Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Reciclar Vidro  Voltar

Reciclar Vidro

 

Reciclar Vidro
Reciclagem de Vidro

O que é reciclagem?

Reciclagem é um conjunto de técnicas que têm por finalidade, aproveitar os detritos e reutilizá-los no ciclo de produção do qual saíram. É o resultado de uma série de atividades, pelo qual materiais que se tornariam lixo, ou estão no lixo, são desviados, coletados, separados e processados para serem usados como matéria-prima na manufatura de novos produtos.

Reciclagem é um termo originalmente utilizado para indicar o reaproveitamento (ou a reutilização) de um material no mesmo processo em que, por alguma razão foi rejeitado.

Vidros recicláveis

Embalagens
Garrafas de vários formatos
Copos
Vidros planos
Potes

Vidros não recicláveis

Espelhos
Lâmpadas
Cerâmica
Porcelana
Tubos de TV
Benefícios da Reciclagem de Vidro
A reciclagem de vidro no Brasil atinge 35%.

Preserva o meio-ambiente

Com um quilo de vidro quebrado faz-se exatamente um quilo de vidro novo. E a grande vantagem do vidro é que ele pode ser reciclado infinitas vezes. Em compensação, quando não é reciclado, o vidro pode demorar 1 milhão de anos para decompor-se.

Exemplificando:

10% de "cacos" > 4% ganho energético
1 ton de "cacos" > economia de1,2 ton de matérias-primas
10% de "cacos" > reduz em 5% a emissão de CO2 (Protocolo de kyoto)

Com um quilo de vidro se faz outro quilo de vidro

Além da vantagem de se reciclar 100% do vidro, preservam-se recursos naturais importantes como areia, calcário, barrilha, água entre outros. Na reciclagem do vidro, todos saem ganhando devido a preservação da natureza.

Além da redução do consumo de matérias-primas retiradas da natureza, a adição do caco à mistura reduz o tempo de fusão na fabricação do vidro, tendo como conseqüência uma redução significativa no consumo energético de produção e consequente ganho de produtividade.

Também proporciona a redução de custos de limpeza urbana e diminuição do volume do lixo em aterros sanitários.

Gera empregos

Todo processo de reciclagem, além de preservar o meio-ambiente, gera um acréscimo econômico, pois gera muita mão de obra além de serviços de terceirizados.

Características

Em sua forma pura, vidro é um material transparente, relativamente forte, resistente, essencialmente inerte e biologicamente inativo, que pode ser formado com superfícies muito lisas e impermeáveis. Estas propriedades desejáveis conduzem a um grande número de usos do vidro. O vidro é, entretanto, frágil e quebra-se em cacos afiados. Estas propriedades podem ser modificadas, ou mesmo ser mudadas inteiramente, com a adição de outros compostos ou tratamento de calor.

Um outro conceito importante é: vidro é um óxido metalico superesfriado

O vidro é um material duro, frágil e geralmente transparente. Substância inorgânica, amorfa e fisicamente homogênea, obtida por resfriamento de uma massa em fusão, que endurece pelo aumento contínuo de viscosidade,não alcançado o estado solido definitivo. Certos autores consideram o vidro um sólido amorfo, ou seja, sem estrutura cristalina, porém, o vidro apresenta caracteristicas de um liquído em sua ordenação atômica, mesmo em temperatura ambiente, ou seja quando tem a aparência de sólido, por tatar-se de uma substância de alta viscosidade (indice de viscosidade = 10^40 em 20°C). O vidro comum obtém-se por fusão em torno de 1.250 ºC de dióxido de silício , (Si O2), carbonato de sódio (Na2 CO3) e carbonato de cálcio (CaCO3). Sua manipulação só é possível enquanto fundido, quente e maleável

História do Vidro

Segundo a lenda, que surgiu com o escritor romano Plínio, o Velho, os fenícios ou marinheiros egípcios numa praia da Fenícia inventaram o vidro por acaso. Isso aconteceu quando blocos de natro (carbonato de sódio) foram usados para sustentar uma vasilha posta sobre uma fogueira acesa na areia. O calor atingiu uma intensidade que foi suficiente para derreter os dois ingredientes, escorreram juntos e formaram o vidro.

A indústria do vidro experimentou uma mudança espectacular a partir do primeiro quarto do século XIX, graças ao barateamento da produção da soda. Esta redução de preço ocorreu originalmente devido a um método de obtenção criado pelo químico Italiano Nicolas Oliveira no final do século XVIII. Desde então iniciou-se a fabricação de vidros de grande qualidade para instrumentos ópticos, garrafas, vasos e outros utensílios, com a consequente melhoria da qualidade de vida.

Mas o processo de produção em larga escala de placas de vidro para janelas só foi descoberto em 1910, ao mesmo tempo por Irving W. Colburn (1861-1917), nos EUA, e por Emile Fourcault, na Bélgica.

Fonte: www.recividro.com

Reciclar Vidro

Caracterização do material

O vidro é uma substância inorgânica, amorfa e fisicamente homogênea, obtida por resfriamento de uma massa em fusão que endurece pelo aumento contínuo de viscosidade até atingir a condição de rigidez, mas sem sofrer cristalização (Barsa).

Industrialmente pode-se restringir o conceito de vidro aos produtos resultantes da fusão, pelo calor, de óxidos ou de seus derivados e misturas, tendo em geral como constituinte principal a sílica ou o óxido de silício (SiO2), que, pelo resfriamento, endurecem sem cristalizar.

Composição química

As composições individuais dos vidros são muito variadas, pois pequenas alterações são feitas para proporcionar propriedades específicas, tais como índice de refração, cor, viscosidade etc. O que é comum a todos os tipos de vidro é a sílica, que é a base do vidro.

A tabela abaixo dá uma noção das possíveis variações na composição deste material, levando em conta os tipos mais comuns de vidro.

Tabela I: Composição química de diferentes tipos de vidros (VAN VLACK, 1973)

 

Tipo

 

Componentes Majoritários %

 

Propriedades

 

SiO2

 

Al2O3

 

CaO

 

Na2O

 

B2O3

 

MgO

Sílica fundida  

99

          Dilatação térmica muito baixa, viscosidade muito alta
Borosilicato (pyrex)  

81

 

2

   

4

 

12

 

Baixa expansão térmica, pequena troca de íons

Vasilhames  

74

 

1

 

5

 

15

   

4

Fácil trabalhabilidade, grande durabilidade

Classificação ambiental

Não disponível.

Trata-se de produto não biodegradável.

Apresentação do material

O vidro destinado à reciclagem apresenta-se na forma de cacos, utensílios como garrafas, embalagens etc, com cores e dimensões variadas.

Origem

A sucata de vidro se origina da própria utilização do vidro em nosso cotidiano, o que engloba vasilhames, copos, vidraças etc. Sucata de vidro é todo o vidro já utilizado ao menos uma vez que perde sua função pois sua reutilização é impossibilitada por algum fator ou simplesmente é inviável.

Dessa forma, as alternativas que restam a esta sucata são: a reciclagem ou os depósitos de lixo.

Localização

A sucata de vidro pode ser encontrada no lixo doméstico, industrial, comercial e hospitalar (neste caso, são necessárias providências especiais para evitar a contaminação), obtidos em campanhas de reciclagem como coleta seletiva de lixo, ou oriundos de refugos nas próprias fábricas de vidro.

Estatísticas

Segundo o CEMPRE (199?), o Brasil produz aproximadamente 800.000 toneladas de embalagens de vidro anualmente. Mas apenas 27,6% (220,8 mil toneladas) de embalagens de vidro são recicladas. Deste montante, 5% é gerado por engarrafadores de bebidas, 10% por sucateiros e 0,6% oriundo de coletas promovidas pelas vidrarias. O restante, 12%, provém de refugos de vidro gerados nas fábricas. Dos outros 72,4%, parte é descartada, parte é reutilizada domesticamente e parte é retornável.

Os EUA reciclam cerca de 37% da produção, sendo que em 1993, a cidade de Nova Iorque coletou 27.000 toneladas de sucata de vidro, e esperava-se que esta quantia aumentasse para 110.000 em 1997.

O Reino Unido, por sua vez, recicla aproximadamente 27,5% da produção. É importante ressaltar que cerca de 10% do lixo doméstico destes países é composto por vidro. A média européia de reciclagem de vidro, por sua vez, é superior a 50% da produção.

Tecnologias para reciclagem

São descritas abaixo as principais formas de reciclagem de vidro, já que existe um grande leque de possibilidades. Há um estudo realizado por J. Reindl denominado "Reuse/recycling of glass cullet for non-container uses" em que são tratadas, de forma informativa, mais de sessenta formas de reciclagem de vidro.

Reciclagem 1

Vidro: É a reciclagem mais comum, e portanto a mais conhecida que este produto sofre.
Vantagens:
Diminuição da energia necessária para a fundição.

Processo de produção

O vidro é rederretido, possibilitando a produção de novos utensílios.

Grau de desenvolvimento

Este processo já é utilizado com eficiência, estando em escala industrial.

Reciclagem 2

Agregado para cimento Portland: Estudos estão sendo feitos no intuito de verificar a possibilidade da utilização de sucata de vidro em substituição a uma porcentagem dos agregados.
Vantagens:
Este tipo de reciclagem proporciona à economia de agregados naturais que são os comumente utilizados para este fim.

Processo de produção

Para este fim, o vidro é moído e/ou quebrado em cacos - estão sendo feitos estudos para a determinação da melhor maneira de inserir o vidro na pasta de cimento.

Grau de desenvolvimento

Em pesquisa.

O principal obstáculo a ser ultrapassado é a reação álcali-agregado que pode ser intensificada uma vez que o vidro é composto de sílica, a qual pode reagir com os álcalis do cimento em meio aquoso. Esta reação tem como produto um gel que sofre expansão em presença de água, o que pode comprometer o desempenho do concreto se não for controlado de maneira adequada.

Reciclagem 3

Agregado para concreto asfáltico: A sucata de vidro é utilizada na forma de cacos e adicionada ao concreto asfáltico como se fosse um agregado comum.
Vantagens:
A vantagem neste caso é a mesma do agregado para cimento Portland.

Processo de produção

Não há necessidade de nenhum equipamento especial para esta utilização.

Grau de desenvolvimento

Este processo já foi utilizado em algumas cidades americanas, mesmo assim ainda é objeto de estudos e desenvolvimento.

Os cuidados que devem ser tomados são relativos aos problemas de expansibilidade dos produtos de reações indesejadas, assim como no caso anterior.

Reciclagem 4

Outros

Além das formas de reciclagem citadas acima, existem inúmeras outras, tais como: agregados para leitos de estradas, materiais abrasivos, blocos de pavimentação, cimento a ser aplicado em encanamentos, tanques sépticos de sistemas de tratamento de esgoto, filtros, janelas, clarabóias, telhas etc. Todas estas aplicações utilizam a sucata de vidro moída e/ou em cacos (o tamanho do vidro varia conforme a aplicação) adicionada em porcentagens adequadas aos elementos já constituintes.

Comentários gerais

O vidro apresenta uma altíssima taxa de reaproveitamento e reciclagem, tanto na reciclagem tradicional, quanto nas novas formas que estão sendo propostas. Sendo assim, cabe a nós o desenvolvimento de técnicas que otimizem e viabilizem cada vez mais estes processos.

Bibliografia

MEYER, C. Students Turn Glass to Concrete for Science Prize. http://www.columbia.edu/cu/pr/18929a.html, 12/01/98.
MEYER, C. 'Glascrete' Will Recycle Waste, Says Engineer. http://www.columbia.edu/cu/record/record2020.17.html, 12/01/98.
REINDL, J. Reuse/recycling of glass cullet from non-container uses. Madison: Dane County Department of Public Works, 1998, 95 p. (mimeografado)
VAN VLACK, L. H. Propriedades dos materiais cerâmicos. São Paulo: Edgard Blücher, 1973, 7ªedição, p. 55-67
NEVILLE, ADAM M. Propriedades do concreto. São Paulo: PINI, 1982, 2ªedição, p.149-153.
HILL, E. D. Alkali limits for prevention of alkali-silica reaction: a brief review of their development. Cement, Concrete and Aggregates. ASTM, vol.18, nº1 june 1996 p.3-7
DOREMUS, R. H. Glass Science, Nova Iorque: Wiley, 1994, 2ª edição, 339 páginas.
Bauer, L. A . Falcão. Materiais de Construção. Rio de Janeiro : LTC – Livros Técnicos e Científicos, 1994, 5ª ed. Vol. 1, p. 49.
Maupin, G. W. Effect of Glass Concentration on Stripping of Glasphalt - Final Report. Virginia Transportation Research Council. Charlottesville, Virginia. 1998, 11 páginas.
BARSA, Enciclopédia. Rio de Janeiro: Encyclopaedia Britannica Consultoria Editorial LTDA. Vol. 15 p. 410 – 420
RECICLOTECA - Centro de Informações sobre Reciclagem e Meio Ambiente. Conheça sua embalagem: a embalagem de vidro. Informativo Recicloteca nº 3, p. 6, 1997.

Fonte: www.reciclagem.pcc.usp.br

Reciclar Vidro

Reciclar Vidro
Reciclar Vidro

O vidro, que foi descoberto no século 27aC, está presente em nosso dia-a-dia nos mais diversos objetos: em lâmpadas, janelas, óculos, utensílios domésticos, automóveis, microscópios, microcomputadores etc.

Mil e uma utilidades, porém, é um produto que pode levar até 5.000 anos para degradar. Ou seja, esse material que pode ser tão útil, também pode sujar o planeta, comprometer o meio ambiente e nossa qualidade de vida.

Daí a importância da adoção da reciclagem. E o vidro, dentre todos os materiais, é o único considerado 100% reciclável. Ou seja, todos os elementos que compõem o vidro podem, misturados a cacos limpos, ser reciclados e gerar um novo produto. Esse processo pode acontecer infinitas vezes.

Benefícios

A reciclagem do vidro pode trazer inúmeros benefícios à sociedade, como a economia de energia e de recursos minerais e o aumento de vida útil dos aterros sanitários.

Exceção Vidros que fazem parte do lixo hospitalar, por enquanto, não podem ser utilizados para reciclagem devido ao risco de contaminação por outros materiais depositados. Por esse motivo o destino deles é a incineração.

Orientações para o descarte do vidro

Para que o processo de reciclagem do vidro possa ser mais eficiente, recomenda-se:

Retirar tampas
Rótulos podem ficar
Lavar as embalagens (evitando a proliferação de insetos e o mau cheiro)
Embrulhar o vidro quebrado (para evitar acidentes)

Não serve

Embalagens misturadas com metais, pedras, concreto, cerâmica não servem para reciclagem, pois quando colocadas em altas temperaturas, elas produzem outros produtos

Cristais, vidros coloridos e os utilizados em lâmpadas, televisões, fogões e geladeiras também não podem ser reciclados por possuírem componentes não favoráveis ao processo

Reduzir, reutilizar e reciclar!

É importante lembrar que quando se pensa em colaborar para que o meio ambiente seja preservado, deve-se, além de reciclar os materiais, planejar reduzir e reutilizar. Por exemplo, é possível procurar diminuir a quantidade de vidro que se utiliza em casa e no trabalho; e também encontrar outras utilidades aos objetos antes de descartá-los, como usar uma garrafa como vaso ou um pote como ornamento ou porta-lápis.

Fonte: www.saudebrasilnet.com.br

Reciclar Vidro

O vidro é obtido pela fusão de componentes inorgânicos a altas temperaturas, e resfriamento rápido da massa resultante até um estado rígido, não-cristalino.

O processo de produção do vidro do tipo sodacal utiliza como matérias-primas, basicamente, arreia, barrilha, calcário e feldspato. Um procedimento comum do processo é adicionar-se à mistura das matérias-primas cacos de vidro gerados internamente na fábrica ou adquiridos, reduzindo sensivelmente os custos de produção.

O vidro é um material não-poroso que resiste a temperaturas de até 150°C (vidro comum) sem perda de suas propriedades físicas e químicas. Esse fato faz com que os produtos possam ser reutilizados várias vezes para a mesma finalidade.

A reciclagem de vidro significa enviar ao produtos de embalagens o vidro usado para que este seja reutilizado como matéria-prima para a produção de novas embalagens.

O vidro é 100% reciclável, não ocorrendo perda de material durante o processo de fusão. Para cada tonelada de caco de vidro limpo, obtém-se uma tonelada de vidro novo. Além disso, cerca de 1,2 tonelada de matéria-prima deixa de ser consumida.

Além da redução do consumo de matérias-primas retiradas da natureza, a adição do caco à mistura reduz o tempo de fusão na fabricação do vidro, tendo como conseqüência uma redução significativa no consumo energético de produção. Também proporciona a redução de custos de limpeza urbana e diminuição do volume do lixo em aterros sanitários.

Fonte: www.compam.com.br

Reciclar Vidro

O vidro é um dos materiais mais antigos que se conhecem. Acredita-se que ele foi descoberto há 4.000 anos pelos navegadores fe\nícios, que, ao fazerem uma fogueira na praia, verificaram que com o calor, a areia, o salitre e o calcário reagiram, formando o vidro.

O Brasil produz em média 900 mil toneladas de embalagens de vidro por ano. Deste total ¼ da matéria prima é proveniente de matéria reciclada em forma de caco, gerada a partir de refugos das fábricas e de coleta seletiva.

O vidro é feito a partir da combinação de areia, calcário, barrilha e feldspato. Ele é durável, inerte e tem alta taxa de reaproveitamento as residências.

É infinitamente reciclável, sem perder suas qualidades.

QUANTO É RECICLADO

42% das embalagens de vidro são recicladas no Brasil, somando 378 mil toneladas por ano, que são geradas por engarrafadores de bebidas, sucateiros, vidrarias e refugos de fábricas.

VANTAGENS DE RECICLAR O VIDRO

O material é de fácil reciclagem, podendo voltar à produção de novas embalagens, substituindo totalmente o produto virgem sem perda de suas qualidades.

A inclusão de caco de vidro no processo normal de fabricação de vidro reduz o gasto com energia: para cada 10% de caco de vidro na mistura, economiza-se 2,5% de energia necessária para a fusão nos fornos industriais.

O CICLO DE VIDA DO VIDRO

Os cacos de vidro encaminhados para a reciclagem deve ser separados por cor, para evitar alterações de padrão visual do produto final e reações que formam espumas indesejáveis no forno.

Não podem também conter pedaços de cristais, espelhos, lâmpadas e vidro plano usado nos automóveis e na construção civil.

Nos sistemas de reciclagem mais complexos, o vidro bruto estocado em tambores é submetido a eletroímã para separação dos metais contaminantes.

O material é lavado em tanque com água, que após o processo precisa ser tratada e recuperada para evitar desperdício e contaminação de cursos d'água.

Depois, o material passa por uma esteira ou mesa destinada à catação de impurezas, como restos de metais, pedras, plásticos e vidros indesejáveis que não tenham sido retidos.

Um triturador transforma as embalagens em cacos de tamanho homogêneo, que são encaminhados para uma peneira vibratória.

Outra esteira leva o material para um segundo eletroímã, que separa metais ainda existentes nos cacos.

O vidro é armazenado em silo ou tambores para abastecimento da vidraria, que usa o material na composição de novas embalagens.

Fonte: www.reviverde.org.br

Reciclar Vidro

Reciclagem de vidro: é o processo pelo qual o vidro é reutilizado na produção de outro produto. Dependendo da finalidade do seu uso, pode ser necessário separá-lo em cores diferentes.

As três cores principais são: vidro incolor, vidro verde e vidro marrom/âmbar.

O vidro é um material ideal para a reciclagem e pode, dependendo das circunstâncias, ser infinitamente reciclado. O uso de vidro reciclado em novos recipientes e cerâmicas possibilita a conservação de materiais, a redução do consumo de energia (o que ajuda nações que têm que seguir as diretrizes do Protocolo de Quioto) e reduz o volume de lixo que é enviado para aterros sanitários.

Os componentes de vidro decorrentes de lixo municipal (lixo doméstico e comercial) são geralmente: garrafas, artigos quebrados, lâmpada incandescente, potes de alimentos e outros tipos de materiais. A reciclagem de vidro implica em um gasto de energia consideravelmente menor do que a sua manufatura através de areia, calcário e carbonato de sódio. O vidro pronto para ser novamente derretido é chamado de cullet.

Reuso do vidro: é preferível à sua reciclagem. Garrafas são extensamente reutilizadas em muitos países europeus e no Brasil. Na Dinamarca, 98% das garrafas são reutilizadas e 98% destas retornam para os consumidores. Porém, estes hábitos são incentivados pelo governo. Em países como a Índia, o custo de fabricação das novas garrafas obriga a reciclagem ou o reuso de garrafas velhas.

Fonte: www.reciclaveis.com.br

Reciclar Vidro

O vidro não é um produto biodegradável, ou seja, quando descartado na natureza, ele não se decompõe. Por isso é necessário que seja reciclado.

O processo de reciclagem do vidro se dá através do derretimento do vidro utilizado e a formação de novos utensílios, como garrafas, vasilhames, telhas, calhas, etc.

A sucata de vidro é todo vidro já utilizado que perdeu a sua função e a reutilização é impossibilitada por algum motivo. Grande parte do vidro utilizado em nosso cotidiano pode ser reaproveitada através da reciclagem.

Reciclar Vidro
Reciclagem de Vidro

A maior preocupação com a sucata do vidro é a contaminação. O vidro que vai para o derretimento não pode conter material como metal ou plástico aderido para não contaminar o produto final diminuindo a qualidade do novo vidro que será formado.

A principal vantagem da reciclagem do vidro é a economia de energia no processo de fundição da sucata. Para cada 10% de caco de vidro na mistura economiza-se 2,5% da energia necessária para a fusão nos fornos industriais.

Vidros recicláveis: copos, garrafas, frascos, vasilhas, cacos, pratos, etc.

Vidros não-recicláveis: espelhos, vidros Planos (portas, janelas, tampos de mesa); vidros laminados (pára-brisa); vidros temperados; cerâmica; tubos de TV; pratos e copos refratários; louças, cristais, porcelana; óculos; ampolas de injeção.

Fonte: bbel.uol.com.br

Reciclar Vidro

Processos

Tal qual os outros materiais o grande problema do vidro consiste na coleta dos materiais, e o maior cuidado a ser tomado no processo de reciclagem do vidro consiste na retirada das impurezas presentes no material.

Todo cuidado deve ser tomado em relação às impurezas para que o reciclador ou coletador possa agregar mais valor ao produto.

Os principais contaminantes presentes no vidro e que devem ser separados são os gargalos de metal, tampas e outros materiais diferentes presentes neste tipo de embalagem.

Os cacos devem chegar as vidrarias isentos de qualquer impureza de outra natureza tais como:

Pedras, pedaços de madeira, ferro, plásticos, etc.

Todos estes materiais provocam algum tipo de problema na hora da fabricação, alguns interferindo na qualidade final do produto outros podendo inclusive causar danos ao forno.

Nem todo tipo de vidro pode ser reciclado devido a presença de produtos diferentes dos usados em embalagem na sua composição original.

O ideal é que o vidro destinado às vidrarias para posterior reciclagem passe por um processo de separação cuidadoso a fim de garantir a qualidade do material.

Os rótulos de papel não apresentam problema pois queimam totalmente no interior do forno.

Reciclável

Recipientes em geral, copos, garrafas de vários tamanhos, embalagens de molhos, etc.

Não recicláveis

Vidros planos, espelhos, lâmpadas, tubos de tv, cerâmica, porcelana.

Reciclar Vidro
Triturador de Vidro Móvel

Reciclar Vidro

Para o aproveitamento adequado e um aumento no valor agregado do produto o ideal é fazer a pré lavagem das garrafas retirando das mesmas todo tipo de contaminante.

Após a separação as garrafas deverão ser trituradas a fim de diminuir o volume para o transporte.

As garrafas são colocadas na moega, sobem pela esteira e são trituradas na câmara de moagem, estando prontas para o transporte.

O equipamento da figura acima é um modelo muito usado em outros países e seu uso é pouco difundido entre as cooperativas no Brasil.

Normalmente o equipamento usado em nosso pais é outro tipo de modelo, conforme figura ao lado.

O triturador é colocado sobre um tambor onde são depositados os cacos.

Um modelo mais simples e fácil de manusear, ideal para pequenas quantidades de vidro.

O equipamento apresentado anteriormente se adapta melhor a grandes quantidades, pela facilidade de transporte.

Reciclar Vidro
Triturador de vidro para tambor

Os trituradores são essenciais para os que querem se iniciar na reciclagem do vidro.

Existem linhas de descontaminação mais complexas para altas quantidades de vidro.

Reciclar Vidro
Unidade de Moagem e Lavagem de Vidro

Dicas para quem quer montar um negócio como este:

Pesquisar na sua região em todos os órgãos governamentais ligados a área e indagar sobre programas de coleta de onde você possa comprar seu material
Desenvolver parcerias com Ong's e Empresas privadas
Desenvolver canais de compra de material em outras regiões
Desenvolver seu próprio programa de coleta

Unidades de Moagem e Lavagem de Vidro:

Linhas de Moagem e Lavagem = U$ 35.000,00 a U$ 70.000,00

Triturador (tambor) = US$ 500,00 (preço estimado)

Área = 200 a 1000 m2 (estimada)

Galpão = 50 a 100 m2 (estimada)

Energia = em unidades pequenas não é necessário transformador, entrada trifásica normal

Fonte: www.reciclaveis.com.br

Reciclar Vidro

Preservação do meio Ambiente Geração de Empregos

Lucratividade

Preservação do meio ambiente

Embalagens de vidro podem ser totalmente reaproveitadas no ciclo produtivo, sem nenhuma perda de material.

A produção a partir do próprio vidro também consome menor quantidade de energia e emite residuos menos particulados de CO2, o que também contribui para a preservação do meio ambiente.

Outro aspecto é o menor descarte de lixo, reduzindo os custos de coleta urbana, e aumenteando a vida útil dos aterros sanitários.

O vidro é 100% reciclável e pode ser reciclado inúmeras vezes, pois é feito de minerais como, areia, barrilha, calcário e feldspato.

Ao agregarmos o caco na fusão, diminuimos a retirada de matéria-prima da natureza.

10% de "cacos" > 4% ganho energético
1 ton de "cacos" > economia de1,2 ton de matérias-primas
10% de "cacos" > reduz em 5% a emissão de CO2 (Protocolo de kyoto)

Geração de empregos

A instalação de um processo de coleta e beneficiamento de reciclagem de vidro gera empregos que não demandam, em sua maioria, qualquer especialização, beneficiando camadas geralmente mais carentes da população.

Assim, além de ser uma atividade lucrativa, a reciclagem empresarial também tem forte caráter social.

Viabilidade Ecônomica

A reciclagem do vidro, é uma atividade econômicamente viável.

No Brasil a reclicagem ainda é vista como uma atividade marginal, de subsistência e, como tal, carece de uma mentalidade empresarial.

Dentro deste modelo, a reciclagem é um nicho de mercado inexplorado, com grande potencial de lucratividade.

Benefícios da reciclagem do vidro

Tudo isso considerado, é possível dizer que o vidro é o material de embalagem mais amigo do homem.

Se toda a população se conscientizasse dos benefícios da reciclagem seria possível reaproveitar integralmente as embalagens com enormes beneficios ecológicos, econômicos e sociais.

Estas características são únicas do vidro que, além das suas vantagens como material, acrescenta a elas o benefícios de sua própria reciclagem.

Fonte: www.abividro.org.br

Reciclar Vidro

O vidro é feito de uma mistura de matérias-primas naturais. Conta-se que ele foi descoberto por acaso, quando, ao fazerem fogueiras na praia, os navegadores perceberam que a areia e o calcário (conchas) se combinaram através da ação da alta temperatura. Há registros de sua utilização desde 7.000 a.C. por sírios, fenícios e babilônios.

Hoje o vidro está muito presente em nossa civilização e pode ser moldado de qualquer maneira: nos pára-brisas e janelas dos automóveis, lâmpadas, garrafas, compotas, garrafões, frascos, recipientes, copos, janelas, lentes, tela de televisores e monitores, fibra ótica e etc.

As matérias-primas do vidro sempre foram as mesmas há milhares de anos. Somente a tecnologia é que mudou, acelerando o processo e possibilitando maior diversidade para seu uso.

Composição

O vidro é composto por areia, calcário, barrilha (carbonato de sódio), alumina (óxido de alumínio) e corantes ou descorantes.

Tipos de Vidro

Existem muitos tipos de vidros que apesar de partirem da mesma base, possuem composições diferentes, de acordo com a finalidade a que se destinam.

Veja a tabela a seguir.

Tipos

Aplicações

Vidro para embalagens
garrafas, potes, frascos e outros vasilhames fabricados em vidro comum nas cores branca, âmbar e verde;
Vidro plano
vidros de janelas, de automóveis, fogões, geladeiras, microondas, espelhos, etc .
Vidros domésticos
tigelas, travessas, copos, pratos, panelas e produtos domésticos fabricados em diversos tipos de vidro;
Fibras de vidro
mantas, tecidos, fios e outros produtos para aplicações de reforço ou de isolamento;
Vidros técnicos
lâmpadas incandescentes ou fluorescentes, tubos de TV, vidros para laboratório, para ampolas, para garrafas térmicas, vidros oftálmicos e isoladores elétricos.

Produção

Toda a matéria-prima é levada a um misturador. A mistura resultante é levada ao forno de fusão, onde, sob o efeito do calor, se transforma em vidro e é conduzido às máquinas de conformação, que são utilizadas de acordo com o tipo de vidro que se pretende obter. Após conformada, a peça de vidro deve ser recozida, isto é, deve ser esfriada lentamente até a temperatura ambiente, aliviando, desta forma, as tensões que normalmente surgem durante a conformação e tornando a peça mais resistente.

Reciclagem de Vidro

Dentre as principais vantagens do vidro está o fato dele ser 100% reciclável, ou seja, ele pode ser usado e posteriormente utilizado como matéria-prima na fabricação de novos vidros infinitas vezes sem perda de qualidade ou pureza do produto.

No processo de reciclagem os produtos devem ser separados por tipo e cores. Por exemplo, as embalagens de geléia e os copos comuns não devem ser misturados aos vidros de janela. As cores mais comuns são o âmbar (garrafas de cerveja e produtos químicos), o translúcido ou “branco” (compotas), verde (refrigerantes) e azul (vinho).

O vidro usado retorna às vidrarias, onde é lavado, triturado e os cacos são misturados com mais areia, calcário, sódio e outros minerais e fundidos.

FIQUE POR DENTRO

Além de ser 100% reciclável o vidro é muito bem aplicado para embalagens retornáveis. Neste caso a embalagem apenas sofre um processo de esterilização e pode ser utilizada novamente, como é feito com os cascos retornáveis de bebidas.

O uso de embalagens retornáveis reduz a necessidade de fabricação de novas embalagens, e conseqüentemente resulta em economia na extração de matéria-prima, nos gastos da fabricação e na emissão de poluentes proveniente do processo industrial.

No processo de reciclagem, o vidro comum funde a uma temperatura entre 1000oC e 1200oC, enquanto que a temperatura de fusão da fabricação do vidro, a partir dos minérios, ocorre entre 1500oC e 1600oC. Isso reflete em economia de energia e água, maior durabilidade dos fornos e ainda reduz a extração, beneficiamento e transporte dos minérios, diminuindo ainda mais os gastos energético e de materiais.

Fonte: www.recicloteca.org.br

Reciclar Vidro

O CONCEITO DE LIXO

Lixo é todo e qualquer resíduo proveniente das atividades humanas ou gerado pela natureza em aglomerações urbanas. Comumente, é definido como aquilo que ninguém quer. Porém, precisamos reciclar este conceito, deixando de enxergá-lo como uma coisa suja e inútil em sua totalidade. Grande parte dos materiais que vão para o lixo pode (e deveria) ser reciclada.

Tipos de lixo

Lixo Domiciliar/Urbano: É constituído pelo lixo de nossas casas, bares, lanchonetes, restaurantes, repartições públicas, lojas, supermercados, feiras e do comércio. Compõem-se principalmente de: sobras de alimentos, embalagens, papéis, papelões, plásticos, vidros, trapos, etc. Esse lixo normalmente é encaminhando para Aterros Sanitários.
Lixo Industrial:
É o lixo produzido pelas indústrias, que possui características peculiares dependendo das matérias-primas utilizadas. Pode ser perigoso, até mesmo tóxico, e, por isto, a menos que passe por processos de tratamento específicos, não pode ter sua disposição final no mesmo local do lixo domiciliar.
Lixo Hospitalar:
Pelas múltiplas possibilidades que apresenta de transmitir doenças de hospitais, deve ser transportado em veículos especiais. Assim como o lixo industrial, a menos que passe por processos de tratamento específico, deve ser disposto em local apropriado ou ir para os incineradores.
Lixo Agrícola:
Esterco, fertilizantes.
Lixo Tecnológico:
TVs, rádios, aparelhos eletrônicos em geral.

Números do lixo no Brasil

A quantidade de lixo produzida semanalmente por um ser humano é de aproximadamente 5 Kg. Se somarmos toda a produção mundial, os números são assustadores.

Só o Brasil produz 240 mil toneladas de lixo por dia. O aumento excessivo da quantidade de lixo se deve ao aumento do poder aquisitivo e ao perfil de consumo de uma população. Além disso, quanto mais produtos industrializados existir, mais lixo é produzido, como embalagens, garrafas, etc.

Em torno de 88% do lixo doméstico brasileiro vai para o aterro sanitário.

A fermentação gera dois produtos: o chorume e o gás metano.

Apenas 2% do lixo de todo o Brasil é reciclado! Isso acontece porque reciclar é 15 vezes mais caro do que simplesmente jogar o lixo em aterros. A título de comparação, o percentual de lixo urbano reciclado na Europa e nos EUA é de 40%.

O QUE É RECICLAGEM?

Reciclagem é o retorno da matéria-prima ao ciclo de produção do qual foi descartado. O termo, porém, já vem sendo usado popularmente para designar o conjunto de técnicas envolvidas nesse processo: a coleta dos materiais que se tornariam lixo (ou que já estão no lixo), a separação desses materiais e o seu processamento.

O vocábulo surgiu na década de 1970, quando as preocupações ambientais passaram a ser tratadas com maior rigor, especialmente após o primeiro choque do petróleo, quando reciclar ganhou importância estratégica. As indústrias recicladoras são também chamadas secundárias, por processarem matéria-prima de recuperação. Na maior parte dos processos, o produto reciclado é completamente diferente do produto inicial.

POR QUE RECICLAR?

A reciclagem de materiais é muito importante, tanto para diminuir o acúmulo de dejetos, quanto para poupar a natureza da extração inesgotável de recursos. Além disso, reciclar causa menos poluição ao ar, à água e ao solo.

A produção de lixo vem aumentando assustadoramente em todo o planeta. Visando uma melhoria da qualidade de vida atual e para que haja condições ambientais favoráveis à vida das futuras gerações, faz-se necessário o desenvolvimento de uma consciência ambientalista.

O consumidor pode auxiliar no processo de reciclagem das empresas. Se separarmos todo o lixo produzido em residências, impedimos que a sucata se misture aos restos de alimentos, o que facilita seu reaproveitamento pelas indústrias. Dessa forma, evitamos também a poluição.

Nos países desenvolvidos como França e Alemanha, a iniciativa privada é encarregada do lixo. Fabricantes de embalagens são considerados responsáveis pelo destino dos detritos e o consumidor também tem que fazer a sua parte. Quando uma pessoa vai comprar uma pilha nova, por exemplo, é preciso entregar a pilha usada.

Vantagens da reciclagem

Cada 50 quilos de papel usado transformado em papel novo evita que uma árvore seja cortada. Pense na quantidade de papel que você já jogou fora até hoje e imagine quantas árvores você poderia ter ajudado a preservar.

Cada 50 quilos de alumínio usado e reciclado evita que sejam extraídos do solo cerca de 5.000 quilos de minério, a bauxita. Quantas latinhas de refrigerante você já jogou fora até hoje? Saiba também que uma lata de alumínio leva de 80 a 100 anos para decompor-se.

Com um quilo de vidro quebrado faz-se exatamente um quilo de vidro novo. E a grande vantagem do vidro é que ele pode ser reciclado infinitas vezes. Em compensação, quando não é reciclado, o vidro pode demorar 1 milhão de anos para decompor-se.

A reciclagem favorece a limpeza da cidade, pois o morador que adquire o hábito de separar o lixo dificilmente o joga nas vias públicas.

A reciclagem gera renda pela comercialização do material a ser reciclado.

A reciclagem dá oportunidade aos cidadãos de preservarem a natureza de uma forma concreta. Assim, as pessoas se sentem mais responsáveis pelo lixo que geram.

COMO RECICLAR

Veja como fazer a coleta seletiva e dar a sua parcela de contribuição na preservação do meio ambiente. (veja o que é coleta seletiva no item seguinte).

Passo a passo

1. Procure o programa organizado de coleta de seu município ou uma instituição, entidade assistencial ou catador que colete o material separadamente. Veja primeiro o que a instituição recebe, afinal, não adianta separar plástico se a entidade só recebe papel.

2. Para uma coleta ideal, separe os resíduos em não-recicláveis e recicláveis. Entre os recicláveis, separe papel, metal, vidro e plástico.

3. Veja exemplos de materiais recicláveis:

Papel: jornais, revistas, formulários contínuos, folhas de escritório, caixas, papelão, etc.
Vidros:
garrafas, copos, recipientes.
Metal:
latas de aço e de alumínio, clipes, grampos de papel e de cabelo, papel alumínio.
Plástico:
garrafas de refrigerantes e água, copos, canos, embalagens de material de limpeza e de alimentos, sacos.

4. Escolha um local adequado para guardar os recipientes com os materiais recicláveis até a hora da coleta. Antes de guardá-los, limpe-os para retirar os resíduos e deixe-os secar naturalmente. Para facilitar o armazenamento, você pode diminuir o volume das embalagens de plástico e alumínios amassando-as. As caixas devem ser guardadas desmontadas.

Atenção

Os objetos reciclados não serão transformados nos mesmos produtos.

Por exemplo: garrafas recicláveis não serão transformadas em outras garrafas, mas em outros materiais, como solados de sapato.

O QUE É COLETA SELETIVA?

É um sistema de recolhimento de materiais recicláveis, tais como papéis, plásticos, vidros, metais e orgânicos, previamente separados na fonte geradora. Estes materiais são vendidos às indústrias recicladoras ou aos sucateiros.

As quatro principais modalidades de coleta seletiva são: domiciliar, em postos de entrega voluntária, em postos de troca e por catadores.

A coleta seletiva domiciliar assemelha-se ao procedimento clássico de coleta normal de lixo. Porém, os veículos coletores percorrem as residências em dias e horários específicos que não coincidam com a coleta normal.

A coleta em PEV (Postos de Entrega Voluntária) ou em LEV (Locais de Entrega Voluntária) utiliza normalmente contêineres ou pequenos depósitos, colocados em pontos fixos, onde o cidadão, espontaneamente, deposita os recicláveis.

A modalidade de coleta seletiva em postos de troca se baseia na troca do material entregue por algum bem ou benefício.

O sucesso da coleta seletiva está diretamente associado aos investimentos feitos para sensibilização e conscientização da população. Normalmente, quanto maior a participação voluntária em programas de coleta seletiva, menor é seu custo de administração. Não se pode esquecer também a existência do mercado para os recicláveis.

Simbologias e cores na reciclagem

As cores dos contêineres apropriados para a coleta seletiva de lixo:

Azul: papel e papelão
Amarelo: metais
Vermelho: plásticos
Verde: vidros
Preta: madeiras

Até hoje não se sabe onde e com que critério foi criado o padrão de cores dos contêineres utilizados para a coleta seletiva voluntária em todo o mundo. No entanto, alguns países já reconhecem esse padrão como um parâmetro oficial a ser seguido por qualquer modelo de gestão de programas de coleta seletiva.

Saiba o que pode e o que não pode ser reciclado

Existem diversos tipos de materiais que podem ser reciclados. No entanto, é preciso tomar cuidado porque, em muitos casos, esses materiais apresentam derivações que não são recicláveis.

Por exemplo: o papel, em geral, pode ser reciclado. Mas aquele papel de etiquetas e de fotografias não pode ser reaproveitado.

Exemplos:

Papel reciclável

Jornais e revistas
Folhas de caderno
Formulários de computador
Caixas em geral
Aparas de papel
Fotocópias
Envelopes
Provas
Rascunhos
Cartazes velhos
Papel de fax

Papel não reciclável

Etiqueta adesiva
Papel carbono
Fita crepe
Papéis sanitários
Papéis metalizados
Papéis parafinados
Papéis plastificados
Papéis sujos
Guardanapos
Pontas de cigarro
Fotografias

Metal reciclável

Lata de folha de flandres (lata de óleo, de salsicha, leite em pó etc)
Lata de alumínio
Sucatas de reformas

Metal não reciclável

Esponjas de aço
C anos

Vidros recicláveis

Embalagens
Garrafas de vários formatos
Copos

Vidros não recicláveis

Espelhos
Vidros planos
Lâmpadas
Cerâmica
Porcelana
Tubos de TV - gesso

Plástico reciclável

Embalagem de refrigerante
Embalagem de material de limpeza
Copinho de café
Embalagem de margarina
Canos e tubos
Sacos plásticos em geral

Plástico não reciclável

Cabo de panela
Tomadas
Embalagem de biscoito
Misturas de papel, plásticos e metais

SAIBA COMO FAZER PAPEL RECICLADO

Material necessário

Papel e água
Bacias: rasa e funda
Balde
Moldura de madeira com tela de nylon ou peneira reta
Moldura de madeira vazada (sem tela)
Liquidificador
Jornal ou feltro
Pano (ex.: morim)
Esponjas ou trapos
Varal e pregadores
Prensa ou duas tábuas de madeira
Peneira côncava (com "barriga")
Mesa

Passo a passo

Passo 1: Preparando a polpa:

Pique o papel e deixe de molho durante um dia ou uma noite na bacia rasa, para amolecer. Coloque água e papel no liquidificador, na proporção de três partes de água para uma de papel. Bata por dez segundos e desligue. Espere um minuto e bata novamente por mais dez segundos. A polpa está pronta.

Passo 2: Fazendo o papel:

a) Despeje a polpa numa bacia grande, maior que a moldura.
b)
Coloque a moldura vazada sobre a moldura com tela. Mergulhe a moldura verticalmente e deite-a no fundo da bacia.
c)
Suspenda as molduras ainda na posição horizontal, bem devagar, de modo que a polpa fique depositada na tela. Espere o excesso de água escorrer para dentro da bacia e retire cuidadosamente a moldura vazada.
d)
Vire a moldura com a polpa para baixo, sobre um jornal ou pano.
e)
Tire o excesso de água com uma esponja.
f)
Levante a moldura, deixando a folha de papel artesanal ainda úmida sobre o jornal ou morim.

Passo 3: Prensando as folhas

Para que suas folhas de papel artesanal sequem mais rápido e o entrelaçamento das fibras seja mais firme, faça pilhas com o jornal da seguinte forma:

a) Empilhe três folhas do jornal com papel artesanal. Intercale com seis folhas de jornal ou um pedaço de feltro e coloque mais três folhas do jornal com papel. Continue até formar uma pilha de 12 folhas de papel artesanal.
b)
Coloque a pilha de folhas na prensa por 15 minutos. Se não tiver prensa, ponha a pilha de folhas no chão e pressione com um pedaço de madeira.
c)
Pendure as folhas de jornal com o papel artesanal no varal até que sequem completamente. Retire cada folha de papel do jornal ou morim e faça uma pilha com elas. Coloque esta pilha na prensa por 8 horas ou dentro de um livro pesado por uma semana.

Passo 4: efeitos decorativos

a) Misture à polpa: linha, gaze, fio de lã, casca de cebola ou casca de alho, chá em saquinho, pétalas de flores e outras fibras.
b)
Bata no liquidificador junto com o papel picado: papel de presente, casca de cebola ou de alho.
c)
Coloque sobre a folha ainda molhada: barbante, pedaços de cartolina, pano de tricô ou crochê. Neste caso, a secagem será natural - não é necessário pressionar com o pedaço de madeira.
d)
Para ter papel colorido: bata papel crepom com água no liquidificador e junte essa mistura à polpa. Outra opção é adicionar guache ou anilina diretamente à polpa.

Dicas importantes

A tela de nylon deve ficar bem esticada, presa à moldura por tachinhas ou grampos.

Reutilize a água que ficar na bacia para bater mais papel no liquidificador

Conserve a polpa que sobrar: peneire e esprema com um pano.

Guarde, ainda molhada (em pote plástico no congelador) ou seca (em saco de algodão).

A polpa deve ser ainda conservada em temperatura ambiente.

Fonte: www.ajudabrasil.org

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal