Breaking News
Home / Física / Buraco de minhoca

Buraco de minhoca

PUBLICIDADE

Definição

Um buraco de minhoca, também conhecido como ponte de Einstein-Rosen, é um método teórico de dobrar espaço e tempo para que você possa conectar dois lugares no espaço.

Na física, um buraco de minhoca é um túnel no espaço que, acredita-se, conecta diferentes partes do universo.

Você pode viajar instantaneamente de um lugar para outro.

Um buraco de minhoca é uma estrutura hipotética do espaço-tempo prevista como um túnel que liga pontos que são separados no espaço e no tempo

Descrição

Supõe-se que um buraco de minhoca seja uma maneira de transitar pelo espaço-tempo que conecta dois pontos distantes no espaço. Alguns exemplos de ficção e filmes populares incluem o filme Interestelar, onde os personagens usavam buracos de minhoca como portais para partes distantes da galáxia.

No entanto, não há evidência observacional de que eles existam e não há prova empírica de que eles não estejam lá fora em algum lugar. O truque é encontrá-los e depois descobrir como eles funcionam.

Método teórico de viagens mais rápidas que a luz, popularizado pelo uso em muitos textos de ficção científica, incluindo Stargate. Descreve um ‘túnel’ do subespaço criado entre dois pontos no espaço que reduz drasticamente o tempo necessário para viajar entre eles. Embora potencialmente plausível sob algumas teorias científicas, incluindo a relatividade, não há como saber se os buracos de minhoca realmente existem ou podem ser criados.

Em 1935, Einstein e seu colega Nathan Rosen descobriram que a teoria da relatividade permitia a existência de pontes que conectam dois pontos no espaço-tempo. Se o espaço e o tempo forem distorcidos ou dobrados, dois pontos distantes um do outro poderão ser conectados.

Essas pontes de Einstein-Rosen, que mais tarde foram chamadas de buracos de minhoca, são essencialmente atalhos que permitem viajar de um local do universo para outro em um curto período de tempo.

O que é um buraco de minhoca?

Um buraco de minhoca é uma topologia hipotética do espaço-tempo, um “atalho” que permitiria viajar entre dois pontos a velocidades aparentemente mais rápidas que a luz.

O nome vem da analogia do espaço-tempo com a superfície de uma maçã, na qual um buraco de minhoca é um túnel através da maçã. Na realidade, o movimento através de um buraco de minhoca não seria mais rápido que a luz, mas se moveria em velocidade normal através do espaço dobrado.

Buracos de minhoca são populares na ficção científica porque permitem que os personagens viajem grandes distâncias em curtos períodos de tempo.

Na vida real, os buracos de minhoca provavelmente não existem, pois exigiriam matéria negativa, uma substância exótica que nunca foi observada e cuja existência não é prevista pelo Modelo Padrão da física de partículas.

Os modelos matemáticos dos buracos de minhoca mostram que eles “se soltam” quase instantaneamente. Além disso, um buraco de minhoca teria que ser extremamente pequeno – a maioria dos modelos mostra buracos de minhoca com aberturas menores que um núcleo atômico.

Buracos de minhoca também foram chamados de buracos de minhoca de Schwarzschild ou pontes de Einstein-Rosen, no contexto de análises matemáticas passadas.

Uma ponte de Einstein-Rosen teria um buraco negro nas duas entradas, o que significa que uma vez que um viajante teórico entrasse no buraco de minhoca, atravessaria um horizonte de eventos e ficaria preso no meio.

Se buracos de minhoca pudessem existir, eles também poderiam funcionar como máquinas do tempo. Segundo a teoria da relatividade de Einstein, o tempo passa mais devagar para um corpo altamente acelerado.

Se uma extremidade de um buraco de minhoca fosse acelerada para se aproximar da velocidade da luz enquanto outra estivesse estacionária, um viajante que entrasse no buraco estacionário emergiria no passado do buraco acelerado.

Esse tipo de buraco de minhoca seria chamado de curva fechada semelhante ao tempo ou um buraco de tempo.

O físico Stephen Hawking propôs que as propriedades de quebra de causalidade desses buracos de minhoca seriam fisicamente proibidas por uma forma de censura cósmica.

Isso ocorre porque a viagem no tempo causaria paradoxos aparentemente irresolúveis, como um caso em que alguém volta no tempo para se matar.

Aprender mais sobre as propriedades teóricas de um buraco de minhoca exigiria uma teoria quântica da gravidade, que ainda não foi desenvolvida.

Teoria do buraco de minhoca

Os buracos de minhoca foram teorizados pela primeira vez em 1916, embora não fosse assim que eram chamados na época. Ao revisar a solução de outro físico para as equações da teoria da relatividade geral de Albert Einstein, o físico austríaco Ludwig Flamm percebeu que outra solução era possível. Ele descreveu um “buraco branco”, uma reversão teórica de um buraco negro.

As entradas nos buracos preto e branco poderiam ser conectadas por um conduíte espaço-tempo.

Em 1935, Einstein e o físico Nathan Rosen usaram a teoria da relatividade geral para elaborar a ideia, propondo a existência de “pontes” através do espaço-tempo. Essas pontes conectam dois pontos diferentes no espaço-tempo, teoricamente criando um atalho que pode reduzir o tempo e a distância da viagem. Os atalhos passaram a ser chamados pontes de Einstein-Rosen, ou buracos de minhoca.

Resumo

Um buraco de minhoca é uma entidade teórica permitida pela teoria da relatividade geral de Einstein, na qual a curvatura do espaço-tempo conecta dois locais distantes (ou tempos).

O nome buraco de minhoca foi cunhado pelo físico teórico americano John A. Wheeler em 1957, com base em uma analogia de como um verme poderia fazer um buraco de uma extremidade de uma maçã através do centro até a outra extremidade, criando assim um “atalho” através do espaço intermediário.

O conceito mais comum de um buraco de minhoca é uma ponte de Einstein-Rosen, formalizada pela primeira vez por Albert Einstein e seu colega Nathan Rosen em 1935. Em 1962, John A. Wheeler e Robert W. Fuller foram capazes de provar que esse buraco de minhoca entraria em colapso instantaneamente. após a formação, nem mesmo a luz passaria. (Uma proposta semelhante foi posteriormente ressuscitada por Robert Hjellming em 1971, quando ele apresentou um modelo no qual um buraco negro atraía matéria ao ser conectado a um buraco branco em um local distante, o que expulsa esse mesmo assunto.)

Em um artigo de 1988, os físicos Kip Thorne e Mike Morris propuseram que esse buraco de minhoca poderia ser estável ao conter alguma forma de matéria ou energia negativa (às vezes chamada de matéria exótica).

Outros tipos de buracos de minhoca atravessáveis também foram propostos como soluções válidas para as equações gerais do campo da relatividade.

Algumas soluções para as equações gerais do campo da relatividade sugeriram que buracos de minhoca também poderiam ser criados para conectar tempos diferentes, bem como espaço distante.

Ainda outras possibilidades foram propostas de buracos de minhoca conectando-se a outros universos inteiros.

Ainda há muita especulação sobre se é possível a existência de buracos de minhoca e, em caso afirmativo, quais propriedades eles realmente possuiriam.

Também conhecido como: ponte de Einstein-Rosen, buraco de minhoca Schwarzschild, buraco de minhoca Lorentzian, buraco de minhoca Morris-Thorne

Exemplos: Buracos de Minhoca são mais conhecidos por sua aparição em ficção científica.

A série de televisão Star Trek: Deep Space Nine, por exemplo, focou-se amplamente na existência de um buraco de minhoca estável e transversal que ligava o “Quadrante Alfa” da nossa galáxia (que contém a Terra) ao distante “Quadrante Gama”. Da mesma forma, programas como Sliders e Stargate usaram buracos de minhoca como meios de viajar para outros universos ou galáxias distantes.

Stephen Hawking teorizou bastante sobre a relação entre os buracos de minhoca e o deslocamento do tempo
Stephen Hawking teorizou bastante sobre a relação entre os buracos de minhoca e o deslocamento do tempo

Teoria do buraco de minhoca: Um modelo de espaço-tempo 'dobrado' ilustra como uma ponte de buraco de minhoca pode se formar com pelo menos duas bocas conectadas a uma única garganta ou tubo
Teoria do buraco de minhoca: Um modelo de espaço-tempo ‘dobrado’ ilustra como uma ponte de buraco de minhoca
pode se formar com pelo menos duas bocas conectadas a uma única garganta ou tubo

Fonte: phys.org/www.history.com/www.merriam-webster.com/www.wonderopolis.org/jila.colorado.edu/www.collinsdictionary.com/www.wisegeek.org/www.ccmr.cornell.edu

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Ângulo de repouso

PUBLICIDADE Definição Em física, o ângulo de repouso é o ângulo que o plano de …

Capacidade Térmica

PUBLICIDADE Definição A capacidade térmica é a proporção entre a energia térmica absorvida por uma substância e …

Efeito Zeeman

PUBLICIDADE Definição O efeito Zeeman é a divisão de uma linha ou linhas espectrais como resultado da …