Breaking News
Home / Meio Ambiente / Pegada Ecológica

Pegada Ecológica

PUBLICIDADE

Pegada Ecológica – Conceito

O conceito de pegada ecológica é relativamente recente mas cada vez mais usado como um indicador de sustentabilidade ambiental.

Pegada Ecológica é um dos métodos mais científicos para a avaliação do desempenho ambiental. É amplamente aplicado para medir o grau de sustentabilidade das comunidades.

Pegada Ecológica – O que é

A expressão “pegada ecológica” foi usada pela primeira vez por dois professores universitários canadianos, William Rees e Mathis Wackernagel.

Pretende ser uma medida para calcular o impacto anual (devido aos recursos naturais que, direta ou indiretamente, consomem) dos seres humanos no ambiente quando vivem de acordo com o seu estilo de vida habitual.

pegada ecológica tem sido usada como indicador de sustentabilidade ambiental.

É uma ferramenta que permite avaliar até que ponto o nosso impacto já ultrapassou o limite, ajudando-nos a perceber se vivemos de forma sustentável.

Isto não quer dizer que, se a nossa pegada for pequena, possamos consumir “à larga” porque ainda temos “crédito”; antes pelo contrário: devemos manter as boas práticas e melhorá-las, para que possamos deixar “muito espaço” para todos os seres vivos que, no futuro, irão povoar a Terra.

Mas esta não é uma batalha fácil: partimos em desvantagem, uma vez que a taxa de consumo de recursos naturais já é superior à sua taxa de reposição.

Pode calcular-se a pegada ecológica de um indivíduo, de uma população, de um país ou até de um produto.

No entanto, existem vários impactos que não são contabilizados no cálculo da pegada ecológica, pelo que o valor obtido é uma estimativa por defeito. Saliente-se ainda a incerteza inerente aos cálculos que, por se basearem em alguns pressupostos e estimativas, podem perder rigor e produzir uma conclusão diferente da realidade. Logo, compreender as limitações deste indicador é muito importante para evitar conclusões precipitadas. Esta informação fornecida pela pegada ecológica deve ser complementada pois a pegada ecológica, relembramos, não é uma medida exata mas sim uma estimativa.

Somando as várias pegadas parcelares obtemos um valor global que representa uma área produtiva capaz de repor, pelo menos em teoria, o capital natural por nós consumido.

Esta área pode ser comparada com o espaço efetivamente existente (designado “biocapacidade”) e, a partir dos valores obtidos, ajudar a obter informação sobre a sustentabilidade de um sistema.

cálculo da pegada ecológica nas sociedades industrializadas permite-nos concluir que, devido ao aumento exponencial da produção de bens e do consumo, o espaço físico disponível na Terra já não é suficiente para nos sustentar se mantivermos os atuais padrões de produção e de consumo.

Como calcular a pegada ecológica

Todas as espécies do planeta Terra incluindo os seres humanos necessitam de uma quantidade mínima de espaço natural para sobreviver.

Um espaço natural em que possamos, sem interrupção, obter alimento, energia e matéria-prima para os processos de produção. Um espaço que nos permita também eliminar os resíduos que produzimos, para que estes não constituam uma ameaça para a nossa sobrevivência.

A unidade de medida da pegada ecológica é o hectare global e o seu cálculo é feito recorrendo a componentes que possam causar impacto ambiental, entre os quais:

Energia fóssil (área de deveríamos reservar para a absorção do CO2 que é libertado em excesso)
Terra arável (área de terreno agrícola necessária para satisfazer as necessidades de alimento da população)
Pastagens (área de terra menos fértil que a terra arável necessária para criar o gado em condições minimamente sustentáveis)
Floresta (área de floresta necessária para fornecer madeira e seus derivados, bem como outros produtos não lenhosos)
Área urbana (área necessária para a construção de edifícios; corresponde a um solo completamente degradado)
Mar (área necessária para produzir o peixe e outras espécies recolhidas que satisfaçam as necessidades de alimento da população).

Regra geral, as pessoas integradas em sociedades mais industrializadas “consomem” uma área maior do que aquelas que se inserem em sociedades menos industrializadas. Logo, a pegada ecológica das primeiras é maior, uma vez que consomem recursos oriundos de várias partes do nosso planeta e têm impacto sobre ambientes distantes.

O que fazer para reduzir a pegada ecológica?

Eis algumas medidas simples que cada um de nós pode adoptar para reduzir a pegada ecológica:

Consumir preferencialmente produtos nacionais ou produzidos localmente e alimentos da época (exemplo: não consumir pêssegos e morangos frescos durante o Inverno)
Reduzir o consumo de carne e peixe e comer mais vegetais, fruta e cereais
Poupar energia e água (isolando melhor as portas e janelas da casa e instalando vidros duplos
Utilizar lâmpadas de baixo consumo, não tomar banhos de imersão, entre outros)
Se for possível, apostar na instalação de painéis solares ou outras formas de energia renovável
Utilizar transportes públicos sempre que possível, sobretudo o comboio e o eléctrico; Reciclar papel, vidro, plástico, embalagens, pilhas e latas.

Como funciona a pegada

Pegada Ecológica
Pegada Ecológica

A contabilidade da Pegada Ecológica mede a demanda e a oferta da natureza.

Do lado da demanda, a Pegada Ecológica soma todas as áreas produtivas pelas quais compete uma população, uma pessoa ou um produto.

Mede os ativos ecológicos que uma determinada população ou produto necessita para produzir os recursos naturais que consome (incluindo alimentos à base de plantas e produtos de fibra, pecuária e produtos pesqueiros, madeira e outros produtos florestais, espaço para infraestrutura urbana) e para absorver seus resíduos, especialmente emissões de carbono.

Pegada Ecológica acompanha o uso de superfícies produtivas.

Normalmente, essas áreas são: terras de cultivo, pastagens, pesqueiros, áreas construídas, área florestal e demanda de carbono em terra.

Do lado da oferta, a biocapacidade de uma cidade, estado ou nação representa a produtividade de seus ativos ecológicos (incluindo terras agrícolas, pastagens, florestas, áreas de pesca e áreas construídas). Essas áreas, especialmente se não forem colhidas, também podem servir para absorver os resíduos que geramos, especialmente nossas emissões de carbono da queima de combustível fóssil.

Tanto a Pegada Ecológica quanto a biocapacidade são expressas em hectares globais – hectares padronizados globalmente comparáveis com produtividade média mundial.

Pegada Ecológica de cada cidade, estado ou nação pode ser comparada à sua biocapacidade ou à do mundo.

Se a Pegada Ecológica de uma população excede a biocapacidade da região, essa região apresenta um déficit de biocapacidade. Sua demanda pelos bens e serviços que suas terras e mares podem fornecer – frutas e vegetais, carne, peixe, madeira, algodão para roupas e absorção de dióxido de carbono – excede o que os ecossistemas da região podem regenerar. Em comunicações mais populares, também chamamos isso de “déficit ecológico”. Uma região em déficit ecológico atende à demanda importando, liquidando seus próprios ativos ecológicos (como a pesca predatória) e/ou emitindo dióxido de carbono para a atmosfera. Se a biocapacidade de uma região excede sua Pegada Ecológica, ela possui uma reserva de biocapacidade.

Concebida em 1990 por Mathis Wackernagel e William Rees na Universidade da Colúmbia Britânica, a Pegada Ecológica lançou o movimento mais amplo da Pegada, incluindo a Pegada de carbono, e agora é amplamente utilizada por cientistas, empresas, governos, indivíduos e instituições que trabalham para monitorar a ecologia uso de recursos e promover o desenvolvimento sustentável.

Os cálculos mais proeminentes são aqueles produzidos para os países. Chamamos isso de Contas Nacionais de Pegada e Biocapacidade.

Metodologia da Pegada

O procedimento básico para a metodologia da pegada é determinar a produtividade global anual e a capacidade de assimilação (biocapacidade) das principais áreas de terra. Em seguida, essa biocapacidade é comparada às demandas que lhe são impostas pelo consumo humano e pela produção de resíduos. As terras produtivas são agregadas como terras agrícolas, pastagens, florestas, pescas e terras construídas.

As terras construídas são geralmente consideradas como ocupando antigas terras agrícolas, pois este é o padrão de assentamento predominante na história humana.

A presente metodologia de pegada sustenta que menos de um quarto da superfície da Terra fornece biomassa suficientemente concentrada para ser considerada biologicamente produtiva – deixando de fora áreas oceânicas profundas, desertos, tundra congelada e outras partes menos produtivas da natureza.

A biocapacidade pode mudar: tanto negativamente, devido a alterações da terra como a desertificação; e positivamente, devido a melhorias na tecnologia que resultam em maiores rendimentos.

As pegadas ecológicas podem ser calculadas usando duas abordagens básicas: componente e composto. A pegada de componentes é uma abordagem de baixo para cima que consiste em calcular as pegadas ecológicas de partes individuais de um sistema e depois somá-las. A pegada composta, por outro lado, é uma abordagem de cima para baixo usando números agregados, como produção, importações e exportações de agricultura, energia e outras commodities, geralmente para nações.

Usando qualquer uma das metodologias, os componentes de consumo humano e resíduos de uma pegada são atribuídos ao ponto final de utilização (onde um produto é usado e entra no fluxo de resíduos), independentemente de onde a saída é realmente assimilada. Por exemplo, alguns produtos residuais, como o dióxido de carbono, podem ser assimilados bem fora dos limites do local onde são realmente emitidos, seja porque os resíduos são transportados para fora do ponto de uso ou porque os resíduos são gerados em uma unidade de produção remota. local.

A pegada final resulta da comparação da biocapacidade global com consumo e resíduos. A alta biocapacidade disponível permite pegadas maiores ou maiores, e níveis mais altos de consumo exigem terras biologicamente mais produtivas. O consumo além dos níveis renováveis de biocapacidade requer o esgotamento do capital natural e é considerado insustentável se consumir recursos até o ponto em que eles não possam se regenerar.

Medir a pegada ecológica da energia é um desafio particularmente significativo e complexo que pode ser abordado de várias maneiras.

Uma questão primária que surge diz respeito ao tipo de energia que está sendo usada. Formas de produção de energia altamente renováveis, como a eólica e a solar, normalmente têm pegadas equivalentes à área de terra que ocupam mais os materiais incorporados no mecanismo de coleta. No outro extremo, a energia nuclear é inerentemente insustentável tanto porque os recursos que ela utiliza não são renováveis e extremamente tóxicos, quanto porque a destruição potencial de acidentes nucleares produz um aumento dramático na área de pegada. A abordagem atual é converter a energia nuclear para o impacto equivalente do combustível fóssil. A pegada de combustíveis fósseis pode ser calculada como a quantidade de área de terra que seria necessária para cultivar e colher uma quantidade equivalente de lenha ou como a quantidade de área de terra necessária para assimilar as emissões de dióxido de carbono associadas. A última abordagem é a mais usada em contas de footprint.

Os cálculos da pegada até o início do século XXI assumiram fatores de rendimento otimistas para alimentos e florestas (tornando-os conservadores) e deixaram sem medição muitos dos impactos associados à poluição, uso da água e declínio de habitats e espécies. Embora estejam sendo feitas melhorias na metodologia, a pegada ecológica não pode ser considerada uma medida definitiva do impacto ecológico da humanidade sem acréscimos significativos.

Pegada Ecológica – História

Pegada Ecológica
Pegada Ecológica

No início da década de 1990, o Dr. William Rees e um estudante de pós-graduação, Mathis Wackernagel, desenvolveram e quantificaram a primeira “pegada ecológica” para a cidade de Vancouver, Canadá.

Fundamental para esta pesquisa foi responder à pergunta: “qual é o tamanho de uma área de terra produtiva necessária para sustentar uma população definida indefinidamente, onde quer que essa terra esteja localizada?”

As pegadas ecológicas baseiam-se em estudos anteriores, todos projetados para quantificar os recursos naturais usados pelos seres humanos e compará-los com os que estão disponíveis.

pegada ecológica é uma ferramenta de contabilidade ambiental que mede o impacto humano na natureza, com base na capacidade da natureza de produzir de forma renovável os recursos que os humanos usam e absorver os resíduos resultantes. A pegada fornece uma maneira de agregar em uma única medida composta muitos dos impactos ecológicos associados a terrenos construídos (ou seja, estradas e edifícios), alimentos, energia, resíduos sólidos e outras formas de resíduos ou consumo.

O resultado representa o impacto ou pegada. Usando uma medida baseada em área, como hectares ou acres, o tamanho de uma pegada pode ser comparado aos serviços renováveis que a biocapacidade da Terra pode produzir em um determinado ano. A metodologia da pegada pode ser usada para avaliar o progresso de uma população em direção à sustentabilidade ecológica.

A pegada tem sido criticada em várias frentes, principalmente relacionadas à complexa metodologia subjacente à medida, bem como às aplicações para as quais ela é adequada.

Juntamente com outros indicadores agregados, a pegada tem sido criticada por obscurecer os componentes e premissas que compõem a medida.

Embora a metodologia por trás da medida esteja prontamente disponível, é complicada e, portanto, não acessível sem algum conhecimento técnico.

Outros críticos argumentam que a premissa de viver dentro das limitações de recursos pode ser superada com a inovação tecnológica. É verdade que, em muitos aspectos, a pegada é o pior cenário, porque descreve a situação se não houver melhorias tecnológicas; mas o inverso, contar com melhorias, também pode ser arriscado a longo prazo.

Quando um país ou comunidade usa mais recursos renováveis do que os disponíveis, excedeu os limites ecológicos. Não será sustentável por um período de tempo indefinido.

Tal situação pode ocorrer em um período de tempo relativamente curto porque o capital natural pode ser esgotado para preencher a lacuna de recursos renováveis. As importações também podem atender às necessidades da sociedade, mas podem simplesmente deslocar o esgotamento do capital natural em todo o mundo. Com o tempo, os estoques globais podem se esgotar a ponto de não poderem se regenerar ou exigir uma intervenção humana significativa para fazê-lo.

Fonte: www.geocities.com/www.footprintnetwork.org/www.encyclopedia.com(Dahlia Chazan e Jason Venetoulis)/www.comunicai.com.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Efeito La Niña

PUBLICIDADE Efeito La Niña – O que é Tradicionalmente, La Niña tem recebido menos atenção do que …

Poluição Industrial

PUBLICIDADE Muitos processos de fabricação industrial usam ou produzem produtos químicos que podem prejudicar a …

Biotecnologia Ambiental

Biotecnologia Ambiental

PUBLICIDADE Definição A biotecnologia ambiental, em particular, é a aplicação de processos para a proteção e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.