Breaking News
Home / Física / História das Pilhas

História das Pilhas

PUBLICIDADE

A bateria, que é na verdade uma célula elétrica, é um dispositivo que produz eletricidade a partir de uma reação química.

Em uma bateria de célula, você iria encontrar um eletrodo negativo, um eletrólito, que conduz os íons, um separador, também condutor de um íon, e um eletrodo positivo.

Linha do Tempo

Cronologia da História da Bateria:

1748 – Benjamin Franklin cunhou a primeira “bateria” para descrever uma variedade de placas de vidro carregadas.

1780 -1786 – Luigi Galvani demonstrou o que agora entendemos ser a base elétrica dos impulsos nervosos e, desde a pedra angular da pesquisa para inventores posteriores, como Volta para criar baterias.

1800 – pilha voltaica – Alessandro Volta inventou a pilha e descobriu o primeiro método prático de geração de eletricidade. Construído de alternando discos de zinco e de cobre com pedaços de papelão embebidos em salmoura entre os metais, a pilha Voltic produzido corrente elétrica. O arco metálico condutor foi utilizado para transportar a eletricidade a uma distância maior. Pilha voltaica de Alessandro Volta foi a primeira “bateria de célula molhada” que produziu uma corrente, de confiança estável de eletricidade.

1836 – célula de Daniell – a pilha voltaica não poderia fornecer uma corrente elétrica durante um longo período de tempo. Inglês, John F. Daniell inventou a pilha de Daniell que usou dois eletrólitos: sulfato de cobre e sulfato de zinco. A Célula Daniel durou mais tempo, então a célula ou pilha de Volta.

Esta bateria, que produziu cerca de 1,1 volts, foi utilizado para objetos de energia, tais como telégrafos, telefones e campainhas, manteve-se popular em casas para mais de 100 anos.

1839 – Fuel Cell – William Robert Grove desenvolveu a primeira célula de combustível , que produziu elétrica combinando hidrogênio e oxigênio.

1839 -1842 – Os inventores criaram melhorias para baterias que usaram eletrodos líquidos para produzir eletricidade. Bunsen (1842) e Grove (1839) inventou o mais bem sucedido.

1859 – Recarregável – inventor francês, Gaston Plante desenvolveu a primeira armazenagem prática de chumbo-ácido de bateria que pode ser recarregada (bateria secundária). Este tipo de bateria é usado principalmente em carros de hoje.

1866 – Leclanche celular zinco-carbono – engenheiro francês, Georges Leclanche patenteou o zinco-carbono bateria de célula chamada célula molhada Leclanche.

De acordo com A História de Baterias: “célula original George Leclanche foi montado em um pote poroso O eletrodo positivo consiste de dióxido de manganês esmagado com um pouco de carbono misturado polegadas O pólo negativo era uma varinha de zinco O cátodo foi embalado para o pote.. e uma vareta de carbono foi inserido para agir como um coletor de moeda. O ânodo ou zinco ea panela foram então imersas em uma solução de cloreto de amónio. O líquido atuou como o eletrólito, prontamente que escoa através do copo poroso e fazer contato com o material do cátodo . O líquido atuou como o eletrólito, prontamente se infiltrando através do copo poroso e fazer contato com o material do cátodo. ” Georges Leclanche então melhorou seu projeto, substituindo a pasta de cloreto de amônio por eletrólito líquido e inventou um método de selagem da bateria, inventando a primeira célula seca, um design melhorado que agora era transportável.

1881 – JA Thiebaut patenteou a primeira bateria com ambos o eletrodo negativo e pote poroso colocado em um copo de zinco.

1881 – Carl Gassner inventou a pilha primeiro sucesso comercial seca (zinco-carbono da célula).

1899 – Waldmar Jungner inventou a bateria de níquel-cádmio primeiro recarregável.

1901 – Armazenamento Alcalina – Thomas Alva Edison inventou a bateria de armazenamento alcalina. Alcalina de célula de Thomas Edison tinha ferro como o material do ânodo (-) e óxido de nickelic como o material do cátodo (+).

1949 – Bateria Alcalina-Manganês – Lew Urry desenvolveu a pequena bateria alcalina, em 1949. O inventor estava trabalhando para a Eveready Battery Co. em seu laboratório de pesquisa em Parma, Ohio. Pilhas alcalinas últimos cinco a oito vezes, desde que zinco-carbono células, os seus antecessores.

1954 – células solares – Gerald Pearson, Calvin Fuller e Daryl Chapin inventou a primeira bateria solar . Uma bateria solar converte a energia do sol em eletricidade. Em 1954, Gerald Pearson, Calvin Fuller e Daryl Chapin inventou a primeira bateria solar. Os inventores criaram uma matriz de várias tiras de silício (cada sobre o tamanho de uma lâmina de barbear), colocou em luz solar, os electrões livres capturados e transformou-os em corrente elétrica. Bell Laboratories, em Nova York, anunciou a fabricação do protótipo de uma nova bateria solar. Bell tinha financiou a pesquisa. O julgamento primeiro serviço público do Solar de Bell começou a bateria com um sistema de operadora de telefone (Americus, na Geórgia) em 4 de outubro de 1955.

1964 – Duracell foi incorporada.

Como funciona uma bateria

Definição de uma bateria

 

História das Pilhas

Partes de uma Bateria

A bateria, que é na verdade uma célula elétrica, é um dispositivo que produz eletricidade a partir de uma reação química. Rigorosamente falando, uma bateria consiste de duas ou mais células ligadas em série ou em paralelo, mas o termo é geralmente utilizado para uma única célula.

Uma célula consiste de um eletrodo negativo, um eletrólito, que conduz os íons, um separador, também condutor de um íon, e um eletrodo positivo. O eletrólito pode ser aquoso (composto de água) ou não aquoso (não composta por água), em pasta, líquido, ou uma forma sólida.

Quando a célula está ligado a uma carga externa, ou dispositivo a ser alimentado, o elétrodo negativo fornece uma corrente de electrões que o fluxo através da carga e são aceites pelo elétrodo positivo. Quando a carga externa é removida a reação cessa.

Uma bateria primária é aquela que pode converter os seus produtos químicos em eletricidade apenas uma vez e depois deve ser descartado. Uma bateria secundária tem elétrodos que podem ser reconstituídos por passagem de eletricidade de volta através dele; também chamado um armazenamento ou bateria recarregável, ele pode ser reutilizado várias vezes.

As baterias vêm em diversos estilos; o familiar a maioria são de uso único pilhas alcalinas.

Biografia de Alessandro Volta – Inventor da pilha voltaica a primeira bateria

Alessandro Volta (1745-1827)

Alessandro Volta inventou a pilha voltiac – a primeira bateria

Em 1800, Alessandro Volta da Itália construiu a pilha voltaica e descobriu o primeiro método prático de geração de eletricidade. Conde Volta também fez descobertas em eletrostática meteorologia, e pneumática. Sua invenção mais famosa, entretanto, é a primeira bateria.

História das Pilhas
Alessandro Volta demonstrando a bateria. Alessandro Volta descobriu o primeiro método prático de geração de eletricidade

Alessandro Volta – Fundo

Alessandro Volta nasceu em Como, Itália, em 1745. Em 1774, ele foi nomeado professor de Física na Escola Real de Como.

Enquanto na escola real, Alessandro Volta projetou sua primeira invenção o eletróforo em 1774, uma máquina que produzia eletricidade estática. Durante anos em Como, ele estudou e experimentou com eletricidade atmosférica por acender faíscas estáticas. Em 1779, Alessandro Volta foi nomeado professor de física na Universidade de Pavia e foi quando ali que ele inventou sua invenção mais famosa, a pilha voltaica.

Alessandro Volta – pilha voltaica

Construída de discos alternados de zinco e cobre, com pedaços de papelão embebidos em salmoura entre os metais, a pilha voltaica produzido corrente elétrica. O arco metálico condutor foi utilizado para transportar a eletricidade a uma distância maior. Pilha voltaica de Alessandro Volta foi a primeira bateria que produziu uma corrente, de confiança estável de eletricidade.

Alessandro Volta – Luigi Galvani

Um contemporâneo de Alessandro Volta foi Luigi Galvani , de fato, era desacordo Volta com a teoria de Galvani de respostas galvânicas (tecido animal continha uma forma de eletricidade) que levou Volta para construir a pilha voltaica para provar que a eletricidade não vem do tecido animal mas foi gerado pelo contato de metais diferentes, cobre e de ferro, num ambiente húmido. Ironicamente, os dois cientistas estavam certos.

Nomeado em honra de Alessandro Volta

Volt – A unidade de força eletromotriz, ou diferença de potencial, que fará com que uma corrente de um ampere a fluir através de uma resistência de um ohm. Nomeado para o físico italiano Alessandro Volta.

Fotovoltaica – Fotovoltaica são sistemas que convertem energia da luz em eletricidade. O termo “fotografia” é uma haste do grego “phos”, que significa “luz”. “Volt” é nomeado para Alessandro Volta, um pioneiro no estudo da eletricidade.

Mary Bellis

Fonte: inventors.about.com

História das Pilhas

História da invenção da bateria

Por que foi necessária uma bateria de 2000 anos atrás?

Em junho de 1936, operários que construíam uma nova ferrovia perto da cidade de Bagdá descoberto um antigo túmulo. Relíquias no túmulo permitido arqueólogos para identificá-lo como pertencente ao Império Parto. Os partos, embora analfabeta e nómadas, eram a força dominante na região do Crescente Fértil entre 190 aC a 224 dC. Sabe-se que em 129 aC, eles haviam adquirido terras até as margens do rio Tigre, perto de Bagdá.

Entre as relíquias encontradas na tumba era um jarro de barro ou vaso, selado com passo em sua abertura superior. Uma barra de ferro saliente a partir do centro, rodeado por um tubo cilíndrico feito de folha de cobre enrolado.

A altura do frasco estava cerca de 15 cm, eo tubo de cobre era de cerca de 4 cm de diâmetro por 12 cm de comprimento. Testes de réplicas, quando cheio com um líquido ácido tal como o vinagre, mostraram que poderia ter produzido entre 1,5 e 2 volts entre o ferro eo cobre. Suspeita-se que esta bateria cedo, ou mais do que um em série, pode ter sido usado para galvaniza ouro em artefatos de prata.

Um arqueólogo alemão, Dr. Wilhelm Konig, identificou a panela de barro, como uma bateria possível em 1938. Embora a sua data de 2000-ano de idade tornaria a invenção da bateria pela primeira vez documentada, pode ter havido a tecnologia ainda mais cedo no trabalho. Dr. Konig também encontraram vasos sumérios feitos de cobre, mas revestida com prata, que remonta a 2500 aC. Não houve evidência de baterias sumérias foi encontrado até à data.

1747 – Princípio do telégrafo descoberto, mas não a bateria.

Em 1747 Sir William Watson demonstrado na Inglaterra que uma corrente pode ser enviado através de um fio de comprimento, utilizando a condução através da terra como o outro condutor do circuito. Presumivelmente, a corrente era de uma descarga eletrostática, tais como a partir de uma garrafa de Leyden carregada com alta tensão. As pessoas naquela época sabia como gerar tensões eletrostáticas friccionando materiais diferentes, como vidro e pele juntos. Então em 1753 uma certa CM na Escócia concebeu uma máquina sinalizando que usou um fio isolado para cada letra do alfabeto. No final enviando uma carga eletrostática foi aplicado ao fio seleccionado, e uma bola de medula saltou na extremidade de recepção, em resposta à tensão.

1786 – Luigi Galvani observa a reação de pernas de rã à tensão

Ele foi notavelmente perto de descobrir o princípio da bateria, mas perdeu. Ele pensou que a reação era devido a uma propriedade dos tecidos. Ele usou dois metais diferentes em contato com uma substância úmida ao toque pernas de rã dissecada. A corrente resultante fez os músculos na contração pernas de rã. Luigi Galvani fez muitas descobertas mais importantes mais tarde, quando a relação entre ímãs e correntes se tornou conhecido. O galvanômetro é nomeado para ele. É uma bobina móvel situado num campo magnético permanente. Corrente que flui através da bobina desvia-lo e um espelho em anexo, o que reflete um feixe de luz. Foi o instrumento de medição exata primeiro elétrica.

1800 – Alessandro Volta publica detalhes de uma bateria

Essa bateria foi feita por acumulando camadas de papel de prata, ou pano embebido em sal, e zinco. Muitas camadas triplas foram montadas em uma pilha de altura, sem papel ou tecido entre o zinco e prata, até que a tensão desejado foi alcançado. Ainda hoje a palavra francesa para a bateria é “pilha” (Inglês pronúncia “casca”.) Volta também desenvolveu o conceito da série eletroquímica, que classifica o potencial produzido quando vários metais estão em contato com um eletrólito. Como útil para nós que ele era bem conhecido por suas publicações e recebeu o reconhecimento por este através da nomeação da unidade padrão de potencial elétrico como o volt.

Caso contrário, teríamos que perguntar: “Quantos Galvans se sua bateria produzir?” em vez de perguntar “quantos volts sua bateria não produzir?”

1820 – A Célula de Daniell

A pilha voltaica não era bom para entregar correntes por longos períodos de tempo. Esta restrição foi superada na Célula de Daniell. O investigador britânico John Frederich Daniell desenvolvido um arranjo onde uma placa de cobre foi localizado no fundo de um frasco de boca larga. Um pedaço de zinco fundido geralmente referido como um crowfoot, devido à sua forma, foi localizado na parte superior da placa, pendurado na borda do recipiente.

Dois eletrólitos, ou na condução de líquidos, foram empregados. A solução de sulfato de cobre saturado coberto a placa de cobre e estendido até a metade da distância restante para o pedaço de zinco. Em seguida, uma solução de sulfato de zinco, um líquido menos denso, foi cuidadosamente vertida em a flutuar por cima do sulfato de cobre e mergulhar o zinco. Como uma alternativa para o sulfato de zinco, sulfato de magnésio ou ácido sulfúrico diluído foi por vezes utilizado.

A Célula de Daniell era um dos primeiros a incorporar o mercúrio, mediante a fusão com o ânodo de zinco para reduzir a corrosão quando as pilhas não estavam em uso. Sabemos agora melhor do que colocar mercúrio em pilhas.

Esta bateria, que produziu cerca de 1,1 volts, foi utilizado para telégrafos de energia, telefones, e até mesmo a campainhas de anel em casas para mais de 100 anos. As aplicações eram todas aquelas fixas, porque o movimento seria misturar os dois líquidos eletrolíticos. Os frascos de bateria se tornaram itens de colecionadores, com preços que variam de US $ 4 a US $ 44. Vê-los em ebay.com.

1859 – Ácido de chumbo – a bateria Planté

Raymond Gaston Planté feita uma célula enrolando duas tiras de folha de chumbo separados por pedaços de flanela, e todo o conjunto foi imerso em ácido sulfúrico diluído. Por alternadamente de carga e descarga desta célula, sua capacidade de fornecer corrente foi aumentada. Um separador de melhorada foi obviamente necessário para resistir a ácido sulfúrico.

1866 – A bateria de zinco-carbono Leclanché

A primeira célula desenvolvido por Georges Leclanché em França era uma célula húmida tendo os seus elétrodos imersos em um líquido. No entanto, era resistente e fácil de fabricar e tinha uma boa vida de prateleira. Mais tarde, melhorou a bateria, substituindo uma pasta de cloreto de amónio húmida para o eletrólito líquido e selagem a bateria. A bateria resultante foi referida como uma célula seca. Ele pode ser utilizado em várias posições e mudou-se sobre sem derramar.

Carbono-zinco pilhas secas são vendidos até hoje em embalagens blister rotulados como “pesado” e “poder transistor”. O ânodo da célula era de zinco, que foi feita em um copo ou pode que continha as outras partes da bateria. O cátodo foi uma mistura de 8 partes de dióxido de manganês com uma parte de negro de carbono, ligado ao pólo positivo ou botão na parte superior da bateria por uma haste de coletor de carbono. A pasta de eletrólito também pode conter algum cloreto de zinco. Por volta de 1960 as vendas de células Leclanché foram superados pelos novos alcalina-manganês.

1881 – Bateria Camille Faure de ácido-chumbo – adequado para automóveis

Camille Faure bateria de ácido utilizado uma grade de chumbo fundido embalado com pasta de óxido de chumbo, em vez de folhas de chumbo. Isso melhorou a sua capacidade de fornecer corrente. É formado a base da bateria de chumbo-ácido moderna usado em automóveis, particularmente quando os materiais de separação foram desenvolvidas novas para segurar as placas positivas no lugar, e impedir que as partículas que caem a partir destas placas de curto-circuito para fora das placas positivas e negativas do sedimento condutora.

1898-1908 – A bateria Edison

Thomas Edison, o mais abundante de todos os inventores americanos, desenvolveu uma célula alcalina com ferro como o material do ânodo (-) e óxido de nickelic como o material do cátodo (+). O eletrólito utilizado foi de hidróxido de potássio, o mesmo que nos modernos baterias de níquel-cádmio e alcalina. As células foram bem adequado para utilização industrial e ferro. Eles sobreviveram, sendo sobrecarregado ou permanecer descarregada por longos períodos de tempo. Sua tensão (1 a 1,35 volts) foi uma indicação do seu estado de carga.

1893-1909 – A bateria de Níquel-Cádmio

Em paralelo com o trabalho de Edison, mas de forma independente, Jungner e Berg na Suécia desenvolveu a célula de níquel-cádmio. No lugar do ferro usado na célula Edison, usaram cádmio, com o resultado de que operava melhor a baixas temperaturas, a auto-descarregada-se a um menor grau do que a célula Edison, e poderia ser gotejar-carregada, isto é, carregadas a uma taxa muito reduzida. Em um formato diferente e usando a mesma química, de níquel-cádmio células são ainda feitos e vendidos.

1949 – A bateria alcalina-manganês

A bateria alcalina-manganês, ou como nós conhecemos hoje, a bateria alcalina, foi desenvolvido em 1949 por Lew Urry no Laboratório Eveready Battery Company, em Parma, Ohio. As pilhas alcalinas podem fornecer mais energia total em correntes mais elevadas do que as pilhas Leclanché. Outras melhorias desde então, têm aumentado o armazenamento de energia dentro de um pacote de determinado tamanho.

1950 – A bateria de óxido de zinco-mercúrio alcalina por Ruben

Samuel Ruben (um inventor independente) desenvolveu a pilha de óxido de zinco-mercúrio alcalina, que foi licenciada para a Mallory PR Co. PR Mallory Co. se tornou mais tarde Duracell, Internacional. Os compostos de mercúrio já foram eliminadas a partir de pilhas para proteger o ambiente.

1964 – Duracell é formado (incorporado)

Fonte: www.allaboutbatteries.com

História das Pilhas

O que são pilhas e baterias e como elas surgiram

Pilha é uma mini-usina portátil, que transforma energia química em energia elétrica. Atua como uma bomba de elétrons, removendo-os de um pólo negativo (ânodo) e empurrando-os para um pólo positivo (cátodo).

A reação química, que consome/libera elétrons no interior da célula, é denominada reação de oxi-redução. Enquanto está ocorrendo a reação, há um fluxo constante de íons através de uma substância líquida ou pastosa (eletrólito), com obtenção de energia elétrica.

Bateria é um conjunto de pilhas interligadas de modo conveniente, dispostas em série ou em paralelo, para produzir a voltagem desejada.

Essencialmente, uma bateria é um recipiente contendo substâncias químicas que produz elétrons. É uma máquina eletroquímica, ou seja, um dispositivo que produz eletricidade através de reações químicas. As baterias, assim como as pilhas, têm dois pólos, um positivo e outro negativo.

Os elétrons saem do pólo positivo e são recolhidos no pólo negativo. A eletricidade só é gerada quando os dois pólos estão em contato em um circuito fechado, como em uma aparelhagem ou em um celular ligado.

O princípio de funcionamento é basicamente o mesmo para todas as pilhas e baterias, podendo variar de acordo com o sistema químico utilizado. Ele determina, entre outras coisas, a capacidade, potência, vida útil e o grau de agressividade à saúde e ao ambiente, quando são transformadas em resíduos.

Outra classificação importante, aplicada às pilhas, é quanto ao meio físico em que ocorrem as reações químicas: pilhas secas e pilhas úmidas.

Na maioria dos sistemas químicos de pilhas e baterias, o cátodo fornece o agente oxidante (geralmente um óxido metálico) e o ânodo (geralmente constituído de um metal) sofre uma oxidação ou corrosão. A reação química é produzida pelos dois eletrodos, os quais são introduzidos em um eletrólito líquido ou pastoso.

Nas pilhas e baterias secas, objetos do Papa-Pilhas, o eletrólito é imobilizado na forma de pasta ou gel, ou imerso em um separador. Os outros componentes da bateria são inativos e são feitos de metal ou material combustível (plástico, papelão, etc.).

A história das pilhas começa na antiguidade, com a descoberta da eletricidade pelo filósofo grego Tales de Mileto. Ao esfregar um âmbar a um pedaço de pele de carneiro, ele observou que fragmentos de palha e de madeira começaram a ser atraídas pelo próprio âmbar.

Do âmbar (élektron, em grego) surgiu o nome eletricidade. Em 1672, Otto von Guericke iniciou estudos sistemáticos sobre a eletrificação por atrito. Ele inventou uma máquina geradora de cargas elétricas, onde uma esfera de enxofre girava constantemente atritando-se em terra seca. Meio século depois, Stephen Gray fez a primeira distinção entre condutores e isolantes elétricos.

Durante o século XVIII, as máquinas elétricas evoluíram até chegar a um disco rotativo de vidro, que era atritado a um isolante adequado. Uma descoberta importante, feita por Ewald Georg von Kleist e Petrus van Musschenbroek, foi a do condensador, que consistia em uma máquina armazenadora de cargas elétricas. Eram dois corpos condutores separados por um isolante delgado.

Contudo, o nome mais aceito para o inventor da pilha é o físico italiano Alessandro Volta (1745-1827). Para transformar energia química em energia elétrica, ele se baseou em relatos de diversas experiências sobre fenômenos elétricos, como os de Petrus van Musschenbroek, Giovanni Batista Beccaria, Jean Antoine Nollet e, principalmente, nos estudos do seu amigo, o médico e físico Luigi Galvani.

Em 1786, Galvani realizou uma experiência curiosa: pendurou a perna de uma rã em um guincho de bronze preso a um poste de ferro. Durante uma tempestade, observou que a faísca elétrica a fazia saltar e concluiu que para se obter eletricidade eram necessários dois metais diferentes e um pedaço de carne.

Alessandro Volta, interpretou de outra maneira, acreditando que para produzir eletricidade eram necessários dois metais e um líquido que contenha íons. Depois de comprovar sua teoria em outras experiências, Volta construiu sua primeira pilha, em 1800. A unidade de potencial elétrico “Volt” tem esse nome em homenagem ao cientista.

A eficiência da pilha de Volta mostrou-se limitada, devido ao fenômeno da polarização. A reação da pilha provocava o surgimento de bolhas de hidrogênio em torno do disco de cobre, formando uma película sobre a superfície que isola a corrente, comprometendo a eficácia. Esse problema foi superado pelo químico inglês John Daniell, em 1836. A pilha consistia de um eletrodo negativo de zinco mergulhado em um eletrólito de ácido sulfúrico diluído, e um eletrodo de cobre em uma solução saturada de sulfato de cobre. Os dois líquidos eram separados por uma membrana porosa, e não ocorria o efeito da polarização. Três anos depois, William Grove inventou a pilha termovoltaica e eletroquímica, utilizando arame de platina como eletrodo e, como eletrólito, ácido sulfúrico e ácido nítrico.

Em 1868, o engenheiro francês George Leclanché construiu uma pilha que tinha eletrólito líquido composto por uma solução forte de cloreto de amônio. O eletrodo negativo era uma placa de zinco e o positivo um bastão de carvão inserido em um tubo poroso, contendo também carvão esmagado e dióxido de manganês.

Gassner aperfeiçoou a pilha de Leclanché em 1886, substituindo a solução eletrolítica por uma pasta úmida. Nessa pilha, o zinco aparece como recipiente, além de ser o pólo negativo. A maioria das “pilhas secas” da atualidade derivam da pilha criada por Gassner.

Somente nos Estados Unidos, a produção anual de pilhas e baterias alcançou 2 milhões de unidades, no início do Século XX. Desde então, houve dois períodos de crescimento rápido nesse mercado. Em 1920, com o invento do rádio doméstico, e na segunda metade do século, com o crescente uso de equipamentos elétricos e eletrônicos portáteis.

No Brasil, a produção de pilhas Leclanché teve início em 1954, com a implantação de uma fábrica da Eveready e uma da Microlite (Ray-o-Vac). Então, o mercado nacional restringia-se a poucos milhares de unidades anuais, basicamente para lanternas elétricas portáteis.

Antes do surgimento do transistor, os rádios demandavam baterias de pilha, cujo alto custo limitava seu uso às regiões desprovidas de energia elétrica.

Após o advento do transistor e de seu uso disseminado em rádios portáteis e outros equipamentos eletrônicos, a demanda de pilhas cresceu exponencialmente.

No final da década de 70, o mercado nacional já consumia cerca de 1 bilhão de unidades/ano, somente do tipo zinco-carvão.

Mais dois fabricantes se instalaram no país: a Panasonic, em 1968, e a Eletromoura (Wayotec), em 1979. A partir de então, o uso da pilha popularizou-se.

As pilhas alcalinas começaram a ser produzidas no Brasil pela Microlite, em 1978, seguida pela Duracell (1984) e pela Eveready (1987). A capacidade de produção instalada na década de 80 já superava 1,2 bilhão de unidades/ano. A indústria estava preparada para o crescimento econômico.

Contudo, veio a recessão e, com ela, uma sensível queda no consumo de produtos populares, incluindo as pilhas. Em 1994, o mercado de pilhas zinco-carbono era estimado em 680 milhões de unidades/ano e o de pilhas alcalinas, em 60 milhões de unidades/ano. Esses números representavam, então, aproximadamente 85% da produção nacional. Desse total, 15% eram exportados, inclusive para a Europa.

Durante as duas últimas décadas do século XX, a indústria de pilhas e baterias cresceu vertiginosamente. Atualmente, esse mercado movimenta bilhões de dólares em todo o mundo.

Nos Estados Unidos, a fabricação de 95% das baterias está baseada na produção de quatro tipos de baterias secundárias e de nove tipos de baterias primárias.

As pilhas e baterias estão definitivamente presentes no cotidiano do homem moderno. O perfil de consumo mundial per capta situa-se entre 5 pilhas ao ano, nos países em desenvolvimento, como o Brasil, e 15 pilhas ao ano, nos países industrializados. Isso pode ser traduzido em um consumo mundial da ordem de 10 bilhões de pilhas/ano.

No período de 1990 a 1996, o mercado consumidor mundial de pilhas e baterias passou de 23 para 33 bilhões de dólares. Em 1999, quando surgiu a primeira legislação sobre o tema no Brasil, foram produzidas mais de 800 milhões de pilhas. Até então, já existiam em circulação no país cerca de 10 milhões de telefones celulares.

Em 2006, quando teve início o Programa Papa-Pilhas, a quantidade de aparelhos celulares no Brasil já ultrapassava 90 milhões de unidades. Esses números são oficiais, mas não levam em conta as pilhas e baterias contrabandeadas e falsificadas. Estima-se que elas representem 40% deste mercado.

Bibliografia

A Problemática do Descarte de Baterias Usadas no Lixo Urbano; MTE Fundacentro 
Almanaque Brasil Socioambiental 2005; Instituto Socioambiental.
Os Bilhões Perdidos no Lixo; Sabetai Calderoni; Humanitas Publicações; FFLCH/USP; 1998 Resíduos Gerados por Pilhas e Baterias Usadas: avaliação da situação brasileira 1999-2001; Nivea Maria Vega Longo Reidler; Faculdade de Saúde Pública/USP; 2006.
Revista do Trabalhador; Pilhas e Baterias no Lixo Urbano; MTE Fundacentro. 
Site www.sircompany.com.br 
Site www.inmetro.gov.br 
Site www.scielo.br

Fonte: www.bancoreal.com.br

História das Pilhas

História das Pilhas
Luigi Galvani – (1737 – 1798)

Século XVIII. Surgem as primeiras intuições dos fenômenos elétricos e magnéticos. Franklin especifica a noção de carga elétrica. Cavendish define a capacidade de um condutor e seu grau de eletrificação, que mais tarde será chamado potencial. Coulomb formula a lei do inverso do quadrado das distâncias para as interações de cargas elétricas, e inicia o estudo experimental e teórico da distribuição da eletricidade na superfície de um condutor. Toda essa série de pesquisas é o início de um dos períodos mais fecundos da história da ciência, período esse que culminará com a invenção da pilha por Alessandro Volta.

E é rejeitando a teoria simplista de Galvani – defensor da “eletricidade animal” – que Volta estabelece a relação entre fenômenos elétricos e químicos.

Nascido em Bolonha, a 9 de setembro de 1737, Luigi Galvani permaneceu nessa cidade durante toda sua vida, afastando-se de lá uma única vez.

Orientado pelo pai, o médico Domenico Galvani, Luigi ingressou na Universidade de Bolonha, onde, com apenas 22 anos de idade, completou o curso de medicina. Três anos mais tarde, em 1762, ele ocupou a cátedra de anatomia nessa universidade.

Hábil cirurgião, Galvani realizou importantes estudos de anatomia comparada sobre os aparelhos urinário e genital, e os órgãos do olfato e da audição.

Datam desse período, que se estendeu de 1762 a 1783, algumas publicações sobre o assunto: De Ossibus These (1762), De Renibus atque Uretribus Volatilium (1767) e De Volatilium Aure (1783).

De 1783 em diante, a orientação das pesquisas de Galvani mudou completamente: os fenômenos elétricos começaram então a absorvê-lo.

Em 1797, com a implantação da República Cisalpina, Galvani viu-se obrigado a abandonar a cátedra de anatomia: seus princípios religiosos impediam-no de prestar juramento aos novos governantes. Aos tempos afortunados, seguiu-se um longo período de privações e miséria, que se estendeu até 1798, ano em que ele morreu. Pouco antes, havia sido reconhecido seu direito de receber uma pequena pensão de aposentadoria.

História das Pilhas
Luigi Galvani

Em 1786, Galvani observou acidentalmente o que mais tarde chamaria de “eletricidade animal”. As primeiras anotações sôbre essa descoberta foram publicadas somente em 1791.

Em sua memória De Viribus Electricitatis in Motu Musculari, ele descreve sua observação casual nos seguintes termos: “Tendo dissecado e preparado uma rã, coloquei-a sobre uma mesa onde se achava, a alguma distância, uma máquina eletrostática. Aconteceu, por acaso, que um de meus assistentes tocou a ponta de seu escalpelo no nervo interno da coxa da rã; imediatamente os músculos dos membros foram agitados por violentas convulsões”. Galvani acreditou ter realizado importante descoberta. Pensava, erroneamente, ter encontrado um detetor extremamente sensível para as correntes ou descargas elétricas, cujo estudo ainda engatinhava; em seguida, admitiu a hipótese de que esse “detetor” poderia revelar-se uma nova fonte de eletricidade. Na época eram conhecidos somente o atrito e a “influência” (indução) eletrostática.

História das Pilhas
Experiência atmosférica

Desde logo, Galvani começou a variar as condições de suas experiências. Em um dia tempestuoso, foi levado a acreditar que a eletricidade atmosférica era capaz de produzir os mesmos efeitos que sua máquina eletrostática. Em condições atmosféricas normais, porém, Galvani nada observou. Esse fato mostra o caráter simplista e puramente casual das deduções de Galvani, pois nem a máquina eletrostática nem as condições atmosféricas influíam no resultado de suas experiências. Para Galvani, todavia, isso significava certamente um reforço para suas convicções.

Certo dia, tendo fixado um fio de cobre na medula espinhal de uma rã, Galvani fechou o circuito suspendendo o fio em uma rede de ferro; imediatamente as convulsões se manifestaram.

Desta vez, a experiência poderia ter levado a conclusões certas: havia um circuito formado por três condutores – um, eletrolítico, e dois metálicos.

Mas Galvani, perseguido pela idéia de que a rã poderia ser um detector de eletricidade, atribuiu as convulsões observadas às variações do estado elétrico da atmosfera.

E, mais uma vez, Galvani alterou as condições de sua experiência.

Desta vez, ele descreve:

“Levei o animal para um quarto fechado e coloquei-o sobre uma placa de ferro; quando toquei a placa com o fio de cobre, fixado na medula da rã, vi as mesmas contrações espasmódicas de antes. Tentei outros metais, com resultado mais ou menos violentos. Com os não condutores, todavia, nada se produziu. Isso era bastante surpreendente e conduziu-me a suspeitar de que a eletricidade era inerente ao próprio animal, suspeita que foi confirmada pela observação de que uma espécie de circuito nervoso sutil (semelhante ao circuito elétrico da garrafa de Leide) fecha-se dos nervos aos músculos quando as contrações se produzem”

Em outra experiência, Galvani usou um arco metálico, constituído por uma haste de cobre e outra de zinco.

História das Pilhas
Laboratório de Galvani

Embora possuísse todos os dados necessários para elaborar a teoria eletrolítica, Galvani defendeu durante toda a vida a falsa teoria da eletricidade animal.

Sustentou também a comparação de seu “aparelho” (a rã) com a garrafa de Leide; o nervo era a armadura interna e o músculo a armadura externa.

A descoberta de Galvani entusiasmou os cientistas da época, principalmente Alessandro Volta. Este repetiu, em 1792, as experiências de Galvani, tendo aceito inicialmente a hipótese da eletricidade animal.

Em 1793, todavia, ele rejeitou radicalmente tal teoria, provando que os músculos da rã não se contraem se a placa e o fio forem constituídos de um mesmo metal.

Iniciou-se então uma polêmica calorosa entre Galvani e Volta. Galvani chegou a demonstrar que as convulsões podiam ser obtidas mesmo sem a intervenção de qualquer arco metálico. Volta, no entanto, considerou esse fenômeno como uma simples decorrência de um estímulo mecânico e rebateu a hipótese do médico de Bolonha, expondo o princípio dos três condutores – um eletrolítico e dois metálicos. Eram esses os únicos elementos necessários para originar o fluido elétrico (como era chamada na época a corrente elétrica).

De 1795 a 1797, Galvani trocou intensa correspondência com Lazzaro Spallanzani. Em suas cartas, ele manifestava forte desejo de pôr fim à polêmica com Volta, conciliando as duas teorias. Visando a esse objetivo, distinguiu dois tipos de contrações, umas obtidas sem a ajuda do arco metálico, outras que exigiam sua presença. As primeiras, ele atribuía à eletricidade inerente ao próprio organismo animal; as segundas, ao que chamava, embora não soubesse definir, de eletricidade extrínseca. Defendeu ainda que os músculos se contraíam somente quando o “fluido” não corria da maneira regular.

Essa tentativa de conciliação foi totalmente infrutífera, como era natural.

Em uma carta a um de seus amigos, escrita no ano de 1796, Volta expressou claramente suas idéias a respeito de condutores e eletricidade: “O contato de condutores diferentes, sobretudo metálicos, que denominarei condutores secos ou de primeira classe, com condutores úmidos, ou de segunda classe, desperta o fluido elétrico e imprime-lhe certa impulsão ou incitação. . .”. No mesmo ano, Fabbroni, um químico de Florença, observou que, quando duas lâminas de metais diferentes são postas em contato no interior de um líquido – água, por exemplo -, uma delas fica oxidada. Intuiu então que deve existir certa relação entre os dois fenômenos – o elétrico e o químico.

Em 1800, Volta reafirmou essa relação, construindo a primeira pilha elétrica, hoje chamada pilha galvânica ou voltaica.

História das Pilhas
Torpedo

No último período de sua existência, Galvani, já fraco de saúde e profundamente abalado pela morte de sua mulher, empreendeu uma longa viagem ao Adriático.

Seu objetivo era estudar o comportamento dos torpedos – uma espécie de peixe-elétrico. Deduziu, de suas observações, que era de natureza elétrica o choque provocado pelo peixe e que ele era particularmente intenso nos músculos do animal. Com essas observações, Galvani acreditou, mais uma vez erradamente, ter achado a confirmação do que durante toda a vida defendera – o fluido elétrico de origem animal..

Galvani morreu pouco depois dessa viagem, no dia 4 de dezembro de 1798. 

Fonte: www.geocities.com

História das Pilhas

A HISTÓRIA DAS PILHAS E BATERIAS

A história das pilhas começa na antiguidade, com a descoberta da eletricidade pelo filósofo grego Tales de Mileto que, ao esfregar um âmbar a um pedaço de pele de carneiro, observou que fragmentos de palha e de madeira começaram a ser atraídas pelo próprio âmbar. Do âmbar (gr. Élektron) surgiu o nome eletricidade.

Em 1672, foram iniciados estudos sistemáticos sobre a eletrificação por atrito, por Otto von Guericke, que inventou uma máquina geradora de cargas elétricas, onde uma esfera de enxofre girava constantemente atritando-se em terra seca. Meio século depois, Stephen Gray fez a primeira distinção entre condutores e isolantes elétricos.

Durante o século 18, as máquinas elétricas evoluíram até chegar a um disco rotativo de vidro, que era atritado a um isolante adequado. Uma descoberta importante foi a do condensador, descoberto por Ewald Georg von Kleist e por Petrus van Musschenbroek. O condensador consistia em uma máquina armazenadora de cargas elétricas. Eram dois corpos condutores separados por um isolante delgado.

Ainda no século 18, foi feita a famosa experiência do médico e físico Luigi Aloísio Galvani (Universidade de Bolonha, Itália), em que potenciais elétricos produziam contrações na perna de uma rã morta. A partir dessa experiência, obteve-se pela primeira vez uma fonte de corrente elétrica estável e as investigações de Galvani sobre a corrente elétrica avançaram cada vez mais.

Paralelamente, o físico Alessandro Volta (Universidade de Paiva, Itália), após várias experiências, construiu sua primeira pilha e, no ano de 1800, comunicou a Royal Society, em Londres, que havia fabricado um aparelho capaz de produzir corrente elétrica duradoura. A pilha de Volta era constituída de discos circulares de prata e zinco, empilhados alternadamente (daí o nome de pilha) e separados por discos de feltro, embebidos em solução de ácido acético. Imaginou que a eletricidade era produzida pelo ataque do ácido acético sobre o zinco. A pilha de Volta foi muito importante para a evolução da eletroquímica, fato que o levou a ser, inclusive, nomeado conde em 1810, por Napoleão Bonaparte.

História das Pilhas

Mesmo com a fama das pilhas de Volta, foram criadas pilhas mais eficientes. John Frederic Daniell inventou-as em 1836, na mesma época das pilhas de Georges Leclanché e a bateria recarregável de Raymond-Louis-Gaston Planté. A primeira pilha a apresentar algum resultado prático foi construída por Georges Leclanché (França, 1865). Substituiu o cobre por um bastão de carvão, o ácido acético por amoníaco e, como despolarizante, utilizou dióxido de manganês em pó sobre o eletrodo de carvão.

Wilhelm Hellensens (Dinamarca, 1887) fabricou a primeira pilha seca que utilizava o zinco, ao mesmo tempo, como recipiente e pólo negativo. No mesmo ano, essas pilhas começaram a ser produzidas em série. São fabricadas até os dias atuais. Somente nos Estados Unidos, a produção anual de pilhas e baterias alcançou 2 milhões de unidades, no início do Século 20.

Desde então, houve dois períodos de crescimento rápido para esse mercado. Em 1920, com o invento do rádio doméstico e na segunda metade do século, com o crescente uso de equipamentos elétricos e eletrônicos portáteis.

No Brasil, a produção de pilhas Leclanché teve início em 1951, com a implantação de uma fábrica da Eveready e uma da Microlite (Ray-o-Vac).

Então, o mercado nacional restringia-se a poucos milhares de unidades anuais, basicamente para lanternas elétricas portáteis. Antes do surgimento do transistor, os rádios demandavam baterias de pilha cujo alto custo limitava seu uso às regiões desprovidas de energia elétrica.

Após o advento do transistor e de seu uso disseminado em rádios portáteis e outros equipamentos eletrônicos, a demanda de pilhas cresceu exponencialmente.

No final da década de 70, o mercado nacional já consumia cerca de 1 bilhão de unidades/ano, somente do tipo zinco-carvão.

Mais dois fabricantes se instalaram no país: a Panasonic (1968) e a Eletromoura (Wayotec), (1979). A partir de então, o uso da pilha popularizou-se.

As pilhas alcalinas começaram a ser produzidas no Brasil pela Microlite (1978), seguida pela Duracell (1984) e pela Eveready (1987). A capacidade de produção instalada na década de 80 já superava um bilhão e duzentos milhões de unidades/ano. A indústria estava preparada para o crescimento econômico.

Com a recessão, houve uma sensível queda no consumo de produtos populares, incluindo as pilhas. As pilhas que utilizamos hoje, têm o mesmo princípio de funcionamento da pilha construída por Alessandro Volta. A parte externa (capa) da pilha é construída em zinco, e é frequentemente coberta com papelão ou plástico para evitar o derrame. No interior da pilha, em vez de outro metal como Volta utilizava, há um bastão de carbono (grafite). O recipiente é cheio de uma pasta úmida, constituída por alguns sais e óxido de manganês (no lugar da solução de ácido diluído). A placa de zinco e o óxido de manganês presente na pasta úmida interagem, na presença dos sais e do carbono, gerando corrente elétrica.

À medida que a pilha vai sendo utilizada, as quantidades das substâncias que reagem vão diminuindo, a produção de energia elétrica sendo menor, ocorrendo, então o desgaste da pilha.

História das Pilhas

Em 1994, o mercado de pilhas zinco-carbono era estimado em 680 milhões de unidades/ano e o de pilhas alcalinas, em 60 milhões de unidades/ano. Esses números representavam, então, aproximadamente, 85% da produção nacional, dos quais, 15% eram exportados inclusive para a Europa.

Durante as duas últimas décadas do século 20, a indústria de pilhas e baterias cresceu vertiginosamente. Atualmente, este mercado movimenta bilhões de dólares em todo o mundo. Nos Estados Unidos, a fabricação de 95% das baterias está baseada na produção de quatro tipos de baterias secundárias e de nove tipos de baterias primárias. As pilhas e baterias estão definitivamente presentes no cotidiano do homem moderno e o perfil de consumo mundial per capta situa-se entre 5 pilhas/ano, para países em desenvolvimento como o Brasil e 15 pilhas/ano, para países industrializados.

Isto pode ser traduzido em um consumo mundial, da ordem de 10 bilhões de pilhas/ano. No período de 1990 a 1996, o mercado consumidor mundial de pilhas e baterias passou de 23 para 33 bilhões de dólares. Em 1999, quando surgiu a primeira legislação sobre o tema no Brasil, foram produzidas mais de 800 milhões de pilhas. Até então, já existiam em circulação no país cerca de 10 milhões de telefones celulares. Esses números são os oficiais, mas deve-se levar em conta as pilhas e baterias contrabandeadas e as falsificadas, cuja participação no mercado é impossível de ser prevista, mas está estimada em 40% do mercado.

Fonte: www.fau.ufrj.br

História das Pilhas

A primeira bateria foi criada por Alessandro Volta em 1800. Para criar a pilha de Volta, ele fez uma pilha de camadas alternadas de zinco, papel mata-borrão embebido em água salgada e prata. Este arranjo ficou conhecido como uma pilha voltaica.

As camadas superior e inferior da pilha deve ser metais diferentes. Se você conectar um fio até o topo e fundo da pilha, você pode medir a voltagem ea corrente da pilha.

A pilha pode ser empilhado tão alto quanto você gosta, e cada camada irá aumentar a tensão em um valor fixo. Em 1800, antes da invenção do gerador elétrico (o gerador não foi inventado e aperfeiçoado até 1870), a célula Daniell era muito comum os telégrafos operacionais e campainhas.

A célula Daniell é também conhecido por três outros nomes:

Crowfoot célula (por causa da forma típica do eléctrodo de zinco)

Célula gravidade (porque a gravidade mantém os dois sulfatos separados)

Celular molhado (porque usa líquidos para os eletrólitos, em oposição à célula moderna seco)

As pilhas elétricas foram idealizadas por Alessandro Volta em 1800. A chamada pilha de Volta consta de uma sobreposição de discos de cobre e zinco, soldados dois a dois e dispostos na mesma ordem, ficando cada par separado do imediato por uma rodela de pano ou de cartão embebida em água acidulada como ácido sulfúrico.

A denominação de pilha é devida a esta disposição dos discos empilhados uns sobre os outros; Volta notou entre as placas da base e as do alto, uma diferença de potencial que dava origem a fenómenos elétricos. Este foi o ponto de partida para a construção das pilhas elétricas.

A pilha é um gerador químico, isto é, transforma energia química em energia elétrica. Entre os vários tipos de pilhas destacam-se as pilhas secas e húmida.

Pilhas secas são pilhas cujo os elétrodos, zinco e carvão, estão mergulhados em uma massa de cloreto de zinco e sal amoníaco. Na pilha seca também existe MnO2 que atua como despolitizante. A ação química dessa massa sobre os elétrodos (zinco e carvão) é responsável pela liberação da energia elétrica que se obtêm nos terminais da pilha. As pilhas secas também podem conter uma pasta eletrolítica de cloreto de alumínio. Os elétrodos são de zinco (negativo) e de carbono (positivo). O elétrodo de zinco é própria caixa da pilha.

Pilhas húmidas são assim chamadas porque os elétrodos, cobre e zinco, são colocados dentro de uma solução ácida, básica ou salina.

Pilhas Alcalinas esse tipo de pilha possuem elétrodos de zinco e carbono e contém uma pasta eletrolítica de hidróxido de potássio.

Bateria de Carro mais modernas possuem elementos secundários que podem ser recarregados. O eletrólito é de ácido sulfúrico e os elétrodos de chumbo. Recarregar uma bateria ácida de chumbo é converter energia elétrica em energia química.

Bateria de Níquel e Cádmio também são recarregáveis, mas pesa muito menos que a de chumbo e ácido. Possui elétrodos de níquel e cádmio e utiliza hidróxido de potássio como eletrólito.

Pilha Atómica foi montada pela primeira vez em 1942, por Fermi e seus colaboradores; a primeira pilha atómica francesa foi construída em 1948. Nela se desenvolveu lentamente uma reação em cadeia que se pode comandar. Uma pilha comporta a matéria no seio da qual se faz a reação em cadeia (urânio 235, plutónio), e a matéria que se quer irradiar pelos neutrões produzidos (urânio, 238), reunidas a moderadores (grafito, água pesada) e a refletores de neutrões.

Comporta igualmente instalações de arrefecimento, de verificação e de proteção. Produz energia calorífica que pode eventualmente ser transformada em energia elétrica, e fornece plutónio, utilizável nas bombas atómicas, bem como numerosos elementos artificiais.

As baterias e as pilhas podem ser considerados como verdadeiros tanques de armazenamento de energia. Uma bateria comum tem elétrodos positivo e negativo e uma pasta ou líquido, o eletrólito. Os elétrodos dissolvem-se no eletrólito, formando íoes, o que cria um excesso de carga nos elétrodos. Quando a bateria é ligada a um circuito, essa carga produz uma corrente elétrica.

Cronologia

1748 – Benjamin Franklin inventou primeiramente o termo “bateria” para descrever uma variedade de placas de vidro carregadas.

1780-1786 – Luigi Galvani demonstrou o que agora entendemos ser a base elétrica dos impulsos nervosos e, desde a pedra angular da pesquisa para inventores posteriores, como Volta.

1800 – Alessandro Volta inventou a pilha e descobriu o primeiro método prático de geração de eletricidade. Construído de alternando discos de zinco e de cobre com pedaços de papelão embebidos em salmoura entre os metais, a pilha voltic produzido corrente elétrica. O arco metálico condutor foi utilizado para transportar a eletricidade a uma distância maior. Pilha voltaica de Alessandro Volta foi a primeira “bateria de célula molhada” que produziu uma corrente, de confiança estável de eletricidade.

1836 – Inglês, John F. Daniel inventou o celular Daniel que usava dois eletrólitos: sulfato de cobre e sulfato de zinco. A Célula de Daniel foi um pouco mais seguro e menos corrosivo, em seguida, a célula Volta.

1839 – William Robert Grove desenvolveu a primeira célula de combustível, que produziu elétrica combinando hidrogênio e oxigênio. Também Inventores criado melhorias para baterias que usaram eletrodos líquidos para produzir eletricidade. Bunsen (1842) e Grove (1839) inventou o mais bem sucedido.

1859 – Inventor francês, Gaston Plante desenvolveu a primeira armazenagem prática de chumbo-ácido de bateria que pode ser recarregada (bateria secundária).

Este tipo de bateria é usado principalmente em carros de hoje.

1866 – Engenheiro francês, Ge Orges Leclanche patenteou o zinco-carbono bateria de célula chamada célula molhada Leclanche.

De acordo com a História de Baterias: “célula original George Leclanche foi montado em um pote poroso. O elétrodo positivo consistiu de dióxido de manganês triturado com um pouco de carbono misturado polegadas O pólo negativo era uma haste de zinco. O cátodo foi embalado para o pote, e uma haste de carbono foi inserido para agir como um coletor de moeda. O ânodo ou haste de zinco e do pote foram então imersas em uma solução de cloreto de amónio. O líquido atuou como o eletrólito, prontamente se infiltrando através do copo poroso e fazer contato com o material do cátodo. O líquido atuou como o eletrólito, prontamente se infiltrando através do copo poroso e fazer contato com o material do cátodo.

” 1868 – Vinte mil de células Georges Leclanché estavam agora a ser utilizado com o equipamento de telégrafo.

1881 – JA Thiebaut patenteou a primeira bateria com ambos o eletrodo negativo e pote poroso colocado em um copo de zinco.

1881 – Carl Gassner inventou a pilha primeiro sucesso comercial seca (zinco-carbono da célula).

1889 – Waldmar Jungner inventou a bateria de níquel-cádmio primeiro recarregável.

1901 – Thomas Alva Edison inventou a bateria de armazenamento alcalina.

1949 – A pilha alcalina foi desenvolvido em 1949 por Lew Urry no Laboratório Eveready Battery Company, em Parma, Ohio. As pilhas alcalinas podem fornecer mais energia total em correntes mais elevadas do que as pilhas Leclanché. Outras melhorias desde então, têm aumentado o armazenamento de energia dentro de um pacote de determinado tamanho.

1954 – Células Solares Gerald Pearson, Calvin Fuller e Daryl Chapin inventou a First Solar. Uma bateria solar converte a energia do sol em eletricidade.

Em 1954, Gerald Pearson, Calvin Fuller e Daryl Chapin inventou a primeira bateria solar. Os inventores criaram uma matriz de várias tiras de silício (cada sobre o tamanho de uma lâmina de barbear), colocou em luz solar, os electrões livres capturados e transformou-os em corrente elétrica. Bell Laboratories, em Nova York, anunciou a fabricação do protótipo de uma nova bateria solar. Bell tinha financiou a pesquisa. O julgamento primeiro serviço público do Solar de Bell começou a bateria com um sistema de operadora de telefone (Americus, na Geórgia) em 4 de outubro de 1955.

Fonte: www.prof2000.pt

Veja também

Hidrodinâmica

Hidrodinâmica

PUBLICIDADE Definição A hidrodinâmica é um ramo da física que lida com o movimento de …

Magnetron

PUBLICIDADE Definição de Magnetron Um Magnetron é um tubo de vácuo de dois elementos no …

Força de Lorentz

Força de Lorentz

PUBLICIDADE Definição A Força de Lorentz é a força em uma partícula carregada movendo-se através de uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.