Não há nenhuma evidência ou registro dos modelos de trabalho desses relógios públicos que estavam peso-driven.

Todos tinham o mesmo problema básico: o período de oscilação do mecanismo depende fortemente da força motriz dos pesos ea fricção na unidade.

Em tempos mais tarde medievais relógios elaborados foram construídos em lugares públicos. Este é o relógio astronômico em Praga, parte do qual data de cerca de 1410.

O sobrevivente relógio conduzido primeira mola pode ser encontrada no Museu da Ciência em Londres e data de cerca de 1450. Substituindo os pesos pesados da unidade com uma mola permitido relógios pequenos e portáteis.

Relógios mecânicos mais preciso

Christiaan Huygens fez o primeiro relógio de pêndulo, regulada por um mecanismo com um período de "natural" de oscilação em 1656. Galileu estudou o movimento do pêndulo já em 1582, mas seu projeto para um relógio não foi construída antes de sua morte. Relógio de pêndulo de Huygens teve um erro de menos de 1 minuto por dia, e os seus aperfeiçoamentos posteriores reduz os erros de seu clock para menos de 10 segundos por dia.

Não havia nenhum dispositivo para manter o tempo exato no mar até que John Harrison, um carpinteiro e fabricante de instrumentos, técnicas refinadas para compensação de temperatura e encontrou novas maneiras de reduzir o atrito. Por 1761, ele havia construído um cronômetro marinho, com uma mola e balança escapamento roda que manteve o tempo muito preciso. Com a versão final do seu cronômetro, o que parecia ser um grande relógio de bolso, ele conseguiu um meio de determinar a longitude dentro de um meio grau.

Não foi até 1884 que uma conferência no Greenwich chegou a um acordo sobre a medição de tempo global e adotou Greenwich Mean Time como o padrão internacional. Hoje contamos com relógios atômicos para as nossas medidas de tempo mais precisos.

Fonte: nrich.maths.org

Medidas de tempo

Da Medição do Tempo na História

Da observação do céu o homem retirou as primeiras medidas de tempo, dividindo-se em duas partes – dia e noite -, associadas ao sol e a lua. Durante séculos essa divisão foi suficiente. O dia era dedicado ao trabalho , à vida em comunidade; e a noite ao sono e descanso. No entanto, milênios antes de Cristo, o Ser humano começou a observar que as sombras das árvores e das pedras, projetadas pelo sol, moviam-se e, pelo caminho percorrido por elas, era possível estabelecer um sistema de medida para passar o tempo.

Numa das primeiras tentativas de marcar o tempo, os Chineses cravaram uma estaca no solo, num lugar onde o sol batesse o dia todo. Observando o deslocamento da sombra da estaca, fizeram quatro riscos no solo, dividindo o dia em quatro partes iguais. Posteriormente, cada uma das quatro partes foi dividida em outras três, passando o dia a ter doze partes iguais (12 horas). Nesse passado bem remoto as atividades humanas estavam restritas aos períodos em que havia claridade. Dessa forma, só depois de muito tempo estabeleceu-se que a noite também teria a duração de 12 horas, ficando o período entre um amanhecer e outro com 24 horas no total.

A certa altura de sua história, o homem já sabia contar, conhecia um pouco de matemática e se aventurava longe de seu território, por terra e por mar. A divisão do tempo em horas passou a não ser suficiente. A hora foi dividida em 60 partes iguais, ficando a unidade de tempo quebrada, diminuída (diminuta – Minuto ).

Cada unidade foi dividida uma segunda vez, dando origem ao segundo. 1 dia = 24 horas 1hora = 60 minutos 1 minuto = 60 segundos Essa divisão foi eficiente durante muitos séculos, mas busca pela precisão mostrou que ela ocasionava erros, pois o movimento de rotação da Terra dura na verdade 23 horas, 56 minutos e 4 segundos. Por isso, na década de 1950, o segundo foi redefinido como tempo correspondente a 9 192 631 770 ciclos de radiação emitida entre dois níveis de energia do átomo de césio-133. Um padrão aparentemente complicado, mas que gera erro de apenas 1 segundo a cada mil anos.

Se o Sol ensinou a medir as horas, a Lua mostrou como contar as semanas e os meses.

O homem contou quantos dias durava cada fase da Lua: Nova, Crescente, Cheia e Minguante . Eram 7, aproximadamente. Cada intervalo de 7dias foi chamado pelos romanos de septimana (7 manhãs).

A língua portuguesa não seguiu a tradição latina (exceto para o sábado e o domingo) para nomear os dias da semana. Por que a palavra feira? A origem do uso dessa palavra está no costume cristão de consagrar a Semana Santa à oração e meditação. Os sete dias dessa semana eram feriados (feriae). Como os cristãos numeravam os dias da semana a partir do sábado, o segundo dia depois do sábado era chamado secunda feriae – posteriormente segunda- feira, e assim por diante.

O homem também percebeu que entre a lua nova e outra transcorria um número de dias constante ao qual chamaram metior (de metiri – medir). Fixava-se outra medida de tempo – o mês -, que era lunar . Da observação de que a passagem de doze lunações coincidia aproximadamente com a volta das flores surgiu o ano, com tempo de duração de 12 meses. No entanto, os sábios astrônomos da Babilônia perceberam que o movimento do Sol exercia maior influência sobre a natureza do que a Lua e julgaram mais acertado tomar a passagem do Sol duas vezes seguidas por uma estrela fixa como medida para o ano. O caminho percorrido pelo Sol era chamado de zodíaco. Nele agruparam-se 12 constelações, cada uma correspondendo a 1/12 do caminho, ou 1 mês. Também os Babilônios dividiram o ano em 12 meses. A Babilônia foi conquistada e parte dos seus conhecimentos foram transmitidos aos egípcios, gregos e romanos, que em pouco tempo passaram a utilizar os meses do Zodíaco e o ano Solar.

Fonte: www.slideshare.net

Medidas do Tempo

Deitados na cama, correndo pelo corredor, viajando em um avião, estamos sempre seguros da passagem do tempo.

Todos temos uma medida de tempo em nosso próprio corpo: as batidas do coração. Temos outras medidas de tempo, também, que são por todos conhecidas.

O Sol marca o dia e a noite. Passam as quatro estações, e nós esperamos ver outras surgirem e desaparecerem.

Não podemos determinar diretamente muito mais do que isto, ou muito menos que uma pulsação ou um piscar de olhos. Mas, certamente o tempo se estende para muito além destes limites - para trás antes de nosso nascimento, para frente depois da nossa morte - e por intervalos curtos demais para que possamos captá-los. Para a física, o que importa é saber medir a duração temporal de um fenômeno. Isso significa poder compará-la com a duração de outro fenômeno, que é escolhido como unidade de medida.

A medida de tempo é familiar. Todos nós conhecemos o segundo, o dia, a semana, o mês, o ano, o século.

Tudo isto está baseado num único princípio simples: contar. Para medir intervalos de tempo, os físicos contam simplesmente os segundos decorridos.

Todo intervalo de tempo pode ser expresso como um certo número de segundos. É às vezes conveniente usar dias, da mesma forma como é às vezes conveniente contar dúzias em lugar de unidades. Um dia é a abreviatura de 86.400 segundos. Intervalos de tempo menores que um segundo devem ser contados por frações de segundo.

Que é um segundo, e por que foi ele escolhido?

Não há razão particular para esta escolha. Ela é completamente arbitrária. Poderíamos, da mesma forma, ter escolhido uma unidade de tempo duas vezes maior ou menor. Talvez o segundo seja conveniente porque não é muito diferente do intervalo entre as batidas do coração.

Isto não é, entretanto, fundamental. Importante é que uma unidade seja claramente definida e facilmente reproduzível, de forma a poder ser disponível a todos.

Os relógios são instrumentos que medem a duração do tempo a partir de fenômenos periódicos. É o que ocorre quando aproveitamos a oscilação regular de um pêndulo para movimentar os ponteiros de um relógio.

Fonte: www.saladefisica.com.br

Medidas de tempo

As duas unidades primordiais para medida do tempo são o DIA e o ANO, queestão relacionados aos movimentos verdadeiros principais da Terra.

Dia é o tempo necessário para a Terra efetuar uma rotação completa em torno deseu eixo, com relação a uma referência no espaço. O dia recebe denominações distintas,conforme o ponto do céu escolhido como referência para sua medida. O Dia SolarVerdadeiro, ou simplesmente Dia Verdadeiro, é o tempo necessário para a Terra efetuaruma rotação completa em torno de seu eixo, tendo como referência o Sol Verdadeiro. ODia Médio tem como referência o Sol Médio, astro fictício cujo conceito será adianteexplicado. O Dia Sideral é o intervalo de tempo necessário para a Terra efetuar umarotação completa em torno do seu eixo, tendo como referência uma estrela, ou melhor,como veremos, o Ponto Vernal. Em cada espécie de tempo, o dia é dividido em 24 horas;cada hora divide-se em 60 minutos e cada um destes em 60 segundos.

Ano é o tempo necessário para a Terra, no seu movimento de translação (ourevolução), efetuar um giro completo ao redor do Sol. O ano também recebe diferentesdenominações, segundo a referência tomada como origem para sua medida.

Assim, Ano Sideral é o intervalo de tempo decorrido entre duas passagenssucessivas da Terra por um mesmo ponto de sua órbita, determinado em relação às estrelas.

Pode ser definido, também, como o intervalo de tempo que o Sol gasta para percorrer toda sua órbita aparente (Eclítica), a partir de um ponto fixo da mesma.

Seu valor é de365,25636 dias solares médios ou 365d 06h 09 min 09,54seg (1900) e aumenta de cerca de0,0001 segundo anualmente. É cerca de 20 minutos mais longo que o Ano Trópico, emvirtude do movimento retrógrado do Ponto Vernal (g), causado pela precessão dos equinócios. Ano Trópico é o intervalo de tempo decorrido entre duas passagens consecutivasdo Sol pelo Ponto Vernal (g). Em virtude da precessão dos equinócios, o Ponto Vernal(g) se desloca no sentido inverso ao do movimento aparente anual do Sol, de modo que oAno Trópico é cerca de 20 minutos mais curto que o Ano Sideral e seu valor é de365,24220 dias solares médios, isto é, 365d 05h 48 min 45,97 seg (1900). As estaçõescomeçam sempre nas mesmas épocas no Ano Trópico, que, por essa razão, é o ano básicodo calendário. O Ano Trópico é também denominado Ano Solar, Ano Astronômico ou Ano Equinocial.

Ano Civil é o intervalo de tempo que compreende um número inteiro de dias, omais próximo do período de revolução da Terra em torno do Sol. O Ano Civil foi criadopara satisfazer às necessidades das atividades humanas.

Como um ano, para ser utilizávelna vida de uma sociedade, deve compreender um número inteiro de dias, criaram-se dois tipos: o Ano Civil Comum, com 365 dias, e o Ano Civil Bissexto, com 366 dias solaresmédios. Outro conceito de medida de tempo criado tendo em vista as necessidades deorganização da vida em sociedade foi o Ano Gregoriano, de duração fixada conven-cionalmente em 365,2425 dias, de acordo com a reforma do calendário promovida peloPapa Gregório XIII, em 1582.

Alguns múltiplos do ano são o lustro (5 anos), a década (10 anos), o século (100anos) e o milênio (1000 anos)

Fonte: www.mar.mil.br

Medidas de tempo

1- No Visual

Formou-se um consenso entre os especialistas que a grande maioria dos povos primitivos, mensurava o tempo, através da visualização dos astros. Relacionavam o surgimento das constelações, ao por do Sol, com as precipitações atmosféricas que influíam sobremaneira nas atividades primárias, ou seja, estações secas e chuvosas. Estabeleceram períodos, ou ciclos, contando as lunações entre essas estações. Utilizando a estrela Siriús, da constelação do cão, nas conjunções sucessivas, em relação a alvos fixos, os Egípcios, antes de 4000 ª.C, já haviam fixado a duração do ano em 365 dias.

2-Pela Sombra

A sombra solar ou lunar foi muito utilizada na medição do tempo; dos métodos utilizados, selecionamos os seguintes:

2.1- Gnômon ou Obelisco

Esse instrumento, através das sombras do Sol, ou da Lua, pelos seus movimentos naturais, projetavam-se de uma forma a poder medir o tempo decorrido entre posicionamentos preestabelecidos.

Não se sabe ao certo em que época surgiram; na Judéia, como registro escrito, podemos citar as escrituras sagradas em:

ISAIAS 38.8

"EIS QUE FAREI RETROCEDER DEZ GRAUS A SOMBRA LANÇADA PELO SOL DECLINANTE NO RELÓGIO DE ACAZ. ASSIM RETROCEDEU O SOL OS DEZ GRAUS QUE JÁ HAVIA DECLINADO"

Acaz, tornou-se rei de Judá por ocasião do falecimento de seu pai Jotão (735 ª. C).

Por volta de 400 ª. C, o Egito toma conhecimento desse relógio solar.

A medição do tempo, através das sombras logicamente pelas suas limitações quanto a precisão, fomentava uma natural busca ao seu aperfeiçoamento.

O ângulo que a sombra do aparelho faz com o chamado meridiano é o azimute do Sol que, evidentemente, não é o mesmo em todas as estações, dependendo da declinação do Sol.

Medidas de Tempo

Essas oscilações, extremamente negativas numa aferição de tempo, desabilitava cada vez mais o relógio solar; eis então que surge o quadrante solar.

Com o ponteiro apontado para a estrela solar, os astrônomos podiam regular (graduar) a escala em divisões que correspondiam, em uma equivalência, as estações do ano.

Em outras palavras, o ponteiro do quadrante assemelhava-se a um triângulo em pé, cuja ponta superior apontava para a estrela polar; seu vértice menor tocava o eixo polar, a sua base constituía-se no meridiano norte-sul. Grosso modo, isso significava que o ângulo formado pelo vértice menor eqüivalia-se a latitude do lugar que o quadrante estava montado.

2.2-Quadrante Solar

Deve-se, originalmente, a invenção do quadrante aos árabes.

Medidas de Tempo
Teoria rudimentar do quadrante

Sabedores das deficiências dos primitivos relógios de sombra, os astrônomos árabes conseguiram minimizar as oscilações, utilizando um estratagema engenhoso para, através de uma calibragem, ajustar o instrumento.

A figura principal para esse evento era a Estrela Polar e o seu eixo imaginário na Terra, ou, Eixo Polar da Terra.

Uma base, ou pilastra, construída perpendicularmente ao eixo polar, um ponteiro regulável, uma escala, constituíam-se nos outros componentes. As escalas da base estavam reguladas, com ajustes trigonométricos para àquele exato lugar; evidentemente, se transportássemos esse aparelho para outro local, ficaria totalmente descalibrado.

Posteriormente, Animandro de Mileto (380 ªC) aperfeiçoou o quadrante.

Essa nova versão, com uma placa que iluminada pelo Sol, refletia num marco situado estrategicamente na borda do mecanismo, a sombra e cuja regulagem trigonométrica possibilitava a leitura das horas correspondentes.

Apesar da precisa marcação das horas, suas subdivisões (minutos e segundos) eram medidas impraticáveis de se conseguir.

Além da insatisfação dos astrônomos quanto a medidas mais exatas, dependiam totalmente da benevolência das condições climáticas o que, convenhamos, era um grande inconveniente para àqueles cientistas do passado, que viviam a observar e registrar os fenômenos astronômicos.

A evolução dos conhecimentos e a pura necessidade impeliam os artífices na tentativa de se construir algo mais preciso na aferição do tempo.

3- Pelos Líquidos (Clepsidra- O Relógio Hidráulico)

Há desencontros quanto a exata paternidade da Clepsidra.

Marco Vitrúvio Pólio, célebre arquiteto romano do século I ªC., atribui sua invenção ao mecânico Ctesibio ou Ctézibro.

Existe uma corrente que atribui a Platão, filósofo grego, esse privilégio; como foi um emérito viajante, pode muito bem ter sido apenas o portador desse invento. Por outro lado, chineses e egípcios também se arrogam essa prerrogativa.

A única realidade objetiva é a de que esse invento e seus derivados, contribuíram exponencialmente para o aperfeiçoamento da medida do tempo.

Os astrônomos já não necessitavam da luz dos astros e benesses da mãe-natureza para as suas constantes e importantes mensurações.

A Clepsidra, em seu estágio mais aperfeiçoado, tinha como principio, a manutenção da água em um pequeno reservatório, sendo o seu escoamento controlado e calibrado pelo fluir através de um orifício na sua base, para outro compartimento receptor do líquido.

No interior daquele reservatório, uma bóia atrelada a um ponteiro, a medida que a água ia abaixando, servia de marcador de nível e, consequentemente, das horas.

A escala ou mostrador prostava-se, no lado de fora, ao redor do reservatório.

Todavia, a preocupação dos astrônomos e outros cientistas não se dissipou totalmente; os líquidos sofriam influencias, tais como: temperatura, pressões atmosféricas, cristanilidade dos líquidos, etc, que influíam na correta aferição do tempo.

No inverno, por exemplo, em países com temperaturas muito baixas, o líquido dos aparelhos, simplesmente congelavam, relegando as Clepsidras em objetos de adorno.

Com a introdução do mercúrio e do álcool, paliativos, diminuiu, um pouco, alguns inconvenientes.

Nesse ínterim, abrimos um parênteses para enaltecer-mos a figura de Arquimedes, ilustre geômetra da Antigüidade, nascido em Siracusa por volta de 287 e falecido em 212 ªC.

Dentre seus inúmeros feitos e invenções, a da roda dentada por volta de 250 ª.C, foi talvez a alavanca (*) propulsora para o desenvolvimento da mecânica e , principalmente, da evolução dos marcadores de tempo (relógios).

Após a descoberta da roda dentada e utilização das cremalheiras, as Clepsidras puderam ser mais aperfeiçoadas.

Por volta de 100 ªC, como aperfeiçoador e não inventor da Clepsidra, entra o mecânico de Alexandria, Ctesibio que apresentou, pela primeira vez, esse mecanismo com sistema de cremalheira e roda dentada conectada a um só ponteiro, que girando sob o seu eixo, fazia aparecer um mostrador, as horas decorridas.

O principio propulsor era praticamente o mesmo das Clepsidras primitivas.

O líquido que fluía do reservatório superior, enchia um reservatório em nível inferior que ia deslocando para cima, através de uma bóia; a cremalheira, por sua vez, fazia girar a roda dentada do ponteiro das horas.

(*) trocadilho em homenagem, também, ao descobridor da alavanca.

Ficou celebre a sua frase:

"DAÍ-ME UMA ALAVANCA E UM PONTO DE APOIO QUE EU MOVEREI O MUNDO"

4- Pela Areia(Ampulheta)

A Ampulheta, denominada pelos romanos de AMPULLA (Redoma), praticamente foi desenvolvida pelos povos do Oriente Médio.

Em um lugar aonde a água era escassa e a areia abundante, nada mais natural do que utilizá-la para a fabricação de um aparelho de medição das horas.

O seu princípio é bem simples e assemelha-se, em parte, com o princípio da Clepsidra, tendo como agente, ao invés de líquido, areia fina.

Basicamente, a Ampulheta constitui-se de duas ampolas cônicas de vidro, sobrepostas, em oposição uma da outra, com um orifício bem fino, ligando os seus vértices.

A parte superior, contém uma porção de areia que em função da lei da gravidade, escoa para baixo, paulatinamente, o seu conteúdo; quando todo o conteúdo da ampola superior passa para a de baixo, termina um ciclo, ou, um período de tempo.

Para continuar essa aferição, simplesmente vira-se ou inverte-se as ampolas, sendo a que estava em cima fica em baixo.

A Ampulheta restringia-se a determinar ciclos ou períodos de tempo, sem porém, marcar as horas o que, evidentemente, limitava a sua utilidade.

Todavia, pela sua praticidade de locomoção, fácil utilização, tornou-se bastante popular e, houve muita resistência no abandono de sua utilização.

5- Pelas Chamas

5.1- Velas Cronométricas

As chamadas velas de cera, parafina ou sebo, além das funções místicas ou, simplesmente, para clarear os ambientes, serviam também, com adaptações, de marcadores do tempo.

Ao longo do corpo das vela, eram colocados marcadores, perfeitamente calibrados com a ação de queima, que determinavam o tempo decorrido, ou traços coloridos que iam sendo consumidos pela ação das chamas.

Evidentemente, esse processo só podia ser utilizado por castas abastadas, pois eram muito caros e, convenhamos, a sua precisão questionada, pois deveriam ser utilizadas em ambientes fechados, sem a correnteza de ar e outras intempéries que influenciavam na precisão.

Na Idade Média, utilizavam-se dessas velas especiais para marcar o período noturno e pela prática, fixavam o consumo de três velas, num equivalente a uma noite, precisão evidentemente duvidosa.

Constam dos registros que esse processo teve maior difusão na Inglaterra.

A fabricação dessas velas dependiam de um "MIX" operacional e de matéria prima, dignos de nota: o material utilizado, além dos componentes químicos, necessitava de uma compactação para dar a dureza exata às velas, para serem consumidas proporcionalmente.

Padronizadas, eram confeccionadas com 12 polegadas de comprimento (304,80 milímetros), para um consumo de 3 polegadas a cada hora, ou seja, uma vela a cada 4 horas, ou 6 velas durante o dia.

5.2- Relógios de Azeite

Praticamente no mesmo período das Clepsidras, tivemos os relógios incandescentes, cujo elemento combustor era o azeite.

Constituía-se, basicamente, de um reservatório de vidro com azeite (tipo candeeiro) cuja parte inferior possuía uma saliência (bico) que ardia em chamas, consumindo paulatinamente o azeite, fazendo baixar o nível, calibrado com divisões do tempo.

6- Pela Atmosfera

6.1-Relógio Pneumático

Por volta de 1800, os brilhantes Popp e Resch, inauguraram em Paris, um relógio pneumático, que funcionava propulsionado pelo ar comprimido, transmitido por intermédio de uma tubulação.

6.2- Relógio Impulsionado pelo Ar

Talvez o mais importante, se é que teve mais, foi o relógio, construído pela firma Jager-Le Coultre, denominado "Atmos", um acrônimo da palavra atmosfera, impulsionado pelo ar.

7- Pela Natureza

7.1- Relógio Ecológico

Provavelmente o primeiro movimento ecológico ligado a arte da relojoaria (Relógio de Flora).

Credita-se esse feito ao botânico sueco Lineu, denominado de Relógio de Flora a um conjunto de flores, classificadas segundo a hora do dia a que abre cada uma delas.

Evidentemente, esse relógio não era exato para os padrões aleatórios impostos pelo homem, mas sim, determinados pela lógica da Mãe- Natureza e, dependia da sua localização no Globo Terrestre, sujeitos a variações de longitude, latitude, da altitude e, evidentemente, do clima.

Nota: Na América do Norte, temos uma planta chamada Relógio que têm a seguinte peculiaridade: de manhã: cor branca; meio-dia cor vermelha e à noite, cor azul.

7.2- Relógio Biológico

Provavelmente, na área, o relógio biológico seja a última fronteira do homem, na busca de um aperfeiçoamento da medida do tempo. Cientistas, mais precisamente fisiologistas, discutem sem cessar, em reuniões, congressos, sociedades científicas, etc, a existência de um dispositivo orgânico que regulo as funções dos animais, especialmente dos homens.

A negligencia e o desrespeito desse gerenciador biológico, conduz sistematicamente a doenças físicas e psíquicas, em um profundo e perigoso desajuste cronobiológico.

Estudos desenvolvidos em países adiantados, dão conta de que ocorrem, por exemplo, mais gestações no verão do que no inverno e, ao estudarem essas manifestações, tomaram cuidado de ponderarem fatores extras, como etnia, cultura, posição social, etc..

No entender desses abnegados da ciência, essas manifestações conduzem não só a compreensão da existência de um "relógio", mas também a de um "calendário biológico" o que, bem desenvolvido, traria inúmeros benefícios a humanidade.

Para os que gostam de estatísticas, somente no Hemisfério Norte, existem aproximadamente 80 milhões de trabalhadores que pelo revezamento constante, alternam seus turnos de trabalho: pela manhã, tarde e noite, numa verdadeira "roda viva".

Colocados sob observações, amostralmente, vários desses trabalhadores manifestaram ser portadores de distúrbios orgânicos de difícil cura.

Àqueles submetidos a tratamento e curados, pela constante alternância nos turnos de trabalho, voltaram a sentir os mesmos ou outros sintomas desarmoniosos.

É evidente que necessitam de uma resincronização, ou, através de alguma droga ou de um calendário biológico, para obterem a cura, o qual, em nossa opinião, seria o desejável.

8- A Evolução do Conhecimento Humano (Horometria)

Com a evolução das ciências, num crescente que poderíamos classificar de geométrico, fez com que os homens criassem, especificamente no campo da Horometria, verdadeiras maravilhas, principalmente no casamento perfeito da mecânica com a eletricidade e , posteriormente, da eletrônica. Com o advento do domínio atômico então, chegamos bem próximo da perfeição na arte de mensurar o tempo.

Longe de pretendermos abranger toda a evolução havida, visto não ser o propósito deste Site, procuramos dar um extrato sucinto desse crescimento, sem preocuparmo-nos com a cronologia dos fatos e nem a importância dos mesmos, correndo o risco, provavelmente, de prováveis injustiças em declinarmos o nome de algumas personalidades que contribuíram para tal desenvolvimento.

8.1- Relógios Mecânicos Impulsionados por Pesos

Esses relógios, basicamente, tem como componentes principais, engrenagens que se movem através de pesos e a sua precisão poderia ser chamada, se comparada com as posteriores, de grosseira.

Antagônicos e de certa forma surpreendentes, são os registros da época e do efetivo invento desses instrumentos (entre 800 e 1000 da nossa era).

Pela sua difícil construção e manutenção, principalmente aos cidadãos comuns, restringiram-se essas máquinas a ornamentos e registros do tempo em igrejas e outros locais públicos.

Um dos mais célebres relógios de peso foi exibido por volta do ano de 1286, na catedral de São Paulo, em Londres.

Dessa forma, as Clepsidras e Ampulhetas, por muitos anos ainda deram as cartas.

8.2- Relógio de Bolso

Por volta de 1500, Pedro Henlein, da cidade de Nuremberg fabrica o primeiro relógio de bolso, cognominado pela forma, tamanho e procedência, de "Ovo de Nuremberg".

Era todo de ferro, com corda para quarenta horas e precursor da "Mola Espiral", utilizando-se do pêlo de porco; constituía-se de um Indicador e de um complexo mecanismo para badalar.

Foi sem dúvida, em muitos países, o acelerador para diversas invenções e melhorias, principalmente na Europa , desenvolvendo-se de maneira vertiginosa à indústria relojeira.

8.2.1-Controle de Qualidade

Atualmente, muito se fala em controle de qualidade, qualidade total, capabilidade, etc..

Já naquela época, preocupados com a manutenção dos padrões de qualidade na fabricação dos relógios de bolso, mais populares, e, também mais acessíveis ao bolso do cidadão comum, na França, país que teve um desenvolvimento nessa industria de forma fantástica, Francisco I, baixou um estatuto que poderíamos chamar de:

UM DOS PRIMEIROS CÓDIGOS DO DIREITO DO CONSUMIDOR

Um dos itens de maior contundência, autorizava aos seis inspetores ou jurados à:

"ENTRAR A QUALQUER HORA NA CASA DOS MESTRERS RELOJEIROS E QUEBRAR, DEPOIS DE REUNIDOS EM JULGAMENTO, TODAS AS PEÇAS QUE ENCONTRASSEM DEFEITUOSAS"

8.3- Relógio de Pêndulo

Quando em 1595, Galileu Galilei, ao assistir a uma missa na catedral de Piza, observando a oscilação de um lustre, formalizou a sua famosa teoria sobre os pêndulos, não podia imaginar que estivesse contribuindo extraordinariamente para a evolução da horometria.

Após quase 1 século do descobrimento de Galileu, em meados do século XVII, o cientista holandês

Christian Huygens, construiu, com um funcionamento bastante preciso, um relógio de pêndulo, utilizando-se da descoberta do famoso astrônomo.

Grosso modo, o enunciado de Galileu concluía que todos os pêndulos de mesmo comprimento e massa, demoravam sempre o mesmo período de tempo para realizar a sua oscilação total, ou, completa.

Mediante essa propriedade especial de regularidade, foi possível a Huygens, associar o pêndulo a um mecanismo, que originalmente, tinha os seguintes e principais componentes:

Peso, pela ação gravitacional exercida pela Terra, é a força motriz ou geradora dos relógios de pêndulo.

Esse peso ao descer, desenrola do carretel o cordão que o segura, fazendo rodar o eixo do carretel.

Esse ao girar, através de um conjunto de engrenagens, gira a roda de escape.

Todavia, se a roda de escape girasse totalmente livre, o peso desceria de uma vez, desenrolando todo o cordão do carretel. Essa ação rápida, evidentemente não interessava, pois o sistema giraria a toda velocidade, disparando os ponteiros e , acelerando as horas.

O sistema necessitava de um regulador constante que cadenciasse o movimento de rotação do equipamento; esse efeito regulador é executado pela âncora que, conectada ao pêndulo, através de uma oscilação constante vai liberando a roda de escape (dentada) que por sua vez, faz girar todo o sistema de engrenagens.

O passo do pêndulo e a diferença proporcional entre as engrenagens determinam o giro dos ponteiros de minutos e horas, registrando no mostrador, o tempo decorrido.

No início, os pêndulos eram construídos de madeira ou metal, ou, uma liga qualquer, sem maiores preocupações de desníveis oscilatórios.

Com o passar do tempo e a necessidade de maiores precisões, constatou-se que com pequenas variações de temperatura, os pêndulos apresentavam dilatações ou contrações que evidentemente influenciavam no ciclo do movimento do pêndulo.

Com o avanço tecnológico, o surgimento de outras ligas metálicas, como por exemplo a Constantana (níquel e cobre) que variava pouquíssimo (mais ou menos 0,01 - um centésimo de segundo por dia), tais equipamentos foram aprimorados.

UM TRIBUTO: JEAN BERNARD LEON FOUCAULT (1819-1868)

Físico francês, a quem se deve a determinação da velocidade da luz e uma prova concreta do movimento de rotação da Terra, com aplicação de um pêndulo (esfera de aproximadamente 100 Kg, suspensa por um fio de aço bastante fino e dotado de um estilete que serve de indicador).

8.4- Relógio de Pulso e de Bolso (Graças ao Balancim)

Mais uma vez enaltecemos a genialidade do inventor Christian Huygens.

Os relógios pendulares, embora precisos para os anseios momentâneos, careciam de uma portabilidade que os tornassem muito mais útil do que já eram.

Como reduzi-los?

Com a utilização do pêndulos, essa era uma tarefa praticamente impossível; o jeito seria reformular todo o conceito, objetivando a mudança física dos mecanismos.

Eis então, que surge a idéia genial do Balancim, Balanço ou Volante como também é conhecido.

O Volante é o órgão desse sistema que, com suas oscilações também isócronas. Faz às vezes do pêndulo, permitindo que a âncora libere sistematicamente a roda de escape, dando conseqüentemente um movimento rítmico ao mecanismo.

Para que essa rodinha alcance um bom desempenho, requer uma boa compensação em seu corpo; isso dá-se com a junção de pequenos parafusos (pesos) ao redor do Balancim.

Para compensar de forma precisa, pequenas arruelas (Paillons) poderão ser afixadas aos parafusos ajustadores.

O eixo do Balancim, de um lado apoia-se em um orifício de fixação, do outro, atrela-se a uma finíssima mola espiral, popularmente conhecida como "Cabelo", que mantém um movimento cíclico ao enrolar e desenrolar-se. Em virtude do movimento isócrono do cabelo, o Balancim executa um movimento uniforme de "giro para a frente" e "giro para trás".

O Balancim tem junto ao seu eixo, um dispositivo que ao ser anexado a âncora, pelo seu vai-e-vem, vai liberando a roda de escapamento de uma forma também uniforme.

Dessa forma, embora fisicamente diferente, o cabelo substitui o pêndulo, pois a retração e expansão da mola em espiral é efetuada sempre em intervalos exatamente iguais.

Substituindo o peso que é um órgão propulsor, tivemos a introdução da corda de aço (órgão motor); esse dispositivo, basicamente compõe-se de: tambor de corda (*); corda de aço ou mola real; regulador de descarga da corda.

Os demais componentes, hierarquicamente inferiores são: engrenagem de redução; minuteria (conjunto de engrenagens que transmitem movimentos aos ponteiros); ponteiros (horas e minutos); mostrador.

(*) A mola real, mantida enrolada em volta de um eixo, pressiona o próprio, tentando desenrolar-se; no eixo, está montado o tambor de corda que recebe a força de torção da mola. O tambor tem dentes e esta conectado às engrenagens redutoras.

8.5- Relógios como o Sistema "Roskoff"

Com a evolução da industria relojeira, surge um sistema que popularizou sobremaneira a utilização dos chamados relógios de bolso. Podemos afirmar que o Roskoff esteve para a indústria relojeira assim com o VW Sedam esteve para a indústria automobilística.

A marca desse sistema que mais se proliferou, principalmente no Brasil, foi o "Roskoff Patent".

Embora não tão precisos quanto aos relógios de âncora, possuíam uma mecânica simples, solidez e baixo custo de fabricação e, conseqüentemente, de comercialização.

8.6- Outros Tipos de Relógios Mecânicos

Sem aprofundarmo-nos, citaremos outros tipos de relógios mecânicos que de uma forma ou outra, distinguiram-se: os despertadores; relógios de mesa e parede; cronômetros; relógios calendários; relógios à prova d’água e os relógios de corda automáticos.

8.7- Relógios Elétricos (Corrente Alternada)

Como já pudemos destacar, é fundamental para qualquer sistema de mensuração do tempo, com uma aceitável precisão, que o sincronismo de suas oscilações sejam constantes.

Para o relógio elétrico, também é fundamental esse conceito e, evidentemente, o seu mecanismo tem que estar adaptado para tal fim.

Na grande maioria dos países, optou-se pela produção e distribuição de corrente oscilante ou mais conhecida como alternada.

Na realidade, o que varia é a alternância dos ciclos, em uns, oscilando 50 vezes por minuto e em outros 60 vezes por minuto (como no Brasil).

Todavia, seja qual for a freqüência, o que vale para os relógios elétricos é que a mesma fique perfeitamente invariável.

Como os nossos leitores já devem ter deduzido, as alternâncias da corrente elétrica, fazem às vezes dos pêndulos ou dos balancins.

O motor elétrico ligado a rede, teoricamente, substitui a mola real; esse motor é de uma construção especial denominada de Síncrono. A característica principal desse motor é ter um eixo (rotor), sua parte móvel, girando ao redor do enrolamento, sincronizado na mesma freqüência da corrente.

Em outras palavras, projetado para serem utilizado em países de freqüência de 60 Hertz, seu rotor deverá girar exatamente 60 vezes por segundo.

No eixo do motor síncrono, temos instalado o volante, com um parafuso denominado Sem Fim. Esse parafuso, tem a finalidade precípua de reduzir, no exemplo acima, as 60 rotações por segundo em um número compatível com a necessidade do mecanismo.

O ponteiro de segundos deverá dar uma volta em cada minuto, ou seja, uma volta para cada 3.600 voltas do eixo do motor (60 segundos X 60 Hertz).

Em síntese, girando o parafuso sem-fim 60 vezes por segundo, necessitará uma engrenagem com 60 dentes, a qual terá um giro de 1 vez por segundo. Por sua vez, a engrenagem de minutos girará 60 vezes mais lenta que a de segundos.

Daí para à frente é uma questão puramente mecânica, que fica no raciocínio dedutivo do internauta. Quanto a precisão, salientamos que esse tipo de relógio é totalmente dependente da capacidade geradora da usina, da rede, da própria instalação e fiação do local; enfim, por mais que se queira manter a invariabilidade através de eficientes estabilizadores, essa sempre se manifestará, por mais insignificante que seja.

8.8- Relógio Eletrônico

Inicialmente, falemos um pouco dos relógios a pilha; representaram um avanço formidável.

A pequena tensão da pilha funciona, juntamente com outros mecanismos, para deixar a mola principal sempre tensa, mantendo assim, a fonte de energia. Existem pilhas, por exemplo as alcalinas, que duram vários anos, deixando o usuário até esquecer que um dia terá de substitui-las.

Em relógios transistorizados, também temos que fornecer energia através das pilhas; o transistor gerência o sistema como um interruptor.

Entretanto, o eixo do motor (rotor) e seu volante, ao invés de girar continuamente, oscila nos ambos sentidos (vai e vem), efetuando duas oscilações completas a cada segundo.

Conectado ao eixo do motor existe uma espécie de alavanca (semelhante a nossa já conhecida âncora) que move-se de acordo com as oscilações do eixo rotor.

Nessa alavanca, existe uma protuberância (haste) que aciona uma engrenagem, fazendo-a girar sempre no mesmo sentido.

Daí prá-frente, analogamente, podemos raciocinar através do que já foi exposto em outros sistemas.

Entretanto, o cerne da questão, ou seja, a manutenção das oscilações constantes do eixo do rotor estão a cargo dos seguintes componentes eletrônicos: pilha; eletroimãs; transistores e condensadores.

Com o conceito elementar de que a corrente elétrica é o fluxo dos elétrons e a pilha gera uma corrente em um só sentido (corrente continua), percebemos que, por analogia, temos somente um lado do movimento pendular.

Para inverter esse fluxo, temos o eletroimã, o transistor e o capacitor ou condensador, que em conjunto, pelas suas propriedades intrínsecas, executam esse influxo.

Por sua vez, as molas espirais conectadas ao conjunto, efetuam um movimento que alteram o sentido do eixo do motor. O rotor, dando continuidade ao seu movimento, pela ação do circuito eletrônico, cessa de gerar corrente na bobina do eletroimã, invertendo-se novamente o fluxo.

Outrossim, devemos salientar que as oscilações do rotor geram um só movimento de rotação no equipamento mecânico. Finalmente, essa rotação é transmitida, através das engrenagens, redutoras ou não, aos ponteiros.

8.9- Relógio Digital

Com o avanço da eletrônica e o surgimento dos circuitos integrados (CI), a construção de um relógio totalmente eletrônico foi decorrência, digamos, até natural.

Tendo essas características fundamentais, não é constituído por partes móveis, fator esse que o torna imune aos problemas resultantes de vibrações ou outras distorções que afetam um relógio, digamos semi-mecanico, apresentando como conseqüência, uma maior precisão e uma vida útil mais longa.

Não necessita de "corda, pois é totalmente mantido numa operação constante por um oscilador de cristal, incomensuravelmente estável.

Todo o circuito de mensuração de tempo esta reunido em um só circuito integrado.

Nesse tipo de relógio, influencias externas como a temperatura, por exemplo, são praticamente nulas.

Em síntese, poderíamos exemplificar a estrutura funcional desses relógios em quatro componentes fundamentais que são:circuito de alimentação; um oscilador de cristal; um circuito integrado (CI- praticamente é o relógio); um "display"ou mostrador.

8.10- Relógio Pendular Astronômico

Esses relógios são construídos exatamente na direção Norte- Sul.

Utilizando instrumentos de passagem e círculos de meridianos, determinou-se a hora pela exata passagem das estrelas pelos marcos estabelecidos.

O local ou compartimento para a instalação desses relógios é bastante profundo e, com a manutenção da temperatura constante.

Parecia que com essa precisão conseguida, a aferição do tempo tinha alcançado o seu apogeu; grande engano, essa precisão já não satisfazia as exigências da moderna tecnologia.

Eis que em 1933, em Berlim, no Instituto Físico-Técnico, nasceu o primeiro relógio de quartzo.

8.11- Relógio de Quartzo

Surgiu pela primeira vez em 1933, Berlim, no Instituto Físico-Técnico.

O quartzo é uma espécie cristalina de silício.

Esse cristal dispõe os seus átomos de uma tal forma que geram um efeito ou propriedades especiais denominadas de piezelétricas; resumidamente, o efeito piezelétrico manifesta-se como segue:

CONTRAÇÃO FÍSICA

Contraindo-se um cristal piezelétrico, gera-se uma carga elétrica em suas faces opostas ou antípodas.

DILATAÇÃO FÍSICA

Em oposição, dilatando-se o cristal temos cargas contrárias ao efeito da contração.

Dessa forma, efetuando-se compressões e dilatações sistematicamente, obtemos diferenças de potência, ou tensão, alternadamente.

Afortunadamente, essas espécies de cristais possuem outras qualidades especiais que são:

Contraem-se quando aplicamos uma carga positiva numa das suas faces e negativa na oposta

Dilatam-se quando invertemos a polaridade.

Para os relógios, esses cristais são especialmente fabricados para produzirem vibrações cuja freqüência, gira em torno de 100.000 ciclos por segundo.

Os cristais estão ligados a circuitos eletrônicos denominados de "Circuitos Oscilantes", calibrados à freqüências idênticas.

Em outras palavras, quando o circuito oscilante recebe uma corrente alternada de certa freqüência, o cristal, pelas suas propriedades, oscilará na mesma freqüência.

Paralelamente ao circuito oscilante, um condensador, pela sua propriedade, mantêm sistematicamente o nível das oscilações, geradas pela fonte de alimentação.

Em síntese, a freqüência permanente e invariável do cristal permanece, mesmo existindo oscilações na corrente alternada da fonte.

Circuitos eletrônicos ligados ao circuito oscilante, transformam a alta freqüência (100.000 ciclos p/segundo) em freqüência possível à alimentação do motor síncrono que acionará o mecanismo do relógio.

Com a aplicação do quartzo, a variação diária da aferição do tempo chegou ao fator aproximado de precisão de 1/1.000 milissegundos.

Infelizmente, nem tudo no quartzo é perfeito; necessitam e devem ser mantidos em temperaturas constantes; a depreciação do quartzo é progressiva, influenciando bastante a sua capacidade e que logicamente afeta a sua precisão.

8.12- Relógio Atômico

Em 1949, o Dr. Haroldo Lyons, cientista norte-americano, apresentou esse fantástico equipamento.

O coração do relógio atômico, também é um cristal de quartzo. Entretanto, o que gerência a sua freqüência não é mais um oscilador acoplado com um condensador, alimentado por um circuito de corrente alternada, mas sim, as vibrações de partículas minúsculas das moléculas ou dos átomos.

Vejamos pois, o amoníaco, cuja estrutura molecular constitui-se em três átomos de hidrogênio e um átomo de nitrogênio. As oscilação do átomo entre dois pontos é exatamente 23,8704 bilhões de vezes por segundo.

8.12.1- Relógio Atômico de Césio

Foi desenvolvido por J.J. Rabi, da Universidade de Colúmbia, em Nova York.

Esses relógios são ativados pela excitação do átomo de césio 133, que oscila numa freqüência de 9.192.631.770 por segundo e que para manterem uma precisão fantástica (mais ou menos 1 segundo em 500.000 anos) independem de fatores ou fenômenos externos.

Esses relógios, pela sua precisão, servem de calibradores para os aparelhos utilizados na navegação, tanto fluvial, marítima e aérea.

O Brasil possui, até o momento, dois relógios de átomos de Césio 133, instalados no Observatório Nacional, no Rio de Janeiro.

Fonte: www.calendario.cnt.br

Medidas de tempo

medida do tempo se baseia no movimento de rotação da Terra, que provoca a rotação aparente da esfera celeste.

Dia Sideral: é o intervalo de tempo decorrido entre duas passagens sucessivas do ponto (cruzamento do equador e eclíptica, onde está o Sol próximo de 21 de março) pelo meridiano do lugar.

Tempo Solar

O tempo solar toma como referência o Sol.

Medidas de Tempo
1 grau/dia

Dia Solar: é o intervalo de tempo decorrido entre duas passagens sucessivas do Sol pelo meridiano do lugar. É 3m56s mais longo do que o dia sideral. Essa diferença é devida ao movimento de translação da Terra em torno do Sol, de aproximadamente 1 grau (4 minutos) por dia (360°/ano=0,986°/dia). Como a órbita da Terra em torno do Sol é elíptica, a velocidade de translação da Terra em torno do Sol não é constante, causando uma variação diária de 1° 6' (4m27s) em dezembro, e 53' (3m35s) em junho.

Tempo solar verdadeiro: é o ângulo horário (ângulo medido sobre o equador, desde o meridiano local até o meridiano do astro) do centro do Sol.

Tempo solar médio: é o ângulo horário do centro do sol médio. O sol médio é um sol fictício, que se move ao longo do Equador celeste (ao passo que o Sol verdadeiro se move ao longo da Eclíptica), com velocidade angular constante, de modo que os dias solares médios são iguais entre si (ao passo que os dias solares verdadeiros não são iguais entre si porque o movimento do Sol na eclíptica não tem velocidade angular constante). Mas o movimento do Sol na eclíptica é anualmente periódico, assim o ano solar médio é igual ao ano solar verdadeiro.

Medidas de Tempo
Equação do Tempo

Equação do Tempo: é a diferença entre o Tempo Solar Verdadeiro e o Tempo Solar Médio. Seu maior valor positivo é cerca de 16 minutos e seu maior valor negativo é cerca de 14 minutos. Esta é a diferença entre o meio dia verdadeiro (passagem meridiana do Sol), e o meio dia do Sol médio. Quando se faz a determinação da longitude de um local pela medida da passagem meridiana do Sol, se não corrigirmos a hora local do centro do meridiano pela equação do tempo, poderemos introduzir um erro de até 4 graus na longitude.

Tempo civil (Tc): é o tempo solar médio acrescido de 12 hr, isto é, usa como origem do dia o instante em que o sol médio passa pelo meridiano inferior do lugar. A razão da instituição do tempo civil é não mudar a data durante as horas de maior atividade da humanidade nos ramos financeiros, comerciais e industriais, o que acarretaria inúmeros problemas de ordem prática.

Tempo universal (TU): é o tempo civil de Greenwich, na Inglaterra, definido como ponto zero de longitude geográfica na Conferência Internacional Meridiana, realizada em Washington em outubro de 1884. Lá está o Royal Observatory, Greenwich.

Note que os tempos acima são locais, dependendo do ângulo horário do Sol, verdadeiro ou médio. Se medirmos diretamente o tempo solar, este vai provavelmente ser diferente daquele que o relógio marca, pois não usamos o tempo local na nossa vida diária, mas o tempo do fuso horário mais próximo.

Fusos Horários

De acordo com a definição de tempo civil, lugares de longitudes diferentes têm horas diferentes, porque têm meridianos diferentes. Inicialmente, cada nação tinha a sua hora, que era a hora do seu meridiano principal. Por exemplo, a Inglaterra tinha a hora do meridiano que passava por Greenwich, a França tinha a hora do meridiano que passava por Paris.

Como as diferença de longitudes entre os meridianos escolhidos não eram horas e minutos exatos, as mudança de horas de um país para outro implicavam cálculos incômodos, o que não era prático. Para evitar isso adotou-se o convênio internacional dos fusos horários.

Cada fuso compreende (= 1 h). Fuso zero é aquele cujo meridiano central passa por Greenwich. Os fusos variam de 0h a +12h para leste de Greenwich e de 0h a -12h para oeste de Greenwich. Todos os lugares de um determinado fuso têm a hora do meridiano central do fuso.

Hora legal: é a hora civil do meridiano central do fuso.

Medidas de Tempo
Fusos

Fusos no Brasil: o Brasil abrange quatro fusos:

2h: arquipélago de Fernando de Noronha

3h: estados do litoral, Minas, Goiás, Tocantins, parte oriental do Pará

4h: parte ocidental do Pará, parte oriental do Amazonas, Mato Grosso do Norte e Mato Grosso do Sul.

5h: parte ocidental do Amazonas e Acre.

Como cada fuso correponde a diferença de longitude de ??=15°, o fuso de -3h está centrado em uma longitude geográfica de -3h×15°/h=-45°, a oeste de Greenwich. Como Porto Alegre tem longitude ?=-51°, existe uma diferença ?? = 51° - 45° = 6°. Esta diferença positiva em longitude significa que Porto Alegre está a oeste do meridiano central do fuso -3 h.

Assim, a hora do sol médio (HSM) em Porto Alegre está atrasada com relação à hora legal (HL) por:

Hora Sol Médio = HL - 6° = HL - 24m

Por exemplo, se em um dado instante a hora legal no fuso de -3h é HL=12h, sabemos que a hora solar média no meridiano de Porto Alegre é HSMPoA= 11h 36m.

A Linha Internacional da Data, próxima de longitude=180°, separa os dois dias do calendário. Cruzando a Linha para leste, subtrai-se um dia. Para oeste, adiciona-se um dia.

A hora solar e hora a sideral são sistemas de medida de tempo baseados no movimento de rotação da Terra. A rotacão da Terra sofre irregularidades, algumas previsíveis, outras não. O movimento do polo afeta a longitude de qualquer ponto na superfície da Terra, o que se reflete no ângulo horário do Sol e do ponto vernal.

Além disso, a velocidade angular de rotação da Terra não é uniforme. Há uma lenta desaceleração da rotação, causada pelo atrito da massa líquida do planeta, que tende a se alinhar com a Lua e o Sol devido às marés, com a parte sólida, além do atrito do núcleo sólido com o manto. Há também variações sazonais, provavelmente causadas por mudanças meteorológicas, na rotação do planeta. Finalmente há componentes irregulares na variação da rotação, ainda não totalmente explicados.

Devido às irregularidades na rotação da Terra, são definidos 3 tipos de sistemas de tempo universal:

TU0: baseado apenas no valor do ângulo horário do Sol Médio medido por um observador no meridiano de Greenwich.

TU1: TU0 corrigido para o efeito de variação da longitude, ??, causado pelo deslocamento do polo.

TU1 = TU0 + ??

TU2: TU1 corrigido para as variações sazonais na velocidade angular de rotação da Terra, ?:

TU2 = TU1 + ??(°)/15°/h

Tempo Atômico Internacional: desde 1967, quando um segundo foi definido como 9 192 631 770 vezes o período da luz emitida pelo isótopo 133 do Césio, no nível fundamental, passando do nível hiperfino F=4 para F=3, se usa o TAI, dado por uma média de vários relógios atômicos muito precisos. Hoje em dia se usa a transição maser do hidrogênio, ainda mais precisa.

O TAI varia menos de 1 segundo em 3 milhões de anos. Mas existem objetos astronômicos ainda mais estáveis, como a estrela anã branca G 117-B15A, cujo período de pulsação ótica varia menos de 1 segundo em 10 milhões de anos (Kepler et al. 2005, "Measuring the Evolution of the Most Stable Optical Clock G 117-B15A", Astrophysical Journal, 634, 1311-1318), e pulsares em rádio ainda mais estáveis. Mas o tempo atômico não está sincronizado com a posição do Sol no céu. Assim, a discrepância entre o tempo atômico e o tempo rotacional tende a aumentar. Para evitar uma desvinculação muito grande entre o tempo atômico e o solar, defini-se o tempo universal coordenado (TUC)O TUC é um sistema de tempo atômico que sofre correções periódicas, através dos segundos intercalados, para manter-se em consonância com o tempo universal, mais especificamente o TU1.

Existem ainda outros sistemas de tempo. O tempo das efemérides, atualmente chamado de Tempo Dinâmico Terrestre, é a variável independente que entra nas expressões que nos dão a posição de planetas e de seus satélites em algum sistema de coordenadas, como o sistema de coordenadas eclípticas.

Calendário

Desde a Antiguidade foram encontradas dificuldades para a criação de um calendário, pois o ano (duração da revolução aparente do Sol em torno da Terra) não é um múltiplo exato da duração do dia ou da duração do mês. Os Babilonios, Egípcios, Gregos e Maias já tinham determinado essa diferença.

É importante distinguir dois tipos de anos:

Ano sideral: é o período de revolução da Terra em torno do Sol com relação às estrelas. Seu comprimento é de 365,2564 dias solares médios, ou 365d 6h 9m 10s.

Ano tropical: é o período de revolução da Terra em torno do Sol com relação ao Equinócio Vernal, isto é, com relação ao início da estações. Seu comprimento é 365,2422 dias solares médios, ou 365d 5h 48m 46s. Devido ao movimento de precessão da Terra, o ano tropical é levemente menor do que o ano sideral. O calendário se baseia no ano tropical.

Os egípcios, cujos trabalhos no calendário remontam a 4 milênios antes de Cristo, utilizaram inicialmente um ano de 360 dias começando com a enchente anual do Nilo, que acontecia quando a estrela Sírius, a mais brilhante estrela do céu, nascia logo antes do nascer do Sol. Mais tarde, quando o desvio na posição do Sol se tornou notável, 5 dias foram adicionados. Mas ainda havia um lento deslocamento, que somava 1 dia a cada 4 anos. Então os egípcios deduziram que o comprimento do ano era de 365,25 dias. Já no ano 238 a.C., o rei (faraó) Ptolomeu III, o Euergetes, que reinou o Egito de 246 a 222 a.C., ordenou que um dia extra fosse adicionado ao calendário a cada 4 anos, como no ano bissexto atual.

Nosso calendário atual está baseado no antigo calendário romano, que era lunar. Como o período sinódico da Lua é de 29,5 dias, um mês tinha 29 dias e o outro 30 dias, o que totalizava 354 dias. Então a cada três anos era introduzido um mês a mais para completar os 365,25 dias por ano em média. Os anos no calendário romano eram chamados de a.u.c. (ab urbe condita), a partir da fundação da cidade de Roma. Neste sistema, o dia 14 de janeiro de 2000 marcou o ano novo do 2753 a.u.c. A maneira de introduzir o 13o mês se tornou muito irregular, de forma que no ano 46 a.C. Júlio César (Gaius Julius Cæsar, 102-44 a.C.), orientado pelo astrônomo alexandrino Sosígenes (90-? a.C.), reformou o calendário, introduzindo o Calendário Juliano, de doze meses, no qual a cada três anos de 365 dias seguia outro de 366 dias (ano bissexto). Assim, o ano juliano tem em média 365,25 dias. Para acertar o calendário com a primavera, foram adicionados 67 dias àquele ano e o primeiro dia do mês de março de 45 a.C., no calendário romano, foi chamado de 1 de janeiro no calendário Juliano. Este ano é chamado de Ano da Confusão. O ano juliano vigorou por 1600 anos.

Em 325 d.C., o concílio de Nicéia (atual Iznik, Turquia), convocado pelo imperador romano Constantino I [Gaius Flavius Valerius Aurelius Constantinus (ca.280-337)] fixou a data da Páscoa como sendo o primeiro domingo depois da Lua Cheia que ocorre em ou após o equinócio Vernal, fixado em 21 de março. Entretanto, a data da lua cheia não é a real, mas a definida nas Tabelas Eclesiásticas. A Quarta-Feira de Cinzas ocorre 46 dias antes da Páscoa, e, portanto, a Terça-Feira de carnaval ocorre 47 dias antes da Páscoa.

A data da Páscoa nos próximos anos será:

23 de março de 2008

12 de abril de 2009

4 de abril de 2010

24 de abril de 2011

8 de abril de 2012

31 de março de 2013

20 de abril de 2014

5 de abril de 2015

27 de março de 2016

16 de abril de 2017

1 de abril de 2018

21 de abril de 2019

12 de abril de 2020

O sistema de numeramento dos anos d.C. (depois de Cristo) foi instituido no ano 527 d.C. pelo abade romano Dionysius Exiguus (c.470-544), que estimou que o nascimento de Cristo (se este é uma figura histórica) ocorrera em 25 de dezembro de 754 a.u.c., que ele designou como 1 d.C. Em 1613 Johannes Kepler (1571-1630) publicou o primeiro trabalho sobre a cronologia e o ano do nascimento de Jesus. Neste trabalho Kepler demonstrou que o calendário Cristão estava em erro por cinco anos, e que Jesus tinha nascido em 4 a.C., uma conclusão atualmente aceita. O argumento é que Dionysius Exiguus assumiu que Cristo nascera no ano 754 da cidade de Roma, correspondente ao ano 46 Juliano, definindo como o ano um da era cristã.

Entretanto vários historiadores afirmavam que o rei Herodes, que faleceu depois do nascimento de Cristo, morreu no ano 42 Juliano. Deste modo, o nascimento ocorrera em 41 Juliano, 5 anos antes do que Dionysius assumira. Como houve uma conjunção de Júpiter e Saturno em 17 de setembro de 7 a.C., que pode ter sido tomada como a estrela guia, sugerindo que o nascimento pode ter ocorrido nesta data. Outros historiadores propõem que houve um erro na determinação da data de falecimento de Herodes, que teria ocorrido depois do ano 42 Juliano e, consequentemente, o nascimento de Jesus também teria ocorrido um pouco mais tarde, entre os anos 3 e 2 da era cristã.

Nessa época ocorreram diversas conjunções envolvendo Júpiter, começando com uma conjunção com Vênus em agosto de 3 a.C., seguida por três conjunções seguidas com Regulus, e terminando com mais uma conjunção muito próxima com Vênus, em julho de 2 a.C. Essa série de eventos teria chamado a atenção dos reis magos que teriam, então passado a seguir na direção de Júpiter. Segundo essa interpretação, portanto, Júpiter teria sido a estrela guia, ou estrela de Belém.

Medidas de Tempo
Papa Gregório XIII

Em 1582, durante o papado de Gregório XIII (Ugo Boncampagni, 1502-1585), o equinócio vernal já estava ocorrendo em 11 de março, antecipando muito a data da Páscoa. Daí foi deduzido que o ano era mais curto do que 365,25 dias (hoje sabemos que tem 365,242199 dias). Essa diferença atingia 1 dia a cada 128 anos, sendo que nesse ano já completava 10 dias. O papa então introduziu nova reforma no calendário, sob orientação do astrônomo jesuíta alemão Christopher Clavius (1538-1612), para regular a data da Páscoa, instituindo o Calendário Gregoriano.

As reformas, publicada na bula papal Inter Gravissimas em 24.02.1582, foram:

tirou 10 dias do ano de 1582, para recolocar o Equinócio Vernal em 21 de março. Assim, o dia seguinte a 4 de outubro de 1582 (quinta-feira) passou a ter a data de 15 de outubro de 1582 (sexta-feira).

introduziu a regra de que anos múltiplos de 100 não são bissextos a menos que sejam também múltiplos de 400. Portanto o ano 2000 é bissexto.

o dia extra do ano bissexto passou de 25 de fevereiro (sexto dia antes de março, portanto bissexto) para o dia 28 de fevereiro e o ano novo passou a ser o 1o de janeiro.

Estas modificações foram adotadas imediatamente nos países católicos, como Portugal e, portanto, no Brasil, na Itália, Espanha, França, Polônia e Hungria, mas somente em setembro de 1752 na Inglaterra e Estados Unidos, onde o 2 de setembro de 1752 foi seguido do 14 de setembro de 1752, e somente com a Revolução Bolchevista na Rússia, quando o dia seguinte ao 31 de janeiro de 1918 passou a ser o 14 de fevereiro de 1918. Cada país, e mesmo cada cidade na Alemanha, adotou o Calendário Gregoriano em época diferente.

O ano do Calendário Gregoriano tem 365,2425 dias solares médios, ao passo que o ano tropical tem aproximadamente 365,2422 dias solares médios. A diferença de 0,0003 dias corresponde a 26 segundos (1 dia a cada 3300 anos).

Assim:

1 ano tropical = 365,2422=365+1/4-1/100+1/400-1/3300

ou

365,2422=365+0,25-0,01+0,0025-0,0025-0,0003=365,2425-0,0003

Data Juliana: A data Juliana é utilizada principalmente pelos astrônomos como uma maneira de calcular facilmente o intervalo de tempo decorrido entre diferentes eventos astronômicos. A facilidade vem do fato de que não existem meses e anos na data juliana; ela consta apenas do número de dias solares médios decorridos desde o início da era Juliana, em 1 de janeiro de 4713 a.C.. O dia juliano muda sempre às 12 h TU.

Ano Bissexto - origem da palavra: No antigo calendário romano, o primeiro dia do mês se chamava calendas, e cada dia do mês anterior se contava retroativamente. Em 46 a.C., Júlio César determinou que o sexto dia antes das calendas de março deveria ser repetido uma vez em cada quatro anos, e era chamado ante diem bis sextum Kalendas Martias ou simplesmente bissextum. Daí o nome bissexto.

Século XXI: O século XXI (terceiro milênio) começou no dia 01 de janeiro de 2001, porque não houve ano zero e, portanto, o século I começou no ano 1.

Calendário Judáico: tem como início o ano de 3761 a.C., a data de criação do mundo de acordo com o "Velho Testamento". Como a idade medida da Terra é de 4,5 bilhões de anos, o conceito de criação é somente religioso. É um calendário lunisolar, com meses lunares de 29 dias alternando-se com meses de 30 dias, com um mês adicional intercalado a cada 3 anos, baseado num ciclo de 19 anos. As datas no calendário hebreu são designadas AM (do latin Anno Mundi).

Calendário Muçulmano: é contado a partir de 622 d.C., do dia depois da Heriga, ou dia em que Maomé saiu de Meca para Medina. Consiste de 12 meses lunares.

Calendário Chinês: é contado a partir de 2637 a.C., é um calendário lunisolar, com meses lunares de 29 dias alternando-se com meses de 30 dias, com um mês adicional intercalado a cada 3 anos. Os nomes formais dos anos têm um ciclo de 60 anos. Em 18 de fevereiro de 2007 iniciou-se o ano do Porco (Ding Hai), 4705. Desde 1912 a China também usa o Calendário Gregoriano.

Era

Uma era zodiacal, como a Era de Aquário, na perpectiva astronômica, é definida como o período em anos em que o Sol, no dia do equinócio vernal (˜ 21 de março), nasce naquela constelação, Áries, Peixes ou Aquário, por exemplo.

Com o passar dos séculos, a posição do Sol no equinócio vernal, vista por um observador na Terra, parece mudar devido ao movimento de Precessão dos Equinócios, descoberto por Hiparcos e explicado teóricamente por Newton como devido ao torque causado pelo Sol no bojo da Terra e à conservação do momentum angular.

A área de uma constelação é definida por uma borda imaginária que a separa no céu das outras constelações. Em 1929, a União Astronômica Internacional definiu as bordas das 88 constelações oficiais, publicadas em 1930 em um trabalho entitulado Délimitation Scientifique des Constellations, por Eugène Delporte, Cambridge University Press, Cambridge. A borda estabelecida entre Peixes e Aquário coloca o início da Era de Aquário em 2602 d.C..

A equação do tempo, definida como o ângulo horário do Sol, menos o ângulo horário do sol médio, pode ser expressa como:

Medidas de Tempo

onde Medidas de Tempo é a longitude eclíptica do Sol e Medidas de Tempo a longitude do Sol médio.

Esta equação divide o problema em dois termos, o primeiro chamado de redução ao equador, leva em conta que o Sol real se move na eclíptica enquanto o Sol médio, fictício, se move no equador, e o segundo de equação do centro, que leva em conta a elipticidade da órbita.

Medidas de Tempo

A quantidade tabulada no Astronomical Ephemeris não é diretamente E, mas a efeméride do Sol no trânsito. Esta efeméride é o instante da passagem do Sol pelo meridiano da efeméride, e é 12 hr menos a equação do tempo naquele instante.

Fonte: astro.if.ufrgs.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal