Breaking News
Home / Física / Microscópio de Comparação

Microscópio de Comparação

PUBLICIDADE

O microscópio de comparação é um aparelho constituído essencialmente por um par de lentes objetivas e tubos de microscópio conectados por prismas, de modo que as imagens de ambos possam ser vistas lado a lado através de uma única lente ocular

O microscópio de comparação é usado pelos cientistas para comparar dois materiais sob a mesma iluminação e condições ópticas.

A ponte conecta os dois microscópios idênticos e permite um campo de visão dividido que permite uma comparação lado a lado de ambas as amostras. Cabelos e fibras são os materiais mais comumente comparados.

O olho humano, através de um microscópio óptico, geralmente pode julgar pequenas diferenças de cor melhor do que um instrumento quantitativo.

O que é um microscópio de comparação?

Um microscópio de comparação consiste em dois microscópios separados conectados entre si e é usado para comparar dois objetos ou amostras.

Um tipo de dispositivo chamado ponte ótica permite que o usuário visualize as duas amostras simultaneamente.

Esse tipo de microscópio é importante na aplicação da lei – nas áreas de análise criminal forense e balística.

Permite comparar balas e fragmentos de bala, além de outras evidências forenses, que podem ser usadas para provar a culpa ou exonerar um suspeito em alguns crimes.

O microscópio é uma das invenções mais importantes da história da humanidade.

Ele permitiu o avanço de muitas ciências e revolucionou muitas de nossas idéias sobre quase todas as ciências físicas e até fomentou a criação de novas ciências.

A ideia de combinar dois microscópios para permitir o estudo de duas amostras ao mesmo tempo era apenas uma extensão das tecnologias já bem desenvolvidas usadas para construir microscópios padrão.

A ponte óptica de um microscópio de comparação antecipada não passava de dois pares de espelhos, um para cada microscópio, que direcionavam as imagens individuais para um único visualizador, produzindo uma vista lado a lado de ambas as amostras em uma imagem.

A invenção deste novo tipo de microscópio resultou no avanço de muitas disciplinas científicas, principalmente balística e forense criminal.

A capacidade de examinar e comparar duas amostras lado a lado tornou possível determinar positivamente se duas balas haviam sido disparadas de uma arma ou de armas diferentes. Ao usar uma bala de teste como controle, também foi possível determinar se uma bala específica foi disparada de uma determinada arma ou não.

Muitos outros usos para o microscópio de comparação forense seguiram sua invenção. Amostras de quase qualquer material podem ser comparadas para estabelecer evidências de transferência ou rastreamento.

Amostras de cabelo e impressões digitais também podem ser comparadas dessa maneira. Também podem ser comparadas amostras de caligrafia e amostras biológicas, como bactérias e algas.

As marcas de ferramenta podem ser comparadas para identificar quais ferramentas foram usadas em um objeto ou para corresponder uma ferramenta de referência a uma ferramenta conhecida por ter sido usada em um crime.

As tecnologias modernas fizeram muitas melhorias no microscópio de comparação básico.

Os computadores e as fibras ópticas permitem que as imagens sejam exibidas em monitores ou telas de projeção e sobrepostas umas às outras. Muitas opções, como iluminação, graus de ampliação e a capacidade de fazer fotografias de comparações de amostras podem estar disponíveis em um microscópio de comparação.

Resumo

Um microscópio de comparação é um dispositivo usado para observar amostras lado a lado. Consiste em dois microscópios conectados a uma ponte óptica, o que resulta em uma janela de visualização dividida.

O microscópio de comparação é usado nas ciências forenses para comparar padrões microscópicos e identificar ou negar sua origem comum. Sem esse dispositivo, a identificação de marcas de ferramentas e armas de fogo seria um processo tão complicado que seria realizado de forma muito limitada.

A ideia por trás do microscópio de comparação é simples. Dois microscópios são colocados um ao lado do outro e os caminhos ópticos de cada microscópio são conectados juntos pela ponte óptica.

A ponte óptica consiste em uma série de lentes e um espelho que reúne as duas imagens na única ocular.

O usuário olha através da ocular como em um microscópio comum, exceto que uma linha no meio separa o campo de visão circular em duas partes.

O lado esquerdo do campo de visão é a imagem produzida pelo microscópio esquerdo, e o lado direito do campo de visão é a imagem produzida pelo microscópio direito.

Em alguns microscópios de comparação mais modernos ou sofisticados, também é possível sobrepor os campos de visualização gerados pelos dois microscópios.

Isso é particularmente conveniente quando o cientista forense compara padrões impressos em vez de padrões estriados.

É importante que os dois microscópios sejam idênticos. Para que uma comparação seja válida, as duas imagens produzidas no campo de visão circular precisam estar na mesma ampliação e apresentar a mesma distorção da lente (se houver). Microscópios de comparação são usados principalmente em uma configuração de luz refletida, mas uma configuração de luz transmitida também está disponível em alguns casos, e configurações de luz fluorescente são encontradas em modelos de gama alta. Isso permite a comparação de mais do que apenas marcadores e marcas de ferramenta.

O uso de um microscópio de comparação é simples.

A impressão incriminada, normalmente uma bala ou invólucro encontrado em uma cena de crime ou uma peça de ferramenta de uma cena de crime, é colocada sob o microscópio esquerdo e, portanto, aparece na parte esquerda do campo de visão circular. Uma impressão de comparação, como uma bala disparada de um revólver encontrado em um suspeito, é colocada sob o microscópio direito e, portanto, aparece na parte direita do campo de exibição. Ao comparar estrias, o cientista forense move o objeto de comparação até que as estrias correspondam às presentes no objeto incriminado.

Se as estriações não apresentarem similaridades, os dois objetos não poderão ser associados a uma origem comum. Se as estrias corresponderem, uma fonte comum entre os dois objetos será estabelecida.

Ao comparar marcas de impressão, o cientista forense pode usar a opção de sobreposição e, novamente, movendo o objeto de comparação para a direita, tentar encontrar características comuns entre os dois objetos.

O microscópio de comparação é usado para comparar evidências de impressão que requerem uma ampliação que varia de 5 × a aproximadamente 100 ×.

Os itens geralmente observados no microscópio de comparação são balas disparadas, tripas disparadas e marcas de ferramenta. Esses itens são observados sob uma configuração de luz refletida. Outras evidências, incluindo impressões de números de série ou caracteres de uma máquina de escrever, também podem ser comparadas usando o microscópio de comparação. Estes são comparados usando uma configuração de luz refletida.

Essa comparação pode permitir o vínculo entre um número de série carimbado e um dado ou entre uma folha de papel com caracteres e a máquina de escrever usada para escrevê-lo.

O microscópio de comparação também é usado para comparar as camadas de um chip de tinta. Isso pode permitir a identificação do veículo de onde a tinta se originou.

Finalmente, quando usado em um ambiente de luz transmitida, é possível comparar cabelos, fibras ou estrias de extrusão de sacolas plásticas.

Isso permite a comparação de fibras encontradas em um assento com as roupas de um suspeito, por exemplo.

Estrias de sacolas plásticas podem estabelecer ligações entre diferentes sacolas plásticas e demonstrar que são originárias do mesmo lote. Isso é particularmente útil com as sacolas usadas para vender drogas.

Ao lidar com fibras e sacos plásticos, o microscópio de comparação também pode ser usado em uma configuração de luz ultravioleta ou em uma luz polarizada.

O microscópio de comparação foi inventado na década de 1920 pelo coronel do exército americano Calvin Goddard (1891–1955), que trabalhava para o Bureau of Forensic Ballistics (Departamento de Balística Forense) da cidade de Nova York. Goddard também se beneficiou da ajuda do coronel Charles Waite, Philip Gravelle e John Fisher. Naquela época, o microscópio de comparação era usado para comparar balas e tripas disparadas.

No final da década de 1920, o criminalista sueco Harry Söderman (1902-1956) melhorou drasticamente o microscópio de comparação inventando um sistema para rotacionar as balas sob os objetivos.

Isso permitiu uma comparação muito mais rápida de áreas de sulcos de balas pela rotação simultânea das balas suspeita e de comparação. Söderman deu o nome Hastoscope à sua invenção.

Microscópio de comparação

Fonte: projects.nfstc.org/www.encyclopedia.com/www.microtrace.com/www.microptik.eu/www.wisegeek.org/www.brunelmicroscopes.co.uk/chemistry.armstrong.edu

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Ângulo de repouso

PUBLICIDADE Definição Em física, o ângulo de repouso é o ângulo que o plano de …

Capacidade Térmica

PUBLICIDADE Definição A capacidade térmica é a proporção entre a energia térmica absorvida por uma substância e …

Efeito Zeeman

PUBLICIDADE Definição O efeito Zeeman é a divisão de uma linha ou linhas espectrais como resultado da …