Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Física / Gravidade

Gravidade

PUBLICIDADE

gravidade é uma força de reunir toda a matéria (que é algo que você pode tocar fisicamente). Quanto mais matéria, mais gravidade, por isso as coisas que têm um monte de matéria, como planetas e luas e estrelas puxar mais fortemente.

Massa é como medimos a quantidade de matéria em alguma coisa. Quanto mais maciça é uma coisa, a mais de uma atração gravitacional que exerce.

À medida que caminhamos na superfície da Terra, ele puxa em nós, e puxar para trás.

Mas desde que a Terra é muito mais massa do que nós somos, a força de nós, não é forte o suficiente para mover a Terra, enquanto a atração da Terra pode nos fazer fracassar em nossos rostos.

Além dependendo da quantidade de massa, a gravidade também depende de quão longe você está de alguma coisa.

É por isso que estamos presos à superfície da Terra, em vez de ser puxado para dentro da Sol, que tem muitas mais vezes a gravidade da Terra.

O que é massa?

Nós usamos a massa palavra para falar sobre o quanto a matéria existe em alguma coisa. (A matéria é qualquer coisa que você pode tocar fisicamente.).

Na Terra, que pesar as coisas para descobrir quanta massa existe. O mais importa não é, mais algo vai pesar. Muitas vezes, a quantidade de massa tem algo está relacionada com o seu tamanho, mas nem sempre. Um balão explodiu maior do que sua cabeça ainda terá menos importa dentro dele do que a sua cabeça (para a maioria das pessoas, de qualquer forma) e, portanto, menos massa.

A diferença entre massa e peso é que o peso é determinado pela quantidade de algo é puxado pela gravidade. Se estamos a comparar duas coisas diferentes uns dos outros na Terra, eles são puxados para o mesmo pela gravidade e por isso o único com mais massa pesa mais. Mas no espaço, onde a força da gravidade é muito pequena, algo que pode ter quase nenhum peso. Tem ainda matéria em que, embora, por isso ainda tem massa.

Existe gravidade no espaço?

Não é a gravidade em todos os lugares. Ele dá forma às órbitas dos planetas, do sistema solar, e até mesmo galáxias. A gravidade do Sol atinge todo o sistema solar e mais além, mantendo os planetas em suas órbitas. A gravidade da Terra mantém a Lua e os satélites feitos pelo homem em órbita.

É verdade que a gravidade diminui com a distância, por isso é possível estar longe de um planeta ou estrela e se sentir menos gravidade. Mas isso não leva em conta o sentimento de peso que os astronautas experiência no espaço. A razão que os astronautas sentem peso na verdade tem a ver com a sua posição em relação à sua nave espacial. Sentimos o peso da Terra porque a gravidade está nos puxando para baixo, enquanto o piso ou terreno nos impede de cair. Estamos pressionado contra ela. Qualquer nave em órbita ao redor da Terra está caindo lentamente para a Terra. Uma vez que o navio e os astronautas estão caindo na mesma velocidade, os astronautas não pressionar contra qualquer coisa, então eles se sentem peso.

Você pode sentir algo muito parecido com o que os astronautas sentem por um momento em um elevador em movimento rápido indo para baixo ou em uma montanha-russa, quando você começa a descer um grande morro. Você está indo para baixo rapidamente, mas assim é a montanha russa ou o elevador para que por um segundo você se sente leve.

Por que a massa e a distância afetar a gravidade?

A gravidade é uma força subjacente fundamental no universo. A quantidade de gravidade que algo possui é proporcional à sua massa e a distância entre ele e um outro objeto.

Essa relação foi publicada pela primeira vez por Sir Issac Newton. Sua lei da gravitação universal diz que a força (F) de atração gravitacional entre dois objetos com Massa1 e Mass2 à distância D é:

F = G (Massa1 * mass2) / D ao quadrado.

(G é a constante gravitacional, que tem o mesmo valor durante toda a universo).

Teoria da relatividade de Einstein acrescenta a isso. Sua teoria previu que os objetos com grande massa deformam espaço ao seu redor, fazendo com que a luz para desviar neles. Isto foi demonstrado ser verdade. Ele também previu que a gravidade poderia viajar em ondas de gravidade, que nós não vimos ainda.

Nada disto explica por massa ou a distância afeta a gravidade, no entanto. Para fazer isso, temos de olhar para as teorias dos cientistas mais recentes do que Einstein. Segundo a teoria, a massa razão é proporcional à gravidade é porque tudo com massa emite partículas minúsculas chamadas grávitons. Estes grávitons são responsáveis pela atração gravitacional. Quanto mais massa, mais grávitons.

Teoria gravitacional também é responsável por diferenças na atração gravitacional ao longo de distâncias. A maioria dos grávitons existem em uma nuvem ao redor do objeto. Como a distância dos aumentos de objetos, a densidade da nuvem gráviton vai para baixo, para que haja menos atração gravitacional.

Fonte: www.qrg.northwestern.edu

Gravidade

gravidade é uma força de atração entre dois objetos. Todos os objetos com massa tem gravidade. A gravidade age como um ímã – puxar objetos. O que faz com que a gravidade não é muito conhecido.

A Terra tem gravidade. A gravidade tem tudo perto deste planeta. Árvores, água, animais, construções, eo ar que respiramos são todos realizados aqui pela gravidade. Todos os planetas, as estrelas e as luas do universo tem gravidade. Até os nossos próprios corpos têm gravidade. A gravidade da Terra é muito mais forte do que a nossa própria portanto, não percebe a gravidade de nossos corpos possuem.

A gravidade é afetada pelo tamanho e pela proximidade dos objetos. A Terra ea Lua têm uma forte atração sobre o outro do que a Terra e dizer … Júpiter porque a Terra e lua estão mais próximos um do outro. A Terra tem uma atração mais forte do que a lua, porque é maior, para que haja mais atração sobre os nossos corpos aqui na Terra do que os astronautas que foram à Lua teria, enquanto eles estão visitando lá. Nós realmente não “sentir” a gravidade. Nós só sentir os efeitos de tentar superá-lo pulando ou quando caímos.

Massa ou peso?

Massa é o “material” que a matéria é feita. As pessoas costumam confundir massa com peso. Mas o peso é realmente o resultado da gravidade puxando a massa.

Medimos a massa em gramas. Medimos o peso em onças e libras. Sua massa permanece o mesmo, se você pudesse viajar de planeta em planeta, mas o seu peso poderia variar dependendo de como a gravidade daquele planeta puxa você.

Fonte: idahoptv.org

Gravidade

A Lei da Gravitação Universal

Há uma história popular que Newton estava sentado debaixo de uma macieira, uma maçã caiu em sua cabeça, e de repente ele pensou na Lei da Gravitação Universal. Como em todas as lendas, este não é certamente verdadeiro em seus detalhes, mas a história contém elementos de que realmente aconteceu.

O que realmente aconteceu com a maçã?

Provavelmente a versão mais correta da história é que Newton, ao observar uma maçã cair de uma árvore, começou a pensar com as seguintes linhas: A maçã é acelerado, uma vez que as suas mudanças de velocidade de zero, uma vez que está pendurado na árvore e se move em direção a o chão.

Assim, através da segunda lei de Newton, deve haver uma força que atua sobre a maçã para causar esta aceleração. Vamos chamar essa força de “gravidade”, ea aceleração associada a “aceleração da gravidade”. Então, imagine a macieira é duas vezes maior. Mais uma vez, esperamos que a Apple para ser acelerado em direção ao chão, então isso sugere que esta força que chamamos de gravidade alcança o topo da árvore mais alta da maçã.

A idéia de Sir Isaac

Agora veio verdadeiramente brilhante insight de Newton: se a força da gravidade atinge o topo da árvore mais alta, pode não chegar ainda mais longe, em particular, pode não atingir todo o caminho até a órbita da Lua! Então, a órbita da Lua em torno da Terra pode ser uma conseqüência da força gravitacional, porque a aceleração da gravidade pode mudar a velocidade da Lua, de tal maneira que seguiu uma órbita ao redor da Terra.

Newton sabia que a força que provocou a aceleração da maçã (gravidade) deve ser dependente da massa da maçã. E uma vez que a força que atua para provocar a aceleração descendente da maçã também provoca a aceleração vertical da terra (a terceira lei de Newton), que a força deve também dependerá da massa de terra. Assim, para Newton, a força da gravidade que atua entre a terra e de qualquer outro objeto é diretamente proporcional à massa da terra, diretamente proporcional à massa do objeto, e inversamente proporcional ao quadrado da distância que separa os centros dos Terra eo objeto.

A constante de proporcionalidade G é conhecida como a constante gravitacional universal. É designada uma “constante universal”, porque se pensa ser a mesma em todos os locais e todas as vezes, e, assim, universalmente caracteriza a resistência intrínseca da força gravitacional. O valor numérico do G é muito pequena, o que é basicamente o motivo a força da gravidade para ser o mais fraco vigor da natureza. Para o valor de “G”, consulte o livro de texto ..

Mas a lei da gravitação universal de Newton se estende para além da gravidade terrestre. Lei da gravitação universal de Newton é sobre a universalidade da gravidade. Lugar de Newton na gravidade Hall of Fame não é devido à sua descoberta da gravidade, mas sim devido à sua descoberta de que a gravitação é universal. TODOS os objetos se atraem com uma força de atração gravitacional. A gravidade é universal. Esta força de atração gravitacional é diretamente dependente das massas de ambos os objetos e inversamente proporcional ao quadrado da distância que separa seus centros.

Massa e peso

A massa é uma medida da quantidade de material é de um objeto, mas o peso é uma medida da força da gravidade exercida sobre esse material num campo gravitacional, assim, massa e peso são proporcionais um ao outro, com a aceleração devido à gravidade, tal como o constante de proporcionalidade. Segue-se que a massa é constante para um objeto (na verdade, isso não é bem verdade, conforme descrito pela Teoria da Relatividade), mas o peso depende da localização do objeto. Por exemplo, se o objeto transportado anterior de massa m da superfície da Lua, a aceleração gravitacional mudaria porque o raio de massa e da Lua ambos diferem daquelas da Terra. Assim, o nosso objetivo tem massa m tanto na superfície da Terra e sobre a superfície da Lua, mas vai pesar muito menos na superfície da Lua, porque a aceleração da gravidade existe um fator de 6 a menos do que na superfície de da Terra.

Fonte: physics.weber.edu

Gravidade

Uma maçã caindo de uma árvore. Tu passeando e não flutuando pelo ar. A Terra girando à volta do Sol. Todos estes fenómenos acontecem devido à gravidade.

A gravidade é uma força de atração entre dois objetos (mesmo tu e o monitor do teu computador estão a sofrer essa força!). Quanto mais maciço for um objeto, maior será a atração exercida por ele. Contudo, é necessário que um objeto seja mesmo muito maciço, tal como acontece com o planeta erra, para que essa atração seja óbvia. A gravidade é um fato tão comum e tão óbvio nas nossas vidas, que raramente pensamos nela, mesmo sendo uma força que está presente em tudo aquilo que fazemos.

Isaac Newton descreveu a natureza da gravidade, pela primeira vez, há mais de 300 anos atrás. Na sua famosa “experiência pensada”, Newton imaginou um canhão no topo de uma montanha alta disparando balas de canhão.

Duas forças exerceriam ação sobre as balas de canhão: a força da explosão que empurraria a bala para fora do canhão, e a força gravítica. A combinação destas duas forças faria com que a trajetória descrita pela bala fosse um arco. Se a bala fosse disparada com uma explosão cada vez mais forte, cairia num local cada vez mais longe do canhão. Se a bala fosse disparada com energia suficiente, a bala percorreria toda a Terra de modo a voltar de novo ao ponto de partida (o canhão), completando uma órbita terrestre.

Embora a gravidade seja uma força universal, acontece, por vezes, querer-se fazer certas pesquisas e experiências científicas que não sofram a atração gravítica que sofrem na superfície terrestre. Nestes casos, os cientistas realizam as suas experiências na presença de microgravidade – uma condição em que os efeitos da gravidade estão extremamente reduzidos, por vezes descrito como “aparente ausência de peso”. Esta descrição lembra-nos imagens de astronautas e objetos flutuando dentro de um módulo espacial orbitando a Terra, aparentemente liberto do campo gravitacional da Terra, mas estas imagens podem enganar.

A força gravítica da Terra extende-se para longe no espaço. Para atingir um ponto em que a gravidade da Terra se reduz para um milionésimo da força que tem à superfície do planeta, teríamos de viajar 6.37 milhões de quilómetros para longe da Terra (quase 17 vezes mais longe do que a Lua está). Uma vez que as naves espaciais, normalmente, orbitam a Terra a apenas 200-450 quilómetros da superfície terrestre, deverá haver uma outra explicação para o ambiente de microgravidade que encontramos dentro destas naves.

Um objeto em queda livre passa por uma aparente condição de microgravidade, e isto acontece quando um objeto cai em direção à Terra com uma aceleração igual à aceleração da própria gravidade (aproximadamente 9.8m/s2 ou 1g à superfície terrestre). Os cientistas conseguem criar condições de microgravidade (µg) de diferentes maneiras. Conseguem-se alcançar, na Terra, breves períodos de microgravidade quando se largam objetos de estruturas altas, estruturas essas que são conhecidas por Drop Towers. Períodos mais longos são criados usando voos parabólicos com aviões e no interior de foguetões e naves espaciais orbitando a Terra.

O ambiente de microgravidade associado ao Vaivém Espacial e à Estação Espacial Internacional é o resultado de estes se encontrarem em órbita, que é nada mais nada menos do que um estado de continuada queda livre à volta de todo o planeta. Tanto o Vaivém Espacial como a Estação Espacial Internacional viajam a uma velocidade (aproximadamente 22,740 km/h) e a uma altitude que os coloca num caminho de queda paralelo à curvatura da Terra. Tal como a bala de canhão de Newton, este caminho de queda permite que estas naves espaciais orbitem a Terra.

O ambiente de microgravidade providencia a base para um laboratório único em que cientistas podem investigar os três estados fundamentais da matérias: sólido, líquido e gasoso. As condições de microgravidade permitem que os cientistas observem e explorem fenómenos e processos que são normalmente camuflados pelos efeitos da gravidade terrestre.

Fonte: www.cienciaviva.pt

Gravidade

O que é gravidade?

Ela é aquilo que te prende ao chão. Mas seria só isso? A ciência ainda busca a verdadeira natureza dessa força

Vamos começar com a definição que se tornou clássica desde Einstein: a gravidade é um efeito dos corpos com muita massa (ou “peso”, como dizemos na nossa linguagem cotidiana) sobre a própria geometria do espaço e do tempo. Se a idéia parece absurda, pense no espaço-tempo como uma lâmina de borracha – algo plano, mas flexível. Se você põe um objeto muito pesado em cima dela – digamos que seja o Sol – esse trambolho vai afundar a lâmina, criando uma depressão onde ele próprio está mas também influenciando a região em torno dele.

Agora, imagine que outra bola menor – a Terra ou qualquer outro planeta – esteja naquela vizinhança, bem no começo da depressão causada pelo Sol. Seria muito difícil ela escapar de dentro dessa vala; a tendência é que ela se mantenha em torno do objeto mais pesado – criou-se uma órbita. Isso vale não apenas para a matéria, mas também para a energia viajando naquele plano de borracha – se há uma depressão, ela vai ter de continuar seguindo por ela.

Essa visão einsteiniana funciona tremendamente bem para a imensa maioria das situações que costumam aparecer no universo, mas a mecânica quântica (o conjunto de teorias da física moderna que estuda os componentes fundamentais da matéria) já mostrou que diversas forças que pareciam se comportar de modo semelhante à gravidade eram, na verdade, geradas pela interação de partículas, como os elétrons (no caso da eletricidade) e os fótons (no caso do eletromagnetismo, no qual a luz visível é um dos fenômenos mais conhecidos). Por isso, qualquer teoria que queira abranger de forma coerente todos os fenômenos da natureza precisaria achar as partículas gravitacionais – os hipotéticos grávitons, ou as ondas gravitacionais (na mecânica quântica, algo pode se manifestar tanto como onda quanto como partícula).

É sempre mais fácil falar do que fazer: até hoje, ninguém foi capaz de detectar uma onda gravitacional ou um gráviton diretamente. “Os grávitons têm pouca energia e interagem muito pouco com a matéria”, afirma George Matsas, do Instituto de Física Teórica da Unesp (Universidade Estadual Paulista). Contudo, isso não quer dizer que haja, em princípio, algo de errado com essa teoria. “Nossas estimativas indicam que, para que possamos obter os primeiros sinais positivos, teremos de melhorar a sensibilidade de nossos aparelhos. Ou seja, até agora está tudo no script”, diz Messias.k

Reinaldo José Lopes

Fonte: super.abril.com.br

Gravidade

O que é gravidade?

A gravidade é a força que atrai dois corpos um para o outro. Por causa dela, maçãs caem em direção ao solo, e os planetas do nosso sistema orbitam o sol.

Quanto maior a massa de um objeto, mais forte sua atração gravitacional.

A gravidade é o que nos faz ter peso. Quando nos pesamos, a balança indica o quanto a gravidade está agindo em nosso corpo.

A fórmula para determinar o peso de qualquer objeto ou pessoa é: peso é igual a massa vezes a gravidade. Na Terra, a gravidade é uma constante de 9,8 metros por segundo ao quadrado, ou 9,8 m/s².

Historicamente, filósofos como Aristóteles pensavam que objetos mais pesados aceleravam em direção ao chão mais rápido. Experimentos posteriores, no entanto, mostraram que este não era o caso. A razão pela qual uma pluma cai mais lentamente do que uma bola de boliche é por causa da resistência do ar, que atua na direção oposta à da aceleração devido à gravidade.

Newton, pai da gravidade

Sir Isaac Newton foi o físico que desenvolveu a Teoria da Gravitação Universal, na década de 1680. Ele descobriu que a gravidade atua sobre toda a matéria e é uma função de massa e distância.

Todo objeto atrai todos os outros objetos com uma força que é proporcional ao produto das suas massas e inversamente proporcional ao quadrado da distância entre elas.

A equação é geralmente expressa como:

“Fg = G (m1 · m2) / r2”

sendo que:

Fg é a força gravitacional

m1 e m2 são as massas dos dois objetos

r é a distância entre os dois objetos

é a constante gravitacional universal.

A equação de Newton funciona muito bem para prever de que maneira objetos como os planetas do sistema solar se comportam.

Einstein, generalizador da gravidade

Newton publicou seu trabalho sobre a gravitação em 1687. Suas ideias reinaram como a melhor explicação até que Albert Einstein veio com a sua Teoria Geral da Relatividade, em 1915.

Na teoria de Einstein, a gravidade não é uma força, mas sim a consequência do fato de que deforma o espaço-tempo da matéria. Uma previsão da relatividade geral é que a luz se desvia em torno de objetos maciços.

Com sua brilhante ideia de que tempo e espaço são relativos e estão profundamente entrelaçados, Einstein acabou redefinindo a teoria de Newton, ligando massa e gravidade ao espaço-tempo.

Segundo a Teoria Geral da Relatividade, em alguns tipos de brinquedo comuns em parques de diversões, a rotação da máquina mantém as pessoas grudadas na cadeira pela força centrífuga, como se houvesse uma “gravidade artificial”. A gravidade real também funciona assim – o sol curva tanto o espaço ao seu redor que mantém a Terra em sua órbita, como se ela estivesse “grudada na cadeira” (a mesma ideia explica porque estamos “presamos” ao chão do planeta e não “caímos” para o espaço profundo – por causa da curvatura criada pela Terra no espaço ao seu redor).

Einstein também descobriu que, quanto maior a gravidade, mais lento é o ritmo da passagem do tempo. Por isso, ele chamou essa força de “curvatura no tecido espaço-tempo”.

Curiosidades

A gravidade na lua é cerca de 16% do que na Terra, Marte tem cerca de 38% da atração da Terra, enquanto o maior planeta do sistema solar, Júpiter, tem 2,5 vezes a gravidade da Terra.

Embora ninguém tenha “descoberto” a gravidade, reza a lenda que o famoso astrônomo Galileu Galilei fez alguns dos primeiros experimentos com gravidade, derrubando bolas da Torre de Pisa para ver quão rápido elas caíam.

Isaac Newton tinha apenas 23 anos e estava voltando da universidade quando percebeu uma maçã caindo em seu jardim e começou a desvendar os mistérios da gravidade (no entanto, é provavelmente um mito que a maçã tenha caído na sua cabeça – é mais possível que o acontecimento tenha apenas despertado a ideia no físico).

Uma das primeiras medidas da Teoria da Relatividade de Einstein foi o desvio da luz das estrelas perto do sol durante um eclipse solar em 29 de maio de 1919.

Buracos negros são estrelas maciças colapsadas com uma gravidade tão forte que nem a luz consegue escapar deles.

A Teoria Geral da Relatividade de Einstein é incompatível com a mecânica quântica, o conjunto de leis bizarras que governa o comportamento das partículas minúsculas, como fótons e elétrons, que compõem o universo.[LiveScience, UFRGS, Abril]

7 coisas que não fazem sentido sobre a gravidade

7. O que é a gravidade?

A noção Newtoniana da gravidade era boa e simples: você pula, a gravidade te traz de volta à terra. Você chega ao topo, essa força acelera você de volta para baixo. A teoria de Isaac Newton funcionava bem, mas aí veio Einstein e mudou tudo. A teoria da relatividade fez com que a gravidade se tornasse uma propriedade inerente ao universo, e não aos corpos.

Até hoje não se sabe qual das duas teorias é mais corretas: a teoria Newtoniana já foi utilizada para lançamentos de foguetes até a lua com sucesso, por exemplo, e a de Einstein também foi usada com sucesso, mas ainda não se sabe como as propriedades quânticas da massa, energia e do espaço-tempo criam o fenômeno da gravidade.

6. Por que a gravidade só puxa?

Todas as outras forças da natureza têm opostos, só a gravidade não. Por quê? Especialistas acreditam que a resposta se encontra no campo quântico. “Não sabemos se a gravidade é mesmo só uma força de atração”, afirma Paul Wesson, da Universidade de Waterloo, no Canadá. Wesson menciona a existência da matéria escura, que age na expansão do universo, como uma possível força contrária à gravidade.

5. Por que a gravidade é tão fraca?

A gravidade é a mais fraca de todas as forças fundamentais. Pense no esforço que você faz para dar um pulo. É pouco, certo? E a força exercida pela gravidade, portanto, também é fraca. O que faz com que ela seja tão diferente? De acordo com a teoria das cordas, a mais aceita atualmente para explicar os fenômenos naturais, a gravidade seria fraca porque o universo teria mais que as três dimensões conhecidas, e essa força “vazaria” para outras dimensões, fazendo com que só conseguíssemos sentir uma parte de sua força total.

4. Por que a gravidade é perfeita?

Devemos todos os dias agradecer a exatidão da força da gravidade. Se ela fosse um pouco mais forte, o universo como o conhecemos não teria sido formado.

No momento do Big Bang, em que o universo surgiu, surgiram também duas forças: a matéria e o espaço-tempo em expansão, em que a matéria existe. A disputa entre as duas forças é perfeitamente equilibrada com base na constante gravitacional G.

3. A vida precisa da gravidade?

Desde plantas até animais, todas as formas de vida parecem necessitar da gravidade para funcionar. Experiências mostram que plantas que foram criadas no espaço tiveram pouco crescimento e pequena produção de amido, além de outras dificuldades.

Outra experiência, que investigava o desenvolvimento de ovos de codorna sem gravidade, demonstrou que nenhum ovo chegou a ser chocado: sem gravidade, a gema do ovo fica flutuando, em vez de estável.

Humanos têm problemas por outro motivo: sem a gravidade, os pulmões têm maior dificuldade em ficar no lugar, piorando a respiração. O crescimento dos ossos também é prejudicado, pois eles dependem do peso do corpo para crescer apropriadamente.

2. Podemos ir contra a gravidade?

As pessoas sonham em criar um escudo contra a gravidade, mas ninguém conseguiu isso. Pelo menos não até hoje. Um efeito chamado magnetismo gravitacional, que diz que um corpo girando pode arrastar o espaço-tempo e criar um campo magnético-gravitacional talvez consiga este feito algum dia.

1. Algum dia teremos uma teoria quântica da gravidade?

A mecânica quântica e a teoria da relatividade, as duas melhores que explicam como o universo funciona, têm uma séria dificuldade em entender o mundo dia a dia como o conhecemos. O problema, segundo especialistas, é quem ainda ninguém conseguiu juntar as duas para criar uma teoria quântica de qualidade.

Fonte: hypescience.com

Gravidade

O que é Gravidade?

Todos nós sabemos os efeitos da misteriosa força chamada gravidade. No entanto, a pergunta “o que é a gravidade” não é fácil de responder a todos.

A razão é que nós realmente não entendo o que esta força realmente é (se é uma força em tudo).

O ‘Gigantes’

Teria sido bom se pudéssemos ter estalado a pergunta “o que é a gravidade” para o “gravidade-gigantes”, como Kepler, Newton e Einstein. Talvez eles pudessem explicar as características e efeitos deste fenômeno de forma adequada e que poderia, então, (talvez) responder à pergunta.

Kepler não poderia explicar a gravidade, mas, surpreendentemente, ele trabalhou os detalhes de como as órbitas da lua e dos planetas pode ser descrito matematicamente. Isto é conhecido como as leis de Kepler do movimento planetário, conforme descrito mais tarde, mas ele não responde a pergunta “o que é a gravidade.

Newton, supostamente observando uma maçã cair de uma árvore, tem uma inspiração que lhe permitiu trabalhar para fora como a força da gravidade pode ser descrito matematicamente. Ele mais tarde tornou-se evidente que existem algumas situações em que descrição matemática de Newton não chega a realizar, mas ainda a maneira mais simples de descrever a gravidade. Isto, contudo, também não responder “o que é ‘questão.

Einstein mais tarde funcionou como a força da gravidade não é completamente uma força, mas sim um artefato do movimento natural de objetos por meio de curvas espaço-tempo quadridimensional. Einstein supostamente teve a inspiração para este salto imaginativo no entendimento da gravidade, contemplando um homem cair de um prédio. Tal homem caindo não sentir qualquer força enquanto ele está caindo, pelo menos não antes de bater no chão e sofrendo forças graves.

Gravidade de Kepler (1605)

Johannes Kepler observou suas três leis do movimento planetário em 1605, estudando a medição precisa das órbitas dos planetas por Tycho Brahe. Ele descobriu que essas observações seguiram três leis matemáticas relativamente simples, ou seja,

1. A órbita de cada planeta é uma elipse com o Sol em um dos dois pontos de foco.

2. A linha que une um planeta eo Sol varre áreas iguais em intervalos de tempo iguais.

3. Os quadrados dos períodos orbitais dos planetas são diretamente proporcionais aos cubos do eixo maior (o “tamanho” da elipse) das órbitas.

No entanto, a explicação física deste comportamento dos planetas veio quase um século mais tarde, quando Sir Isaac Newton foi capaz de deduzir as leis de Kepler de suas leis do movimento e sua lei da gravitação universal, usando sua invenção, antes do cálculo.

Gravidade de Newton (1687)

Em seu “Principia” de 1687, Isaac Newton incluiu suas famosas três leis do movimento ea lei da “gravitação universal”, que pode ser sumariamente como:

1. Um objeto em movimento permanecerá em movimento a menos que influenciado por uma força resultante.

2. Força é igual a massa multiplicada pela aceleração.

3. Para cada ação há uma reação igual e oposta.

4. A força da gravidade é proporcional ao produto das duas massas e inversamente proporcional ao quadrado da distância entre os pontos de massa.

Duas vezes uma das duas massas ea força da gravidade também dobrará. O dobro da distância entre as massas ea força da gravidade será quatro vezes mais fraca.

Newton estava desconfortável com sua própria teoria da gravidade e em suas palavras, nunca “atribuído a causa desse poder. Ele foi incapaz de identificar experimentalmente o que produz a força da gravidade e se recusou até mesmo a oferecer uma hipótese sobre a causa dessa força em razão de que para fazê-lo não era a ciência do som.

Sabe-se agora que a gravitação universal de Newton não descrever completamente os efeitos da gravidade, quando o campo gravitacional é muito forte, ou quando os objetos se mover a uma velocidade muito alta no campo. Este é o lugar onde a teoria geral da relatividade de Einstein regras.

A gravidade de Einstein (1916)

Em seu monumental trabalho de 1916 “A Fundação da Teoria Geral da Relatividade”, Albert Einstein unificada sua própria relatividade especial, a lei da gravitação universal de Newton, ea percepção crucial que os efeitos da gravidade pode ser descrito pela curvatura do espaço e do tempo, normalmente chamado apenas de curvatura “espaço-tempo”.

É razoavelmente fácil aceitar que o espaço pode ser curvado – afinal, todos nós sabemos que um disco tem uma borda curva, mas como o tempo pode ser ‘curva’? O segredo se esconde da maneira que o espaço e o tempo são combinados em espaço e tempo. Normalmente, um diagrama de espaço-tempo é arrastado com um eixo espacial reta horizontal e um eixo de tempo reta vertical. Apenas dobre os dois eixos em linha reta um pouco e temos espaço-tempo curvo.

Gravidade
Aceleração centrípeta = v2/r onde v = c

Eixo horizontal do diagrama de espaço e representa o tempo de eixo vertical (na realidade o tempo multiplicada pela velocidade da luz) -, portanto, é um diagrama de espaço-tempo. A massa M perturba o espaço-tempo, de tal maneira que faz com que o caminho de espaço-tempo de uma partícula P de ser curvada para a massa.

Em particular, uma distância radial r a partir da massa, a partícula P segue um caminho curvo que tem um centro a uma distância R a partir da partícula, que define um ponto de chamada do centro de curvatura do espaço-tempo.

Embora possa parecer, este diagrama não representa uma partícula em órbita ao redor da massa, ou ao redor do centro de curvatura. Porque é um diagrama de espaço-tempo, que representa o fluxo de tempo mais o movimento da partícula P para a massa M – isto é, a partícula está a começar a cair diretamente para a massa.

O raio de curvatura do espaço-tempo é indicado no diagrama como R. Como você vai identificar, o raio de curvatura tem algo a ver com a aceleração que a partícula irá sofrer – a aceleração centrípeta em direção ao centro de curvatura.

Se ligar em valores reais, como a massa da Terra como M, a constante gravitacional G e do raio da Terra como r (com c a velocidade da luz, o que mais?), Vemos que a aceleração centrípeta é apenas sobre a aceleração de 1g que nos mantém firmemente na superfície da Terra. A pequena diferença é devido à rotação da Terra, a densidade desigual da Terra e do fato de que a da Terra não é uma esfera perfeita.

A descrição acima mantém bem para campos gravitacionais fracos e movimento de baixa velocidade, ou seja, o limite newtoniano da relatividade geral. Em campos gravitacionais fortes, a curvatura do espaço-tempo eo efeito de velocidade devem ser atendidas. Ambos têm o efeito de prolongamento do raio de curvatura da trajetória da partícula. O esquema abaixo ilustra esta mudança de posição do centro de curvatura de uma forma exagerada.

Gravidade

Essencialmente, o centro de curvatura cai abaixo do eixo X, por um lado, devido à curva de tempo-espaço e, em seguida, também em função da velocidade. O raio de curvatura resultante é, portanto, modificados por um fator relativista, que é bastante difícil de expressar em termos simples.

Em essência, o original (gravidade quasi-Newtoniana) o raio de curvatura é reduzido – em primeiro lugar por um tempo final termo gravitacional dilatação seguida por um tempo de duração dilatação velocidade. Isto faz com que a aceleração de um objeto em queda radialmente, conforme experimentado pelo objeto em queda livre a ser maior do que o previsto Newton.

Einstein foi o mais próximo dos três “gigantes” para responder à pergunta “o que é a gravidade?

Fonte: www.einsteins-theory-of-relativity-4engineers.com

Gravidade

A lei da gravitação universal de Newton é: “Toda partícula material no universo atrai outras com uma força diretamente proporcional ao produto das massas das partículas e inversamente proporcional ao quadrado da distância entre elas.”As forças gravitacionais que agem sobre as partículas como ação-reação. Embora as massas das partículas possam ser diferentes, atuam em cada uma delas forças de intensidade igual e a linha de ação das duas forças coincide com a reta que une as partículas. A lei da gravitação de Newton, refere-se à força entre duas partículas. Pode-se mostrar, que a força gravitacional exercida sobre ou por uma esfera homogênea seria o mesmo se considerasse a massa da esfera concentrada em seu centro.

Portanto, se a Terra fosse uma esfera homogênea, a força por ela exercida sobre um pequeno corpo de massa “m”, a uma distância “r” de seu centro seria: onde mT = a massa da Terra.

A força gravitacional é a mais fraca das interações básicas que ocorrem entre as partículas elementares. Também é difícil observar a força gravitacional entre os corpos da vida diária, embora possam Ter massas de milhares de quilogramas. A gravidade, porém, tem importância fundamental ao se considerar as interações que envolve corpos muito grandes, como os planetas, ou a lua ou as estrelas É a gravidade que nos mantém na terra, e que mantém a terra e os outros planetas, no sistema solar. A força gravitacional tem papel importante na evolução das estrelas e no comportamento das galáxias. Num certo sentido, é a gravidade que mantém a unidade do universo.

No que diz respeito ao estudo da força gravitacional e suas interações, é de primordial importância o estudo e o conhecimento das leis de Kepler sobre o movimento planetário e as leis que se relacionam à lei da gravitação de Newton.

As Leis de Kepler

A humanidade sempre foi fascinada pelo céu noturno, com a miríade de estrelas e corpos celestes. O estudo da astronomia é uma ciência muito antiga, vem se desenvolvendo desde a época dos faraós egípcios. Tal ciência sofreu também muitas mudanças em seus princípios e conceitos até chegar ao que conhecemos de astronomia hoje, na modernidade, e mesmo com a chegada do homem à lua e as diversas experiências espaciais, há muito ainda à ser desvendado no vasto campo da astronomia.

Levando em consideração a evolução desta ciência ao longo da história, é interessante destacar-se três cientistas, que propuseram os modelos astronômicos conhecidos.

O primeiro modelo foi publicado pôr Ptolomeu, aproximadamente em140 d.C.

Seu modelo conhecido como modelo geocêntrico propunha a terra como centro do universo, estando os outros planetas e o sol, em sua órbita, movendo-se em órbita de círculos simples e com planetas girando em torno da terra em trajetórias mais complicadas, construídas por pequenos círculos sobrepostos aos círculos maiores. Este modelo complexo e errôneo, agradava aos padrões da igreja, e prevaleceu pôr quatorze séculos, até ser polemicamente substituído, em 1543 pelo modelo de Copérnico, no qual, o sol e outras estrelas eram fixos e os planetas, inclusive a terra, orbitavam em torno do sol em órbitas circulares.

No final do século XVI, o astrônomo Tyco Brahe estudou os movimentos planetários , e fez observações que eram consideradas mais exatas do que todas até então disponíveis.

Com dados de Tyco Brahe, Johannes Kepler, depois de muitas tentativas, descobriu que as trajetórias reais dos planetas em torno do sol, eram na verdade elípticas. Mostrou também que os planetas não se movem com velocidade constante, mas são mais rápidas nas vizinhanças do sol, e mais lentas longe do sol.

Finalmente, Kepler descobriu uma relação matemática precisa entre o período de um planeta e sua distância média do sol. Estes dados foram enunciados por Kepler como três leis do movimento planetário.

Foram estas leis que proporcionaram a Newton a base para a descoberta da lei da gravitação.

As leis de Kepler são:

Todos os planetas descrevem órbitas elípticas com o sol em um dos focos. 
A reta que une o sol a um planeta varre áreas iguais em tempos iguais. 
O quadrado do período de revolução de qualquer planeta é proporcional ao cubo da distância média do sol.

(T1/T2)²=(D1/D2)³, onde T1 e T2, são respectivamente, período de revolução de um planeta 1 e outro 2, e D1 e D2 as respectivas distâncias em relação ao sol. As distâncias são calculadas em UA(unidades astronômicas), uma unidade astronômica eqüivale à 149,6 milhões de quilômetros, ou seja, a distância média da terra ao sol.

Lei da Gravitação de Newton

A lei da gravitação de Newton, afirma que todo corpo exerce uma força atrativa sobre outro corpo, força esta que é proporcional à massa dos dois corpos e inversamente proporcional ao quadrado das distâncias que os separa. A lei da gravitação de Newton, (ou lei de atração universal) pode escrever-se como uma equação vetorial simples. Sejam m1 e m2 duas massas puntiformes separadas pela distância r12, que é o módulo do vetor r12 que aponta da massa m1 para m2.

A força exercida pela massa m1 sobre m2 é então:

F12 = Gm1m2r12/r²12 , onde G é a constante de gravitação universal que tem valor

G= 6,67×10-11 N.m²/Kg².

Tal medida é calculada experimentalmente, o primeiro a calcula-la, foi Henry Cavendish, utilizando o experimento conhecido como balança de torção de Cavendish.

Para realizar este experimento, é calculado o ângulo de deslocamento da balança através da aproximação de duas massas maiores às massas menores na balança. Através deste ângulo ? de deslocamento, é possível então calcular a constante.

Força gravitacional

Uma definição fácil para essa força: tudo atrai todo o resto. Alem disso, essa força é universal, isto é, age sobre qualquer partícula.

A força gravitacional é, de longe, a mais fraca de todas. É muito, muito fraca mesmo.

Tão fraca que seria praticamente impossível percebê-la, não fosse duas propriedades fundamentais:

1- é sempre atrativa
2- age através de grandes distâncias. (o que quero dizer por grandes distâncias imensas. Há indícios que sua ação se prolonga para muito longe de nossa galáxia, até os confins do universo)

A essa força devemos a explicação de muitos fenômenos: a Terra orbitando o Sol, por exemplo. Também explica as marés. Sim, a lua atrai a água para cima sob ela e provoca as marés. Havia muitas dúvidas devido ao fato da maré subir e descer em 12 horas. Foi Newton que explicou o fenômeno em detalhes.

O mecanismo é assim: a lua atrai a Terra e a água sobre sua superfície. Mas o ponto de equilíbrio se encontra no centro. Só que temos que atentar para os vários níveis de profundidades da água. Assim, a água mais próxima da lua é atraída mais do que a restante. Consequentemente, a água mais afastada é atraída menos que a média. Soma-se a isso o fato de a água conseguir fluir, ao contrário da Terra, que é rígida. A combinação dessas duas coisas formam as marés.

A terra é redonda porque tudo atrai todo o resto, juntando-se ao máximo possível. Na verdade a Terra não é 100% esférica por que está girando e produz efeitos centrífugos que tendem a se opor à gravidade na região do equador. Então, o sol, a Terra e a lua são quase esferas.

Você pode pensar: então, quando caminho perto de outra pessoa, nossos corpos se atraem? Sim, é exatamente isso que acontece, e não precisa estar perto dessa outra pessoa. Você atrai qualquer corpo, vivo ou inanimado. Eu sei que estou te atraindo agora. Mas atrair é uma coisa, e colocar em movimento é outra.

A força gravitacional é muito fraca, e seus efeitos, apesar de existirem em qualquer lugar, só são observados na interação entre corpos muito maciços, como dois planetas por exemplo.

Conclusão

O assunto sobre gravitação vem sendo estudado e admirado desde o tempo dos Faraos. Pois tudo do universo está em movimento e em equilíbrio dinâmico e a força de gravidade é a causa disto, é importante sabermos sob que ângulo estamos vendo as coisas. Um fato tido como verdade, visto de uma determinada posição, pode-se não ser verdade numa outra posição.

Pode ser difícil observar a força gravitacional entre os corpos no dia-dia, embora possam ter massas de milhares de kg. A gravidade tem grande importância ao se considerar as interações que envolve corpos muito grandes, como os planetas, a lua ou as estrelas. Como o estudo da astronomia é uma ciência que teve muitas mudanças em seus princípios e conceitos até chegar ao que conhecemos de astronomia hoje, na modernidade. Levando em consideração a evolução da ciência ao longo da história, é interessante destacar três cientistas, que propuseram os modelos astronômicos conhecidos e por conseqüência descobriu-se a gravitação.

Felipe Rodrigues da Silva

Bibliografia

www.Cienciaonline.com.br
www.educar.com.br
www.sparc.com.br

Fonte: amigonerd.net

Gravidade

A Gravidade de Newton

Por volta de 1665, ao observar a queda de uma maçã de uma árvore, Isaac Newton(1) sugeriu que a força que puxa uma maçã para a terra é a mesma força que mantém a lua na sua órbita à volta da terra. A razão para a lua não cair na terra deve-se ao efeito do seu movimento orbital. Se a lua cessasse o seu movimento em órbita, cairia inevitavelmente na terra, e a sua aceleração devida à gravidade a que estaria sujeita à superfície da terra seria 9,8 m/s2 – a mesma aceleração duma maçã ou qualquer outro objeto em queda livre.

Até ao séc. XVII, o peso de um corpo foi considerado uma propriedade inerente a todos os corpos e que não necessitava de maior explicação. Segundo Newton, os corpos têm peso porque a Terra exerce sobre eles uma força, chamada força de atração gravítica.

A Lei Universal da Gravidade de Newton (ou Lei da Atração Universal) estipula que a força gravítica entre dois quaisquer corpos do Universo é uma força de atração diretamente proporcional às massas dos corpos e inversamente proporcional ao quadrado da distância entre eles.

Para calcular a Força Gravítica (F)(2), as suas massas (m1 e m2) e a constante gravítica (G) são multiplicadas, sendo o resultado dividido pelo quadrado da distância (r) , obtendo-se assim:

De acordo com a teoria de Newton, a força gravítica entre dois ou mais corpos depende das suas massas.

No entanto, a aceleração gravitacional de um corpo que é atraído não depende da sua massa: se forem largados simultaneamente do cimo de uma torre – sendo a resistência do ar ignorada – uma  bola de ténis e uma bola de canhão, elas atingirão o solo simultaneamente.

Este fenômeno é explicado pela 2ª Lei do Movimento de Newton: se num corpo atuar uma força ou uma força resultante diferente de zero, o corpo ficará sujeito a uma aceleração.

A força (F) aplicada a um corpo é igual à massa (m) deste multiplicada pela sua aceleração (a): F=m.a, o que implica que a aceleração “puxa” mais ou menos as massas.

Se as duas equações de forças de Newton forem combinadas, pode-se deduzir que a constante gravítica G terá a curiosa dimensão m3/kg.s2, ou seja, volume dividido pela massa vezes quadrado do tempo.

DESAFIOS A NEWTON

Pari Spolter

Alguns autores contestam a Teoria Gravitacional de Newton, bem como a própria definição de gravidade.

“Gravidade” é definida no Devil’s Dictionary como a tendência de um corpo se aproximar de outro, com uma força proporcional à massa – a grandeza de massa é diretamente proporcional à força que atrai dois corpos.

No seu livro Gravitational Force of the Sun, Pari Spolter apresenta uma forte crítica à teoria ortodoxa de que a gravidade é proporcional à quantidade de matéria ou à densidade da massa inerte. Spolter afirma ainda que não existe razão válida para incluir qualquer termo de massa em nenhuma das equações de forças, argumentando que Newton não necessitaria de saber ou estimar as massas da Terra ou da Lua para deduzir – a partir do sistema Terra-Lua – que a gravidade obedece a uma lei inverso-quadrado (a força inversamente proporcional ao quadrado da distância).

Segundo a sua teoria, Newton apenas necessitaria de conhecer a aceleração da gravidade à superfície da Terra, o raio da Terra, a velocidade orbital da Lua e a distância entre a Terra e a Lua. Bem como anteriormente referido, a aceleração gravítica de um corpo em queda livre é independente da sua massa, o que foi verificado a um alto nível de precisão.

Spolter rejeita a 2ª Lei de Newton F=m.a, argumentando que não é a Força igual à massa vezes aceleração, mas sim Peso. Define, como força linear F=a.d (aceleração vezes distância) e como força circular (incluindo gravidade) F=a.A (a é a aceleração e A é a área de um círculo cujo raio é igual à distância entre os corpos orbital e central). Esta equação implica que a aceleração devida à gravidade seja inversamente proporcional ao quadrado da distância, mas que a força gravítica do Sol, Terra ou outro corpo é constante para qualquer corpo que orbite nele. Na teoria de Newton, pelo contrário, varia de acordo com a massa do corpo em órbita e a distância ao corpo central.

Gravidade não envolve uma área acelerada à volta do Sol, como sugere a equação de Spolter. Pelo contrário, envolve a relação de massa-energia do Sol e dos planetas associada à sua energia gravitacional. E atua não num espaço vazio, mas num éter energético – pormenor que não consta em nenhuma das duas teorias físicas, quer de Spolter, quer ortodoxa.

Outros fenômenos

Segundo a teoria gravitacional de Newton, seria esperado que a atração gravítica nas montanhas fosse mais elevada do que no mar. Na realidade, a gravidade no topo de uma alta montanha é menor do que a esperada, baseada na sua massa visível, enquanto que à superfície do oceano é inesperadamente elevada.

Foi desenvolvido o conceito de “Isostasy” para explicar este fenômeno, postulando que existe rocha de baixa densidade 30 a 100 Km abaixo da superfície do mar. Mas esta hipótese não está comprovada. Contudo, a teoria “Isostasy” entra em contradição com o fato de, em regiões de atividade tectônica, movimentos verticais frequentemente intensificam anomalias gravitacionais, ao invés de atuarem de forma a restabelecer o equilíbrio isostático.

O ‘Efeito Hutchison’…efeitos eletromagnéticos obtidos através da combinação de equipamento eléctrico, incluindo condutores Tesla, produziam a levitação de objetos…, fusão de materiais não similares, aquecimento anômalo de metais sem a combustão de material adjacente, fratura espontânea de metais e alterações na estrutura cristalina e propriedades físicas de metais

Comportamento Planetário

A teoria graviacional de Newton é desafiada ainda por vários aspectos de comportamento planetário no nosso sistema solar, como por exemplo os anéis de Saturno e os asteróides, cuja natureza complexa e dinâmica está para além da explicação newtoniana.

Um outro fenômeno desafia Newton: os planetas exteriores – Júpiter, Saturno, Urano e Neptuno – apresentam desvios das suas órbitas. Recentemente, astrônomos americanos anunciaram a descoberta do décimo planeta que orbita em torno do Sol, baptizado temporariamente como 2003 UB313 (para alguns cientistas considerado um asteróide, como os planetas transneptunianos, pertencente ao Cinturão de Kuiper). Teria de ser 2 a 5 vezes mais massivo que a Terra e 50 a 100 vezes mais distante do Sol do que a Terra é (Plutão é cerca de 30 vezes mais afastado do Sol do que a Terra). No entanto, o ‘novo planeta’ é, segundo alguns autores, pouco maior do que Plutão (que é apenas 2/3 o tamanho da Lua).

Atualmente o planeta está, em relação ao sol, a uma distância 97 vezes maior do que a que existe entre a Terra e o Sol, mas a sua órbita altamente excêntrica projetá-lo-á para uma distância consideravelmente maior.

Escudo da Gravidade

Tanto a gravidade como o eletromagnetismo obedecem a leis inverso- quadrado, ou seja, a sua força diminui com o quadrado da distância entre os corpos envolvidos. Contudo, noutros aspectos, parecem ser bastante diferentes. Por exemplo, a força gravítica entre dois electrões é cerca de 1042 mais fraca do que a sua repulsão eléctrica. A razão pela qual as forças eletromagnéticas não dominam a gravidade no dia a dia deve-se ao fato da maioria das coisas ser composta por uma quantidade equivalente de cargas elétricas positivas e negativas, cujas forças se cancelam. Enquanto que as forças elétrica e magnética são claramente bipolares, a gravidade é genericamente assumida como sendo sempre atrativa, de modo a que nenhuma força com as mesmas características mas contrária a anule. Outra diferença é que a presença de matéria pode modificar ou proteger forças elétricas e magnéticas, bem como radiação eletromagnética, enquanto que nunca foi medido um enfraquecimento da gravidade ao colocar matéria entre dois corpos. No entanto, algumas experiências evidenciam o que pode ser interpretado como escudo da gravidade ou desvios da lei inverso-quadrado.

Durante os eclipses solares de 1954 e 1959, o físico Maurice Allais (Prémio Nobel da Economia em 1988) detectou distúrbios na direção do movimento de um pêndulo paracónico (suspenso numa bola). Erwin Saxl e Mildred Allen confirmaram o ‘Efeito Allais’ quando mediram variações significativas do movimento de torção de um pêndulo durante o eclipse solar de 1970. Uma interpretação sugere que estas anomalias se devem ao fato da gravidade do Sol ser escudada pela Lua, resultando num ligeiro aumento da gravidade terrestre. Allais e Saxl também detectaram inesperadas variações do movimentos de pêndulos ao longo do dia e das estações do ano.

Uma anomalia gravítica similar foi medida usando um sistema de dois pêndulos durante o alinhamento da Terra-Sol-Jupiter- -Saturno em Maio de 2001.

Shu-wen Zhou e os seus colaboradores confirmaram a ocorrência de uma força anômala de oscilação horizontal quando o Sol, Lua e Terra estão alinhados, e mostrou que afeta a disposição da sequência de grãos de cristais, bem como a largura de onda de espectros de átomos e moléculas.

Uma possível evidência do Escudo da Gravidade é reportada nas experiências de Evgeny Podkletnov e seus colaboradores, em 1992 e 1995. Na presença de um campo magnético, uma cerâmica supercondutora foi magneticamente levitada e rodada a alta velocidade, sendo que os objetos colocados acima do disco em rotação alteraram o peso. Obtiveram–se reduções de peso de 0,3 a 0,5%. Ao reduzir a velocidade de rotação de 5000 rpm para 3500 rpm, foi obtida uma redução de peso de cerca de 2% durante cerca de 30 segundos.

Gravidade e Eletromagnetismo

Gravidade

Várias experiências apontam para um ligação entre eletromagnetismo e gravidade. De seguida são referenciadas de uma forma muito breve algumas dessas experiências.

Erwin Saxl descobriu que, ao eletrizar positivamente um pêndulo, este demorava mais tempo balanceando sobre o seu arco do que ao ser negativamente eletrizado.

Maurice Allais conduziu experiências em 1953 de forma a investigar a ação do campo magnético no movimento de oscilação de um pêndulo de vidro dentro de um solenóide, concluindo que haveria uma ligação entre eletromagnetismo e gravidade.

Bruce DePalma conduziu inúmeras experiências, mostrando que a rotação de campos magnéticos podem apresentar anômalos efeitos gravitacionais. As experiências de Podkletnov parecem confirmar esta conclusão.

John Searl, um pesquisador bastante controverso no campo da eletrogravidade, descobriu, em 1949, que uma pequena voltagem (ou força eletromotriz) era induzida em objetos metais em rotação, uma vez que a carga negativa se deslocava para os bordos e o centro de rotação ficava repleto de carga positiva. Searl concluiu que os eletrões livres eram expulsos pela força centrífuga, deixando a carga positiva no centro.

Em 1952, Searl construiu um gerador com cerca de 3 pés de diâmetro, baseado neste princípio conhecido como o ‘Efeito Searl’. Quando testado ao ar livre, produzia um forte efeito eletrostático nas objetos em redor, acompanhado de sons estaladiços e cheiro a ozono. O gerador saía então do chão enquanto acelerava, atingindo uma altura de 50 pés, até romper a ligação com o motor. Era nítida uma pequena nuvem rosa à volta do disco, indicando a ionização da atmosfera circundante. Finalmente atingia uma outra velocidade crítica de rotação, ganhando rapidamente altitude e desaparecendo da vista desarmada.

Dois cientistas russos, U. V. Roschin e S. M. Godin, levaram a cabo uma experiência com base no gerador de Searl e observaram uma redução de 35% do peso, luminiscência, cheiro a ozono, efeitos anômalos do campo magnético e queda de temperatura. Eles concluíram que tanto a física ortodoxa como a física que não considera a existência do éter não explicam estes resultados.

Nos anos 80, o engenheiro elétrico Floyd Sweet desenvolveu um sistema que consistia num conjunto de condições magnéticas especiais, conhecido como o VTA (vacuum triode amplifier), concebido para induzir oscilação em campos magnéticos. O engenho era capaz de libertar muita mais potência do que aquela que absorvia, captando energia do vácuo, ou seja, energia do éter. Em algumas experiências chegou a perder 90% do seu peso inicial, antes da experiência ter terminado por razões de segurança.

O ‘Efeito Hutchison’ refere um conjunto de fenômenos descobertos acidentalmente pelo inventor John Hutchison em 1979. Efeitos eletromagnéticos obtidos através da combinação de equipamento elétrico, incluindo condutores Tesla, produziam a levitação de objetos (incluindo bolas de canhão), fusão de materiais não similares (como metal e madeira), aquecimento anômalo de metais sem a combustão de material adjacente, fratura espontânea de metais e alterações na estrutura cristalina e propriedades físicas de metais.

Os cientistas Paulo e Alexandre Correa, apologistas do éter, também demonstraram que a gravidade pode ser controlada por meios eletromagnéticos. Numa das suas experiências, uma folha de ouro de 43 miligramas foi suspensa num dos braços de uma balança eletrônica, apresentando uma rápida redução de 70% do seu peso. Este efeito foi conseguido, impondo uma frequência elétrica de forma a coincidir com o ponto anti-gravítico do ouro (como é chamado no modelo ‘aetherometry’ de Correa). Esta técnica permite uma redução de 100% do peso em objetos de composição conhecida na ordem dos 100 miligramas.

Explicação da Existência da Gravidade

A teoria da gravidade newtoniana assume que a gravidade se propaga instantaneamente através do espaço vazio, ou seja, pressupõe-se ser uma forma de ação à distância. No entanto, numa carta privada, Newton desmente esta ideia, referindo acreditar que nenhum homem, com a faculdade de possuir um pensamento filosófico, poderia cair no erro de acreditar no absurdo de que a gravidade seria inata, inerente e essencial à matéria, duma forma que um corpo atuasse sobre outro à distância através do vácuo, sem a mediação de algo mais, conduzindo ação e força desde um corpo até ao outro.

Newton frequentemente brincava com a ideia da existência de um éter que preenchia totalmente o seu ‘espaço absoluto’, através do qual a causa da gravidade seria um agente espiritual, que Newton concebia como ‘Deus’.

A necessidade de postular um éter é descrito por G. de Purucker:

“Ou temos de admitir a existência de éter ou éteres, ou seja, desta substância extremamente ténue e etérica que preenche todo o espaço, quer interestelar ou interplanetário, interatômico ou intra-atômico, ou aceitar ‘actio in distans’ – ação à distância – sem intervenção de intermediários ou meios de transmissão; e tal ‘action in distans’ é obviamente impossível, segundo o conhecimento científico standard. Razão, senso comum, lógica,… exigem a existência de um meio universalmente prevalecedor, seja qual for o nome que decidamos chamar-lhe.”

Albert Einstein, em 1905, rejeitou o éter, considerando-o supérfluo. Apesar de considerar um ‘éter gravitacional’, reduziu-o a uma abstração vazia, negando qualquer propriedade energética. Em 1915 Einstein publicou a sua teoria da relatividade, que é, essencialmente, a teoria da gravidade – na teoria newtoniana, gravidade supostamente atua de forma instantânea, enquanto que na teoria da relatividade se propaga à velocidade da luz. Einstein não contestou a noção newtoniana de que a massa inerte seria a causa da força gravítica. Mas enquanto Newton atribuiu a atração gravítica à densidade da matéria, Einstein assumiu que a mesma quantidade da matéria (massa gravítica) de alguma forma deformava o hipotético espaço-tempo contínuo de 4 dimensões, e que esta deformação faria os planetas orbitarem o Sol. Noutras palavras, gravidade não é vista como uma força que se propaga, mas supostamente resulta do fato das massas distorcerem a estrutura do espaço-tempo. Então, em vez de ser atraída pelo Sol, a Terra supostamente segue, de forma bastante aproximada, uma linha disponível através da forma curva do espaço-tempo à volta do Sol.

Alguns cientistas teorizaram que a massa, inércia(3) e gravidade estão relacionadas com a energia flutuante do campo de Ponto-zero (ZPF – Zero Point Field) (4). As flutuações do ZPF fazem com que partículas com carga emitam campos eletromagnéticos secundários, aumentando uma força residual de atração, que é a gravidade. Nesta teoria, a gravidade é vista como uma manifestação do eletromagnetismo. Através da reconfiguração do ZPF à volta de um campo, é possível alterar a sua inércia – ou ‘massa inerte’ – e controlar a gravidade.

Segundo a teoria Impacto da Gravidade, que surgiu no séc. XVIII com o cientista Georges-Louis Le Sage, a gravidade é causada por matéria física continuamente bombardeada por partículas extremamente pequenas e invisíveis – gravitons(5) – que viajam através do espaço em todas as direções a uma velocidade mais rápida do que a velocidade da luz. As partículas seriam tão minúsculas que só ocasionalmente embateriam no material constituinte dos corpos que atravessavam de forma a que cada constituinte tivesse a mesma probabilidade de ser atingido. Quaisquer dois corpos no espaço impediriam o outro de alguns impactos de gravitons, resultando numa atração através de uma força que obedece à lei inverso-quadrado. Existem hoje em dia várias versões da teoria de Le Sage.

Baseado no trabalho de cientistas pioneiros como Nicola Tesla, Louis de Broglie, Wilhelm Reich e Harold Aspden, os cientistas canadianos Paulo e Alexandra Correa desenvolveram um modelo bastante detalhado e quantitativo de éter dinâmico, conhecido como ‘aetherometry’. Este modelo propõe que o movimento de rotação e translação dos planetas, estrelas e galáxias são o resultado dos movimentos do éter em múltiplas escalas. Ondas de éter elétrico e não-elétrico impregnam, por exemplo, a Terra de impulsos à medida que se direccionam para o planeta; e este afluxo de energia não só atrai a Terra, como produz o seu campo gravítico. Quando a energia do éter não-elétrico interage com cargas físicas ou etéricas, produz ora gravitons, que impelem uma partícula ou corpo para regiões de grande densidade mássica, ora antigravitons, que a impelem na direção oposta.

Forças gravitacionais são essencialmente forças eletrodinâmicas que dependem da polaridade: o modelo ‘aetherometry’ argumenta que a gravidade resulta de uma atração eletrodinâmica que ocorre quando a matéria, que é basicamente neutra (com cargas equilibradas das duas polaridades), interage com a rede de éter formada por cargas coordenadas livres de matéria – a antigravidade resulta de uma repulsão eletrodinâmica que ocorre quando a matéria possui uma rede de carga e interage de forma coordenada com a rede de carga ambipolar equivalente.

Joana Conceição

Notas:

(1) Newton nasceu na aldeia de Woolsthorpe, no Lincolnshire, Inglaterra. Desde os tempos de escola que demonstrava um grande interesse em construir sistemas mecânicos que ele próprio projetava, como relógios de água e quadrantes solares. Após a graduação no Trinity College, Universidade de Cambridge, foi obrigado a retirar-se durante os anos de 1665 e 1666 para Woolsthorpe, devido a uma epidemia de peste negra. Durante estes dois anos, fez importantes descobertas na Matemática (teorema do binômio, cálculo diferencial), na Óptica (teoria da cor) e na Mecânica (as duas primeiras leis do movimento, a fórmula da aceleração centrípeta). Segundo Stukeley, biógrafo de Newton, este contou-lhe que a ideia da atração universal lhe ocorreu ao observar a queda de uma maçã. De regresso a Cambridge, já famoso pelos seus trabalhos, foi nomeado professor de Matemática. A publicação, em 1672, da sua teoria sobre a luz e as cores gerou tanta controvérsia, que o dissuadiu de efetuar mais publicações. Persuadido por Halley (astrônomo cujo nome foi dado a um cometa), Newton completou e publicou “Philosophiae Naturalis Principia Mathematica” (1687). Neste tratado, enunciou as três leis do movimento e formulou a lei da atração universal. Estas sínteses e generalizações a que Newton chegou, constituem as bases da Mecânica Clássica. Mais tarde, em Londres, dirigiu a Royal Society, a sociedade científica mais antiga do mundo.

(2) Diferença entre Peso e Massa:

Peso (P) é uma força, portanto uma grandeza vetorial; o peso de um corpo depende da natureza e da distância dos outros corpos que exercem forças gravíticas sobre ele, portanto o peso dum corpo não é uma propriedade inerente ao corpo; a intensidade do peso dum corpo mede-se com um dinamômetro em equilíbrio.

Massa (m) é uma grandeza escalar; a massa não depende da presença de outros corpos, portanto é uma propriedade inerente ao corpo; a massa de um corpo mede-se dum modo prático com uma balança de dois pratos, por comparação, partindo do princípio que, se dois corpos possuem, no mesmo lugar, o mesmo peso, terão também a mesma massa.

P= m.g

(3) Resistência de um corpo à mudança do seu estado de movimento.

(4) De acordo com a teoria quantum, campos eletromagnéticos (e outros campos de forças) estão sujeitos a constantes flutuações totalmente aleatórias, até à teórica temperatura do zero- absoluto (-273 ºC), quando toda a agitação térmica termina. Como resultado, o ‘espaço vazio’ é tido como repleto de energia temperatura-zero, na forma de campos de radiação eletromagnética oscilante – o campo de Ponto-zero (ZPF).

(5) Um termo que denomina diferentes conceitos em diferentes teorias.

Fonte: www.nova-acropole.pt

Gravidade

Os movimentos dos homens na Lua parecem filmados em câmara lenta e os astronautas flutuam no interior das naves espaciais. Ambos os fenômenos são curiosos exemplos dos efeitos da gravitação universal, cujos princípios foram formulados por Isaac Newton em 1687.

Gravitação é a força pela qual todos os corpos físicos se atraem uns aos outros. Aceleração gravitacional é aquela que a gravitação imprime ao corpo submetido a sua ação. Pelo fato de possuir uma quantidade de matéria, isto é, uma massa, duas partículas de matéria se atraem e adquirem uma aceleração produzida pela força de atração universal. A interação gravitacional é a menos intensa de todas as interações físicas conhecidas. Só quando envolve uma massa de grande volume, como a da Terra, por exemplo, essa força alcança valores mais significativos.

Lei da gravitação universal

A magnitude da atração F é diretamente proporcional ao produto das massas m1 e m2 que se atraem, isto é, cresce na mesma medida em que cresce esse produto, e é inversamente proporcional ao quadrado da distância d entre as massas, ou seja, diminui à medida que aumenta essa distância. O valor fixo pelo qual se multiplica essa relação é a constante universal de gravitação G e seu valor numérico só depende das unidades em que se medem a força, a massa e a distância.

Elaborada com base nos trabalhos de Galileu Galilei e de Johannes Kepler, a primeira formulação quantitativa de Newton, expressa em sua Philosophiae naturalis principia mathematica (1687), ficou representada nos seguintes termos:

A determinação do valor da constante de gravitação constituiu um dos principais desafios para os físicos posteriores a Newton. Foi Lord Henry Cavendish quem, em 1798, determinou para ela o valor de 6,754 x 10-11 N.m2/kg2, ao medir o desvio de um raio luminoso refletido num espelho. O valor numérico de F é expresso em newtons, unidade de força do sistema internacional. Na experiência, o espelho encontrava-se apoiado numa barra horizontal, sustentada por um fio que experimentava torsão quando as massas dos extremos da barra eram atraídas por duas massas maiores, postas a pequena distância deles.

Mais recentemente, a constante gravitacional foi determinada com dispositivos de muito maior precisão e o valor encontrado, que registra uma diferença de centésimos em relação ao de Lord Cavendish, é da ordem de 6,670 x 10-11 N.m2/kg2. A fórmula revelou-se de máxima importância para a compreensão dos movimentos dos planetas e fez com que os cientistas da época aumentassem sua confiança na mecânica newtoniana. Essa confiança levou dois astrônomos, o francês Urbain Le Verrier e o inglês John Couch Adams, a explicarem as irregularidades observadas na órbita de Urano. Em 1845, os dois estudiosos defenderam a tese segundo a qual elas eram provocadas pela existência de um outro planeta, com órbita situada além de Urano. No ano seguinte, astrônomos alemães comprovaram a existência do astro, a que deram o nome de Netuno.

Evolução histórica do conceito de gravitação

Os antigos filósofos gregos acreditavam que os movimentos dos corpos celestes e dos objetos situados na Terra eram independentes uns dos outros. Para Aristóteles, os corpos celestes possuíam um movimento natural próprio, enquanto que os corpos da Terra tendiam a mover-se, quando o faziam de forma natural, em direção ao centro da mesma. Essa teoria, somada a duas outras idéias aristotélicas – a que supõe que um corpo com movimento de velocidade constante requer uma força atuante contínua e a que postula que essa força deve atuar por contato – retardou o desenvolvimento da teoria da gravitação universal.

As teorias modernas sobre a gravidade da Terra começaram a ser elaboradas a partir dos trabalhos de Newton. O físico e matemático britânico supôs a existência de uma força de atração entre todos os corpos, que atuava também à distância. Afirmava que a Lua não caía sobre a Terra porque a força despendida em seu movimento circular compensava exatamente a atração da gravidade. Ao generalizar o princípio, considerou que os planetas eram mantidos de maneira análoga na órbita do Sol e que a atração era mútua e se estendia a toda a matéria.

A formulação original da lei de gravitação universal teve de ser modificada com a descoberta, em 1916, da teoria geral da relatividade, por Albert Einstein. Seus princípios sustentavam que o contínuo espaço-tempo de quatro dimensões experimenta uma curvatura em presença de matéria e gera um universo de geometria não-euclidiana. Em tal espaço, as geodésicas (curvas sobre superfícies tais que as perpendiculares a cada ponto coincidem com as normais da superfície) constituem as linhas de deslocamento dos corpos e correspondem às órbitas interpretadas por Newton como resultado de alguma força de atração.

Os princípios relativistas modificam as notações astronômicas registradas segundo a lei de gravitação universal somente em alguns casos, como por exemplo a medição de trajetórias na proximidade de massas de grande volume. Assim, a medição do periélio – o ponto de menor distância entre o Sol e um astro que gira em torno dele – dos planetas mais próximos do Sol, experimenta significativa diferença quando feita de acordo com o método clássico ou com o método relativista.

Campo gravitacional

A exemplo do que ocorre com os campos elétrico e magnético, uma massa grande como a da Terra cria a seu redor um campo gravitacional, estado especial do espaço que se manifesta quando, ao ingressar nele um corpo, este fica submetido a uma força de atração. O módulo e a direção de tal força dependem do ponto em que se encontra o corpo considerado e da massa deste. Diferentemente do que ocorre com as interações elétricas e magnéticas, essa força apresenta sempre um sentido de atração das duas massas – a da Terra e a do corpo – e nunca repulsão.

Um corpo situado num ponto qualquer próximo à superfície de um planeta, ou concentração de massa geradora de campo gravitacional, sofre uma aceleração constante. Tal valor, específico para cada ponto do espaço, corresponde à intensidade do campo ou intensidade de gravidade. No caso da Terra, a gravidade é maior nos pólos e ligeiramente menos intensa em regiões próximas ao equador, sendo o valor médio em torno de 9,8 m/s2. Na superfície da Lua, a gravidade é seis vezes menor que a da Terra, o que se explica pelo fato do satélite possuir uma massa menor que a da Terra.

Segundo as interpretações da física moderna, o campo gravitacional é dinâmico e pode sofrer transformações. Assim, é capaz de transmitir energia de maneira semelhante à radiação eletromagnética. Essa hipótese, relacionada à transmissão da energia gravitacional por uma forma especial de onda, a onda gravitacional, foi defendida pela primeira vez por Einstein na década de 1920. A comprovação prática da existência de tais ondas constitui um desafio e promete inaugurar uma nova área de estudos astronômicos.

Fonte: biomania.com.br

Gravidade

Gravitação ou gravidade, é um fenômeno natural pelo qual todos os corpos físicos se atraem. É mais comumente experimentados como o agente que dá peso aos objetos com massa e faz com que eles caem no chão quando caiu.

Gravitação é uma das quatro interações fundamentais da natureza, juntamente com eletromagnetismo , ea nuclear forte força e força fraca . Na moderna física , o fenômeno da gravitação é mais bem descrita pela teoria da relatividade geral de Einstein , em que o fenômeno em si é uma consequência da curvatura do espaço-tempo que rege o movimento de objetos inerciais. Quanto mais simples a lei de Newton da gravitação universal postula a gravidade força proporcional às massas de interagir corpos e inversamente proporcional ao quadrado da distância entre eles. Ele fornece uma aproximação precisa para a maioria das situações físicas, incluindo cálculos tão crítico como trajetória nave espacial.

Do ponto de vista cosmológico, causas gravitação dispersos assunto a se unir, e se uniram a matéria para permanecer intacta, representando, assim, para a existência de planetas , estrelas , galáxias ea maioria dos objetos macroscópicos no universo . Ele é responsável por manter a Terra e os outros planetas em suas órbitas em torno do Sol, por manter a Lua em sua órbita em torno da Terra, para a formação de marés , por natural, convecção , através do qual o fluxo de fluido ocorre sob a influência de uma densidade gradiente e gravidade, pois o aquecimento do interior das estrelas e dos planetas que formam a temperaturas muito altas, e para vários outros fenômenos observados na Terra e em todo o universo.

História da teoria da gravitação

Revolução científica

Trabalho moderno na teoria gravitacional começou com o trabalho de Galileu Galilei nos séculos 16 e i17. Em seu famoso (embora possivelmente apócrifo ) experimento soltando bolas da Torre de Pisa , e mais tarde com medidas cuidadosas de bolas rolando inclinações , Galileu mostrou que a gravidade acelera todos os objetos com a mesma taxa. Esta foi uma grande partida de Aristóteles crença é de que os objetos mais pesados acelerar mais rápido. Galileu postulou a resistência do ar como o motivo que os objetos mais leves podem cair mais lento em uma atmosfera. O trabalho de Galileu preparou o palco para a formulação da teoria da gravidade de Newton.

Teoria da gravitação de Newton

Gravidade
Sir Isaac Newton , um físico Inglês que viveu 1.642-1.727

Em 1687, Inglês matemático Sir Isaac Newton publicou Principia, o que levanta a hipótese de a lei do inverso do quadrado da gravitação universal. Em suas próprias palavras, “Eu deduzi que as forças que mantêm os planetas em suas órbitas deve [ser] reciprocamente como os quadrados de suas distâncias dos centros de sobre os quais giram em: e, assim, comparado a força necessária para manter a Lua em sua Orb com a força da gravidade na superfície da Terra,. e encontrou-os responder muito perto “

A teoria de Newton teve seu maior sucesso, quando foi usado para prever a existência de Netuno com base em movimentos de Urano que não poderiam ser contabilizados pelas ações dos outros planetas. Cálculos por tanto John Couch Adams e Urbain Le Verrier previu a posição geral do planeta, e os cálculos de Le Verrier é o que levou Johann Gottfried Galle à descoberta de Netuno.

A discrepância no Mercury órbita s apontou falhas na teoria de Newton. Até o final do século 19, sabia-se que sua órbita mostraram pequenas perturbações que não poderiam ser contabilizados inteiramente sob a teoria de Newton, mas todas as pesquisas para outro corpo perturbadores (como um planeta que orbita o Sol ainda mais perto do que Mercúrio) tinha sido infrutífera. O problema foi resolvido em 1915 por Albert Einstein ‘s nova teoria da relatividade geral , que representou a pequena discrepância na órbita de Mercúri).

Embora a teoria de Newton foi substituída, mais modernos não-relativistas cálculos gravitacionais ainda são feitas utilizando a teoria de Newton, porque é uma teoria muito mais simples do que trabalhar com a relatividade geral, e dá resultados suficientemente precisos para a maioria das aplicações que envolvem suficientemente pequenas massas, velocidades e energias.

Princípio da equivalência

O princípio da equivalência , explorado por uma sucessão de pesquisadores, incluindo Galileu, Loránd Eötvös , e Einstein, expressa a idéia de que todos os objetos caem no mesmo caminho. A maneira mais simples para testar o princípio de equivalência fraco é a queda de dois objetos de diferentes massas ou composições em um vácuo, e ver se eles baterem no chão ao mesmo tempo. Estas experiências demonstram que todos os objetos caiam no mesmo quando a taxa de atrito (incluindo a resistência do ar) é insignificante. Exames mais sofisticados usar uma balança de torção de um tipo inventado por Eötvös. Experimentos de satélite, por exemplo STEP , estão previstas para experimentos mais precisos no espaço.

As formulações do princípio de equivalência incluem:

O princípio de equivalência fraco: A trajetória de um ponto de massa num campo gravitacional depende apenas da sua posição inicial e da velocidade, e é independente da sua composição.

O princípio da equivalência de Einstein: Os resultados de cada experiência não gravitacional local num laboratório em queda livre é independente da velocidade do laboratório e da sua localização no espaço-tempo. A forte princípio de equivalência que exige tanto das opções acima.

A relatividade geral

Na relatividade geral, os efeitos da gravitação são atribuídas ao espaço-tempo a curvatura em vez de uma força. O ponto de partida para a relatividade geral é o princípio da equivalência , o que equivale a queda livre com o movimento inercial, e descreve a queda livre-objetos inerciais como sendo acelerado em relação aos observadores não inerciais no chão.Na física newtoniana , no entanto, tal aceleração pode ocorrer a não ser que pelo menos um dos objetos está sendo operado por uma força.

Einstein propôs que o espaço-tempo é curvado pela matéria, e que os objetos em queda livre estão se movendo ao longo localmente caminhos retos em espaço-tempo curvo. Estes caminhos retos são chamadas geodésicas . Como a primeira lei do movimento de Newton, a teoria de Einstein afirma que se uma força é aplicada sobre um objeto, seria desviar-se uma geodésica. Por exemplo, já não estamos a seguir geodésicas em pé, porque a resistência mecânica da Terra exerce uma força para cima de nós, e nós somos não-inercial no chão, como um resultado. Isso explica por que se deslocam ao longo das geodésicas no espaço-tempo é considerado inercial.

Einstein descobriu as equações de campo da relatividade geral, que se relacionam a presença de matéria ea curvatura do espaço-tempo e são nomeados após ele. As equações de campo de Einstein são um conjunto de 10 simultâneas , não-lineares , equações diferenciais. As soluções das equações de campo são as componentes do tensor métrico do espaço-tempo. Um tensor métrico descreve a geometria do espaço-tempo. Os caminhos geodésicos para um espaço-tempo são calculados a partir do tensor métrico.

Soluções notáveis das equações de campo de Einstein incluem:
A solução de Schwarzschild , que descreve o espaço-tempo em torno de uma simetria esférica não- rotativo uncharged objeto massivo. Para objetos bastante compactas, esta solução gerou um buraco negro com uma central de singularidade . Para distâncias radiais a partir do centro, que são muito maiores do que o raio de Schwarzschild , as acelerações previsto pela solução Schwarzschild são praticamente idênticas às que o previsto pela teoria da gravidade de Newton.

A solução de Reissner-Nordström , no qual o objeto central tem uma carga elétrica. Para despesas com geometrizada comprimento, que são menos do que o comprimento geometrizada da massa do objeto, esta solução produz buracos negros com dois horizontes de eventos.

A solução de Kerr para girar objetos massivos. Esta solução também produz buracos negros com vários horizontes de eventos. A solução de Kerr-Newman para carregada, girando objetos massivos. Esta solução também produz buracos negros com vários horizontes de eventos.

O cosmológica solução de Friedmann-Lemaitre-Robertson-Walker , que prevê a expansão do universo .

Os testes da relatividade geral incluiu o seguinte:

Geral contas da relatividade para o anômalo precessão do periélio de Mercúrio.
A previsão de que o tempo corre mais devagar em potenciais inferiores tem sido confirmada pela experiência libra-Rebka , o experimento Hafele-Keating , e os GPS .

A previsão da deflexão da luz foi confirmada pela primeira vez por Arthur Stanley Eddington de suas observações durante o eclipse solar de 29 de maio de 1919 .Eddington medido luz das estrelas dobro dos desvios de tráfego previsto pela teoria corpuscular de Newton, de acordo com as previsões da relatividade geral. No entanto, sua interpretação dos resultados foi posteriormente contestada. Os testes mais recentes, usando medições de rádio interferometria de quasares passando por trás do Sol tem mais precisão e consistência confirmou a deflexão da luz com o grau previsto pela teoria da relatividade geral.

O atraso de tempo da luz que passa perto de um objeto de grande foi identificado pela primeira vez por Irwin I. Shapiro em 1964 em interplanetarias sinais espaciais. Radiação gravitacional foi indiretamente confirmado por meio de estudos de binários de pulsares.

Alexander Friedmann , em 1922 descobriram que as equações têm solução Einstein não estacionárias (mesmo na presença da constante cosmológica ). Em 1927, Georges Lemaitre mostrou que as soluções estáticas das equações de Einstein, que são possíveis na presença da constante cosmológica, são instáveis, e, por conseguinte, o universo estático previsto por Einstein não poderia existir. Mais tarde, em 1931, o próprio Einstein concordou com os resultados de Friedmann e Lemaître. Assim, a relatividade geral prevê que o Universo tinha de ser não-static-lo tinha que quer expandir ou contrair. A expansão do universo descoberto por Edwin Hubble em 1929 confirmaram esta previsão. Previsão da teoria arrastamento foi consistente com as recentes Gravity Probe B resultados.

A relatividade geral prevê que a luz deve perder sua energia quando viaja longe dos corpos maciços. O grupo de Radek Wojtak do Instituto Niels Bohr da Universidade de Copenhague coletaram dados de 8.000 aglomerados de galáxias e descobriu que a luz que vem dos centros de cluster tendem a ser vermelho-mudou em comparação com as bordas de cluster, confirmando a perda de energia devido à gravidade.

A gravidade e a mecânica quântica

Nas décadas após a descoberta da relatividade geral, percebeu-se que a relatividade geral é incompatível com a mecânica quântica . É possível descrever a gravidade no quadro da teoria quântica de campos como as outras forças fundamentais , de modo que a força de atração da gravidade surge devido a troca de virtuais gravitons, da mesma maneira como a força eletromagnética resulta da troca de virtuais fotões. Isto reproduz relatividade geral no limite clássico. No entanto, esta abordagem não a curtas distâncias da ordem do comprimento de Planck , onde uma teoria mais completa da gravidade quântica é necessária (ou de uma nova abordagem para a mecânica quântica).

Especificidades

Gravidade da Terra

Cada corpo planetário (incluindo a Terra) está rodeado pelo seu próprio campo gravitacional, que exerce uma força atrativa em todos os objetos. Assumindo um planeta simétrica esférica, a força deste campo, em qualquer ponto é proporcional à massa do corpo planetário e inversamente proporcional ao quadrado da distância a partir do centro do corpo.

A força do campo gravitacional é numericamente igual à aceleração de objetos sob a sua influência, e o seu valor na superfície da Terra, denotada g , é expressa como seguir o padrão médio . De acordo com o Bureau Internacional de Pesos e Medidas, Sistemas Internacional de Unidades (SI), a aceleração padrão da Terra devido à gravidade é:
g = 9,80665 m / s 2 = 32,1740 pés / s 2 ). 
Isto significa que, ignorando a resistência do ar, um objeto em queda livre perto da superfície da Terra a sua velocidade aumenta pela 9,80665 m / s (32,1740 pés / s ou 22 mph) para cada segundo da sua descida. Assim, um objeto a partir de resto se atingir uma velocidade de 9,80665 m / s (32,1740 pés / s), depois de um segundo, a cerca de 19,62 m / s (64,4 pés / s) depois de dois segundos, e assim por diante, adicionando 9,80665 m / s (32,1740 pés / s) para cada velocidade resultante. Além disso, mais uma vez ignorando a resistência do ar, todos e quaisquer objetos, quando caiu da mesma altura, vai bater no chão ao mesmo tempo.

Gravidade

Se um objeto com massa comparável à da terra estava a cair em relação a ele, em seguida, o correspondente aceleração da Terra seria realmente observado. De acordo com a terceira lei de Newton , a Terra experimenta uma força igual em magnitude e oposta em direção ao que exerce sobre um objeto em queda. Isto significa que a Terra também acelera para o objeto até colidirem. Porque a massa da Terra é enorme, no entanto, a aceleração transmitida para a terra por esta força oposta é negligenciável em comparação com o objeto da. Se o objeto não saltar depois que colidiu com a Terra, cada um deles, em seguida, exerce uma repulsiva força de contato do outro que efetivamente equilibra a força de atração da gravidade e impede maior aceleração.

A força da gravidade na Terra é a resultante (soma vetorial) de duas forças: (a) A atração gravitacional de acordo com a lei universal da gravitação de Newton, e (b) a força centrífuga, que resulta da escolha de um terrestre, girando quadro de referência. No equador, a força da gravidade é o mais fraco, devido à força centrífuga provocada pela rotação da Terra. A força da gravidade varia com a latitude e se torna mais forte à medida que aumenta a latitude em direção aos pólos. O valor padrão de 9,80665 m / s 2 é a única originalmente adotado pelo Comitê Internacional de Pesos e Medidas em 1901 para 45° de latitude, embora tenha se mostrado muito alto por cerca de cinco peças em dez mil. Este valor tem persistido em meteorologia e em alguns ambientes como padrão o valor para 45° de latitude, mesmo que se aplica com mais precisão a latitude de 45° 32’33 “.

Equações para um corpo que cai, perto da superfície da Terra

Gravidade
Bola em queda livre por gravidade. Veja o texto de descrição.

Sob a assunção de constante da gravidade, a lei da gravitação universal de Newton simplifica para F = mg , onde m é a massa do corpo e g é um vetor com uma amplitude constante média de 9,81 m / s 2 . A aceleração da gravidade é igual a este g . Um objeto inicialmente estacionário que é permitido cair livremente, sob gravidade cai uma distância que é proporcional ao quadrado do tempo decorrido. A imagem à direita, abrangendo meio segundo, foi capturado com um flash estroboscópico a 20 flashes por segundo. Durante o primeiro 1 / 20 de um segundo, a bola cai uma unidade de distância (aqui, uma unidade é de cerca de 12 mm); por 2 / 20 que caiu no total de quatro unidades, por 3 / 20 , 9 unidades e assim por diante.

De acordo com os mesmos pressupostos constantes gravidade, a energia potencial , E p , de um corpo a uma altura h é dada por E p = mgh (ou E p = Wh , com W peso significado). Esta expressão é válida apenas por pequenas distâncias h a partir da superfície da Terra. Similarmente, a expressão h = tfrac {v ^ 2} {2g}para a altura máxima atingida por um corpo verticalmente projetado com velocidade inicial v é útil para pequenos alturas e apenas pequenas velocidades iniciais.

Gravidade e astronomia

A descoberta e aplicação da lei de Newton de contas de gravidade para as informações detalhadas que temos sobre os planetas do nosso sistema solar, a massa do Sol, a distância às estrelas, quasares e até mesmo a teoria da matéria escura . Apesar de não ter viajado para todos os planetas nem ao Sol, sabemos suas massas. Estas massas são obtidas através da aplicação da lei da gravidade para as características de medição da órbita. No espaço de um objeto mantém a sua órbita por causa da força da gravidade agindo sobre ela. Estrelas, planetas orbitam estrelas orbitam núcleos galáticos , galáxias orbitam um centro de massa em clusters e clusters órbita em superaglomerados. A força da gravidade exercida sobre um objeto por outro é diretamente proporcional ao produto da massa desses objetos e inversamente proporcional ao quadrado da distância entre elas.

Radiação gravitacional

Na relatividade geral, a radiação gravitacional é gerado em situações em que a curvatura do espaço-tempo está oscilando, como é o caso com co-objetos em órbita. A radiação gravitacional emitida pelo Sistema Solar é muito pequena para medir. No entanto, a radiação gravitacional foi indiretamente observado como uma perda de energia ao longo do tempo em sistemas binários pulsar como PSR B1913 +16 . Acredita-se que a estrela de nêutrons fusões e buraco negro formação pode criar quantidades detectáveis de radiação gravitacional. Observatórios radiação gravitacional, como o Laser Interferometer Observatório de Ondas Gravitacionais ( LIGO ) foram criados para estudar o problema. Não há deteções confirmadas foram feitas desta radiação hipotético, mas como a ciência por trás LIGO é refinado e, como os próprios instrumentos são dotados de maior sensibilidade ao longo da próxima década, isso pode mudar.

Velocidade da gravidade

Em dezembro de 2012, uma equipe de pesquisa na China, anunciou que tinha produzido medições do atraso de fase de marés da Terra durante as luas cheia e nova, que parecem provar que a velocidade da gravidade é igual à velocidade da luz. As conclusões da equipe foram lançados no Boletim de Ciências chinesa em fevereiro de 2013.

Anomalias e discrepâncias

Existem algumas observações que não são devidamente contabilizados, o que pode apontar para a necessidade de melhores teorias de gravidade ou, talvez, ser explicada por outros meios.

Gravidade
Curva de rotação de uma galáxia espiral típica: previsto ( A ) e observada ( B ). A discrepância entre as curvas é atribuído à matéria escura.

Estrelas extra rápido : Estrelas em galáxias seguem uma distribuição de velocidades onde as estrelas na periferia estão se movendo mais rápido do que deveriam de acordo com as distribuições observadas de matéria normal. Galáxias em aglomerados de galáxias mostram um padrão similar. matéria escura , que interagem gravitacionalmente, mas não eletromagneticamente, explicaria a discrepância. Várias modificações a dinâmica newtoniana também têm sido propostos.

Anomalia sobrevôo : Various espaçonave tiveram maior aceleração do que o esperado durante gravidade auxiliar manobras.

Expansão acelerada : A expansão métrica do espaço parece estar se acelerando. energia escura foi proposta para explicar isso. A recente explicação alternativa é que a geometria do espaço não é homogêneo (devido a aglomerados de galáxias), e que quando os dados são reinterpretadas para levar isso em conta, a expansão não está acelerando, afinal de contas. No entanto, esta conclusão é contestada.

Aumento anômalo da unidade astronômica : Medições recentes indicam que as órbitas planetárias estão se ampliando mais rápido do que se fosse apenas através do sol perdendo massa, irradiando energia.

Fótons energéticos extras : fótons viajam através de aglomerados de galáxias deve ganhar energia e depois perdê-lo novamente no caminho para fora. A expansão acelerada do universo deve parar os fótons que retornam toda a energia, mas mesmo tendo isso em conta fótons da radiação cósmica de fundo de microondas ganho duas vezes mais energia do que o esperado. Isso pode indicar que a gravidade cai mais rápido do que o inverso do quadrado em certas escalas de distância.

Extras enormes nuvens de hidrogênio : As linhas espectrais da Lyman-alpha floresta sugerem que as nuvens de hidrogênio são mais aglutinados em certas escalas que o esperado e, como fluxo escuro , pode indicar que a gravidade cai mais lento do que do inverso do quadrado em determinadas escalas de distância.

Fonte: en.wikipedia.org

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Lei Zero da Termodinâmica

PUBLICIDADE O que é a Lei Zero da Termodinâmica? Na natureza todos os corpos sofrem …

Equações de Maxwell

Equações de Maxwell

PUBLICIDADE Quais são as Equações de Maxwell? As quatro Equações de Maxwell descrevem os campos …

Corrente Contínua

Corrente Contínua

PUBLICIDADE O que é corrente contínua? A corrente contínua (CC) é unidirecional, portanto o fluxo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+