Breaking News
Home / Meio Ambiente / Poluição do Solo

Poluição do Solo

PUBLICIDADE

Definição de Poluição do Solo

poluição do solo compreende a contaminação do solo com materiais, principalmente produtos químicos, que estão fora do lugar ou estão presentes em concentrações mais altas do que o normal, o que pode ter efeitos adversos sobre os seres humanos ou outros organismos.

É difícil definir a poluição do solo exatamente porque existem diferentes opiniões sobre como caracterizar um poluente; enquanto alguns consideram o uso de pesticidas aceitável se seu efeito não exceder o resultado pretendido, outros não consideram o uso de pesticidas ou mesmo fertilizantes químicos aceitável.

No entanto, a poluição do solo também é causada por outros meios que não a adição direta de produtos químicos xenobióticos (feitos pelo homem), como águas de escoamento agrícola, resíduos industriais, precipitados ácidos e precipitação radioativa.

Tanto os contaminantes orgânicos (aqueles que contêm carbono) quanto os inorgânicos (aqueles que não contêm) são importantes no solo.

Os grupos químicos mais proeminentes de contaminantes orgânicos são hidrocarbonetos de combustível, hidrocarbonetos aromáticos polinucleares (PAHs), bifenilos policlorados (PCBs), compostos aromáticos clorados, detergentes e pesticidas.

As espécies inorgânicas incluem nitratos, fosfatos e metais pesados como cádmio, cromo e chumbo; ácidos inorgânicos; e radionuclídeos (substâncias radioativas).

Entre as fontes desses contaminantes estão o escoamento agrícola, precipitados ácidos, resíduos industriais e precipitação radioativa.

poluição do solo é uma coisa comum nos dias de hoje, e isso acontece devido à presença de elementos artificiais.

O que é Poluição do Solo

Poluição do Solo

O solo pode ser contaminado por produtos químicos provenientes de instalações industriais, atividades de mineração e aterros sanitários, bem como por água contendo poluentes de outras fontes, como agricultura e até mesmo atividades domésticas. Os poluentes nos solos às vezes podem persistir por muito tempo. Isso se aplica particularmente a antigos locais industriais onde metais tóxicos foram depositados.

Embora o uso de chumbo na gasolina tenha sido eliminado no final da década de 1970, os níveis de chumbo permanecem relativamente altos em solos próximos a áreas de tráfego intenso.

Os aterros sanitários podem conter uma grande variedade de resíduos industriais e domésticos, geralmente consistindo de materiais que não podem ser reciclados ou que foram jogados fora antes que a reciclagem se tornasse comum. Vazamentos de produtos químicos industriais, gasolina, produtos de limpeza e substâncias de baterias podem poluir o solo ao redor e podem entrar na água subterrânea, espalhando o problema ou mesmo ameaçando o abastecimento de água potável.

poluição do solo também pode resultar da chuva ácida. O solo pode se tornar acidificado, afetando a vida das plantas e os organismos mais acima na cadeia alimentar.

poluição do solo pode levar à poluição da água se produtos químicos tóxicos penetrarem nas águas subterrâneas ou se o escoamento contaminado atingir riachos, lagos ou oceanos.

O solo também contribui naturalmente para a poluição do ar, liberando compostos voláteis na atmosfera. O nitrogênio escapa pela volatilização e desnitrificação da amônia.

A decomposição de materiais orgânicos no solo pode liberar dióxido de enxofre e outros compostos de enxofre, causando chuva ácida.

Metais pesados e outros elementos potencialmente tóxicos são os poluentes de solo mais graves nos esgotos. O lodo de esgoto contém metais pesados e, se aplicado repetidamente ou em grandes quantidades, o solo tratado pode acumular metais pesados e, conseqüentemente, tornar-se incapaz de sustentar a vida das plantas.

Além disso, os produtos químicos que não são solúveis em água contaminam as plantas que crescem em solos poluídos e também tendem a se acumular cada vez mais no topo da cadeia alimentar.

O banimento do pesticida DDT, em alguns países, resultaram de sua tendência a se tornar cada vez mais concentrado à medida que passava do solo para vermes ou peixes, e depois para pássaros e seus ovos.

Isso ocorreu quando as criaturas superiores na cadeia alimentar ingeriram animais que já estavam contaminados com o pesticida por comer plantas e outros animais inferiores.

A poluição cada vez maior do meio ambiente tem sido uma das maiores preocupações da ciência e do público em geral nos últimos cinquenta anos. A rápida industrialização da agricultura, a expansão da indústria química e a necessidade de gerar formas baratas de energia causaram a liberação contínua de produtos químicos orgânicos feitos pelo homem nos ecossistemas naturais. Conseqüentemente, a atmosfera, os corpos d’água e muitos ambientes do solo foram poluídos por uma grande variedade de compostos tóxicos.

Muitos desses compostos em altas concentrações ou após exposição prolongada têm o potencial de produzir efeitos adversos em humanos e outros organismos: Estes incluem o perigo de toxicidade aguda, mutagênese (mudanças genéticas), carcinogênese e teratogênese (defeitos de nascença) para humanos e outros organismos.

Alguns desses compostos tóxicos produzidos pelo homem também são resistentes à degradação física, química ou biológica e, portanto, representam uma carga ambiental de magnitude considerável.

Inúmeras tentativas estão sendo feitas para descontaminar solos poluídos, incluindo uma série de técnicas in situ (no local, no solo) e fora do local (remoção de solo contaminado para tratamento).

Nenhum deles é ideal para remediar solos contaminados e, frequentemente, mais de uma das técnicas pode ser necessária para otimizar o esforço de limpeza.

O método de descontaminação mais comum para solos poluídos é remover o solo e depositá-lo em aterros sanitários ou incinerá-lo.

Esses métodos, no entanto, muitas vezes trocam um problema por outro: o aterro apenas confina o solo poluído enquanto faz pouco para descontaminá-lo, e a incineração remove produtos químicos orgânicos tóxicos do solo, mas posteriormente os libera no ar, no processo causando poluição do ar.

Para a remoção e recuperação de metais pesados, várias técnicas de lavagem de solo foram desenvolvidas, incluindo métodos físicos, como limpeza por atrito e peneiramento úmido, e métodos químicos que consistem em tratamentos com ácidos orgânicos e inorgânicos, bases, sais e agentes quelantes.

Por exemplo, os produtos químicos usados para extrair radionuclídeos e metais tóxicos incluem os ácidos clorídrico, nítrico, fosfórico e cítrico, carbonato de sódio e hidróxido de sódio e os agentes quelantes EDTA e DTPA. O problema com esses métodos, no entanto, é novamente que eles geram resíduos de produtos secundários que podem exigir tratamentos adicionais de resíduos perigosos.

Em contraste com os métodos descritos anteriormente, os métodos in situ são usados diretamente no local de contaminação. Nesse caso, o solo não precisa ser escavado e, portanto, a chance de causar maiores danos ambientais é minimizada. A biodegradação in situ envolve o aprimoramento de microrganismos que ocorrem naturalmente por meio da estimulação artificial de seu número e atividade.

Os microrganismos então auxiliam na degradação dos contaminantes do solo. Vários fatores ambientais, químicos e de manejo afetam a biodegradação dos poluentes do solo, incluindo conteúdo de umidade, pH, temperatura, a comunidade microbiana presente e a disponibilidade de nutrientes.

A biodegradação é facilitada por condições aeróbias do solo e pH do solo na faixa neutra (entre pH 5,5 a 8,0), com uma leitura ótima ocorrendo em aproximadamente pH 7 e uma temperatura na faixa de 20 a 30 °C.

Esses parâmetros físicos podem ser influenciados, promovendo assim a capacidade dos microrganismos de degradar contaminantes químicos. De todos os métodos de descontaminação, a biorremediação parece ser a técnica menos prejudicial e mais ambientalmente aceitável.

Causas da poluição do solo

Poluição do Solo

As atividades humanas são a principal causa da poluição e degradação do solo.

Todos os solos, poluídos ou não, contêm uma variedade de compostos (contaminantes) que estão naturalmente presentes.

Esses contaminantes incluem metais, íons inorgânicos e sais (por exemplo, fosfatos, carbonatos, sulfatos, nitratos) e muitos compostos orgânicos (como lipídios, proteínas, DNA, ácidos graxos, hidrocarbonetos, PAHs, álcoois, etc.).

Esses compostos são formados principalmente por meio da atividade microbiana do solo e da decomposição de organismos (por exemplo, plantas e animais).

Além disso, vários compostos entram no solo da atmosfera, por exemplo, com a água da precipitação, bem como pela atividade do vento ou outros tipos de distúrbios do solo, e de corpos d’água superficiais e subterrâneos rasos que fluem através do solo. Quando a quantidade de contaminantes do solo excede os níveis naturais (o que está naturalmente presente em vários solos), a poluição é gerada.

Existem duas causas principais pelas quais a poluição do solo é gerada: causas antropogênicas (feitas pelo homem) e causas naturais.

O principal fator de poluição do solo, subsolo e águas doces é a utilização abusiva de pesticidas e fertilizantes nas lavouras. A média anual brasileira é duas vezes superior à do mundo inteiro.

solo é parte integrante dos ecossistemas, pela sua participação nos ciclos biogeoquímicos. A utilização de água e nutrientes é cíclica(ocorrem numa ordem determinada) desde que, retirados do solo, tais elementos retornem ao mesmo através dos ciclos biogeoquímicos.

Um dos problemas ecológicos atuais é a despreocupação humana em relação à essa reciclagem, especialmente no que concerne aos nutrientes de vegetais e condicionadores de solos agricultáveis.

Uso de Praguicidas

Praguicidas ou defensivos agrícolas são substâncias venenosas utilizadas no combate às pragas, organismos considerados nocivos ao homem.

Os principais praguicidas são:

Herbicidas, usados para matar ervas daninhas(parasitas)
Fungicidas
, utilizados no combate de fungos parasitas
Inseticidas
, usados contra insetos
Neumatócidos
, que controlam nematócidos parasitas.

Danos ao homem

Inseticidas ( DDT e BHC ) – câncer, danos ao figado, etc.
Herbicidas, incineração do lixo (Dioxin) 
– câncer, defeitos congênitos, doenças de pele.
Plásticos ( cloro vinil ) 
– câncer do figado e do pulmão; atinge o Sistema Nervoso Central.
Solventes, produtos farmacêuticos e detergentes ( Benzina ) –
 dores de cabeça, náusea, perda de coordenação dos músculos, leucemia.

O que são contaminantes do solo?

Poluição do Solo

O solo é uma mistura complexa de minerais, matéria orgânica, água e várias formas de vida. Em seu estado original, o solo era uma substância não contaminada que cobria a terra.

Mas os seres humanos têm derramado intencionalmente e acidentalmente produtos nocivos sobre ele em algumas áreas. Os resíduos podem prejudicar o solo e possivelmente a saúde humana, vegetal e animal.

Esta seção cobre os contaminantes de solo mais comuns, como eles chegaram lá e como podem causar problemas à saúde humana.

Por definição, qualquer substância no solo que exceda os níveis de ocorrência natural e apresente riscos à saúde humana é um contaminante do solo. Como um exemplo rápido, o arsênio ocorre naturalmente em alguns solos. Mas se uma pessoa borrifar certos pesticidas em seu quintal, isso pode causar contaminação do solo. O chumbo também é muito perigoso, mas ocorre naturalmente em alguns solos. Foi usado na gasolina até 1989 e ainda hoje pode ser encontrado contaminando solos.

Os maiores riscos de contaminação do solo estão em áreas urbanas e antigas instalações industriais. Se você não tiver certeza sobre as condições do solo perto de sua casa ou propriedade, é melhor fazer um teste de solo para ter certeza sobre sua segurança. Claro, a maior parte do solo é perfeitamente segura para brincar, jardinagem e recreação, mas é melhor estar seguro.

Contaminantes comuns em solos urbanos incluem pesticidas, produtos de petróleo, rádon, amianto, chumbo, arseniato de cobre cromado e creosoto. Em áreas urbanas, a contaminação do solo é em grande parte causada por atividades humanas. Alguns exemplos são manufatura, despejo industrial, desenvolvimento de terras, descarte local de resíduos e uso excessivo de pesticidas ou fertilizantes.

O tráfego intenso de carros e caminhões pode contaminar o solo, assim como um único carro:

Você já notou uma poça brilhante embaixo do seu carro na garagem?

Isso é petróleo – um produto de petróleo – e quando chover, esse petróleo vai parar no solo!

Quando o solo está contaminado com essas substâncias, pode prejudicar o meio ambiente nativo. Muitas dessas substâncias são tão tóxicas para as plantas quanto para os humanos. Além disso, como o solo é o “rim da terra”, os contaminantes podem gotejar através do solo e chegar ao nosso abastecimento de água. Você pode ver porque a contaminação do solo é um assunto tão importante!

Onde e quanta contaminação é adicionada aos solos determinará amplamente como essa contaminação se espalha por uma área. O tipo de solo também terá um papel importante na sua distribuição. Por exemplo, certos contaminantes podem atingir as fontes de água subterrânea mais facilmente na areia do que na argila. Isso se deve às taxas de infiltração mais rápidas de tipos de solo arenosos de granulação grossa.

Solos argilosos de granulação fina ou material orgânico em solos superficiais podem reter contaminantes firmemente, o que significa que os contaminantes se acumularão se não forem perturbados (ou seja, sem escavação ou cultivo).

Algumas atividades humanas podem ocorrer ao mesmo tempo. Por exemplo, algumas novas áreas habitacionais são construídas em antigos locais industriais.

Esses solos podem ter contaminantes do solo enterrados que são trazidos à superfície quando as casas – ou estradas para sustentá-las – são colocadas.

Os contaminantes recém recapeados podem então ser redistribuídos por todo o ambiente urbano pelo vento (como poeira) e erosão hídrica. Os contaminantes também podem ser retidos em um local, o que representa um risco de exposição local se o alimento for cultivado no solo contaminado ou se as crianças brincarem no solo.

Metais pesados, fertilizantes e pesticidas

Precisamos da agricultura para cultivar nossos alimentos, mas algumas práticas agrícolas insustentáveis continuam a contaminar os solos.

As plantas precisam, entre outras coisas, de nutrientes para crescer e a agricultura intensiva pode esgotar os nutrientes do solo mais rápido do que a natureza os reabastece.

Os fertilizantes funcionam compensando esse déficit pela introdução de nutrientes extras. Infelizmente, muitas vezes nem toda a quantidade é absorvida pelas plantas e o excedente que está inicialmente no solo, mais cedo ou mais tarde, entra em lagos e rios. Uma vez na água, o nitrogênio excedente muitas vezes leva ao crescimento excessivo de plantas e algas, cuja decomposição pode reduzir severamente os níveis de oxigênio na água, prejudicando espécies de animais e plantas naquele ecossistema.

O cobre tem sido amplamente utilizado como fungicida em vinhas e pomares há décadas.

Um estudo recente em grande escala mostrou que as concentrações de cobre nas vinhas eram três vezes superiores à média nos solos europeus.

O cobre também é adicionado à alimentação animal e introduzido no meio ambiente quando o estrume é espalhado nas pastagens e outras terras agrícolas.

O cádmio é outro metal altamente tóxico encontrado em fertilizantes de fósforo mineral. Alguns ‘fertilizantes orgânicos’, como lodo de esgoto, estrume, composto e bio-resíduos, também podem introduzir uma ampla mistura de metais pesados e poluentes orgânicos se não forem bem regulamentados.

Produtos químicos do uso de longo prazo de pesticidas também são encontrados em amostras de solo de toda a Europa. Mais de 80% dos solos testados em um estudo continham resíduos de pesticidas, com 58% contendo dois ou mais tipos de resíduos.

Fonte: www.recyclelife.net/www.pollutionissues.com/br.geocities.com/www.eea.europa.eu/www.conhecimentosgerais.com.br/www.environmentalpollutioncenters.org/www.soils.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Poluição Industrial

PUBLICIDADE Definição de Poluição industrial A poluição cuja fonte provém diretamente da indústria é conhecida …

Biotecnologia Ambiental

Biotecnologia Ambiental

PUBLICIDADE Definição A biotecnologia ambiental, em particular, é a aplicação de processos para a proteção e …

Ecologia Industrial

PUBLICIDADE Definição de Ecologia Industrial A ecologia industrial conceitua a indústria como um ecossistema feito pelo homem …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.