Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Meio Ambiente / Ecoturismo

Ecoturismo

PUBLICIDADE

 

Introdução

O Ecoturismo surge no Brasil como uma proposta de contemplação e conservação da natureza. Os debates sobre a necessidade de conservação do meio ambiente por meio de técnicas sustentáveis atingem a atividade turística e inserem uma nova maneira de vivenciar e usufruir as paisagens rurais, as áreas florestadas, as regiões costeiras, entre outros ecossistemas que são vistos como possíveis para um modelo de turismo mais responsável.

Este é o momento de discutir uma nova forma de uso e fruição dos espaços pelos turistas.

O turismo massivo é debatido como o agressor da paisagem natural e cultural, a vida nas grandes metrópoles (principais núcleos emissores de turistas) já exige uma nova conduta na busca pelo restabelecimento físico e emocional: buscam-se lugares remotos, de natureza preservada, paisagens bucólicas entrelaçadas com cultura e hábitos singulares.

O Brasil, sendo um dos países com maior biodiversidade, qualificado por seus biomas (Amazônia, Mata Atlântica, Campos Sulinos, Caatinga, Cerrado, Pantanal e Zona Costeira e Marítima) e seus diversos ecossistemas, apresenta um cenário rico para esse segmento. Tal cenário aporta recursos que possibilitam o desenvolvimento de várias práticas turísticas, explicitando aptidão especial para o Ecoturismo.

Esse segmento pode proporcionar experiências enriquecedoras e contribui para a conservação dos ecossistemas, ao mesmo tempo em que estabelece uma situação de ganhos para todos os interessados: se a base de recursos é protegida, os benefícios econômicos associados ao seu uso serão sustentáveis. Incorpora os recursos naturais ao mercado turístico, ampliando as oportunidades de gerar postos de trabalho, receitas, impostos e inclusão social e, acima de tudo, promover a proteção desse imensurável patrimônio natural.

Segundo diversas instituições e operadores especializados, esse tipo de turismo vem apresentando um crescimento contínuo no mundo e o Brasil, com tamanha exuberância, apresenta-se como potencial destino de grande competitividade internacional.

Considerando os aspectos peculiares que o caracterizam e lhe conferem identidade – os recursos naturais –, o Ecoturismo exige referenciais teóricos e práticos e suporte legal que orientem processos e ações para seu desenvolvimento, sob os princípios da sustentabilidade.

Entendendo o Segmento

Os temas ambientais ganham espaço nas discussões científicas e nos âmbitos político e social, surgindo uma nova ética do desenvolvimento que incorpora a qualidade ambiental e a inclusão social. É fundamentado nessa premissa que se compreende o Ecoturismo, como uma atividade que se materializa pela interação e experienciação do ambiente de forma sustentável.

2.1 Meio ambiente e turismo

A questão ambiental inicialmente debatida na visão da ecologia geral ampliou as discussões para os sistemas ambientais, surgindo novos processos em que os sistemas humanos – as economias, populações, culturas, governos e organizações – podem fazer escolhas tecnológicas visando à conservação e à sustentabilidade. Sob essa ótica, o meio ambiente não é uma esfera desvinculada das ações, ambições e necessidades humanas – conservá-lo e preservá-lo inclui, necessariamente, considerar a interação homem e natureza.

A partir da década de 1970, as preocupações com o desenvolvimento econômico, a degradação do ambiente e as questões sociais alcançaram a atividade turística. Com a Conferência de Estocolmo, em 1972, e a Rio 92, ampliaram-se os debates que se transformaram nos pressupostos da Agenda 21, que abordam os processos de desenvolvimento enfocando temas como ecotecnologias, requalificação do trabalho humano, desenvolvimento técnico- científico e sustentabilidade. Nesse contexto, a Agenda aponta o Ecoturismo como uma prática conservacionista, comprometida com a natureza, com a responsabilidade social e com o desenvolvimento local.

O setor de turismo tem a “consciência de que a palavra ecologia pode ser utilizada como argumento eficiente para gerar novos fluxos de visitantes para atrativos naturais”.

É preciso, portanto, encontrar o ponto de equilíbrio dessa inter-relação turismo e meio ambiente, de modo que a atratividade dos recursos naturais não seja a causa de sua degradação: “A natureza e todos os seus componentes tornam-se pretextos para a descoberta, a iniciação, a educação, o espírito de observação e integração e, dessa forma, dá origem a um novo mercado”.

2.2. Conceituações, características e fundamentos

2.2.1 Conceituações

O termo Ecoturismo foi introduzido no Brasil no final dos anos 80, seguindo a tendência mundial de valorização do meio ambiente. A EMBRATUR – Instituto Brasileiro de Turismo iniciou em 1985 o “Projeto Turismo Ecológico”, criando dois anos depois a Comissão Técnica Nacional constituída conjuntamente com o IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, primeira iniciativa direcionada a ordenar o segmento. Ainda na mesma década foram autorizados os primeiros cursos de guia especializados, mas foi com a Rio 92 que esse tipo de turismo ganhou visibilidade e impulsionou um mercado com tendência de franco crescimento.

Em 1994, com a publicação das Diretrizes para uma Política Nacional de Ecoturismo pela EMBRATUR e Ministério do Meio Ambiente, o “turismo ecológico” passou a se denominar e foi conceituado como:

Ecoturismo é um segmento da atividade turística que utiliza, de forma sustentável, o patrimônio natural e cultural, incentiva sua conservação e busca a formação de uma consciência ambientalista por meio da interpretação do ambiente, promovendo o bem-estar das populações.

Entre diversas interpretações e definições para Ecoturismo, a conceituação estabelecida continua sendo referência no País.

Para melhor entendimento, são esclarecidos alguns termos e expressões que a constituem:

Segmento da atividade turística

A segmentação do turismo, embora possa ser definida por diferentes elementos e fatores, nesse caso é definida a partir das características da oferta, em função da motivação do turista, e em relação à atitude do prestador de serviços, da comunidade receptora e do turista, sob os seguintes aspectos:

Utilização sustentável do patrimônio natural e cultural

A prática do Ecoturismo pressupõe o uso sustentável dos atrativos turísticos. O conceito de sustentabilidade, embora de difícil delimitação, refere-se ao “desenvolvimento capaz de atender às necessidades da geração atual sem comprometer os recursos para a satisfação das gerações futuras”. Em uma abordagem mais ampla, visa a promover a harmonia dos seres humanos entre si e com a natureza. Utilizar o patrimônio natural e cultural de forma sustentável representa a promoção de um turismo “ecologicamente suportável em longo prazo, economicamente viável, assim como ética e socialmente eqüitativo para as comunidades locais. Exige integração ao meio ambiente natural, cultural e humano, respeitando a fragilidade que caracteriza muitas destinações turísticas”.

Incentivo à conservação do patrimônio natural e cultural e busca de uma consciência ambientalista pela interpretação do ambiente

Esse tipo de turismo pressupõe atividades que promovam a reflexão e a integração homem e ambiente, em uma inter-relação vivencial com o ecossistema, com os costumes e a história local. Deve ser planejado e orientado visando o envolvimento do turista nas questões relacionadas à conservação dos recursos que se constituem patrimônio.

Promoção do bem-estar das populações

A distribuição dos benefícios resultantes das atividades ecoturísticas deve con- templar, principalmente, as comunidades receptoras, de modo a torná-las prota- gonistas do processo de desenvolvimento da região.

O estabelecimento desse recorte conceitual diante da amplitude de interações entre meio ambiente e turismo é primordial para o direcionamento das políticas públicas integradas entre os dois setores. Tal recorte delimita o que se compreende por Ecoturismo, cuja análise do desenvolvimento teórico e prático ao longo da última década permite tecer considerações fundamentadas em aspectos que se referem à natureza da atividade turística, à sustentabilidade, ao território e à motivação do turista.

Reconhece-se que o Ecoturismo “tem liderado a introdução de práticas sustentáveis no setor turístico”, mas é importante ressaltar a diferença e não confundi-lo como sinônimo de Turismo Sustentável. Sobre isso, a Organização Mundial de Turismo – OMT e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA referem-se ao Ecoturismo como um segmento do turismo, enquanto os princípios que se almejam para o Turismo Sustentável são aplicáveis e devem servir de premissa para todos os tipos de turismo em quaisquer destinos.

Sob esse enfoque, o Ecoturismo caracteriza-se pelo contato com ambientes naturais, pela realização de atividades que possam proporcionar a vivência e o conhecimento da natureza e pela proteção das áreas onde ocorre. Ou seja, assenta-se sobre o tripé interpretação, conservação e sustentabilidade. Assim, o Ecoturismo pode ser entendido como as atividades turísticas baseadas na relação sustentável com a natureza, comprometidas com a conservação e a educação ambiental.

O Ecoturismo assenta-se no tripé: interpretação, conservação e sustentabilidade.

Necessário se faz, portanto, tentar explicitar as delimitações conceituais entre Ecoturismo e Turismo Sustentável pela análise retrospectiva desses termos. Parte-se dos idos de 1960, com a eclosão do turismo massivo, quando se registraram e foram reconhecidos os impactos negativos da atividade turística, levando à desmistificação da idéia de “indústria sem chaminés”. Já no início dos anos 70 começaram as discussões sobre “gestão de turistas”, consolidando o entendimento do turismo como atividade econômica potencialmente poluidora, a depender da maneira como ocorre. Nesse ínterim, a temática passou a ser insistentemente debatida pela Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, criada em 1983 no âmbito da Organização das Nações Unidas – ONU, de onde surgiu a acepção de Turismo Verde, que na década de 90 se amplia para a noção de Turismo Sustentável.

Como existem pontos comuns na idéia de Turismo Sustentável e na de Ecoturismo a partir dos princípios da sustentabilidade, estabeleceu-se essa sobreposição nas definições conceituais. O elemento de diferenciação do Ecoturismo reside no enfoque da sustentabilidade evidenciado na conservação, interpretação e vivência com a natureza como fator de atratividade. Conforma- se, desse modo, como um segmento da oferta turística que, afora o social, institui-se e se caracteriza fundamentalmente em dois pilares da sustentabilidade – o ambiental e o econômico, carregando como premissas o cultural e o político no sentido da complementariedade. Já o Turismo Sustentável confere a cada um desses aspectos a mesma intensidade, impregnando-os na atividade turística como um todo, e empresta à segmentação da oferta requisitos que podem determinar alguns tipos de turismo, como é o caso do Ecoturismo.

Turismo Sustentável é o que relaciona as necessidades dos turistas e das regiões receptoras, protegendo e fortalecendo oportunidades para o futuro. Contempla a gestão dos recursos econômicos, sociais e necessidades estéticas, mantendo a integridade cultural, os processos ecológicos essenciais, a diversidade biológica e os sistemas de suporte à vida.

2.2.2 Fundamentos

As políticas públicas de turismo no Brasil norteiam-se pelos princípios da sustentabilidade, fundamentadas na Constituição Brasileira, que reserva a todos o direito ao meio ambiente, impondo ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo às futuras gerações e incumbe ao poder público a responsabilidade de estabelecer instrumentos legais para a proteção e conservação dos recursos naturais e o seu uso racional. Fundamenta-se, também, em outros marcos e ações desencadeadas pela preocupação com o meio ambiente, com destaque para a Agenda 21 e sua aplicação para o turismo. O recorte dado ao Ecoturismo, por sua vez, assimila tais princípios, entendendo-se como uma atividade econômica e que tem a sua essência na conservação do meio ambiente.

Da Agenda 21 Global – marco referencial para o planeta – emana a Agenda Brasileira, que envolve a sociedade civil e o setor público por meio de um processo participativo e propositivo, sistematizada em seis áreas temáticas que abordam a atividade turística: agricultura sustentável; cidades sustentáveis; infra-estrutura e integração regional; gestão de recursos naturais; redução das desigualdades sociais; e ciência e tecnologia para o desenvolvimento sustentável. A implantação da Agenda 21 Brasileira levou à construção de Agendas 21 Locais, contribuindo para ampliar a cultura da sustentabilidade no País.

O setor turístico, incorporando explicitamente as premissas da sustentabilidade, elaborou a Agenda 21 para o Turismo21 em 1998, com o objetivo principal de proteger os recursos naturais, culturais e sociais que o constituem.

2.2.3 Características essenciais

As características identitárias do Ecoturismo se expressam, principalmente, quanto a algumas questões consideradas essenciais na sua constituição:

Atividades praticadas.
Escala.
Proteção e conservação dos recursos naturais.
Paisagem.
Interpretação ambiental.
Educação ambiental.

Embora essas características estejam descritas a seguir uma a uma, devem ser entendidas de forma conjunta e integrada, já que, para fins desse segmento, tornam-se necessariamente interdependentes.

2.2.3.1 Atividades praticadas

As atividades do segmento Ecoturismo como oferta turística correspondem à complementaridade das atividades tradicionalmente ditas turísticas (hospedagem, transporte, alimentação, recreação, entretenimento, operação, agenciamento, recepção, guiamento, condução e outras) e das práticas que as geram, ou seja, as atividades de experienciação da natureza e que dão consistência ao segmento, tidas como tipicamente ecoturísticas.

Ao serem contempladas no âmbito desse segmento, quaisquer dessas atividades devem considerar:

Aspectos construtivos das instalações em relação ao porte, ao estilo arquitetônico e aos materiais utilizados, técnicas e procedimentos adotados.Meios e vias de transporte de baixa potencialidade de degradação e poluição e adequados ao ambiente.
Serviços e produtos harmonizados aos princípios da qualidade, da sustentabilidade e da cultura local.

As atividades tipicamente ecoturísticas devem ocorrer estrita e necessariamente seguindo premissas conservacionistas. Podem realizar-se concomitantemente ou em conjunto com outras, de formas e por meios diversos, e devem ser estruturadas e ofertadas de acordo com normas e certificações de qualidade e de segurança de padrões reconhecidos internacionalmente. De modo geral, as atividades ecoturísticas buscam atender às motivações específicas por meio de atividades passíveis de serem praticadas com outras finalidades, configurando outros segmentos. Porém, o que caracteriza o segmento são as atividades resumidas em observação e contemplação da natureza que podem ocorrer de diversas formas e meios.

a) Observação – exame minucioso de aspectos e características da fauna, flora, formações rochosas e outros, que exigem técnicas de interpretação ambiental, guias e condutores especializados, equipamentos e vestuário adequados.

Observação de fauna – consiste em observar, identificar, estudar comportamentos e habitats de determinados animais, destacando-se:

Aves – também conhecida como birdwatch, demanda equipamentos específicos, cujo uso não é imprescindível, mas facilita e aumenta o aproveitamento da atividade. A observação de aves, nos mais variados aspectos de sua prática, ainda é pouco desenvolvida no Brasil, mas com perspectiva de se configurar em produto de destaque no mercado internacional, já que o País ocupa o terceiro lugar no mundo em matéria de diversidade no gênero, com um total de 1.700 espécies, das quais 182 endêmicas.
Mamíferos –
o Brasil, que possui grande parte dos mamíferos do mundo, apresenta algumas espécies consideradas ícones da nossa fauna, como a onça-pintada, o tamanduá-bandeira, a anta e o lobo- guará. Apesar da observação de determinados animais – especialmente os de hábito solitário, discretos e com atividade noturna ou crepuscular – ser difícil, é possível identificá-los e, de certa forma, conhecê-los, mesmo sem vê-los de fato, por meio da observação indireta de seus rastros (tocas, trilhas, restos alimentares, fezes e pegadas).
Cetáceos –
como baleias, botos e golfinhos – também conhecidos como whalewatch e dolphinwatch. Pode ocorrer de estações em terra (na costa e beiras de rios e lagos), de embarcações ou mergulhando. Nesse caso, merece atenção a regulamentação específica, que reúne medidas para possibilitar a observação sem perturbar o ambiente e sem comprometer a experiência do turista.
Insetos –
muito desenvolvida em outros países, como nos Estados Unidos, a observação desses animais vem ocorrendo no Brasil ainda timidamente – borboletas, vespas e abelhas, formigas, besouros, moscas e inumeráveis outros. No processo de identificação de insetos também são analisados vestígios e aspectos – folhas utilizadas para alimentação, lagartas, vermes, crisálidas etc.
Répteis e anfíbios –
considerado o primeiro em espécies de anfíbios e o quarto em répteis, destaca-se no País a observação de salamandras, sapos, rãs, pererecas, tartarugas, jacarés, lagartos, cobras. Sobre esse assunto, apontam-se os projetos brasileiros para a conservação da tartaruga marinha e do tracajá.
Peixes –
a observação geralmente ocorre pela flutuação ou mergulho, com ou sem o uso de equipamentos especiais. Além de seu reconhecido papel nos ecossistemas aquáticos, os peixes têm forte apelo estético para atração de visitantes e reforçam o espetáculo de ambientes aquáticos privilegiados por ampliar o contato das pessoas com a ictiofauna. Nesse sentido, merecem destaque os projetos de conservação para cavalos-marinhos e as piscinas naturais presentes em todo o País.
Observação de flora –
consiste em observar, identificar, estudar características da vegetação, destacando-se as plantas medicinais, ornamentais, utilitárias e de exuberância paisagística.
Formações geológicas –
atividade ainda tímida no País que consiste geralmente em caminhada por área de ímpar diversidade geológica que oferece locais estratégicos para discussão da origem dos ambientes, sua idade, entre outros fatores, por meio da observação direta e indireta das evidências das transformações que ocorreram na esfera terrestre.

b) Contemplação – apreciação de flora, de fauna, de paisagens e de espetáculos naturais extraordinários como as Cataratas do Iguaçu, os Lençóis Maranhenses, o Delta do Parnaíba, a Floresta Amazônica, entre outros.

As atividades relacionadas são:

Caminhadas – percursos a pé para fins de contemplação, fruição e observação da natureza, com possibilidade de interpretação.
Mergulho –
observação, contemplação e fruição de ambientes submersos, com ou sem a utilização de equipamentos especiais.
Safáris fotográficos –
itinerários organizados para fotografar paisagens singulares ou animais que podem ser feitos a pé ou com a utilização de um meio de transporte.
Trilhas interpretativas –
conjunto de vias e percursos com função educativa e vivencial. Pressupõe amplo conhecimento da fauna, flora, paisagem, clima e demais aspectos biológicos, geográficos, históricos da região. Podem ser autoguiadas ou percorridas com o acompanhamento de condutores, guias e intérpretes devidamente capacitados. A depender do tipo de trilha e grau de dificuldade, podem conter sinalização, equipamentos de proteção e facilitadores (corrimões, escadas, pontes), proporcionando interação do homem com a natureza e a compreensão da responsabilidade em relação aos recursos naturais.

Existe uma diversificada e significativa gama de outras atividades que, embora possam caracterizar outros tipos de turismo, podem também ser ofertadas em produtos e roteiros desse segmento: atividades de aventura, de pesca, náuticas, esportivas, culturais e várias outras, desde que cumpram as premissas, comportamentos e atitudes estabelecidas para o Ecoturismo.

2.2.3.2 Escala

Quanto à escala, o Ecoturismo caracteriza-se sob dois aspectos principais, em função da capacidade de suporte de cada ambiente e atividade:

Volume e intensidade dos fluxos turísticos – referem-se à baixa quantidade de turistas e à freqüência da visitação.
Porte dos equipamentos –
diz respeito às dimensões – pequenas e médias – das instalações.

Quaisquer atividades turísticas devem considerar a capacidade de suporte dos ambientes. Nesse segmento essa questão torna-se característica e necessariamente se define pela pequena quantidade de turistas com o intuito de que os impactos que a visitação possa causar sejam os menores possíveis.

Para tanto, existem diferentes metodologias de avaliação e dimensionamento de potenciais impactos e do volume e freqüência de atividades que os ambientes podem suportar periodicamente. Isso vale também em relação ao porte das edificações e dos equipamentos que devem se materializar proporcionalmente ao reduzido número de turistas que pressupõe o Ecoturismo.

2.2.3.3 Gestão, proteção e conservação dos recursos naturais

Um dos aspectos essenciais que caracteriza o segmento consiste principalmente na adoção de estratégias e ações para minimizar possíveis impactos negativos da visitação turística por meio do uso de um modelo de gestão sustentável da atividade.

Para tanto, é preciso dispor de um conjunto de medidas planejadas, organizadas e gerenciadas de forma sistêmica, capazes de promover a conservação, recuperação, preservação e manejo da área em questão, em sintonia com as demais atuações no território. Desse modo, pressupõe-se a gestão ambiental como indispensável para o desenvolvimento do Ecoturismo, para a qual existem várias metodologias.

Alguns itens pertinentes ao processo de gestão ambiental são tratados a seguir:

Instrumentos reguladores: normas, regras, instrumentos e padrões utilizados para adequar projetos e ações às metas ambientais. Os principais instrumentos reguladores de gestão ambiental são as licenças, o zoneamento e os padrões.
Licença:
permissão para instalação de atividades e projetos com certo potencial de impacto ambiental. Os órgãos de controle ambiental fazem uma Avaliação de Impacto Ambiental (AIA) dos projetos mais complexos, o que requer Estudos de Impacto Ambiental (EIA), para dimensionar e minimizar os possíveis efeitos dos projetos propostos.
Zoneamento:
conjunto de regras para o uso racional da terra, empregado principalmente para indicar a localização mais adequada para certas atividades. Baseia-se na organização de um determinado território em zonas e os respectivos usos mais adequados.
Padrão:
instrumento de utilização mais freqüente na gestão ambiental.

Os principais são:

a) Padrões de qualidade ambiental: determinam os limites máximos de concentração de poluentes no meio ambiente.
b) Padrões tecnológicos:
determinam o uso de tecnologias específicas.
c) Padrões de emissão:
determinam os limites máximos para as concentrações ou quantidades totais de poluentes a serem despejados no ambiente por uma fonte específica.
d) Padrões de desempenho:
especificam, por exemplo, a percentagem de remoção ou eficiência de um determinado processo.
e) Padrões de produto e processo:
estabelecem dos projetos mais complexos limites para a descarga de efluentes por unidade de produção ou por processo.
Tecnologias limpas e técnicas sustentáveis:
utilização de novas tecnologias e de técnicas tradicionais ou inovadoras como práticas responsáveis em relação ao ambiente – geração de energia de baixo impacto (solar, eólica); tratamento de resíduos líquidos e sólidos (implementação de estações de águas servidas, sistemas de fossas sépticas); reutilização de água e de materiais; coleta seletiva de lixo e reciclagem; edificações sustentáveis (técnicas e elementos construtivos e processos); permacultura.
Recuperação de áreas degradadas:
busca reverter processos de destruição da integridade ecológica dos ecossistemas naturais. Diversos métodos podem ser utilizados, desde a simples aplicação de práticas agronômicas de plantio e re-introdução de espécies arbóreas perenes até a reconstrução dos processos ecológicos, sempre levando em consideração a dinâmica do ecossistema.
Reflorestamento:
implantação de florestas em áreas originalmente cobertas por florestas naturais que, por ação antrópica ou natural, perderam suas características. O processo pode ser acompanhado por um plano de manejo de reflorestamento visando aumentar a produtividade.

2.2.3.4 Paisagem

A paisagem, além de ser um recurso turístico por excelência, é um importante elemento na caracterização do segmento, pois são os locais preservados e sua atmosfera que compõem o cerne da motivação dos turistas. Nesse sentido, a busca por infra-estrutura, equipamentos e serviços adequados ocorrem para melhorar a intervenção na natureza e sua paisagem. Considerando esse fator, a harmonização dos aspectos construtivos deve ocorrer em relação ao meio físico (montes, rios, lagos, penhascos, cachoeiras, ilhas, praias etc.), biológicos (flora e fauna) e culturais (próprio ser humano e artefatos em interação), a partir da utilização de elementos que expressem e fortaleçam a identidade do território, que pode ser conferida pela denominada arquitetura vernacular. Destacam-se, nesse sentido, a autenticidade, a simplicidade e a rusticidade dos elementos arquitetônicos e decorativos, primando pelo conforto e pela qualidade.

2.2.3.5 Interpretação ambiental

A interpretação é a arte de explicar o significado de determinado recurso, nesse caso, atrativo turístico. Trata-se de proporcionar o entendimento do ambiente natural, despertar a atenção e o interesse do visitante em relação à natureza e à cultura, esclarecendo dados, fatos e correlações que normalmente não são claros ao simples olhar. As características do local são ressaltadas e explicadas em um processo de facilitação da informação, levando o turista a compreender e vivenciar experiências mais significativas, ricas e aprazíveis. Além disso, a interpretação serve ao propósito de sensibilizar e conscientizar em relação às questões ambientais, fato que a torna uma estratégia de educação ambiental e uma forma adequada de comunicação do conhecimento da natureza e da cultura. É também uma maneira de contribuir para a sustentabilidade, na medida em que as mensagens transmitidas podem mudar ou fortalecer a percepção do turista, estimulando a atenção para as questões ambientais e promovendo a valorização e proteção da natureza – justamente por isso torna-se imperiosa na prática do Ecoturismo.

A interpretação constitui-se um processo e como tal requer planejamento, denominado Plano de Interpretação, que deve contemplar algumas etapas principais:

Análise do recurso e de suas potencialidades.
Identificação dos destinatários ou público-alvo da interpretação.
Formulação dos objetivos da interpretação.
Determinação das mensagens a transmitir.
Seleção dos meios de interpretação.
Recomendações para a execução das tarefas e levantamento das necessidades de pessoal.
Eleição dos critérios para efetuar a execução e avaliação.

Como método de trabalho, a interpretação promove também a inter- relação entre monitor e turista e as técnicas utilizadas variam de acordo o objeto de interpretação e o seu entorno, visto que não podemos desassociar o ecossistema interpretado de sua dinâmica sociocultural. Ressaltando que interpretar é “construir uma teia integrada de descobertas dos segredos e singularidades do atrativo”.

Diante desse contexto cabe ressaltar alguns princípios para a interpretação ambiental:

Focalizar os sentidos do visitante, de modo a estabelecer a conscien- tização das características singulares do ecossistema vivenciado.
Não apenas instruir, mas provocar, estimular a curiosidade do visitante encorajando a exploração mais aprofundada do ambiente interpretado por meio do uso dos sentidos (tato, olfato, audição etc.).
Buscar a interface nos dados técnicos da fauna e flora local com causos, lendas e histórias de ocupação territorial, entre outros.
Realizar a interpretação em parceria com a comunidade local, estimulando a troca de conhecimentos dos saberes e dos fazeres.
Ser acessível a um público mais amplo possível, viabilizando a interpretação do ambiente físico para pessoas da melhor idade, portadores de deficiência etc. Ecoturismo é possível a todos!
Não tentar vender uma verdade universal, mas destacar a diversidade ambiental e suas relações socioculturais com o entorno.
A interpretação deve fomentar a aceitação e a tolerância como valores democráticos!

Por fim, a interpretação é um excelente caminho para proporcionar novas oportunidades de trabalho e renda para a comunidade local, promovendo a interação entre turistas e comunidade por meio da prática e da vivência de coisas singulares da localidade: uma fruta, uma comida local, a sensação de se sentir honrado como turista em participar de coisas e fatos ligados a um ambiente, a uma comunidade como uma festa, uma noite estrelada com os “causos” do morador local, entre outras atrações que agregam valor ao produto ecoturístico.

2.2.3.6. Educação ambiental

Entende-se por educação ambiental o processo pelo qual o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente. É um processo de aprendizagem permanente, baseado no respeito a todas as formas de vida, afirmando valores e ações que contribuem para a transformação humana e social e para a proteção ambiental. Estimula a formação de sociedades socialmente justas e ecologicamente equilibradas, que conservem entre si relação de interdependência e diversidade, o que requer responsabilidade individual e coletiva local, nacional e mundial.

Os Ministérios do Meio Ambiente e da Educação coordenam o Programa Nacional de Educação Ambiental – ProNEA, desenvolvido para atender ao preconizado pela Constituição Federal do Brasil, à promoção pelo poder público da “educação ambiental em todos os níveis de ensino e à conscientização pública para a preservação do meio ambiente”. Tal programa tem como objetivo “assegurar, no âmbito educativo, a integração equilibrada das múltiplas dimensões da sustentabilidade – ambiental, social, ética, cultural, econômica, espacial e política – ao desenvolvimento do País, resultando em melhor qualidade de vida para toda a população brasileira, por intermédio do envolvimento e participação social na proteção e conservação ambiental e da manutenção dessas condições ao longo prazo”.

Por essa visão abrangente, a educação ambiental perpassa as práticas formais (escolares) e recursos pedagógicos comuns para obter resultados no campo informal – onde estão inseridas as atividades turísticas em áreas naturais. Essas, inclusive, têm obtido os maiores êxitos em termos de sensibilização em relação às questões ambientais, segundo a Conferência Internacional sobre Educação Ambiental de Thessaloniki (1997).

A importância do Ecoturismo é estratégica, portanto, ao privilegiar a educação ambiental na promoção do contato com o ambiente natural, contribuindo para romper com condicionamentos sociais inscritos nos hábitos de indivíduos acostumados com a cultura dos centros urbanos, bem como para a busca de alternativas às relações da sociedade com a natureza e seus indivíduos por meio da descoberta de novos estilos de vida, gastronomia, crenças e valores, arquitetura etc.

Cabe observar as experiências inovadoras de formação de monitores locais e a capacitação de agentes multiplicadores promovida por projetos de educação ambiental no Brasil. Essas iniciativas têm contribuído significativamente ao estimular a reflexão e apontar soluções para problemas enfrentados por comunidades tradicionais, promovendo uma efetiva participação social e considerando valores e comportamentos particulares de diversas culturas que compõem nossa sociedade em processos decisórios relacionados ao turismo e à melhoria da qualidade de vida.

2.3 O ecoturista

Tendo em vista as diferentes motivações e comportamentos do ecoturista, é muito difícil a definição de um perfil único para esse turista. Os adeptos do Ecoturismo apresentam perfis diferenciados em função das diversas atividades motivacionais que determinam as características de cada público, abarcando, principalmente, uma faixa etária abrangente. Geralmente, os turistas desse segmento querem ver, sentir, cheirar, tocar e comer o inusitado; lêem muito sobre o destino antes de planejar a viagem; anotam perguntas e querem respostas dos guias e do pessoal que os atendem; querem um tratamento personalizado e prezam pela segurança.

Entretanto é possível observar alguns elementos comuns e classificar como características do perfil de maior incidência no segmento os indivíduos:

Entre 25 e 50 anos.
Poder aquisitivo médio e alto.
Escolaridade de nível superior.
Profissão de caráter liberal.
Viaja sozinho ou em pequenos grupos.

Permanência média no destino:

Nacional: 4 dias.
Internacional:
10 dias.

Procedência de grandes centros urbanos.

Desejo de contribuir para a conservação do meio ambiente.

Esse tipo de consumidor, de modo geral, importa-se com a qualidade dos serviços e equipamentos, com a singularidade e autenticidades da experiência, com o estado de conservação do ambiente muito mais do que com o custo da viagem.

Bases para o Desenvolvimento do Ecoturismo

Em razão das características do Ecoturismo, especialmente na conservação e na atratividade da natureza, o segmento exige atitudes e comportamentos que remetem à necessidade de mudanças dos padrões de produção e consumo e uma postura ambientalmente responsável no manejo dos recursos naturais.

Portanto, orienta-se por marcos legais que, além dos aspectos turísticos, contemplam, de modo especial, as questões ambientais.

3.1 Marcos legais

Existe um variado e extenso conjunto de dispositivos legais relacionados ao Ecoturismo, sendo inviável relacionar todos em uma abordagem consistente.

Optou-se, assim, por destacar os mais relevantes, ressaltando que tão importante quanto à regularização é a conscientização da sua importância.

3.1.1 legislação turística

No que se refere à prestação de serviços turísticos de modo geral, aplicam-se alguns dispositivos legais pertinentes a meios de hospedagem, operação e agenciamento turístico, guiamento, transporte, eventos etc.

Tal legislação refere-se, entre outros assuntos, ao cadastramento e à fiscalização e encontra-se disponível no sítio eletrônico do Ministério do Turismo.

3.1.2 legislação ambiental e instrumentos relacionados

Apresentam-se a seguir as principais Leis e Medidas Provisórias de caráter ambiental, destacando o conteúdo principal relacionado com os recursos utilizados por atividades turísticas e os principais instrumentos relacionados à legislação ambiental importantes para o segmento. Ressalta-se, contudo, que essa seleção prévia não exclui a necessidade de se avaliar toda a legislação levando-se em consideração a realidade local.

Constituição Federal do Brasil

Define como incumbência do poder público garantir a todos o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, por meio da preservação e restauração dos processos ecológicos essenciais, e prover o manejo ecológico das espécies e ecossistemas; da exigência de estudo ambiental prévio à instalação de obra ou atividade de significativa degradação do meio ambiente; da promoção da educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente; da proteção da fauna e da flora; entre outras.

Lei n.º 6.513/1977 e Decreto n.º 86.176/1981

Dispõem sobre o estabelecimento de Áreas Especiais e Locais de Interesse Turístico e sobre o inventário com finalidades turísticas dos bens de valor cultural e natural, e se apresentam como instrumentos de execução do Plano Nacional de Turismo. A Lei n.º 6.513/1977 define como Áreas Especiais de Interesse Turístico os “trechos contínuos do território nacional, inclusive suas águas territoriais, a serem preservados e valorizados no sentido cultural e natural, e a realização de planos e projetos de desenvolvimento turístico”; e Locais de Interesse Turístico como “trechos do território nacional, compreendidos ou não em Áreas Especiais, destinados por sua adequação ao desenvolvimento de atividades turísticas e à realização de projetos específicos”.

Lei n.º 4.771/1965 – Institui o Código Florestal

Trata das florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação reconhecidas de utilidade às terras que revestem. São bens de interesse comum a todos os habitantes do País, exercendo-se os direitos de propriedade, com as limitações que a legislação em geral e especialmente esta lei estabelecem. Em suas disposições apresenta os critérios para definição de áreas de preservação permanente, como a obrigatoriedade de preservação das áreas especificadas onde se desenvolve ou pretende desenvolver atividades turísticas e estabelece a possibilidade de imunidade ao corte de qualquer árvore.

Lei n.º 11.284/2006

Dispõe sobre a gestão de floretas públicas para a produção sustentável, institui o Serviço Florestal Brasileiro e cria o Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal voltado para o desenvolvimento tecnológico, promoção e assistência técnica de incentivos para o desenvolvimento florestal brasileiro. Define três formas de gestão das florestas públicas para produção sustentável: a criação de unidades de conservação que permitam a produção florestal sustentável, destinação para uso comunitário, como assentamentos florestais, reservas extrativistas, áreas quilombolas, e PDS – Projetos de Desenvolvimento Sustentável, concessões florestais pagas, baseadas em uma determinada região após a definição das unidades de conservação e áreas destinadas ao uso comunitário. O turismo é citado como uma possibilidade em serviço de manejo florestal possibilitando benefícios decorrentes do manejo e da conservação de florestas. Altera a Lei n.º 4.771/1965, que institui o Código Florestal.

Lei n.º 5.197/1967 e lei n.º 9.605/1998

Dispõe sobre a proteção à fauna e dá outras providências – estabelece que todos os animais que vivem naturalmente fora de cativeiro são propriedades do Estado, entre outras disposições. Determina os animais que constituem a fauna silvestre e inclui à proteção ninhos, abrigos e criadouros naturais. Proíbe a utilização, perseguição, destruição, caça ou apanha dos elementos da fauna silvestre. Assim, ao agregar atividades de observação de animais em seu produto turístico, deve-se atentar para a proibição, a qualquer tempo, da utilização, perseguição, caça e apanha de espécies da fauna silvestre, bem como da comercialização de espécimes e de produtos e objetos que impliquem a sua caça, cabendo ao proprietário fiscalizar o cumprimento da Lei.

Lei n.º 6.938/1981

Estabelece a Política Nacional do Meio Ambiente (PNMA), sua finalidade e mecanismos de formulação e aplicação; constitui o Sistema Nacional de Meio Ambiente; institui o Cadastro de Defesa Ambiental; e ainda define conceitos pertinentes, como recurso ambiental e poluição, entre outros. Determina que as atividades empresariais, inclusive as atividades turísticas, devem estar em consonância com as diretrizes dessa política. Apresenta os instrumentos da PNMA, entre os quais, para fins turísticos, destacam-se o estabelecimento de padrões de qualidade, a avaliação de impactos ambientais, a produção e instalação de equipamentos e tecnologia voltada à melhoria da qualidade ambiental, a garantia de prestação de informações relativas ao meio ambiente, o zoneamento, o licenciamento de atividades poluidoras, a criação de espaços territoriais protegidos, entre outros, além de estabelecer o licenciamento prévio obrigatório para a construção, instalação, ampliação e funcionamento de estabelecimentos e atividades que utilizam recursos ambientais. Institui o Cadastro Técnico Federal de Atividades Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais e apresenta a lista das atividades sujeitas à taxa, incluindo o Turismo.

Lei n.º 9.433/1997 e Decreto n.º 24.643/1934

Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Recursos Hídricos e dá outras providências. Além de criar a Política Nacional, institui o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos a partir do Código de Águas (Decreto n.º 24.643/1934), que regulamenta o uso e classificação das águas brasileiras. Define o conteúdo mínimo necessário aos Planos de Recursos Hídricos, que devem ser de longo prazo e cumprir todos os seus itens, com ênfase às propostas para a criação de áreas sujeitas à restrição de uso, visando à proteção dos recursos hídricos.

Lei n.º 9.985/2000

Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza – SNUC, estabelecendo critérios e normas para a criação, implantação e gestão das Unidades de Conservação. Cabe ressaltar que a visitação ao SNUC é um dos principais recursos e atrativos para o desenvolvimento de inúmeras atividades turísticas no País, ocupando lugar de destaque na política ambiental, a partir de atividades compatíveis com a conservação da biodiversidade. Oferece conceitos básicos para compreensão da Lei, como os de Unidade de Conservação, conservação da natureza, diversidade biológica, recurso ambiental, preservação, proteção integral, conservação in situ, manejo, uso indireto e direto, uso sustentável, extrativismo, recuperação, restauração, zoneamento, plano de manejo, zona de amortecimento e corredores ecológicos; apresenta os objetivos e as diretrizes que regem o SNUC, entre elas a promoção do Ecoturismo – “promoção da educação e interpretação ambiental, da recreação em contato com a natureza e do turismo ecológico”. Destaca-se em suas diretrizes a busca pelo apoio e cooperação de organizações não-governamentais e privadas, além de pessoas físicas para o desenvolvimento de atividades de turismo; detalham o funcionamento do SNUC, classificando as UCs, descrevendo suas finalidades e dividindo-as em dois grupos: Unidades de Proteção Integral e de Uso Sustentável.

Decreto n.º 1.992/1996

Dispõe sobre a instituição e reconhecimento das Reservas Particulares do Patrimônio Natural – RPPN e estabelece meios para que as propriedades possam conservar ou preservar locais de relevante beleza cênica ou representações de condições naturais primitivas ou recuperadas. Define Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) como sendo a “área de domínio privado a ser especialmente protegida, por iniciativa de seu proprietário, mediante reconhecimento do Poder Público, por ser considerada de relevante importância pela sua biodiversidade ou pelo seu aspecto paisagístico, ou ainda por suas características ambientais que justifiquem ações de recuperação”, e estabelece que o objetivo da RPPN é a proteção dos recursos ambientais da região.

Decreto n.º 99.556/1990

Dispõe sobre a proteção das cavidades naturais subterrâneas – apresenta o conceito de cavidade natural subterrânea (grutas, cavernas, abismos e outras), estabelecendo medidas de proteção e fiscalização; estabelece que são consideradas patrimônio natural e cultural brasileiro e, como tal, devem ser preservadas e conservadas de modo a permitir estudos e pesquisas, atividades turísticas, recreativas, educativas etc.

Lei n.º 9.795/1999

Institui a Política Nacional de Educação Ambiental apresentando seus objetivos, diretrizes e uma proposta programática de promoção da educação ambiental em todos os setores da sociedade. Considerando que o Ecoturismo deve promover a educação ambiental, deve-se ter em mente os objetivos fundamentais dessa ação, entre eles, o desenvolvimento de uma compreensão integrada do meio ambiente, o fortalecimento da integração com a ciência e tecnologia, entre outros.

Instrumentos relacionados à legislação ambiental

Plano de Manejo – instrumento dinâmico que, utilizando técnicas de planejamento ambiental, determina o zoneamento interno e as regras de uso, conservação e recuperação das áreas em seu interior e entorno próximo de uma Unidade de Conservação, conforme sua categoria. Sua elaboração deve, preferencialmente, seguir as orientações do Roteiro Metodológico de Parques Nacionais, Reservas Biológicas e Estações Ecológicas, publicado pelo IBAMA/MMA.

Avaliação de Impacto Ambiental (AIA) – constituído por um conjunto de medidas que visam a analisar os impactos ambientais de uma determinada ação proposta (projeto, programa, plano ou política). Contudo, seus resultados devem ser apresentados de forma acessível ao público e aos responsáveis pela tomada de decisão e têm como finalidade a adoção de medidas de proteção ambiental, por meio dos seguintes instrumentos: estudo de impacto ambiental (EIA) – realizado por um conjunto de tarefas técnicas e científicas com finalidade de analisar as conseqüências e a viabilidade da implantação de um projeto no meio ambiente; relatório de impacto ambiental (RIMA) – apresenta os resultados e conclusões da avaliação de impacto ambiental, de modo a serem divulgados aos grupos sociais e instituições envolvidas com o projeto proposto; plano de controle ambiental (PCA) – contém ações e medidas que visam a minimizar os impactos ambientais pré-analisados pelo Estudo de Impacto Ambiental (EIA).

Diretrizes para visitação em Unidades de Conservação – estabelecem linhas orientadoras a serem observadas e adotadas nas ações de planejamento, gestão, implementação e prática de atividades turísticas em Unidades de Conservação.

Devem ser considerados, também, os documentos do Conselho Nacional de Meio Ambiente – CONAMA, do Conselho Nacional de Recursos Hídricos – CNRH, da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar – CIRM, as Leis e Decretos que regulamentam, reconhecem e protegem o direito a terra e demais dispositivos relativos às comunidades indígenas, quilombolas, ribeirinhas e outras, além das legislações de âmbito estadual e municipal que incidem sobre o segmento que podem ser encontradas nas respectivas Câmaras Legislativas.

3.1.3 Código de Defesa do Consumidor

O Código de Defesa do Consumidor (CDC) foi estabelecido pela Lei n.º 8.078/1990 como forma de proteção e defesa dos direitos dos consumidores em suas relações de consumo garantidas pela Constituição Federal. Integralmente, o CDC é um instrumento fundamental ao segmento por garantir direitos a turistas que se sentirem lesados no consumo de produtos e serviços ecoturísticos. Cabe destacar que a Lei estabelece as normas da ABNT como parâmetros para questões de comercialização e consumo de produtos e serviços. Ao ter valor em decisões judiciais, as normas da ABNT para o Turismo de Aventura passam a ser observadas também no Ecoturismo principalmente quando envolver riscos controlados.

3.1.4 Acessibilidade

O Ministério do Turismo adota como parte da sua política estrutural a inclusão das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida. A partir desse contexto, busca promover a acessibilidade dos espaços, equipamentos, serviços e informações turísticas.

Versam sobre o assunto, entre outras, as seguintes legislações:

a) lei n.º 10.048/2000 – dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica e dá outras providências.
b) lei n.º 10.098/2000 –
estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida.
c) Decreto n.º 5.296/2004 –
regulamenta a Lei n.º 10.048/2000, que dá prioridade e atendimento às pessoas, e a Lei n.º 10.098/2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida.
d) lei n.º 10.741/2003 –
dispõe sobre o Estatuto do Idoso.
e) lei n.º 11.126/2005 –
dispõe sobre o direito da pessoa com deficiência visual de ingressar e permanecer em ambientes de uso coletivo acompanhada de cão-guia.
f) Decreto n.º 5.904, de 21 de setembro de 2006 –
regulamenta a Lei n.º 11.126, de 27 de junho de 2005, que dispõe sobre o direito da pessoa com deficiência visual de ingressar e permanecer em ambientes de uso coletivo acompanhada de cão-guia e dá outras providências.
g) Decreto n.º 5.626/2005 –
regulamenta a Lei n.º 10.436/2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei n.º 10.098/2000.
h) Portaria n.º 310/2006 –
aprova a Norma Complementar n.º 01/2006, que trata de recursos de acessibilidade para pessoas com deficiência, na programação veiculada nos serviços de radiodifusão de sons e imagens e de retransmissão de televisão.
i) NBR 15320:2005 –
acessibilidade à pessoa com deficiência no transporte rodoviário.
j) NBR 14021:2005 – transporte –
acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano.
k) NBR 14022:1998 –
acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal.
l) NBR 15250:2005 –
acessibilidade em caixa de auto-atendimento bancário.
m) NBR 15290:2005 –
acessibilidade em comunicação na televisão.
n) NBR 9050:2004 –
acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos.
o) NBR 13994:2000 –
elevadores de passageiros – elevadores para transporte de pessoa portadora de deficiência.
p) NBR 14273:1999 –
acessibilidade da pessoa portadora de deficiência no transporte aéreo comercial.

Recomendações gerais e prazos – para desenvolvimento da acessibilidade, é importante observar as orientações contidas no documento Turismo e Acessibilidade: Manual de Orientações, incorporando recomendações e legislações pertinentes:

A acessibilidade no meio urbano deve ser observada no Plano Diretor Municipal, nos Planos Diretores de Transporte e de Trânsito, no Código de Obras, no Código de Postura, na Lei de Uso e Ocupação do Solo e na Lei do Sistema Viário, conforme Decreto n.º 5.296/2004.

Para a concessão de Alvará de Funcionamento e da Carta de Habite- se, deve ser observado o cumprimento da acessibilidade previsto respectivamente no § 1º e § 2º do art. 13 do Decreto n.º 5.296/2004 e nas normas técnicas de acessibilidade da ABNT.

A aprovação de financiamento de projetos com a utilização de recursos públicos, entre eles os de natureza arquitetônica e urbanística, os tocantes à comunicação e informação e os referentes ao transporte coletivo, por meio de qualquer instrumento (convênio, acordo, ajuste, contrato ou similar), fica sujeita ao cumprimento das disposições do Decreto n.º 5.296/2004, conforme disposto no inciso III do artigo 2º.

As edificações de uso público já existentes devem estar adaptadas para a acessibilidade das pessoas com deficiência (§ 1º, art. 19, Decreto n.º 5.296/2004) a partir junho de 2007.

Os estabelecimentos de uso coletivo têm o prazo até dezembro de 2008 para realizarem as adaptações para acessibilidade (§ 8º, art. 23, Decreto n.º 5.296/2004).

Todos os veículos do transporte coletivo rodoviário, aquaviário, metroferroviário, ferroviário e aéreo deverão ser fabricados de acordo com as Normas de Acessibilidade até dezembro de 2007 (art. 40 e art. 42, § 2º, Decreto n.º 5.296/2004).

Os serviços de transporte coletivo aéreo e os equipamentos de acesso às aeronaves devem estar acessíveis e disponíveis para serem operados por pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida até dezembro de 2007 (art. 44, Decreto n.º 5.296/2004).

Toda a frota de veículos do transporte coletivo rodoviário, metroferroviário e ferroviário deve estar acessível a partir de dezembro de 2014 (art. 38, § 3º e art. 42, Decreto n.º 5.296/2004).

As empresas concessionárias e permissionárias dos serviços de transporte coletivo aquaviário devem garantir a acessibilidade da frota de veículos em circulação, inclusive de seus equipamentos, a partir de junho de 2009 (art. 41, Decreto n.º 5.296/2004).

A acessibilidade aos portais e endereços eletrônicos da Administração Pública deve estar acessível às pessoas com deficiência visual a partir dezembro de 2005 (art. 47, Decreto n.º 5.296/2004).

Para a obtenção de financiamento público, é exigido o cumprimento da acessibilidade para as pessoas com deficiência visual, em portais e endereços eletrônicos de interesse público, a partir de junho de 2005 (art. 48, Decreto n.º 5.296/2004).

Os pronunciamentos do presidente da República em rede de televisão devem ser acessíveis por meio de janela de Libras a partir de junho de 2005 (parágrafo único, art. 57, Decreto n.º 5.296/2004).

Importante referir que, para a plena aplicabilidade do Decreto n.º 5.296/2004 e da Lei n.º 10.098/2000, os governos federal, estadual e municipal devem fortalecer a legislação sobre a acessibilidade nas respectivas instâncias para garantir que todas as pessoas tenham o mesmo direito de acesso aos espaços públicos, aos equipamentos, atrativos e serviços turísticos. Sendo assim, nas regiões turísticas, onde as questões da acessibilidade são reais para os próprios habitantes e para os turistas, todo o esforço deve ser feito pelos gestores públicos e agentes locais para inserir nas políticas de turismo as necessidades de acessibilidade de todos os cidadãos. O setor turístico também deve empreender ações visando à inserção das pessoas com deficiência no mercado de trabalho pela prestação de serviços turísticos, em cumprimento à legislação.

Compete ao Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência – CONADE, aos Conselhos Estaduais, Municipais e do Distrito Federal e às organizações representativas de pessoas com deficiência acompanhar e sugerir medidas para o cumprimento da acessibilidade.

3.2 viabilidade da região para o Ecoturismo

Ao se pensar o Ecoturismo como alternativa econômica para uma região turística – entendida como um território –, deve-se compreender esse segmento, primeiramente, como uma forma de promover a conservação e a valorização dos recursos ambientais e turísticos. A viabilidade, nesse caso, configura-se pela aptidão desse território em compreender e internalizar tal contexto. Para tanto, deve-se iniciar pelo inventário e análise dos recursos naturais e sua potencialidade como atrativo turístico, passando pela estruturação do destino – equipamentos e serviços básicos e de apoio ao turismo que comportem a prática do segmento, desde a participação da comunidade nesse processo até a promoção e comercialização do destino.

Para viabilização do ecoturismo numa determinada região, deve-se iniciar pelo inventário e análise dos recursos naturais e sua potencialidade como atrativo turístico para a estruturação do destino, com participação da comunidade local e mecanismos de promoção e comercialização dela.

3.2.1 Inventário, análise e controle do uso dos recursos naturais

É preciso verificar os recursos naturais presentes na região e a potencial capacidade de atrair fluxos turísticos. Isto é, a sua potencialidade como atrativo turístico, considerando que as características singulares da flora, da fauna, do relevo e da paisagem de modo geral conferem atratividade turística no caso desse segmento.

Quanto maior a excepcionalidade do recurso, maior será o seu potencial de atração. Nesse aspecto, as Unidades de Conservação concentram recursos que geralmente se constituem elementos singulares e carregam apelos motivacionais somente pelo fato de serem tituladas, tornando-se, por si, atrativos de excepcional importância para o Ecoturismo.

Além de identificar a potencialidade dos recursos naturais e suas condições de conservação, é necessário controlar seu uso para garantir a manutenção e a viabilidade do segmento. Nesse sentido, destacam-se a definição da capacidade de suporte dos atrativos turísticos, o zoneamento do solo onde as atividades do segmento são praticadas, o manejo florestal, o envolvimento comunitário e o desenvolvimento de diretrizes para sua visitação.

a) Unidades de Conservação (UC)

Entre os objetivos e as diretrizes que regem o conjunto das Unidades de Conservação (UCs) federais, estaduais e municipais está a “promoção da educação e interpretação ambiental, da recreação em contato com a natureza e do turismo ecológico”.

As unidades de conservação integrantes do S.N.U.C. (Sistema Nacional de Unidades de Conservação) dividem-se em dois grupos, com as seguintes categorias de manejo:

Quadro 1 – Grupos de Unidades de Conservação (UC)

I – UNIDADES
DE PROTEÇÃO INTEGRAl
II – UNIDADES
DE USO SUSTENTÁVEl
Estação Ecológica
Reserva Biológica
Parque Nacional
Parque Estadual
Monumento Natural
Refúgio de Vida Silvestre
Área de Proteção Ambiental
Área de Proteção Ambiental Estadual
Área de Relevante Interesse Ecológico
Floresta Nacional
Floresta Estadual
Reserva Extrativista
Reserva de Fauna
Reserva de Desenvolvimento Sustentável
Reserva Particular do Patrimônio Natural

A visitação, geralmente sujeita às normas e restrições estabelecidas no Plano de Manejo, é permitida em:

Parques Nacionais (PN), Estaduais e Municipais.
Monumentos Naturais e Jardins Botânicos.
Refúgios da Vida Silvestre.
Áreas de Proteção Ambiental (APA).
Floresta Nacional (FloNa), Estadual e Municipal.
Reserva Extrativista (ResEx).
Reserva de Fauna.
Reserva de Desenvolvimento Sustentável.
Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN).

A paisagem, a fauna, a flora e os elementos culturais existentes nas “áreas naturais” protegidas legalmente têm representado pólos de atração para os turistas de todo o mundo, contribuindo para que áreas remotas e partes de territórios pouco alterados sejam cada vez mais convertidos em destinos favoritos para turistas não convencionais. Estudos demonstram que os turistas estão visitando cada vez mais parques e reservas buscando experiências que os ajudem a compreender e valorizar o ambiente natural. Por outro lado, o Estado, atual responsável pelas áreas protegidas, tem sofrido com a pressão do setor privado, de organizações não-governamentais e de próprios grupos do poder público, para tornar as unidades de conservação lucrativas e geradoras de mais receitas do que despesas.

O incremento do uso das áreas naturais protegidas tem sido acompanhado por uma urgente necessidade de gerar fundos que possibilitem a manutenção da integridade ecológica dessas áreas, fazendo com que Planos de Manejo tentem promover a rentabilidade econômica dos parques e reservas e gestores e administradores passem a manejar a áreas considerando as necessidades das populações locais. Daí as iniciativas de gestão compartilhada junto à iniciativa privada das unidades de conservação nacionais, terceirizando certas funções e atividades vinculadas ao segmento.

O desenvolvimento do turismo em áreas protegidas pode gerar benefícios econômicos em nível local, regional e nacional que extrapolam a arrecadação advinda da cobrança de ingressos. Áreas naturais protegidas por lei são a garantia que o segmento necessita para progredir porque assegura aos investidores e operadores turísticos que o recurso natural (principal atrativo) não corre perigo de depredação. Porém, é importante observar que o êxito econômico do desenvolvimento do segmento nessas áreas depende de uma série de outros fatores relacionados como alojamento, acesso, qualidade dos serviços de guias, capacidade de incorporar ativamente a população local, entre outros, reconhecendo que a proteção da qualidade do recurso natural deve ser a prioridade.

b) Capacidade de suporte

A capacidade de suporte, aplicada na prática, depende das condições da área, do número e da qualidade dos equipamentos instalados, dos hábitos da vida selvagem e das populações locais. Seu objetivo é minimizar impactos negativos como descaracterização da paisagem, coleta e quebra de corais no mar, desmatamentos, entre outros.

Muito se fala no turismo de capacidade de carga, destacando que o estudo do tema é um dos métodos para garantir a sustentabilidade do lugar. Segundo Mathieson e Wall (1982), a capacidade de carga pode ser definida como “o número máximo de pessoas que podem utilizar um local sem uma alteração inaceitável no ambiente físico e sem o declínio na qualidade da experiência dos visitantes”.

Já o termo capacidade de suporte é mais abrangente e não limita os efeitos negativos no ambiente ao número de visitantes, mas sim a diversas variáveis que se somam à quantidade de visitação (Wallace, 2001 Apud Dias, 2003:82).

Diante do exposto, utilizaremos o termo capacidade de suporte para caracterizar parte do processo de monitoramento das atividades turísticas e correlatas no meio ambiente físico, social e cultural.

A capacidade de suporte deve ser utilizada pelos gestores das destinações e/ou Unidades de Conservação como uma estratégia de manejo dos impactos da visitação. Embora sua análise esteja vinculada ao limite de número de visitantes, é necessário entender as causas e efeitos da possível saturação do ambiente para encontrar outras soluções para resolução do problema. É uma ferramenta necessária para o gerenciamento dos atrativos naturais em áreas com forte pressão de demanda, como trilhas e cachoeiras.

Podem-se destacar alguns métodos para identificação de capacidade de carga, no entanto, serão indicados como métodos orientativos dois modelos usualmente aplicados em áreas naturais·:

VIM (visitor Impact Management) – Administração do Impacto da visitação, 1990. Essa é uma metodologia complexa que exige análise de políticas, legislação e aspectos sociais e ambientais, enfatizando a causa dos impactos. Para aplicá-la, devem-se seguir os seguintes passos:

Pré-levantamento de informações.
Analisar os objetivos de manejo.
Selecionar os indicadores de impactos.
Determinar padrões para esses indicadores.
Monitorar os indicadores.

Em casos desfavoráveis, deve-se:

Identificar as prováveis causas dos impactos identificados.
Determinar as estratégias de manejo.
Implementar (WEARING e NEIL, 2001).

Metodologia de Cifuentes para Capacidade de Carga, 1992. Foi desenvolvida para ser uma metodologia mais facilmente aplicável às áreas protegidas dos países em desenvolvimento, em razão da falta de recursos e de informações de pesquisas necessárias para a utilização dos outros modelos mais difundidos. Além disso, é o único modelo matemático entre as outras metodologias e, portanto, define um número exato de visitantes em um local.

É dividida em três etapas:

Determinar a capacidade de carga física (CCF) por meio da relação entre espaço disponível e espaço ideal de ocupação por pessoa.
Identificar a capacidade de carga real (CCR) submetendo a CCF a fatores de correção inerentes a cada área estudada.
Obter a capacidade de carga efetiva (CCE) por meio da restrição da CCR em função das possibilidades de manejo e administração do local.
Ao final, obtêm-se a relação CCF>CCR>CCE em ambientes naturais, que é o proposto por Cifuentes (1992).

É importante ressaltar que o limite de saturação de um ambiente não se esgota só pela análise de carga ecológica e biofísica, cabe também sinalizar o limite de suporte sociocultural e de capacidade de suporte estética/estrutural relacionada com a experiência do visitante e seu nível de satisfação na viagem por meio da prestação de serviços locais.

A capacidade de suporte, sendo um processo de monitoramento das atividades turísticas e correlatas no meio ambiente físico, social e cultural, deve ser utilizada pelos gestores das destinações e/ou Unidades de Conservação como uma estratégia de manejo dos impactos da visitação.

c) Zoneamento

O zoneamento, por sua vez, é um instrumento utilizado para o ordenamento do uso do solo.

As áreas de zoneamento definem os usos e estão assim distribuídas:

Áreas de recepção e serviços.
Área intensiva –
onde estão elementos interpretativos, serviços, trilhas, facilidades.
Ligações e corredores –
estradas primárias, secundárias e terciárias, rios, trilhas, picadas, rotas aéreas, praias.
Área intermediária –
geralmente sem serviços e equipamentos, mas possui sistema de trilhas ou atividades interpretativas. Nela ocorre visitação restrita.
Área intangível –
área que não pode ser visitada, utilizada para pesquisa, pois é a área de bancos genéticos e de reprodução.

O plano de manejo é o instrumento básico que fornece diretrizes para a conservação dos recursos naturais e que permite fazer o ordenamento e zonificação da área natural, definindo atividades, monitorando e avaliando os seus usos. A elaboração do plano de manejo é um dever das organizações gestoras das Unidades de Conservação e deve ser feita por uma equipe multidisciplinar e de maneira participativa com a comunidade e demais atores envolvidos direta e indiretamente com a Unidade de Conservação e o turismo

d) Manejo florestal

O manejo florestal compreende o conjunto de regras e métodos utilizados na exploração das florestas objetivando a geração de benefícios econômicos e sociais e respeitando o ecossistema, sendo indispensável para o aproveitamento dos recursos naturais de maneira sustentável. Além de impor um limite para o corte de árvores, devem ser mantidas intocadas pelo menos 10% da propriedade e as áreas próximas das nascentes e exige que a área de produção florestal seja dividida em terrenos pequenos que serão aproveitados, uma por vez, a cada ano. As propriedades que, comprovadamente, explorarem a floresta de forma não predatória são certificadas, ou seja, recebem um selo de qualidade ambiental, que comprova para o mercado a utilização de critérios ecológicos na exploração da floresta, o que pode se tornar um diferencial para a escolha dos turistas.

e) Envolvimento comunitário

Outro fator fundamental para a proteção dos recursos naturais é a promoção do envolvimento comunitário, principalmente em áreas protegidas. Dificilmente será possível proteger as unidades de conservação sem que seja formado um grupo de usuários ou visitantes que as conhecem, entendem seu valor e estão dispostos a defender suas áreas.

O envolvimento comunitário, principalmente em áreas protegidas, é fundamental para a proteção dos recursos naturais e o sucesso do desenvolvimento do Ecoturismo.

A comunidade que possui informações e conhecimentos valoriza seus recursos, defende sua identidade e desenvolve uma consciência crítica da sua realidade. A participação ativa da comunidade, juntamente com governos e empresários, é a base para a sustentabilidade do turismo. Como componente da biodiversidade, a contribuição das comunidades é fundamental para a conservação e uso sustentável do patrimônio biológico e genético do Brasil. A esses povos devem se reverter, de maneira eqüitativa, os benefícios advindos dessa exploração. Por isso, trabalha-se para que as comunidades locais se beneficiem dessa alternativa econômica e para que sejam capacitadas a estabelecer e gerenciar seus próprios negócios no setor.

Também faz parte do fomento do turismo a consolidação de uma cultura de ação conjunta que tenha como resultados impactos diretos e indiretos na economia local. Segundo França e Amaral (2005, p. 20), o significado genérico de cooperação é de trabalhar em comum, envolvendo relações de confiança mútua e coordenação em níveis diferenciados entre os agentes. A cooperação ocorre quando todas as pessoas de uma comunidade estão comprometidas com o seu desenvolvimento e sua qualidade de vida.

Na atividade turística, a cultura da cooperação acontece quando todos os atores sociais do turismo (governo, empresários, ONGs, instituições, comunidade, turista) se unem e de forma cooperativa procuram resolver as questões que impedem o desenvolvimento sustentável do turismo.

Por outro lado, o sentimento de pertencer ao grupo e à região onde estão os atrativos turísticos é que estabelece a relação das pessoas com o lugar, região e o próprio país. Desse sentimento nasce o interesse e a consciência de que se deve valorizar, proteger e conservar os recursos naturais e a cultura local. Assim fixa-se a identidade de lugar, por meio de suas crenças, ícones, histórias, belezas e saberes refletindo na originalidade dos produtos de Ecoturismo.

Porém, mesmo diante do envolvimento comunitário e da presença de áreas naturais preservadas, é importante observar que o êxito do segmento depende de outros fatores, relativos a alojamento, acesso, qualidade dos serviços de guias, entre outros, cabendo identificar também os serviços turísticos e de apoio existentes no local ao analisar a viabilidade do segmento.

3.2.2 Identificação dos serviços turísticos e de apoio

Para viabilizar a visitação, o segmento necessita de uma rede de negócios locais (hospedagem, alimentação, condução etc.) reunidos para comercialização por meio de operadoras de receptivo e operadoras emissivas. Logo, para ser viável ao desenvolvimento do segmento, a região deve dispor de meios de acesso em boas condições, serviços de infra-estrutura básica (água, coleta de lixo), além dos serviços de hospedagem, transporte, alimentação e apoio ao turismo como centros de informação, sinalização interpretativa e educativa, profissionais qualificados e outros. São fundamentais ainda, nesse segmento, os serviços de condução e guiamento, serviços médicos e de busca e salvamento – que devem ser disponibilizados a partir de um processo de capacitação adequado às peculiaridades das atividades do segmento.

É fundamental que toda a cadeia produtiva do Ecoturismo esteja capacitada, alinhada em suas ações e articulada em uma rede de negócios.

a) Transporte

No que diz respeito ao transporte, devem-se considerar os meios e o acesso:

Acesso: os acessos aos atrativos do segmento geralmente são por estradas pouco estruturadas, muitas vezes sem pavimentação e com capacidade para trânsito de poucos veículos.
Meios:
apesar de diversos, recomenda-se o uso de meios de transporte adaptados para as condições de acesso, seguros e que produzam impacto reduzido.
Meios:
apesar de diversos, recomenda-se o uso de meios de transporte adaptados para as condições de acesso, seguros e que produzam impacto reduzido.

b) Hospedagem

Alguns destinos oferecem meios de hospedagem e alojamentos chamados “ecoturísticos” e que, geralmente, se situam em áreas protegidas ou adjacentes a elas. A maioria deles tem poucas acomodações. O planejamento de meios de hospedagem para o segmento deve incluir questões organizacionais, questões de planejamento do local, design das edificações, utilização de energia e infra-estrutura dentro do conceito de tecnologias limpas, disposição de resíduos e acessibilidade.

c) Alimentação

Por estar situada, geralmente, em áreas protegidas, remotas e conservadas, observa-se que a alimentação é oferecida em conjunto com os serviços de hospedagem, estando caracterizada pela simplicidade, pelo respeito e valorização à culinária e gastronomia locais e pela disponibilidade de alimentos característicos da região. Cabe destacar a importância de considerar a manipulação segura de alimentos e a higiene.

d) Infra-estrutura

Entre os aspectos de infra-estrutura que merecem atenção para análise de viabilidade e desenvolvimento do segmento estão a infra-estrutura básica, questões de segurança, busca e salvamento e a presença de postos de saúde, ambulatório e primeiros socorros próximos aos empreendimentos turísticos.

Básica: diz respeito ao saneamento, energia, rede de comunicação.

Segurança: considera principalmente o isolamento das áreas preservadas e a presença de trilhas autoguiadas que podem pôr em risco a vida dos turistas, seja por meio de acidentes, seja por assaltos.

Busca e salvamento: além de ser importante a presença de grupos de busca e salvamento no local, é fundamental desenvolver processos de gerenciamento de riscos na região, ferramenta que facilita a identificação e análise de riscos. Com base em informações concretas e realistas de toda a região, com seus principais atrativos para visitação, é possível um planejamento para definir recursos humanos e materiais, procedimentos técnicos e o tipo de treinamento necessário para os membros dos grupos de busca e salvamento.

Também possibilita desenvolver trabalho de prevenção de acidentes com operadoras turísticas locais, diretamente com o turista e também com a comunidade.

Médico-hospitalar: item fundamental a observar no segmento, tendo em vista as distâncias entre os atrativos e os centros urbanos capacitados a atendimentos médico-hospitalares. Nesse sentido, recomendam-se ambulatórios ou postos de atendimento emergencial (pronto-socorro) em concordância com os processos de gerenciamento de riscos existentes.

e) Condução

A condução exerce papel fundamental no segmento por auxiliar e promover a educação ambiental por meio da interpretação dos recursos.

São algumas das principais funções dos guias e condutores em Ecoturismo: organizar, liderar o grupo, interpretar o meio ambiente, motivar o grupo, instruir e prover entretenimento. Nesse sentido é importante que se invista permanentemente em capacitação e aperfeiçoamento.

f) Receptivo

Os agentes de turismo locais são essenciais para promover a relação entre a região turística visitada, o turista e o tipo de experiência por ele vivenciada.

Ao considerar que o segmento comercializa, em muitos casos, locais periféricos, os agentes podem ter um papel crítico no aconselhamento e na recepção dos turistas que não conhecem a região. Monitores, guias treinados e naturalistas muitas vezes compõem o quadro de funcionários das agências de receptivo ou estabelecem acordos para terceirização de serviços, sendo os responsáveis, em parte, pela satisfação dos turistas. É importante destacar que o receptivo é o responsável pela articulação dos negócios locais, sejam eles geridos pelo setor privado, poder público, terceiro setor e comunidade, no momento em que reúne todos os serviços em um só produto.

3.3 Agregação de atratividade

Quando se incorporam atividades, serviços, valores e outros atributos ao produto turístico, aumentam sua atratividade. Os produtos diferenciados são mais competitivos e a sua escolha pelo consumidor ocorre porque o turista percebe maior valor nos produtos e atividades complementares valorizando seu investimento de viagem, além de estimular a ampliação da permanência no destino.

Alguns meios para agregação de atratividade em produtos do segmento merecem destaque, como o incentivo à pesquisa e à promoção do conhecimento, à promoção da responsabilidade social, à valorização da cultura local, à integração com atividades de outros segmentos, entre outros:

a) Conhecimento – por meio das informações corretas, aprender sobre a dinâmica dos ecossistemas, o significado e a significação dos elementos da natureza, podendo assim desfrutar corretamente os recursos.

b) Incentivo à pesquisa e promoção de conhecimento – investir na capacitação em resultados de pesquisas científicas, de modo a produzir informações exatas e atuais, já faz parte de um bom produto ecoturístico. Além disso, incentivar e patrocinar pesquisas e publicações direcionadas à região é estratégia para agregar atratividade ao produto oferecido. O empreendimento, ao promover a pesquisa e/ou publicação dos resultados para divulgação, obtém, em retorno, o adicional de oferecer ao turista a possibilidade de acompanhar um projeto de pesquisa ou até de receber recursos para instituições voltadas às questões ambientais. Assim, o empreendimento ganha um diferencial científico, oferecendo ao visitante a possibilidade de enriquecer seus conhecimentos ou até mesmo vivenciar um processo de pesquisa.

b) Incentivo à pesquisa e promoção de conhecimento – investir na capacitação em resultados de pesquisas científicas, de modo a produzir informações exatas e atuais, já faz parte de um bom produto ecoturístico. Além disso, incentivar e patrocinar pesquisas e publicações direcionadas à região é estratégia para agregar atratividade ao produto oferecido. O empreendimento, ao promover a pesquisa e/ou publicação dos resultados para divulgação, obtém, em retorno, o adicional de oferecer ao turista a possibilidade de acompanhar um projeto de pesquisa ou até de receber recursos para instituições voltadas às questões ambientais. Assim, o empreendimento ganha um diferencial científico, oferecendo ao visitante a possibilidade de enriquecer seus conhecimentos ou até mesmo vivenciar um processo de pesquisa.

c) Responsabilidade social – no turismo se caracteriza pelas ações que os vários atores sociais oferecem, promovendo iniciativas de turismo que favoreçam o desenvolvimento local e a inclusão social nas comunidades menos favorecidas.

Nas áreas ecoturísticas com notável índice de pobreza, podem ser desenvolvidos projetos pelas operadoras ou mesmo pelos turistas, de proteção da natureza, narração de histórias, artes, educação ambiental, promovendo dessa forma a qualidade de vida dessas populações.

A competitividade do Ecoturismo depende da capacidade de inovação de suas atividades e da qualidade da oferta.

d) valorização da cultura local – há uma tendência à valorização da diversidade cultural nas viagens, que enfatiza os saberes e fazeres e a identidade cultural na experiência turística que, antes de tudo, é uma experiência cultural.

Entre essas vivências destacam-se as artes, o artesanato, a gastronomia típica, os sítios históricos, as danças, as músicas, o folclore, os museus. A história, os costumes, o cotidiano da comunidade são, também, fontes de aprendizado e experiência cultural para o turista, proporcionando o intercâmbio entre a comunidade e o turista.

Essa vivência cultural pode ser incorporada ao segmento de Ecoturismo por meio de visitação a atrativos turísticos culturais ou à incorporação e valorização desses elementos de identidade local na oferta de serviços de alimentação, de hospedagem, de recreação e outras atividades, tais como oficinas de arte e ofícios.

Para que isso ocorra de forma autêntica para o turista e com o devido respeito à cultura local, pressupõe que a comunidade deve participar do processo de planejamento do segmento, assinalando os aspectos importantes e significativos no seu cotidiano, na sua história.

e) Integração de atividades e segmentos – os segmentos de turismo se relacionam em diferentes níveis e formas. No âmbito do Ecoturismo, o território é um elemento que permite a interação com outros segmentos pela oferta de diferentes atividades, agregando-lhes valor. O uso dos recursos com motivações e segmentos distintos permite que uma mesma cachoeira seja entendida, no Ecoturismo, como um atrativo natural a ser contemplado e interpretado e, no Turismo de Aventura, como um recurso adequado à prática do cachoeirismo.

Assim é possível a promoção de diferentes práticas, tais como caminhadas, passeios a cavalo, de bicicleta, de canoa, mergulho, arvorismo, que podem fazer parte tanto do Turismo Rural, como do Ecoturismo, do Turismo de Aventura, do Turismo Náutico e outros segmentos. Pressupõe-se, contudo, que sejam oferecidas com qualidade, segurança e respeito ao ambiente e às comunidades desde que sejam mantidas as características do segmento principal, que imprime identidade ao produto comercializado.

Ecoturismo e Mercado

O mercado de atuação do Ecoturismo vem evoluindo rapidamente porque grupos novos de turistas procuram cada vez mais experiências na natureza e tendem a se afiliar a organizações ambientais. Assim, o mercado deve estar atento às tendências do segmento para oferecer produtos e atividades desejadas pelo ecoturista.

Nesse mercado existem consumidores que buscam experiências por meio de atividades mais intensas, outros que fazem viagens mais curtas com a finalidade de vivenciar a natureza e alguns cujo objetivo é visitar lugares mais recônditos e áreas mais selvagens. Deve-se levar em conta, portanto, que se trata de um mercado diferenciado e especializado, sem um apelo amplo. O diferencial mais importante dos produtos ecoturísticos é a agregação do valor intrínseco dos recursos naturais.

4.1 Marketing responsável

Em relação ao Ecoturismo, o marketing deve ser socialmente responsável, ou seja, envolver, no caso do destino, a instituição, com o objetivo do fortalecimento da sua marca. Esse marketing deve ser balizado pela ética, legalidade e responsabilidade social.

A imagem e a marca do produto devem estar ligadas aos princípios do Ecoturismo e do desenvolvimento sustentável, sendo de fundamental importância que os empreendimentos e prestadores de serviços ligados ao Ecoturismo associem seu produto a essa imagem, evitando assim o apelo restritivo do termo ecológico a sua localização geográfica e/ou aos aspectos da paisagem natural. A imagem deve estar intrinsecamente associada a uma conduta e ações realmente responsáveis e preocupadas com a sustentabilidade do meio.

O mercado do Ecoturismo deve observar, ainda, que o marketing deve ser associado à responsabilidade ambiental, buscando integrar empresa, fornecedores e sociedade, no intuito de que as ações sejam realizadas fundamentadas na proteção e respeito do meio ambiente.

4.2 Promoção e comercialização

No que tange aos aspectos de promoção e comercialização de Ecoturismo no Brasil, é necessário considerar suas peculiaridades, por envolver especificamente insumos ambientais, políticas públicas, organizações ambientalistas e o próprio mercado.

Dessa forma, cabe ressaltar que, no caso do Ecoturismo, os agentes promotores e comercializadores do segmento não são compostos apenas pelo setor privado. Observa-se que o governo também é parte importante da cadeia de produção e distribuição do turismo, devido às atividades e ações desenvolvidas em Unidades de Conservação, cuja gestão é pública. Como outro elo da cadeia, apresentam-se as organizações não-governamentais ambientalistas ou socioambientalistas promovendo destinos, serviços e produtos que assumem caráter turístico.

No Ecoturismo, o processo de distribuição e comercialização ocorre das seguintes formas:

Diretamente aos consumidores – quando as unidades de conservação e os atrativos oferecem atividades diretamente aos turistas e visitantes.
Utilizando intermediários –
quando os produtos e serviços são oferecidos por meio de operadoras e agências de viagem.
Por associações de profissionais autônomos (guias e condutores) –
quando as atividades de Ecoturismo são oferecidas de forma acompanhada e orientada desde a recepção até sua prática.

A promoção do Ecoturismo deve estar vinculada a um planejamento estratégico da imagem do destino e seus produtos, visando, assim, não só à promoção de destino de Ecoturismo, mas também à prospecção dos produtos aos mercados-alvo detectados em tal planejamento e comercializados por meio da cadeia distributiva do Ecoturismo.

Referenciais Bibliográficos

AMARAL, Carmélia. Ecoturismo e envolvimento comunitário. IN: VASCONCELOS, Fábio Perdigão (org.). Turismo e Fortaleza: UECE, 1998.
__________________. Ecoturismo na Bahia. Salvador: SEBRAE, 1995.
ARAÚJO, Carolina Dutra. Perfil do visitante e capacidade de Carga Turística em Unidade de Conservação: o caso do parque Estadual da Ilha Grande, RJ (mestrado em Ciências Ambientais e Florestais) – Rio de Janeiro: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 2006.
Atlas do Meio Ambiente do Brasil. Brasília: EMBRAPA – SPI: Terra Viva, 1996.
BANDUCCI JR. A e MORETTI, E. C. (org.) Qual paraíso? Turismo e ambiente em Bonito e Pantanal. Campo Grande: UMFS, 2001.
BENI, M. C. Análise estrutural do turismo. 2ª ed. São Paulo: SENAC, 1998.
BOO, E. O planejamento ecoturístico para áreas protegidas. In: Linderberg,
K. E. Hawkins, D. E. (Ed.). Ecoturismo: um guia para planejamento e gestão. Sao Paulo: Ed. SENAC, 1999.
BOULLON, Roberto. Ecoturismo – Sistemas naturales y urbana. Buenos Aires: Librerías Turísticas, 1993.
BRASIL. Diretrizes para uma política nacional do ecoturismo. Brasília: EMBRATUR, 1994.
BRASIL. Ministério do Turismo. Plano Nacional de Turismo 2007/2010: Uma viagem de Inclusão. Brasília: Ministério do Turismo, 2007.
__________________. Segmentação do Turismo: Marcos Conceituais.
Brasília: Ministério do Turismo, 2006.
__________________. Segmentação do Turismo: Turismo Cultural. Brasília: Ministério do Turismo, 2006.
BRASIL. Guia do chefe: manual de apoio ao gerenciamento de Unidades de Conservação Federais. Brasília: IBAMA, GTZ, 2000.
BRASIL. Programa Nacional de Educação Ambiental. Documento em consulta nacional, 2ª ed. Brasília: Ministério do Meio Ambiente e Ministério da Educação, 2004.
BRÜGGER, Paula. Educação ou adestramento ambiental? Florianópolis: Letras Contemporâneas, 1994.
CEBALLOS-LASCURÁIN, H. O Ecoturismo como um fenômeno mundial.
Ecoturismo: Um guia para planejamento e gestão. Linderberg, K. E. Hawkins, (ed.) São Paulo: SENAC, 1995.
CEDDET – Fundación Centro de Educación a Distancia para el Desarrollo Económico y Tecnológico; Ministerio de Industria, Turismo y Comercio, Secretaria
de Estado de Turismo y Comercio (Espanha). Módulo 1: De Recursos a Productos en los Destinos Turísticos Culturales. Curso: Creación y Gestión de Productos y Destinos Turísticos Culturales Competitivos. Curso online, 2005.
CIFUENTES, M. Determinación de Capacidad de Carga Turística em áreas Protegidas. Série Técnica – Informe Técnico n.° 194. CATIE, Turrialba, Costa Rica, 1992.
CRUZ, R. de C. Política de turismo e território. 3ª ed. São Paulo: Contexto, 2002.
COSTA, P. C. Unidades de Conservação. São Paulo: Aleph, 2002.
DE LAS HERAS, Mônica Pérez. la Guia del Ecoturismo o como consejar la naturaleza através del turismo. Mundi-Prensa, Madrid: 1999.
DIAS, REINALDO. Turismo Sustentável e Meio Ambiente. São Paulo: Atlas, 2003.
EFE, M. A. Guia Prático do Observador de Aves. Santo Amaro da Imperatriz: CEMAVE/IBAMA: 1999.
EMBRATUR. Estudo de demanda turística internacional. Brasília: EMBRATUR, 2002.
FENNEL, David A. Ecoturismo – uma introdução. São Paulo: Contexto, 2002.
FRANÇA, Rosana e AMARAL, Carmélia. Destinos Competitivos – Metodologia para regionalização e roteirização turística. Salvador: Sebrae, 2005.
LAGE, Beatriz H. Gelas & Milone, Paulo César (org). Turismo: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2000.
LEONY, ÂNGELA. Ecoturismo: Algo a mais que a busca do homem por paisagens naturais. IN: VASCONCELOS, Fábio Perdigão (org.). Turismo e meio ambiente. Fortaleza: UECE, 1998
MARGULIS, Sérgio. A Regulamentação Ambiental: Instrumentos e Implementação. Rio de Janeiro, 1996
MATHIESON, A. & WALL, G. Tourism: Economic, Physical and Social Impacts. Harlow, Longman, 1982.
MCKERCHER, Bob. Turismo de Natureza – Planejamento e Sustentabilidade. São Paulo: Contexto, 2002.
MOLINA, E. S. Turismo e ecologia. Bauru, SP. EDUSC, 2001.
MURTA, Stela: GOODEY, Brian. A interpretação do patrimônio para o turismo sustentável: um guia. Belo Horizonte: Editora SEBRAE, MG, 1995.
MURTA, S. M & ALBANO, C. (org) Interpretar o patrimônio: um exercício do olhar. Belo Horizonte: UFMG/ Território Brasilis, 2002.
OMT. Desenvolvimento do turismo sustentável: manual para organizadores locais. Brasília: OMT, 1994.
OMT. Código Mundial de ética do turismo. Santiago do Chile: OMT, 1999.
PADUA, S. M; LOPATA, J.; RAVENDRA, V. Ecoturismo e conservação da natureza. In: ROURE, M & PADUA, S. M. (org.) Empreendedores sociais em ação. São Paulo: Cultura Eds, 2001.
PELLEGRINI FILHO, Américo. Dicionário Enciclopédico de Ecologia e Turismo. 1ª. Ed. São Paulo: Manole, 2000.
ROCKTAESCHEL, Benita Maria M. M. Terceirização em áreas protegidas. Estímulo ao ecoturismo no Brasil. São Paulo: Senac, 2006.
RODRIGUES, Carmem Lúcia. Na Safra do Turismo. In:__Ecoturismo no Brasil: possibilidades e limites. Adyr Balastreri Rodrigues (org.) São Paulo: Contexto, 2003.
RUSCHMANN, D. Turismo e planejamento sustentável: a proteção do meio ambiente. Campinas, SP: Papirus, 2004.
SACHS, I. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.
SERRANO, Célia Maria de Toledo. O “produto” ecoturístico. In:__Turismo.
Como aprender, como ensinar. Vol. 2 Marília Gomes dos Reis Ansarah (org.) – 3ª. Ed. – São Paulo: ed. Senac São Paulo, 2004.
SINAY, L. Ecoturismo e culturas tradicionais. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: UFRJ/ CFCH, 2002.
WEARING, Stephen e NEIL, John. Ecoturismo: impactos. Potencialidades e possibilidades. São Paulo: Editora Manole, 2001.
WTTC. Agenda 21 for the Travel & Tourism Industry: Towards Environmentally Sustainable Development Progress Report N.º 1 (1998).
WTTC: London, 1998.
WWF Brasil. Manual de Ecoturismo de Base Comunitária: ferramentas para um planejamento responsable. Brasília: WWF Brasil, 2003

Fonte: institucional.turismo.gov.br

Ecoturismo

A FUNÇÃO SOCIAL DO ECOTURISMO

Introdução: as interfaces ambiental, cultural e econômica do ecoturismo

As justificativas que ressaltam a importância do ecoturismo no Brasil abrangem três dimensões: o papel desempenhado na proteção ambiental, nas trocas culturais e na geração de emprego e renda. Diante do promissor mercado que se anuncia para um breve futuro, o ecoturismo adquiriu destaque ultimamente não apenas na indústria do turismo, mas também no âmbito científico. Esse fenômeno social tem se revelado um atraente objeto de estudo para pesquisadores das ciências ambientais, que compreenderam suas íntimas relações – positivas ou negativas – com a proteção ambiental e a dinâmica cultural das comunidades envolvidas.

Nesse contexto, dois temas adquiriram centralidade nos estudos relativos ao ecoturismo: os limites e possibilidades do ecoturismo com relação à proteção ambiental e com relação à dinâmica cultural.

Contudo, a terceira temática – a interface socioeconômica do ecoturismo – permanece ainda pouco explorada no âmbito científico; tendo em vista sua importância estratégica para o planejamento de políticas públicas sustentáveis de desenvolvimento local que também sejam capazes de promover distribuição de renda. Aqui, a questão central a ser formulada gira em torno das relações existentes entre o ecoturismo e a mudança social. É importante avaliar em que medida o ecoturismo pode contribuir para reverter o quadro da desigualdade social brasileira e promover distribuição de renda, sobretudo quando esse novo mercado afirma ser um gerador de emprego e renda.

O ecoturismo apresenta vínculos não apenas com a dimensão ambiental e cultural da sustentabilidade, mas também com a dimensão sócio-econômica. E considerando que essa dinâmica carece de reflexão teórica, essa constatação serve de estímulo para um olhar analítico a respeito das relações entre o ecoturismo e a reprodução das condições sociais. Nesse sentido, esse texto objetiva discutir as relações estabelecidas entre o ecoturismo e a mudança social, apontando para uma justificativa em defesa da necessidade de criação de políticas públicas para o ecoturismo que definam explicitamente a sua função social.

O ecoturismo e a mudança social

Sinteticamente, a discussão atual sobre o ecoturismo envolve duas preocupantes questões: sua relação com a proteção da natureza, entendido o ecoturismo como um instrumento de proteção ambiental pela via do mercado, focando sobretudo as questões relativas à capacidade suporte do ambiente para receber uma quantidade de visitantes adequada que não gere impactos ambientais negativos; e sua relação com a dinâmica cultural, entendido o ecoturismo como um vetor de aceleração de trocas culturais entre o viajante e o residente do espaço visitado pelo ecoturista, focando sobretudo as questões relativas às trocas culturais desiguais entre os visitantes e os moradores locais.

É satisfatório considerar o ecoturismo como uma possibilidade concreta tanto de proteção da natureza, como de fortalecimento cultural das comunidades habitantes no destino do ecoturista.

Essa perspectiva não só é considerada como um dos princípios básicos norteadores do ecoturismo, ao referirem-se ao respeito à conservação ambiental e às comunidades locais, como também foi incorporada no próprio conceito de ecoturismo, que afirma ser esse um:

“segmento da atividade turística que utiliza, de forma sustentável, o patrimônio natural e cultural, incentiva sua conservação e busca a formação de uma consciência ambientalista através da interpretação do ambiente, promovendo o bem-estar das populações envolvidas.”

Porém, estabelecer a preocupação com a proteção do patrimônio ambiental e cultural como princípio do ecoturismo pode ser satisfatório mas não é suficiente. Há uma outra questão, igualmente preocupante, que o ecoturismo envolve: é a sua relação estabelecida com fatores sócio-econômicos, fato que, afinal de contas, poderia chamar a atenção para se levantar a discussão a esse respeito, já que dois argumentos em defesa desse segmento da indústria do turismo mencionam diretamente a dimensão econômica. O primeiro deles diz respeito às oportunidades de negócio oriundas do novo mercado ecoturístico, que pode movimentar vultosas quantias de recursos financeiros. Frente às estimativas que consideram esse segmento do turismo como o que mais cresce no mundo, a uma taxa de mais de 20% ao ano, não há dúvidas que esse novo mercado altamente promissor seja capaz de gerar riquezas como poucas indústrias conseguem fazer. O mercado do ecoturismo brasileiro movimenta algo em torno de meio milhão de turistas e cerca de quinhentos milhões de reais ao ano, criando por volta de trinta mil empregos diretos.

Contudo, como serão distribuídos os benefícios da riqueza gerada por essa indústria é uma questão que não está muito bem definida. Com quem ficará a volumosa movimentação econômica desse mercado ainda é uma preocupante incógnita. Essa dúvida nos remete então à segunda justificativa da importância econômica do ecoturismo para o Brasil, fornecendo indícios sobre a expectativa do mercado ecoturístico a respeito da distribuição dos benefícios econômicos do ecoturismo: afirma-se que o ecoturismo é um segmento do turismo capaz de ser um fator de geração de emprego e renda, que poderá beneficiar inúmeras comunidades rurais que possuem porções intactas de natureza com forte apelo estético capaz de se constituir num atrativo turístico.

Entretanto, mesmo com essa manifestação de boa intenção, é importante salientar que a própria definição do conceito de ecoturismo apresenta uma expressão vaga demais para precisar de que forma o ecoturismo pode promover o bem-estar e a melhoria da qualidade de vida das populações envolvidas. Diante das condições sociais brasileiras, que apresentam um preocupante quadro histórico de concentração de renda, e dado o potencial econômico desse novo mercado, o ecoturismo sobressai com uma importante função social a cumprir: ele pode ser considerado um relevante instrumento de distribuição de renda, mais engajado do que as tímidas menções que se referem à geração de emprego e renda ou melhoria da qualidade de vida das populações envolvidas, como benefícios econômicos indiretos do ecoturismo.

A eclosão da crise ambiental e a valorização da estética da natureza Para iniciar essa reflexão que tece relações do ecoturismo com a mudança social, é preciso entender o ecoturismo sob uma perspectiva pouco usual, onde ele aparece como um fenômeno social oriundo de uma situação muito peculiar desde que a crise ambiental eclodiu nas sociedades modernas.

A crise ambiental apresentou o mérito de ter afetado, mas não destituído, muitos dos valores do projeto central da modernidade, que se constitui na valoração do artificial em detrimento do natural, onde a natureza, que antes era objeto de apropriação e exploração, passa a ser positivamente valorada frente ao panorama de escassez de recursos naturais. Nesse sentido, é razoável partir do pressuposto de que o ecoturismo corresponde a um fenômeno social eminentemente decorrente da eclosão da crise ambiental, onde a relação entre o ambiente artificial e o ambiente natural assume novos e intrincados contornos em termos de valoração simbólica. Por conseguinte, a nova alteridade natural-artificial provoca novos significados para o viajante que procura o exótico, o diferente. Assim, um novo horizonte de destinos se abre ao turismo, ampliando as possibilidades de viagens, agora também para a natureza.

Em outras palavras, uma das variáveis que tornou possível e viável o fenômeno ecoturístico foi a nova polarização dos valores sociais conferidos para o espaço urbano e para o espaço natural. O espaço natural tornou-se o novo objeto de desejo do viajante, imbuído da necessidade de contato e alteridade com as origens, a pureza, a ordem, o ritmo e a estética natural. A nova subjetividade engendrada pela escassez de natureza, acompanhada pela valorização da estética da natureza, parecem ser fatores suficientemente fortes para explicar porque esse é um novo e promissor mercado, o segmento da indústria do turismo que apresenta comparativamente o maior crescimento dentro do setor turístico.

O ecoturismo é um sintoma da mudança de paradigma. A repugnante, inóspita e assustadora natureza, que antes era qualificada como ‘mato’ ou ‘selva’, virou ‘floresta’. Desse modo, essa atividade produtiva só foi possível florescer depois que a construção social da natureza retirou o seu caráter ‘selvagem’, para torná-la atraente e acolhedora. De dominada e explorada, quando adquiria valor apenas se transformada pelo trabalho humano, passou a ser venerada e reverenciada, alvo de romarias e peregrinações para verdadeiros ‘santuários ecológicos’ ainda preservados no país.

O ecoturismo como um novo mercado

Se o ecoturismo não envolvesse a variável econômica, ele poderia ser um mero instrumento de proteção do patrimônio ambiental e cultural. Mas como a produção do valor simbólico para a natureza foi registrada pelo mercado como uma nova oportunidade de negócio, e esse valor simbólico foi materializado como um mercado ecoturístico, permeado por relações mercantis em torno da mercadoria ‘natureza esteticamente atraente’, o ecoturismo se caracteriza por ser o dinamizador de um novo mercado que carrega em si o potencial de produzir efeitos colaterais positivos, como a proteção ambiental e cultural. Evidentemente, dependendo do enfoque, o ecoturismo pode ser entendido sob as duas perspectivas, que do ponto de vista ideológico, disputam legitimidade interpretativa sobre seu significado. Contudo, uma abordagem complexa do fenômeno do ecoturismo ressalta as relações sociais em torno dessa mercadoria, exigindo portanto, a realização de leituras adequadas a essa realidade. A omissão da variável socioeconômica do ecoturismo resulta num processo de alienação das relações sociais que permeiam esse mercado, resultando em posturas políticas simplistas e ingênuas, por desconsiderar então as relações que o ecoturismo estabelece com a mudança social.

Em suma, o ecoturismo é um fenômeno se não eminentemente econômico, pelo menos fortemente determinado por condicionantes econômicos que direcionam não apenas as tendências de crescimento desse mercado como também os mecanismos de reprodução social. Em outras palavras, se a natureza se tornou uma nova mercadoria, o ecoturismo representa a criação de um novo mercado, possibilitado em função da eclosão da crise ambiental que apresentou como efeito subjetivo, a criação de uma nova sensibilidade capaz de fornecer um valor estético positivo à natureza. A natureza como uma nova mercadoria, passa por uma outra onda de apropriação pelo mercado, mas dessa vez, não dos produtos gerados, mas dos serviços prestados, a exemplo da contemplação estética da beleza natural.

As relações produtivas e mercantis no mercado ecoturístico

E como se estrutura esse mercado? Quais são e como se comportam, trocando em miúdos, os agentes encarregados das relações produtivas (relações entre capital e trabalho)? O ecoturismo é uma nova atividade econômica que tem a natureza como mercadoria, embora essa mercadoria não seja produzida por ele, mas sim pela própria natureza. A natureza é considerada por alguns sociólogos ambientais como a ‘terceira força produtiva’, como uma alusão às duas outras forças que movimentam o circuito produtivo: o capital e o trabalho.

Dada então a capacidade recentemente reconhecida da produção de serviços ambientais pela natureza com utilidade para o ser humano, a natureza se configura então como a terceira força produtiva.

Ou seja, a singularidade do ecoturismo como indústria capitalista é que ele transaciona uma mercadoria praticamente auto-produzida: ela é natural, e não socialmente concebida, mas mantida ou incrementada pelas comunidades ali residentes. Cabe ao empreendedor ecoturístico, como proprietário da mercadoria, apenas a tarefa de humanizar a paisagem, prover a infra-estrutura de acolhimento dos visitantes, a logística da viagem e condução do visitante pelo interior do santuário. O trabalho humano, realizado frequentemente pelos moradores locais como mão-de-obra trabalhadora, se resume em acrescentar um toque de ‘civilidade’ através de trilhas interpretativas, passarelas, pontes suspensas, torres de observação, mirantes, centros de recepção de visitantes, etc. O viajante ecoturista ocupa o espaço do consumidor, que entra no circuito através das relações mercantis estabelecidas com o empreendedor ecoturístico ao oferecer o pacote a seu cliente.

Como todo mercado, o ecoturismo não está isento da busca da economia de escala, que se caracteriza, no caso do turismo, no consumo de massas. Nesse sentido, o ecoturismo se qualifica como um voraz consumidor de espaços, colocando-o à mercê do dilema econômicoecológico, caracterizado pelo balanço entre a maximização dos investimentos sem o comprometimento da capacidade suporte ideal. A sustentabilidade do negócio ecoturístico depende em grande medida da capacidade de se encontrar esse ponto de equilíbrio.

Educação ambiental como compensação do risco do mercado ecoturístico

O ecoturismo é tradicionalmente considerado um veículo da educação ambiental, encarregado sobretudo da sensibilização e aquisição de conhecimentos ecológicos. Por outro lado, considerando os riscos do ecoturismo que podem comprometer sua própria sustentabilidade, a educação ambiental se transforma em veículo do ecoturismo.

Assim, a educação ambiental no contexto do ecoturismo, assume novos contornos no que diz respeito às suas metas, pois agora, a importância de uma eficaz sensibilização do turista com relação à proteção ambiental e cultural do espaço visitado, necessário para a natureza e a comunidade local, também se refere à sustentabilidade do próprio negócio ecoturístico.

À despeito dos benefícios que o ecoturismo apresenta, há que se considerar o que se convenciona chamar de ‘efeito colateral’ mas que na verdade é a própria característica da mercantilização da natureza: o duplo risco da atividade (ultrapassar a capacidade suporte do ambiente e provocar a desestruturação cultural da comunidade local). Tais riscos são sublimados pela expectativa de que o papel da educação ambiental seja justamente o controle desses ‘efeitos colaterais’. Por isso enfatizamos que o mercado ecoturístico apresenta um potencial para proteger o patrimônio natural e cultural. A proteção desses patrimônios não é inerente ao ecoturismo, mas dependente da educação ambiental.

Assim, a educação ambiental assume aqui um papel de maior importância tanto para refrear uma sobrecarga de visitantes que poderia afetar a capacidade suporte do ambiente, como para minimizar a possível desestruturação da cultura local. Nesse sentido, a educação ambiental aplicada ao ecoturismo caracteriza-se por ser um mecanismo de compensação do risco da atividade econômica, provendo a segurança necessária para que o sucesso do negócio ecoturístico de hoje não signifique o seu fracasso amanhã.

Os modelos de ecoturismo

Sob essa perspectiva que envolve uma dinâmica de correlação de forças entre capital e trabalho, existem dois modelos de ecoturismo, que devem ser aqui entendidos como duas categorias possíveis apenas como tipo-ideal, ou seja, que representam pares binários que no real podem conter elementos comuns imbricados entre si: o ecoturismo empreendedor e o ecoturismo de base comunitária, cujas características básicas estão descritas no quadro a seguir.

ECOTURISMO DE BASE COMUNITÁRIA ECOTURISMO EMPREENDEDOR
A comunidade local é a própria operadora do negócio
ecoturístico, permitindo o desenvolvimento comunitário
local, a emancipação política e favorecendo a
distribuição de renda.
A operadora do negócio ecoturístico não é
proveniente da comunidade local, mas de centros
urbanos, o que dificulta a distribuição de renda.
A renda gerada permanece na comunidade local e é
distribuída entre os trabalhadores da atividade.
A renda gerada é destinada ao lucro dos
empreendedores que financiam a atividade.
Há espaço para inclusão e inclusive ascensão social,
já que a própria comunidade local é responsável pela
gestão da atividade.
Fala-se de oportunidade de geração de emprego
para a comunidade local, para ocupar funções de
serviços, mas não de empreendimento.
O pacote ecoturístico envolve múltiplas dimensões:
natureza, história e cultura como variáveis
indissociadas. Locais de destino são sobretudo
comunidades extrativistas.
O pacote ecoturístico privilegia a beleza natural.
Locais de destino são sobretudo os ‘hotéis de
selva’.
O turista imerge na realidade local real, se impregna
da vida cotidiana da coletividade, vivencia o
envolvimento profundo e legítimo da rotina da
comunidade local naquele espaço protegido. O turista
experimenta a alteridade de si com o outro como
continuidade da natureza.
O turista imerge numa realidade fantasiosa,
vivencia um contato idealizado de uma natureza
idílica, virgem e dadivosa, de forma superficial e
folclórica. O turista experimenta apenas a
alteridade de si com a natureza exposta numa
vitrine.
O turista experimenta um contato direto com a
realidade, com pouca mediação do guia.
O turista experimenta um contato indireto com a
realidade, com forte mediação do guia.

Diante desse quadro que expõe os modelos de ecoturismo, torna-se explícito reconhecer que enquanto o ecoturismo de base comunitária possibilita converter os fatores sócio-econômicos em favor da mudança social, o ecoturismo empreendedor age em função da manutenção das condições sociais historicamente inalteradas.

Nesse sentido, é interessante ainda tecer considerações a respeito da formação profissional de recursos humanos para atuar no ecoturismo. Dependendo do enfoque que se implemente, é possível identificar duas possibilidades, de acordo com os dois modelos: uma que prepara recursos humanos para geração de empregos (considerados como trabalhadores subordinados ao capital) para o ecoturismo empreendedor, outra que prepara recursos humanos para ascensão social (considerados como trabalhadores em busca da emancipação política e autonomia econômica), para o ecoturismo de base comunitária. Para uns, cursos de culinária, recepção, hospedagem, guia, entre outros, que mantém inalterada a relação capital e trabalho; para outros, cursos de associativismo, empreendedorismo e gestão de negócios, além evidentemente, de linhas de crédito popular, subsidiando a mudança social.

A função social do ecoturismo resgatada em políticas públicas

O potencial de mercado do ecoturismo no Brasil é enorme e promissor. Resta saber se teremos capacidade de aproveitá-lo não só como um valioso instrumento de proteção do patrimônio ambiental e cultural, ma também como uma oportunidade de promoção de ascensão social e distribuição de renda.

O mercado capitalista produziu valor destruindo a natureza, e seu caráter cíclico agora o faz produzir valor protegendo a natureza. A questão não é saber das verdadeiras intenções do mercado no que diz respeito à proteção do patrimônio natural e cultural, mas como será repartida a riqueza gerada pela exploração econômica da natureza protegida. A história tem evidenciado que o mercado não conseguiu distribuir a riqueza gerada pela exploração da natureza, quando esta só adquiria valor enquanto produto transformado pelo trabalho humano. Terá ele agora capacidade de distribuir a riqueza gerada pela nova onda de exploração da natureza? Tendencialmente, o mercado pode ser um bom alocador de recursos, mas não é um bom mecanismo de justiça distributiva, já que a balança do poder no mercado livre pende sempre em favor do capital.

Do problema que procuramos discutir à idéia que procuramos defender, torna-se explícito o importante papel que as políticas públicas assumem como vetor distributivo para equilibrar as forças do mercado, que por si só, já provaram não serem capazes de repartir a riqueza gerada pela exploração econômica da natureza. Urge que sejam criadas políticas públicas voltadas ao ecoturismo que sejam de caráter distributivo, onde sejam contempladas não apenas a dimensão ambiental e cultural mas também a socioeconômica da sustentabilidade.

O potencial do mercado do ecoturismo para produzir efeitos colaterais positivos se torna de fato efetivo, pela atuação do livre mercado sem o controle efetuado por políticas públicas, porque transaciona uma mercadoria que para ser consumida, inerentemente precisa ter incorporada essas qualidades adicionais, a proteção ambiental e cultural, condicionantes do sucesso do negócio. Mas, desde que acompanhado de eficazes programas de educação ambiental. Contudo, a função social do ecoturismo, quer seja, a justa repartição dos benefícios advindos da riqueza gerada por esse mercado, só pode ser alcançada com algum controle social que regule as relações sociais em condições de igualdade.

Políticas públicas liberais e conservadoras podem ter como meta a ‘geração de emprego e renda’, investindo por conseguinte, em modelos de ecoturismo empreendedor; já as políticas públicas progressistas e emancipatórias podem ter como meta a ‘ascensão social e a distribuição de renda’, investindo portanto, em modelos de ecoturismo de base comunitária.

O ecoturismo pode ser apenas uma estratégia a mais de conservação da natureza ou um mecanismo de desenvolvimento social que integre a variável ambiental, dependendo do planejamento proposto pelas forças políticas. Enquanto a primeira opção procura não alterar as condições sociais já consolidadas, que normalmente apresentam relações produtivas e mercantis tendenciosamente desequilibradas na balança do poder em favor do capital, a segunda opção procura justamente reverter esse quadro, agindo em favor de um maior equilíbrio nessa relação assimétrica de poder. Eis o verdadeiro papel do Estado como formulador de políticas públicas, eis uma excelente oportunidade para o país ao mesmo tempo em que protege sua natureza através de uma atividade econômica de baixo impacto ambiental, promover a justiça social.

O ecoturismo não está à margem das condições de reprodução social, já que ele é permeado por relações produtivas e mercantis, notadamente determinadas pelo livre mercado. Ele é um instrumento ideológico que, por intermédio de qualquer relação social mediada pelo capital, pode agir seja em função da conservação ou da transformação social, dependendo do que se decida como diretriz política para o ecoturismo. Daí o apelo para a necessidade de se criar políticas públicas capazes de definir a função social do ecoturismo.

Philippe Pomier Layrargues

Fonte: material.nerea-investiga.org

Ecoturismo

O Ecoturismo é um segmento da atividade turística que utiliza, de forma sustentável, o patrimônio natural e cultural, incentiva sua conservação e busca a formação de uma consciência ambientalista através da interpretação do ambiente, promovendo o bem-estar das populações envolvidas.

O Brasil é reconhecido internacionalmente pela profusão e combinação de fatores que o distinguem como país de maior potencialidade para o desenvolvimento do ecoturismo.

O Governo Federal, cônscio de sua responsabilidade no processamento dessas matérias-primas para a modelagem de produtos ecoturísticos qualificados, promoveu estudos pormenorizados da realidade ecoturística brasileira, implementados no âmbito do programa Pólos de Desenvolvimento de Ecoturismo no Brasil.

Os pólos de ecoturismo são zonas geográficas localizadas em cada estado que apresentam atrativos naturais e culturais de interesse ecoturístico. Eles têm prioridade para investimentos do setor público e privado para o desenvolvimento da atividade turística. A implantação de pólos depende de planejamento, envolvimento das comunidades locais, conservação dos atrativos naturais e investimentos em infra-estrutura, equipamentos e serviços turísticos.

PATRIMONIO DA HUMANIDADE

O Brasil é um país repleto de belezas naturais ou produzidas pela mão do homem, certificadas pela Unesco como Patrimônio da Humanidade. Olinda, em Pernambuco, um contraste da arquitetura antiga com a beleza do mar; Ouro Preto, em Minas Gerais, exemplo da arquitetura barroca; Congonhas, também em Minas Gerais, com as esculturas do maior representante da arte barroca, o mestre Aleijadinho; Pelourinho, em Salvador, na Bahia, com seus casarões coloniais, onde pode ser encontrada a Igreja de São Francisco, decorada em ouro.

E mais: São Luís, no Maranhão, o maior conjunto arquitetônico de origem portuguesa na América Latina; São Miguel das Missões, no Rio Grande do Sul, ponto alto do Circuito Internacional das Missões Jesuítas; Lapinha, em Minas Gerais, Patrimônio Natural da Humanidade, uma imensa gruta com 511 metros de extensão e 40 metros de profundidade; Parque Nacional do Iguaçu, no Paraná, com 272 quedas d’água, com até 82 metros e altura; Brasília, a arrojada Capital Federal, cidade que exibe o belíssimo conjunto arquitetônico de Oscar Niemeyer.

Cabe aqui lembrar que o JORNAL ECOTURISMO, há alguns anos, levantou a bandeira para que fossem honrados com essa distinção a Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, um dos orgulhos nacionais na Amazônia, e o Real Forte Príncipe da Beira, com suas muralhas de 10 metros de altura, 970 m² de área, no Estado de Rondônia.

CRESCIMENTO DO ECOTURISMO

Nos últimos anos, o Ecoturismo vem crescendo rapidamente, aumentando a procura por esse tipo de turismo, o número de publicações, de programas de TV, de órgãos ligados ao assunto etc. Segundo a Organização Mundial do Turismo, enquanto o turismo cresce 7,5% ao ano, o ecoturismo cresce mais de 20%.

Existem diversas hipóteses para tentar explicar o porquê de as pessoas estarem buscando esse tipo de atividade. As mais comuns são a preocupação com o meio ambiente, maior conscientização ecológica e uma maneira de fugir da rotina e do estresse dos grandes centros urbanos.

Estima-se que mais de um milhão de pessoas no Brasil pratiquem o ecoturismo, que deve empregar milhares de pessoas, através de, no mínimo, 10 mil empresas e instituições privadas.

Para que uma atividade se classifique como ecoturismo, são necessárias quatro condições básicas: respeito às comunidades locais; envolvimento econômico efetivo das comunidades locais; respeito às condições naturais e conservação do meio ambiente e interação educacional – garantia de que o turista incorpore para a sua vida o que aprende em sua visita, gerando consciência para a preservação da natureza e dos patrimônios histórico, cultural e étnico.

O caminho ideal para o ecoturismo é o que se chama de desenvolvimento sustentável. Este conceito propõe a integração da comunidade local com atividades que possam promover a conservação e o uso sustentável dos recursos naturais e culturais.

Onde Praticar Ecoturismo no Brasil?

Estação Ecológica do Taim

A Estação Ecológica do Taim (ESEC Taim), criada em 1978, é administrada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). Possui uma área de 33.815 hectares, situando-se na estreita faixa de terra entre o oceano Atlântico e a lagoa Mirim.

Compreende partes dos municípios de Santa Vitória do Palmar e Rio Grande, no Estado do Rio Grande do Sul.

O acesso à estação ecológica se faz através da BR-471, estrada que atravessa longitudinalmente a área da estação. O objetivo principal é de proteger um dos principais ecossistemas do país, bem como proporcionar meios para que universidades e outras instituições possam fazer estudos ecológicos.

A planície costeira do Rio Grande do Sul apresenta áreas de grande expressão no contexto ambiental do extremo sul do Brasil, originada pelos avanços e recuos do mar. Os banhados do Taim apresentam diversificados ecossistemas e estão representados pelas praias lagunares e marinhas, lagoas, pântanos, campos, cordão de dunas e campo de dunas.

Fauna e flora

Diante dessa variedade ambiental, podem ser encontradas várias espécies de animais, tais como o João-de-barro, tartarugas, tuco-tuco, capivaras, ratão-do-banhado, jacaré-de-papo-amarelo e abundante ave-fauna.

A flora, igualmente diversa, apresenta: figueiras, corticeiras, quaresmeiras, orquídeas, bromélias, cactos, juncos e aguapés.

Pessoas

A população do Taim concentra-se ao longo da BR-471, em povoados como a Vila do Taim, e nas grandes propriedades conhecidas como granjas. No interior da região, a densidade demográfica é pequena concentrada em pequenas e médias propriedades rurais e acampamentos de pescadores. A infra-estrutura básica conta com uma subestação de energia elétrica, quatro escolas de 1º grau, dois postos médicos, um posto da Brigada militar, a sede do IBAMA na Estação Ecológica do Taim e um posto de fiscalização municipal do ICMS.

A atividade econômica básica das grandes propriedades é a agricultura, associada à criação de bovinos, eqüinos e ovinos, destacando-se a orizicultura, que atrai a mão de obra local para atividades dedicam-se à pecuária de corte, além da ocasional produção de arroz direta ou indireta, através de arrendamento das terras.

A pequena propriedade sobrevive da pecuária extensiva de corte, servindo como fonte de mão de obra para orizicultura. Além da agricultura e da pecuária, o reflorestamento, a atividade madeireira e a pesca são outras atividades econômicas da região. A caça, embora ilegal, serve como complemento de renda para uma parcela da população, sendo destinada à alimentação e ao comércio da carne da capivara e de aves, além da exploração da pele do ratão do banhado.

Pessoas

A população concentrada na Vila do Taim é composta basicamente por pescadores, com um histórico progresso de intensa atividade de caça, tanto para o sustento como para comercialização. Por isto, a população da vila foi extremamente afetada com a implantação da Estação e a intensificação da atividade fiscalizadora do Poder Público, vendo seu nível de qualidade de vida despencas a índices precários.

Poucos pescadores ainda tiram sustento da lagoa Mirim. A vila agora abriga, em sua maioria, funcionários das granjas vizinhas.

Parque Nacional de Superagüi

O Parque Nacional de Superagüi foi criado em 1989 com uma área inicial de cerca de 21.400 ha. Em 1999 ocorreu outra demarcação e a área aumentou para cerca de 34.000 ha, o que incluia a Ilha de Superagüi, a Ilha das Peças, a Ilha de Pinheiro e a Ilha do Pinheirinho. Foram incluídos ainda o vale do Rio dos Patos, no continente, e o Canal do Varadouro, que separa a Ilha do Superagüi das terras continentais.

O Parque Nacional faz parte do complexo estuário de Paranaguá,Cananéia e Iguape. Em 1991, o parque foi declarado Reserva da Biosfera pela UNESCO, já que sob ponto de vista de suplemento alimentar é uma das áreas mais importantes do país. Mais recentemente, em dezembro de 1999, o parque foi também declarado Patrimônio Natural da Humanidade, também pela UNESCO. Abriga baías, praias desertas, restingas, manguezais e abundantes formações de Floresta Atlântica. Várias espécies animais, algumas delas raras ou ameaçadas de extinção, como o papagaio-chauá (Amazona rhodocorytha) e o papagaio-da-cara-roxa (Amazona brasiliensis), o mico-leão-da-cara-preta (Leontopithecus caissara) e o jacaré-de-papo-amarelo (Caiman latirostris), vivem dentro dos seus limites.

O parque ainda não possui uma infra-estrutura turística organizada, nem existe um plano de manejo. Somente a vila da Barra do Superagüi está fora dos limites do parque e lá existem oito pousadas, quatro restaurantes e um camping. Não há transporte marítimo regular, sendo necessário fretar barcos particulares para chegar ao local. A demanda turística ainda é relativamente pequena, mas em conseqüência da instalação de eletricidade no final do ano 1998 e da proximidade do parque a dois grandes centros urbanos — Curitiba e São Paulo —, é provável que a demanda aumente consideravelmente num futuro próximo, o que torna urgente um programa de planejamento turístico.

História

Na área foram encontrados muitos sambaquis que são provas que houve pescadores muito antigos, depois a região foi habitada por índios carijós e tupiniquins, depois vieram os portugueses.

Em 1852 Perret Gentil, cônsul suíço no Rio de Janeiro, fundou na Ilha de Superagüi uma das primeiras colônias européias no estado do Paraná, no início foram instaladas 15 famílias.

Um dos colonos que mais se destacou, foi o suíço William Michaud, que foi pintor e professor e fez vários desenhos e pinturas sobre as paisagens e costumes da ilha.

Estação Ecológica – Itaimbezinho

O Itaimbezinho é um cânion (ou desfiladeiro) situado no Parque Nacional de Aparados da Serra, no Rio Grande do Sul, Brasil, a cerca de 170 km ao nor-nordeste de Porto Alegre, próximo à fronteira do estado de Santa Catarina.

O cânion tem uma extensão de 5,8 km, com uma largura máxima de 2 km e uma altura máxima de cerca de 700 m, sendo percorrido pelo arroio Perdizes. Além deste, existem outros cânions, tais como o Cânion Fortaleza, Cânion Malacara e o Cânion da Pedra.

Estação Ecológica – Paleorrota

O geoparque da Paleorrota (Paleoroute em inglês) ou Rota Paleontológica está situado no centro do estado do Rio Grande do Sul no Brasil, cuja área contém diversos fósseis do tempo em que havia apenas o continente Pangeia. Principal área de Geoturismo do estado.

A rota está situada dentro de uma grande área que pertence ao período denominado de Triássico (Superior, Médio e Inferior) e Permiano Superior e que possuem idades que váriam entre 210 e 270 milhões de anos atrás. O Geoparque possui vários sítios paleontológicos, que pertence às camadas litoestratigrafica Formação Santa Maria, Caturrita, Sanga do Cabral, Rio do Rastro e Irati. Nestes sítios são encontrados os fósseis de antigos animais vertebrados, com uma fauna muito variada. Ao sudoeste do geoparque são encontrados fósseis do Permiano que data a 270 milhões de anos.

O Estauricossauro foi o primeiro dinossauro brasileiro e foi coletado em Santa Maria no Sítio Paleontológico Jazigo Cinco, pelo paleontólogo Llewellyn Ivor Price.

Ao oeste da rota está a cidade Mata, que juntamente com as cidades de São Pedro do Sul e Santa Maria, formam um grande depósito de paleobotânica. Em uma extensão de mais de 70 kilometros, existem vários depósitos de fósseis de madeira petrificada.

No final do Permiano, 95% da vida na Terra desapareceu no evento conhecido como Extinção Permiana, logo após no Triássico, a vida começou a se modificar, moldando todas as novas espécies que viriam a seguir.

A região já deu grandes contribuições para a compreensão destas transformações:

Estauricossauro que é um dos mais antigos saurischia.
Sacissauro que é o mais antigo Ornitísquios.
Os Pelicossauros deram origem aos cinodontes, que originaram os mamíferos. O Geoparque tem contibuido muito para compreender a História evolutiva dos mamíferos.

Estação Ecológica – Bombinhas

O município de Bombinhas foi criado em 30 de Março de 1992, tendo sido desmembrado do Município de Porto Belo e sendo constituído pela área territorial do então Distrito de Bombinhas.

A história da sua colonização indica que os açorianos que para cá vieram fundaram, em 1817, a Vila de Nova Ericeira, hoje Município de Porto Belo.

A origem de seu nome deve-se ao fato de o barulho das ondas batendo na areia lembrar o estampido de uma bombinha.

Durante a década de 60 algumas pessoas começaram a encantar-se com as belezas naturais do Município de Bombinhas. O primeiro turista foi Leopoldo Zarling, que para cá vinha em busca de de paz para a realização de pescaria. Mais tarde, em 1966, ele construiu a primeira casa de veraneio (Praia da Sepultura), sendo seguido pelos Padres Salesianos, que em 1967 construíram a Casa de Retiros (Praia do Ingleses). O primeiro loteamento foi feito por Leopoldo Zarling, na localidade então denominada Praia Grande, hoje Praia de Bombas.

A região Mariscal, perto de Bombinhas, é uma praia ainda preservada. A vegetação nativa, chamada restinga, se estende pelos 4 km de areia. Graças à ação de ONG como a SOS Mariscal, e de moradores que dão a vida por aquele lugar, a região tem proteção contra a construção de grandes prédios e de obras que possam degredir o ambiente. E a poluição é muito bem controlada.

Estação Ecológica – Juquitiba

Juquitiba é um município brasileiro, localizado na Grande São Paulo. Conhecida como “Terra de Muitas Águas”, possui diversas represas, cachoeiras, riachos e nascentes com águas límpidas e abundantes. Tem grande valor ambiental, pois é formada por grandes reservas de Mata Atlântica preservada. É procurada por seu turismo ecológico e aventureiro. Possui muitas chácaras, fazendas e sítios.

Tornou-se município em 1964, quando se emancipou de Itapecerica da Serra. Anteriormente conhecida como Capela Nova da Bela vista do Juquiá, foi fundada por Manoel Jesuíno Godinho e sua esposa, ao doar 02 alqueires para a construção de uma Capela em homenagem À Nossa Senhora das Dores (Padroeira e protetora de Juquitiba). Nesta área doada à Igreja, foi incentivada, através de doação de madeiras da região, a construção de casas, que formou o primeiro agrupamento populacional (+ ou – 1920).

Na década de 50, foi realizado um traçado nesta região que seria utilizado para a construção de uma ferrovia que ligaria São Paulo à Curitiba, pelo Engenheiro Álvaro Buccolinni. Este engenheiro. maravilhado com o potencial hídrico da região e por sua beleza, conseguiu o registro de uma área , próxima ao centro populacional existente, do Governo Estadual e construiu ali uma residência (que existe até os dias de hoje).

Com os rumos tomados pelo Governo Juscelino Kubistchek de Oliveira, tomando o rumo automobilístico ao invés do ferroviário, o traçado originário da ferrovia foi utilizado para a construção de uma rodovia, primeiramente denominada BR 2, logo em seguida (1970) denominada BR 116, com o nome, em nossa região e até o Paraná de Rodovia Federal Régis Bittencourt. Atualmente, Juquitiba é um intenso polo turístico ecológico e de aventura do Estado de São Paulo.

Geografia

Seus limites são Ibiúna a oeste e norte, São Lourenço da Serra e Embu-Guaçu a nordeste, São Paulo a leste, Itanhaém a sudeste, Pedro de Toledo e Miracatu a sul.

Hidrografia

Juquitiba é a “Terra de Muitas Águas”, isso porque é uma região muito rica nesse recurso.

A cidade possui:

Rio São Lourenço Rio Juquiá Ribeirão das Capivaras Ribeirão das Laranjeiras Ribeirão dos Cuiábas Represa Cachoeira do França Lagos e lagoas particulares e muitas nascentes Riachos e pequenos rios em grande quantidade

Clima

O clima da cidade é Subtropical. Verão pouco quente e chuvoso. Inverno ameno e subseco. A média de temperatura anual gira em torno dos 19ºC, sendo o mês mais frio julho (Média de 15°C) e o mais quente fevereiro (Média de 22°C). O índice pluviométrico anual fica em torno de 1300 mm. O clima, em geral, é frio e chuvoso, devido à localização geográfica do município.

Vegetação

Contém longos trechos de Mata Atlântica preservada, o que faz o município ter grande valor ambiental. Possui vegetação de floresta latifoliada tropical úmida e uma fauna muito rica.

Relevo

Juquitiba, como o nome diz, é a “Terra de Muitas Águas”. Os principais rios da cidade são o Juquiá e o São Lourenço. O município possui represas e muitas cachoeiras, como a dos Palmares, do França e do Monjolo, além de diversos riachos e córregos com águas cristalinas. A cidade é 100% protegida pela Lei de Mananciais. Engloba o Parque Estadual da Serra do Mar, que é área de proteção ambiental, também faz divisa com o Parque Estadual de Jurupará. É região montanhosa,a altitude média é de 685m. O ponto mais alto fica no Bairro das Laranjeiras (900m) e o mais baixo no Bairro do Engano (550m).

Estação Ecológica – Socorro

Socorro é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 22º35’29? sul e a uma longitude 46º31’44? oeste, estando a uma altitude de 752 metros. Sua população estimada em 2004 era de 33.700 habitantes.

Fica as margens do rio do Peixe e na Serra da Mantiqueira. Atualmente, a economia do município está voltada para o setor de confecções (malharias) e turismo ecológico e de esporte de aventura.

Estância hidromineral

Socorro é um dos 11 municípios paulistas considerados estâncias hidrominerais pelo Estado de São Paulo, por cumprirem determinados pré-requisitos definidos por Lei Estadual. Tal status garante a esses municípios uma verba maior por parte do Estado para a promoção do turismo regional. Também, o município adquire o direito de agregar junto a seu nome o título de Estância Hidromineral, termo pelo qual passa a ser designado tanto pelo expediente municipal oficial quanto pelas referências estaduais.

História

Fundada em 1738, por Simão Toledo Pizza. Em 1829 foi erguida uma capela em homenagem a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Padroeira do município, no local da atual Igreja Matriz. A primeira missa foi realizada na data de 9 de agosto, data que se comemora o aniversário do município. Em 1883 Socorro foi declarada município e em maio de 1889, como comarca. Em 1945 o então Governador do estado Fernando Costa, elevou a município a condição de Estância Sanitária. Em 1978, Socorro se torna estância hidromineral e readquire seus direitos políticos. A população de Socorro é em sua maioria descendente de imigrantes italianos.

Rio do Peixe

A cidade de Socorro é cortada pelo Rio do Peixe, cuja nascente fica no município de Senador Amaral em MG, atravessando os município paulistas de Socorro, Lindóia e Itapira. É o principal afluente do rio Mogi-Guaçu, onde deságua. Sua extensão total chega a 130 km. encontramos espécies como pacu, piratininga, acará, mandí, cascudo, entre outros. No trecho socorrense, encontramos diveras cachoeiras, como a do Monjolinho, Saltinho, Cachoeira dos Sonhos, Cachoeira do Rio do Peixe, Cachoeira Véu de Noiva, Cachoeira Rancho Alegre, Cachoeira Santos Dummont e Cachoeira do Pinhal. Pequenas quedas d’água estão em todo o percurso devido à topografia acidentada. O grande desafio atual do rio para o Rio do Peixe é a conservação e o reflorestamento da mata ciliar, um importante tópico, pois a saúde do tio e sua fauna dependem diretamente deste trabalho.

Turismo

O município Socorro tem um grande potencial turístico. Conhecida como a Capital Nacional do Tricô e Malha.

Em nível Nacional: umas das principais cidades. A Feira Permanente de Malhas e o Moda Shopping atendem os turistas e cobrem as encomendas de grandes lojas da Capital.

A cidade também tem um grande potencial para os Esportes de Aventura: hoje uma das principais cidades do Circuito Nacional e também faz parte do Projeto Socorro Acessível, em que as práticas esportivas incluem pessoas com necessidades especiais. A cidade tem uma ampla cobertura de Hotéis e Pousadas distribuídas na cidade e fazem parte do Turismo Rural. Sem contar também com aproximadamente 12 alambiques, 10 pesqueiros e pequenas propriedades para a comercialização de produtos orgânicos.

Aventura

Para quem é viciado em adrenalina, gosta de emoções fortes e adora sair do lugar comum, Socorro é o local ideal para extravasar tudo isso. A cidade é agraciada por uma topografia perfeita para a prática de esportes radicais e o turismo de aventura. São poucos os lugares que conseguem reunir tantas modalidades dessas atividades. E o mais interessante de tudo, é que existe a possibilidade de se praticar sendo apenas um iniciante. A visão de empresários fez de Socorro um dos grandes destinos para quem quer se aventurar. A capacidade natural foi constatada após vários estudos e observação do local.

Os recursos naturais são respeitados, assim como a ‘personalidade’ do lugar. Não podemos esquecer que estamos falando de natureza, e esta nos impõe respeito. Outro fator de elevante importância é o aumento de postos de trabalho, compostos também de mão de obra local. A maioria dos trabalhadores, monitores ou não, são capacitados em alguma área ligada ao turismo.

Estação Ecológica – Brotas

A história do município começa por volta do ano de 1839 quando uma capela foi construída dando início a um povoado. Brotas tornou-se distrito de Araraquara em 1841 e foi transferida para Rio Claro em 1853. Em 22 de agosto de 1859 o distrito foi transformada em município.

O municipío experimentou a sua fase de maior desenvolvimento durante a expansão da lavoura de café, entre as décadas de 1920 e 1930.

Durante esta fase a cidade recebeu um grande número de imigrantes italianos. Com a decadência da agricultura cafeeira, o município perdeu grande parte da sua população para os grandes centros.

Geografia

A região de Brotas, incluíndo o bairro do Patrimônio de São Sebastião e a cidade de Torrinha, apresenta um número elevado de acidentes geográficos de grande interesse turístico.

Economia

Apesar de historicamente ter seu desenvolvimento econômico baseado no cultivo do café, Brotas é conhecida internacionalmente por ter se especializado no turismo de aventura, sendo palco para a prática dos mais diversos esportes de aventura, como o rafting e a canoagem, aproveitando o potencial do rio Jacaré Pepira. Atualmente a economia do município baseia-se na agropecuária, principalmente no cultivo de cana-de-açúcar e laranja, apesar da crescente importância do turismo de aventura.

REGRAS DE ECOTURISMO

Procure sempre agências autorizadas a operar com ecoturismo.
Verifique se o guia conhece a região e tem treinamento em primeiros socorros e salvamentos.
Para lugares de mata fechada e/ou de difícil acesso, recomenda-se o uso de bússola e carta topográfica.
Só pratique ecoturismo em trilhas oficiais, devidamente mapeadas.
Avise familiares ou amigos sobre o passeio, informando o horário de início e previsto para o retorno.
Mantenha em sua mochila um estojo com material de primeiros socorros.
Jamais se aventure em trilhas com pessoas despreparadas ou com guias inexperientes.
Use calçados e roupas apropriados para cada tipo de trilha.
Leve telefone celular ou radiocomunicação, para solicitar socorro, caso seja necessário.
Tenha, entre os seus apetrechos, apitos (eles são úteis na localização), lanternas e pilhas.
Carregue sempre água e mantimentos adequados para praticantes de longas caminhadas, como barras de nutrientes.
Se não tem experiência, procure trilhas com grau menor de dificuldade.
Não, abuse da sua saúde com passeios que estão além do seu condicionamento físico.

Se por acaso você estiver perdido, faça o seguinte:

Mantenha a tranqüilidade, procurando acalmar os mais nervosos.
Marque o local de onde se encontra com sinais ou se utilizando de características do ambiente.
Procure sempre o leito do rio, tendo como referência o barulho das corredeiras e cachoeiras.
Permaneça próximo às margens do rio, facilitando o resgate.
Redobre os cuidados para evitar acidentes que possam complicar ainda mais a situação de quem se encontra perdido.
Jamais divida o grupo para buscar socorro ou a saída da trilha.

TIPOS DE ECOTURISMO

O Ecoturismo, novo e importante setor do turismo brasileiro, tem crescido a cada ano e agora começa a ser encarado como excelente alternativa para o desenvolvimento sustentável de inúmeras regiões. Afinal de contas, exercitar o corpo e, no caminho, contemplar a natureza, é tudo que estava faltando para o ser humano enfrentar o dia-a-dia.

BÓIA CROSS

No início era apenas uma brincadeira de garotos ousados, que se aventuravam nas corredeiras de rios usando câmara de pneus de caminhão. Mas o número de adeptos do bóia-cross aumentou, provocando o desenvolvimento de equipamentos específicos que facilitam as manobras.

A câmara-de-ar agora é revestida por uma capa com alças de segurança. Para remar, usam-se os próprios braços, com uma luva especial que auxilia os movimentos, tornando as bóias dirigíveis.

O praticante pode descer as corredeiras sentado na bóia ou de peito sobre ela. A melhor opção é ir deitado de bruços, mais fácil para remar e direcionar a câmara-de-ar desviando de pedras. Assim como no rafting, no bóia-cross é necessário informar-se sobre a classificação das corredeiras dos rios.

CANOAGEM

A canoagem pode ser praticada em águas calmas, no mar ou em corredeiras de rios. O esporte – que faz parte das Olimpíadas desde os Jogos de Berlim, em 1936 -, usa canoas ou caiaques. A canoa mais comum, chamada de canadense, é muito pouco divulgada por aqui.

Os caiaques mais usados no Brasil são embarcações fechadas, para um, dois ou quatro remadores, cada um, portanto um remo com duas pás. A canoagem em águas calmas não requer experiência, mas a descida de corredeiras exige técnica e noções de segurança.

RAPEL

Atividade segura, o rapel é a descida de paredões, abismos e cachoeiras, com o auxílio de cordas. Essa técnica de escalada, utilizada também no caving e no canyoning, pode ser positiva (com apoio dos pés), guiada (com desvio diagonal da trajetória, para evitar torrente) ou fraciosanada (dividido em vários rapéis menores para encontrar um caminho mais seguro).

Não é raro ver nas grandes cidades pessoas praticando rapel em pontes e viadutos como forma de treinamento.

CAVALGADA

Curtir a natureza ao som do trote de um cavalo é um passeio seguro para todas as idades. A cavalgada é um meio eficiente de percorrer longas distâncias e atingir regiões cujo terreno apresenta obstáculos.

O cavalo é a melhor forma de se locomover no Pantanal, por exemplo, pois atravessa áreas alagadas, onde há muita água para o veículo motorizado, mas pouca para a travessia de barcos. A figura de um cavalo aparece com freqüência em desenhos rupestres, registrando a história de cavalgada, mas apenas noções básicas de equitação, parque que o cavaleiro possa manejar com segurança o animal.

Antes de iniciar a cavalgada, o cavaleiro recebe instruções de manejo e aprende a lidar com o equipamento e com o cavalo. Todos os ensinamentos são aprendidos na prática, nos passeios organizados por agências especializadas.

VOO LIVRE

A asa-delta é fabricada com tecido resistente (dacron), um trapézio de tubos de alumínio (para controlar a direção), um tubo transversal (para sustentar a asa aberta), a quilha (centro de gravidade), dois tubos angulares na ponta dianteira da asa, um cinto e um mosquetão (para prender o piloto à asa).

Um vôo bem sucedido depende da checagem dos equipamentos, que devem seguir normas de segurança, das condições climáticas e da experiência do piloto, o que requer um curso especializado. Para experimentar a sensação de voar, deve-se praticar um vôo duplo, junto com o instrutor.

CANYONING

O canyoning é a exploração de cânions usando técnicas de escalada. Embora a vitrina da atividade seja o rapel em cascatas, amplamente praticado no Brasil, o esporte requer conhecimento mais abrangente.

O adepto deve ter noções de segurança em rapel e escalada, natação e de espeleologia, que permitam avaliar os obstáculos durante a exploração de cânions e rios sem garganta.

O canyoning tem origem franco-espanhola, pois surgiu quando um grupo de espeólogos procurava cavernas nos cânions dos Pireneus – cadeia de montanhas no norte da Espanha e no sul da França. A atividade foi introduzida no Brasil em 1990.

TREKKING

Com disposição, qualquer um pode aderir às caminhadas que, além de baratas, não requerem equipamentos especiais. Entretanto, desbravar lugares selvagens, cruzando florestas, rios, montanhas e dunas de areia, exige planejamento e, muitas vezes, a companhia de guias experientes.

Fonte: revistaecoturismo.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Dragagem

Dragagem

Draga é um navio usado para escavar material, sob o nível da água, e aumentando o material extraído da superfície.

Fitorremediação

Fitorremediação

PUBLICIDADE O fitorremediação é a descontaminação de solo, o tratamento de águas residuais ou de …

Buraco na Camada de Ozônio

Buraco na Camada de Ozônio

PUBLICIDADE Os furos na camada de ozono, são causados pelo aumento das concentrações de produtos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+